Da lei e do evangelho

Que devemos ter cuidado com os sofismas

Se, disse Lutero, marcarmos diligentemente o mundo e o curso do mesmo, descobriremos que ele é governado meramente por divagações ou vaidades, Mundus regitur opinionibusPortanto, sofismas, hipocrisia e tirania governam e têm o governo no mundo.
A Palavra Divina pura, pura e clara deve ser sua serva e ser por eles controlada; isso o mundo terá. Portanto, tenhamos cuidado com sofismas, que consistem não apenas em uma língua dupla, em palavras duvidosas e feridas, que podem ser interpretadas de qualquer maneira, mas também florescem e florescem em todas as artes e vocações; da mesma forma, ele terá espaço e lugar na religião; ela usurpou e obteve uma bela cor pintada, sob o nome de escritura sagrada.
Nada é mais pernicioso ou doloroso do que a sofística; cada um não sabe; Além disso, somos por natureza inclinados e dispostos a acreditar em mentiras e não na verdade. Poucas pessoas sabem o que é um sofisma maligno. Platão, o escritor pagão, fez dela uma definição maravilhosa. De minha parte, disse Lutero, eu comparo isso com uma mentira, que é como uma bola de neve, quanto mais tempo ela é enrolada, maior ela se torna.
Portanto, eu não aprovo tais pessoas que pervertem tudo, subvalorizam e encontram defeitos nas opiniões de outros homens, embora sejam boas e sadias; Eu não gosto de tais cérebros que podem disputar de ambos os lados e, no entanto, concluir nada de certo. Tais sofisticações, disse Lutero, não são nada além de invenções e artifícios engenhosos e sutis para enganar e enganar as pessoas.
Mas eu gosto e amo uma mente honesta e afetada, que busca a verdade de forma simples e clara, para não se envolver com fantasias e truques de trapaça.

Se devemos pregar apenas da Graça e Misericórdia de Deusou não

Philip Melancthon exigiu de Lutero se a opinião de Calixtus deveria ser aprovada, ou seja, que o Evangelho da Graça de Deus deveria ser continuamente pregado. Por isso, sem dúvida, disse Melancthon, as pessoas iriam piorar cada vez mais. Lutero respondeu-lhe e disse: Devemos pregar Gratiam, não obstante, porque Cristo o ordenou. E embora anunciemos e muitas vezes preguemos a graça, mas quando as pessoas estão no ponto da morte, elas sabem pouco disso. No entanto, devemos também continuar com os Dez Mandamentos no devido tempo e lugar.
O ímpio, disse Lutero, do Evangelho, chupa apenas uma liberdade carnal, e se torna pior assim; portanto não o Evangelho, mas a Lei pertence a eles. Como quando o meu filhinho, João, ofende; se, pois, não o açoitasse, mas o chamasse à mesa, e lhe desse açúcar e ameixas, assim o faria pior, e o consumiria.
O Evangelho é como um ar fresco, suave e frio no calor extremo do verão, isto é, um consolo e conforto na angústia da consciência. Mas como este calor procede dos raios do sol, assim também o aterrorizante da consciência deve proceder da pregação da Lei, até o fim podemos saber que temos ofendido as Leis de Deus.
Agora, disse Lutero, quando a mente é refrescada e vivificada novamente pelo ar frio do Evangelho, então não devemos ficar ociosos, deitar e dormir; isto é, quando nossas consciências estão assentadas em paz, acalmadas e consoladas pelo espírito de Deus, então devemos mostrar também e provar nossa fé por meio de tais boas obras que Deus ordenou. Mas enquanto vivermos neste vale de miséria, seremos atormentados e atormentados com moscas, besouros e vermes etc., isto é, com o diabo, com o mundo e com nossa própria carne; todavia, devemos prosseguir e não nos permitir recuar.

Contra os opositores da lei

Condeno muito, disse Lutero, os antinomianos, que, sem motivo de vergonha, rejeitam a doutrina da Lei, ao passo que o mesmo é necessário e proveitoso. Mas eles não vêem o efeito, a necessidade e o fruto dele. Santo Austin imaginou a força, o ofício e a operação da Lei, por uma perfeita semelhança, a saber, que ela descobre nossos pecados e a ira de Deus contra o pecado, e os coloca à nossa vista; porque a lei não está em falta, mas nossa natureza perversa e perversa, mesmo como um monte de lima, é calma e quieta até que a água seja derramada sobre ela, mas então começa a fumar e a queimar, não que seja culpa da água mas é a natureza e o tipo de cal que não aguentará a água; mas, se derramar óleo sobre ela, ela ficará quieta e não queimará. Mesmo assim é com a Lei e o Evangelho. É uma similitude extremamente justa.

Da fé das crianças

As criancinhas, disse Lutero, permanecem nos melhores termos com Deus Todo-Poderoso a respeito de suas vidas e fé. Nós velhos tolos apaixonados nos atormentamos e temos tristeza de coração com nossas disputas, tocando a Palavra, seja ela verdadeira ou não: “Como isso pode ser possível?” Etc. Mas as crianças com fé pura e simples realmente têm o mesmo certo e verdadeiro, sem duvidar.
Agora, se pretendemos ser salvos, devemos, de acordo com seu exemplo, nos entregar apenas à Palavra. Mas o espírito mau e astuto, antes de estarmos conscientes, pode, como um mestre, tirar o mesmo de nós, apresentando novos negócios e negócios para nos manter em ação. Portanto, era melhor que morrêssemos em breve e ficássemos cobertos de pás.
Os filhos amorosos vivem inocentemente, não conhecem pecados, são sem malícia, ira, cobiça e incredulidade, etc. Portanto, são alegres e possuem uma boa consciência; eles não temem perigo, sejam guerras, pestes ou mortes.
Eles tomarão uma maçã em vez de uma coroa; o que eles ouvem a respeito de Cristo, da vida por vir, etc., o mesmo eles crêem simples e claramente, e tagarelam alegremente disso. De onde Cristo fala a nós os idosos sinceramente para seguir seus exemplos, onde ele diz: “Qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de modo algum entrará nele”. Porque as crianças crêem corretamente, e Cristo as ama com seus esportes infantis. Pelo contrário, ele é um inimigo da sabedoria do mundo (Mt. xi.).

De um exemplo de fé no tempo da escassez

Em Eisleben, disse Lutero, conhecia bem uma matrona piedosa que, no tempo da última falta, com dois filhos, sofrera extrema necessidade e necessidade. Agora, quando ela tinha gasto toda a sua provisão, e não tinha mais nada para viver, ela aparou com seus filhos e foi em direção a um poço ou fonte para beber. Em sua ida, ela orou para que Deus tivesse prazer em preservar e mantê-la naquele tempo feroz de carência. No caminho que um homem conheceu, questionou e discutiu com ela se ela pensava em comer alguma coisa na fonte. Ela disse: “Sim, por que não? porque tudo é possível a Deus e fácil de ser feito; aquele que alimentou a grande multidão do povo de Israel quarenta anos com maná no deserto, ele também pode preservar a mim e a mim com o beber da água. ”Agora, como ela permaneceu firme nessa mente, o homem disse a ela:“ Eis aqui ! vendo que és tão confiante na fé, vai para casa e encontrarás três alqueires de farinha ”, etc. E de acordo com a palavra do homem, ela o encontrou.

Essa fé é a única regra na divindade

Existe apenas uma regra e um artigo na divindade. Aquele que não conhece bem não é divino: a saber, a fé correta e a confiança em Cristo. Fora deste artigo todos os outros fluem e emitem, e sem este artigo os outros não são nada. O diabo, disse Lutero, se opôs a este artigo desde o começo do mundo e, por muito tempo, de bom grado o errou, e em vez disso riu em seu punho. Corações dolorosos, quebrantados, atormentados e irritados, disse Luther, apreciam bem este artigo, e só compreendem o mesmo.

Das conseqüências da fé

Crês tu? então tu falas ousadamente. Fala tu corajosamente? então tu deves sofrer. Sofre tu? então serás consolado. Pois, disse Lutero, a fé, a confissão e a cruz seguem uma após a outra.

Que os Inimigos do Evangelho devem Testemunhar a Doutrina da Fé, para queassim, só sejamos justificados diante de Deus

John Frederick, príncipe eleitor da Saxônia, disse-me ele mesmo, disse Lutero, que, como o príncipe João, o filho mais velho do príncipe Jorge, estava perto da hora de sua morte, desejava receber a comunhão sob ambos os tipos. Mas quando seu pai foi informado disso, ele fez um frade de Austin ser chamado para seu filho, dar-lhe boas instruções para a saúde de sua alma, e aconselhá-lo a receber o sacramento sub una espécie, ou sob um tipo, e que ele deveria dizer a seu filho que ele era o mesmo frade que estava particularmente familiarizado com Martinho Lutero, e estava muito familiarizado com ele; e, para melhor fazer o príncipe acreditar nele, o frade disse que o próprio Lutero havia aconselhado certas pessoas a receber a comunhão sob um único tipo. Agora, quando este bom e piedoso Príncipe foi assim lamentavelmente induzido a dar crédito às informações falsas do Frade, ele então recebeu a comunhão sob um tipo.
Mas quando o príncipe, seu pai, viu que seu filho se aproximava de seu último suspiro, e precisava morrer, então consolou seu filho com o artigo de justificação pela fé em Cristo, e colocou-o em mente para ter em conta apenas o Salvador do mundo, e totalmente para esquecer todas as suas próprias obras e desertos, e também para que ele banisse do seu coração a invocação dos santos.
Agora, quando o filho em sua consciência sentiu grande consolo e conforto com as admoestações de seu pai, ele perguntou a seu pai por que ele não fazia com que a mesma doutrina confortável fosse pregada abertamente em todos os seus países. Seu pai respondeu e disse: "Amorosa criança, devemos dizer assim apenas para aqueles que estão morrendo, e não para o som e saudável".
Pelo que, disse Lutero, eu disse ao Príncipe Eleitor que sua Alteza poderia perfeitamente discernir como nossos adversários voluntariamente se opõem à verdade conhecida. Albert, o Bispo de Mentz, e o Príncipe George sabem e confessam que nossa doutrina está de acordo com a Palavra de Deus, e, no entanto, porque não procede do Papa, eles a recusam; mas suas próprias consciências os derrubam no chão, portanto, disse Lutero, eu não os temo.

Do amor para o vizinho

O amor ao próximo, disse Lutero, deve ser como um amor puro e castiço entre a noiva e o noivo, onde todas as faltas são coniventes, cobertas e suportadas, e apenas suas virtudes são consideradas.
Respeitando cerimônias e ordenanças, o reino do amor deve ter precedência e governar, e não tirania. Deve ser um amor voluntário e não um amor de primeira linha;deve ser dirigido e interpretado para o bem e lucro do próximo; e quanto maior ele for que governa, mais, disse Lutero, ele deve servir segundo o amor.

Da frase“Dêe será dado a você."

Este é um discurso verdadeiro que torna as pessoas pobres e ricas; é aquilo que mantém a minha casa. Eu não deveria me gabar, disse Luther, mas sei muito bem o que dou no ano. Se meu gracioso senhor e senhor, o príncipe eleitor, desse a um cavalheiro dois mil florins, ele dificilmente manteria minha arrumação por um ano, e eu tenho apenas trezentos florins por ano; contudo, Deus dá o suficiente e o abençoa.
Existe na Áustria um monastério que antigamente era muito rico e permaneceu rico desde que de bom grado deu aos pobres; mas, quando cessou de dar, ficou pobre e até hoje. Descobriu-se que, não muito tempo depois, um homem pobre veio para lá e pediu esmolas, o que foi negado. O pobre homem exigiu a causa porque eles se recusaram a dar por amor a Deus. O porteiro pertencente ao mosteiro respondeu e disse: “Nós nos tornamos pobres”; então o pobre homem disse: “A causa de sua pobreza é esta: neste mosteiro vocês tiveram dois irmãos; aquele que você expulsou, e o outro se foi secretamente para longe de si mesmo. Pois depois que o único irmão, 'Dá' ( Data ), foi posto para fora e foi depositado, assim o outro irmão, 'Assim será dado' ( Dabitur ), também se perdeu. ”
E, de fato, o mundo é obrigado a ajudar o próximo de três maneiras - dando, emprestando e vendendo. Ninguém, porém, dá, mas rouba, desfalece e tudo atrai para si; de bom grado tomaria e roubaria, mas não daria nada; nenhum homem emprestará senão mediante usura. Ninguém vende, mas alcança o seu próximo, por isso Dabitur se foi, e o nosso Senhor Deus não abençoará mais tão ricamente. Amados, disse Lutero, aquele que pretende ter alguma coisa, o mesmo deve também dar; uma mão liberal nunca esteve em falta nem vazia.

Essa doação deve ser feita com um Coração livresem esperar um Requital

Em uma noite, Lutero, andando para o exterior para tomar o ar, deu esmola aos pobres. Doutor Jonas, estando com ele, também deu algo, e disse: “Quem sabe se Deus me dará de novo ou não?” Lutero, sorrindo, respondeu-lhe e disse: “Você fala como se Deus não tivesse lhe dado aquilo que você agora deu aos pobres. Nós devemos dar de forma livre e voluntária ”.

Da exposição do discurso do Profeta Isaías“Na quietude e na confiança estará sua força."

Esta frase foi exposta por Lutero desta maneira: Se tu pretendes vencer o maior, o inimigo mais abominável e mais perverso, que é capaz de fazer-te mal tanto em corpo como em alma, e contra quem tu preparas todo o tipo de armas, mas podes não supere, então saiba que há uma erva doce e amorosa que serve para o mesmo, e essa erva é chamada Patientia.
Mas dirás: “Como posso chegar a este estado físico?” Resposta - Toma para ti a fé que diz: “Nenhuma criatura pode me fazer mal sem a vontade de Deus.” Agora, caso você receba dano e prejuízo por seu inimigo, o mesmo é feito pela doce e graciosa vontade de Deus, de tal forma que o inimigo se magoa mil vezes mais. Daí resulta para mim, um cristão, o amor que diz: “Eu, em vez do mal que meu inimigo me faz, faço-lhe todo o bem que posso; Vou acumular brasas de fogo sobre a cabeça dele. ”Isto, disse Lutero, é a armadura e arma cristã, com a qual vencer e vencer aqueles inimigos que parecem ser enormes montanhas. Em uma palavra, o amor ensina a sofrer e suportar todas as coisas.

De conforto contra a inveja

Um certo homem honesto e temente a Deus em Wittemberg recentemente me falou, disse Lutero, ele vivia pacificamente com todos, não machucou ninguém, mas estava quieto e quieto; contudo, apesar disso, disse ele, muitas pessoas eram inimigas para ele. Eu consolei-o desta maneira e disse: Arme-se com paciência e não lhes dê motivo de inveja. Eu oro, que causa nós damos ao diabo? O que o faz ser tão grande inimigo para nós? mas somente porque ele não tem aquilo que Deus tem. Não conheço nenhuma outra causa de seu veemente ódio contra nós. Portanto, quando Deus te dá a comer, come; quando ele te fizer jejuar, tenha paciência; dá honra a ele;ferir ou vergonha, suportá-lo; lança-te para a prisão, não murmureis; ele fará de ti um senhor, segui-lo-á: volta-te para baixo, assim não te preocupes com isso, nem o consideras.

Essa paciência é necessária em cada particular

Eu, disse Lutero, devo ter paciência com o papa; Eu devo ter paciência com hereges e sedutores; Eu devo ter paciência com os cortesões que rugem; Tenho que ter paciência com meus criados: preciso ter paciência com Kate, minha esposa; para concluir, as patências são tantas que minha vida inteira não passa de paciência. O Profeta Isaías disse: "Em silêncio e esperança consiste em nossa força", isto é, ter paciência sob os sofrimentos: esperança e desespero não.
~
Por: Martinho Lutero
De: Table Talk (Tischreden). Edição de 1886, disponível em inglês em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: