A supervisão do rebanho: sua natureza

Tendo mostrado, o que é ter cuidado de nós mesmos, eu mostrarei, em seguida, o que é prestar atenção a todo o rebanho.

Primeiro foi necessário levar em consideração, o que devemos ser, e o que devemos fazer por nossas próprias almas, antes de chegarmos ao que deve ser feito pelos outros: 'Ele não pode curar as feridas de outros que não são curados. por negligenciar a si mesmo. Ele nem beneficia seus vizinhos nem a si mesmo. Ele não levanta os outros, mas cai em si. Sim, para que todo o seu trabalho não dê resultado, porque o seu coração e vida não são nada que os execute. "Para algumas pessoas, que, embora sejam especialistas em ministério espiritual, fazem isso de maneira obstinada e, embora ajam de forma inteligente, andam por baixo de qualquer bem que façam. Eles ensinam muito apressadamente o que só pode ser tornado santo pela meditação; e o que eles proclamam em público, eles impugnam por sua conduta. Por isso, como pastores, eles andam em caminhos muito acidentados para o rebanho seguir. ”Quando os levamos para as águas vivas, se enlamearmos nossas vidas imundas, poderemos perder nosso trabalho, e eles nunca serão melhores. . Antes de falarmos do trabalho em si, notaremos algo que é pré-suposto nas palavras diante de nós.

1. Está implícito aqui que todo rebanho deve ter seu próprio pastor e todo pastor seu próprio rebanho. Como toda tropa ou companhia em um regimento de soldados deve ter seu próprio capitão e outros oficiais, e todo soldado conhece seu próprio comandante e cores; assim é a vontade de Deus, que toda igreja tenha seu próprio pastor, e que todos os discípulos de Cristo 'conheçam seus mestres que estão acima deles no Senhor.' Embora um ministro seja um oficial na Igreja universal, ele é de maneira especial, o superintendente daquela igreja particular que está comprometida com sua responsabilidade. Quando somos ministros ordenados sem encargos especiais, somos licenciados e ordenados a dar o melhor de nós por todos, pois teremos oportunidade para o exercício de nossos dons: mas quando assumimos uma acusação específica, restringimos o exercício. de nossos dons tão especialmente àquela congregação, que devemos permitir aos outros não mais do que pode poupar de nosso tempo e ajuda, exceto onde o bem público o requeira, o que deve, sem dúvida, ser considerado pela primeira vez. A partir desta relação de pastor e rebanho, surgem todos os deveres que eles mutuamente devem um ao outro.

2. Quando somos ordenados a prestar atenção a todo o rebanho, está claramente implícito que os rebanhos não devem, ordinariamente, ser maiores do que somos capazes de supervisionar, ou "prestar atenção". Deus não colocará sobre nós impossibilidades naturais: ele não ligará os homens a pular para a lua, a tocar as estrelas ou a numerar as areias do mar. Se o escritório pastoral consiste em supervisionar todo o rebanho, então certamente o número de almas sob os cuidados de cada pastor não deve ser maior do que ele é capaz de levar em consideração, como é aqui exigido. Será que Deus exige que um bispo assuma a responsabilidade de um condado inteiro, ou de tantas paróquias ou milhares de almas, como ele não é capaz de conhecer ou supervisionar? Sim, e tomar o único governo deles, enquanto os professores particulares deles estão livres desse empreendimento? Deus exigirá o sangue de tantas paróquias nas mãos de um homem, se ele não fizer aquilo que dez, ou vinte, ou cem ou trezentos homens não podem mais fazer, do que eu posso mover uma montanha Então aflição para os pobres prelados! Não é, então, um caso muito lamentável, que homens sábios e sóbrios defendam isso como um privilégio desejável; que eles deveriam voluntariamente se valer de tal fardo; e que eles não tremem com os pensamentos de tão grande empreendimento? Oh, feliz tivesse sido pela Igreja, e feliz pelos próprios bispos, se esta medida, que é aqui insinuada pelo apóstolo, ainda tivesse sido observada: que a diocese não tinha sido maior do que os anciãos ou bispos poderiam supervisionar e governar. para que eles pudessem ter cuidado de toda a rocha, ou que os pastores tivessem se multiplicado à medida que as igrejas aumentassem, e o número de superintendentes fosse proporcional ao número de almas, para que não deixassem a obra ser desfeita, enquanto assumiam os títulos vazios, e realizou impossibilidades! E que antes oraram ao Senhor da seara para que mandassem mais trabalhadores, tantos quantos fossem distribuídos ao trabalho, e não tivessem empreendido todos eles. Eu dificilmente elogiaria a prudência ou a humildade daquele trabalhador, que suas partes fossem sempre tão grandes, que não apenas se comprometessem a reunir toda a colheita neste condado ele mesmo, e que, sob pena de morte, sim, de condenação, mas também sinceramente disputam essa prerrogativa.

Mas pode-se dizer que há outros para ensinar, embora um só tenha a regra.

A isso eu respondo: Bendito seja Deus assim é; e não graças a alguns deles. Mas o governo não é de grande interesse para o bem das almas, assim como para a pregação? Se não, então que uso há para os governadores da igreja? Se for, então eles que a anulam, assumindo possibilidades, arruinam as igrejas e a si mesmos. Se somente a pregação for necessária, não tenhamos ninguém a não ser meros pregadores: o que precisa então de uma agitação sobre o governo? Mas se a disciplina, em seu lugar, também for necessária, o que é a inimizade da salvação dos homens para excluí-la? e é inevitavelmente excluído, quando é feito para ser seu trabalho que é naturalmente incapaz de realizá-lo. O general que vai comandar um exército sozinho, pode também dizer: Deixe-o ser destruído por falta de comando: e o professor que irá supervisionar ou governar todas as escolas no condado sozinho, pode também dizer, Que todos eles sejam ingovernáveis: e o médico que se encarregará de cuidar de todos os doentes de toda uma nação, ou município, quando não puder visitar o centésimo homem deles, pode também dizer: Permita-os. Ainda assim, deve ser reconhecido que, em caso de necessidade, onde não há mais a ser tido, um homem pode assumir a responsabilidade de mais almas do que ele é bem capaz de supervisionar particularmente. Mas então ele deve se comprometer apenas a fazer o que pode por eles, e não fazer tudo o que um pastor normalmente deve fazer. Esse é o caso de alguns de nós, que temos paróquias maiores do que somos capazes de dar aquela atenção especial a qual seu estado requer. Eu professo, por minha parte, que estou tão longe de sua ousadia que ousa se aventurar no único governo de um condado, que eu não teria, por toda a Inglaterra, comprometido a ser um dos dois que deveriam fazer todo o trabalho pastoral que Deus requer, na paróquia onde eu moro, que eu não tenha feito isto para satisfazer a minha consciência de que, através das necessidades da Igreja, não se pode ter mais; e, portanto, devo antes fazer o que posso, do que deixar tudo por fazer porque não posso fazer tudo. Mas casos de necessidade inevitável não devem ser a condição comum da Igreja; ou pelo menos, não é desejável que assim seja. Ó feliz Igreja de Cristo, eram os trabalhadores, mas capazes e fiéis, e proporcionais em número ao número de almas; de modo que os pastores eram tantos, ou as igrejas particulares tão pequenas, para que pudéssemos 'tomar cuidado de todo o rebanho'. Tendo notado estas coisas, que são pressupostas, passemos agora a considerar o dever que é recomendado. no texto, tome cuidado com todo o rebanho. É, você vê, todo o rebanho, ou cada membro individual de nossa carga. Para esse fim, é necessário que conheçamos todas as pessoas que pertencem à nossa responsabilidade; pois como podemos dar ouvidos a eles, se não os conhecemos? Devemos trabalhar para nos familiarizarmos não apenas com as pessoas, mas com o estado de todo o nosso povo, com suas inclinações e conversas; quais são os pecados dos quais eles estão mais em perigo e quais são os deveres que eles mais estão inclinados a negligenciar e a que tentações são mais propensas a sofrer; pois, se não conhecermos seu temperamento ou doença, não é provável que provemos médicos de sucesso.

Sendo assim familiarizado com todo o rebanho, devemos depois prestar atenção a eles. Alguém poderia imaginar que todo homem razoável estaria satisfeito com isso e que não precisaria de mais provas. Um pastor cuidadoso não cuida de cada ovelha individual? e um bom professor depois de cada estudioso individual? e um bom médico depois de cada paciente em particular? e um bom comandante depois de cada soldado individual? Por que então não devem os pastores, os mestres, os médicos, os guias das igrejas de Cristo, prestar atenção a cada membro individual de seu cargo? O próprio Cristo, o grande e bom Pastor, que tem o todo para cuidar, ainda cuida de cada indivíduo; como aquele a quem ele descreve na parábola, que deixou "as noventa e nove ovelhas no deserto, para buscar uma que se perdeu". Os profetas eram freqüentemente enviados para homens solteiros. Ezequiel foi feito guarda sobre os indivíduos, e foi ordenado a dizer aos ímpios: 'Certamente morrerás'. Paulo ensinou seus ouvintes não apenas 'publicamente, mas de casa em casa', e em outro lugar ele nos diz que ele ' advertiu a todo homem e ensinou a todo homem, em toda a sabedoria, a fim de apresentar todo homem perfeito em Cristo Jesus. ”Muitas outras passagens da Escritura tornam evidente que é nosso dever prestar atenção a todo indivíduo de nosso rebanho; e muitas passagens nos concílios antigos mostram claramente que essa era a prática dos tempos primitivos. Mas vou citar apenas um de Inácio: "Vamos assembléias", diz ele, "sejam freqüentemente reunidos; pergunte-se depois de tudo pelo nome: não despreze servos ou empregadas domésticas. ”Você vê que era então considerado um dever cuidar de todos os membros do bando pelo nome, não excetuando o servo-homem ou empregada mais malvado. Mas, alguém pode objetar: 'A congregação em que estou estabelecido é tão grande que é impossível para mim conhecê-los todos, muito mais para prestar atenção a todos individualmente.' A esta resposta, 'é necessidade ou é isto? não, isso te lançou sobre tal encargo? Se não for, você desculpa um pecado por outro. Quanto você se compromete com aquilo que você mesmo se sabia incapaz de realizar, quando não foi forçado a isso? Parece que você teve outros fins para empreendê-lo e nunca pretendeu ser fiel à sua confiança. Mas se você acha que precisou fazer isso, eu lhe pergunto, você poderia não ter obtido assistência para uma acusação tão grande? Você já fez tudo o que podia com seus amigos e vizinhos, para obter manutenção para outro para ajudá-lo? Você não tem tanta manutenção quanto pode servir a si mesmo e a outro? O que, porém, não servirá para mantê-lo em plenitude? Não é mais razoável que você belisque sua carne e família, empreenda uma obra que não pode realizar e negligencie as almas de tantos de seus rebanhos? Eu sei que o que eu digo parecerá difícil para alguns; mas para mim é uma coisa inquestionável, que, se você tem apenas cem libras por ano, é seu dever viver em parte disto, e permitir o resto a um assistente competente, ao invés de que o rebanho que você estão acabados devem ser negligenciados. Se você disser que isso é uma medida difícil, e que sua esposa e seus filhos não podem viver assim, respondo: não há muitas famílias em sua paróquia vivendo com menos? Não têm muitos ministros capazes nos dias de prelados se alegraram de menos, com liberdade para pregar o evangelho? Há alguns que ainda vivem, como tenho ouvido, que ofereceram aos bispos a obrigação de pregar por nada, se pudessem, mas teriam liberdade para pregar o evangelho. Se você ainda disser que não pode viver tão mal como as pessoas pobres, pergunto, os seus paroquianos podem suportar melhor a condenação, do que você pode suportar o desejo e a pobreza? O que! vocês se chamam de ministros do evangelho, e ainda assim as almas dos homens são tão baseadas em seus olhos, que você preferia que perecessem eternamente, do que você e sua família deveriam viver em uma condição baixa e ruim? Não, você não deveria pedir o seu pão, do que colocar uma questão tão importante quanto a salvação dos homens sobre um perigo ou desvantagem? Sim, como arriscar a condenação de apenas uma alma? Ó senhores, é uma coisa miserável quando os homens estudam e falam do céu e do inferno, e a pequenez dos salvos, e a dificuldade da salvação, e não são o tempo todo bons e honestos. Se você fosse, você nunca poderia se ater a questões como essas, e deixaria seu povo ir para o inferno, para que você pudesse viver em um estilo mais elevado neste mundo. Lembre-se disso, da próxima vez que você estiver pregando para eles, que eles não podem ser salvos sem conhecimento; e ouça se a consciência não lhe diz: "É provável que eles sejam levados ao conhecimento, se tiverem apenas instruções e exortações diligentes em particular, homem por homem; e se houvesse outro ministro para me ajudar, isso poderia ser feito: e se eu vivesse com parcimônia e negasse minha carne, poderia ter um assistente. Ouse, então, deixar meu povo viver naquela ignorância que eu mesmo disse a eles que é condenatório, ao invés de colocar a mim e a família um pouco à vontade?

Devo recorrer à minha Bíblia para mostrar a um pregador onde está escrito que a alma de um homem vale mais do que um mundo, muito mais do que cem libras por ano, muito mais são as muitas almas que valem a pena? Ou que tanto nós como tudo o que temos são de Deus, e devemos ser empregados ao máximo para o seu serviço? Ou que é uma crueldade desumana deixar as almas irem para o inferno, por medo de que minha esposa e filhos fiquem um pouco mais duros, ou vivam a taxas mais baixas; quando, de acordo com o modo comum de Deus de trabalhar por meio de meios, eu poderia fazer muito para evitar a miséria deles, se eu quisesse um pouco desagradar minha carne, que todos, que são de Cristo, crucificaram com suas luxúrias? Todo homem deve render a Deus as coisas que são de Deus, e que, seja lembrado, é tudo o que ele é e tudo o que ele possui. Como todas as coisas são santificadas para nós, mas na separação e dedicação delas a Deus? Eles não são todos os seus talentos e devem ser empregados em seu serviço? Não deve todo cristão perguntar primeiro: De que maneira posso mais honrar a Deus com a minha substância? Não pregamos essas coisas ao nosso povo? Eles são verdadeiros para eles e não para nós? Mais ainda, a manutenção da igreja não é dedicada, de maneira especial, ao serviço de Deus para a igreja? E não devemos, então, usá-lo para o maior avanço desse fim? Se algum ministro que tem duzentas libras por ano puder provar que cem libras dele podem fazer mais serviço a Deus, se for estabelecido para si mesmo, ou esposa e filhos, do que se mantiver um ou dois assistentes adequados para ajudar a salvação do rebanho, não pretendo repreender as suas despesas; mas onde isto não pode ser provado, não permita que a prática seja justificada. E devo dizer ainda que essa pobreza não é tão intolerável e perigosa como é fingida. Se você tem apenas comida e vestuário, você não deve estar contente? e o que você teria mais do que aquilo que pode servir para a obra de Deus? Não é "estar vestido de púrpura e linho fino, e suntuosamente sumptuosamente todos os dias", o que é necessário para este fim. "A vida de um homem não consiste na abundância das coisas que ele possui." Se sua roupa estiver quente, e sua comida for saudável, você também pode ser apoiado por ela para fazer o serviço a Deus como se você tivesse a mais completa satisfação com sua vida. carne. Um casaco remendado pode estar quente, e pão e água são alimentos saudáveis. Aquele que não quer estes, tem apenas uma desculpa para prejudicar as almas dos homens, a fim de que possa viver com iguarias. Mas, embora seja nosso dever prestar atenção a todo o rebanho, devemos prestar especial atenção a algumas classes em particular. Por muitos, isso é muito mal compreendido e, portanto, habitarei um pouco nele.

1. Devemos trabalhar, de maneira especial, pela conversão dos não convertidos.

O trabalho de conversão é a primeira e grande coisa em que devemos dirigir; depois disso, devemos trabalhar com todo nosso poder. Ai! a miséria dos não convertidos é tão grande que nos chama mais a atenção pela compaixão. Se um pecador verdadeiramente convertido cair, será apenas em pecado que será perdoado, e ele não está em perigo de condenação como os outros. Não apenas que Deus odeia os seus pecados como os outros, ou que ele os levará para o céu, que vivam de maneira tão perversa; mas o espírito que está dentro deles não os permitirá viver perversamente, nem pecar como os ímpios fazem. Mas com o não convertido, é muito diferente. Eles "estão no fel da amargura, e no laço da iniqüidade", e ainda não têm nenhuma parte nem companheirismo no perdão de seus pecados, ou a esperança da glória. Temos, portanto, uma obra de maior necessidade para fazer ou para eles, até "para abrir os olhos deles, e para os converter das trevas para a luz, e do poder de Satanás para Deus; para que recebam o perdão dos pecados e uma herança entre os que são santificados. Aquele que vê um homem doente de uma doença mortal, e outro que sofre apenas com a dor de dente, será mais movido a compadecer o primeiro do que o segundo; e certamente fará mais pressa para ajudá-lo, embora ele fosse um estranho e o outro um irmão ou um filho. É um caso tão triste ver homens em um estado de condenação, em que, se eles morrerem, estão perdidos para sempre, que achamos que não poderíamos deixá-los sozinhos, seja em público ou em particular, qualquer outro trabalho que pode ter que fazer. Confesso que sou frequentemente forçado a negligenciar aquilo que deveria tender para o aumento adicional de conhecimento nos piedosos, devido à lamentável necessidade dos não-convertidos. Quem é capaz de falar de controvérsias, ou de bons pontos desnecessários, ou mesmo de verdades de menor grau de necessidade, quão excelente é, enquanto ele vê uma companhia de pecadores ignorantes, carnais e miseráveis ​​diante de seus olhos, que devem ser mudados ou maldito? Acho que eu até os vejo entrando em sua desgraça final! Acho que os ouço gritando por ajuda, por ajuda mais rápida! Sua miséria fala mais alto, porque eles não têm coração para pedir por si mesmos. Muitas vezes eu soube que tinha alguns ouvintes de fantasias mais elevadas, que procuravam raridades e eram viciadas em desprezar o ministério, se eu lhes dissesse não mais do que comum; e, no entanto, não pude encontrar em meu coração o desvio das necessidades do impenitente, do seu humor; nem mesmo deixar de falar com miseráveis ​​pecadores para sua salvação, a fim de falar com tais romancistas; não, nem tanto quanto deveria ser feito, para santos fracos para sua confirmação e aumento da graça. Parece-me que, quando o "espírito de Paulo agitou-se dentro dele, quando viu os atenienses totalmente entregues à idolatria", deveria nos lançar em um de seus paroxismos, ver tantos homens correndo o maior risco de serem eternamente desfeitos. Parece-me que, se pela fé realmente os considerássemos a um passo do inferno, seria mais eficaz desatar nossas línguas, do que o perigo de Croesus, como nos dizem, fez o filho dele. Aquele que permitir que um pecador desça ao inferno, por falta de falar com ele, seja menos almas do que o Redentor das almas; e menos pelo seu próximo, do que a caridade comum lhe permitirá fazer pelo seu maior inimigo. Ó, portanto, irmãos, quem quer que você negligencie, não negligencie os mais infelizes! Tudo o que você passar, não esqueça pobres almas que estão sob a condenação e maldição da lei, e que podem olhar a cada hora para a execução infernal, se uma mudança rápida não impedi-lo. O chama depois do impenitente e dobra este grande trabalho de converter almas, o que mais você deixar por fazer.

2. Devemos estar prontos para dar conselhos aos inquiridores, que nos procuram com casos de consciência; especialmente o grande caso que os judeus colocaram a Pedro, e o carcereiro a Paulo e Silas: "O que devemos fazer para sermos salvos?" Um ministro não deve ser meramente um pregador público, mas ser conhecido como um conselheiro para suas almas. como o médico é para seus corpos, e o advogado para suas propriedades: para que cada homem que esteja em dúvidas e dificuldades, possa levar seu caso a ele para resolução; como Nicodemos veio a Cristo, e como era comum o povo antigo ir ao sacerdote, 'cujos lábios devem guardar conhecimento, e a cuja boca devem pedir a lei, porque ele é o mensageiro do Senhor dos exércitos. 'Mas como o povo não se familiarizou com este ofício do ministério, e com seu próprio dever e necessidade a esse respeito, nos pertence a familiarizá-lo com ele e publicamente a pressioná-lo a nos pedir conselhos sobre a grande preocupações de suas almas. Não devemos apenas estar dispostos a nos dar ao trabalho, mas devemos atraí-lo para nós mesmos, convidando-os a vir. Que abundância de bem poderíamos fazer, poderíamos apenas trazê-los para isso! E, sem dúvida, muito poderia ser feito, se cumpríssemos nosso dever. Quão poucos eu já ouvi falar, que de todo coração pressionaram seu povo para o seu dever! Oh! É um triste caso que as almas dos homens sejam tão feridas e arriscadas pela total negligência de tão grande dever, e que os ministros dificilmente lhes falem disso e os despertem para isso. Se os vossos ouvintes fossem devidamente conscientes da necessidade e importância disso, você os teria batido mais frequentemente à sua porta e tornaria conhecidas as suas tristes queixas e imploraria o seu conselho. Suplico-lhe, então, pressione-os mais para este dever para o futuro; e veja que você o executa cuidadosamente quando eles procuram sua ajuda. Para este fim, é muito necessário que você esteja bem familiarizado com casos práticos, e especialmente que você esteja familiarizado com a natureza da graça salvadora, e capaz de ajudá-los a tentar seu estado, e na resolução da questão principal que diz respeito à sua vida eterna. ou morte. Uma palavra de conselho prudente e temperamental, dada por um ministro a pessoas em necessidade, pode ser mais útil do que muitos sermões. "Uma palavra apropriadamente falada", diz Salomão, "quão bom é isso!"

3. Devemos estudar para construir aqueles que já estão verdadeiramente convertidos. Nesse aspecto, nosso trabalho é variado, de acordo com os vários estados dos cristãos.

(1) Há muitos de nossos rebanhos jovens e fracos que, embora sejam de longa data, ainda são de pequena proficiência ou força. Essa, de fato, é a condição mais comum dos piedosos. A maioria deles se satisfaz com baixos graus de graça, e não é fácil aumentá-los. Levá-los a opiniões mais elevadas e mais estritas é fácil, isto é, levá-los da verdade ao erro, tanto à direita quanto à esquerda; mas aumentar seus conhecimentos e dons não é fácil, e aumentar suas graças é o mais difícil de todos. É uma coisa muito triste para os cristãos serem fracos: isso nos expõe a perigos; abate as nossas consolações e deleita-se em Deus, e tira a doçura dos caminhos da sabedoria; torna-nos menos úteis para Deus e para o homem, para trazer menos honra ao nosso Mestre e para fazer menos bem a todos ao nosso redor. Temos pouco benefício no uso dos meios da graça. Nós facilmente brincamos com as iscas da serpente, e somos enlaçados por suas artimanhas. Um sedutor irá facilmente nos abalar, e o mal pode ser feito para parecer-nos como bom, verdade como falsidade, pecado como dever; e assim pelo contrário. Somos menos capazes de resistir e estar em um encontro; nós caímos mais cedo; nós nos levantamos mais duramente; e são aptas para provar um escândalo e reprovação à nossa profissão. Nós menos nos conhecemos, e estamos mais propensos a nos enganar quanto à nossa propriedade, não observando as corrupções quando eles se aproveitam de nós. Somos desonrosos para o evangelho por nossa própria fraqueza e pouco útil para qualquer um sobre nós. Em uma palavra, embora vivamos para menos lucro para nós mesmos ou para os outros, ainda estamos pouco dispostos e despreparados para morrer.

Agora, vendo o caso de fraqueza no convertido é tão triste, quão diligente devemos ser para estimar e aumentar sua graça! A força dos cristãos é a honra da Igreja. Quando eles estão inflamados com o amor de Deus, e vivem por uma viva fé operante, e iluminam os lucros e honras do mundo, e amam um ao outro com um coração puro fervorosamente, e podem suportar e de coração perdoar um erro, e sofrem com alegria pela causa de Cristo, estudam para fazer o bem e andam inofensivamente e inofensivamente no mundo, estão prontos para ser servos de todos os homens para o seu bem, tornando-se todas as coisas para todos os homens, para ganhá-los a Cristo; ainda assim, abstendo-se da aparência do mal, e temperando todas as suas ações com uma doce mistura de prudência, humildade, zelo e disposição celestial - oh, que honra é tal para sua profissão! Que ornamento para a Igreja; e como é útil a Deus e ao homem! Os homens prefeririam acreditar que o evangelho é do céu, se eles vissem mais efeitos disso nos corações e nas vidas daqueles que o professam. O mundo é mais capaz de ler a natureza da religião na vida de um homem do que na Bíblia. "Aqueles que não obedecem à palavra, podem ser vencidos pela conversa" de pessoas assim são eminentes para a piedade. É, portanto, a parte mais importante de nosso trabalho trabalhar mais no polimento e aperfeiçoamento dos santos, para que sejam fortes no Senhor e adequados ao serviço de seu Mestre.

(2) Outra classe de convertidos que precisa da nossa ajuda especial, são aqueles que trabalham sob alguma corrupção particular, que mantém sob suas graças, e os torna um problema para os outros, e um fardo para eles mesmos. Ai! Existem muitas pessoas assim. Alguns são especialmente indicados para o orgulho e outros para a mentalidade mundana; alguns para desejos sensuais, e outros para perversidade ou outras paixões más. Agora é nosso dever dar assistência a tudo isso; e em parte por dissuasões, e claras descobertas da odiosidade do pecado, e em parte por direções adequadas sobre o remédio, para ajudá-los a uma conquista mais completa de suas corrupções. Somos líderes do exército de Cristo contra os poderes do inferno e devemos resistir a todas as obras das trevas onde quer que as encontremos, mesmo que seja nos filhos da luz. Não devemos ser mais sensíveis aos pecados dos piedosos, do que aos ímpios, nem mais os favorecer ou favorecer. Por quanto mais amamos suas pessoas, tanto mais devemos manifestar, fazendo oposição aos seus pecados. E, no entanto, devemos procurar encontrar-nos com algumas pessoas carinhosas aqui, especialmente quando a iniquidade tem alguma cabeça, e fez uma festa, e muitos se apaixonaram por ela; serão tão pessimistas e impacientes quanto a reprovação quanto alguns homens piores, e talvez interessem até a própria piedade por suas falhas. Mas os ministros de Cristo devem cumprir seu dever, apesar de seu mau humor; e não deve até agora odiar seu irmão, a ponto de abster-se de repreendê-lo ou de sofrer o pecado de mentir sobre sua alma. Deve, sem dúvida, ser feito com muita prudência, mas deve ser feito.

(3) Outra classe que pede ajuda especial é a de cristãos em declínio, que são caídos em algum pecado escandaloso, ou então abatem seu zelo e diligência, e mostram que eles perderam seu antigo amor. Como o caso dos apóstatas é muito triste, nossa diligência deve ser muito grande para sua recuperação. É triste para eles perder tanto de sua vida, paz e servicibilidade a Deus; e tornar-se tão útil a Satanás e sua causa. É triste para nós ver que todo o nosso trabalho é chegado a isto; e que, quando tomamos tantas dores com eles e tanta esperança, todos deveriam estar tão frustrados. O mais triste de tudo é pensar que Deus deve ser tão desonrado por aqueles a quem tanto ama e por quem tanto fez; e que Cristo deveria ser tão ferido na casa de seus amigos. Além disso, o retrocesso parcial tem uma tendência natural para a total apostasia, e a afetaria, se a graça especial não a impedisse. Agora, quanto mais triste é o caso de tais cristãos, mais devemos nos esforçar para sua recuperação. Nós devemos "restaurar aqueles que são surpreendidos em uma falta, no espírito de mansidão", e ainda assim ver que a ferida deve ser cuidadosamente revistada e curada, e a articulação deve estar bem ajustada novamente, que dor isso pode custar. Devemos olhar especialmente para a honra do evangelho, e ver que eles dão tal evidência de verdadeira soberania, e fazer tal confissão livre e plena de seus pecados, que alguma reparação seja feita assim à Igreja e à sua santa profissão, pois a ferida que eles deram à religião. Muita habilidade é necessária para restaurar tal alma.

(4) A última aula a quem eu devo observar aqui, exigindo nossa atenção, é a forte; porque eles também precisam da nossa ajuda: em parte para preservar a graça que possuem; em parte para ajudá-los a progredir mais; e, em parte, dirigi-los para melhorar sua força para o serviço de Cristo e a assistência de seus irmãos; e, também, encorajá-los a perseverar, para que possam receber a coroa.

Todos esses são os objetos da obra ministerial e, em relação a cada um deles, devemos "prestar atenção a todo o rebanho".

4. Devemos ter um olho especial sobre as famílias, para ver que elas estão bem ordenadas, e os deveres de cada relação desempenhada. A vida da religião e o bem-estar e glória da Igreja e do Estado dependem muito do governo e do dever da família. Se sofrermos a negligência disso, vamos desfazer tudo. O que nós gostaríamos de fazer para a reforma de uma congregação, se todo o trabalho fosse lançado sobre nós sozinhos; e os senhores das famílias negligenciam esse dever necessário, pelo qual eles são obrigados a nos ajudar? Se algum bem for iniciado pelo ministério em qualquer alma, uma família mundana descuidada e sem oração é como sufocá-lo ou impedi-lo; ao passo que, se você conseguisse fazer com que os governantes das famílias cumprissem seus deveres, assumissem o trabalho onde você o deixasse e o ajudassem, que abundância de bens poderia ser feita! Suplico-lhe, portanto, que, se desejar a reforma e o bem-estar de seu povo, faça tudo o que puder para promover a religião da família. Para este fim, deixe-me pedir-lhe que cuide das seguintes coisas:

(1) Obter informações sobre como cada família é ordenada, para que você possa saber como proceder em seus esforços para o bem deles.

(2) Ir ocasionalmente entre eles, quando eles são susceptíveis de ser mais no lazer, e pedir ao mestre da família se ele ora com eles, e lê as Escrituras, ou o que ele faz? Trabalho para convencer como negligenciar isso, do pecado deles; e se você tiver oportunidade, ore com eles antes de partir e dê um exemplo daquilo que você quer que eles façam. Talvez também seja bom receber uma promessa deles, que eles tenham mais consciência de seu dever para o futuro.

(3) Se você encontrar algum, por ignorância e falta de prática, incapaz de orar, persuadi-los a estudar suas próprias necessidades, e fazer com que seus corações sejam afetados por eles, e, enquanto isso, aconselhá-los a usar uma forma de oração. , ao invés de não orar nada. Diga-lhes, porém, que é pecado e vergonha que tenham vivido de maneira negligente, por estarem tão desinteressados ​​com suas próprias necessidades, que não saibam como falar com Deus em oração, quando todo mendigo pode encontrar palavras para perguntar. uma esmola; e, portanto, que uma forma de oração é apenas por necessidade, como uma muleta para um aleijado, enquanto eles não podem fazer bem sem ela; mas que eles devem resolver não se contentar com isso, mas aprender a fazer melhor o mais rapidamente possível, vendo que a oração deve vir dos sentimentos do coração e ser variada de acordo com nossas necessidades e circunstâncias.

(4) Veja que em toda família existem alguns livros em movimento úteis, além da Bíblia. Se eles não tiverem nenhum, persuadi-los a comprar alguns: se eles não puderem comprá-los, dê-lhes alguns se puderem. Se você não for capaz, consiga alguns cavalheiros, ou outras pessoas ricas, que estejam prontas para boas obras, para fazê-lo. E envolva-os para lê-los à noite, quando tiverem lazer e, especialmente, no dia do Senhor.

(5) orientá-los a passar o dia do Senhor; como despachar seus negócios mundanos, de modo a evitar empecilhos e distrações; e quando eles estão na igreja, como passar o tempo em suas famílias. A vida da religião depende muito disso, porque os pobres não têm outro tempo considerável livre; e, portanto, se perderem isso, perderão tudo e permanecerão ignorantes e brutos. Persuadir o mestre de cada família a fazer com que seus filhos e servos repitam o Catecismo a ele, todos os sábados à noite, e dar-lhe alguma explicação sobre o que ouviram na igreja durante o dia. Não negligencie, peço-lhe, esta importante parte do seu trabalho. Peça aos senhores das famílias que cumpram seu dever, e eles não apenas pouparão muito trabalho, mas também aumentarão muito o sucesso de seus trabalhos. Se um capitão puder fazer com que os oficiais sob seu comando cumpram seu dever, ele poderá governar os soldados com muito menos problemas do que se todos estivessem sobre seus próprios ombros. Você não gosta de ver qualquer reforma geral, até que você obtenha a reforma da família. Alguma pequena religião pode haver, aqui e ali; mas enquanto está confinado a pessoas solteiras, e não é promovido em famílias, não prosperará, nem prometerá muito futuro aumento.

5. Devemos ser diligentes em visitar os doentes e ajudá-los a se preparar para uma vida frutífera ou uma morte feliz. Embora isso deva ser o negócio de toda a nossa vida e a deles, ainda assim, em tal época, precisamos de cuidados extraordinários para ambos e para nós. Quando o tempo está quase acabando, e eles devem agora ou nunca ser reconciliados com Deus, oh, como é que eles se preocupam em redimir essas horas, e agarrar-se à vida eterna! E quando vemos que somos como se tivéssemos apenas alguns dias ou mais horas para falar com eles, para seu bem-estar eterno, quem, que não é um obstáculo ou um infiel, não seria muito com eles, e faria tudo ele pode para sua salvação nesse curto espaço? Não nos despertará para a compaixão, para olhar para um homem que definha, e para pensar que dentro de poucos dias sua alma estará no céu ou no inferno? Certamente, tentará a fé e a seriedade dos ministros, ser muito sobre os homens que estão morrendo! Eles terão, assim, oportunidade de discernir se eles mesmos estão realmente interessados ​​nas questões da vida futura. Tão grande é a mudança que é feita pela morte, que deve nos despertar para a maior sensibilidade para ver um homem tão perto, e deve excitar em nós as mais profundas dores da compaixão, para fazer o ofício de anjos inferiores pela alma, antes que ele se afaste do corpo, para que esteja pronto para o comboio de anjos superiores para a 'herança dos santos na luz'. Quando um homem está quase no fim de sua jornada, e o próximo passo o leva para o céu ou para o inferno, é hora de nós, enquanto houver esperança, ajudá-lo se pudermos.

E como a sua necessidade atual deve nos mover para abraçar essa oportunidade para o seu bem, também a vantagem que a doença e a perspectiva da morte proporcionam. Mesmo os pecadores mais vigorosos nos ouvirão em seu leito de morte, embora nos desprezassem antes. Eles então deixarão cair sua fúria e serão tão gentis quanto os cordeiros, que antes eram tão intratáveis ​​quanto os leões. Não encontro um em dez, dos infelizes mais obstinados e desdenhosos da minha paróquia, mas quando eles vierem a morrer, se humilharão, confessarão suas faltas e parecerão penitentes, e prometerão, se recuperarem, reformar suas vidas. Cipriano disse aos que estão em saúde: "Aquele que todos os dias lembra a si mesmo que está morrendo, despreza o presente e apressa-se para as coisas que estão por vir. Muito mais aquele que se sente no próprio ato de morrer. ”O quão decididamente o pior dos pecadores parece abandonar seus pecados e prometer reforma, e clamar por sua loucura, e pela vaidade deste mundo, quando eles vêem que a morte é sincera com eles, e eles devem ir embora sem demora! Talvez você diga que essas mudanças forçadas não são cordiais e que, portanto, não temos grandes esperanças de fazer qualquer bem que as salve. Confesso que é muito comum que os pecadores se assustem com propósitos ineficazes, mas não é tão comum estarem em tal época convertidos ao Salvador. É uma observação de Agostinho: "Ele não pode morrer gravemente, que vive bem; e dificilmente ele morrerá bem, quem vive mal ”. Ainda assim,“ mal ”e“ nunca ”não são todos um. Isso deve fazer com que tanto eles quanto nós sejam mais diligentes no tempo da saúde, porque é "pouco"; mas, no entanto, devemos nos dar o melhor, no uso dos melhores remédios, porque não é "nunca".

Mas como não pretendo fornecer um diretório para toda a obra ministerial, não vou parar para lhe dizer particularmente o que deve ser feito pelos homens em sua última extremidade; mas notará apenas três ou quatro coisas, especialmente dignas de sua atenção.

(1) Não permaneça até que sua força e compreensão desapareçam, e o tempo tão curto que você dificilmente saiba o que fazer; mas vá até eles assim que você ouvir que eles estão doentes, se eles mandam para você ou não. (2) Quando o tempo é tão curto, que não há oportunidade de instruí-los nos princípios da religião em ordem, não se esqueça de Preste atenção nos pontos principais e permaneça naquelas verdades que são mais calculadas para promover sua conversão, mostrando-lhes a glória da vida por vir, e o modo pelo qual ela foi comprada para nós, e o grande pecado e loucura deles negligenciada em tempo de saúde; mas ainda assim a possibilidade de continuarem a obtê-la, se crerem em Cristo, o único Salvador, e se arrependerem de seus pecados. (3) Se eles se recuperarem, lembre-os de suas promessas e resoluções em tempo de doença. . Vá a eles propositalmente para colocá-los em casa para suas consciências; e sempre que, depois, você os vê negligenciados, vai até eles e os lembra do que eles disseram quando foram esticados em uma cama doente. E porque é de tal utilidade para aqueles que se recuperam, e tem sido o meio de conversão de muitas almas, é muito necessário que você vá àqueles cuja doença não é mortal, assim como àqueles que estão morrendo, que então você pode ter alguma vantagem para levá-los ao arrependimento, e depois pode ter isso para pleitear contra os seus pecados; como diz-se que um bispo de Colônia respondeu ao imperador Sigismundo, quando lhe perguntou qual era o caminho a ser salvo: 'Ele deve ser o que ele propôs, ou prometeu ser, quando foi perturbado pela última vez com a pedra e a gota. '

6. Devemos reprovar e advertir aqueles que vivem ofensivamente ou impenitentemente. Antes de apresentarmos tais assuntos à igreja, ou a seus governantes, normalmente é mais adequado para o ministro tentar a si mesmo o que ele pode fazer em particular para curvar o pecador ao arrependimento, especialmente se não for um crime público. Aqui é necessária muita habilidade, e uma diferença deve ser feita, de acordo com os vários temperamentos dos ofensores; mas com o máximo será necessário falar com a maior clareza e poder, sacudir seus corações descuidados e fazê-los ver o que é dissonar do pecado; para que eles saibam o mal disso, e seus tristes efeitos tanto em relação a Deus quanto a eles mesmos.

7. A última parte de nossa supervisão, que observarei, consiste no exercício da disciplina na Igreja. Isto consiste, após as supracitadas reprovações privadas, em mais reprovação pública, combinada com exortação ao arrependimento, em oração pelo ofensor, em restaurar o penitente, e em excluir e evitar o impenitente.

(1) No caso de delitos públicos, e mesmo daqueles de natureza mais privada, quando o ofensor permanecer impenitente, ele deve ser reprovado antes de todos e novamente convidado para o arrependimento. Este não é menos o nosso dever, porque fizemos tão pouca consciência da prática dele. Não é apenas o mandamento de Cristo dizer à igreja, mas Paulo deve "repreender antes de todos", e a Igreja constantemente a praticava, até que o egoísmo e a formalidade fizeram com que fossem negligentes neste e em outros deveres. Não há espaço para duvidar se isso é nosso dever, e tão pouco há qualquer motivo para duvidar se fomos infiéis quanto ao desempenho dele. Muitos de nós, que nos sentiríamos envergonhados de omitir a pregação ou orar metade, pouco consideramos o que estamos fazendo, enquanto vivemos negligenciando intencionalmente este dever e outras partes da disciplina, desde que o tenhamos feito. Nós pouco pensamos como nós atraímos a culpa do xingamento, embriaguez, fornicação e outros crimes sobre nossas próprias cabeças, negligenciando usar os meios que Deus designou para a cura deles.

Se alguém disser: Há pouca probabilidade de que a repreensão pública lhes faça bem, que eles preferirão ficar enfurecidos com a vergonha dela; Eu respondo -

[a] Ela torna-se uma criatura para implantar as ordenanças de Deus como inúteis, ou para reprovar o serviço de Deus em vez de fazê-lo, e para ajustar sua inteligência em oposição ao seu Criador. Deus pode tornar útil suas próprias ordenanças ou nunca as teria designado.

[b] A utilidade da disciplina é aparente, na vergonha do pecado e humilhar o pecador, e na manifestação da santidade de Cristo, e de sua doutrina e Igreja, perante todo o mundo.

[c] O que você fará com esses pecadores? Você vai desistir deles como sem esperança? Isso seria mais cruel do que administrar a repreensão a eles. Você vai usar outros meios? Ora, supõe-se que todos os outros meios tenham sido usados ​​sem sucesso; porque este é o último remédio.

[d] O uso principal dessa disciplina pública não é para o próprio ofensor, mas para a Igreja. Ele tende a intimidar demais os outros, e assim manter a congregação e sua adoração pura. Sêneca poderia dizer: "Aquele que desculpa os males atuais os transmite à posteridade." E em outro lugar: "Aquele que poupa o culpado prejudica o bem". (2) Devemos nos unir à exortação do ofensor ao arrependimento e à profissão pública. para a satisfação da igreja. Como a igreja é obrigada a evitar a comunhão com os pecadores escandalosos e impenitentes, assim, quando eles tiveram evidência de seus pecados, eles também devem ter alguma evidência de seu arrependimento; porque não podemos reconhecê-los como penitentes sem evidência; e que evidência pode a igreja ter senão sua profissão de arrependimento, e depois sua verdadeira reforma Muita prudência, confesso, deve ser exercida em tais procedimentos, para que não façamos mais mal do que bem; mas deve ser essa prudência cristã que ordena os deveres e os adequa aos seus fins, não a prudência carnal que os enervará ou excluirá. Ao cumprir este dever, devemos tratar com humildade, mesmo quando lidamos com mais clareza, e fazer parecer que não é de má vontade, nem disposição divina, nem de vingança por qualquer dano, mas um dever necessário que não podemos conscienciosamente. negligência; e, portanto, pode ser um encontro mostrar às pessoas os mandamentos de Deus que nos obrigam a fazer o que fazemos, em algumas palavras como as seguintes: 'Irmãos, o pecado é tão odioso e um mal aos olhos do Deus santíssimo, Quão perversos os pecadores impenitentes fazem dele, que ele proveu os tormentos eternos do inferno para o castigo; e nenhum meio menor pode impedir essa punição do que o sacrifício do Filho de Deus, aplicado àqueles que verdadeiramente se arrependem e abandonam; e, portanto, Deus, que chama todos os homens ao arrependimento, nos ordenou a "exortar uns aos outros diariamente, enquanto é chamado Hoje, para que ninguém seja endurecido pela astúcia do pecado" (Hebreus 3.13) e que nós fazemos não odeie nosso irmão em nosso coração, mas de qualquer maneira repreenda nosso próximo, e não sofra pecado sobre ele (Levítico 19.17) e que, se nosso irmão nos ofender, devemos dizer-lhe sua culpa entre ele e nós; e se ele não nos ouvir, devemos levar mais dois ou três conosco; e se ele não os ouvir, devemos contar à igreja; e se ele não ouvir a igreja, ele deve ser para nós como um homem pagão e um publicano; (Mateus 18.15-17) e aqueles que pecam, devemos repreender antes de todos, para que outros temam (1 Timóteo 5.20) e repreender com toda autoridade: (Tito 2.15) sim, se fosse um apóstolo de Cristo que pecaria abertamente, ele deve ser reprovado abertamente, como Paulo fez com Pedro; (Gálatas 2,11,14) e se eles não se arrependerem, devemos evitá-los, e com tanto nem comer (2 Tessalonicenses 3,6,11,12,14; 1 Coríntios 5: 11-13).

"Tendo ouvido falar da conduta escandalosa de A. B. desta igreja, ou paróquia, e tendo recebido prova suficiente de que ele cometeu o pecado odioso de, nós lidamos seriamente com ele para levá-lo ao arrependimento; mas, para a tristeza de nossos corações, não percebemos nenhum resultado satisfatório de nossos esforços; mas ele ainda parece permanecer impenitente (ou ele ainda vive no mesmo pecado, embora ele verbalmente professe arrependimento). Portanto, julgamos ser nosso dever proceder ao uso daquele remédio adicional que Cristo nos ordenou a tentar; e, portanto, nós o rogamos, em nome do Senhor, sem mais demora, para levar a sério a grandeza de seu pecado, o erro que ele fez a Cristo e a si mesmo, e ao escândalo e pesar que causou a outros. E eu sinceramente peço-lhe, para o bem de sua própria alma, que ele considere, o que é que ele pode ganhar pelo seu pecado e impenitência, e se pagará pela perda da vida eterna; e como ele pensa estar diante de Deus em julgamento, ou aparecer diante do Senhor Jesus, quando a morte arrebatar sua alma de seu corpo, se ele for encontrado neste estado impenitente. E peço-lhe, por causa de sua própria alma e, como mensageiro de Jesus Cristo, que ele, como ele vai responder o contrário no bar de Deus, que ele deixe de lado a coragem e impenitência de sua coração e confessar e lamentar com sinceridade o seu pecado perante Deus e esta congregação. E este desejo eu aqui publico, não de qualquer má vontade para sua pessoa, como o Senhor sabe, mas em amor à sua alma, e em obediência a Cristo, que fez disso meu dever; desejando que, se for possível, ele seja salvo de seu pecado, e do poder de Satanás, e da eterna ira de Deus, e possa ser reconciliado com Deus e com sua igreja; e, portanto, que ele pode ser humilhado pela verdadeira contrição, antes de ser humilhado pela condenação sem remédio.

Para esse propósito, eu acredito que nossas admoestações públicas devem prosseguir; e, em alguns casos, quando o pecador considera que seu pecado é pequeno, pode ser necessário apontar os agravos dele, particularmente citando algumas passagens da Escritura que falam de seu mal e de seu perigo.

(3) Com essas reprovações e exortações, devemos nos unir às orações da congregação em favor do ofensor. Isso deve ser feito em todos os casos de disciplina, mas particularmente se o ofensor não estiver presente para receber admoestações, ou não der indícios de arrependimento, e não demonstrar desejo pelas orações da congregação. Em tais casos, especialmente, será justo que imploremos as orações da congregação por nós mesmos, suplicando-lhes que considerem em que condição terrível estão os impenitentes e que tenham piedade de uma alma pobre que é tão cega e endurecida por pecado e Satanás, que ele não pode ter pena de si mesmo; e pensar o que é para um homem aparecer diante do Deus vivo em tal caso, e, portanto, que eles se uniriam em fervorosa oração a Deus, que ele abrisse seus olhos, suavizasse e humilhe seu coração teimoso, antes que ele esteja no inferno além do remédio. E, consequentemente, sejamos muito fervorosos em oração por ele, para que a congregação possa ser animada carinhosamente para se juntar a nós; e quem sabe senão Deus pode ouvir nossas orações, e o coração do pecador pode ceder sob eles, mais do que em todas as nossas exortações? É, em minha opinião, um curso muito louvável de algumas igrejas, que usam, pelos próximos três dias juntos Desejar que a congregação se junte em fervorosa oração a Deus pela abertura dos olhos do pecador e o abrandamento de seu coração e a salvação dele da impenitência e da morte eterna. Se os ministros fossem conscienciosos ao realizar este dever inteiramente e abnegadamente, eles poderiam fazer algo disso e esperar uma bênção sobre ele; mas quando nos afastamos de tudo o que é perigoso ou ingrato em nosso trabalho, e deixamos de lado tudo o que é dispendioso ou problemático, não podemos esperar que qualquer grande bem deva ser efetuado por tal uso carnal e parcial de meios; e embora alguns possam aqui e ali ser trabalhados, ainda assim não podemos esperar que o evangelho corra e seja glorificado quando cumprimos nosso dever de maneira tão falsa e defeituosa. (4) Devemos restaurar o penitente à comunhão da igreja. Como não devemos ensinar um ofensor a diminuir a disciplina com muita facilidade, tampouco devemos desencorajá-lo com demasiada severidade. Se ele parece ser verdadeiramente sensível à pecaminosidade de sua conduta, e penitente por causa disso, devemos ver que ele confessa sua culpa, e que ele promete voar de tais pecados para o tempo que virá, para observar mais estritamente e andar com mais cautela, evitar a tentação, desconfiar de sua própria força e confiar na graça que está em Cristo Jesus.

Devemos assegurar-lhe as riquezas do amor de Deus e a suficiência do sangue de Cristo para perdoar seus pecados, se ele acreditar e se arrepender.

Devemos ver que ele implora para ser restaurado à comunhão da igreja, e deseja suas orações a Deus por seu perdão e salvação.

Devemos cobrar da igreja que imitam a Cristo, perdoando e retendo a pessoa penitente; ou, se ele foi expulso, em restaurá-lo à sua comunhão; e que eles nunca devem reprová-lo com seus pecados, nem lançá-los em seus dentes, mas perdoá-los, assim como Cristo faz. Finalmente, devemos agradecer a Deus por sua recuperação e orar por sua confirmação e preservação futura.

(5) A última parte da disciplina é a exclusão da comunhão da igreja daqueles que, depois de julgamento suficiente, permanecem impenitentes.

A exclusão da comunhão da igreja, comumente chamada de excomunhão, é de vários tipos ou graus, que não devem ser confundidos; mas aquilo que é mais comummente praticado entre nós é apenas remover um pecador impenitente da nossa comunhão, até que agrade ao Senhor dar-lhe arrependimento.

Nesta exclusão ou remoção, o ministro ou governadores da igreja estão autoritariamente a encarregar o povo, em nome do Senhor, de não ter comunhão com ele, e de pronunciar aquele cuja comunhão a igreja é obrigada a evitar; e é dever do povo evitá-lo cuidadosamente, desde que a acusação do pastor não contradiga a Palavra de Deus. No entanto, devemos orar pelo arrependimento e restauração mesmo dos excomungados; e se Deus lhes der arrependimento, devemos alegremente recebê-los novamente na comunhão da igreja.

Seríamos até agora fiéis na prática dessa disciplina, pois estamos satisfeitos tanto com o assunto quanto com a maneira como ela é praticada? e não desprezamos e censuramos isso por nossa negligência, enquanto escrevemos e suplicamos com as mais altas comendas! É digno de nossa consideração, que é como ter o cargo mais pesado sobre esse assunto no tribunal de Deus - sejam aqueles que censuraram e impediram a disciplina por suas línguas, porque não conheciam sua natureza e necessidade; ou nós que o temos tão difamado por nossa omissão constante, enquanto com nossas línguas o amplificamos? Se a hipocrisia não for pecado, ou se o conhecimento do nosso Mestre não for agravado pela desobediência, então poderemos estar em um caso melhor do que eles; mas se estes são grandes males, devemos ser muito piores do que as próprias pessoas que tão alto condenamos. Não aconselharei aos zelosos mantenedores e obstinados negligentes da disciplina, a desdizer tudo o que disseram, até que estejam prontos para fazer o que dizem; nem se retratar de suas lutas de disciplina, até que elas pretendam praticá-lo; nem para queimar todos os livros que eles escreveram para isto, e todos os registros dos custos deles / delas e perigos para isto, para que eles não levante em julgamento contra eles, para a confusão deles / delas. Mas eu os convenceria, sem mais demora, a adequar sua prática a esses testemunhos que eles deram, pois, quanto mais provarem que elogiaram a disciplina, mais se provarão que eles se condenaram por negligenciá-la. Surpreende-me um pouco ouvir alguns, que tomei por reverendos e piedosos sacerdotes, reprovando, como seita, os sacramentais e disciplinadores. E, quando eu desejei saber a quem eles se referiam, eles me disseram que eles queriam dizer que não distribuiriam o sacramento a toda a paróquia e aqueles que fizessem distinções por sua disciplina. Eu achava que o tentador obtivera uma grande vitória, se ele tivesse apenas um pastor piedoso de uma igreja para negligenciar a disciplina, assim como se tivesse conseguido que ele negligenciasse a pregação; muito mais se ele tivesse conseguido aprovar essa negligência: mas parece que ele tem alguns a desprezar os executores do dever que negligenciam. Claro que estou, se fosse bem entendido o quanto da autoridade pastoral e do trabalho consistem na orientação da igreja, também seria discernido que, para ser contra a disciplina, está próximo de estar contra o ministério; e estar contra o ministério está perto de ser absolutamente contra a igreja; e estar contra a igreja, está perto de ser absolutamente contra Cristo. Não culpe a aspereza da inferência, até que você possa evitá-la, e libertar-se da acusação perante o Senhor.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 2 - A supervisão do rebanho

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: