O Argumento Moral



Há um argumento para a existência de Deus com base na moralidade conhecida como O Argumento Moral. Antes de continuar, gostaria de salientar que "O Argumento Moral" não é um argumento que os ateus não possam ser pessoas morais. Tampouco é “podemos discernir o certo e o errado sem apelar para Deus?” Não. Não. Em vez disso, podemos chamar seriamente algo “objetivamente” moral ao invés de subjetivamente moral. Objetivo significa "é o que é, independentemente do que as pessoas pensam", enquanto subjetivo significa que é totalmente dependente da opinião de uma pessoa. Por exemplo, é objetivamente verdade que o sorvete de baunilha é uma cor branca amarelada e que o sorvete de chocolate é marrom. No entanto, é subjetivo que o sorvete de baunilha tenha um sabor melhor do que o chocolate. O sorvete de baunilha tem um gosto melhor do que o chocolate depende da opinião de uma pessoa. A questão toda é se, sem a existência de Deus, a moralidade é como o sabor do sorvete? É o que é bom ou ruim, apenas o que decidimos o que é bom ou ruim, ou o que é bom ou ruim, bom ou ruim, independentemente do que pensamos.

Então, a questão não é “devemos crer em Deus para viver uma vida moral?” É se a existência de Deus é necessária para que o bem e o mal sejam objetivos e não subjetivos. Real, em vez de baseada em opinião. Aqui está uma analogia; A questão não é se precisamos acreditar na existência da gravidade para que nossos pés fiquem firmemente plantados no chão, mas a questão é se a existência da gravidade é necessária para que nossos pés fiquem firmemente plantados no chão. , independentemente de acreditarmos ou não.

Acontece que penso que sem a existência de Deus, a moralidade é subjetiva. Se Deus não existe, então tudo o que louvamos como bom e condenamos como mal é apenas a nossa opinião.

William Lane Craig oferece este silogismo quando defende a existência de Deus com base na moralidade.

1: Se Deus não existe, valores e deveres morais objetivos não existem.
2: Valores e deveres morais objetivos existem.
3: Portanto, Deus existe.

Se ambas as premissas são verdadeiras, então a conclusão inevitavelmente decorre das leis da lógica. Para escapar da conclusão, você deve negar a premissa 1, ou a premissa 2, ou ambas. A maioria dos ateus com quem falei afirmam a premissa 2, mas negam a premissa 1. Agora, devo dizer que temos 3 opções colocadas diante de nós.

* A moralidade é objetiva e baseia-se no caráter de Deus.
* A moralidade é subjetiva e não se baseia no caráter de Deus.
* A moralidade é objetiva e baseia-se em algo diferente de Deus.

Os ateus não podem afirmar a opção 1, porque se o fizessem, não seriam mais ateus. Eles também rejeitam firmemente a opção número 2. Então, para permanecer e ateus e afirmar o certo e o errado como fatos reais e objetivos, é preciso apresentar uma explicação plausível para 3, ou reverter para 2 (relativismo moral) ou ir para o número 1 e se tornar um teísta. Deixe-me dar alguma garantia para a primeira premissa do argumento “Se Deus não existe, os valores e deveres morais objetivos não existem”, o que também mostrará porque a opção número 3 não é uma opção válida.

DEFESA DA PREMISSA 1

Valores morais

Primeiramente, se o teísmo não é verdadeiro, então que razão resta para pensar que os seres humanos são intrinsecamente valiosos? No ateísmo, o homem é apenas um organismo biológico. Existem outros organismos biológicos no planeta. O que torna os humanos mais valiosos do que a vida de, digamos, uma barata ou uma árvore? A maioria das pessoas não acredita que você está cometendo assassinato quando pisa em uma barata ou corta uma árvore, mas eles acham que você está cometendo um assassinato se você acabar com a vida de outro ser humano. Por que a vida de um homem é mais valiosa que a de uma barata ou uma árvore? Por que é assassinato matar um homem, mas não matar para derrubar uma árvore? Ambos são organismos vivos. Ambos são considerados vida.

Talvez os humanos sejam mais valiosos do que essas coisas porque são mais avançados. Um homem, ao contrário de uma barata ou de uma árvore, pode andar, falar e fazer equações matemáticas complexas. Uma pessoa pode construir um foguete e voar até a lua, construir casas e fazer muitas coisas que animais inferiores não podem fazer, e isso é certamente algo que as árvores não podem fazer. Mas se você disser que isso é o que torna um homem intrinsecamente valioso, outra pergunta surge imediatamente; Por que a complexidade é um critério de valor objetivo? Por que um ser humano é mais valioso do que qualquer outro organismo apenas porque ele está mais alto na árvore evolucionária? Por que não é o caso que organismos mais simples têm mais valor como uma ameba? Por que o avanço do homem é um critério para o seu objetivo?

Não parece que haja qualquer valor intrínseco de uma vida humana na cosmovisão ateu. No ateísmo, o homem é apenas um saco de substâncias químicas nos ossos que, por causa dos processos eletroquímicos em seu cérebro, os neurônios disparando e as moléculas em movimento, passam o dia pensando que sua vida é valiosa. Isso, apesar do fato de que ele foi criado a partir de um processo cego que não o tinha em mente, apesar do fato de que ele é um ponto minúsculo em uma mancha de poeira um tanto menos minúscula chamada Planeta Terra em um universo massivo que não se importa se ele vive ou morre.

No ateísmo, não há nada além de matéria, energia, espaço e tempo. Por que um saco de substâncias químicas em ossos é tão sagrado, mas outros sacos de produtos químicos nos ossos não são tão importantes?
-
É verdade, porém, que os seres humanos podem ter valor subjetivo. Afinal, muitas pessoas têm outras pessoas que se importam com elas. Um homem ama sua esposa, seus filhos e seus pais. Dado que muitas pessoas têm outras pessoas que se preocupam com elas, pode-se dizer que elas realmente têm valor, afinal. Mas isso não é valor objetivo, é subjetivo. O que isso significa é que o seu valor depende de quantas pessoas amam você. Esse tipo de valor que um detrator do meu argumento pode se referir parece semelhante ao valor sentimental. Um homem pode acalentar um brinquedo porque isso o lembra dos momentos felizes que ele teve em sua infância. Pode haver milhares de brinquedos exatamente como ele, mas este é especial para ele, porque é este com o qual ele cresceu. Substituir está fora de questão. No entanto, o brinquedo não tem valor objetivo (ou seja, valor em si mesmo). Seu valor é totalmente dependente do homem que o aprecia. Os seres humanos, no ateísmo, parecem ter esse tipo de valor. Temos um valor sentimental para aqueles que nos rodeiam, mas não parece haver qualquer valor para o homem em si mesmo.

Não consigo ver como uma vida humana pode ter algum objetivo que valha a visão ateísta. Parece que a primeira premissa do Argumento Moral está correta. Se Deus não existe, não há valores morais objetivos. O homem é apenas um saco de produtos químicos nos ossos. Ele não é nada além de uma partícula de poeira em um universo hostil e sem sentido e está condenado a perecer em um tempo relativamente curto. Sem Deus, onde reside o valor objetivo da vida de um homem? O que torna uma vida humana sagrada? Não vejo qualquer razão para pensar que exista um valor objetivo na cosmovisão ateu.

Como acredito que a vida humana é intrinsecamente valiosa, rejeito o ateísmo e abraço uma alternativa. Se você acredita que a vida humana é intrinsecamente valiosa, você deve fazer o mesmo ou viver para sempre em inconsistência. O falecido Christopher Hitchens escreveu um livro chamado Deus não é grande: como a religião envenena tudo. Ironicamente, acredito que é o ateísmo que envenena tudo. Pois as implicações lógicas do ateísmo tornam a vida humana sem valor. Deveres morais


Desde que o ateísmo barateia a vida humana, por que é moralmente errado matar alguém nessa cosmovisão? Por que é errado maltratar uma pessoa com o ateísmo? Se os seres humanos não têm valor moral, então parece que não temos obrigações morais em relação uns aos outros (isto é, sem deveres morais). Rejeitar valores morais é rejeitar os deveres morais. A negação do primeiro implica uma negação do segundo. Se a vida humana é inútil, parece que não seria um crime acabar com isso. Por que é uma atrocidade matar 6 milhões de judeus, mas não uma atrocidade para exterminar uma colina inteira de formigas? Que razão existe para pensar que existe uma diferença moral real entre essas duas situações? Não apenas não temos quaisquer obrigações morais na cosmovisão naturalista, mas parece que também não há proibições morais. Se a vida humana não tem valor objetivo, descartá-la não é uma abominação moral. Quão medonho é dizer tal coisa, mas esta é a implicação lógica da cosmovisão ateísta!

Se o ateísmo fosse verdade, teríamos que afirmar, como Richard Dawkins, que “no fundo não há design, nem bem, nem mal. Nada além de indiferença sem sentido. ”

Além disso, se o ateísmo fosse verdadeiro, então a evolução darwiniana é verdadeira (já que a única alternativa à macroevolução é a criação especial, o ateísmo exige que a evolução seja verdadeira). Então, se o ateísmo é verdadeiro, e o darwinismo é verdade, então eu acho que poderia ser argumentado que uma moralidade coletiva evoluiu entre a espécie humana, porque os valores morais que nós mantemos e as ações que nos sentimos obrigados a cometer ou evitar cometer servem para promover o avanço e continuação da espécie. Em outras palavras; nós nos saímos melhor se não sairmos por aí matando, mutilando, estuprando e roubando um do outro. A humanidade se sai melhor se nos provermos uns aos outros, se formos uns com os outros e ajudarmos uns aos outros. Sob o ateísmo, nossa moral tem valor de sobrevivência e é por isso que eles se desenvolveram em nós.
O filósofo da ciência ateu, Michael Ruse, concorda. Ele escreve:

“A posição do evolucionista moderno é que os humanos têm uma consciência da moralidade porque tal consciência é de valor biológico. A moralidade é uma adaptação biológica, não menos que nossas mãos, pés e dentes. Considerada como um conjunto racionalmente justificável de afirmações sobre algo objetivo, a ética é ilusória. Aprecio que quando alguém diz "ame a seu próximo como a si mesmo", eles pensam que estão se referindo acima e além de si mesmos. No entanto, tal referência é verdadeiramente sem fundamento. A moralidade é apenas uma ajuda para a sobrevivência e a reprodução, e qualquer significado mais profundo é ilusório ”.

Como resultado de processos evolutivos, os seres humanos desenvolveram uma moralidade de rebanho que funciona bem na perpetuação da espécie humana na luta pela sobrevivência. Mas na visão ateísta não parece haver nada sobre homosapiens que torne essa moralidade objetivamente verdadeira. Se a história evolucionária fosse rebobinada e feita por toda parte, criaturas muito diferentes que valores muito diferentes poderiam ter evoluído. De fato, o próprio Charles Darwin disse isso em seus escritos. Ele escreveu: “Se os homens fossem criados precisamente nas mesmas condições que as abelhas, não há dúvida de que nossas mulheres solteiras, como as operárias, acham que é um dever sagrado matar seus irmãos, e as mães se esforçam para matá-los. mate suas filhas férteis, e ninguém pensaria em interferir. " [Charles Darwin. A Origem do Homem e Seleção em Relação ao Sexo. Segunda Edição. New York. 1882, p. 99.]

Que razão existe para pensar que nossa moralidade é objetivamente verdadeira, além desta outra linhagem evolucionária? Como o filósofo William Lane Craig escreve: "Pensar nos seres humanos como especiais é ser culpado de especiesismo, um viés injustificado em relação à própria espécie. Assim, se não há Deus, então qualquer base para considerar a moralidade do rebanho evoluída pelos homossexuais como objetivamente verdadeiro parece ter sido removido. Portanto, se o teísmo é falso, é difícil ver que base resta para a afirmação dos valores morais objetivos e, em particular, o valor especial dos seres humanos. "

Além disso, na visão ateísta, os seres humanos são apenas animais e os animais não são moralmente obrigados em relação a um outro. O eticista Richard Taylor ilustra poderosamente esse ponto. Ele nos convida a imaginar seres humanos vivendo em um estado de natureza sem quaisquer costumes ou leis. Suponha que alguém mate outro e leve seus bens. Taylor reflete:

“Tais ações, embora prejudiciais às suas vítimas, não são mais injustas ou imorais se fossem feitas por um animal para outro. Um falcão que apanha um peixe do mar e o mata, mas não o mata; e outro falcão que apanha os peixes das garras do primeiro falcão TOMA, mas não o ROUBA - pois nenhuma dessas coisas é proibida. E exatamente as mesmas considerações se aplicam às pessoas que estamos imaginando. ”

E quanto a PREMISSA 2?

E quanto a premissa 2? Que “valores e deveres morais objetivos existem”? Bem, como eu já disse anteriormente neste post, a maioria dos ateus com quem conversei afirmam a premissa 2 (“valores morais objetivos e deveres existem). A maioria dos ateus acredita que ações como assassinato, estupro, adultério, roubo são verdadeiras abominações morais reais. Eu concordo com eles! Essas coisas são de fato abominações morais. Richard Dawkins acha moralmente errado ensinar aos seus filhos que o cristianismo é verdadeiro. Então, eu normalmente não tenho que defender a ideia de que a moral é real e objetivamente vinculante. William Lane Craig afirma que a evidência da existência da moralidade objetiva está no mesmo nível da evidência da existência do mundo físico externo. Nós reconhecemos que ambos são reais. Nós podemos sentir os dois. Ele escreve “ Entendo que na experiência moral apreendemos um reino de valores e deveres morais objetivos, assim como na experiência sensorial nós apreendemos um domínio de objetos físicos objetivamente existentes. Assim como é impossível sairmos de nosso input sensorial para testar sua veracidade, também não há como testar de forma independente a veracidade de nossas percepções morais ”. Ele prossegue dizendo:“ Não há mais razão para negar a realidade. de valores morais objetivos do que a realidade objetiva do mundo físico. Na ausência de algum invalidador, confiamos racionalmente em nossas percepções, sejam sensoriais ou morais. "

Mas e aqueles que dizem que a moralidade não é real? Essas pessoas são chamadas de “relativistas morais”. E eles? Eu acho que as pessoas que dão o serviço de boca ao relativismo moral raramente vivem sua visão de forma consistente.

Então, ambas as premissas são verdadeiras. Assim, a conclusão segue. "Portanto, Deus existe".

Você não está apenas cometer a falácia do Deus-das-lacunas? Você não entende o que faz com que a moralidade seja objetiva, então você pula para Deus!

Este não é um argumento de God-Of-The-Gaps. Há boas razões para pensar que um Ser pessoal é o padrão e a explicação para a moralidade objetiva. Por que Deus é a melhor explicação para a moralidade objetiva?

Bem, se dissermos que Hitler foi imensamente maligno e Madre Teresa foi imensamente boa, isso não pressupõe um padrão moral absoluto com o qual você está comparando? Não estamos dizendo que Madre Teresa estava muito mais próxima de corresponder a esse padrão absoluto e imutável do que Hitler? O que é moral, o que é legal? Isso não parece absoluto. Só porque algo é legal ou ilegal não significa que é moral. A morte de crianças não nascidas é legal, mas os ateus pró-vida dizem que é imoral. Portanto, o governo não pode ser a fonte de decidir o certo e o errado. Além disso, na Alemanha, não era apenas legal, mas mandado por Hitler que os nazistas matassem judeus. Se o que é moral ou imoral é o que é legal ou ilegal, então poderíamos dizer que é imoral matar judeus na América, mas que era bom na época para as pessoas fazerem isso na Alemanha durante o Holocausto. Mas então, isso não é mais valores morais objetivos. É subjetivo. Se a moralidade deve ser objetiva, tem que haver algum padrão absoluto, imutável, ao qual devemos nos comparar. A questão é; o que é esse padrão? O teísta, é claro, diria que o caráter de Deus é o padrão absoluto imutável. Mas o que o ateu diz? Como o ateu condena o Holocausto e o 9-11 como atos de maldade, e não apenas coisas de que ele não gosta (isto é, isso vai contra sua preferência)? É sempre mal em todos os momentos e em todos os lugares matar pessoas inocentes ou o status moral de tal ação muda dependendo de quando e onde você está na história? Se é absoluta e objetiva (ou seja, é o que é, independentemente das opiniões das pessoas sobre o assunto) de onde vem esse aterramento?

Alguns ateus dizem que "Tudo o que contribui para o florescimento humano é bom e o que vai contra isso é o mal", mas depois voltamos ao problema dos valores morais subjetivos dos versos objetivos? Por que deveríamos dizer que o florescimento humano é objetivamente bom e não oposto? É sua opinião que o florescimento humano é bom ou você está comparando isso a um padrão? E qual é o padrão? Se não é Deus, é preciso pensar em outra coisa e, se não puder, o relativismo moral é a única conclusão lógica (pelo menos, se alguém quiser manter o ateísmo). Se a moralidade é objetiva, ela tem sua base em alguma coisa.

C. S. Lewis disse bem: "No momento em que você diz que um conjunto de idéias morais pode ser melhor que outro, você está medindo as duas por um padrão", escreveu Lewis, "dizendo que uma delas se adequa a esse padrão mais quase do que o outro, o padrão que mede duas coisas é algo diferente de qualquer um: você está de fato comparando ambos com alguma Moralidade Real, admitindo que existe tal coisa como um Direito real, independente do que as pessoas pensam, e que algumas pessoas idéias se aproximam mais da verdadeira direita do que outras ".

Lewis prosseguiu dizendo: "Se suas idéias morais podem ser mais verdadeiras e as dos nazistas menos verdadeiras, deve haver alguma coisa - alguma Moralidade Real - para que sejam verdadeiras".

Portanto, acho que Deus é a melhor explicação para o fato de a moralidade ser objetiva.

Suponho que uma das maneiras pelas quais eu poderia argumentar que Deus é a melhor explicação para a moralidade objetiva é porque podemos dizer o que é certo ou errado, porque há uma receita de como algo deve se comportar. Por exemplo: como podemos distinguir um bom rádio de um rádio ruim? Podemos dizer a diferença porque existe uma forma de funcionamento de um rádio. Deveria tocar música que está sendo transmitida de diferentes estações de rádio e tocar música de uma determinada estação se o dial estiver sintonizado na dita estação. O rádio que não recebe nada além de estático é um rádio ruim. Está com defeito. Não funciona do jeito que é*. Não está se comportando da maneira como está projetado para funcionar. Não está funcionando da maneira que o criador pretendia.

Agora, vamos mudar a analogia dos rádios para as folhas de uma árvore de outono que acabou por acontecer de pousar na minha varanda da frente porque o vento soprou aleatoriamente na minha varanda. Porque não havia projeto envolvido, não há realmente nenhuma previsão de como as folhas deveriam ter desembarcado. Eu não posso apontar para uma folha e dizer “Você vê aquela folha? Essa é uma folha ruim! Essa é uma folha muito ruim! ”Eu não posso dizer isso porque não há propósito para a formação das folhas na minha varanda. Não há design envolvido e todos sabem que não há projeto envolvido. Mas com os rádios, todo mundo sabe que há uma maneira de os rádios serem tocados e podemos olhar para um rádio em funcionamento e chamá-lo de "bom" enquanto olhamos para outro rádio e o chamamos de "ruim". Agora, no ateísmo, somos como aquelas folhas. Não há propósito, não há design, estamos aqui por acaso + natureza. Então, se o ateísmo é verdade, é realmente estranho dizer que há uma maneira pela qual devemos nos comportar, uma vez que não fomos FEITOS por ninguém que pretendesse que nos comportássemos como tal. Se o teísmo é verdadeiro, somos como os rádios. Fomos feitos com um propósito e fomos inscritos com um senso de "dever" de como devemos nos comportar e quando as pessoas não funcionam dessa maneira na sociedade, dizemos que elas são "ruins". Mas se o ateísmo é verdade, somos como as folhas na varanda. Nós apenas explodimos lá através de processos cegos e não direcionados. Não há como as folhas supostamente aterrissarem.

Então, se há um dever (e eu sinto que deveria todos os dias e eu sei que você também), deve haver um ser pessoal que prescreveu isso desde que de dentro de nós mesmos (como Romanos 2: 14-15 diz). Porque apenas um ser pessoal pode dar propósito a um sistema. Forças cegas não se importam como você se comporta, apenas uma pessoa faria. Você não pode ser moralmente obrigado a uma lei da natureza. Como você pode ver, este não é um argumento de Deus sobre as lacunas. Eu dei um argumento positivo em favor de Deus ser uma boa explicação para obrigações morais, não dizendo “Bem, nós não sabemos de onde vem, então deve ser Deus”.


Publicado originalmente por Evan Minton em Cerebral Faith.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: