Fragmentos polêmicos

856. Clareza, obscuridade. - Haveria muita escuridão, se a verdade não tivesse sinais visíveis. Este é maravilhoso, que sempre foi preservado em uma Igreja e em uma assembléia visível [de homens]. Haveria muita clareza, se houvesse apenas uma opinião nesta Igreja. Mas, para reconhecer o que é verdadeiro, basta olhar para o que sempre existiu; pois é certo que a verdade sempre existiu e que nada falso sempre existiu.

857. A história da Igreja deve ser apropriadamente chamada de história da verdade.

858. Há um prazer em estar em um navio espancado por uma tempestade, quando temos certeza de que não será o fundador. As perseguições que assediam a Igreja são desta natureza.

859. Além de tantos outros sinais de piedade, eles [1] também são perseguidos, o que é o melhor sinal de piedade.

860. A Igreja está em excelente estado, quando é sustentada somente por Deus.

861. A Igreja sempre foi atacada por erros opostos, mas talvez nunca ao mesmo tempo, como agora. E se ela sofre mais por causa da multiplicidade de erros, ela deriva disso, que eles se destroem.

Ela reclama de ambos, mas muito mais dos calvinistas, por causa do cisma.

É certo que muitas das duas seitas opostas são enganadas. Eles devem estar desiludidos.

A fé abrange muitas verdades que parecem se contradizer. Há um tempo para rir e um tempo para chorar, [2] etc. Responda. Ne respondeas, [3] etc.

A fonte disso é a união das duas naturezas em Jesus Cristo; e também os dois mundos (a criação de um novo céu e uma nova terra; uma nova vida e uma nova morte; todas as coisas dobra, e os mesmos nomes permanecem); e finalmente as duas naturezas que estão nos justos (pois são os dois mundos, e um membro e imagem de Jesus Cristo. E assim todos os nomes lhes convêm: justos, porém pecadores; mortos, porém vivos; vivos, porém mortos eleger, mas proscrito, etc.).

Há, então, um grande número de verdades, tanto de fé quanto de moralidade, que parecem contraditórias e que todas mantêm juntas em um sistema maravilhoso. A fonte de todas as heresias é a exclusão de algumas dessas verdades; e a fonte de todas as objeções que os hereges fazem contra nós é a ignorância de algumas de nossas verdades. E geralmente acontece que, incapazes de conceber a conexão de duas verdades opostas, e acreditando que a admissão de uma envolve a exclusão da outra, elas aderem a uma, excluem a outra e pensam em nós como opostas a elas. Agora a exclusão é a causa de sua heresia; e a ignorância de que temos a outra verdade causa suas objeções.

1º exemplo: Jesus Cristo é Deus e homem. Os arianos, incapazes de reconciliar essas coisas, que eles acreditam incompatíveis, dizem que Ele é homem; Nisto eles são católicos. Mas eles negam que Ele é Deus; nisso eles são hereges. Eles alegam que negamos sua humanidade; nisto eles são ignorantes.

2º exemplo: Sobre o tema do Santíssimo Sacramento. Acreditamos que, sendo a substância do pão mudada e sendo consubstancial à do corpo de nosso Senhor, Jesus Cristo está realmente presente. Essa é uma verdade. Outra é que este sacramento é também um tipo da cruz e da glória, e uma comemoração dos dois. Essa é a fé católica, que compreende essas duas verdades que parecem opostas.

A heresia de hoje, não concebendo que este Sacramento contém ao mesmo tempo tanto a presença de Jesus Cristo e um tipo Dele, e que é um sacrifício e uma comemoração de um sacrifício, acredita que nenhuma dessas verdades pode ser admitido sem excluir o outro por esse motivo.

Eles fixam a este ponto sozinhos, que este Sacramento é típico; e nisso eles não são hereges. Eles acham que excluímos essa verdade; daí vem que eles nos levantam tantas objeções das passagens dos Padres que a afirmam. Finalmente, eles negam a presença; e nisso eles são hereges.

3º exemplo: indulgências.

O caminho mais curto, portanto, para evitar heresias é instruir em todas as verdades; e a maneira mais certa de refutá-los é declarar todos eles. Pois o que os hereges dirão?

Para saber se uma opinião é do pai ...

862. Todos erram mais perigosamente, pois cada um deles segue uma verdade. Sua culpa não está em seguir uma mentira, mas em não seguir outra verdade.

863. A verdade é tão obscura nestes tempos, e a falsidade tão estabelecida que, a menos que amemos a verdade, não podemos conhecê-la.

864. Se há sempre um tempo em que devemos fazer profissão de duas verdades opostas, é quando somos repreendidos por omitir um. Portanto, os jesuítas e jansenistas estão errados em ocultá-los, mas os jansenistas mais ainda, pois os jesuítas têm melhorado a profissão dos dois.

865. Dois tipos de pessoas tornam as coisas iguais umas às outras, como festas a dias de trabalho, cristãos a sacerdotes, todas as coisas entre eles, etc. E daí a uma das partes conclui que o que é ruim para os sacerdotes também é para os cristãos, e o outro é que o que não é mau para os cristãos é lícito para os sacerdotes.

866. Se a Igreja antiga estava em erro, a Igreja caiu. Se ela deve estar em erro hoje, não é a mesma coisa; pois ela sempre tem a máxima superior da tradição das mãos da antiga Igreja; e assim esta submissão e esta conformidade com a antiga Igreja prevalecem e corrigem tudo. Mas a antiga Igreja não assumiu a futura Igreja e não a considerou, como assumimos e consideramos a antiga.

867. Aquilo que nos impede em comparar o que anteriormente ocorreu na Igreja com o que vemos lá agora, é que geralmente olhamos para Santo Atanásio [4], Santa Teresa, e os demais, coroados de glória, e agindo em relação a nós como de Deus. Agora que o tempo esclareceu as coisas, isso aparece. Mas na época em que ele foi perseguido, esse grande santo era um homem chamado Atanásio; e Santa Teresa era uma freira. "Elias era um homem sujeito a paixões como nós somos", diz Saint James, para desiludir os cristãos dessa falsa ideia que nos faz rejeitar o exemplo dos santos, desproporcionados ao nosso estado. "Eles eram santos", dizem nós, "eles não são como nós". O que então realmente aconteceu? Santo Atanásio era um homem chamado Atanásio, acusado de muitos crimes, condenado por tal e tal conselho por tal e tal crime. Todos os bispos concordaram com isso e finalmente o papa. O que eles disseram àqueles que se opunham a isso? Que eles perturbaram a paz, que criaram cisma, etc.

Zelo, luz. Quatro tipos de pessoas: zelo sem conhecimento; conhecimento sem zelo; nem conhecimento nem zelo; tanto zelo e conhecimento. Os três primeiros condenaram-no. Os últimos absolvidos, foram excomungados pela Igreja e ainda salvaram a Igreja.

868. Se Santo Agostinho veio no tempo presente, e foi tão pouco autorizado quanto seus defensores, ele não realizaria nada. Deus dirige bem a Sua Igreja, enviando-o antes com autoridade.

869. Deus não quis absolver sem a Igreja. Como ela faz parte da ofensa, Ele deseja que ela tenha parte no perdão. Ele a associa a esse poder, como reis a seus parlamentos. Mas se ela absolve ou liga sem Deus, ela não é mais a Igreja. Pois, como no caso do parlamento, mesmo que o rei tenha perdoado um homem, ele deve ser ratificado; mas se o parlamento ratifica sem o rei, ou se recusa a ratificar por ordem do rei, não é mais o parlamento do rei, mas uma assembléia rebelde.

870. A Igreja, o Papa. Unidade, pluralidade. - Considerando a Igreja como uma unidade, o Papa, que é a sua cabeça, é como um todo. Considerando-o como uma pluralidade, o Papa é apenas uma parte dele. Os Padres consideraram a Igreja agora de um jeito, agora no outro. E assim eles falaram diferentemente do papa. (São Cipriano: Sacerdos Dei.) Mas, ao estabelecer uma dessas verdades, eles não excluíram o outro. A pluralidade que não é reduzida à unidade é confusão; unidade que não depende da pluralidade é tirania. Não há praticamente nenhum outro país além do da França em que seja permissível dizer que o Conselho está acima do papa.

871. O papa é a cabeça. Quem mais é conhecido de todos? Quem mais é reconhecido por todos, tendo poder para se insinuar em todo o corpo, porque ele segura a filmagem principal, que se insinua em todos os lugares? Como foi fácil fazer isso degenerar em tirania! É por isso que Cristo estabeleceu para eles este preceito: Vos autem non sic. [5]

872. O papa odeia e teme os instruídos, que não se submetem a ele à vontade.

873. Não devemos julgar o que o papa é por algumas palavras dos Padres - como disseram os gregos em um conselho, regras importantes - mas pelos atos da Igreja e dos Padres e pelos cânones.

Duo aut tres in unum. [6] Unidade e pluralidade. É um erro excluir um dos dois, como fazem os papistas que excluem a pluralidade, ou os huguenotes que excluem a unidade.

874. Seria o papa desonrado por ter seu conhecimento de Deus e tradição; e não é desonroso separá-lo dessa união sagrada?

875. Deus não faz milagres na conduta ordinária de Sua Igreja. Seria um estranho milagre se a infalibilidade existisse em um homem. Mas parece tão natural residir em uma multidão, uma vez que a conduta de Deus está escondida sob a natureza, como em todas as Suas outras obras.

876. Os reis dispõem do seu próprio poder; mas os papas não podem dispor deles.

877. Summum jus, summa injuria.

A maioria é o melhor caminho, porque é visível e tem força para se fazer obedecer. No entanto, é a opinião dos menos capazes.

Se os homens pudessem ter feito isso, teriam colocado o poder nas mãos da justiça. Mas como não pode permitir-se ser administrado como os homens querem, porque é uma qualidade palpável, enquanto que a justiça é uma qualidade espiritual da qual os homens dispõem como quiserem, eles colocaram a justiça nas mãos do poder. E assim é chamado apenas o que os homens são obrigados a obedecer.

Daí vem o direito da espada, pois a espada dá um direito verdadeiro. Caso contrário, devemos ver a violência de um lado e a justiça do outro (final do XII Provincial). Daí vem a injustiça da Fronda, [7] que levanta sua alegada justiça contra o poder. Não é o mesmo na Igreja, pois há uma verdadeira justiça e nenhuma violência.

878. Injustiça. - A jurisdição não é dada por causa do juiz, mas por causa do litigante. É perigoso dizer isso ao povo. Mas as pessoas têm muita fé em você; não lhes fará mal e poderá servir-te. Por conseguinte, deve ser dado a conhecer. Pasce oves meas, [8] não tuas. Você me deve um pasto.

879. Homens gostam de certeza. Eles gostam que o papa seja infalível na fé e que os médicos sejam infalíveis na moral, para ter certeza.

880. A Igreja ensina e Deus inspira, ambos infalivelmente. O trabalho da Igreja é útil apenas como preparação para graça ou condenação. O que faz é o suficiente para condenação, não para inspiração.

881. Toda vez que os jesuítas podem impor ao papa, eles farão toda a cristandade perjurar.

O papa é muito facilmente imposto por causa de suas ocupações e da confiança que ele tem nos jesuítas; e os jesuítas são muito capazes de se impor a ele por meio da calúnia.

882. Os desgraçados que me obrigaram a falar da base da religião.

883. Pecadores purificados sem penitência; o justo justificado sem amor; todos os cristãos sem a graça de Jesus Cristo; Deus sem poder sobre a vontade dos homens; uma predestinação sem mistério; uma redenção sem certeza!

884. Qualquer um é feito sacerdote, quem quer ser assim, como sob Jeroboão. [9]

É horrível que nos proponham a disciplina da Igreja de hoje tão boa, que se faz crime desejar alterá-la. Anteriormente, era infalivelmente bom, e pensava-se que poderia ser mudado sem pecado; e agora, tal como é, não podemos desejar que isso mude! De fato, foi permitido mudar o costume de não fazer sacerdotes sem tal grande circunspecção, que quase não havia quem fosse digno; e não é permitido reclamar do costume que faz com que tantos sejam indignos!

885. Hereges. - Ezequiel. Todos os pagãos, e também o Profeta, falavam mal de Israel. Mas os israelitas estavam tão longe de ter o direito de dizer-lhe: "Você fala como os pagãos", que ele é mais firme sobre isso, que os pagãos dizem o mesmo que ele.

886. Os jansenistas são como os hereges na reforma da moralidade; mas você é como eles no mal.

887. Você é ignorante das profecias, se você não sabe que tudo isso deve acontecer; príncipes, profetas, papa e até os sacerdotes. E ainda assim a Igreja deve permanecer. Pela graça de Deus, não chegamos a isso. Ai destes sacerdotes! Mas esperamos que Deus conceda Sua misericórdia a nós de que não seremos deles.

São Pedro, 2: falsos profetas no passado, a imagem dos futuros.

888. ... Então, se é verdade, por um lado, que alguns monges negligentes, e alguns casuístas corruptos, que não são membros da hierarquia, estão mergulhados nessas corrupções, é, por outro lado, certo que os verdadeiros pastores da Igreja, que são os verdadeiros guardiões da Palavra Divina, a preservaram imutavelmente contra os esforços daqueles que tentaram destruí-la.

E assim, os verdadeiros crentes não têm pretexto para seguir essa frouxidão, que lhes é oferecida apenas pelas mãos estranhas desses casuístas, em vez da sã doutrina que lhes é apresentada pelas mãos paternais de seus próprios pastores. E os ímpios e hereges não têm base para publicar esses abusos como evidência de imperfeição na providência de Deus sobre a Sua Igreja; desde então, a Igreja consistindo propriamente no corpo da hierarquia, estamos tão longe de sermos capazes de concluir do presente estado de coisas que Deus a abandonou à corrupção, que nunca foi mais aparente do que no tempo presente que Deus protege-a visivelmente da corrupção.

Pois se alguns desses homens que, por uma extraordinária vocação, fizeram a profissão de se retirar do mundo e adotarem a vestimenta dos monges, para viver em um estado mais perfeito que os cristãos comuns, caíram em excessos que horrorizam os cristãos comuns. e tornou-se para nós o que os falsos profetas estavam entre os judeus; esta é uma desgraça privada e pessoal, que deve ser deplorada, mas da qual nada pode ser inferido contra o cuidado que Deus toma de Sua Igreja; já que todas estas coisas são tão claramente previstas, e já faz tanto tempo que anunciamos que essas tentações surgiriam de pessoas desse tipo; de modo que, quando estamos bem instruídos, vemos nessa evidência do cuidado de Deus mais do que o Seu esquecimento em relação a nós.

889. Tertuliano: Nunquam Ecclesia reformabitur.

890. Os hereges, que se aproveitam da doutrina dos jesuítas, devem saber que não é o da Igreja [a doutrina da Igreja] e que nossas divisões não nos separam do altar.

891. Se em diferentes condenamos, você estaria certo. Uniformidade sem diversidade é inútil para os outros; diversidade sem uniformidade é ruinosa para nós. Aquele é nocivo externamente; o outro interiormente.

892. Ao mostrar a verdade, fazemos com que seja acreditado; mas mostrando a injustiça dos ministros, nós não a corrigimos. Nossa mente é assegurada por uma prova de falsidade; nossa bolsa não é garantida pela prova de injustiça.

893. Aqueles que amam a Igreja lamentam ver a corrupção da moral; mas as leis pelo menos existem. Mas isso corrompe as leis. O modelo está danificado.

894. Os homens nunca fazem o mal tão completa e alegremente como quando o fazem da convicção religiosa.

895. É em vão que a Igreja estabeleceu estas palavras, anátemas, heresias, etc. Elas são usadas contra ela.

896. O servo não sabe o que faz o seu senhor, pois o mestre lhe diz apenas o ato e não a intenção. [10] E é por isso que ele freqüentemente obedece servilmente e derrota a intenção. Mas Jesus Cristo nos disse o objeto. E você derrota esse objeto.

897. Eles não podem ter perpetuidade e buscam a universalidade; e, portanto, corrompem toda a Igreja, para que sejam santos.

898. Contra aqueles que fazem mau uso de passagens da Escritura, e que se orgulham de encontrar uma que pareça favorecer seu erro. - O capítulo das Vésperas, Domingo de Páscoa, a oração pelo rei.

Explicação dessas palavras: "Aquele que não é comigo é contra mim". [11] E destes outros: "Aquele que não é contra você é para você". [12] Uma pessoa que diz: "Eu não sou nem a favor nem contra", devemos responder a ele ...

899. Aquele que der o significado da Escritura, e não a tirar da Escritura, é um inimigo da Escritura. (De. De Doct. Christ.)

900. Humilibus dat gratiam; um vídeo não dedit humilitatem? [13]

Sui eum non receperunt; quotquot autem non receperunt um non erant sui? [14]

901. "De fato deve ser", diz Feuillant, "que isto não é tão certo, pois a controvérsia indica incerteza, (Santo Atanásio, São Crisóstomo, a moral, os incrédulos)".

Os jesuítas não tornaram a verdade incerta, mas tornaram a sua impiedade certa.

Contradição sempre foi permitida, a fim de cegar os ímpios; pois tudo que ofende a verdade ou o amor é mal. Este é o verdadeiro princípio.

902. Todas as religiões e seitas do mundo tiveram uma razão natural para um guia. Somente os cristãos foram obrigados a tirar suas regras de si mesmos e a se familiarizar com aqueles que Jesus Cristo legou aos homens de outrora para serem transmitidos aos verdadeiros crentes. Esta restrição cansa esses bons Padres. Eles desejam, como outras pessoas, ter liberdade para seguir suas próprias imaginações. É em vão que clamamos a eles, como os profetas disseram aos antigos judeus: "Entrem na Igreja; familiarizem-se com os preceitos que os homens de outrora lhe deixaram e sigam esses caminhos". Eles responderam como os judeus: "Não andaremos neles, mas seguiremos os pensamentos de nossos corações"; e eles disseram: "Seremos como as outras nações". [15]

903. Eles fazem uma regra de exceção.

Os antigos homens deram a absolvição antes da penitência? Faça isso como excepcional. Mas da exceção você faz uma regra sem exceção, de modo que você não quer que a regra seja excepcional.

904. Em confissões e absolutos sem sinais de arrependimento.

Deus considera apenas o interior; a Igreja julga apenas pelo exterior. Deus absolve assim que vê a penitência no coração; a Igreja quando ela a vê em obras. Deus fará uma Igreja pura por dentro, que confunde, por sua santidade interior e inteiramente espiritual, a impiedade interior de sábios e fariseus orgulhosos; e a Igreja fará uma assembléia de homens cujas maneiras externas são tão puras que confundem as maneiras dos pagãos. Se há hipócritas entre eles, mas tão bem disfarçados que ela não descobre seu veneno, ela os tolera; porque, embora não sejam aceitos por Deus, a quem não podem enganar, são de homens a quem enganam. E assim ela não é desonrada por sua conduta, que parece santa. Mas você deseja que a Igreja não julgue o interior, porque isso pertence somente a Deus, nem ao externo, porque Deus habita apenas no interior; e assim, tirando dela toda a escolha de homens, retém na Igreja a mais dissoluta, e aqueles que a desonram tão grandemente, que as sinagogas dos judeus e das seitas de filósofos os baniram como indignos, e os abominam. como ímpio.

905. As condições mais fáceis de viver de acordo com o mundo são as mais difíceis de viver de acordo com Deus e vice-versa. Nada é tão difícil de acordo com o mundo quanto a vida religiosa; nada é mais fácil do que viver de acordo com Deus. Nada é mais fácil, de acordo com o mundo, do que viver em altos cargos e grande riqueza; nada é mais difícil do que viver neles de acordo com Deus e sem adquirir interesse neles e gostar deles.

906. Os casuistas submetem a decisão à razão corrupta e a escolha das decisões à vontade corrupta, a fim de que tudo o que é corrupto na natureza do homem possa contribuir para sua conduta.

907. Mas é provável que a probabilidade dê segurança?

Diferença entre descanso e segurança de consciência. Nada dá certeza, mas verdade; nada dá descanso, mas a busca sincera da verdade.

908. Toda a própria sociedade de seus casuístas não pode dar segurança a uma consciência em erro, e é por isso que é importante escolher bons guias.

Assim, eles serão duplamente culpados, tanto por terem seguido caminhos que não deveriam ter seguido, quanto por terem ouvido professores a quem não deveriam ter ouvido.

909. Pode ser qualquer coisa, menos conformidade com o mundo, que faz com que você encontre coisas prováveis? Você vai nos fazer acreditar que é verdade, e que se o duelo não fosse a moda, você acharia provável que eles pudessem lutar, considerando o assunto em si?

910. Devemos matar para evitar que haja algum ímpio? Isto é para tornar ambas as partes perversas em vez de uma. Vince in bono malum [16] (Santo Agostinho)

911. Universal - A ética e a linguagem são ciências especiais, mas universais.

912. Probabilidade. - Cada um pode empregá-lo; Ninguém pode tirar isso.

913. Eles permitem que a luxúria aja e verifique os escrúpulos; enquanto eles deveriam fazer o contrário.

914. Montalte. [17] - As opiniões de Lax agradam tanto aos homens, que é estranho o desagrado delas. É porque eles excederam todos os limites. Novamente, há muitas pessoas que vêem a verdade e que não podem alcançá-la; mas há poucos que não sabem que a pureza da religião se opõe às nossas corrupções. É absurdo dizer que uma recompensa eterna é oferecida à moralidade de Escobar.

915. Probabilidade. - Eles têm alguns princípios verdadeiros; mas eles abusam deles. Agora, o abuso da verdade deveria ser tão punido quanto a introdução da falsidade.

Como se houvesse dois infernos, um por pecados contra o amor, o outro por aqueles contra a justiça!

916. Probabilidade. [18] —O fervor dos santos em buscar a verdade era inútil, se o provável é confiável. O medo dos santos que sempre seguiram o caminho certo (Santa Teresa sempre seguiu seu confessor).

917. Tire a probabilidade, e você não pode mais agradar ao mundo; dar probabilidade, e você não pode mais desagradá-lo.

918. Estes são os efeitos dos pecados dos povos e dos jesuítas. Os grandes desejaram ficar lisonjeados. Os jesuítas desejaram ser amados pelos grandes. Todos eles foram dignos de serem abandonados ao espírito de mentir, a única parte a enganar, os outros a serem enganados. Eles foram avarentos, ambiciosos, voluptuosos. Coencervabunt tibi magistros. [19] Dignos discípulos de tais mestres, procuraram bajuladores e os encontraram.

919. Se eles não renunciarem à sua doutrina da probabilidade, suas boas máximas são tão pequenas quanto as más, pois são baseadas na autoridade humana; e assim, se forem mais justos, serão mais razoáveis, mas não mais santos. Eles tomam o caule selvagem no qual eles são enxertados.

Se o que eu digo não serve para iluminar você, será de utilidade para o povo.

Se estes [20] estiverem em silêncio, as pedras falarão.

O silêncio é a maior perseguição; os santos nunca ficaram em silêncio. É verdade que uma chamada é necessária; mas não é dos decretos do Concílio que devemos aprender se somos chamados, é da necessidade de falar. Agora, depois de Roma ter falado, e pensamos que ela condenou a verdade, e que eles a escreveram, e depois que os livros que disseram o contrário são censurados; devemos gritar tanto quanto mais alto, mais injustamente somos censurados, e quanto mais violentamente eles sufocariam a fala, até chegar um papa que ouve ambas as partes, e que consulta a antiguidade para fazer justiça. Portanto, os bons papas vão encontrar a Igreja ainda em grito.

A Inquisição e a Sociedade [21] são os dois flagelos da verdade.

Por que você não os acusa do arianismo? Pois, embora tenham dito que Jesus Cristo é Deus, talvez não signifiquem por isso a interpretação natural, mas, como se diz, Diis est.

Se minhas cartas são condenadas em Roma, o que eu condeno nelas é condenado no céu. Ad tuum, Domine Jesu, tribunal appello.

Vocês mesmos são corruptíveis.

Temi ter escrito mal, vendo-me condenado; mas o exemplo de tantos escritos piedosos me faz acreditar o contrário. Não é mais permitido escrever bem, tão corrupta ou ignorante é a Inquisição!

"É melhor obedecer a Deus do que os homens."

Não temo nada; Eu não espero por nada. Não é assim com os bispos. Port-Royal teme, e é má política dispersá-los; porque eles não temerão mais e causarão mais medo. Eu não tenho medo de suas censuras, se elas não são baseadas nas tradições. Você censura tudo? O que! até meu respeito? Não. Diga então o que, ou você não fará nada, se você não apontar o mal e por que ele é mau. E é isso que eles terão grande dificuldade em fazer.

Probabilidade. - Eles deram uma explicação ridícula de certeza; pois, depois de ter estabelecido que todos os seus caminhos são certos, eles não mais chamam isso de seguro, o que leva ao céu sem o perigo de não chegar lá por ele, mas o que leva até lá sem o perigo de sair daquele caminho.

920. ... Os santos se entregam a sutilezas para se considerarem criminosos, e impugnam suas melhores ações. E estes se entregam a sutilezas para desculpar os mais perversos.

Os sábios pagãos ergueram uma estrutura igualmente boa do lado de fora, mas sobre uma má fundação; e o diabo enganou os homens por esta aparente semelhança baseada na mais diferente fundação.

O homem nunca teve uma causa tão boa quanto eu; e outros nunca forneceram uma captura tão boa quanto você ....

Quanto mais eles apontam fraqueza em minha pessoa, mais eles autorizam minha causa.

Você diz que sou herege. Isso é legal? E se você não teme que os homens façam justiça, você não teme que Deus faça justiça?

Você sentirá a força da verdade, e você se renderá a ela ...

Há algo sobrenatural em tal cegueira. Digna necessitas. [22] Mentiris impudentissime ...

Doctrina sua noscitur vir ...

Falsa piedade, um duplo pecado.

Eu estou sozinho contra trinta mil. Não. Proteja você, o tribunal; proteja você, decepção; deixe-me proteger a verdade. É toda minha força. Se eu perdê-lo, eu estou desfeito. Não me faltarão acusações e perseguições. Mas possuo a verdade e veremos quem a levará.

Eu não preciso defender a religião, mas você não precisa defender o erro e a injustiça. Deixe Deus, fora de Sua compaixão, não tendo consideração pelo mal que está em mim, e tendo em conta o bem que está em você, conceda-nos toda a graça que a verdade não pode ser superada em minhas mãos, e essa falsidade ...

921. Provável. - Vamos ver se buscamos a Deus sinceramente, por comparação das coisas que amamos. É provável que essa comida não me envenene. É provável que eu não perca minha ação por não processá-la ...

922. Não é só a absolvição que remete pecados pelo sacramento da penitência, mas a contrição, que não é real se não busca o sacramento.

923. As pessoas que não cumprem sua palavra, sem fé, sem honra, sem verdade, enganosas de coração, enganosas no falar; para o qual esse animal anfíbio na fábula foi uma vez repreendido, que se manteve em uma posição duvidosa entre o peixe e os pássaros ...

É importante que reis e príncipes sejam considerados piedosos; e, portanto, eles devem se confessar a você.

~

Blaise PascalPensée Parte 14 (apêndice) 

Disponível em Gutenberg (inglês)
Notas:
[1] - Eles. - Os jansenistas, que acreditavam no sistema de doutrina evangélica deduzido de Agostinho por Cornelius Jansen (1585-1638), o bispo de Ypres. Eles sustentavam que a graça interior é irresistível, e que Cristo morreu por todos, em reação ao dogma católico comum da liberdade da vontade e meramente graça suficiente.
[2] - Um tempo para rir, etc. - Ecles. 3, 4.
[3] - Responder. Ne respondeas. - Prov. 26, 4, 5.
[4] - Santo Atanásio - Patriarca de Alexandria, acusado de estupro, de assassinato e de sacrilégio. Ele foi condenado pelos Conselhos de Tiro, Áries e Milão. O papa Liberius teria finalmente ratificado a condenação em 357 d.C. Atanásio aqui representa Jansenius, Santa Teresa para Madre Angélique e Libério por Clemente IX.
[5] - Voss autem non sic. - Lucas 22, 26.
[6] - Duo autes tres in unum. — João 10, 30; Primeira epístola de São João, V, 8.
[7] - A Fronda. - O partido que se levantou contra Mazarin e a Corte durante a minoria de Luís XIV. Eles levaram à guerra civil.
[8] - Pasce oves meas. - João 21, 17.
[9] - Jeroboão. - I Reis 12, 31.
[10] - O servo, etc. - João 15, 15.
[11] - Aquele que não é, etc. - Mateus 12, 30.
[12] - Aquele que não é, etc. - Marcos 9, 40.
[13] - Humilibus dot gratiam. - Tiago 4, 6.
[14] - Sui eum non, etc. - João i, 11, 12.
[15] - Nós seremos como as outras nações. - I Sam. 8, 20.
[16] - Vince in bono malum. - Romanos 12, 21.
[17] - Montalte. - Ver nota na página 6, linha 30, acima.
[18] - Probabilidade. - A doutrina na casuística de que, de duas perspectivas prováveis, ambas razoáveis, uma pode seguir suas próprias inclinações, como uma lei duvidosa não pode impor uma certa obrigação. Foi realizada pelos jesuítas, a famosa ordem religiosa fundada em 1534 por Ignatius Loyola. Esta seção dos Pensées é dirigida principalmente contra eles.
[19] - Coacervabunt sibi magistros. - 2 Tim. 4, 3.
[20] - Estes. - Os escritores de Port-Royal.
[21] - A Sociedade. - A Companhia de Jesus.

[22] - Digna necessitas. — Livro da Sabedoria 19, 4.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: