A Extremidade da Fé



"Se eu fosse convocado para um progresso real tão extraordinário como o da montanha em Moriá, sei muito bem o que teria feito. Eu não teria sido covarde o suficiente para ficar em casa, nem teria descansado no caminho ou demorado, ou esquecido a faca para criar algum atraso; Tenho quase certeza de que estaria lá no ponto, com tudo organizado... Mas também sei o que mais eu teria feito. No momento em que montei o cavalo, eu teria dito a mim mesmo: "Agora tudo está perdido, Deus exige Isaque, eu o sacrifico, e com ele toda a minha alegria - mas Deus é amor e para mim continua sendo assim". Talvez alguém ou outro em nosso tempo fosse tolo o suficiente, invejoso o suficiente dos grandes, para querer supor, e suponho, que se eu tivesse feito isso, teria feito algo ainda maior do que Abraão, pois não seria meu imenso a resignação seria muito mais idealista e poética do que a mentalidade estreita de Abraão? E, no entanto, esta é a maior falsidade, pois minha imensa resignação seria um substituto para a fé. O fato de eu ter feito o movimento resolutamente pode demonstrar minha coragem humanamente falando, que eu o amei com toda a minha alma, é uma pré-condição sem a qual todo o caso se torna um ato de maldade, e eu não teria amado como Abraão amava... Abraão tinha fé. Sua fé não era que ele deveria ser feliz em algum momento no futuro, mas que ele deveria encontrar felicidade abençoada aqui neste mundo. Ele acreditava na força do absurdo, pois todo cálculo humano havia sido suspenso há muito tempo. Se não fosse assim com Abraão, ele poderia muito bem ter amado a Deus, mas ele não teria fé; pois quem ama a Deus sem fé reflete sobre si mesmo, enquanto a pessoa que ama a Deus reflete sobre Deus. Nesta extremidade está Abraão. a última etapa ele PERDE A VISÃO DE SER RENÚNCIA INFINITA. Ele realmente vai além e vem para a fé. Pois o movimento da fé deve ser feito continuamente com a força do absurdo, embora, de tal modo, seja notado, que não se perca a finitude, mas que se obtenha uma peça inteira. Os cavaleiros da resignação infinita são prontamente reconhecíveis, sua marcha é delgada, ousada. Mas aqueles que usam a joia da fé podem facilmente decepcionar... e, no entanto, toda a forma terrena que ele apresenta é uma nova criação com base no absurdo. Ele renunciou a tudo infinitamente, e então levou tudo de volta com a força do absurdo."

SØREN KIERKEGAARD
The Extremity of Faith -  Fear and Trembling (1843)

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: