Auto enganadores

Sede, porém, praticantes da palavra, e não somente ouvintes, enganando a vós mesmos. - Tiago 1:22

Existem dois extremos na religião, igualmente falsos e igualmente fatais. E há duas classes de hipócritas que ocupam esses dois extremos. A primeira classe faz a religião consistir totalmente na crença de certas doutrinas abstratas, ou o que elas chamam de fé, e coloca pouca ou nenhuma ênfase nas boas obras. A outra classe faz a religião consistir totalmente em boas obras (quero dizer, obras mortas) e coloca pouca ou nenhuma ênfase na fé em Jesus Cristo, mas espera a salvação por seus próprios atos. Os judeus pertenciam geralmente à última classe mencionada. Seus professores religiosos ensinaram que seriam salvos pela obediência à lei cerimonial. E, portanto, quando Paulo começou a pregar, ele parece ter atacado mais especialmente esse erro dos judeus. Ele estava determinado a levar a questão principal, que os homens são justificados pela fé em Jesus Cristo, em oposição à doutrina dos escribas e fariseus, que a salvação é pela obediência à lei. E ele insistiu neste ponto tão fervorosamente, em sua pregação e em suas epístolas, que ele a levou, e estabeleceu a fé da igreja na grande doutrina da justificação pela fé. E então certos indivíduos na igreja apoderaram-se desta doutrina e levaram-na ao extremo oposto, e sustentaram que os homens são salvos pela fé, independentemente de obras de qualquer tipo. Eles negligenciaram o princípio claro, que a fé genuína sempre resulta em boas obras, e é em si um bom trabalho.

São igualmente fatais, porque, de um lado, sem fé, não podem ser perdoados ou justificados; e, por outro, sem santificação, eles não podem ser ajustados nem para os empregos e prazeres do Céu. Deixe um pecador se afastar completamente de seus pecados e suponha que suas obras sejam tão perfeitas quanto ele pensa que são, e ainda assim ele não poderia ser perdoado, sem fé na expiação de Jesus Cristo. E assim, se alguém supõe que ele pode ser justificado pela fé, enquanto suas obras são más, ele deve saber que sem a santificação, sua fé está morta e não pode ser o instrumento de sua justificação.

Parece que o apóstolo Tiago projetou nesta epístola para colocar este assunto no terreno certo, e mostrar exatamente onde a verdade estava, e explicar a necessidade e a razão da necessidade da fé e das boas obras. Esta epístola é muito prática e atende plenamente todas as grandes questões práticas do dia, e decide-as.

Doutrinas na religião são de duas classes, aquelas que se referem a Deus, e aquelas que se referem à prática humana. Muitos limitam sua ideia de doutrinas religiosas à classe anterior. Eles acham que nada é propriamente chamado de doutrina, mas o que respeita Deus, seus atributos, modo de existência, decretos, e assim por diante. Quando eu dei a notícia de que deveria começar um curso de PALESTRAS PRÁTICAS, espero que você não tenha me entendido que as palestras não seriam doutrinárias, ou não teriam doutrina nelas. Meu projeto é pregar, se o Senhor quiser, um curso de palestras sobre doutrinas práticas.

A doutrina que proponho considerar à noite é essa.

QUE O PROFESSOR DE RELIGIÃO QUE NÃO PRÁTICA O QUE ELE ADMITE SER VERDADEIRO, É AUTO ENGANADO.

Existem duas classes de hipócritas entre os professores de religião - aqueles que enganam os outros e aqueles que se enganam. Uma classe de hipócritas são aqueles que, sob uma ilusória moralidade e demonstração de religião, encobrem a inimizade de seus corações contra Deus, e levam outros a pensar que são pessoas muito piedosas. Assim, os fariseus obtinham a reputação de serem notavelmente piedosos, por sua demonstração externa de religião, suas esmolas e suas longas orações. A outra classe é aquela mencionada no texto, que não engana os outros, mas a si mesma. Estes são ortodoxos no sentimento, mas soltos na prática. Eles parecem supor que a religião consiste em uma porção de noções, sem considerar a prática, e assim enganam a si mesmos ao pensar que são bons cristãos enquanto destituídos da verdadeira santidade. Eles são ouvintes da palavra, mas não praticantes. Eles amam a pregação ortodoxa e têm grande prazer em ouvir as doutrinas abstratas da religião exibidas, e talvez tenham vôos de imaginação e sentimentos brilhantes em vista do caráter e governo de Deus, mas não são cuidadosos em praticar os preceitos da palavra de Deus, nem estão satisfeitos com a pregação das doutrinas relacionadas à prática humana.

Talvez haja alguns presentes hoje à noite [aqui se referindo ao momento da pregação - N.T.] de ambas as classes de hipócritas. Agora, marque: Eu não vou pregar hoje à noite àqueles de vocês que, por grande rigidez moral e demonstração de religião, enganam os outros. Abordo agora aqueles de vocês que não praticam o que você sabe ser verdade - que são ouvintes e não praticantes. Talvez seja melhor eu dizer, para garantir a atenção, que é altamente provável que haja um número aqui agora, desse personagem. Não sei seus nomes, mas desejo que você entenda que, se você é esse personagem, você é a pessoa com quem estou falando, como se eu chamasse seus nomes. Quero dizer você. Você ouve a palavra e acredita na teoria, enquanto você a nega na prática. Eu digo a você que você engana a si mesmo. O texto prova isso. Aqui você tem um expresso "Assim diz o Senhor" para isso, que todos esses personagens são auto enganadores. Eu posso citar uma série de outras passagens da escritura, que são diretas. Mas gostaria de chamar sua atenção para algumas outras considerações, além do testemunho direto das escrituras.

Em primeiro lugar, você não acredita verdadeiramente na palavra. Você ouve e admite que seja verdade, mas você não acredita realmente nisso. E aqui, deixe-me dizer, que as pessoas são elas próprias passíveis de engano neste ponto. Não que sua consciência os engane, mas eles não entendem o que é que a consciência testifica. Duas coisas são indispensáveis ​​para a fé evangélica ou salvadora. O primeiro é a convicção intelectual da verdade de uma coisa. E aqui eu não quero dizer apenas a verdade abstrata disso, mas em sua influência sobre você. A verdade, em sua relação com você, ou sua influência em sua conduta, deve ser recebida intelectualmente. E então a fé verdadeira inclui um estado de coração correspondente. Isso sempre entra na essência da verdadeira fé. Quando o entendimento de um homem é convencido, e ele admite a verdade em sua relação consigo mesmo, então deve haver uma sincera aprovação dele em sua relação com ele mesmo. Ambos os estados mentais são indispensáveis ​​para a fé verdadeira. A convicção intelectual da verdade não é fé salvadora. Mas a convicção intelectual, quando acompanhada de um estado correspondente das afeições, é fé salvadora. Daí resulta que, onde há fé salvadora verdadeira, há sempre uma conduta correspondente. A conduta sempre segue a fé real. Tão certo quanto a vontade controla a conduta, os homens agirão como acreditam. Suponha que eu diga a um homem: Você acredita nisso? "Sim, eu acredito nisso." O que ele quer dizer? Uma mera convicção intelectual? Ele pode ter isso e ainda não ter fé.

Um homem pode até sentir uma aprovação de uma verdade abstrata. Isto é o que muitas pessoas supõem ser fé, a aprovação que sentem para o caráter e governo de Deus, e para o plano de salvação, quando vistas abstratamente. Muitas pessoas, quando ouvem um sermão eloquente sobre os atributos ou governo de Deus, são colocadas em um brilho na sublimidade e excelência exibidas, quando não têm uma partícula de fé verdadeira. Eu ouvi falar de um infiel que seria movido até mesmo ao êxtase em tais temas. A mente racional é constituída de tal modo que naturalmente e necessariamente aprova a verdade quando vista abstratamente. Os diabos mais perversos do inferno amam-no, se conseguem vê-lo sem a sua relação consigo mesmos. Se eles pudessem ver o evangelho sem qualquer relação que interferisse com seu próprio egoísmo, eles não apenas veriam que isso era verdade, mas o aprovariam sinceramente. Todo o inferno, se eles pudessem ver Deus em sua existência absoluta, sem qualquer relação com eles mesmos, aprovariam cordialmente seu caráter. A razão pela qual os homens maus e diabos odeiam a Deus é porque eles o vêem em relação a si mesmos. Seus corações se levantam em rebelião, porque eles o vêem em oposição ao seu egoísmo.

Aqui está a fonte de uma grande ilusão entre os homens em relação à religião. Eles vêem que é verdade, e eles realmente se alegram em contemplar isto: eles não entram em suas relações para si mesmos, e assim eles amam ouvir tal pregação, e dizem que eles são alimentados por isto. Mas, perceba: - Eles vão embora e não praticam! Veja esse homem. Ele está doente e seus sentimentos são afetuosos. Em vista de Cristo como um bondoso e terno Salvador, seu coração se derrete e ele sente fortes emoções de aprovação para Jesus Cristo. Por quê? Pelas mesmas razões pelas quais ele sentiria fortes emoções em relação ao herói de um romance. Mas ele não obedece a Cristo. Ele nunca pratica uma coisa por obediência a Cristo, mas apenas o vê abstratamente, e se deleita com seu caráter glorioso e amável, enquanto ele mesmo permanece no fel da amargura. Assim, é evidente que sua fé deve ser uma fé eficiente, como regular sua prática e produzir boas obras, ou não é a fé do evangelho, não é uma fé real.

Novamente: É mais evidente que vocês estão enganando a si mesmos, porque toda religião verdadeira consiste em obediência. E, portanto, por mais que você aprove o cristianismo, você não tem religião a menos que você o obedeça. Ao dizer que toda religião consiste em obediência, não quero dizer obediência externa. Mas a fé em si, a verdadeira fé, funciona por amor e produz ação correspondente. Não há verdadeira obediência, mas a obediência do coração: o amor é o cumprimento da lei; e a religião consiste na obediência do coração, com um curso correspondente de vida. O homem, portanto, que ouve a verdade, aprova e não a pratica, engana a si mesmo. Ele é como o homem vendo seu rosto natural em um copo; porque ele se vê, e segue o seu caminho, e logo esquece que tipo de homem ele era.

Novamente: Aquele estado de espírito que você confunde com religião, uma convicção intelectual da verdade e sua aprovação em abstrato, longe de ser evidência de que você é piedoso, é tão comum aos ímpios quanto ao bem, sempre que podem ser levado a olhá-lo abstratamente. Essa é a razão pela qual é tão difícil convencer os pecadores de que eles se opõem a Deus e à sua verdade. Os homens são constituídos de tal modo que aprovam a virtude e admiram o caráter e o governo de Deus, e aprovam e admiram toda a verdade da Bíblia, se puderem vê-la abstratamente e sem qualquer relação consigo mesmos. E quando eles se sentam sob a pregação que sustenta a verdade de tal maneira, que ela não tem grande importância prática, eles podem sentar por anos e nunca considerar que eles são opostos a Deus e ao seu governo.

E eu estou cada vez mais persuadido que grandes multidões podem ser encontradas em todas as nossas congregações, onde as doutrinas abstratas do evangelho são muito pregadas, que gostam da pregação e gostam de ouvir sobre Deus, e todas estas coisas, e ainda assim são não convertidos. E sem dúvida multidões deles entram nas igrejas, porque eles amam a pregação ortodoxa, quando afinal é manifesto que eles não são praticantes da palavra. E aqui está a dificuldade: eles não tiveram aquela busca de pregação que os fez ver a verdade em sua influência sobre si mesmos. E agora eles estão na igreja, sempre que a verdade é pregada em sua relação prática com eles, eles mostram a inimizade de seus corações imutáveis, levantando-se em oposição à verdade.

Eles tomaram como certo que eles eram cristãos, e assim se juntaram à igreja, porque eles podiam ouvir a pregação doutrinária e aprová-la, ou porque eles liam a Bíblia e a aprovavam. Se sua fé não é tão prática a ponto de influenciar sua conduta, se eles não vêem a verdade em sua relação com sua própria prática, sua fé não os afeta tanto quanto a FÉ DO DIABO.

OBSERVAÇÕES

1. Grande prejuízo foi feito por falsas representações em relação à maldade dos cristãos verdadeiros.

Diz-se que um pregador célebre, há pouco tempo, deu essa definição de cristão - "Um pouco de graça e uma grande dose de demônio". Eu nego totalmente essa definição. É falso e ruinoso. Muito se diz que impressiona que os cristãos verdadeiros são os seres mais perversos da face da terra. É verdade que quando pecam, incorrem em grande culpa. Para um cristão pecar é altamente criminoso. E também é verdade que os cristãos iluminados vêem em seus pecados grande iniquidade. Quando eles comparam suas obrigações com suas vidas, são grandemente humilhados e expressam sua humildade em linguagem muito forte. Mas não é verdade que eles sejam tão maus quanto o diabo ou qualquer outro lugar próximo. Isso é perfeitamente demonstrável. Quando pecam, seus pecados têm grande agravamento e parecem extremamente iníquos aos olhos de Deus. Mas supor que os homens são cristãos verdadeiros enquanto vivem a serviço do diabo e têm pouca aparência de religião, é um sentimento que não é apenas falso, mas de tendência muito perigosa. É calculado para encorajar toda aquela classe de hipócritas que são antinomianos, e para encorajar apóstatas, bem como para causar um grande dano à causa de Cristo na avaliação de escarnecedores. A verdade é que aqueles que não obedecem a Deus não são cristãos. A doutrina contrária é ruinosa para as igrejas, preenchendo-as com multidões cuja reivindicação à piedade depende de sua adoção de certas noções, enquanto elas nunca quiseram sinceramente obedecer às exigências do evangelho em suas vidas.

2. Aqueles que são muito mais zelosos pelas doutrinas do que pela prática, e que colocam muito mais ênfase na classe de doutrinas que se relacionam com Deus do que naquela classe que se relaciona com sua própria conduta, são os Antinomianos.

Há muitos que receberão aquela classe das doutrinas da Bíblia que se relacionam com Deus, e as aprovam e amam, que não têm uma partícula de religião. Aqueles que nunca são "alimentados", como eles o chamam, em qualquer pregação, exceto a de certos pontos de doutrina abstratos, são antinomianos. Eles são as pessoas contra quem o apóstolo Tiago escreveu esta epístola. Eles fazem a religião consistir em um conjunto de noções, enquanto eles não levam vidas santas.

3. Que classe de professores de religião, que nunca gostam de ouvir sobre Deus ou seus atributos, ou modo de existência, a Trindade, decretos, eleições e afins, mas colocam toda a ênfase na prática religiosa para a exclusão da doutrina religiosa, são fariseus.

Eles fazem grandes pretensões à piedade exterior e, talvez, aos vôos de emoção de certa poesia poética, enquanto não receberão as grandes verdades que se relacionam com Deus, mas negam as doutrinas fundamentais do evangelho.

4. O propósito e a tendência apropriados de toda a doutrina correta, quando verdadeiramente cridos, é produzir a prática correta.

Onde quer que você ache a prática de um homem herética, você pode ter certeza de que a crença dele é herética também. A fé que ele mantém em seu coração é tão herética quanto sua vida. Ele pode não ser herético em suas noções e teorias. Ele pode estar bem ali, mesmo nos pontos em que ele é herético na prática. Mas ele não acredita realmente nisso.

Por exemplo: veja aquele pecador descuidado, lá, agarrando a riqueza e correndo de cabeça na busca por riquezas. Esse homem realmente acredita que ele vai morrer? Talvez você diga, ele sabe que ele deve morrer. Mas eu digo que, enquanto ele está nessa atitude, ele não acredita que vai morrer. Não é antes de seus pensamentos. Portanto, é impossível que ele acredite em sua total negligência. Você pergunta se ele espera que alguma vez morra, e ele responderá: "Ó sim, sei que devo morrer, todos os homens são mortais". Assim que ele volta seus pensamentos para isso, ele concorda com a verdade. E se você pudesse prender a convicção em sua mente até que ele estivesse real e permanentemente impressionado com isso, ele mudaria infalivelmente sua conduta e viveria para outro mundo em vez disso. É assim mesmo na religião; seja o que for que um homem realmente acredite, é tão certo controlar sua prática quanto a vontade que governa a conduta.

5. A igreja tem trabalhado muito por muito tempo na política antinomial.

Ela tem insistido nas doutrinas mais abstratas e deixou o mais prático em demasia fora de vista. Ela colocou maior ênfase na ortodoxia naquelas doutrinas que não são práticas, do que naquelas que são práticas. Olhe para os credos da igreja e veja como eles colocam a ênfase principal nas doutrinas que têm pouca relação com nossa prática. Um homem pode ser o maior herege em pontos de prática, desde que ele não seja abertamente profano ou vicioso, e ainda assim mantenha uma boa posição na igreja, quer sua vida corresponda ao evangelho ou não. Isso não é monstruoso? E, portanto, vemos que, quando se tenta purificar a igreja em relação aos erros práticos, ela não pode suportar. Por que mais se produz tanto entusiasmo ao tentar limpar a igreja da participação nos pecados da intemperança e da quebra do sábado e da escravidão? Por que é tão difícil induzir a igreja a fazer algo eficaz para a conversão do mundo? Quando a igreja será purificada ou o mundo convertido? Não até que seja um ponto estabelecido, essa heresia na prática é a prova da heresia na crença. Não enquanto um homem pode negar todo o evangelho em sua prática todos os dias, e ainda manter sua posição na igreja como um bom cristão.

6. Veja como um ministro pode ser enganado em relação ao estado de sua congregação.

Ele prega muito sobre as doutrinas abstratas, que não se relacionam imediatamente com a prática, e seu povo diz que elas são alimentadas e se regozijam nela, e ele pensa que elas estão crescendo em graça, quando na verdade não é sinal certo de que existe é qualquer religião entre eles. É evidente que isso não é uma evidência certa. Mas se quando ele prega doutrinas práticas, seu povo mostra que eles amam a verdade em sua relação com eles mesmos, e mostram isso praticando-a, então eles dão evidência de verdadeiro amor à verdade.

Se um ministro descobre que seu povo ama a pregação doutrinária abstrata, mas que quando ele vem para pressionar as doutrinas práticas que eles rebelam, ele pode ter certeza de que, se eles têm alguma religião, ela está em um estado baixo; e se ele acha, a julgamento justo, que ele não pode trazê-los a ele, para receber doutrina prática, ele pode estar satisfeito que eles não têm uma partícula de religião, mas são uma mera companhia de antinomianos, que pensam que podem ir para céu em uma fé morta na ortodoxia abstrata.

[#7. é ignorado no original, um erro de numeração .-- Ed.]

8. Veja o que há uma vasta multidão de professores de religião que estão se enganando.

Muitos supõem que são cristãos das emoções que sentem em vista da verdade, quando, na verdade, o que recebem é a verdade apresentada às suas mentes de tal maneira que eles não veem sua influência sobre si mesmos. Se você trouxer a verdade de modo a suportá-los, a fim de destruir seu orgulho e afastá-los de sua mundanidade, tais professores resistem a isso. Olhe para o exterior sobre a igreja. Veja que uma multidão de igrejas ortodoxas e cristãos ortodoxos vivem e se alimentam das doutrinas abstratas da religião de ano para ano. Então olhe mais para as suas vidas e veja quão pouca influência sua professada crença exerce sobre sua prática. Eles têm fé salvadora? Não pode ser. Não pretendo dizer que nenhum desses membros da igreja seja piedoso, mas digo que aqueles que não adotam na prática o que admitem em teoria – que são ouvintes da palavra, mas não praticam, enganam a si mesmos.

Pergunte agora quantos de vocês realmente acreditam nas verdades que você ouve pregadas. Propus-me a pregar um curso de palestras práticas. Não quero dizer que eu pregarei palestras que não tenham doutrina nelas. Isso não é de forma alguma. Mas o que eu desejo é ver se você vai, como igreja, fazer o que você acredita ser verdade. Se eu não conseguir convencê-lo de que qualquer doutrina que eu possa manter é realmente verdadeira, isso é outro assunto. Isso é motivo suficiente para você não fazer isso. Mas se eu tiver sucesso em provar das escrituras e convencer sua compreensão de que é verdade, e ainda assim você não praticá-las, então terei a evidência diante de meus próprios olhos do que seu personagem é, e não mais me enganarei com a ideia de que esta é uma igreja cristã.

Você está consciente de que o evangelho está produzindo um efeito prático sobre você, de acordo com seu avanço no conhecimento? Está desmamando você do mundo? Você acha que esta é a sua experiência, que quando você recebe alguma verdade prática em sua mente, você a ama e ama a sentir sua aplicação para si mesmo, e sente prazer em praticá-la? Se você não está crescendo em graça, tornando-se cada vez mais santo, SE PRODUZINDO à influência do evangelho, você está enganando a si mesmo. Como está agora com vocês, que são os anciãos desta igreja? Como é com vocês que são chefes de família - todos vocês? Quando você ouve um sermão, você se apega e leva para você e o pratica; ou você recebe em suas mentes e aprova e nunca pratica isso? Ai daquele homem que admite a verdade, e ainda se afasta e não pratica, como o homem vendo seu rosto natural num copo se afastando e esquecendo que tipo de homem ele era.

~

Por: Charles Finney
Disponível em Sermon Index.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: