Teodiceia


Por: Richard Swinburne

Não apenas a maioria das pessoas precisam de argumentos positivos em favor da existência de Deus, se quiserem ter uma boa razão para acreditar que existe um Deus, mas também precisam de motivos para acreditar que os argumentos contra a existência de Deus não funcionam. E isso, em particular, significa fundamentos para acreditar que argumentos contra a existência de Deus a partir do fato de que há muita dor e outros sofrimentos no mundo não funcionam. Como muitos outros filósofos, tentei produzir uma "teodicéia" (uma explicação de por que um bom Deus permitiria o sofrimento), entre outros lugares, em Is There a God?. Tentei mostrar que não é improvável que, se houvesse um Deus, tal sofrimento ocorreria.

A estrutura básica da minha teodiceia, que é relevante para os capítulos subsequentes do presente livro*, é a seguinte: Um bom Deus que cria seres humanos não quer apenas nos fazer felizes (no sentido de fazer o que queremos fazer). Ele quer que sejamos boas pessoas e que sejamos felizes em sermos pessoas boas, e ele também quer que nos tornemos pessoas boas por nossas próprias escolhas. Deus quer nos dar uma responsabilidade profunda por nós mesmos e pelos outros. E ele quer que escolhamos exercer nossa responsabilidade da maneira correta. Então ele assume um grande risco conosco. Ele nos dá livre-arbítrio e poder para fazer a diferença para o nosso próprio futuro e para o futuro um do outro, e deixa para nós como escolhemos exercer nosso poder. Nossas escolhas, como observei anteriormente, são influenciadas por nossos desejos, mas, dado que temos livre-arbítrio, elas não são totalmente determinadas por elas. Só podemos ter uma responsabilidade profunda por nós mesmos se tivermos o poder de arruinar nossas vidas (por exemplo, tomando heroína), ou, alternativamente, viver vidas muito valiosas. Só podemos ter responsabilidade pelos outros se realmente depender de nós irmos bem ou mal com os outros; então devemos ter o poder de prejudicá-los ou negligenciá-los, assim como o poder de beneficiá-los. E se quisermos ter uma grande responsabilidade, Deus deve permitir que nos machuquemos muito um ao outro. Os seres humanos são feitos de tal forma que cada vez que fazemos uma boa escolha, torna-se mais fácil fazer uma boa escolha da próxima vez; e cada vez que fazemos uma má escolha, torna-se mais fácil fazer uma má escolha da próxima vez. Se eu disser a verdade hoje, quando estiver difícil, será mais fácil fazê-lo novamente amanhã. Mas se eu mentir hoje, será mais difícil evitar mentir amanhã. Então, gradualmente, ao longo do tempo, nós mudamos os desejos que nos influenciam, e podemos eventualmente formar uma personalidade muito boa ou uma personalidade muito ruim.

No entanto, se o único sofrimento no mundo fosse aquele causado por seres humanos (ou permitido ocorrer por negligência humana), muitos de nós não teríamos muita oportunidade de fazer aquelas escolhas cruciais que são tão importantes para formar nossas personalidades. Os seres humanos precisam da dor e da incapacidade causadas pela doença e pela velhice se quisermos ter a oportunidade de escolher livremente sermos pacientes e alegres, ou ficarmos tristes e ressentidos, diante do nosso próprio sofrimento; e a oportunidade de escolher livremente mostrar ou não mostrar compaixão a outros que sofrem, e dar ou não dar nosso tempo e dinheiro para ajudá-los. Deus não pode fazer o logicamente impossível: ele não pode nos dar liberdade para ferir um ao outro e, ao mesmo tempo, garantir que não o faremos. Portanto, se Deus quer nos dar os grandes bens que descrevi, ele deve nos fornecer maus desejos, dor e outros sofrimentos em força significativa - pelo menos durante o curto período de nossas vidas terrenas. Eu não estou afirmando que ele deve fornecer essas coisas ruins, apenas que ele deve fornecê-las se ele também nos der as grandes coisas boas. Estou inclinado a pensar que seria uma melhor ação igual para Deus criar os humanos com os grandes bens que descrevi juntamente com as coisas ruins que devem acompanhá-los, e uma melhor ação igual para Deus não criar seres humanos com as coisas boas ou as ruins..

Como nosso criador e benfeitor que provê para nós vidas cheias de tantas coisas boas, Deus tem o direito de impor a alguns de nós coisas ruins - não apenas maus desejos, mas sofrimento - e permitir que sejamos magoados por outros, se isto é necessário para o nosso próprio bem-estar ou o bem-estar dos outros. Os pais têm um direito muito limitado de permitir que seus filhos sofram por causa de algum bem para os outros. Eles têm o direito de mandar uma filha para uma escola de bairro, da qual ela não desfrutará muito, a fim de consolidar as relações comunitárias. E eles têm o direito de confiar um filho mais jovem aos cuidados de um filho mais velho, mesmo que haja um risco de que o filho mais velho machuque o filho mais novo em algum grau, a fim de que o filho mais velho possa ter a responsabilidade pelo seu irmão mais novo. No entanto, é um grande privilégio ser útil a outra pessoa, não apenas pelo que você escolhe fazer, mas pelo que lhe é permitido sofrer. A menina enviada para a escola vizinha tem o privilégio de poder contribuir para consolidar as relações com a comunidade por meio de sua educação menos agradável. Os direitos dos pais sobre os filhos são, no entanto, muito limitados, porque é apenas de forma muito limitada que eles são a fonte da existência e bem-estar de seus filhos. Deus, que mantém os seres humanos em existência de momento a momento e lhes dá todos os seus poderes e liberdade limitados, tem um direito muito maior de impor sofrimento aos humanos para algum bom propósito. Mas na minha opinião, o direito de Deus de impor o sofrimento também é limitado: ele deve proporcionar vidas para nós em que haja mais bem do que mal. Quando levamos em conta o grande benefício da própria vida e o grande benefício para quem sofre do privilégio de ser útil aos outros, haverá poucas vidas terrenas nas quais o mal excede o bem (exceto nos casos em que uma pessoa escolhe viver uma vida desse tipo). Mas se há seres humanos em cujas vidas (não como consequência de suas próprias escolhas) o mal excede o bem, Deus tem a obrigação de dar a esses seres humanos pelo menos uma vida limitada após a morte em que o bem excede o mal; e em sua onipotência ele pode e deve fazer isso.

Tal é o esboço muito amplo da minha teodiceia. Uma teodiceia é uma parte necessária de uma teologia natural, que a maioria de nós precisa se quisermos ter uma boa razão para acreditar que existe um Deus.


* Was Jesus God?

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: