Ad Hick

John Hick¹ observa que eu afirmo o exclusivismo cristão: eu aceito o cristianismo clássico (ou "o cristianismo puro e simples" de C. S. Lewis) e, naturalmente, rejeito como falsa qualquer proposta incompatível com ele. Agora, no artigo que Hick critica, argumentei que nenhuma das objeções morais e epistêmicas comumente feitas contra o exclusivismo é de todo bem-sucedida; todos eles falham. Hick parece concordar que essas objeções não são de fato convincentes (embora ele ressalte que é perfeitamente possível aceitar a crença cristã de uma maneira arrogante, assim como é possível ser um pluralista arrogante). Ele afirma, no entanto, que perdi completamente a questão central aqui: "A escala de argumentação filosófica que leva a essa conclusão sugere que Plantinga se supõe abordar a questão central entre exclusivismo religioso e pluralismo religioso. Mas, na verdade, seu argumento não até mesmo chegar à vista da questão central." Bem, eu pensava que essa era a questão central aqui, ou de qualquer forma uma questão central: muitos pluralistas argumentam que há algo moralmente ou epistemicamente errado com o exclusivismo cristão - é injustificável, arbitrário, irracional ou arrogante ou algo do gênero - e eu estava tentando responder às críticas deles. Se não há nada moralmente ou epistemicamente errado com o exclusivismo, o que deveria ser o problema?

Hick não diz no presente artigo qual é esse problema central, então escrevi uma carta para ele e perguntei a ele. Ele graciosamente respondeu que o problema central, para o exclusivista, é "como dar sentido ao fato de que existem outras grandes religiões mundiais, crença em cujos princípios é epistemologicamente bem fundamentada como crença no sistema doutrinário cristão, e cuja moral e os frutos espirituais nas vidas humanas parecem ser tão valiosos quanto os da fé cristã". Mas então, dado que essas crenças incompatíveis com o cristianismo são "tão epistemologicamente bem fundamentadas" quanto a crença cristã, é arbitrário insistir, como eu, que a crença cristã é verdadeira e as crenças incompatíveis com ela são falsas; é tratar coisas similarmente relevantes de maneira diferente. Ele acrescenta que "a arbitrariedade dessa posição é sublinhada pela consideração de que, na grande maioria dos casos, a religião à qual uma pessoa adere depende dos acidentes de nascimento". O problema básico, então, é este: os princípios fundamentais das outras grandes religiões mundiais são "epistemologicamente tão bem fundamentados" quanto a crença cristã; mas o exclusivista, no entanto, aceita apenas um desses conjuntos de crenças, rejeitando os outros; e isso é arbitrário.

Mas se esse é o problema do exclusivista, então lidei com ele no artigo a que Hick se refere (em inglês). Argumentei que o exclusivista não é, de fato, meramente arbitrário, porque ela não acredita que visões incompatíveis com o dela sejam lisamente epistemologicamente fundamentadas "como suas crenças cristãs". Ela pode concordar que as opiniões dos outros parecem tão verdadeiras quanto o dela faz com ela mesma, eles têm todos os mesmos marcadores internos como o dela própria. Ela pode concordar ainda que esses outros são justificados, não desrespeitando nenhum dever epistêmico, em acreditar como eles fazem. Ela pode concordar ainda mais que ela não sabe de qualquer argumentos que os convenceriam de que estão errados e ela está certa. Entretanto, ela acha que sua própria posição não é apenas verdadeira, e, portanto, dialeticamente superior a visões incompatíveis com ela, mas também superior do ponto de vista epistêmico: como então ela cair na arbitrariedade?

Deixe-me examinar brevemente esse assunto de um ângulo ligeiramente diferente. Primeiro, não está claro o que Hick está reivindicando aqui. Ele está afirmando que o fato é que não há qualquer diferença epistêmica relevante entre a crença cristã e essas outras crenças (se o exclusivista sabe disso ou não) e, portanto, a postura do exclusivista é arbitrária? Ou ele está afirmando que o próprio exclusivista concorda que não há diferença epistêmica relevante entre seus pontos de vista e os dos dissidentes, mas aceita os seus de qualquer maneira, caindo assim na arbitrariedade? Se o primeiro, então presumivelmente, Hick precisaria de alguma razão ou argumento para alegar que, de fato, as crenças do exclusivista não são epistemicamente superiores às visões incompatíveis com as dela. O exclusivista provavelmente pensa que ele foi epistemicamente favorecido de alguma forma; ele acredita no que faz com base em algo como as sensus divinitatis² de Calvino; ou talvez a testemunha interna do Espírito Santo; ou talvez ele pense que o Espírito Santo preserva a igreja cristã de um erro grave, pelo menos no que diz respeito aos fundamentos da crença cristã; ou talvez ele pense que foi convertido pela graça divina, de modo que agora vê o que antes lhe era obscuro - uma bênção não concedida até agora aos dissidentes. Se alguma dessas crenças é verdadeira, então a crença cristã não está epistemicamente a par com essas outras crenças. E se Hick quer alegar que a crença cristã realmente não é melhor baseada, epistemicamente, do que essas outras crenças, ele presumivelmente nos deve um argumento para a conclusão de que essas alegações de privilégio epistêmico são de fato falsas. Além disso, é muito provável que, se a crença cristã é verdadeira, então os cristãos estão em uma posição melhor, epistemicamente falando, do que aqueles que rejeitam a crença cristã; então o que Hick realmente nos deve é ​​um bom argumento com respeito a cuja conclusão é muito improvável que a crença cristã seja verdadeira. Eu não vejo como ele poderia oferecer tal argumento, e aposto que ele também não oferece.

Bem, talvez Hick queira abraçar o outro disjunto; Sua ideia é que o exclusivista se reconhece que as opiniões incompatível com os seus são lias epistemologicamente bem fundamentada", como o seu, mas aceita-los de qualquer maneira. Mas isso é injusto para o exclusivista. Se ele estava de acordo que estas outras opiniões são como epistemologicamente bem fundamentada como ele próprio, então talvez ele fosse de fato arbitrário, mas é claro que ele não. No artigo, considerei a analogia com as crenças morais. Acredito que é completamente errado discriminar as pessoas com base em sua raça ou avançar minha carreira mentindo sobre meus colegas, eu percebo que há aqueles que discordam de mim, estou preparado para admitir que suas opiniões têm para eles as mesmas marcas internas que a minha tem para mim (eles têm essa qualidade de parecer verdade); Também estou preparado para admitir que eles são justificados em sustentar essas crenças, no sentido de que, ao sustentá-las, não estão desrespeitando quaisquer deveres epistêmicos.Portanto, penso que suas visões morais são epistemologicamente tão baseadas quanto minhas próprias?

Certamente não. Mesmo admitindo que essas crenças são epistêmicas em relação às propriedades mencionadas acima, não acredito que sejam em relação a outras propriedades epistêmicas. Eu acho que talvez o racista seja vítima de uma má educação que de alguma forma o cega para o que ele veria de outra maneira; ou talvez ele sofra de uma certa falha cognitiva que o impede de ver a verdade aqui. Eu acho que o mesmo vale para a pessoa que acha apropriado mentir sobre seus colegas para avançar em sua carreira: ele também foi criado mal, ou foi cegado pela ambição, ou não tem amigos e confidentes do tipo certo, ou sofre de um ponto cego moral congênito. Em qualquer dos casos, afirmo que eles não estão tão bem posicionados, epistemicamente falando, como eu; daí as suas visões contrárias não são tão bem baseadas, epistemologicamente falando, como as minhas. E porque eu acho que essas coisas, eu não estou arbitrariamente sustentando que as visões que vejo não são melhores baseadas, epistemicamente falando, do que outras inconsistentes com elas. Estou talvez enganado, mas não arbitrário.

O mesmo acontece em relação a posições religiosas incompatíveis com as minhas. Acredito (às vezes com medo e tremores) que eles não são tão bem fundamentados, epistemicamente falando, quanto minhas crenças. (Algo semelhante vale para visões filosóficas diferentes das minhas; eu também acredito mais uma vez, com medo e tremor, já que aqueles que discordam de mim são algumas vezes filosoficamente mais realizados que eu - que algum ponto cego ou algum outro impedimento epistêmico os impede de ver a verdade. Eu acredito que os cristãos são epistemicamente afortunados de uma maneira em que aqueles que discordam deles não são. Mas é claro que não estou na posição claramente arbitrária de pensar que as visões não-cristãs são epistemologicamente tão bem fundadas quanto as crenças cristãs, mas de maneira auto-indulgente preferem as últimas de qualquer maneira.

E suponho que algo do mesmo deve ser verdade para Hick. Ele difere da vasta maioria da população do mundo ao pensar que todas as grandes religiões (e a maioria das não-grandes também) são literalmente falsas. (Sem dúvida ele também pensa exclusivisticamente que visões incompatíveis com esta são falsas.) Agora, talvez ele ache que tem uma boa razão para essa visão: o fato de que existe toda essa diversidade, a melhor explicação para isso é que todos eles têm coisas literalmente erradas, mesmo que muitas sejam salvificamente eficazes. Mas é claro que outros têm essa mesma evidência e não acham que seja uma boa razão para a visão em questão. Além disso, há chances de que Hick esteja preparado para admitir que esses outros não estão desdenhando nenhum dever epistêmico em acreditar como eles fazem, e que os marcadores internos de suas visões para eles são como os marcadores internos para sua própria visão; mais ainda, ele sem dúvida percebe que não pode produzir argumentos que convencerão os outros de que, na verdade, o que ele considera ser uma boa razão para seu pluralismo é realmente uma boa razão para isso.

Ele está, portanto, sendo arbitrário em continuar acreditando como ele? Não necessariamente. Ele presumivelmente acha que aqueles que discordam dele simplesmente não conseguem ver algo que ele vê; eles sofrem de um ponto cego em uma área onde ele não o faz; talvez eles não estejam prontos, psicologicamente falando, para esse ar frio e estimulante de ceticismo em relação às crenças que herdaram dos mais velhos. De qualquer forma, e seja qual for a explicação, ele está de alguma forma em uma melhor posição epistêmica, ele pensa, do que aqueles que discordam dele, mesmo que ele não possa mostrar a eles que ele é. Ele pode estar errado (na minha opinião, ele está errado), mas ele não está sendo meramente arbitrário; ele não está tratando diferentemente as coisas que ele vê como iguais.

Mas então o mesmo vale para o cristão. Ele acredita que aqueles que discordam dele não têm algum benefício epistêmico ou graça que ele tenha; daí ele não está sendo meramente arbitrário. Ele acha que essas opiniões opostas são menos bem fundadas, epistemologicamente, do que as suas próprias.

Finalmente, apenas uma palavra sobre a sugestão de Hick de que, se eu tivesse nascido em outro lugar e, quando tivesse, teria tido diferentes crenças: ele acha que isso deveria me fazer pausas sobre as crenças que de fato tenho. Eu apontei em meu trabalho que se Hick tivesse nascido em outro lugar e, quando, provavelmente não teria sido um pluralista, de modo que, por seu próprio princípio, ele deveria pensar duas vezes (ou mais) sobre seu pluralismo. Ele responde que está pensando apenas em crenças com as quais se é educado, e não apenas em crenças que se tem. Bem, eu não tenho certeza se é uma diferença relevante, mas vamos concordar com isso no momento. E mais uma vez vamos considerar as crenças morais. Sem dúvida Hick, como eu, foi criado para acreditar que a intolerância racial está errada. Agora é bastante provável que os locais de tempo mais relevantes sejam de tal ordem que, se ele e eu tivéssemos sido criados lá e logo, teríamos opiniões bastante diferentes sobre esse assunto. Isso significa que devemos olhar nossa tolerância com suspeita especial? Talvez nós devêssemos; mas se, depois de um cuidadoso pensamento e consideração de oração, ainda nos parecer que a intolerância racial é errada, injusta e moralmente repugnante, não há nada arbitrário em continuarmos a rejeitar o racismo. Mas então por que deveria ser diferente para a crença cristã?


Alvin Plantinga


Notas de tradução:

¹John Hick (1922-2012) - Teólogo reformado britânico, ex-professor da Princeton Theological Seminary, conhecido pelo trabalho em epistemologia, teodiceia e pluralismo religioso - tendo sido neste último campo, diversas vezes, confrontado por ser ou aparentar ser universalista.

²Na perspectiva de Calvino, não existe uma não-crença razoável. O sensus divinitatis é usado para argumentar que não existem verdadeiros ateus. Plantinga postula uma forma modificada do sensus divinitatis, segundo a qual todos têm o sentido, só que não funciona adequadamente em alguns humanos, devido aos efeitos noéticos do pecado.

~

[ Artigo original: Ad Hick, publicado na revista Faith and Philosophy, University of Notre Dame, 1997. Disponível em Andrew Bailey. ]

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: