Aplicação: o dever da catequização e instrução do rebanho - II

Artigo II

MOTIVOS DAS DIFICULDADES DO TRABALHO

Tendo declarado a você a primeira classe de razões, extraídas dos benefícios do trabalho, chego ao segundo tipo, que é retirado das dificuldades. Se estes, de fato, foram tomados sozinhos, confesso que podem ser desalento em vez de motivos; mas levando-os com aqueles que precedem e seguem, o caso é bem diferente: pois as dificuldades devem suscitar maior diligência em um trabalho necessário.

E dificuldades encontraremos muitas, tanto em nós mesmos como em nosso povo; mas porque são coisas tão óbvias, que sua experiência não lhe deixará espaço para duvidar delas, eu as passarei em poucas palavras.

1. Deixe-me notar as dificuldades em nós mesmos.

(1) Em nós mesmos há muita indolência e preguiça, de modo que não será fácil fazer com que sejamos fiéis em um trabalho tão duro. Como um preguiçoso na cama, que sabe que ele deve se levantar, e ainda assim demora e ficaria tanto tempo quanto puder, nós também, por deveres aos quais nossa natureza corrupta é avessa. Isso nos colocará no uso de todos os nossos poderes. Mera preguiça amarrará as mãos de muitos.

(2) Temos uma disposição humana agradável, que nos fará deixar que os homens pereçam, a fim de que não percamos seu amor, e deixá-los ir em silêncio para o inferno, para não deixá-los irados conosco por buscar sua salvação; se arriscar no desagrado de Deus e arriscar a infelicidade eterna de nosso povo, em vez de nos atrair para sua má vontade. Essa enfermidade deve ser diligentemente combatida.

(3) Muitos de nós temos também uma tímida timidez, o que nos faz retroceder para começar com eles e falar claramente a eles. Somos tão modestos, tão corajosos, que coramos para falar por Cristo, ou para contradizer o diabo, ou para salvar uma alma, enquanto, ao mesmo tempo, nos envergonhamos menos de obras vergonhosas.

(4) Somos tão carnais que somos atraídos por nossos interesses carnais a sermos infiéis na obra de Cristo, para que não diminuamos nossa renda, nem causemos problemas a nós mesmos, nem criemos pessoas contra nós, ou coisas semelhantes. Todas essas coisas requerem diligência para resistir a elas.

(5) Somos tão fracos na fé que este é o maior impedimento de todos. É por isso que, quando devemos nos colocar em um homem para sua conversão com toda a nossa força, se não houver o despertar da incredulidade dentro de nós, se existe um céu e um inferno, mas pelo menos a crença deles é tão fraca que dificilmente despertará em nós um zelo amável, decidido e constante, de modo que todo o nosso movimento seja fraco, porque a primavera da fé é tão fraca. Ó, o que precisa, portanto, ter ministros para si mesmos e para o seu trabalho, para olhar bem para sua fé, especialmente que o assentimento deles à verdade da Escritura, sobre as alegrias e tormentos da vida por vir, seja sã e viva.

(6) Por fim, temos comumente muita inabilidade e incapacidade para este trabalho. Ai! quão poucos sabem como lidar com um homem ignorante e mundano, por sua conversão! Para entrar dentro dele e ganhar sobre ele; para adequar nosso discurso à sua condição e temperamento; para escolher os assuntos do encontro, e segui-los com uma santa mistura de seriedade, e terror, e amor e mansidão e seduções evangélicas - oh! quem está apto para tal coisa? Eu professo seriamente, parece-me, pela experiência, uma questão tão difícil de conferir com uma pessoa tão carnal, a fim de sua mudança, quanto a pregar tais sermões, como ordinariamente fazemos, se não muito mais. Todas essas dificuldades em nós mesmos devem nos despertar para santa resolução, preparação e diligência, a fim de não sermos vencidos por eles e impedidos de ou na obra.

2. Tendo notado essas dificuldades em nós mesmos, mencionarei agora algumas que encontraremos em nosso povo.

(1) Muitos deles estarão obstinadamente indispostos a serem ensinados; e escárnio para vir a nós, como sendo bom demais para ser catequizado, ou velho demais para aprender, a menos que lidemos sabiamente com eles em público e privado, e estudemos, pela força da razão, e o poder do amor, para conquistar sua perversidade.

(2) Muitos que estão dispostos são tão monótonos que mal conseguem aprender uma folha de um catecismo por um longo tempo e, portanto, se afastarão, envergonhados de sua ignorância, a menos que sejamos sábios e diligentes em encorajá-los.

(3) E quando eles vêm, tão grande é a ignorância e incompreensão de muitos, que você achará muito difícil fazê-los entender você; de modo que, se você não tiver a arte feliz de deixar as coisas claras, você as deixará tão ignorantes quanto antes.

(4) E, ainda assim, mais difícil você acha que funciona as coisas em seus corações, e para colocá-los tão em casa para suas consciências, a fim de produzir essa mudança salvadora, que é nosso grande objetivo e sem o qual nosso trabalho está perdido. Oh que bloco, que rocha é um coração carnal e endurecido! Quão fortemente ela resistirá às mais poderosas persuasões, e ouvirá da vida eterna ou morte, como uma coisa de nada! Se, portanto, você não tem grande seriedade, fervor, e matéria poderosa e aptidão de expressão, que bem você pode esperar? E quando você tiver feito tudo, o Espírito da graça deve fazer o trabalho. Mas como Deus e os homens geralmente escolhem instrumentos adequados à natureza do trabalho ou fim, assim o Espírito de sabedoria, vida e santidade não costuma trabalhar por instrumentos carnais tolos, mortos, mas por tais persuasões de luz e vida. e pureza como são mais para si, e para o trabalho que deve ser feito por meio disso.

(5) Por último, quando você tiver feito algumas impressões desejáveis em seus corações, se você não olhar para elas e tiver um cuidado especial com elas, seus corações logo voltarão à sua antiga dureza, e seus antigos companheiros e tentações destruirão todos novamente. Em suma, todas as dificuldades do trabalho de conversão, que você usa para familiarizar o seu povo, estão diante de nós em nosso trabalho atual.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 3 - Aplicação

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: