A grandeza do homem


A grandeza do homem é enorme, pois ele sabe que é miserável. É então miserável saber-se miserável; mas também é ótimo saber que alguém é infeliz. Todas essas mesmas misérias provam a grandeza do homem. Eles são as misérias de um grande senhor, de um rei deposto. Nós não somos miseráveis sem sentir isso. Uma casa arruinada não é miserável. O homem só é infeliz. Nós temos uma ideia tão grande da alma do homem que não podemos suportar ser desprezados, ou não sermos estimados por qualquer alma; e toda a felicidade dos homens consiste nessa estima. A maior baixeza do homem é a busca da glória. Mas é também a maior marca de sua excelência; pois, quaisquer que sejam as posses que possua na terra, qualquer que seja a saúde e o conforto essencial, ele não fica satisfeito se não tiver a estima dos homens. Ele valoriza tanto a razão humana que, quaisquer que sejam as vantagens que possa ter sobre a terra, ele não fica contente se também não for altamente classificado no julgamento do homem. Esta é a melhor posição do mundo. Nada pode afastá-lo desse desejo, que é a qualidade mais indelével do coração do homem. E aqueles que mais desprezam os homens, e os colocam em um nível com os brutos, ainda desejam ser admirados e acreditados pelos homens, e se contradizem por seus próprios sentimentos; sua natureza, que é mais forte que todos, convencendo-os da grandeza do homem mais à força do que a razão convence-os de sua baixeza.

Por: Blaise Pascal
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: