Resenha @ Éder Duarte - Canções de um Pai para seus filhos (2019)


Um dos estudos que mais me chamou a atenção recentemente (e do qual me identifiquei bastante) é o que dizia que quem tem mais de 28 anos possui menos interesse por músicas novas [1]. É claro, há uma motivação para tanto: a pesquisa foi feita ano passado, em 2018, o que para mim caía como uma luva, já que eu tinha 29. Talvez não tenha nada de novo nisso, visto que quanto mais jovem, mais se é aberto a novas ideias (ou ideias revolucionárias, como calhar). Acho que faz sentido. Contudo, não são raras as pessoas novas que, de certa forma, "veneram" a cultura de anos anteriores ao seu nascimento, com uma menção honrosa aos anos 80. Não sei se já trataram disso com maior profundidade em outro lugar, mas eu creio que, além daqueles que ficam reféns de certas bandas - e aguardam ansiosamente por seus álbuns mesmo 50 anos após a formação original -, a cultura mundial de um modo geral não me afetou tanto nessa tal década de 10 e acredito que não esteja sozinho.

Vivemos na época das bolhas. Pense na dificuldade de se apreciar uma boa melodia à sua escolha, quando ouvir uma música na internet custava toda a capacidade do pacote de dados ou comprar um CD também não era lá algo tão acessível. Era bem comum gravar com fitas as músicas que esporadicamente tocavam nas rádios (e nossas bandas favoritas somente em momentos inoportunos). Com a facilidade do streaming, conseguimos ouvir todos aqueles artistas que ficavam presos em CD's ou que os radialistas constantemente sonegavam de nossos ouvidos. Bem, há um problema nisso, já que os mesmos streamings praticamente te induzem a ouvir um determinado segmento, algo que já ocorre nas redes sociais nos mais diversos assuntos.

Onde achar música boa e nova, então? Eu não sei, afinal, tenho 30 anos! Hahaha!

O bom disso tudo é que, para o mercado e também para apenas os apreciadores, cabe sempre olhar para trás, se inspirar - isso inclui no famigerado anos 80 - e tentar fazer algo novo com elementos clássicos.

Em certo ponto, isso não se aplica 100% ao álbum Canções de um Pai para seus filhos, de Éder Duarte, meu amigo de infância, que grava seu 2º álbum pelo Catarse. Lançado para os apoiadores do projeto em 15 de abril de 2019, é composto por 5 canções de letras poéticas e estilo diversificado, entre adoração ou louvor, talvez mais adequado, e um folk rock jarsofclaysiano (esse termo talvez você só encontre por aqui mesmo). Consigo perceber na sonoridade um pouco de letras diferentes e elementos antigos da melodia, o que contrasta com o que vejo por ai (ritmos novos com letras medíocres).

O projeto, de uma forma geral, trata da temática presente na parábola do Filho Pródigo (Lucas 15), talvez a mensagem mais impactante de Jesus. Se é complicado para nós entendermos João 3:16, ainda que pareça suficiente, a parábola do filho que optou por gastar toda a sua rica herança e, estando perdido, encontrou graça em seu pai, mostra de forma mais abrangente como Deus, na figura de Abba, verdadeiramente ama um filho que não possuía qualquer justificativa de perdão. Talvez pareça antiquado tratar do tema mas, seja cristão ou não, ele é uma influência tanto para Iron Maiden, House of Pain, Extreme, quanto para Keith Green, BarlowGirl e U2. 

A primeira canção, Novo, tem a ideia fundamentada um pouco naquilo que estava dizendo antes, só que possivelmente no que realmente seja sempre novo para nós: o nascer em Cristo. "O novo é antigo, mas é vivo em nós", assim diz a letra. 

Maior exemplo, a canção seguinte, começa com a comparação entre pai e filho simples, ressaltando a semelhança entre ambos pela herança, mas após comparando à Jesus como filho de Deus e a mesmo tempo o próprio Deus. Gostei da batida dessa canção!

A terceira canção, Quieto, me faz lembrar de que continuamos perdidos mesmo após o Filho ter vindo nos salvar. Portanto, aquietai-vos! Nessa canção você perceberá outros arranjos diferentes: banjo, bandolin e um coro, com participação de membros da banda Velho Mou, que representam um southern folk brasileiro.

A música tema do álbum, Canções de um Pai para seus filhos, número 4, possui arranjos de teclado basicamente - créditos ao Edison, pai do Éder -, e toques de violino nos arredores do refrão. De melodia e letra mais reflexiva, na palavras ficam evidente a mensagem da misericórdia de Deus, que é eterna e perfeita, de um amor impossível de retratar. Nada melhor do que sendo pela comparação paterna.

Prata, a última canção, que conta com a participação da Thays, irmã do Éder, me fez lembrar do álbum Redemption Songs, obra prima do Jars. Ainda que a mixagem seja excelente, a mensagem é mais importante: deixar Deus pai e Deus filho nos moldar, para que possamos não apenas conhecê-los, mas conhecer a si mesmo.

Além de tudo, a capa, feita pelo Augusto Marques, e a arte do álbum estão em alto nível. 

Para quem acompanhou o Éder desde o primeiro álbum, é perceptível a evolução sonora das músicas, mas a bela dedicação permanece a mesma. Completar um projeto destes não deve ser nada fácil, e devemos louvar ao Senhor não só pelo cumprimento mas também pela excelência do que ouviremos diversas vezes com um simples toque no player.

Deixo aqui, para finalizar, uma observação sobre a música em si e aquela pesquisa lá do começo: não deixe de ler e refletir Eclesiastes 12:1-3. Talvez eu não consiga convencer meus amigos mais velhos a ouvir algo que seja novo. Todavia, aqueles que estão sedentos por alguma qualidade sonora diante desse final de década sem nada a oferecer, deveriam ouvir esse álbum. Se os maiores cantores em seus estilos - Elvis, Dylan, Cash, Aretha e até Roberto Carlos - tiveram que cantar sobre o Cristo que vive em nós, é por que não só Deus deseja que nossa base como filhos seja o melhor e mais agradável, e de fato, novidade de vida, mas também quer nos receber de volta em seus braços, depois de um longo tempo perdidos.


~

>>> Onde eu posso escutar?

Em breve ele estará disponibilizando elas no canal do Youtube. O CD físico, com ele mesmo em: ederduarte@gmail.com. E nos streamings, como preferir.

Ouça aqui (com exclusividade, haha) a música Canções de um Pai para seus filhos:

 


~

Notas:
[ 1 ] - https://exame.abril.com.br/ciencia/quem-tem-mais-de-28-anos-tem-menos-interesse-por-musicas-novas-diz-estudo/

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: