O Problema do Mal




As velhas perguntas de Epicuro ainda não foram respondidas. Ele está disposto a prevenir o mal, mas não é capaz? Então ele é impotente. Ele é capaz, mas tem não tem vontade? Então ele é malévolo. Ele é capaz e disposto? De onde, então, vem o mal?
- David Hume, Diálogos sobre a religião natural, parte X.


Introdução

Sem dúvida, o maior obstáculo intelectual à crença em Deus é o chamado problema do mal. Ou seja, parece inacreditável que, se existe um Deus onipotente e onibenevolente, Ele permitiria tanta dor e sofrimento no mundo.

A quantidade de miséria e dor humanas no mundo é, de fato, incalculável. Por um lado, há todos os males que resultam da desumanidade do homem para com o homem. Tal mal moral já é ruim o suficiente, mas talvez ainda mais difícil de conciliar com a existência de um Deus onipotente e onibenevolente é o sofrimento causado por causas naturais no mundo, desastres como enchentes, terremotos ou tornados; diferentes tipos de doenças, como varíola, poliomielite, câncer ou leucemia; deficiências congênitas, como distrofia muscular, paralisia cerebral ou encefalite; acidentes e ferimentos, como ser queimado, esmagado ou afogado. Às vezes, esses males naturais estão entrelaçados com males humanos: por exemplo, milhões de africanos do leste enfrentam fome e fome, não porque haja suprimentos de ajuda inadequados para atender suas necessidades, mas porque governos ditatoriais usam a comida como uma arma política para esmagar a resistência rebelde interditando esses suprimentos. À luz da quantidade e natureza do sofrimento causado por causas humanas ou naturais, como pode existir um Deus onipotente e onibenevolente?

Durante o último quarto de século, mais ou menos, uma enorme quantidade de análise filosófica foi derramada no problema do mal, com o resultado de que o progresso filosófico genuíno na antiga questão foi feito. Podemos começar nossa investigação fazendo várias distinções para ajudar a manter nosso raciocínio correto. Mais amplamente falando, devemos distinguir entre o problema intelectual do mal e o problema emocional do mal. O problema intelectual do mal diz respeito a como explicar racionalmente a coexistência de Deus e do mal. O problema emocional do mal diz respeito a como consolar aqueles que estão sofrendo e como dissolver o desagrado emocional que as pessoas têm de um Deus que permitiria esse mal. O problema intelectual está na província do filósofo; o problema emocional está na província do conselheiro. É importante manter essa distinção clara, porque a solução para o problema intelectual pode parecer seca, indiferente e desconfortável para alguém que está passando por sofrimento, enquanto a solução para o problema emocional pode parecer superficial e deficiente como uma explicação. para alguém contemplando a questão abstratamente. Mantendo essa distinção em mente, vamos primeiro nos voltar para o problema intelectual do mal.

Problema Intelectual do Mal

Aqui novamente, outras distinções serão úteis. Os pensadores contemporâneos concordam que existem versões significativamente diferentes do problema intelectual do mal e atribuíram vários rótulos a eles, tais como "dedutivo", "indutivo", "lógico", "probabilístico", "evidencial" e assim por diante. Embora não haja uma terminologia uniformemente aceita sobre este assunto, parece-nos muito útil distinguir duas maneiras pelas quais o problema intelectual do mal pode ser lançado, seja como um problema interno ou como um problema externo. Ou seja, o problema pode ser apresentado em termos de premissas para as quais o teísta cristão é ou deveria ser comprometido como cristão, de modo que a cosmovisão cristã está, de alguma forma, em desacordo consigo mesma. Por outro lado, o problema pode ser apresentado em termos de premissas para as quais o teísta cristão não está comprometido como cristão, mas que, apesar de tudo, temos boas razões para considerar como verdadeiras. A primeira abordagem tenta expor uma tensão interior dentro da própria cosmovisão cristã; a segunda abordagem tenta apresentar evidências contra a verdade da cosmovisão cristã.

Problema Interno do Mal

Agora, o problema interno do mal assume duas formas: a versão lógica e a versão probabilística. Na versão lógica do problema, o objetivo do objetor é mostrar que é logicamente impossível que Deus e o mal existam. Não há mundo possível em que Deus e o mal coexistam, assim como não existe um mundo possível em que uma força irresistível e um objeto imóvel existam. Os dois são logicamente incompatíveis. Se um existe, o outro não. No entanto, a fé cristã (ao contrário de certos tipos de hinduísmo, por exemplo) está comprometida com a realidade do mal, assim como é para a realidade de um Deus onipotente e onibenevolente. Como sabemos que o mal existe, segue o argumento, segue logicamente que Deus não deve existir.

Na versão probabilística do problema, a admissão é feita de que é possível que Deus e o mal coexistam, mas é insistido que é altamente improvável que tanto Deus quanto o mal no mundo existam. Assim, o teísta cristão está preso a duas crenças que tendem a minar umas às outras. Dado que o mal no mundo é real, é altamente improvável que Deus exista.

Vamos examinar cada uma dessas versões do argumento por sua vez.

Versão Lógica

Como já observamos, a versão lógica do problema interno do mal sustenta que as duas declarações

1. Um Deus onipotente e onibenevolente existe.

e

2. O mal existe.

são logicamente incompatíveis. Esta tem sido, durante séculos, a forma geralmente assumida pelo problema, voltando, como observa Hume, até Epicuro e, na opinião de Hume, ainda não resolvida em sua época. De fato, até o meio do século XX, ateus como J. L. Mackie propuseram o problema dessa forma.

É devido em grande parte devido ao trabalho de Alvin Plantinga que a discussão desta versão do problema do mal foi levada significativamente para frente. Plantinga fez distinção entre o que ele chamou de "defesa" e "teodiceia". Ao empregar esses termos, uma teodiceia visa fornecer uma explicação de por que Deus realmente permite os males do mundo. Em contraste, uma defesa não oferece tal relato, mas procura apenas mostrar que o ateísta fracassou em sustentar que o mal é incompatível com a existência de Deus. O defensor de uma defesa, portanto, busca meramente minar o argumento do ateu e não explicar por que os males do mundo existem. Se for bem sucedido, ele terá derrotado o argumento do ateu, enquanto ainda nos deixa no escuro a respeito de por que Deus permite o mal e o sofrimento no mundo.

Plantinga acredita que o proponente da versão lógica do problema do mal assumiu um enorme fardo de prova que ele não pode sustentar. Para o valor nominal, as declarações (1) e (2) não são logicamente inconsistentes. Não há contradição explícita entre eles. Se o ateu pensa que eles são implicitamente contraditórios, então ele deve estar assumindo algumas premissas ocultas que serviriam para trazer à tona a contradição e torná-la explícita. Mas quais são essas premissas?

Parece haver dois:

3. Se Deus é onipotente, então Ele pode criar qualquer mundo que Ele desejar.

e

4. Se Deus é onibenevolente, então Ele prefere um mundo sem maldade sobre um mundo com o mal.

O ateu raciocina que, como Deus é onipotente, Ele poderia criar um mundo contendo criaturas livres que sempre escolheriam livremente fazer a coisa certa. Tal mundo seria um mundo sem pecado, livre de todos os males morais e humanos. Da mesma forma, sendo onipotente, Deus poderia também criar um mundo no qual nenhum mal natural jamais ocorreu. Seria um mundo livre do mal, da dor e do sofrimento. Observe que o ateu não está dizendo que as pessoas seriam meras marionetes em tal mundo. Ao contrário, ele está dizendo que existe um mundo possível em que todos sempre tomam a decisão correta. Tal mundo deve ser possível, pois se não fosse, isso implicaria que o pecado é necessário, o que o cristão não pode admitir. Assim, sempre que uma decisão moral é tomada, é logicamente possível para a pessoa envolvida decidir fazer a coisa certa. Assim, podemos conceber um mundo no qual todos livremente escolhem todas as vezes para fazer o certo, e, uma vez que Deus é onipotente, Ele deve ser capaz de criá-lo.

Mas como Deus também é onibenevolente, o objetor continua. Ele preferiria, claro, um mundo assim a qualquer mundo infectado pelo mal. Se Deus tivesse a escolha entre criar um mundo sem falhas e um mundo com o mal como este, Ele certamente escolheria o mundo perfeito. Caso contrário, Ele mesmo seria mal ao preferir que Suas criaturas experimentassem dor e sofrimento quando Ele pudesse ter lhes dado felicidade e prosperidade.

David Hume resumiu bem a versão lógica do problema interno do mal quando perguntou a respeito de Deus: 'Ele está disposto a prevenir o mal, mas não é capaz? então ele é impotente. Ele é capaz, mas tem não tem vontade? então ele é malévolo. Ele é capaz e disposto? de onde vem o mal? '[1]

Plantinga se opõe a esta versão do problema do mal com o que ele chama de Defesa do Livre Arbítrio. Ele argumenta que se é mesmo possível que as criaturas tenham liberdade libertária (mesmo que de fato não o façam), então as duas suposições feitas pelo objetor não são necessariamente verdadeiras, o que elas devem ser se o ateu demonstrar que não existe possibilidade da coexistência de Deus e do mal. Em primeiro lugar, se o livre arbítrio libertário é possível, não é necessariamente verdade que um Deus onipotente possa criar qualquer mundo possível que Ele desejar. Como vimos em nossa discussão da onipotência divina, Deus sendo onipotente não implica que Ele possa fazer impossibilidades lógicas, como fazer um quadrado redondo ou fazer alguém escolher livremente fazer algo. Pois se alguém faz uma pessoa fazer uma escolha específica, então a escolha não é mais livre no sentido libertário. Assim, se Deus concede às pessoas liberdade genuína para escolher como quiserem, então é impossível para Ele garantir quais serão suas escolhas. Tudo o que Ele pode fazer é criar as circunstâncias em que uma pessoa é capaz de fazer uma escolha livre e então, por assim dizer, recuar e deixar que ele faça essa escolha. Agora, o que isso implica é que existem mundos que são possíveis em si e por si mesmos, mas que Deus é incapaz de criar. Lembrando nossa discussão do conhecimento médio divino, podemos dizer que tais mundos não são viáveis ​​para Deus. Suponha, então, que em todo mundo viável onde Deus cria criaturas livres, algumas dessas criaturas escolhem livremente fazer o mal. Nesse caso, são as próprias criaturas que causam o mal, e Deus não pode fazer nada para impedir que o façam, além de se recusarem a realizar tais mundos. Assim, é possível que todo mundo possível para Deus, que contém criaturas livres, seja um mundo com pecado e mal. [2] Além disso, como para os males naturais, Plantinga aponta que estes poderiam ser o resultado da atividade demoníaca no mundo. Os demônios podem ter liberdade como os seres humanos, e é possível que Deus não possa impedir o mal natural sem remover o livre arbítrio das criaturas demoníacas. Agora, pode-se pensar que tal solução para o problema do mal natural é ridícula e até mesmo frívola, mas isso seria confundir o problema lógico do mal com o problema probabilístico do mal. Admitidamente, atribuir todo o mal a seres demoníacos é improvável, mas isso é estritamente irrelevante aqui. Tudo o que se precisa mostrar agora é que tal explicação é possível e que, como conseqüência, o argumento do objetor de que Deus e o mal são logicamente incompatíveis fracassa. Assim, a primeira suposição feita pelo objetor, a saber, que um Deus onipotente pode criar qualquer mundo que Ele deseja, não é necessariamente verdade. Portanto, o argumento do objetor apenas sobre esse fundamento é inválido.

Mas e a segunda suposição, que se Deus é onenibenevolente, então Ele prefere um mundo sem o mal sobre um mundo com o mal? Mais uma vez, tal suposição não é necessariamente verdadeira. O fato é que, em muitos casos, permitimos que a dor e o sofrimento ocorram na vida de uma pessoa, a fim de trazer algum bem maior ou porque temos alguma razão suficiente para permiti-lo. Todo pai sabe disso. Chega um momento em que um pai não pode mais proteger seu filho de todo contratempo; e há outras ocasiões em que a disciplina deve ser infligida à criança, a fim de ensiná-lo a se tornar um adulto maduro e responsável. Da mesma forma, Deus pode permitir o sofrimento em nossas vidas, a fim de nos construir ou nos testar, ou para construir e testar os outros, ou para alcançar algum outro objetivo primordial. Assim, embora Deus seja onibenevolente, Ele pode ter razões moralmente suficientes para permitir a dor e o sofrimento no mundo. Consequentemente, a segunda suposição do nosso objetor, de que um Deus onibenevolente prefere um mundo sem mal sobre um mundo com o mal, também não é necessariamente verdade. O argumento é assim duplamente inválido.

Aqueles que propõem a versão lógica do problema do mal podem se reagrupar e retornar para uma segunda onda de ataque. Eles podem admitir que não há inconsistência entre Deus e o mal em geral, mas ainda argumentam que a existência de Deus é inconsistente com a quantidade e a qualidade do mal no mundo. Em outras palavras, embora abstratamente falando não há inconsistência entre Deus e o mal, há uma inconsistência entre Deus e a quantidade e os tipos de mal que realmente existem. Por exemplo, mesmo que a existência de Deus seja compatível com, digamos, o fato de pessoas inocentes serem às vezes assassinadas, isso não é compatível com o fato de que tantas pessoas são mortas e mortas de maneira tortuosa e horripilante. Um Deus onibenevolente e onipotente não permitiria que tais coisas acontecessem.

Mas a suposição crucial por trás desse raciocínio é a noção de que Deus não pode ter razões moralmente suficientes para permitir a quantidade e os tipos de mal que existem. Mas, novamente, não está claro que essa suposição é necessariamente verdadeira. Considere primeiro a quantidade de mal no mundo. Por mais terrível que seja o mundo, ainda há, no balanço, muito mais bem no mundo do que mal. Apesar das dificuldades da vida, as pessoas geralmente concordam que a vida vale a pena ser vivida, e quando as coisas estão indo mal, as pessoas caracteristicamente olham para o futuro na esperança de que as coisas melhorem. Agora é possível, dada a liberdade das criaturas, que em qualquer outro mundo de criaturas livres viável para Deus, o equilíbrio entre o bem e o mal não teria sido melhor do que neste mundo. Ou seja, qualquer mundo que contenha menos mal poderia conter menos bem. Talvez o mundo real tenha o melhor que Deus poderia obter pela menor quantidade de maldade. O mesmo vale para os tipos de mal no mundo. É possível que Deus tenha razões primordiais para permitir que as atrocidades mais terríveis do mundo ocorram. Pode-se objetar que Deus poderia ter criado um mundo de criaturas livres em que cometeram menos atrocidades. Mas então a mesma resposta se aplica como antes: é possível que, se o mundo tivesse menos atrocidades, também teria faltado bens importantes e prioritários.

Agora alguém pode dizer que isso parece bem improvável. Mas então alguém estaria confundindo mais uma vez o problema lógico do mal com o problema probabilístico do mal. Para refutar a versão lógica do problema interno do mal, o teísta não precisa sugerir uma solução plausível ou provável - tudo o que ele precisa fazer é sugerir uma possível. Tudo o que ele precisa fazer é minar a alegação do objetor de ter mostrado que Deus e a quantidade de mal no mundo não são compossíveis, e que ele parece ter feito. O ponto é, se o ateu pretende mostrar que é logicamente impossível tanto para Deus quanto para o mal no mundo existir, então ele tem que provar que Deus não pode ter razões moralmente suficientes para permitir a quantidade e os tipos de mal que existem. E ele não ofereceu nenhuma prova para essa suposição.

Plantinga argumenta que podemos ir além disso. Não só o ateu não conseguiu provar que Deus e o mal são inconsistentes, mas nós podemos, pelo contrário, provar que eles são consistentes. Para fazer isso, tudo o que temos a fazer é fornecer alguma explicação possível do mal no mundo que seja compatível com a existência de Deus. E o seguinte é uma explicação:

5. Deus não poderia ter criado um mundo que tivesse tanto bem como o mundo atual, mas tivesse menos mal, tanto em termos de quantidade como de qualidade; e, além disso, Deus tem razões moralmente suficientes para permitir o mal que existe.

O "não poderia" em (5) deve ser entendido como significando que tal mundo é inviável para Deus. Há, sem dúvida, mundos logicamente possíveis, que são sem pecado e excedem o mundo real na bondade, mas esses mundos podem não ser viáveis ​​para Deus. Enquanto essa explicação for possível, isso prova que Deus e o mal no mundo são logicamente compatíveis.

A dificuldade com esse movimento posterior surge quando nos lembramos da distinção entre possibilidade epistêmica e metafísica discutida em conexão com o argumento ontológico. Enquanto (5) é claramente epistemicamente possível (pelo que sabemos, pode ser verdade), o ateu pode insistir que não foi demonstrado que (5) é metafisicamente possível (que existe um mundo possível onde (5) é verdadeiro ). O ateu poderia insistir que talvez (1) e (5) sejam, afinal de contas, logicamente incompatíveis de alguma forma que não podemos discernir. Talvez em todos os mundos possíveis em que Deus existe, os contrafactuais da liberdade das criaturas, que são verdadeiros naquele mundo, permitem que Ele crie um mundo com mais bem, mas menos mal do que o mundo real. Agora isso pode nos parecer uma hipótese extraordinariamente ousada; na verdade, a maioria dos ateus hoje reconhece que (5) é metafisicamente possível. Não obstante, o ateu dogmático não pode ser forçado, parece, de sua fortaleza.

Mas esta breve vinda do argumento é de pouca importância. Pois é o ateu que suporta o ônus da prova para mostrar que não há mundo possível no qual (1) e (2) sejam verdadeiros. Pois é o ateu que afirma ter discernido dentro da verdade teísta reivindica uma contradição. Essa é uma carga extremamente pesada que se revelou insuportável. Após séculos de discussão, os filósofos contemporâneos, incluindo a maioria dos ateus e agnósticos, passaram a reconhecer esse fato. Agora é amplamente admitido que o problema lógico do mal foi resolvido.

Versão probabilística

Quando consideramos o problema probabilístico do mal, porém, as coisas não são tão fáceis. Pois mesmo que o relato do mal dado acima seja possível, ainda parece altamente improvável. Explicar todo o mal natural como resultado da atividade demoníaca, por exemplo, parece ridículo. E não poderia Deus reduzir o mal no mundo sem reduzir o bem? O mundo está cheio de tantos males aparentemente inúteis ou desnecessários que parece duvidoso que Deus possa ter algum tipo de razão moralmente suficiente para permiti-los. Assim, pode-se argumentar que, dado o mal no mundo, é improvável, mesmo que não impossível, que Deus exista.

Agora, este é um argumento muito mais poderoso do que o problema puramente lógico do mal. Como sua conclusão é mais modesta ("É improvável que Deus exista"), é muito mais fácil provar. O que devemos dizer sobre esse argumento? É improvável que Deus exista?

Quatro pontos se apresentam em resposta.

1. Em relação ao escopo completo da evidência, a existência de Deus é provável. Se a versão lógica do problema interno do mal fosse um argumento sólido, então Deus não existiria, caso encerrado. Mas as probabilidades são relativas às informações básicas de alguém. Assim, com um argumento de probabilidade, temos que perguntar: provável em relação a quê? Para dar uma ilustração: suponha que Joe seja um estudante universitário. Suponha, ainda, que 90% dos estudantes universitários bebam cerveja. Com relação a essa informação, é altamente provável que Joe beba cerveja. Mas suponhamos que descobrimos que Joe é um estudante da Biola University e que 90% dos estudantes de Biola não bebem cerveja. De repente, a probabilidade de Joe ser um bebedor de cerveja mudou drasticamente! O ponto é que as probabilidades são relativas à informação de fundo que se considera.

Agora, aplique esse princípio ao problema probabilístico do mal. O objetor afirma provar que a existência de Deus é improvável. Mas com relação a quê? Para o mal no mundo? Se essa é toda a informação de fundo que se considera, então não é de surpreender que a existência de Deus pareça improvável em relação àquela sozinha. De fato, seria uma grande realização filosófica se os teístas pudessem demonstrar que, em relação ao mal no mundo, a existência de Deus não é improvável. Mas o teísta cristão não precisa se comprometer com uma tarefa tão árdua. Ele insistirá que consideremos, não apenas o mal no mundo, mas todas as evidências relevantes para a existência de Deus, incluindo o argumento cosmológico para um Criador do universo, o argumento teleológico para um Designer inteligente do cosmos, o argumento axiológico para um último e pessoalmente incorporado Bem, o argumento ontológico para um ser maximamente grande, assim como evidência concernente à pessoa de Cristo, a historicidade da ressurreição, a existência de milagres e, além disso, a experiência existencial e religiosa. Quando levamos em conta todo o escopo da evidência, o teísta cristão pode manter, então a existência de Deus torna-se bastante provável. Assim, o teísta poderia admitir que o problema do mal, tomado isoladamente, torna a existência de Deus improvável. Mas ele insistirá que quando o escopo total da evidência é considerado, então as escalas são pelo menos equilibradas ou inclinadas a favor do teísmo.

De fato, o teísta pode insistir que, na medida em que o problema probabilístico do mal é considerado um problema interno para o teísta, não há nada objetável ou irracional em declarações de crença que sejam improváveis ​​com respeito umas às outras, desde que se conheçam. ambos para ser verdade. Por exemplo, em relação à informação de fundo da biologia reprodutiva humana, a própria existência pessoal é astronomicamente improvável. No entanto, não há nada de irracional em acreditar tanto nos fatos da biologia reprodutiva humana quanto nos que existem. Da mesma forma, se alguém está garantido em acreditar que Deus existe, então não há problema ocasionado pelo fato de que essa crença é improvável em relação ao mal no mundo.

2. Não estamos em boa posição para avaliar com confiança a probabilidade de que Deus não tenha razões moralmente suficientes para permitir os males que ocorrem. Se a existência de Deus é improvável em relação ao mal no mundo depende de quão provável é que Deus tenha razões moralmente suficientes para permitir o mal que ocorre. O que torna a probabilidade aqui tão difícil de avaliar é que não estamos em uma boa posição epistêmica para fazer esses tipos de julgamentos de probabilidade com qualquer tipo de confiança. Como pessoas finitas, somos limitados no espaço e no tempo, na inteligência e no discernimento. Mas o Deus transcendente e soberano vê o fim da história desde o seu início e providencialmente ordena a história para que Seus propósitos sejam finalmente alcançados através de decisões humanas livres. A fim de alcançar seus fins, Deus pode ter que suportar certos males ao longo do caminho. Os males que parecem sem sentido ou desnecessários para nós dentro de nossa estrutura limitada podem ser vistos como justamente permitidos dentro da estrutura mais ampla de Deus.

Para emprestar uma ilustração de um campo em desenvolvimento da ciência, a Teoria do Caos, os cientistas descobriram que certos sistemas macroscópicos, por exemplo, sistemas meteorológicos ou populações de insetos, são extraordinariamente sensíveis às menores perturbações. Uma borboleta tremulando em um galho na África Ocidental pode colocar em movimento forças que eventualmente irromperiam em um furacão sobre o Oceano Atlântico. No entanto, é impossível, em princípio, para qualquer um observar que a borboleta palpitando em um ramo possa prever tal resultado.

O brutal assassinato de um homem inocente ou de uma criança morrendo de leucemia poderia causar um efeito cascata ao longo da história, de modo que a razão moralmente suficiente de Deus para permiti-la não emergisse até séculos mais tarde ou talvez em outro país. Nossa discussão sobre o conhecimento médio divino (capítulo 26) enfatizava que apenas uma mente onisciente poderia compreender as complexidades de dirigir um mundo de criaturas livres para os objetivos pré-visionados de alguém. Basta pensar nas inúmeras e incalculáveis ​​contingências envolvidas em se chegar a um único acontecimento histórico, digamos, a vitória dos Aliados no dia D. Isso tem relevância para o problema probabilístico do mal, pois não temos ideia dos males naturais e morais que podem estar envolvidos para que Deus organize as circunstâncias e os agentes livres neles necessários a algum propósito pretendido, nem podemos discernir quais razões tal providente Deus pode ter em mente por permitir que algum mal entre em nossas vidas. Certamente muitos males parecem inúteis e desnecessários para nós - mas simplesmente não estamos em posição de julgar.

Dizer isso não é apelar para o mistério, mas sim apontar as limitações cognitivas inerentes que frustram as tentativas de dizer que é improvável que Deus tenha uma razão moralmente suficiente para permitir algum mal em particular. Ironicamente, em outros contextos, os não-crentes reconhecem essas limitações cognitivas. Uma das objeções mais prejudiciais à teoria ética utilitarista, por exemplo, é que é simplesmente impossível estimar qual ação que podemos realizar levará, em última análise, à maior quantidade de felicidade ou prazer no mundo. Por causa de nossas limitações cognitivas, ações que parecem desastrosas a curto prazo podem redundar para o bem maior, enquanto que algumas benesses de curto prazo podem resultar em miséria incalculável. Uma vez que contemplamos a providência de Deus sobre toda a história, torna-se evidente quão desesperada é para os observadores limitados especular sobre a probabilidade de Deus ter razões moralmente suficientes para os males que vemos. Nós simplesmente não estamos em uma boa posição para avaliar tais probabilidades com alguma confiança.

3. O teísmo cristão envolve doutrinas que aumentam a probabilidade da coexistência de Deus e do mal. O objetor afirma que, se Deus existe, então é improvável que o mundo contenha o mal que faz. Agora, o que o cristão pode fazer em resposta a tal afirmação é oferecer várias hipóteses que tenderiam a elevar a probabilidade do mal dada a existência de Deus: Pr (Mal / Deus & Hipóteses)> Pr (Mal / God). O cristão pode tentar mostrar que, se Deus existe e essas hipóteses são verdadeiras, então não é tão surpreendente que o mal exista. Isso, por sua vez, reduz qualquer improbabilidade que o mal possa pensar em lançar sobre Deus: Pr (Deus e Hipóteses / Mal)> Pr (Deus / Mal). Agora, é claro, o cristão não pode suplicar a questão aqui simplesmente tomando como sua hipótese a afirmação "O mal existe", o que trivialmente tornaria o mal mais provável em Deus e na hipótese do que somente em Deus! Em vez disso, ele irá apelar para certas doutrinas cristãs fundamentais, a fim de mostrar que o mal não é tão improvável no teísmo cristão como em alguns teísmos desnudos. Assim, a resposta ao problema probabilístico do mal é mais fácil do ponto de vista cristão do que da perspectiva do mero teísmo. Como o problema está sendo apresentado como um problema interno para o teísta cristão, não há nada de ilícito sobre o teísta cristão valer-se de todos os recursos de sua cosmovisão para responder à objeção. Nós devemos mencionar quatro doutrinas cristãs neste contexto:

Primeiro, o propósito principal da vida não é a felicidade, mas o conhecimento de Deus. Uma das razões pelas quais o problema do mal parece tão intratável é que as pessoas tendem naturalmente a supor que, se Deus existe, então Seu propósito para a vida humana é a felicidade neste mundo. O papel de Deus é fornecer um ambiente confortável para seus animais de estimação humanos. Mas na visão cristã, isso é falso. Nós não somos animais de estimação de Deus, e o objetivo da vida humana não é a felicidade em si, mas o conhecimento de Deus - que no final trará a verdadeira e eterna satisfação humana. Muitos males ocorrem na vida, que podem ser completamente inúteis em relação ao objetivo de produzir a felicidade humana; mas eles podem não ser inúteis no que diz respeito a produzir um conhecimento mais profundo de Deus. O sofrimento humano inocente proporciona uma ocasião para uma dependência e confiança mais profundas em Deus, seja por parte do sofredor ou daqueles que o cercam. Naturalmente, se o propósito de Deus é alcançado através do nosso sofrimento dependerá da nossa resposta. Nós respondemos com raiva e amargura para com Deus, ou nos voltamos para Ele em fé para a força para suportar?

Como o objetivo final de Deus para a humanidade é o conhecimento de Si mesmo - o único que pode trazer a felicidade eterna para as criaturas -, a história não pode ser vista em sua verdadeira perspectiva sem considerar considerações pertinentes ao Reino de Deus. O teólogo britânico Martyn Lloyd-Jones escreveu,

A chave para a história do mundo é o reino de Deus... Desde o princípio, ... Deus tem trabalhado estabelecendo um novo reino no mundo. É o Seu próprio reino, e Ele está chamando as pessoas para fora do mundo para esse reino: e tudo o que acontece no mundo tem relevância para isso. Outros eventos são importantes, pois eles têm influência sobre esse evento. Os problemas de hoje devem ser entendidos apenas em sua luz.

Não vamos, portanto, ser tropeçados quando vemos coisas surpreendentes acontecendo no mundo. Antes, perguntemos: "Qual é a relevância desse evento para o reino de Deus?" Ou, se coisas estranhas estão acontecendo com você pessoalmente, não reclame, mas diga: 'O que Deus está me ensinando através disso?' ... Nós não precisamos ficar perplexos e duvidar do amor ou da justiça de Deus. deve julgar todo evento à luz do grande, eterno e glorioso propósito de Deus. [3]

Pode bem ser o caso que os males naturais e morais fazem parte dos meios que Deus usa para atrair pessoas para o Seu Reino. Uma leitura de um manual de missões como a Operação Mundo, de Patrick Johnstone, revela que é precisamente em países que passaram por dificuldades severas que o cristianismo evangélico está crescendo em suas maiores taxas, enquanto as curvas de crescimento no indulgente Ocidente são quase estáveis. Considere, por exemplo, os seguintes relatórios [4]:

China: Estima-se que 20 milhões de chineses perderam suas vidas durante a Revolução Cultural de Mao. Os cristãos permaneceram firmes no que foi provavelmente a mais difundida e dura perseguição que a Igreja já experimentou. A perseguição purificou e indigenizou a Igreja. Desde 1977, o crescimento da Igreja na China não tem paralelos na história. Pesquisadores estimam que havia entre 30 e 75 milhões de cristãos em 1990. Mao Tsé-Tung, involuntariamente, tornou-se o maior evangelista da história.

El Salvador: A guerra civil de 12 anos, os terremotos e o colapso do preço do café, a principal exportação do país, empobreceram a nação. Mais de 80% vivem em extrema pobreza. Uma espantosa colheita espiritual foi coletada de todos os estratos da sociedade em meio ao ódio e à amargura da guerra. Em 1960 os evangélicos eram 2,3% da população, mas hoje são cerca de 20%.

Etiópia: a Etiópia está em estado de choque. Sua população luta com o trauma de milhões de mortes por meio da repressão, da fome e da guerra. Duas grandes ondas de violenta perseguição refinaram e purificaram a Igreja, mas houve muitos mártires. Houve milhões vindo a Cristo. Protestantes eram menos de 0,8% da população em 1960, mas em 1990 isso pode ter se tornado 13% da população.

Exemplos como estes poderiam ser multiplicados. A história da humanidade tem sido uma história de sofrimento e guerra. No entanto, também tem sido uma história do avanço do Reino de Deus.

De acordo com Johnstone, "estamos vivendo no tempo do maior ajuntamento de pessoas para o Reino de Deus que o mundo já viu."[5] Não é de todo improvável que esse crescimento surpreendente no Reino de Deus seja em parte devido à presença de males naturais e morais no mundo.

2. A humanidade está em estado de rebelião contra Deus e Seu propósito. Em vez de se submeter e adorar a Deus, as pessoas se rebelam contra Deus e seguem seu próprio caminho e, assim, encontram-se alienadas de Deus, moralmente culpadas diante dEle, tateando nas trevas espirituais e perseguindo os falsos deuses que eles mesmos criam. Os terríveis males humanos no mundo são testemunho da depravação do homem em seu estado de alienação espiritual de Deus. Além disso, há um reino de seres superiores ao homem também em rebelião contra Deus, criaturas demoníacas, incrivelmente más, em cujo poder reside a criação e que buscam destruir a obra de Deus e frustrar Seus propósitos. O cristão não fica surpreso com o mal moral do mundo; pelo contrário, ele espera isso. As Escrituras indicam que Deus deu a humanidade até o pecado que escolheu livremente; Ele não interfere para pará-lo, mas permite que a depravação humana siga seu curso (Romanos 1:24, 26, 28). Isso só serve para aumentar a responsabilidade moral da humanidade diante de Deus, bem como nossa maldade e nossa necessidade de perdão e limpeza moral.

3. O propósito de Deus não se restringe a esta vida, mas transborda além do túmulo para a vida eterna. De acordo com o teísmo cristão, esta vida é apenas o foyer apertado e estreito que se abre para o grande salão da eternidade de Deus. Deus promete a vida eterna a todos aqueles que confiam em Cristo como Salvador e Senhor. Quando Deus pede a Seus filhos que suportem sofrimento horrível nesta vida, é somente com a perspectiva de uma alegria celestial e recompensa que está além de toda compreensão. O apóstolo Paulo passou por uma vida de sofrimento incrível que incluía males tanto naturais quanto morais. Sua vida como apóstolo era uma vida pontuada por “aflições, dificuldades, calamidades, espancamentos, aprisionamentos, tumultos, labores, vigilância, fome” (2 Coríntios 6: 4-5). No entanto, ele escreveu:

Não nos desanimamos ... Pois esta ligeira e momentânea aflição está preparando para nós um peso eterno de glória além de toda comparação, porque não olhamos para as coisas que são vistas, mas para as invisíveis; porque as coisas que são vistas são passageiras, mas as invisíveis são eternas (2 Coríntios 4: 16-18).

Paulo viveu esta vida na perspectiva da eternidade. Ele entendeu que a duração desta vida, sendo finita, é literalmente infinitesimal em comparação com a vida eterna que passaremos com Deus. Quanto mais gastamos na eternidade, mais os sofrimentos desta vida encolherão em direção a um momento infinitesimal. É por isso que Paulo chamou os sofrimentos desta vida de uma "ligeira e momentânea aflição": ele não estava sendo insensível ao sofrimento daqueles que sofrem terrivelmente nesta vida - ao contrário, ele era um deles -, mas viu que esses sofrimentos foram simplesmente subjugados pelo oceano de alegria eterna e glória que Deus dará àqueles que confiam nEle. Pode muito bem acontecer que existam males no mundo que não servem a nenhum bem terreno, que são inteiramente gratuitos do ponto de vista humano, mas que Deus permite simplesmente que Ele recompense esmagadoramente na vida após a morte aqueles que passam por tais males na fé. e confiança em Deus.

4. O conhecimento de Deus é um bem incomensurável. A passagem citada de Paulo também serve para esclarecer esse ponto. Paulo imagina, por assim dizer, uma escala na qual todo o sofrimento desta vida é colocado de um lado, enquanto do outro lado está colocada a glória que Deus concederá a Seus filhos no céu. E o peso da glória é tão grande que está além da comparação com o sofrimento. Pois conhecer a Deus, o lugar da infinita bondade e amor, é um bem incomparável, o cumprimento da existência humana. Os sofrimentos desta vida não podem sequer ser comparados a ela. Assim, a pessoa que conhece a Deus, não importa o que sofra, por pior que seja sua dor, ainda pode verdadeiramente dizer: "Deus é bom para mim!", Simplesmente em virtude do fato de conhecer Deus, um bem incomensurável.

Essas quatro doutrinas cristãs aumentam a probabilidade da coexistência de Deus e dos males do mundo. Eles, portanto, servem para diminuir qualquer improbabilidade que esses males possam parecer sobre a existência de Deus.

Assim, parece que o problema probabilístico do mal está longe de ser irrespondível. Mesmo que a existência de Deus seja improvável em relação ao mal no mundo, isso não torna a existência de Deus improvável, pois equilibrar a evidência negativa do mal é a evidência positiva da existência de Deus. Além disso, é extremamente difícil estabelecer a partir do mal no mundo que a existência de Deus é improvável, pois Deus poderia ter razões moralmente suficientes para permitir tal mal. Não nos encontramos em uma boa posição epistêmica para julgar com confiança que isso é improvável. Finalmente, podemos tornar mais provável a coexistência de Deus e do mal adotando certas hipóteses inerentes à visão de mundo cristã, por exemplo, que o propósito da vida é o conhecimento de Deus, que a humanidade está em estado de rebelião contra Deus. e Seu propósito, que o propósito de Deus se estende além do túmulo para a vida eterna, e que o conhecimento de Deus é um bem incomensurável. Tomadas em conjunto, estas considerações não tornam improvável que Deus e o mal no mundo existam.

Problema Externo do Mal

Mas se o problema do mal falha como problema interno do teísmo cristão, ele apresenta um problema externo insuperável? Nos últimos anos, o debate entre os filósofos se voltou para examinar essa questão. As versões do problema até agora discutidas tentaram mostrar que duas crenças mantidas pelos cristãos, a saber, que Deus existe e que o mundo contém os males que observamos, são incoerentes ou improváveis ​​com respeito uns aos outros. A maioria dos não-teístas abandonou esse projeto. Em vez disso, afirmam que os males aparentemente inúteis e desnecessários do mundo constituem evidência contra a existência de Deus. Quer dizer, eles argumentam que

6. Um Deus onipotente e onibenevolente existe.

e

7. O mal gratuito existe.

são incompatíveis entre si. O que torna isso um problema externo é que o cristão não está comprometido por sua cosmovisão a admitir a verdade de (7). O cristão está comprometido com a verdade de que o mal existe, mas não que o mal gratuito existe. O objetor está, portanto, apresentando um argumento contra o teísmo (cristão) da forma

8. Se Deus existe, o mal gratuito não existe.

9. O mal gratuito existe.

10. Portanto, Deus não existe.

A questão chave será o mandado oferecido para (9). O teísta admitirá prontamente que muito do mal que observamos no mundo parece ser inútil, desnecessário e, portanto, gratuito. Mas ele desafiará a inferência do objetor, do aparecimento do mal gratuito à realidade do mal gratuito. Aqui muito do que já foi dito a respeito do problema interno probabilístico do mal será relevante. Por exemplo, o objetor deve assumir que, se não discernirmos a razão moralmente suficiente de Deus para permitir que certos males ocorram, então é provável que não exista tal razão, isto é, que tais males sejam gratuitos. Mas já vimos quão incertos e tênues são tais julgamentos de probabilidade de nossa parte. Nossa falha em discernir a razão moralmente justificadora para a ocorrência de vários males dá muito pouco fundamento para pensar que Deus - especialmente um Deus equipado com conhecimento intermediário - não poderia ter razões moralmente suficientes para permitir os males que observamos no mundo. Além disso, nossa insistência em considerar todo o escopo da evidência também é relevante. Pois, ao perguntar se o mal que realmente observamos é gratuito, a questão mais importante a considerar é, ironicamente, se Deus existe. Isto é, o teísta pode argumentar:

8. Se Deus existe, o mal gratuito não existe.

11. Deus existe.

12. Portanto, o mal gratuito não existe.

Tem sido dito que o modus ponens de um homem é o modus tollens de outro homem. Assim, a conclusão que se segue de (8), que é a mesma nos argumentos ateu e do teísta, dependerá se (9) ou (11) tem a garantia maior. Como Daniel Howard-Snyder aponta, o problema do mal é, portanto, um problema apenas para “o teísta que acha convincente todas as suas premissas e inferências e que tem péssimas condições para acreditar no teísmo”; mas se alguém tem bases mais convincentes para o teísmo, então o problema do mal “não é um problema”. [6]

Esses mesmos tipos de consideração serão, sem dúvida, relevantes para as diversas permutações assumidas pelo problema externo do mal, à medida que a discussão continua entre os filósofos. Por exemplo, Paul Draper argumentou que o naturalismo é mais provável que o teísmo em relação à evolução dos organismos biológicos e à distribuição da dor / prazer no mundo. Mas o argumento de Draper depende de três estimativas de probabilidade que parecem duvidosas à luz da nossa discussão. Primeiro, ele assume que o naturalismo e o teísmo são igualmente prováveis ​​em relação ao nosso conhecimento geral (Pr (N) = Pr (T)), que vimos razão para contestar. Segundo, ele acredita que a probabilidade da distribuição da dor / prazer no mundo é maior no naturalismo e na evolução do que no teísmo e na evolução (Pr (P / E & N)> Pr (P / E & T)). Mas nós vimos razão para questionar se estamos em uma posição epistêmica para justificar este tipo de julgamento de probabilidade. Finalmente, ele argumenta que a probabilidade de evolução no naturalismo é maior do que a probabilidade de evolução no teísmo (Pr (E / N)> Pr (E / T)). Pois, se o naturalismo é verdadeiro, a evocação é o único jogo na cidade; mas se o teísmo é verdadeiro, Deus tem mais alternativas. Mas esta avaliação é confusa. O que sustenta o argumento de Draper é a avaliação de que a evolução é mais provável em relação ao naturalismo e à existência de organismos biológicos do que ao teísmo e à existência de organismos biológicos (Pr (E / N & B)> Pr (E / T & B)). Mas vimos em nossa discussão do argumento teleológico (capítulo 23) que a existência de organismos biológicos (e, portanto, sua evolução) é praticamente impossível em relação ao naturalismo e que devemos, portanto, esperar um mundo sem vida dado o naturalismo, que não pode ser dito do teísmo. Sem suas três probabilidades cruciais, calcula o argumento evidencial de Draper dos fundadores do mal.

Também deve ser notado que a premissa (8) em si não é obviamente verdadeira. Alguns teístas sugeriram que, embora Deus pudesse eliminar esse ou aquele mal específico sem diminuir a bondade do mundo, não obstante, deve existir uma certa quantidade de mal gratuito no mundo para que a bondade do mundo não seja prejudicada. Assim, a probabilidade de que um certo mal especificado seja gratuito não afetaria o teísmo de maneira aversiva. Considerações pertinentes ao conhecimento médio divino de contrafactuais da liberdade das criaturas também surgem neste ponto. É epistemicamente possível que somente em um mundo no qual existam males morais e naturais gratuitos que os relevantes contrafactuais da liberdade das criaturas sejam verdadeiros para permitir a Deus trazer livremente o número ideal de pessoas à salvação e ao conhecimento de si mesmo. O ateu pode dizer que, nesse caso, os males não são realmente gratuitos afinal de contas: eles servem ao bem maior de assegurar a salvação eterna das pessoas. Mas se alguém permite que um bem maior desse tipo conte contra a gratuidade de algum mal, então isso torna ainda mais difícil para o ateu provar que o mal verdadeiramente gratuito existe, pois como ele poderia possivelmente supor o que no plano providencial de Deus? a história contribui ou não para a salvação final do maior número de pessoas?

Finalmente, há um último ponto que precisa ser feito, que constitui um invalidador de qualquer argumento do mal contra a existência de Deus, a saber, que o mal moral prova que Deus existe. Pois em nossa discussão do argumento axiológico da existência de Deus, vimos que é plausível que, fora de Deus, valores morais objetivos não existam. Mas então podemos empregar a própria premissa do ateísta como parte de um argumento sólido para a existência de Deus:

13. Se Deus não existisse, então os valores morais objetivos não existiriam.

14. O mal existe.

15. Portanto, existem valores morais objetivos. (de 14 por definição de 'mal')

16. Portanto, Deus existe. (MT, 13, 15)

A premissa (13) foi a premissa chave do argumento axiológico, que é aceito por muitos teístas e não-teístas. A premissa (14) é fornecida pelo problema do próprio mal. (15) segue por definição de (14), pois se alguém garante que algumas coisas são verdadeiramente más, então admitimos a objetividade das verdades morais. Como os valores objetivos não podem existir sem Deus e os valores objetivos existem (como mostrado pelo mal no mundo), segue-se que Deus existe. Portanto, o mal no mundo realmente prova que Deus existe. Este argumento demonstra a coexistência de Deus e do mal, sem tentar dar qualquer explicação para o porquê do mal existir - nós, como Jó, podemos ser totalmente ignorantes -, mas mostra, no entanto, que a existência do mal no mundo não põe em causa, mas pelo contrário, implica a existência de Deus.

Em resumo, o problema intelectual do mal - seja nas suas versões internas ou externas - pode ser satisfatoriamente resolvido.

Problema Emocional do Mal

Mas, é claro, quando se diz "resolvido", significa "filosoficamente resolvido". Todas essas maquinações mentais podem ser de pouco conforto para alguém que está sofrendo intensamente de algum mal imerecido na vida. Isso nos leva ao segundo aspecto do problema mencionado anteriormente: o problema emocional do mal.

Para muitas pessoas, o problema do mal não é realmente um problema intelectual: é um problema emocional. Eles estão sofrendo por dentro e talvez amargurados contra um Deus que permitiria que eles ou outros sofressem isso. Não importa que existam soluções filosóficas para o problema do mal - eles não se importam e simplesmente rejeitam um Deus que permite tal sofrimento como encontramos no mundo. É interessante que, nos Irmãos Karamazov, de Dostoiévski, em que o problema do mal é apresentado com tanta força, é nisso que o problema realmente se resume. Ivan Karamazov nunca refuta a solução cristã para o problema do mal. Em vez disso, ele apenas se recusa a ter algo a ver com o Deus cristão. "Eu preferiria permanecer com o meu sofrimento e a indignação insatisfeita, mesmo que eu esteja errado", declara ele. Ele é simplesmente um ateísmo de rejeição.

O que pode ser dito para aqueles que estão trabalhando sob o problema emocional do mal? Em certo sentido, a coisa mais importante pode não ser o que se diz. O mais importante pode ser apenas estar lá como um amigo amoroso e um ouvinte compreensivo. Mas algumas pessoas podem precisar de conselhos, e nós mesmos podemos precisar lidar com esse problema quando sofremos. O teísmo cristão também tem os recursos para lidar com esse problema também?

Certamente faz! Pois nos diz que Deus não é um Criador distante ou um fundamento impessoal do ser, mas um Pai amoroso que compartilha nossos sofrimentos e dores conosco. Alvin Plantinga escreveu:

Como o cristão vê as coisas, Deus não fica ocioso, observando friamente o sofrimento de Suas criaturas. Ele entra e compartilha nosso sofrimento. Ele suporta a angústia de ver seu filho, a segunda pessoa da Trindade, entregue à amargura cruel e vergonhosa morte da cruz. Alguns teólogos afirmam que Deus não pode sofrer. Eu acredito que eles estão errados. A capacidade de sofrimento de Deus, creio eu, é proporcional à sua grandeza; excede nossa capacidade de sofrimento na mesma medida em que sua capacidade de conhecimento excede a nossa. Cristo estava preparado para suportar as agonias do inferno em si; e Deus, o Senhor do universo, estava preparado para suportar o sofrimento resultante da humilhação e morte de seu filho. Ele estava preparado para aceitar esse sofrimento a fim de vencer o pecado, a morte e os males que afligem nosso mundo, e conferir-nos uma vida mais gloriosa que possamos imaginar. Portanto, não sabemos por que Deus permite o mal; sabemos, no entanto, que Ele estava preparado para sofrer em nosso nome, para aceitar o sofrimento de que não podemos formar nenhuma concepção. [7]

Cristo suportou um sofrimento além de todo entendimento: ele suportou o castigo pelos pecados do mundo inteiro. Nenhum de nós pode compreender esse sofrimento. Embora Ele fosse inocente, Ele voluntariamente sofreu sofrimento incompreensível por nós. E porque? Porque ele nos ama muito. Como podemos rejeitar aquele que desistiu de tudo por nós?

Quando compreendemos seu sacrifício e seu amor por nós, isso coloca o problema do mal em uma perspectiva completamente diferente. Por enquanto, vemos claramente que o verdadeiro problema do mal é o problema do nosso mal. Cheio de pecado e moralmente culpado diante de Deus, a questão que enfrentamos não é como Deus pode justificar-se a nós, mas como podemos ser justificados diante dEle.

Quando Deus nos pede para sofrer sofrimentos que parecem imerecidos, sem sentido e desnecessários, a meditação sobre a cruz de Cristo pode ajudar a nos dar a força moral e a coragem necessárias para carregar a cruz que nos é pedido que levemos. Assim, paradoxalmente, embora o problema do mal seja a maior objeção à existência de Deus, no final do dia, Deus é a única solução para o problema do mal. Se Deus não existe, então estamos trancados sem esperança em um mundo repleto de sofrimento gratuito e não redimido. Deus é a resposta final para o problema do mal, pois Ele nos redime do mal e nos leva para a alegria eterna de um bem incomensurável, comunhão com Ele mesmo.

William Lane Craig



Notas

[1] David Hume, Diálogos Sobre a Religião Natural, ed. com uma introdução por Norman Kemp Smith (Indianapolis: Bobbs-Merrill, 1980), parte X, p.198.

[2] Não a impecabilidade dos abençoados no céu mostra que o cristão está comprometido teologicamente com a viabilidade de um mundo sem pecado? Não, pois o céu é apenas parte de um mundo, por assim dizer, não um estado máximo de coisas, e em qualquer caso a vontade do bem-aventurado não pode mais ser livre para pecar uma vez que eles sejam beatificados.

[3] Martyn Lloyd-Jones, Do Medo à Fé, pp.23-24.

[4] Patrick Johnstone, Operation World (Grand Rapids, Mich .: Zondervan, 1993), pp.164, 207-8, 214.

[5] Ibid., P.25.

[6] Daniel Howard-Snyder, "Introdução", em The Evidential Argument from Evil, ed. Daniel Howard-Snyder (Bloomington, Indiana: Indiana University Press, 1996), p.

[7] Alvin Plantinga, 'Self-Profile', em Alvin Plantinga, eds. Jas. E. Tomberlin e Peter Van Inwagen (Dordrecht: D. Reidel, 1985), p.36.



- Mais artigos como este você pode encontrar em Reasonable Faith (em português).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: