O objeto da teologia

Somente a Deus Todo-Poderoso pertence o direito inerente e absoluto, a vontade e o poder de determinar a nosso respeito. Desde então, agradou-lhe chamar-me, seu servo indigno, das funções eclesiásticas que há alguns anos cumpri na Igreja de seu Filho, na populosa cidade de Amsterdã, e dar-me a nomeação da cátedra teológica. Na universidade mais célebre, eu considerava meu dever não manifestar muita relutância em relação a essa vocação, embora estivesse bem familiarizado com minha incapacidade para tal cargo, que, com a maior disposição e sinceridade, confessei e ainda devo reconhecer. De fato, a consciência de minha própria insuficiência me persuadiu a não ouvir essa vocação; Fato que posso citar como testemunha de que Deus é tanto o Inspetor como o Juiz da minha consciência. Dessa consciência de minha própria insuficiência, várias pessoas de grande probidade e aprendizado também são testemunhas; pois eles eram a causa do meu envolvimento neste escritório, desde que me fossem oferecidos de uma maneira e ordem legítimas. Mas, como eles sugeriram, e como a própria experiência freqüentemente me ensinou, é perigoso adotar o próprio julgamento com pertinácia e prestar demasiada consideração à opinião que nutre de nós mesmos, porque quase todos nós temos pouco discernimento naquelas questões que dizem respeito a nós mesmos, eu me permiti ser induzido pela autoridade de seu julgamento a entrar nesta província difícil e opressiva, que Deus me capacite a começar com sinais de sua aprovação Divina e sob seus auspícios propícios.

Embora eu esteja além do limite e quase estremeço de medo, somente com a antecipação deste ofício e de seus deveres, ainda assim dificilmente posso entrar em dúvida da aprovação e apoio Divino quando minha mente considerar atentamente, quais são as causas em qual esta vocação foi nomeada, a maneira pela qual está comprometida com a execução, e os meios e planos pelos quais ela é levada a uma conclusão. De todas essas considerações, sinto uma persuasão de que foi divinamente instituído e levado à perfeição.

Por isso, nutro uma esperança segura da presença perpétua da assistência divina; e, com a devida humildade da mente, eu me aventuro no santo nome de Deus para assumir esse encargo sobre mim e para entrar em seus deveres. Eu sinceramente imploro a todos e a cada um de vocês, e se a benevolência que até o presente você expressou para mim por muitas e mais sinalizações permitirá tal liberdade, eu imploro, não, (então pressionar é minha necessidade presente) Eu te conjuro solenemente, a unir-se a mim em ardentes desejos e fervorosas intercessões diante de Deus, o Pai das luzes, que, pronto por eu ser puro afeto para contribuir para o seu proveito, ele pode agradar graciosamente o seu servo com o dons que são necessários para o cumprimento adequado dessas funções e para conceder-me seu benevolente favor, orientação e proteção, durante todo o curso dessa vocação.

Mas parece-me que estarei agindo com algum bom propósito, se, no início do meu ofício, eu oferecer algumas observações gerais sobre a teologia sagrada, como prefácio, e entrar em uma explicação de sua extensão, dignidade e excelência. Este discurso servirá ainda mais e mais para incitar a mente, dos estudantes, que se professam dedicados ao serviço desta Divina Sabedoria, destemidamente a prosseguir na carreira em que entraram, diligentemente para insistir em seu progresso e manter-se em dia. uma competição incessante até que eles cheguem ao seu término. Assim, eles podem, daqui por diante, tornar-se instrumentos de Deus para a salvação na Igreja de seus santos, qualificados e aptos para a santificação de seu nome divino, e formados "para edificação do corpo de Cristo", no Espírito. Quando eu tiver efetuado este projeto, pensarei, com Sócrates, que em tal entrada em minhas funções eu não liberei nenhuma parte insignificante deles para algum bom efeito. Pois o mais sábio dos gentios estava acostumado a dizer que ele havia cumprido adequadamente seu dever de ensinar, quando uma vez comunicara um impulso à mente de seus ouvintes e os inspirara com um ardente desejo de aprender. Ele também não fez essa observação sem motivo. Pois, para um homem disposto, nada é difícil, especialmente quando Deus prometeu a mais clara revelação de seus segredos àqueles "que meditarão em sua lei dia e noite". (Salmo 1. 2.) De tal maneira que esta promessa de Deus age, que, naqueles assuntos que superam em muito a capacidade da mente humana, nós podemos adotar a expressão de Isócrates, Se tu és desejoso de receber instrução, tu aprenderá muitas coisas."

Esta explicação não servirá de nada para mim. Pois, na mais fervorosa recomendação deste estudo, que dou a outros, prescrevo a mim mesmo uma lei e uma regra pelas quais devo andar em sua profissão; e uma necessidade adicional me é imposta de me conduzir em meu novo ofício com santidade e modéstia, e com toda boa consciência; que, no caso de eu depois me desviar do caminho certo, (que o nosso Deus benevolente possa impedir), uma recomendação tão solene deste estudo possa ser lançada na minha face à minha vergonha.

Na discussão deste assunto, não acho necessário proferir qualquer protesto diante de professores mais instruídos em Jurisprudência, mais habilidosos em Medicina, mais sutis em Filosofia e mais eruditos nas línguas. Antes de tais pessoas instruídas eu não tenho necessidade de entrar em qualquer protesto, com o propósito de remover de mim mesmo uma suspeita de desejar trazer à negligência ou desprezo aquele estudo particular que cada um deles cultiva. Pois, para todo tipo de estudo no mais nobre teatro das ciências, atribuo, como se torna eu, seu devido lugar, e que é digno de honra; e cada um contente com sua posição subordinada, todos eles com a maior disposição admitem o trono do presidente para aquela ciência da qual estou agora tratando.

Adotarei essa simples e simples espécie de oratória que, segundo Eurípides, pertence peculiarmente à verdade. Eu não sou ignorante de que alguma semelhança e relação deve existir entre uma oração e os assuntos que são discutidos nela; e, portanto, que um certo método divino de fala é necessário quando tentamos falar sobre as coisas divinas de acordo com sua dignidade. Mas eu escolho clareza e simplicidade, porque a Teologia não precisa de ornamento, mas está contente em ser ensinada, e porque está fora do meu alcance fazer um esforço para adquirir um estilo que possa ser em qualquer grau digno de tal assunto.

Ao discutir a dignidade e a excelência da teologia sagrada, vou resumi-la dentro de quatro títulos. Em imitação do método que se obtém nas ciências humanas, que são estimados de acordo com a excelência de seu OBJETO, seu AUTOR, e seu FIM, e da IMPORTÂNCIA das razões pelas quais cada um deles é suportado - eu seguirei o mesmo plano, falando, primeiro, do OBJETO de Teologia, depois de seu AUTOR, depois de seu FIM, e por último, de sua CERTEZA.

Eu oro a Deus para que a graça do seu Espírito Santo esteja presente comigo enquanto eu estou falando; e que ele teria prazer em dirigir minha mente, boca e língua, de tal maneira que me permitisse avançar aquelas verdades que são santas, dignas de nosso Deus, e salutar para você suas criaturas, para a glória de seu nome e para a edificação de sua Igreja.

Também vos intrigo, meus mais ilustres e educados ouvintes, gentilmente para conceder-me sua atenção por um curto período de tempo, enquanto me esforço para explicar assuntos da maior importância; e enquanto sua observação é direcionada ao assunto no qual eu devo me exercitar, você terá a bondade de considerar a TI, ao invés de qualquer HABILIDADE presumida na minha maneira de tratá-la. A natureza de seu grande assunto requer que, a essa hora especialmente, direcionemos nossa atenção, em primeira instância, para o Objeto de Teologia. Pois os objetos das ciências estão tão intimamente relacionados, e tão essenciais para eles, que lhes dão suas denominações.

Mas Deus é ele mesmo o Objeto da Teologia. O próprio termo indica tanto: pois a teologia significa um discurso ou raciocínio a respeito de Deus. Isto é igualmente indicado pela definição que o apóstolo dá desta ciência, quando a descreve como "a verdade que é depois da piedade". (Tt 1: 1). A palavra grega aqui usada para piedade é eusebeia significando um culto devido somente a Deus, o qual o Apóstolo mostra de uma maneira mais clara, quando ele chama essa piedade pelo termo mais exato qeosebeia. Todas as outras ciências têm seus objetos, nobres e dignos de engajar a atenção da mente humana, e na contemplação de que muito tempo, lazer e diligência podem ser ocupados com lucro.

Em Metafísica Geral, o objeto de estudo é "SER"

Mas vamos considerar as condições que geralmente são empregadas para recomendar o objeto de qualquer ciência. Esse OBJETO é o mais excelente (1), que é em si o melhor e o maior e imutável; (2) que, em relação à mente, é mais lúcido e claro, e mais facilmente proposto e desdobrado à visão dos poderes mentais; e (3) que é igualmente capaz, por sua ação na mente, de preenchê-lo completamente e satisfazer seus desejos infinitos. Essas três condições são encontradas no mais alto grau em Deus e somente nele, que é objeto de estudo teológico.

1. Ele é o melhor ser; ele é o primeiro e o principal bem e a bondade em si; só ele é bom, tão bom quanto o próprio bem; como pronto para se comunicar, como é possível para ele ser comunicado: sua liberalidade só é igualada pelos tesouros ilimitados que ele possui, ambos os quais são infinitos e restritos apenas pela capacidade do recipiente, que ele indica como um limite e medida para a bondade de sua natureza e para a comunicação de si mesmo. Ele é o maior Ser e o único grande; pois ele é capaz de subjugar a seu domínio até mesmo nada, para que possa se tornar capaz do bem divino pela comunicação de si mesmo. "Ele chama aquelas coisas que não são, como se fossem" (Rom. 4: 17) e, dessa forma, por sua palavra, ele as coloca no número de seres, embora seja das trevas que eles tenham recebido seus comandos para emergir e vir à existência. "Todas as nações antes dele são como nada, seus habitantes são como gafanhotos e os príncipes nada." (Is.17 , 22 , 23) Todo este sistema de céu e terra parece pouco igual a um ponto "diante dele, cujo centro é todo lugar, mas cuja circunferência não é onde". Ele é imutável, sempre o mesmo e permanece para sempre; "seus anos não têm fim." (Salmo 102)

Nada pode ser adicionado a ele, e nada pode ser tirado dele; com ele "não há mudança, nem sombra de mudança". (Tiago 17). Tudo o que obtém estabilidade por um único momento, toma emprestado dele e recebe-o de mera graça. Agradável, portanto, e mais prazeroso é contemplá-lo, por causa de sua bondade; é glorioso em consideração à sua grandeza; e é certo, em referência à sua imutabilidade.

2. Ele é mais resplandecente e brilhante; ele é a própria luz, e se torna um objeto da percepção mais óbvia para a mente, de acordo com esta expressão do apóstolo, que eles devem buscar o Senhor, se por acaso eles podem sentir depois dele, e encontrá-lo, embora ele não esteja longe de todos nós; pois nele vivemos, nos movemos e temos nosso ser; porque nós também somos descendentes dele:" (Atos 17. 27 , 28) E de acordo com outra passagem," Deus não deixou ele mesmo sem testemunha, em que ele fez bom, e nos deu chuva do céu, e estações frutíferas, enchendo nosso corações com comida e alegria." (Atos 14. 17). Estando apoiados por estes verdadeiros ditos, aventuro-me a afirmar que nada pode ser visto ou verdadeiramente conhecido em qualquer objeto, exceto nele já vimos e conhecemos o próprio Deus.

Em primeiro lugar ele é chamado de "Ser em si", porque ele se oferece ao entendimento como um objeto de conhecimento. Mas todos os seres, tanto visíveis quanto invisíveis, corpóreos e incorpóreos, proclamam em voz alta que eles derivaram o começo de sua essência e condição de algum outro que não eles próprios, e que eles não têm sua própria existência até que o tenham de outro. Todos eles proferem fala, de acordo com o dito do Profeta Real:

"Os céus declaram a glória de Deus, e o firmamento mostra a sua obra prática." (Salmo 19. 1.) Isto é, o firmamento soa em voz alta como uma trombeta e proclama que é "a obra da destra do Altíssimo". Entre os objetos criados, você pode descobrir muitos símbolos indicando "que eles derivam de alguma outra fonte, independentemente do que eles mesmos possuam", meramente do que "que eles têm uma existência no número e na escala dos seres". Tampouco é questão de admiração, pois eles estão sempre mais próximos de nada do que de seu Criador, de quem são removidos para uma distância que é infinita e separada por um espaço infinito: enquanto que, por propriedades que são apenas finitas, são distinguidas de nada, o útero primitivo de onde eles surgiram e no qual eles podem recuar; mas eles nunca podem ser elevados a uma igualdade divina com Deus seu criador. Portanto, foi justamente falado pelos antigos pagãos,

"De Jove todas as coisas estão cheias."

3. Somente ele pode preencher completamente a mente e satisfazer seus desejos (de outra forma) insaciáveis. Pois ele é infinito em sua essência, sua sabedoria, poder e bondade. Ele é a primeira e principal veracidade, e a própria verdade no abstrato. Mas a mente humana é finita na natureza, a substância da qual é formada; e somente nessa visão é um participante do infinito - porque apreende o Ser Infinito e a Verdade Principal, embora seja incapaz de compreendê-los. Davi, portanto, em uma exclamação de alegre gratidão, confessa abertamente que estava contente com a posse de Deus, que por meio de conhecimento e amor é possuído por suas criaturas. Estas são as suas palavras: "A quem tenho eu no céu senão a ti? E ​​na terra não há quem eu deseje além de ti". (Salmo 31:25)

Se você estiver familiarizado com todas as outras coisas, e ainda permanecer em um estado de ignorância em relação a ele sozinho, você está sempre vagando além do ponto apropriado, e seu amor incansável pelo conhecimento aumenta na proporção em que o conhecimento em si é aumentado. O homem que conhece somente a Deus, e que é ignorante de todas as outras coisas, permanece em paz e tranqüilidade, e (como alguém que encontrou "uma pérola de grande valor", embora na compra dele possa ter gasto toda a de sua substância, ele parabeniza a si mesmo e grandemente triunfa. Esse brilho ou brilho do objeto é a causa pela qual uma investigação, ou uma investigação posterior, nunca é instituída sem obtê-lo; e, (tal é a sua plenitude), quando foi encontrada uma vez, a descoberta dela é sempre acompanhada de lucros abundantes.

Mas devemos considerar este objeto mais estritamente; pois tratamos disso em referência a ser o objeto de nossa teologia, segundo a qual temos um conhecimento de Deus nesta vida. Devemos, portanto, vesti-lo de um certo modo e investi-lo de maneira formal, como a frase lógica é; e, assim, colocá-lo como base para o nosso conhecimento.

Três Considerações deste assunto se oferecem a nossa atenção: O Primeiro é que não podemos receber este objeto na infinitude de sua natureza; nossa necessidade, portanto, exige que ela seja proposta de uma maneira que seja acomodada à nossa capacidade. A segunda é que não é apropriado, no primeiro momento da revelação, que uma medida tão grande seja revelada e manifestada pela luz da graça, como pode ser recebida na mente humana quando iluminada pela luz da glória. e, (por esse processo) ampliado para uma capacidade maior: pois pelo uso correto do conhecimento da graça, devemos prosseguir para cima (pelo domínio da justiça divina) para o conhecimento mais sublime da glória, de acordo com que dizendo: "àquele que tiver será dado." A terceira é que este objeto não é colocado antes de nossa teologia ser meramente conhecido, mas, quando conhecido, deve ser adorado. Para a teologia que pertence a este mundo, é prático e através da fé:

Teologia teórica pertence ao outro mundo, e consiste de visão pura e sem nuvens, de acordo com a expressão do apóstolo: "Nós andamos pela fé, e não pela vista"; (2 Coríntios v. 7) e a de outro apóstolo: "Então seremos como ele, porque o veremos como ele é". (1 João 3: 2) Por esta razão, devemos vestir o objeto de nossa teologia de tal maneira que possa nos inclinar a adorar a Deus, e nos persuadir plenamente e nos levar a essa prática.

Este último desígnio é a linha e regra desta relação formal segundo a qual Deus se torna o sujeito da nossa Teologia.

Mas esse homem pode ser induzido, por uma obediência voluntária e humilde submissão da mente, a adorar a Deus, é necessário que ele creia, de certa persuasão do coração: (1) Que é a vontade de Deus ser adorado, e esse culto é devido a ele. (2) Que a adoração a ele não será em vão, mas será recompensada com uma recompensa extraordinariamente grande. (3) Que um modo de adoração deve ser instituído de acordo com seu comando. Para estes três detalhes deve ser adicionado, um conhecimento do modo prescrito.

Nossa Teologia, então, entrega três coisas concernentes a este objeto, conforme necessário e suficiente para ser conhecido em relação aos assuntos precedentes de crença. O primeiro é relativo à natureza de Deus. O segundo sobre suas ações. E o terceiro, relativo à sua vontade.

(1.) Com relação à sua natureza; que é digno receber adoração, por causa de sua justiça; que está qualificado para formar um julgamento correto daquele culto, por causa de sua sabedoria; e que é rápido e capaz de conceder recompensas, devido à sua bondade e à perfeição de sua própria bem-aventurança.

(2) Duas ações foram atribuídas a Deus para o mesmo propósito; eles são criação e providência. (i.) A criação de todas as coisas, e especialmente do homem segundo a imagem de Deus; sobre o qual se fundamenta sua autoridade soberana sobre o homem, e da qual deduz-se o direito de exigir adoração do homem e ordenar obediência a ele, de acordo com aquela queixa muito justa de Deus por Malaquias: "Se eu for pai, onde está o meu honra? e se eu for um mestre, é o meu medo, "(i, 6.) (ii) Que a Providência deve ser atribuída a Deus pelo qual ele governa todas as coisas, e de acordo com o qual ele exerce um santo, apenas e sábio cuidado e supervisão sobre o próprio homem e as coisas que se relacionam com ele, mas principalmente sobre a adoração e obediência que ele é obrigado a prestar ao seu Deus.

(3) Por último, trata da vontade de Deus expressa em uma certa aliança na qual ele entrou com o homem, e que consiste em duas partes: (1.) Aquela, pela qual ele declara ser prazeroso receber a adoração do homem e, ao mesmo tempo, prescrever o modo de realizar essa adoração; porque é sua vontade ser adorada pela obediência e não pela opção ou discrição do homem. (2.) O outro, pelo qual Deus promete que ele compensará abundantemente o homem pela adoração que ele realiza; exigindo não só a adoração pelos benefícios já conferidos ao homem, como prova de sua gratidão; mas da mesma forma que Ele pode comunicar ao homem coisas infinitamente maiores para a consumação de sua felicidade. Pois como ele ocupava o primeiro lugar em conferir bênçãos e fazer o bem, porque essa alta posição era sua devida, uma vez que o homem estava prestes a ser chamado entre o número de criaturas; assim também é seu desejo que o último lugar em fazer o bem seja reservado para ele, de acordo com a infinita perfeição de sua bondade e bem-aventurança, que é a fonte do bem e do limite extremo da felicidade, o Criador e ao mesmo tempo o Glorificador de seus adoradores. É de acordo com esta última ação sua, que ele é chamado por algumas pessoas "o Objeto da Teologia", e que não indevidamente, porque neste último estão incluídas todas as precedentes.

No caminho que tem sido assim apontado de modo compenso, as infinitas disputas dos escolásticos, concernentes à relação formal pela qual Deus é o Objeto da Teologia, podem, em minha opinião, ser ajustadas e decididas. Mas, como acho que é um ato culpado abusar da sua paciência, vou me recusar a dizer mais sobre essa parte do assunto.

Nossa teologia sagrada, portanto, está principalmente ocupada em atribuir ao Único Deus Verdadeiro, a quem somente eles realmente pertencem, aqueles atributos dos quais já falamos, sua natureza, ações e vontade. Pois não é suficiente saber que existe algum tipo de NATUREZA, simples, infinita, sábia, boa, justa, onipotente, feliz em si mesma, o Criador e Governador de todas as coisas, que é digno de receber adoração, cuja vontade é para ser adorado, e isso é capaz de fazer seus adoradores felizes. Para este tipo geral de conhecimento deve ser acrescentado, uma concepção segura e estabelecida, fixada nessa Deidade, e estritamente ligada ao único objeto de culto religioso ao qual somente essas qualidades pertencem. A necessidade de receber idéias fixas e determinadas sobre esse assunto é muito frequentemente inculcada na página sagrada: "Eu sou o Senhor teu Deus". (Êxodo 20. 2) "Eu sou o Senhor e não há outro". (Isaías 15. 5). Elias também diz: "Se o Senhor é Deus, segui-o; mas se Baal, segui-o". (1 Reis 21:21.) Este dever é o mais diligentemente inculcado nas escrituras, como o homem está mais inclinado a afastar-se da verdadeira ideia da Deidade. Pois seja qual for a concepção clara e adequada do Ser Divino, as mentes que os pagãos tinham formado, o primeiro obstáculo sobre o qual eles caíram parece ter sido isso, eles não atribuíram a concepção justa àquele a quem ela deveria ter sido dada; mas eles o atribuíram (1) a algum indivíduo vago e incerto, como na expressão do poeta romano: "Ó Júpiter, quer você seja o céu, ou o ar, ou a terra!" Ou, (2) alguma deidade imaginária e fabulosa, seja entre coisas criadas, ou um mero ídolo do cérebro, nem participando da natureza divina nem qualquer outra, que o Apóstolo Paulo, em sua Epístola aos Romanos e ao Coríntios, produz como uma questão de reprovação para os gentios. (Romanos 1 e 1 Coríntios 8). Ou (3), por último, eles atribuíram isso ao Deus desconhecido; o título de Desconhecido sendo dado à sua Deidade pelas próprias pessoas que eram seus adoradores. O apóstolo relata este crime como um dos quais os atenienses eram culpados: Mas é igualmente verdadeiro quando aplicado a todos aqueles que erram e se desviam do verdadeiro objeto de adoração, e ainda adoram uma Deidade de alguma descrição. Às pessoas que sentenciam justamente pertence o que Cristo proferiu em conversa com a mulher de Samaria: "Vós adorais Vós não sabes o que". (João 4. 22)

Embora essas pessoas sejam culpadas de um erro grave que transgride neste ponto, de modo a ser merecidamente chamado de ateus, na Escritura aqeoi "homens sem Deus"; todavia, são de longe mais intoleráveis ​​e insanos, que, tendo passado a linha extrema da impiedade, não são restringidos pela consciência de qualquer Deidade. Os antigos pagãos consideravam esses homens peculiarmente dignos de serem chamados de ateus. Por outro lado, aqueles que têm consciência de sua própria ignorância ocupam o passo que está mais próximo da sanidade. Para isto é necessário ter cuidado só sobre uma coisa; e isto é, quando comunicamos informações a eles, devemos ensiná-los a descartar a falsidade que haviam absorvido e instruí-los apenas na verdade. Quando esta verdade lhes for assinalada, eles a aproveitarão com maior avidez, em proporção à tristeza mais profunda que sentem ao pensar que foram cercados por uma longa série de anos por um erro muito pernicioso.

Mas a Teologia, como me parece, afeta principalmente quatro coisas na fixação de nossas concepções, que acabamos de mencionar, sobre aquela Deidade que é verdadeira, e em afastá-las da invenção e formação de falsas Deidades. Primeiro. Explica, de maneira elegante e copiosa, a relação em que a Deidade se sustenta, para que não atribuíssemos a sua natureza qualquer coisa que lhe fosse estranha, ou que lhe tirasse qualquer uma de suas propriedades. Em referência a isto, é dito: "Vós ouvistes a voz, mas não vistes semelhante; tomai, pois, a bondade de vós mesmos, para que não façais de ti uma imagem de escultura". (Deut. 4. 15,16). -Segundo. Descreve as ações universais e particulares do único Deus verdadeiro, que por elas pode distinguir a verdadeira Deidade daquelas que são fabulosas. Por esta razão, é dito: "Os deuses que não fizeram os céus e a terra, perecerão da terra e debaixo destes céus". (Jer. 10.11). Jonas também disse: "Temo o Senhor, o Deus do céu, que fez o mar e a terra seca". (1, 9.) E o Apóstolo declara: "Porquanto, como nós somos a descendência de Deus, não devemos pensar que a Divindade é como ouro, ou prata, ou pedra, esculpida pela arte e pelo artifício do homem:" (Atos 17. 29) Em outra passagem, está escrito: "Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito"; (Deut. 5. 6). "Eu sou o Deus que apareceu a ti em Betel." (Gen. 26. 13.) E, "Eis que vêm os dias, diz o Senhor, que nunca mais dirão: Vive o Senhor, que tirou os filhos de Israel da terra do Egito, mas o Senhor vive que trouxe e que levou a semente da casa de Israel para fora do País do Norte, "& c. (Jer. 23. 7 , 8). Terceiro. Faz menção freqüente da aliança na qual a verdadeira Deidade entrou com seus adoradores, que pela lembrança dela a mente do homem pode permanecer no Deus com quem a aliança foi concluída. Em referência a isso, é dito: "Assim dirás aos filhos de Israel, o Senhor Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, enviaram-me a vós; meu nome para sempre, e este é o meu memorial para todas as gerações "(Êxodo 3:15). Assim Jacó, prestes a concluir um pacto com Labão, seu sogro, jura" pelo temor de seu pai Isaac " (Gen. 31. 53). E quando o servo de Abraão estava procurando uma esposa para o filho de seu mestre, ele assim invocou a Deus: "Ó Senhor Deus de meu mestre Abraão!" (Gen. 24. 12) Em quarto lugar. Ele distingue e aponta a verdadeira Deidade, mesmo por uma marca mais apropriada, particular e individual, quando introduz a menção das pessoas que são participantes da mesma Divindade; assim, ele dá uma direção correta para a mente do adorador, e fixa isto naquele Deus que é O PAI DE NOSSO SENHOR JESUS ​​CRISTO. Isso foi manifestado com algum grau de obscuridade no Antigo Testamento, mas com a maior clareza no Novo Testamento. Por isso, o apóstolo diz: "Adoro o meu joelho ao Pai de nosso Senhor Jesus Cristo". (Efésios 3. 14) Todas essas observações são compreendidas e resumidas por Divinos, nesta breve sentença: "Que Deus deve ser invocado, que se manifestou em sua própria palavra". Mas as observações precedentes relativas ao Objeto da Teologia respeitam propriamente a Teologia Jurídica, que foi acomodada ao estado primitivo do homem. Pois quando o homem, em sua integridade original, agia sob o favor de proteção e benevolência de um Deus bom e justo, ele era capaz de render a Deus aquela adoração que havia sido prescrita de acordo com a lei da justiça legal, que diz: "Faça isto e viverás "ele pôde" amar de todo o seu coração e alma "aquele Ser Bom e Justo; ele foi capaz de, a partir de uma consciência de sua integridade, repousar confiança naquele Bom e Justo; e ele pôde demonstrar-lhe, como tal, um temor filial, e pagar-lhe a honra que lhe agradava e a ele, como de um servo ao seu Senhor. Deus também, de sua parte, sem o menor prejuízo à sua justiça, foi capaz de agir em relação ao homem, enquanto naquele estado, de acordo com o proscrito da justiça legal, recompensar sua adoração de acordo com a justiça, e, através dos termos da lei. pacto legal, e conseqüentemente "de dívida", para conferir vida a ele. Este Deus poderia fazer, coerência com a bondade dele, que requeria o cumprimento da promessa. Não havia pedido de nenhuma outra propriedade de sua natureza, que pudesse contribuir com seu arbítrio para realizar esse propósito: Nenhum progresso adicional de bondade Divina era necessário do que aquilo que poderia retribuir bem para o bem, o bem da felicidade perfeita, para o bem de todos. obediência total: Nenhuma outra ação foi requerida, exceto a da criação (que havia sido realizada) e a de uma providência preservadora e governante, em conformidade com a condição com a qual o homem foi colocado: Nenhuma outra vontade de Deus era necessária, do que aquilo pelo qual ele poderia exigir a perfeita obediência da lei e poderia retribuir essa obediência com a vida eterna. Nesse estado dos assuntos humanos, portanto, o conhecimento da natureza descrita nessas propriedades, o conhecimento dessas ações e dessa vontade, ao qual pode ser adicionado o conhecimento da Deidade a quem eles realmente pertenciam, era necessário para o desempenho de adoração a Deus, e foi por si só amplamente suficiente.

Mas quando o homem havia caído de sua integridade primordial pela desobediência à lei, e se tornara "um filho da ira" e se tornara devotado a condenações, essa bondade misturada com a justiça legal não poderia ser suficiente para a salvação do homem. Nem este ato de criação e providência, nem isto será suficiente; e, portanto, essa teologia jurídica era em si insuficiente. Pois o pecado deveria ser condenado se os homens fossem absolvidos; e, como o Apóstolo diz, (no oitavo capítulo de sua Epístola aos Romanos), "não poderia ser condenado pela lei". O homem devia ser justificado, mas ele não podia ser justificado pela lei, a qual, embora seja a força do pecado, faz a descoberta para nós, e é o procurador da ira.

Esta Teologia, portanto, poderia servir para nenhum propósito salutar, naquele tempo: tal era a sua terrível eficácia em convencer o homem do pecado e consigná-lo à morte certa. Essa infeliz mudança, essa vicissitude desfavorável dos assuntos foi introduzida pela culpa e pela infecção do pecado; que foi igualmente a causa por que "a lei que foi ordenada para a vida e honra" (Rom. 7. 10), tornou-se fatal e destrutiva para a nossa raça, eo procurador de eterna ignomínia. (1) Outras propriedades, portanto, da natureza divina deveriam ser chamadas à ação; cada um dos benefícios de Deus deveria ser desdobrado e explicado; misericórdia, longo sofrimento, gentileza, paciência e clemência deveriam ser trazidos para fora do repositório de sua bondade primitiva, e seus serviços deveriam ser engajados, se fosse apropriado para ofender o homem a ser reconciliado com Deus e reintegrado a seu favor. . (2) Outras ações deveriam ser exibidas: "Uma nova criação" deveria ser efetuada; "uma nova providência", acomodada em todos os aspectos a essa nova criação, deveria ser instituída e colocada em vigor; "a obra da redenção" deveria ser realizada; "remissão de pecados" deveria ser obtida; "a perda da justiça" deveria ser reparada; "o Espírito da graça" deveria ser pedido e obtido; e uma "salvação perdida" restaurada. (3) Outro decreto foi igualmente formulado a respeito da salvação do homem; e outro pacto, um novo, "devia ser feito com ele", não de acordo com aquele anterior, porque aqueles "que eram partes de um lado" não tinham continuado naquele pacto: "(Hebreus 11:11) mas, por outro e uma vontade graciosa, eles "deveriam ser santificados", que poderiam ser "consagrados para entrar no Santo dos Santos por um novo e vivo caminho" (Heb. 10:20). Todas essas coisas deviam ser preparadas e estabelecidos como fundamentos para a nova manifestação.

Outra revelação, portanto, e uma espécie diferente de teologia, foram necessárias para tornar conhecidas as propriedades da Natureza Divina, que descrevemos, e que foram mais sabiamente empregadas na reparação de nossa salvação; para proclamar as ações que foram exibidas; e ocupar-se em explicar esse decreto e nova aliança que mencionamos.

Mas visto que Deus, o castigador e o mais justo vingador dos pecadores, ou não estava querendo, ou (através da oposição feita pela justiça e verdade que tinha sido originalmente manifestada na lei) foi incapaz de desdobrar aquelas propriedades de sua natureza, produzir essas ações, ou para fazer esse decreto, exceto pela intervenção de um Mediador, em quem, sem o menor dano à sua justiça e verdade, ele pode desdobrar essas propriedades, realizar essas ações, pode através deles produzir os benefícios necessários, e pode concluir que o mais gracioso decreto; por causa disso, um Mediador deveria ser ordenado, o qual, pelo seu sangue, poderia expiar os pecadores, por sua morte poderia expiar o pecado da humanidade, reconciliar os iníquos com Deus e salvá-los de sua ira iminente; quem pode estabelecer e mostrar a misericórdia, longo sofrimento e paciência de Deus, pode providenciar a redenção eterna, obter a remissão de pecados, trazer uma justiça eterna, obter o Espírito da graça, confirmar o decreto da misericórdia, ratificar a nova aliança seu sangue, recupere a salvação eterna e que possa trazer a Deus aqueles que seriam salvos em última instância.

Um Deus justo e misericordioso, portanto, designou como Mediador, seu amado Filho, Jesus Cristo. Ele obedientemente assumiu aquele ofício que foi imposto a ele pelo Pai e corajosamente o executou; mais ainda, ele está agora empenhado em executá-lo. Ele foi, portanto, ordenado por Deus como o Redentor, o Salvador, o Rei e (sob Deus) o Cabeça dos herdeiros da salvação. Não teria sido nem justo nem razoável, que aquele que havia passado por tais trabalhos tão vastos e suportado tão grandes tristezas, que realizaram tantos milagres e que obtiveram através de seus méritos tantos benefícios para nós, permaneça ingloriamente entre nós maldade e obscuridade, e deve ser demitido por nós sem honra. Era mais equitativo, que em troca fosse reconhecido, adorado e invocado, e que ele recebesse aqueles agradecimentos gratos que lhe são devidos por seus benefícios.

Mas como poderemos adorá-lo, adorá-lo e invocá-lo, a menos que "cremos nele? Como podemos crer nele, a menos que tenhamos notícias dele? E como podemos ouvir a respeito dele", a menos que ele seja revelado a nós a palavra? (Rom. 10.14) Desta causa, então, surgiu a necessidade de fazer uma revelação a respeito de Jesus Cristo; e neste sentido dois objetos (isto é, Deus e seu Cristo) devem ser colocados como um fundamento para aquela Teologia que contribuirá suficientemente para a salvação dos pecadores, de acordo com a declaração de nosso salvador Cristo: "E isto é a vida eterna, para que eles te conheçam, o único Deus verdadeiro, e Jesus Cristo, a quem tu enviaste. " (João 18. 3) De fato, esses dois objetos não são de tal natureza que um pode ser separado do outro, ou que um pode estar colateralmente unido ao outro; mas o último deles é, de maneira adequada e adequada, subordinado ao primeiro. Aqui, então, temos uma Teologia que, de Cristo, seu objeto, é mais legitimamente e merecidamente chamado de Cristão, que é manifestado não pela Lei, mas nos primeiros tempos por promessa, e nestes últimos dias pelo Evangelho, que é chamou isso de "de Jesus Cristo", embora as palavras (cristã e jurídica) às vezes sejam confundidas. Mas vamos considerar a união e a subordinação de ambos os objetos.

I. Visto que temos Deus e seu Cristo como objeto de nossa Teologia Cristã, a maneira pela qual a Teologia Legal explica Deus para nós é, sem dúvida, muito amplificada por essa adição, e nossa Teologia é assim infinitamente enobrecida acima daquilo que é legal.

Porque Deus desdobrou em Cristo toda a sua bondade. "Pois aprouve ao Pai que nele toda a plenitude permanecesse;" (Col. 1. 19), e que a "plenitude da divindade deve habitar nele", não por adumbração ou de acordo com a sombra, mas "corporalmente": Por esta razão, ele é chamado "a imagem do Deus invisível; " (Col. 15), "o brilho da glória de seu Pai e a imagem expressa de sua pessoa" (Hebreus 3: 3), em quem o Pai condescendeu em nos dar sua infinita majestade, sua imensurável bondade, misericórdia e filantropia, para ser contemplada, contemplada e para ser tocada e sentida; como o próprio Cristo diz a Filipe: "Aquele que me viu, viu o Pai". (João 14. 9) Para as coisas que estavam escondidas e indiscerníveis dentro do Pai, como os traços finos e profundos em um selo gravado, destacam-se, tornam-se proeminentes, e podem ser mais clara e distintamente visto em Cristo, como em um impressão exata e protuberante, formada pela aplicação de um selo profundamente gravado na substância a ser impressa.

1. Nesta Teologia, Deus verdadeiramente aparece, no mais alto grau, o melhor e o maior dos Seres: (1.) O Melhor, porque ele não está apenas disposto, como na antiga Teologia, a se comunicar (para a felicidade de homens,) para aqueles que cumprem corretamente seu dever, mas para receber em seu favor e para reconciliar a si mesmos aqueles que são pecadores, iníquos, infrutíferos e declarados inimigos, e conceder a vida eterna a eles quando se arrependerem. (2.) O Maior, porque ele não só produziu todas as coisas do nada, através da aniquilação do último, e a criação do primeiro, mas porque ele também efetuou um triunfo sobre o pecado, (o que é muito mais nocivo do que nada, e conquistado com maior dificuldade), perdoando-o graciosamente e pondo-o poderosamente longe, "e porque ele introduziu a justiça eterna", por meio de uma segunda criação, e uma regeneração que excedeu em muito a capacidade do " lei que atuou como professor. "(Gal. 3.24.) Para esta causa, Cristo é chamado" a sabedoria e o poder de Deus "(1 Cor. 1. 24), muito mais ilustre do que a sabedoria eo poder que foram originalmente exibidos na criação do universo. (3) Nesta Teologia, Deus é descrito para nós como em todos os aspectos imutáveis, não somente em relação à sua natureza, mas também à sua vontade, a qual, como tem sido manifestada em o evangelho, é peremptório e conclusivo, e, sendo o último de todos, não é para ser por outro testamento. Pois "Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre"; (Hebreus 13.8), por quem Deus tem nestes últimos dias falado para nós." (Hb.1. 2). Sob a lei, o estado deste assunto era muito diferente, e isso muito para nossa vantagem final. Pois se a vontade de Deus desdobrada na lei tivesse sido fatal para nós, assim como a última expressão dela, nós, de todos os homens mais infelizes, teríamos sido banidos para sempre do próprio Deus por causa daquela declaração de sua vontade; e nossa desgraça teria estado em um estado de exílio de nossa salvação.Não parece neste argumento atribuir qualquer mutabilidade à vontade de Deus.Eu apenas coloco tal término e limite à sua vontade, ou melhor, a algo desejado por ele, como foi por ele mesmo antes de afixado a ele e predeterminado por um decreto eterno e peremptório, que assim uma vacância poderia ser feita para um “melhor pacto estabelecido em melhores promessas” (Hebreus 7. 22 ; 8, 6).

2. Esta Teologia oferece a Deus em Cristo como um objeto de nossa visão e conhecimento, com tal clareza, esplendor e clareza, que nós com a face aberta, vendo como em um vidro a glória do Senhor, somos transformados na mesma imagem da glória para glória, como pelo Espírito do Senhor. ”(1 Cor. 3:18) Em comparação com este brilho e glória, que era tão preeminente e superior, a lei em si não é brilhante ou glorioso: Porque "não tinha glória a este respeito, em razão da glória que se sobrepõe" (2 Coríntios 3: 8). Esta foi realmente "a sabedoria de Deus que foi mantida em segredo desde que o mundo começou:" (1 Cor. Ii. 7 ; Rom. 16. 25) Grande e inescrutável é este mistério, ainda é exibido em Cristo Jesus, e "manifestado" com tal clareza luminosa, que Deus é dito ter sido "manifesto na carne "(1 Tim. Iii. 16 ,) em nenhum outro sentido do que como se nunca teria sido possível para ele se manifestar sem a carne; para o pur expresso Ponha "que a vida eterna que estava com o Pai, ea Palavra da vida que foi desde o princípio com Deus, possa ser ouvida com nossos ouvidos, vista com nossos olhos e manipulada com nossas mãos" (1 João 1 : 2). 1 , 2)

3. O objeto de nossa teologia sendo revestido dessa maneira, tão abundantemente preenche a mente e satisfaz o desejo, que o apóstolo declara abertamente, ele estava determinado a "não conhecer nada entre os coríntios, exceto Jesus Cristo, e ele crucificado". (1 Cor. 2. 2.) Para os filipenses, ele diz que ele "contava todas as coisas, mas perdeu pela excelência do conhecimento de Jesus Cristo; por quem ele havia sofrido a perda de todas as coisas, e ele as considerava, exceto esterco. para que ele possa conhecer a Cristo e o poder de sua ressurreição e a comunhão de seus sofrimentos". (Fp. 3. 8,10). Não, no conhecimento do objeto de nossa teologia, modificada desta maneira, toda glória verdadeira e justa ostentação consistem, como a passagem que nós citamos anteriormente de Jeremias, e o propósito ao qual São Paulo acomodou-a, evidentemente, mais claramente. Esta é a maneira pela qual é expressa: "Aquele que se gloriar gloriar-se nisto, que ele entende e me conhece, que eu sou o Senhor que exerce benignidade, juízo e justiça na terra." (Jer. 9. 24) Quando você ouvir qualquer menção de misericórdia, seus pensamentos devem necessariamente reverter a Cristo, de quem "Deus é um fogo consumidor" para destruir os pecadores da terra. (Deut. 4. 24 ; Heb. 12. 29) O modo como São Paulo a acomodou é este:

"Cristo Jesus nos é feito por Deus, sabedoria, justiça e santificação, e redenção; para que, conforme está escrito: Aquele que se gloriar, glorie-se no Senhor" (1 Coríntios 1: 30,31). Não é maravilhoso que a mente deseje "não conhecer nada a não ser Jesus Cristo", ou que seu desejo insaciável de conhecimento se repouse nele, pois nele e em seu evangelho "estão escondidos todos os tesouros da sabedoria". e conhecimento ". (Col. 2. 3 , 9)

II. Tendo terminado aquela parte do nosso assunto que se relaciona com esta União, vamos agora proceder à Subordinação que subsiste entre estes dois objetos. Vamos primeiro inspecionar a natureza dessa subordinação e, então, sua necessidade:

Primeiro. Sua natureza consiste em que toda comunicação salvífica que Deus tem conosco, ou que temos com Deus, é realizada por meio da intervenção de Cristo.

1. A comunicação que Deus mantém conosco é (i.) Quer em sua afeição benevolente para conosco, ou (ii) em seu gracioso decreto que nos concerne, ou, (iii) em sua eficácia salvadora em nós. Em todos esses detalhes, Cristo aparece como intermediário entre as partes. Por (1.) Quando Deus está disposto a comunicar-nos a afeição de sua bondade e misericórdia, ele olha para o seu Ungido, em quem, como "seu amado, ele nos faz aceitos, para o louvor da glória da sua graça" (Efésios 1. 6). (2) Quando ele tem prazer em fazer algum decreto gracioso de sua bondade e misericórdia, ele interpõe Cristo entre o propósito e a realização, para anunciar seu prazer; porque "por Jesus Cristo nos predestinou a adoção de filhos". (Efésios i. 5.) (3) Quando ele está disposto fora desta afeição abundante para conceder a nós alguma bênção, de acordo com o decreto gracioso dele, é pela intervenção da mesma pessoa Divina. Pois em Cristo como nossa Cabeça, o Pai colocou todos esses tesouros e bênçãos; e eles não descendem até nós, exceto através dele, ou melhor, por ele, como substituto do Pai, que os administra com autoridade, e os distribui de acordo com seu próprio prazer.

2. Mas a comunicação que temos com Deus também é feita pela intervenção de Cristo. Consiste em três graus - acesso a Deus, que se apega a ele e ao desfrute dele.

Estes três particulares tornam-se os objetos de nossa consideração atual, pois é possível que sejam colocados em ação neste estado de existência humana, e como eles podem executar suas funções por meio da fé, esperança e aquela caridade que é a prole. De fé.

(1.) Três coisas são necessárias para este acesso; (i.) que Deus esteja em um lugar ao qual podemos nos aproximar; (2) que o caminho pelo qual podemos chegar a ele seja um caminho de alta e seguro; e (3) que a liberdade seja concedida a nós e a ousadia de acesso. Todas essas facilidades foram adquiridas para nós pela mediação de Cristo. (i.) Pois o Pai habita em luz inacessível, e fica à distância, além de Cristo, num trono de rígida justiça, que é um objeto muito formidável em aparência para o olhar dos pecadores; todavia, ele designou Cristo para ser "apropriação. pela fé em seu sangue"; (Rom. 3.25), por quem a cobertura da arca, e o poder de acusar, convencer e condenar a lei que estava contida naquela arca, são levados e removidos como uma espécie de véu diante dos olhos de a Divina Majestade; e um trono de graça foi estabelecido, no qual Deus está sentado, "com quem em Cristo temos que fazer." Assim, o Pai no Filho foi feito euwrositov "de fácil acesso para nós". (2) É o mesmo Senhor Jesus Cristo que "não somente pela sua carne consagrou para nós um caminho novo e vivo", pelo qual podemos ir ao Pai (Heb. 10.20), mas que é da mesma forma "o caminho" que conduz de maneira direta e infalível ao Pai. (João 14.6) (3) "Pelo sangue de Jesus" temos liberdade de acesso, não nos é permitido "entrar no santuário", e mesmo "dentro do véu para onde Cristo, como um sumo sacerdote que preside sobre a casa de Deus e nosso primeiro corredor, está inscrito para nós". (Heb. 5:20), que "podemos nos aproximar com um coração verdadeiro, na garantia da fé sagrada e completa, (x, 22,) e pode com grande confiança de espírito" chegar corajosamente ao trono da graça." (4, 16.) Temos, portanto, orações para oferecer a Deus? Cristo é o Sumo Sacerdote que os apresenta diante do Pai. Ele é também o altar do qual, após ser colocado sobre ele, eles ascenderão como incenso de um agradecido odor a Deus, nosso Pai. Os sacrifícios de ação de graças devem ser oferecidos a Deus? Eles devem ser oferecidos por meio de Cristo, caso contrário, "Deus não os aceitará em nossas mãos" (Mal. 10). As boas obras devem ser realizadas? Nós devemos fazê-los através do Espírito de Cristo, para que eles possam obter a recomendação dele como seu autor, e eles devem ser aspergidos com seu sangue, para que eles não sejam rejeitados pelo Pai devido à sua deficiência.

(2) Mas não é suficiente apenas nos aproximarmos de Deus; também é bom para nós nos apegarmos a ele. Para confirmar este ato de clivagem e para dar-lhe perpetuidade, deve depender de uma comunhão da natureza. Mas com Deus não temos tal comunhão. Cristo, no entanto, possui isso, e somos feitos possuidores dele com Cristo, "que participaram da nossa carne e sangue". (Heb. 2. 14). Sendo constituído nossa cabeça, ele nos comunica de seu Espírito, que nós (sendo constituídos seus membros e aderindo a ele como "carne de sua carne e osso de seus ossos") pode ser um com ele, e através dele com o Pai, e com ambos pode se tornar "um só Espírito".

(3.) O gozo continua a ser considerado. É um sabor verdadeiro, sólido e duradouro da bondade e da doçura divina nesta vida, não apenas percebida pela mente e pela compreensão, mas também pelo coração, que é a sede de todas as afeições. Nem isto se torna nosso, exceto em Cristo, por cujo Espírito habita em nós que o mais divino testemunho é pronunciado em nossos corações, que "nós somos filhos de Deus e herdeiros da vida eterna". (Rom. 8. 16) Ao ouvir este testemunho interno, concebemos a alegria inefável, "possuímos as nossas almas com esperança e paciência", e em todas as nossas dificuldades e angústias invocamos a Deus e clamamos, Aba Pai, com uma fervorosa expectativa do nosso acesso final a Deus, da consumação de permanecermos nele e de nos apegarmos a ele (pelo qual teremos "tudo em todos") e da mais abençoada fruição, que consistirá na visão clara e desobstruída. do próprio Deus. Mas a terceira divisão do nosso assunto atual será o lugar apropriado para tratar mais detalhadamente sobre esses tópicos.

Em segundo lugar. Tendo visto a subordinação de ambos os objetos da Teologia Cristã, vamos em poucas palavras anunciar a sua Necessidade. Isso deriva de sua comparação com nosso contágio e depravação depravada, com a santidade de Deus incapaz de corrupção e com o rigor inflexível de sua justiça, que nos separa completamente de um abismo tão grande que torna impossível para que fôssemos unidos enquanto estivéssemos em tão vasta distância, ou para que uma passagem nos fosse feita a ele - a menos que Cristo tivesse pisado o lagar da ira de Deus, e pelas correntes de seu mais precioso sangue, fluindo abundantemente das veias comprimidas, quebradas e dispartidas de seu corpo, havia preenchido aquele abismo outrora intransponível, "e purgara nossas consciências, aspergidas com seu próprio sangue, de todas as obras mortas"; (Hebreus 9.14,22) que, sendo assim santificados, poderíamos nos aproximar "do Deus vivo e poder servi-lo sem temor, em santidade e justiça diante dele, todos os dias da nossa vida". (Lucas 1. 75)

Mas tal é a grande Necessidade desta subordinação, que, a menos que nossa fé esteja em Cristo, não pode estar em Deus: O Apóstolo Pedro diz: "Por ele cremos em Deus, que o ressuscitou dos mortos, e lhe demos glória; que sua fé e esperança possam estar em Deus". (1 Ped., 1,21) Por causa disso a fé que temos em Deus, foi prescrita, não pela lei, mas pelo evangelho da graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que é propriamente "a palavra de Deus". fé "e" a palavra da promessa ".

A consideração desta necessidade é de utilidade infinita, (i.) Tanto para produzir confiança nas consciências dos crentes, tremendo à vista de seus pecados, como aparece mais evidentemente de nossas observações precedentes; (ii) e no estabelecimento da necessidade da religião cristã. Eu considero necessário fazer algumas observações sobre este último tópico, porque elas são requeridas pela natureza de nosso propósito presente e da própria Religião Cristã.

Eu observo, portanto, que não somente a intervenção de Cristo é necessária para obter a salvação de Deus, e para transmiti-la aos homens, mas a fé de Cristo é também necessária para qualificar os homens para receberem essa salvação em suas mãos; não aquela fé em Cristo pela qual ele pode ser apreendido sob a noção geral da sabedoria, poder, bondade e misericórdia de Deus, mas aquela fé que foi anunciada pelos Apóstolos e registrada em seus escritos, e em tal salvador como foi pregado por aqueles primitivos heróis da salvação.

Eu não sou influenciado pelo menos pelo argumento pelo qual algumas pessoas professam-se induzidas a adotar a opinião, "que uma fé em Cristo assim particular e restrita, que é requerida de tudo aquilo que se torna os sujeitos da salvação, não concorda nem com a amplitude da misericórdia de Deus, nem com as condições de sua justiça, uma vez que muitos milhares de homens se afastam desta vida, antes que até mesmo o som do Evangelho de Cristo tenha chegado aos seus ouvidos ". Pois as razões e termos da Justiça Divina e da Misericórdia não devem ser determinadas pela medida limitada e superficial de nossas capacidades ou sentimentos; mas devemos deixar com Deus a livre administração e justa defesa desses próprios atributos. O resultado, no entanto, invariavelmente será o mesmo, de que maneira ele pode se contentar em administrar essas propriedades divinas - pois "ele sempre vencerá quando for julgado". (Rom. 3.4) Fora de sua palavra, devemos adquirir nossa sabedoria e informação. No primário, e em certos assuntos secundários, esta palavra descreve a necessidade da fé em Cristo, de acordo com a designação da justa misericórdia e da misericordiosa justiça de Deus. "Aquele que crê no Filho tem a vida eterna; e quem não crê no Filho não verá a vida; mas a ira de Deus está sobre ele." (João 3: 36). Este não é um relato do primeiro acendimento da ira de Deus contra este incrédulo voluntário; pois ele então merecia as mais severas expressões daquela ira pelos pecados que ele anteriormente cometera contra a lei; e essa ira "permanece sobre ele", por causa de sua contínua incredulidade, porque ele tinha sido favorecido com a oportunidade, bem como com o poder de ser liberto dela, através da fé no Filho de Deus. Novamente: Se não crerdes que eu sou ele, morrereis em vossos pecados. ”(João 8. 24) E, em outra passagem, Cristo declara:“ Esta é a vida eterna, para que eles conheçam o único Deus verdadeiro. e Jesus Cristo, a quem enviaste. "(João XVIII, 3). O Apóstolo diz:" Agradou a Deus, pela loucura da pregação, salvar os que creem. "A pregação assim descrita é a doutrina da cruz," para os judeus uma pedra de tropeço e até a insensatez dos gregos:

Mas aos que são chamados tanto judeus como gregos, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus: "(1 Coríntios 1:21,23,24). Esta sabedoria e este poder não são aqueles atributos que Deus empregou quando ele formaram o mundo, pois Cristo está aqui claramente distinto deles, mas eles são a sabedoria e o poder revelados naquele evangelho que é eminentemente "o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê" (Rom. 16). Não apenas a cruz de Cristo é necessária para solicitar e obter redenção, mas a fé na cruz também é necessária para obter posse dela.

A necessidade da fé na cruz não surge da circunstância da doutrina da cruz ser pregada e proposta aos homens; mas, desde que a fé em Cristo é necessária de acordo com o decreto de Deus, a doutrina da cruz é pregada, para que aqueles que acreditam nela possam ser salvos. Não somente por causa do decreto de Deus é necessária a fé em Cristo, mas também é necessário por causa da promessa feita a Cristo pelo Pai e de acordo com o Convênio que foi ratificado entre os dois. Esta é a palavra dessa promessa: "Pede-me, e eu te darei as nações por tua herança." (Salmo 2.8) Mas a herança de Cristo é a multidão de fiéis; "as pessoas que, nos dias de seu poder, voluntariamente virão a ele, nas belezas da santidade." (Salmos 110. 3) "em ti todas as nações serão abençoadas; assim também os que são da fé são abençoados com o fiel Abraão". (Gál. 3. 8 , 9) Em Isaías é da mesma forma declarou: "Quando, pois, a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade. Ele prolongará os seus dias, eo bom prazer do Senhor prosperará em suas mãos Ele verá do trabalho de sua alma e ficará satisfeito: pelo conhecimento de si mesmo [que é fé nele] o meu servo justo justificará a muitos, porque ele levará as suas iniquidades. ”(Isaías 11 : 10). 11) Cristo aduz o pacto que foi concluído com o Pai, e funda um apelo sobre ele quando diz: "Pai glorifica teu Filho, para que também teu Filho te glorifique; assim como lhe deste poder sobre toda a carne, ele deve dar a vida eterna a todos quantos você lhe deu. E esta é a vida eterna, "& c., & c. (João 17. 1,2,3,4). Cristo, portanto, pelo decreto, a promessa e o pacto do Pai, foi constituído o salvador de todos os que creem nele, segundo a declaração do Apóstolo: "E sendo aperfeiçoado ele se tornou o Autor da salvação eterna, a todos os que lhe obedecem."(Heb. 5. 9) Esta é a razão pela qual os gentios sem Cristo são considerados "alheios à comunidade de Israel, e estranhos aos convênios da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo". No entanto, através da fé, "aqueles que em algum momento estavam tão distantes e em trevas" são considerados próximos, e "agora são luz no Senhor". (Efes. 2. 12 , 13 e 5, 8.) É necessário, portanto, lutar fervorosamente pela Necessidade da religião cristã, como para o altar e a âncora de nossa salvação, a fim de que não tenhamos sofrido a Filho para ser tirado de nós e da nossa fé, devemos também ser privados do Pai:

"Porque todo aquele que nega o Filho, também não tem o Pai." (1 João 2: 23). Mas se nós, no menor grau, coniventes com a diminuição ou limitação desta Necessidade, o próprio Cristo será levado ao desprezo entre os cristãos, seu próprio povo que professa; e será, por fim, totalmente negado e universalmente renunciado. Pois não é um caso de dificuldade tirar o mérito da salvação e o poder de salvar d'Ele a quem não somos compelidos por qualquer necessidade de oferecer nossos juramentos de lealdade. Quem acredita que não é necessário retornar graças àquele que conferiu um benefício? Não, que não professa aberta e confiantemente, que ele não é o Autor da salvação, a quem não é necessário reconhecer nessa capacidade. A união, portanto, de ambos os objetos, Deus e Cristo, deve ser fortemente impelida e aplicada em nossa teologia cristã; tampouco se pode suportar que sob qualquer pretexto eles sejam totalmente desapegados e afastados uns dos outros, a menos que desejemos que o próprio Cristo seja separado e retirado de nós, e que sejamos privados imediatamente dele e de nossa própria salvação.

O presente assunto exigiria que nós apresentássemos brevemente a sua vista todas e cada uma das partes das quais a consideração deste objeto deveria consistir, e a ordem na qual elas deveriam ser colocadas diante de nossos olhos; mas não estou disposto a deter este auditório mais famoso e concorrido por uma oratória mais prolixa.

Como, portanto, maravilhosamente grande é a dignidade, majestade, esplendor e plenitude da teologia, e especialmente da nossa teologia cristã, em razão de seu duplo objeto que é Deus e Cristo, é justo e apropriado que todos aqueles que se gloriam na título de "homens formados à imagem de Deus", ou no muito mais augusto título de "cristãos" e "homens regenerados segundo a imagem de Deus e de Cristo, devem mais seriamente e com ardente desejo aplicar-se ao conhecimento desta Teologia e que eles não devem pensar em nenhum objeto mais digno, agradável ou útil do que isso, para engajar sua atenção laboriosa ou despertar suas energias, pois o que é mais digno do homem, que é a imagem de Deus, do que estar se refletindo perpetuamente. em seu grande arquétipo? O que pode ser mais agradável, do que ser continuamente irradiado e iluminado pelos raios salutares de seu Padrão Divino? O que é mais útil do que, por essa iluminação, ser assimilado cada vez mais ao original celestial? De fato, não há qualquer coisa cujo conhecimento possa ser mais útil do que isso, na própria busca por ele; ou, quando descoberto, pode ser mais lucrativo para o possuidor. Que emprego é mais digno e digno de nota em uma criatura, um servo e um filho do que passar dias e noites inteiros na obtenção de um conhecimento de Deus, seu Criador, seu Senhor e seu Pai? O que pode ser mais decoroso e agradável naqueles que são redimidos pelo sangue de Cristo, e que são santificados pelo seu Espírito, do que diligentemente e constantemente meditarem em Cristo, e sempre carregá-lo em suas mentes e corações, e também em suas línguas?

Estou plenamente consciente de que essa vida animal requer a descarga de várias funções; que a superintendência deles deve ser confiada àquelas pessoas que irão executar cada um deles para o benefício comum da república; e que o conhecimento necessário para o correto gerenciamento de todos esses deveres, só pode ser adquirido por meio de estudos continuados e muito trabalho. Mas se as pessoas a quem a administração dessas preocupações foi oficialmente cometida reconhecerão o princípio importante - que, em preferência a todas as outras, devem ser buscadas as coisas que pertencem ao reino de Deus e à sua justiça (Mt. 6:33) eles vão confessar que a sua facilidade e lazer, suas meditações e cuidados, devem ceder a precedência para este estudo importante. Embora o próprio Davi fosse o rei de um povo numeroso e envolvido em várias guerras, ele nunca deixou de cultivar e perseguir esse estudo em detrimento de todos os outros. Para o benefício que ele tinha derivado de uma prática tão judiciosa, ele atribui a porção de sabedoria que ele obteve, e que era "maior que a de seus inimigos". (Salmo 119. 98) e por isso também "ele tinha mais compreensão do que todos os seus professores." (99.) Os três tratados mais nobres que Salomão compôs, até hoje são lidos pela Igreja com admiração e agradecimento; e eles testificam a grande vantagem que o autor real obteve do conhecimento das coisas divinas, enquanto ele era o principal magistrado do mesmo povo no trono de seu pai. Mas, uma vez que, de acordo com a opinião de um imperador romano, "nada é mais difícil do que governar bem", o que justamente alguém será capaz de oferecer pela negligência de um estudo, ao qual até os reis poderiam dedicar seu tempo e atenção. Tampouco é maravilhoso que eles tenham agido assim; porque se dedicavam a esse proveitoso e agradável estudo pelo mandamento de Deus; e o mesmo mandamento divino foi imposto a todos e a cada um de nós, e é igualmente obrigatório. É uma das observações de Platão, que "as comunidades gozariam por fim da felicidade e da prosperidade, seja quando seus príncipes e ministros de Estado se tornassem filósofos, ou quando filósofos fossem escolhidos como ministros de Estado e conduzissem os assuntos do governo". Podemos transferir esse sentimento com muito mais justiça à teologia, que é a verdadeira e única sabedoria em relação às coisas divinas.

Mas estas nossas admoestações mais particularmente dizem respeito a vocês, jovens excelentes e instruídos que, por desejo de seus pais ou patronos, e por seu próprio desejo expresso, foram devotados, separados e consagrados a este estudo; não cultivá-lo meramente com diligência, para promover sua própria salvação, mas para que, em algum período futuro, você possa se qualificar para ocupar-se da ocupação elegível (que é mais agradável a Deus) de ensinar, instruir e edificar. a Igreja dos santos - "que é o corpo de Cristo e a plenitude daquele que cumpre tudo em todos." (Efésios 1:23) Que a extensão e a majestade do objeto, que por direito merecido envolve todos os nossos poderes, sejam constantemente colocados diante dos vossos olhos; e não sofrer nada para ser considerado mais glorioso do que passar dias inteiros e noites adquirindo o conhecimento de Deus e seu Cristo, já que as glórias verdadeiras e permissíveis consistem neste conhecimento Divino. Refletir quais grandes preocupações devem ser aquelas em que os anjos desejam olhar. Considere, do mesmo modo, que você está agora formando uma entrada para si mesmo em uma comunhão, pelo menos de nome, com esses seres celestiais, e que Deus em pouco tempo o chamará para o emprego para o qual você está se preparando, o que é um grande objeto de minhas esperanças e desejos em relação a você.

Propõem a vós mesmos a imitação do instrumento escolhido por Cristo, o apóstolo Paulo, a quem vocês, com a maior disponibilidade, reconhecem como vosso professor, e que se manifesta inflamado com um desejo tão intenso de conhecer a Cristo, que ele não apenas sustentou todas as coisas mundanas. em pequena estima quando colocado em competição com este conhecimento, mas também "sofreu a perda de todas as coisas, para que ele pudesse ganhar o conhecimento de Cristo". (Filipenses 3: 8). Veja Timóteo, seu discípulo, a quem ele felicita por esse relato - "que de uma criança ele conhecera as sagradas escrituras". (2 Tim. 3. 15) Você já alcançou uma parte da mesma bem-aventurança; e você fará mais avanços nisso, se decidir receber as admoestações e executar a acusação que aquele grande mestre dos gentios dirige a Timóteo.

Mas este estudo requer não apenas diligência, mas santidade e um desejo sincero de agradar a Deus. Pois o objeto com o qual você lida, no qual você está olhando e que deseja conhecer, é sagrado - não, é o santo dos santos. Poluir coisas sagradas é altamente indecente; É desejável que as pessoas por quem tais coisas são administradas não lhes comuniquem qualquer mancha de impureza. Os antigos gentios quando estavam prestes a oferecer sacrifício estavam acostumados a exclamar,

"Longe, portanto, deixe o profano partir!"

Esse cuidado deve ser reiterado por você, por uma razão mais sólida e legítima quando você oferecer sacrifícios ao Deus Altíssimo e ao seu Cristo, diante do qual também o santo coro de anjos repetirá em voz alta aquela canção consagrada três vezes " Santo, Santo, Santo, Senhor Deus Todo-Poderoso! Enquanto você estiver envolvido neste estudo, não permita que suas mentes sejam seduzidas por outras atividades e por diferentes objetos. Exercite-se, continue exercitando-se nisto, com uma mente atenta ao que lhe foi proposto de acordo com o desenho deste discurso. Se você fizer isso, no decorrer de um curto período de tempo você não se arrependerá do seu trabalho; mas você fará tal progresso no caminho do conhecimento do Senhor, como te tornará útil aos outros. Pois "o segredo do Senhor é com aqueles que o temem". (Salmo 25. 14) Não, da própria circunstância desta atenção incessante, você será capaz de declarar, que você "escolheu a parte boa que por si só não deve ser tirada de você" (Lucas 10. 42), mas que receberá diariamente um novo aumento. Sua mente será tão expandida pelo conhecimento de Deus e de seu Cristo, que eles se tornarão, no futuro, a mais ampla habitação para Deus e Cristo através do Espírito.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 1.

Disponível em CCEL.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: