A supervisão do rebanho: os motivos

Tendo considerado a maneira pela qual devemos prestar atenção ao rebanho, passarei a apresentar a vocês alguns motivos para essa supervisão; e aqui vou me limitar aos contidos no meu texto.

1. A primeira consideração que o texto nos sugere é tirada de nossa relação com o rebanho: somos superintendentes dela.

(1) A natureza do nosso escritório nos obriga a "prestar atenção ao rebanho". O que mais somos superintendentes de "Bispo" é um título que sugere mais "trabalho do que honra", diz Polydore Virgil. Ser um bispo, ou pastor, não deve ser estabelecido como um ídolo para as pessoas se curvarem, ou como ociosas "barrigas lentas", para viver para o nosso prazer e alívio carnal; mas é para ser o guia dos pecadores para o céu. É um triste caso que os homens devam ser de uma vocação da qual não conhecem a natureza e se comprometem a não saber o quê. Esses homens consideram o que empreenderam, que vivem com facilidade e prazer, e têm tempo para fazer suas recreações supérfluas e passar uma hora e mais de uma só vez, em conversas vãs ou em vão, quando tanto trabalho repousa sobre eles? mãos? Irmãos, você considera o que você tomou sobre você? Ora, você empreendeu a conduta, sob Cristo, de um bando de seus soldados "contra principados e potestades, e maldade espiritual em lugares altos". Você deve levá-los aos conflitos mais agudos; você deve familiarizá-los com os estratagemas e ataques dos inimigos; você deve se vigiar e mantê-los observando. Se você abortar, eles e você podem perecer. Você tem um inimigo sutil e, portanto, deve ser sábio. Você tem um inimigo vigilante e, portanto, deve estar vigilante. Você tem um inimigo malicioso e violento e incansável e, portanto, deve ser resoluto, corajoso e infatigável. Você está em uma multidão de inimigos, cercados por eles de todos os lados, e se você prestar atenção a um e não a todos, você cairá rapidamente. E que mundo de trabalho você tem que fazer! Se você tivesse apenas um homem ou mulher ignorante para ensinar, que tarefa difícil seria, mesmo que eles estivessem dispostos a aprender! Mas se eles forem tão relutantes quanto ignorantes, quanto mais difícil será provado! Mas ter tantas pessoas ignorantes, como a maioria de nós tem, que trabalho nos encontrará! Que vida lamentável é ter que raciocinar com homens que quase perderam o uso da razão e argumentar com eles que nem se entendem nem você! Ó irmãos, que mundo de maldade devemos enfrentar em uma alma; e que alguns desses mundos! E quando você pensa que fez alguma coisa, você deixa a semente entre as aves do ar; homens maus estão em seus cotovelos para se levantar e contradizer tudo o que você disse. Você fala uma vez a um pecador, por dez ou vinte vezes que os emissários de Satanás falam a eles.

Além disso, quão facilmente os negócios e preocupações do mundo sufocam a semente que você semeou. E se a verdade não tem inimigo senão o que é em si mesmo, com que facilidade um coração carnal congelado extinguirá aquelas faíscas que você tem estado aceso por muito tempo! sim, por falta de combustível e mais ajuda, eles sairão de si mesmos. E quando você pensa que seu trabalho tem sucesso, e viu homens confessando seus pecados, e prometendo reforma, e vivendo como novas criaturas e convertidos zelosos, ai! eles podem, depois de tudo isso, provar-se insensatos e falsos no coração, e aqueles que foram mudados superficialmente e adotaram novas opiniões e novas companhias, sem um novo coração. Quantos, após alguma mudança considerável, são enganados pelos lucros e honras do mundo, e são novamente envolvidos por suas antigas luxúrias! Quantos mudam uma maneira vergonhosa de agradar a carne, por um caminho menos desonroso, e não faz tanto barulho em suas consciências! Quantos se orgulham antes de adquirir um conhecimento profundo da religião; e, confiantes na força de seus intelectos não-mobilados, arrebatam avidamente todos os erros que lhes são apresentados sob o nome de verdade; e, como as galinhas que se soltam da galinha, são levadas por aquele papagaio infernal, enquanto orgulhosamente desprezam a orientação e o conselho daqueles que Cristo colocou sobre eles para sua segurança! Ó irmãos, que campo de trabalho está diante de nós! Não é uma pessoa que você vê, mas pode achar que você trabalha. Nos próprios santos, em quanto tempo as graças cristãs definham se você as negligencia? e quão facilmente são atraídos para caminhos pecaminosos, para a desonra do evangelho, e para sua própria perda e tristeza! Se este é o trabalho de um ministro, você pode ver que vida ele tem para liderar. Vamos, então, estar de pé e fazendo, com todas as nossas forças; as dificuldades devem acelerar, não nos desencorajar em um trabalho tão necessário. Se não podemos fazer tudo, façamos o que podemos; porque, se negligenciarmos isso, ai de nós e das almas que estão comprometidas com nosso cuidado!

Além disso, quão facilmente os negócios e preocupações do mundo sufocam a semente que você semeou. E se a verdade não tem inimigo senão o que é em si mesmo, com que facilidade um coração carnal congelado extinguirá aquelas faíscas que você tem estado aceso por muito tempo! sim, por falta de combustível e mais ajuda, eles sairão de si mesmos. E quando você pensa que seu trabalho tem sucesso, e viu homens confessando seus pecados, e prometendo reforma, e vivendo como novas criaturas e convertidos zelosos, ai! eles podem, depois de tudo isso, provar-se insensatos e falsos no coração, e aqueles que foram mudados superficialmente e adotaram novas opiniões e novas companhias, sem um novo coração. Quantos, após alguma mudança considerável, são enganados pelos lucros e honras do mundo, e são novamente envolvidos por suas antigas luxúrias! Quantos mudam uma maneira vergonhosa de agradar a carne, por um caminho menos desonroso, e não faz tanto barulho em suas consciências! Quantos se orgulham antes de adquirir um conhecimento profundo da religião; e, confiantes na força de seus intelectos não-mobilados, arrebatam avidamente todos os erros que lhes são apresentados sob o nome de verdade; e, como as galinhas que se soltam da galinha, são levadas por aquele papagaio infernal, enquanto orgulhosamente desprezam a orientação e o conselho daqueles que Cristo colocou sobre eles para sua segurança! Ó irmãos, que campo de trabalho está diante de nós! Não é uma pessoa que você vê, mas pode achar que você trabalha. Nos próprios santos, em quanto tempo as graças cristãs definham se você as negligencia? e quão facilmente são atraídos para caminhos pecaminosos, para a desonra do evangelho, e para sua própria perda e tristeza! Se este é o trabalho de um ministro, você pode ver que vida ele tem para liderar. Vamos, então, estar de pé e fazendo, com todas as nossas forças; as dificuldades devem acelerar, não nos desencorajar em um trabalho tão necessário. Se não podemos fazer tudo, façamos o que podemos; porque, se negligenciarmos isso, ai de nós e das almas que estão comprometidas com nosso cuidado! Deveríamos passar por cima de todos esses outros deveres, e, apenas por um sermão plausível, pensar em provar a nós mesmos ministros fiéis, e adiar Deus e o homem com tal concha e viseira, nossa recompensa será tão superficial quanto nosso trabalho.

(2) Considere que é por sua própria iniciativa voluntária e engajamento que todo esse trabalho é colocado sobre você. Nenhum homem te forçou a ser supervisor da Igreja. E a honestidade comum não faz com que você seja fiel à sua confiança?

(3) Considere que você tem a honra de encorajá-lo ao trabalho. E uma grande honra é ser os embaixadores de Deus e os instrumentos de conversão dos homens, para "salvar suas almas da morte e para cobrir uma multidão de pecados". A honra, na verdade, é apenas o assistente da obra. Fazer, portanto, como fizeram os prelados da Igreja em todas as eras, lutar pela precedência e encher o mundo de contendas sobre a dignidade e a superioridade de seus assentos, mostra que esquecemos muito a natureza daquele ofício que nós empreendido. Eu raramente vejo pastores se esforçarem tanto, que devem ir primeiro ao chalé de um homem pobre para ensinar a ele e sua família o caminho para o céu; ou quem deve primeiro esforçar-se pela conversão de um pecador, ou primeiro tornar-se servo de todos. Estranho, que apesar de todas as expressões claras de Cristo, os homens não compreenderão a natureza do seu ofício! Se o fizessem, eles se esforçariam para ser o pastor de todo um condado e muito mais, quando há tantos milhares de pobres pecadores que clamam por ajuda, e eles não são capazes nem dispostos a se empenhar pelo seu alívio? Não, quando podem pacientemente viver em casa com pessoas profanas e não segui-las seriamente e incessantemente para sua conversão? E que eles teriam o nome e a honra do trabalho de um condado, que são incapazes de fazer todo o trabalho de uma paróquia, quando a honra é apenas o apêndice do trabalho. São nomes e honra, ou o trabalho e o fim, que eles desejam? Oh! se eles se dedicassem fiel, humilde e abnegadamente a si mesmos para Cristo e sua Igreja, e nunca pensassem em títulos e reputação, eles deveriam então ter honra se eles iriam ou não; mas, ao escancarar-se, perdem-se: pois, no caso da sombra da virtude, "segue-se o que voo; o que voa, o mesmo eu sigo.

(4) Considere que você tem muitos outros excelentes privilégios do ministério para encorajá-lo ao trabalho. Portanto, se você não fizer o trabalho, não terá nada a ver com os privilégios. É algo que você é mantido pelo trabalho de outros homens. Isto é para o seu trabalho, para que você não seja retirado dele, mas, como Paulo requer, pode "dar-se inteiramente a estas coisas", e não ser forçado a negligenciar as almas dos homens, enquanto você está providenciando seus próprios corpos. Ou faça o trabalho, ou não faça a manutenção. Mas você tem privilégios muito maiores do que isso. Não é nada para ser educado, quando os outros são levados ao carrinho e ao arado? e ser provido de tanto conhecimento delicioso, quando o mundo se deitar na ignorância? Não é nada para conversar com homens instruídos e para falar de coisas elevadas e gloriosas, quando os outros devem conversar com quase ninguém, exceto com os mais vulgares e analfabetos? Mas especialmente, que excelente privilégio é viver em estudar e pregar a Cristo! estar continuamente procurando em seus mistérios, ou se alimentando deles! ser empregado diariamente na consideração da natureza abençoada, obras e caminhos de Deus! Outros se alegram com o lazer do dia do Senhor, e de vez em quando de uma hora além, quando podem se apoderar dele. Mas podemos guardar um sábado contínuo. Podemos fazer quase nada mais, mas estudar e falar de Deus e da glória, e nos engajar em atos de oração e louvor, e beber em suas sagradas verdades salvadoras. Nosso emprego é todo alto e espiritual. Quer estejamos sozinhos ou em companhia, nosso negócio é para outro mundo. O que nossos corações estavam mais ligados a esta obra! Que vida feliz e abençoada devemos então viver! Quão doce seria nosso estudo para nós! Quão agradável o púlpito! E que prazer nossa conferência sobre as coisas espirituais e eternas nos proporcionaria! Viver entre essas excelentes ajudas que as nossas bibliotecas oferecem, ter tantos companheiros sábios silenciosos sempre que nos agradar - todos esses, e muitos outros privilégios semelhantes do ministério, indicam nossa diligência incansável no trabalho.

(5) Por seu trabalho você está relacionado com Cristo, assim como com o rebanho. Vocês são os administradores dos seus mistérios e governantes da sua casa; e aquele que vos confiou, vos manterá em seu trabalho. Mas então, "é exigido de um mordomo que um homem seja encontrado fiel". Seja verdadeiro com ele, e nunca duvide, mas ele será fiel a você. Você alimenta o seu rebanho, e ele preferirá alimentá-lo como fez com Elias, do que deixá-lo querer. Se você estiver na prisão, ele abrirá as portas; mas então você deve aliviar almas aprisionadas. Ele lhe dará "uma língua e sabedoria que nenhum inimigo será capaz de resistir", mas então você deve usá-lo fielmente para ele. Se você estender a mão para aliviar os aflitos, ele murchará a mão estendida contra você. Os ministros da Inglaterra, tenho certeza, podem saber disso por larga experiência. Muitas vezes Deus os resgatou das garras do devorador. Oh, as admiráveis ​​preservações e libertações que eles tiveram de papistas cruéis, de perseguidores tirânicos e de homens desorientados e apaixonados! Considere, irmãos, porque é que Deus fez tudo isso. É para as pessoas ou para a Igreja dele? O que você é para ele mais do que os outros homens, mas pelo seu trabalho e pelo povo? Vocês são anjos? Sua carne é formada de argila melhor que seus vizinhos? Você não é da mesma geração de pecadores, que precisam da graça dele tanto quanto eles? Até então, e trabalhar como os remidos do Senhor, como aqueles que são propositadamente resgatados da ruína para o seu serviço. Se você acredita que Deus o resgatou para si mesmo, viva para ele, como sendo sem reservas o que o livrou.

2. O segundo motivo do texto é extraído da causa eficiente dessa relação. É o Espírito Santo que nos tornou superintendentes de sua Igreja e, portanto, cabe-nos tomar cuidado com isso. O Espírito Santo torna os homens bispos ou supervisores da Igreja em três aspectos diferentes: qualificando-os para o ofício; dirigindo os ordenadores para discernir suas qualificações e conhecer os homens mais aptos; e dirigi-los, as pessoas e a si mesmos, para afixá-los a uma carga particular. Todas essas coisas foram então feitas de uma maneira extraordinária, por inspiração, ou pelo menos com muita frequência. O mesmo é feito agora pelo caminho comum da assistência do Espírito. Mas é o mesmo Espírito ainda; e os homens são feitos superintendentes da Igreja (quando são justamente chamados) pelo Espírito Santo, agora tão bem quanto então. É um estranho conceito, portanto, dos papistas, que a ordenação pelas mãos do homem seja de necessidade mais absoluta no ofício ministerial, do que o chamado do Espírito Santo. Deus determinou em sua Palavra que haverá tal ofício, e qual será o trabalho e poder daquele ofício, e que tipo de homens, quanto às suas qualificações, o receberão. Nenhum destes pode ser desfeito pelo homem ou tornado desnecessário. Deus também dá aos homens as qualificações que ele requer; de modo que tudo o que a Igreja tem a fazer, seja pastores ou pessoas, ordenadores ou eleitores, é apenas discernir e determinar quais são os homens que Deus assim qualificou, e aceitar os que são assim providos, e, após o consentimento , instalá-los solenemente neste escritório. Que obrigação, então, é colocada sobre nós, por nosso chamado ao trabalho! Se nossa comissão for enviada do céu, não será desobedecida. Quando os apóstolos foram chamados por Cristo de seus empregos seculares, imediatamente deixaram amigos, abrigaram e negociaram, e tudo mais, e o seguiram. Quando Paulo foi chamado pela voz de Cristo, ele "não foi desobediente à visão celestial". Embora nosso chamado não seja tão imediato ou extraordinário, ainda assim é do mesmo Espírito. Não é um caminho seguro imitar Jonas, voltando as costas aos mandamentos de Deus. Se negligenciarmos nosso trabalho, ele tem um impulso para nos acelerar; se fugirmos dele, ele tem mensageiros suficientes para nos alcançar e nos trazer de volta, e nos obrigar a fazê-lo; e é melhor fazê-lo no início do que finalmente.

3. O terceiro motivo no texto é extraído da dignidade do objeto que é cometido a nosso cargo. É a Igreja de Deus que devemos supervisionar - aquela Igreja pela qual o mundo é principalmente defendido, que é santificado pelo Espírito Santo, que é o corpo místico de Cristo, aquela Igreja com a qual os anjos estão presentes, e na qual eles participam. como espíritos ministradores, cujos pequeninos têm seus anjos vendo a face de Deus no céu. Oh, que cobrança é essa que assumimos! E seremos infiéis a isso? Temos a mordomia da própria família de Deus e devemos negligenciá-la? Temos a conduta daqueles santos que viverão para sempre com Deus em glória, e devemos negligenciá-los? Deus me livre! Suplico-vos, irmãos, que este pensamento desperte o negligente. Você que recua dos deveres dolorosos, desagradáveis ​​e sofredores, e adia as almas dos homens com formalidades ineficazes, acha que isso é tratamento honroso da esposa de Cristo? As almas dos homens são vistas por Deus para ver seu rosto e viver para sempre no céu, e elas não são dignas do seu maior custo e trabalho na terra? Você pensa tão abertamente na Igreja de Deus, como se ela não merecesse o melhor de seu cuidado e ajuda? Se você fosse o guardião das ovelhas ou dos porcos, você dificilmente os deixaria ir e diria: Eles não valem a atenção; especialmente se eles fossem seus. E você ousa dizer isso das almas dos homens, da Igreja de Deus? Cristo anda entre eles: lembre-se de sua presença e veja que você é diligente em seu trabalho. Eles são "uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo peculiar, para mostrar os louvores daquele que os chamou". E ainda assim você os negligenciará? Que grande honra é ser apenas um deles, sim, mas um "porteiro da casa de Deus"! Mas ser sacerdote desses sacerdotes e governante desses reis - isso é uma honra que multiplica suas obrigações de diligência e fidelidade em um emprego tão nobre.

4. O último motivo mencionado em meu texto é extraído do preço que foi pago pela Igreja que supervisionamos: “Que Deus”, diz o apóstolo, “comprou com seu próprio sangue.” Oh, que argumento é esse? isso para acalmar os negligentes e condenar aqueles que não serão estimulados por eles! "Oh", disse um dos antigos médicos, "Se Cristo tivesse se comprometido a manter uma colherada de seu sangue em um copo frágil, quão curiosamente eu o preservaria, e quão terno eu seria daquele copo! Se então ele me comprometeu a compra de seu sangue, não deveria eu olhar com cuidado para o meu cargo? senhores, devemos desprezar o sangue de Cristo? Achamos que foi derramado por aqueles que não são dignos de nosso maior cuidado? Você pode ver aqui, não é uma pequena falha que os pastores negligentes são culpados. Tanto quanto neles reside, o sangue de Cristo seria derramado em vão. Eles perderiam as almas que ele tanto comprou. Oh, então, vamos ouvir esses argumentos de Cristo, sempre que nos sentimos enfadonhos e descuidados: "Eu morri por essas almas, e não olhas para elas? Eles valeram meu sangue, e eles não valem o teu trabalho? Eu desci do céu para a terra, "para buscar e salvar o que estava perdido"; e não vais à porta ao lado, ou rua, ou aldeia, para os procurar? Quão pequena é a tua condescendência e trabalho comparado com o meu! Eu me rebaixei a isso, mas é uma honra sua ser tão empregada. Fiz tanto e sofri tanto por sua salvação, e estava disposto a fazer-te cooperador comigo, e recusas fazer o que dorme sobre tuas mãos? ”Toda vez que olhamos para nossas congregações, vamos lembre-se, com fé, de que eles são a aquisição do sangue de Cristo e, portanto, devem ser considerados por nós com o mais profundo interesse e a mais carinhosa afeição. Oh, pense que confusão será para um ministro negligente, no último dia, pedir a este sangue do Filho de Deus contra ele; e para Cristo dizer: 'Foi a compra do meu sangue de que fizeste tão leve, e pensas em ser salvo por ti mesmo?' Ó irmãos, vendo Cristo trazer seu sangue para pleitear conosco, deixe-o pleite-nos ao nosso dever, para que não nos imploremos a condenação.

Já fiz com os motivos que encontro no próprio texto. Há muitos mais que podem ser reunidos do restante desta exortação do apóstolo, mas não devemos ficar para receber tudo. Se o Senhor colocou em casa, mas estes poucos em nossos corações, duvido que não veremos razão para consertar nosso ritmo; e a mudança será tal em nossos corações e em nosso ministério, que nós mesmos e nossas congregações terão motivo para abençoar a Deus por isso. Eu sei que não sou digno de ser seu monitor; mas um monitor que você deve ter; e é melhor para nós ouvirmos do nosso pecado e dever de alguém do que de ninguém. Receba a admoestação e você não verá nenhuma causa na indignidade do monitor em se arrepender dele. Mas se você o rejeitar, o mensageiro indigno poderá suportar esse testemunho contra você em outro dia que então o confundirá.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 2 - A supervisão do rebanho

Disponível em CCEL (inglês).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: