Espectro político e eleições

Se aproximando as eleições (e meu dever a cumprir como mesário), lembro que, ainda que as opções do executivo não sejam das melhores, eleger pessoas qualificadas para os quadros legislativos se torna uma missão tão importante quanto. Algo que é bastante comum mas também gera diversas dúvidas são os testes de espectro político.

Em um deles, meu resultado foi algo entre o comunitarismo e a direita. Sabemos que o debate direita-esquerda é complexo, o que torna necessário conhecer mais detalhes de um modo de pensar política para se saber o real posicionamento.

Antes de falar do comunitarismo, vou falar brevemente deste debate (me posicionando logo adiante, é claro, pois é praticamente impossível ser imparcial na política!). Os termos surgiram na Revolução Francesa. Após a queda da monarquia absolutista de Luis XVI, a França, em um complexo contexto político de uma década, viu surgir dois lados na disputa pelo poder: os girondinos e os jacobinos. Os girondinos, sentados à direita da assembleia do período da convenção, tinham mais apreço pela monarquia, mas não da forma absolutista. Eram abolicionistas, liberalistas e federalistas. Já os jacobinos, que se sentavam a esquerda, eram mais favoráveis a revolução. De forma simples e aplicada a época, quem se posicionava à direita era monarquista, e à esquerda, republicano. A proclamação da República no Brasil, como exemplo prático, se deu pela influência positivista derivada dos jacobinos, ou seja, um pensamento da esquerda contra a direita estabelecida (e também interpretada por muitos como um golpe republicano). Não posso dizer se o termo "extrema-esquerda" tenha sido cunhado pela radicalização dos jacobinos, mas as ações destes ficaram conhecidas durante o período do Terror. Alguns, de uma forma mais elucidativa e simplória, classificam a direita pela "ordem" e a esquerda pelo "movimento".

Pelos dois lados defenderem amplas políticas que causavam discordâncias reais, surgiram outros meios para a classificação política, e uma delas é o de espectro político. Apesar de, durante o século XX terem surgido vários tipos de análises diferenciadas, o mais comum hoje são os de dois eixos: eixo X, esquerda-direita, eixo Y, conservadorismo-liberalismo. Por meio desse espectro, é possível perceber alguns elementos que pareciam invisíveis: conservadores de esquerda e liberais de direita. Hoje isso parece mais evidente, já que houve descontentamentos de experiências nos dois lados consagrados.

Por que sou de direita? É importante definir este lado, primeiramente. A direita política é onde nós, cristãos, encontramos a realidade do homem. Não é o acaso que nos fez termos digitais diferentes e possuirmos a liberdade como princípio norteador. Se fôssemos deterministas (ou pior, naturalistas, que por conta disso não encontram fundamento algum no teísmo) teríamos que aceitar regras igualitárias a TODOS, mesmo que dentre TODOS houvessem preguiçosos ou trapaceiros. Como sabemos que não somos iguais, logo, não podemos tratar todos iguais. A direita, ou a ideia de direita, me diz que todos devem ter oportunidades iguais, na mesma medida que tenham deveres iguais. Nunca um sobrepondo o outro, e, principalmente, sem o Governo sobrepor o cidadão. Além disso, o conceito de propriedade privada e hierarquia, que são desprezadas pela esquerda, são o mínimo para que vivamos com justiça.

O período em que a extrema-esquerda reinou na França e provocou milhares de mortes, fazendo com que o ceticismo caísse em descrédito e o cristianismo retornasse com força. Entretanto, já era tarde e o movimento totalitário de Napoleão suprimiria quaisquer espectros razoáveis. Além disso, a questão do nacionalismo está mais associada à direita, e o Estado com a esquerda. Ambos em excesso são ruins: o nacionalismo, quando assume a superioridade do povo sobre os demais, e o Estado, quando assume a própria superioridade sobre o povo (e aqui faço um adendo: esse exemplo não trata do nazismo x comunismo, pois para alguns especialistas, o nacional-socialismo tem caráter apenas "nacional", ainda que Hitler tenha inflado as camadas pobres alemãs em discursos revolucionários e, estando no poder, estabeleceu apenas um partido, centralizando o poder em Berlim).

Por que sou comunitarista? O termo é uma resposta ao liberalismo irrestrito; ainda que tenha excelentes resultados no campo econômico, se mostra desastroso no campo moral, dando margem a políticas que antes eram associadas apenas a esquerda (aborto, liberação das drogas, multiculturalismo), além de se afastar qualquer herança cristã - que, para os liberais significa autoritarismo - e se utilizar apenas dos dogmas iluministas. O comunitarista, por conta disso, e ainda que soe opressor - e também, explícito apenas nas entrelinhas, pode dizer em alto e bom som que a cultura cristã é a MELHOR que já existiu na história e por meio dela, e somente por ela, existe a democracia. Logo, o liberalismo pode ser uma resposta ao enriquecimento econômico, mas o comunitarismo, para a própria existência. Por conta disso, por vezes, é confundido ou associado à democracia cristã.

A partir daqui, podemos inserir o socialismo na conversa. Um termo conhecido e que pode ser associado ao comunitarismo é "reacionário". Usado pejorativamente pela esquerda (liberais ou conservadores), ela significa uma devoção ao cristianismo, as tradições e ao rei. É claro, onde há um rei. Podemos citar um exemplo prático: o russo Dostoiévski, tachado de reacionário, era contrário às ideias socialistas e anarquistas oriundas da Europa e que viraram moda na Russia de seu tempo. Se não bastasse isso, ele escreveu a obra "Os demônios", que retrata exatamente as atrocidades que ocorreriam anos mais tarde, com o comunismo. Questionado sobre a repercussão do livro, Dostoiévski deu de ombros. Não deve ter sido atoa que, mais tarde, seu livro mais famoso, Os Irmãos Karamazov, tenha sido proibido na União Soviética por Stalin:
"...'É demasiado reacionária', dizem, 'ninguém acreditará nisso, le diable n'existe point. Publique isso anonimamente.' Mas de que vale uma declaração anônima? Brinquei com os redatores: 'Ser reacionário', dizia-lhes, 'é crer em Deus em nossa época, mas eu, eu sou o diabo'. 'Decerto, toda gente crê no diabo, contudo é impossível, poderia isso prejudicar o nosso programa. Talvez... sob uma forma humorística...' Mas então, pensei, não seria espirituoso. E minha declaração não apareceu. Isto ficou-me pesando no coração. Os melhores sentimentos, tais como a gratidão, estão formalmente proibidos para mim, por causa de minha posição social." (O diabo, dialogando com o personagem ateu Ivan, de Os Irmãos Karamazov.)
Esse resultado de espectro me deixou próximo do pensamento de Ronald Reagan. Como sabemos, Reagan era de origem pobre, defendendo inicialmente os democratas, o partido da esquerda americana, mudando posteriormente para os republicanos, a direita. Em sua posse presidencial, em 1980, disse a célebre frase: "Na crise atual, o governo não é a solução dos problemas, ele é o problema". Defendendo a diminuição de impostos e a oração na escola, não foi atoa que sofreu uma tentativa de assassinato em 1981. Ao lado de Margaret Thatcher, ajudou a acabar com a União Soviética, o pior sistema nacional já implementado e responsável pela morte de milhões de pessoas. 

Reagan, de fato, é um exemplo de político a quem devemos dar créditos. Talvez (no futuro), poderemos dizer isso de Trump. E aqui no Brasil? Não pretendo indicar um nome, mas pelo que descrevi, deve ser alguém que possa ser um pouco de cada aspecto que faça nosso país crescer sem desaparecer, democrático mas justo, economicamente saudável mas cristão. Não necessitamos de um espectro específico se ele seguir esses passos.


Disponível em também em Artigos.com


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: