Aplicação: o dever da catequização e instrução do rebanho - IV

Artigo IV

A APLICAÇÃO DESTES MOTIVOS 

Tendo encontrado tantas e tão poderosas razões para nos mover para este trabalho, eu agora as aplicarei mais para nossa humilhação e excitação.

1. Que causa devemos ter sangrar diante do Senhor neste dia, que negligenciamos tão grande e boa obra por tanto tempo; que fomos ministros do evangelho por tantos anos, e fizemos tão pouco por instrução pessoal e conferência para a salvação das almas dos homens! Se antes tivéssemos nos debruçado sobre esse negócio, quem sabe quantas almas poderiam ter sido trazidas a Cristo e quão felizes nossas congregações poderiam ter sido? E por que não podemos ter feito isso antes e agora? Confesso que havia muitos impedimentos em nosso caminho, e assim ainda há, e haverá, enquanto há um diabo para tentar, e um coração corrupto no homem para resistir à luz: mas se o maior impedimento não tivesse sido em nós mesmos, Mesmo em nossas próprias trevas e monotonia e indisposição para o dever e nossa divisão e inaptidão para fechar para a obra de Deus, vejo não, mas muito poderia ter sido feito antes disso. Nós tivemos o mesmo Deus para nos comandar, e os mesmos miseráveis ​​objetos de compaixão, e a mesma liberdade dos governadores como agora temos. Nós pecamos e não temos justa desculpa para o nosso pecado; e o pecado é tão grande, porque o dever é tão grande que devemos ter medo de pedir desculpas. O Deus da misericórdia nos perdoa e todo o ministério da Inglaterra, e não coloca esta ou qualquer das nossas negligências ministeriais sob nossa responsabilidade! Oh, que ele cobriria toda a nossa infidelidade e, pelo sangue do pacto eterno, lavaria nossa culpa do sangue das almas; que quando o chefe dos pastores aparecer, poderemos estar diante dele em paz e não seremos condenados pela dispersão do seu rebanho. E oh, que ele levantaria sua controvérsia, a qual ele tem contra os pastores de sua Igreja, e não trate o pior com eles por causa de nós, nem permita que minadores ou perseguidores os dispersem, pois eles sofreram que suas ovelhas fossem dispersas; e que ele não se importará tão pouco por nós, como fizemos pelas almas dos homens; nem pense que sua salvação é boa demais para nós, pois pensamos muito em nosso trabalho e sofrimento para a salvação dos homens!

Como tivemos muitos dias de humilhação na Inglaterra pelos pecados da terra e pelos julgamentos que nos aconteceram, espero ouvirmos que Deus humilhará mais completamente o ministério, e os fará lamentar suas próprias negligências, e Separe alguns dias através da terra para esse fim, para que eles não pensem o suficiente para lamentar os pecados dos outros, enquanto eles negligenciam os seus; e que Deus não pode abominar nossas solenes humilhações nacionais, porque elas são administradas por guias desordenados; e que podemos primeiro prevalecer com ele por um perdão para nós mesmos, para que possamos ser os mais aptos a implorar o perdão dos outros.

E oh, para que possamos expulsar o excremento de nosso orgulho, contenda, egoísmo e ócio; para que Deus não ponha nossos sacrifícios como esterco em nossas faces e nos lance fora como o excremento da terra, como nos últimos tempos fez muitos outros por uma advertência para nós; e que podemos resolver em concordância para consertar nosso ritmo, antes de nos sentirmos mais afiados do que até agora.

2. E agora, irmãos, o que devemos fazer para o tempo futuro, mas negar nossa carne preguiçosa e despertar-nos para a obra diante de nós. A colheita é grande, os trabalhadores são poucos; os humildes e dificultadores são muitos, as almas dos homens são preciosas, a miséria dos pecadores é grande, e a miséria eterna a que estão perto é maior, as alegrias do céu são inconcebíveis, o conforto de um ministro fiel não é pequeno, a alegria do sucesso extensivo será uma recompensa completa. Ser cooperadores com Deus e seu Espírito não é pouca honra; subservar o derramamento de sangue de Cristo para a salvação dos homens não é uma coisa leve. Liderar os exércitos de Cristo através do mais espesso inimigo; para guiá-los com segurança através de um deserto perigoso; conduzir os navios através de tais tempestades e rochas e areias e prateleiras, e trazê-lo a salvo para o porto de repouso, não exige pouca habilidade e diligência. Os campos agora parecem brancos até a colheita; as preparações que foram feitas para nós são muito grandes; a estação de trabalho é mais calma do que a maioria das eras antes de nós alguma vez termos visto. Nós já demoramos descuidadamente por muito tempo; o tempo presente está afixando; enquanto estamos nos movendo, os homens estão morrendo; oh quão rápido eles estão passando para outro mundo! E não há nada em tudo isso para nos despertar para o nosso dever, nada para nos resolver a diligência rápida e incansável? Podemos pensar que um homem pode ser muito cuidadoso e doloroso sob todos esses motivos e compromissos? Ou esse homem pode ser um instrumento adequado para a iluminação de outros homens, que é ele mesmo tão cego? ou para o despertar de outros, que é ele mesmo tão sem sentido? O que, senhores! sois vós, homens de sabedoria, tão enfadonhos quanto as pessoas comuns? e precisamos acumular uma multidão de palavras para persuadi-lo a um dever conhecido e pesado? Alguém poderia pensar que deveria ser o suficiente para colocar você no trabalho, para mostrar uma linha no Livro de Deus; para provar que é a vontade dele; ou para provar a você que o trabalho tem uma tendência para promover a salvação dos homens. Alguém poderia pensar que a própria visão de seus miseráveis ​​vizinhos seria motivo suficiente para prolongar seus esforços mais compassivos para o alívio deles. Se um aleijado faz, mas abre suas feridas, e mostra a você seus membros incapacitados, ele o moverá sem palavras; e não será o caso das almas que estão perto da condenação movê-lo? Ó igreja feliz, se os médicos fossem apenas curados; e se não tivéssemos muito daquela infidelidade e estupidez contra a qual pregamos diariamente nos outros; e fomos mais bem persuadidos daquilo que persuadimos os outros; e foram mais profundamente afetados com as coisas maravilhosas com as quais iríamos afetá-los!

Existiam apenas tais impressões claras e profundas em nossas próprias almas daquelas coisas gloriosas que nós pregamos diariamente, oh que mudança faria em nossos sermões, e em nosso curso privado de vida! Oh, que coisa miserável é para a Igreja e para eles mesmos, que os homens devem pregar do céu e do inferno, antes de acreditarem firmemente que existem tais coisas, ou de terem sentido o peso das doutrinas que pregam! Espantaria um homem sensato pensar sobre o que importa para o que pregamos e falamos; o que é para a alma passar desta carne, e aparecer diante de um Deus justo, e entrar em alegria imutável ou tormento imutável! Oh, com que pensamentos surpreendentes os homens agonizantes apreendem essas coisas! Como tais assuntos devem ser pregados e discursados? Oh, a gravidade, a seriedade, a diligência incessante, que essas coisas exigem! Eu não sei o que os outros pensam deles; mas, da minha parte, sinto vergonha de minha estupidez, e me pergunto por não lidar com as almas próprias e alheias, como alguém que busca o grande dia do Senhor; e que eu possa ter espaço para quase todos os outros pensamentos ou palavras; e que assuntos tão surpreendentes não absorvem totalmente minha mente. Admiro-me em como posso pregá-los com ligeireza e frieza, e como posso deixar os homens sozinhos em seus pecados, e não vou a eles, e suplico-lhes, por amor do Senhor, que se arrependam, como quiserem, e quaisquer que sejam as dores ou problemas que isso possa me custar! Eu raramente saio do púlpito, mas minha consciência me diz que não fui mais sério e fervoroso em tal caso. Acusa-me não tanto por falta de ornamentos ou elegância, nem por deixar cair uma palavra inesgotável; mas me pergunta: "Como você pode falar da vida e da morte com esse coração? Como você poderia pregar do céu e do inferno de uma maneira tão descuidada e sonolenta? Você acredita no que você diz? És tu sincero ou em tom de brincadeira? Como você pode dizer às pessoas que o pecado é tal coisa, e que muita miséria está sobre elas e diante delas, e não ser mais afetado por ela? Não deverias chorar sobre tal povo, e não devem tuas lágrimas interromper as tuas palavras? Não deverias tu chorar em voz alta, e mostrar-lhes as suas transgressões, e suplicar e suplicar-lhes como por vida e morte? 'Verdadeiramente, esta é a repique que a consciência toca em meus ouvidos, e ainda assim minha alma sonolenta não será despertada.

Oh, que coisa é um coração sem sentido e endurecido! Ó Senhor, livra-nos da praga da infidelidade e da dureza de coração de nós mesmos, ou então como seremos os instrumentos adequados para salvar os outros dela? Oh, faça isso em nossas próprias almas, o que você usaria para fazer nas almas dos outros! Chego a confundir-me ao pensar que diferença existe entre minhas apreensões do leito de enfermidade e minhas apreensões no púlpito, da vida por vir; que sempre isso pode parecer tão leve para mim agora, o que parecia tão grande e espantoso, então, e sei que o fará novamente quando a morte me olhar na cara, quando ainda assim eu diariamente conheço e penso naquela hora que se aproxima; e, no entanto, esses pressentimentos não recuperarão tais apreensões operantes! Ó senhores, certamente, se todos vocês conversaram com a vizinha Morte quantas vezes eu fiz, e como freqüentemente receberam a sentença em si mesmos, vocês teriam uma consciência inquieta, se não uma vida reformada, quanto à sua diligência e fidelidade ministerial; e você teria algo dentro de você que freqüentemente lhe faria perguntas como estas: "É toda a sua compaixão pelos pecadores perdidos? Não farás mais para procurá-los e salvá-los? Não há tal e tal - oh quantos ao seu redor! - que ainda são os filhos visíveis da morte? Que tens dito a eles, ou feito por sua conversão? Eles morrerão e estarão no inferno antes que você fale a eles uma palavra séria para impedir isto? Eles te amaldiçoarão para sempre, que não mais a tempo de salvá-los?

Esses gritos de consciência ecoam diariamente em meus ouvidos, embora o Senhor saiba que eu os tenho muito pouco lhes obedecido. O Deus da misericórdia me perdoa e me desperta, com o resto de seus servos que foram pecaminosamente negligentes. Confesso à minha vergonha que raramente ouço a campainha do que está morto, mas a consciência me pergunta: "O que fizeste pela salvação daquela alma antes de deixar o corpo? Há mais um ido a julgamento; o que tu preparaste para o julgamento? ”e, no entanto, fui preguiçoso e atrasado para ajudá-los a sobreviver. Como você pode escolher, quando você está colocando um cadáver na sepultura, mas pense consigo mesmo: "Aqui está o corpo; mas onde está a alma? e o que fiz por isso antes de partir? Fazia parte da minha carga; que conta posso dar a ela?

Ó senhores, é uma pequena questão para você responder perguntas como essas? Pode parecer agora, mas a hora está chegando quando não parecerá assim. "Se nossos corações nos condenam, Deus é maior que nossos corações", e nos condenará muito mais, mesmo com outro tipo de condenação do que a consciência. A voz da consciência é uma voz calma, e a sentença de consciência é uma sentença suave, em comparação com a voz e a sentença de Deus. Ai! a consciência vê apenas um pouco do nosso pecado e miséria, em comparação com o que Deus vê. Que montanhas essas coisas apareceriam para suas almas, que agora parecem um montículo? Que raios estariam em seus olhos, que agora parecem motes, se você os visse com uma luz mais clara? (Não me atrevo a dizer: Como Deus os vê.) Podemos facilmente mudar para defender a causa com consciência e suborná-la ou cumprir sua sentença; mas Deus não é tão facilmente tratado, nem sua sentença tão facilmente suportada. "Pelo que recebemos" e pregamos "um reino que não pode ser movido, tenhamos a graça pela qual possamos servir a Deus aceitavelmente, com reverência e temor piedoso; porque o nosso Deus é um fogo consumidor. ”Mas porque você não dirá que eu te chamo com os insetos e lhe falo dos perigos e terrores quando não há nenhum, eu vou mostrar aqui a certeza e segurança dessa condenação que é como Passemos a pastores negligentes, particularmente quantos estarão prontos para se levantar contra nós e nos condenar, se de agora em diante formos intencionais negligenciadores desta grande obra.

(1) Nossos pais, que nos destinaram ao ministério, nos condenarão e dirão: "Senhor, nós os dedicamos a teu serviço, e eles fizeram pouco caso e se serviram".

(2) Nossos mestres que nos ensinaram, nossos tutores que nos instruíram, as escolas e universidades onde vivemos e todos os anos que passamos em estudo, levantar-se-ão em julgamento contra nós e nos condenarão; porque tudo isso foi feito, mas pela obra de Deus.

(3) Nossa aprendizagem e conhecimento e dons ministeriais nos condenarão; pois para que fim nos tornamos participantes destes, mas para a obra de Deus.

(4) Nosso compromisso voluntário, o encargo das almas, nos condenará; porque todos os homens devem ser fiéis à confiança que assumiram.

(5) Todo o cuidado de Deus por sua Igreja, e tudo o que Cristo fez e sofreu por isto, se levantará em julgamento contra nós, se formos negligentes e infiéis, e nos condenar; porque por nossa negligência nós os destruímos por quem Cristo morreu.

(6) Todos os preceitos e encargos da Sagrada Escritura, todas as promessas de assistência e recompensa, todas as ameaças de punição, se levantarão contra nós e nos condenarão; porque Deus não falou tudo isso em vão.

(7) Todos os exemplos dos profetas e apóstolos, e outros pregadores registrados nas Escrituras, e todos os exemplos dos servos fiéis e diligentes de Cristo nestes últimos tempos, e nos lugares ao nosso redor, se levantarão em julgamento e condenarão. nos; pois todos estes foram para nossa imitação e para nos provocar a uma santa emulação na fidelidade e diligência ministerial.

(8) A Bíblia Sagrada que está aberta diante de nós, e todos os livros em nossos estudos que nos falam de nosso dever, direta ou indiretamente, condenarão o servo preguiçoso e não-proveitoso; porque não temos todas essas ajudas e móveis em vão.

(9) Todos os sermões que pregamos para persuadir nosso povo a realizar sua salvação com temor e tremor, colocar mãos violentas sobre a coroa da vida, e tomar o reino à força, para se esforçarem para entrar pela porta do estreito, e assim correr para obter, se levantará contra os infiéis e os condenará; porque, se é que isso lhes diz tão pouco que trabalhem pela sua salvação, não nos interessa quem tem o encargo de ser também violento, laborioso e esgotado na luta para ajudar na sua salvação? Vale a pena o trabalho deles, e paciência, e não vale também a nossa?

(10) Todos os sermões que pregamos a eles para expor o mal do pecado, o perigo de um estado natural, a necessidade de um Salvador, as alegrias do céu e os tormentos do inferno, sim, e a verdade do pecado. A religião cristã se levantará em juízo contra os infiéis e os condenará. E uma triste revisão será para eles mesmos, quando forem forçados a pensar: "Eu lhes falei de tão grandes perigos e esperanças em público, e não faria mais, em particular, para ajudá-los? O que? diga-lhes diariamente sobre a condenação e, ainda assim, deixe-os correr tão facilmente? Diga-lhes tal glória e mal fale uma palavra a eles pessoalmente, para ajudá-los nisso? Esses assuntos tão importantes comigo na igreja e questões tão pequenas quando cheguei em casa? Ah! isso será terrível auto-condenação.

(11) Todos os sermões que temos pregado para persuadir outros homens a tais deveres - como vizinhos para exortar uns aos outros diariamente, e pais e mestres para ensinar seus filhos e servos o caminho para o céu - se levantarão em juízo contra os infiéis, e condená-los; pois você persuadirá os outros a fazer aquilo que você não fará, tanto quanto puder, a si mesmo? Quando você os ameaça por negligenciar seu dever, quanto mais você ameaça suas próprias almas!

(12) Toda a manutenção que levamos para o nosso serviço, se formos infiéis, nos condenará; pois quem é que vai pagar um servo para ter o seu prazer, ou ficar ocioso, ou trabalhar para si mesmo. Se temos o velo, com certeza é que podemos cuidar do rebanho; e, ao receber o salário, nos obrigamos ao trabalho.

(13) Todo o testemunho que temos contra os escandalosos e negligentes ministros desta era, e todos os esforços que usamos para a sua remoção, condenarão os infiéis; porque Deus não faz acepção de pessoas. Se os conseguirmos em seus pecados, falamos tudo isso contra nós mesmos; e, como os condenamos, Deus e outros nos condenarão, se os imitarmos. E, embora não devamos ser tão maus como eles, será triste se formos como eles.

(14) Todos os juízos que Deus tem, nesta era, executados em ministros negligentes, diante de nossos olhos, nos condenarão, se formos infiéis. Por acaso ele fez os pastores ociosos e os drones sensuais federarem as narinas do povo? E ele nos honrará, se ficarmos ociosos e sensuais? Porventura os sequestrou e os expulsou de suas habitações e de seus púlpitos, e os deitou como mortos, enquanto ainda estão vivos, e os fez um assobio e uma palavra secreta na terra? E, no entanto, ousamos imitá-los Não são seus sofrimentos nossas advertências? e tudo isso não aconteceu com eles como um exemplo para nós? Se alguma coisa no mundo despertasse ministros para abnegação e diligência, parece que já vimos o suficiente para fazê-lo. Você teria imitado o velho mundo se tivesse visto o dilúvio que o afogou? Você teria se entregado aos pecados de Sodoma - ócio, orgulho, plenitude de pão - se você tivesse ficado parado, e visto as chamas que o consumiam subindo para o céu? Quem teria sido um Judas, que o viu enforcado e explodiu? E quem teria sido um hipócrita sacrilégio e mentiroso que viu Ananias e Safira morrerem? E quem não teria medo de contradizer o evangelho, que viu Elimas ferida com cegueira? E deveremos provar ministros ociosos e egoístas, quando vimos Deus flagelando tais coisas fora de seu templo e varrendo-as como sujeira nos canais? Deus me livre! Pois quão grande e quão múltipla será a nossa condenação?

(15) Por último, todos os dias de jejum e oração, que, nos últimos anos, foram mantidos na Inglaterra para uma reforma, levantar-se-ão em julgamento contra os não reformados, que não serão persuadidos à dolorosa parte do trabalho. Isto, eu confesso, é um agravamento tão pesado do nosso pecado, que me deixa pronto para tremer ao pensar nisso. Alguma vez houve uma nação na face da terra, que por tanto tempo e tão solenemente seguiu a Deus com jejum e oração, como fizemos? Antes do parlamento começar, curvar-se com frequência e fervoroso estávamos em segredo! Depois disso, por muitos anos juntos, tivemos um jejum mensal comandado pelo parlamento, além de frequentes jejuns privados e públicos em outras ocasiões. E o que foi tudo isso? O que quer que tenha sido, por algum tempo, o meio pelo qual olhamos, ainda assim o fim de todas as nossas orações foi a reforma da Igreja, e nisso, especialmente essas duas coisas, um ministério fiel e o exercício da disciplina na Igreja. E uma vez ele entrou nos corações das pessoas, ou mesmo em nossos próprios corações, para imaginar, que quando tivéssemos tudo o que teríamos, e o assunto fosse colocado em nossas próprias mãos, para sermos tão dolorosos quanto pudemos, e para exercer que disciplina nós faríamos, então não faríamos nada além de pregar publicamente? que nós não estaríamos nas dores de catequizar e instruir nosso povo pessoalmente, nem exercer qualquer parte considerável de disciplina? Surpreende-me pensar nisso. Que profundidade de engano é o coração do homem! O que? Os corações dos bons homens são tão enganosos? Todos os corações dos homens são tão enganosos? Confesso que contei a muitos soldados e outros homens sensuais que, embora tivessem lutado por uma reforma, eu estava confiante de que eles iriam aborrecê-la e ser inimigos dela quando a vissem e sentissem; pensando que o jugo da disciplina teria beliscado seus pescoços, e que, quando eles eram catequizados e pessoalmente tratados e reprovados por seus pecados, em público e privado, e trazidos à confissão pública e ao arrependimento, ou evitados como impenitentes, eles despreze e despreze tudo isso e tome o jugo de Cristo pela tirania; mas pouco eu achava que os ministros deixariam cair, e não colocariam quase nada disso sobre eles; mas deixe-os sozinhos por medo de desagradá-los, e deixem todos correr como antes.

Oh, as fervorosas orações que ouvi por um ministério doloroso e por disciplina! Era como se eles tivessem lutado pela própria salvação. Sim, eles geralmente chamavam disciplina, 'o reino de Cristo, ou o exercício de seu ofício real em sua igreja', e assim pregavam e oravam por isso, como se o estabelecimento de disciplina houvesse sido o estabelecimento do reino de Cristo. . E então pensei que eles se recusariam a configurá-lo quando pudessem? O que! é o reino de Cristo agora contado entre as coisas indiferentes?

Se o Deus do céu, que conhecia nossos corações, tivesse, em meio a nossas orações e clamores, em um de nossos jejuns mensais públicos, retornou-nos esta resposta, com sua voz terrível, na audiência da assembléia: 'Você enganoso pecadores de coração! Que hipocrisia é essa, me cansar com seus gritos por aquilo que você não terá, se eu lhe desse; e assim erguer suas vozes para aquilo que suas almas abominam! O que é a reforma, mas a persuasão instrutiva e inoportuna dos pecadores para entreter o meu Cristo e a graça, como oferecidos a eles, e o governo da minha Igreja de acordo com a minha palavra? No entanto, estes, que são o seu trabalho, você não será persuadido a, quando você chegar a achá-lo problemático e ingrato. Quando te entrego, não sou eu, mas vós mesmos que servireis; e devo ser tão sincero para persuadi-lo a reformar a Igreja, cumprindo seu próprio dever, como você é sincero comigo para lhe conceder liberdade para reforma. E, quando tudo estiver terminado, você o deixará desfeito, e demorará muito para que você seja persuadido ao meu trabalho. ”Se o Senhor, ou algum mensageiro dele, tivesse nos dado tal resposta, não teria nos espantado? ? Não nos pareceria crível que nossos corações fossem como agora eles provam? E não diríamos, como Hazael, "teu servo és um cão, que ele deveria fazer isso" ou como Pedro: "Embora todos os homens te abandonem, eu não o farei?" Bem, irmãos, triste experiência nos mostrou nossa fragilidade. Recusamos a parte problemática e custosa da reforma pela qual oramos; mas ainda assim Cristo volta e olha com um olhar misericordioso para nós. Oh, que tivéssemos ainda os corações imediatamente para sair e chorar amargamente, e não fazer mais como fizemos, para que uma coisa pior não venha sobre nós; e agora seguir a Cristo, a quem nós até agora abandonamos, por meio do trabalho e do sofrimento, embora tenha sido para a morte!

Assim, mostrei-lhe o que acontecerá se você não se dedicar fielmente a esse trabalho, ao qual está submetido a tantas obrigações e compromissos; e que coisa indiscutível será nossa negligência, e quão grande e múltipla será a condenação a que nos exporemos. Verdadeiramente, irmãos, se não percebi que a obra é de grande importância para vós, para o povo e para a glória de Deus, não teria incomodado-te com tantas palavras, nem teria pretendido falar assim. agudamente como eu fiz. Mas quando a questão é sobre a vida e a morte, os homens tendem a esquecer sua reverência e cortesia e elogios e boas maneiras. De minha parte, eu entendo que esta é uma das melhores e maiores obras que eu já coloquei na minha vida; e eu realmente penso que, se os seus pensamentos são como os meus, você não pensará que minhas palavras são muito ou muito aguçadas. Eu me lembro bem do tempo em que eu era sincero pela reforma das questões de cerimônia; e, se eu estivesse com frio em um assunto tão substancial como este, quão desordenado e desproporcional meu zelo apareceria! Ai! Podemos pensar que a reforma é feita quando lançamos algumas cerimônias e mudamos algumas vestimentas, gestos e formas! Oh não, senhores! é a conversão e a salvação de almas que é nosso negócio. Essa é a parte mais importante da reforma, que é o melhor e é a que mais contribui para a salvação do povo.

E agora, irmãos, o trabalho está diante de vocês. Nestas instruções pessoais de todo o rebanho, assim como na pregação pública, isso consiste. Outros fizeram sua parte, e suportaram seu fardo, e agora vem no seu. Você pode facilmente ver quão grande é a matéria em suas mãos, e quantas serão prejudicadas por sua falha em seu dever, e quanto será perdido pela preservação de seu trabalho. Se o seu trabalho valer mais do que as almas dos homens, e que o sangue de Cristo, então fique quieto, e não olhe para o ignorante ou o ímpio; siga seu próprio prazer ou negócios mundanos, ou fique à vontade; não desafie os pecadores, nem a sua própria carne, mas deixe os seus vizinhos afundar ou nadar; e, se a pregação pública não os salvar, deixe-os perecer. Mas, se o caso for muito diferente, é melhor você olhar para você.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 3 - Aplicação

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: