Santo Anselmo da Cantuária

Santo Anselmo da Cantuária, (nascido em 1033-1034, Aosta, Lombardia-morreu 21 abril de 1109, possivelmente em Cantuária, Kent, Inglaterra, festa dia 21 de abril), teólogo e filósofo italiano-nascido, conhecido como o pai da Escolástica, um escola filosófica de pensamento que dominou a Idade Média. Ele foi reconhecido nos tempos modernos como o originador do argumento ontológico para a existência de Deus (baseado na idéia de um ser absolutamente perfeito, o fato da idéia ser em si uma demonstração de existência) e a teoria da satisfação da expiação ou redenção (baseada na teoria feudal de fazer satisfação ou recompensa de acordo com o status de uma pessoa contra a qual uma ofensa foi cometida, o Deus infinito sendo a parte ofendida e a humanidade o ofensor). Há evidências incompletas de que ele foi canonizado em 1163, embora alguns estudiosos afirmam que ele foi canonizado pelo papa Alexandre VI em 1494.

Início da vida e carreira

Anselmo nasceu na região de Piemonte, no noroeste da Itália. Seu local de nascimento, Aosta, era uma cidade de importância estratégica no Império Romano e nos tempos medievais, porque estava na junção das rotas Grande e Pequeno São Bernardo. Sua mãe, Ermenberga, pertencia a uma nobre família borgonhesa e possuía propriedades consideráveis. Seu pai, Gondolfo, era um nobre lombardo que pretendia que Anselmo fizesse uma carreira política e não aprovasse sua decisão inicial de entrar na vida monástica. Anselmo recebeu uma excelente educação clássica e foi considerado um dos melhores latinos de sua época. Sua educação inicial imprimiu nele a necessidade de ser preciso em seu uso das palavras, e seus escritos ficaram conhecidos por sua clareza.

Em 1057, Anselmo deixou Aosta para entrar no mosteiro beneditino de Bec (localizado entre Rouen e Lisieux, na Normandia, França), porque queria estudar sob o renomado prior do mosteiro, Lanfranc. Enquanto estava a caminho de Bec, ele soube que Lanfranc estava em Roma, então passou algum tempo em Lyon, Cluny e Avranches antes de entrar no mosteiro em 1060. Em 1060 ou 1061 ele fez seus votos monásticos. Devido à reputação de Anselmo de grande capacidade intelectual e piedade sincera, ele foi eleito prior do mosteiro depois que Lanfranc se tornou abade de Caen em 1063. Em 1078 ele se tornou abade de Bec.

No ano anterior (1077), Anselmo havia escrito o Monólogo (“Monólogo”) a pedido de alguns de seus colegas monges. Um tratado teológico, o Monologion era apologético e religioso em intenção. Tentou demonstrar a existência e os atributos de Deus por um apelo à razão, em vez de pelo apelo habitual às autoridades favorecidas pelos pensadores medievais anteriores. Partindo de uma análise das desigualdades de vários aspectos da perfeição, tais como justiça, sabedoria e poder, Anselmo defendeu uma norma absoluta que está em todos os lugares em todos os momentos, acima do tempo e do espaço, uma norma que pode ser compreendida pelo ser humano. mente. Anselmo afirmou que essa norma é Deus, o padrão absoluto, final e integrador de perfeição.

Sob Anselmo, Bec tornou-se um centro de aprendizado monástico e algum questionamento teológico. Lanfranc era um renomado teólogo, mas Anselm o superou. Ele continuou seus esforços para responder satisfatoriamente às perguntas sobre a natureza e a existência de Deus. Seu Proslogion ("Address," ou "Allocution"), originalmente intitulado Fides quaerens intellectum ("Busca de Busca pela Fé"), estabeleceu o argumento ontológico para a existência de Deus. Nele ele afirmou que até mesmo um tolo tem uma idéia de um ser maior do que nenhum outro ser pode ser concebido para existir. Tal ser, ele argumentou, deve realmente existir, pois a própria ideia de tal ser implica sua existência.

O argumento ontológico de Anselmo foi desafiado por um monge contemporâneo, Gaunilo de Marmoutier, no Liber pro insipiente, ou “Livro em nome do tolo que diz em seu coração que não há Deus”. Gaunilo negou que uma ideia de um ser inclua a existência em a ordem objetiva e que uma intuição direta de Deus necessariamente inclui a existência de Deus. Anselmo escreveu em resposta seu Liber apologeticus contra Gaunilonem (“Livro [de] Defesa Contra Gaunilo”), que era uma repetição do argumento ontológico do Proslogion. O argumento ontológico foi aceito em diferentes formas por René Descartes e Benedict de Spinoza, embora tenha sido rejeitado por Immanuel Kant.

Nomeação como arcebispo de Canterbury

Guilherme, o Conquistador, que havia estabelecido a soberania normanda da Inglaterra em 1066, foi um benfeitor do mosteiro de Bec, e as terras na Inglaterra e na Normandia foram concedidas a Bec. Anselmo fez três visitas à Inglaterra para ver essas terras. Durante uma dessas visitas, enquanto Anselmo fundava um priorado em Chester, Guilherme II Rufus, filho e sucessor de Guilherme, o Conquistador, nomeou-o arcebispo de Canterbury (março de 1093). A Sé tinha ficado vaga desde a morte de Lanfranc, em 1089, período durante o qual o rei havia confiscado suas receitas e saqueado suas terras.

Anselmo aceitou a posição com certa relutância, mas com a intenção de reformar a Igreja Inglesa. Ele se recusou a ser consagrado como arcebispo até que Guilherme restaurou as terras para Cantuária e reconheceu Urbano II como o legítimo papa contra o antipapa Clemente III. Com medo da morte de uma doença, Guilherme concordou com as condições, e Anselmo foi consagrado em 4 de dezembro de 1093. Quando Guilherme se recuperou, porém, exigiu do novo arcebispo uma quantia em dinheiro, que Anselmo se recusou a pagar para que não parecesse simonia (pagamento por uma posição eclesiástica). Em resposta à recusa de Anselmo, Guilherme recusou-se a permitir que Anselmo fosse a Roma para receber o pálio - um manto, o símbolo da aprovação papal de sua nomeação arquiepiscopal - de Urbano II, para que isso não fosse um reconhecimento real implícito de Urbano. Ao afirmar que o rei não tinha o direito de interferir no que era essencialmente um assunto eclesiástico, Anselmo tornou-se uma figura importante na controvérsia da investidura - um conflito sobre a questão de saber se um governante secular (por exemplo, imperador ou rei) ou o papa direito primário de investir uma autoridade eclesiástica, como um bispo, com os símbolos de seu ofício.

A controvérsia continuou por dois anos. Em 11 de março de 1095, os bispos ingleses, no Sínodo de Rockingham, tomaram o partido do rei contra Anselmo. Quando o legado papal trouxe o pálio de Roma, Anselmo recusou-se a aceitá-lo de Guilherme, pois então parecia que ele devia sua autoridade espiritual e eclesiástica ao rei. Guilherme permitiu que Anselmo partisse para Roma, mas em sua partida ele tomou as terras da Catuária.

Anselmo participou do Concílio de Bari (Itália) em 1098 e apresentou suas queixas contra o rei a Urbano II. Ele tomou parte ativa nas sessões, defendendo a doutrina da cláusula Filioque ("e do Filho") no Credo de Niceia contra a igreja grega, que estava em cisma com a igreja ocidental desde 1054. A cláusula Filioque, acrescentou à versão ocidental do Credo, indicou que o Espírito Santo procedia do Pai e do Filho. A igreja grega rejeitou a cláusula Filioque como uma adição posterior. O Conselho também reaprovou decretos anteriores contra a investidura de eclesiásticos por funcionários leigos.

A Teoria da Satisfação da Redenção

Quando Anselmo deixou a Inglaterra, ele levou consigo um manuscrito incompleto de sua obra Cur Deus homo? ("Por que Deus se tornou homem?"). Após o Concílio de Bari, retirou-se para a aldeia de Liberi, perto de Cápua, e completou o manuscrito em 1099. Este trabalho tornou-se o tratamento clássico da teoria da satisfação da redenção. De acordo com essa teoria, baseada na estrutura feudal da sociedade, a humanidade finita cometeu um crime (pecado) contra o infinito Deus. Na sociedade feudal, um infrator era obrigado a fazer recompensa ou satisfação ao ofendido de acordo com o status dessa pessoa. Assim, um crime contra um rei exigiria mais satisfação do que um crime contra um barão ou um servo. De acordo com esse modo de pensar, a humanidade finita, que nunca poderia satisfazer o Deus infinito, poderia esperar apenas a morte eterna. O instrumento para trazer os humanos de volta a um relacionamento correto com Deus, portanto, tinha que ser o Deus-humano (Cristo), por cujos infinitos méritos a humanidade é purificada em um ato de recriação cooperativa. Anselmo rejeitou a visão de que a humanidade, através de seu pecado, tem uma dívida com o Diabo e colocou a essência da redenção em união individual com Cristo na Eucaristia (Ceia do Senhor), à qual o sacramento do batismo (pelo qual uma pessoa é incorporada a igreja) abre o caminho.

Depois de completar Cur Deus homo? Anselmo participou de um conselho no Latrão (palácio papal) em Roma na Páscoa de 1099. Um ano depois, William Rufus morreu em um acidente de caça em circunstâncias suspeitas, e seu irmão Henrique I tomou o trono inglês. A fim de obter apoio eclesiástico, ele buscou e obteve o apoio de Anselmo, que retornou à Inglaterra. Anselmo logo rompeu com o rei, no entanto, quando Henrique insistiu em seu direito de investir eclesiásticos com os símbolos espirituais de seu ofício. Três vezes o rei pediu uma isenção e cada vez que o papa recusava. Durante essa controvérsia, Anselmo estava no exílio, de abril de 1103 a agosto de 1106. No Sínodo de Westminster (1107), a disputa foi resolvida. O rei renunciou a investidura de bispos e abades com o anel e o báculo (cajado), os símbolos de seu ofício. Ele exigiu, no entanto, que eles o homenageassem antes da consagração. O Acordo de Westminster foi um modelo para a Concordata de Worms (1122), que estabeleceu por um tempo a controvérsia da leiga-investidura no Sacro Império Romano.

Anselmo passou os últimos dois anos de sua vida em paz. Em 1163, com novos cânones exigindo aprovações para canonização (reconhecimento oficial de pessoas como santos), o arcebispo Thomas Becket de Canterbury (1118–70) referiu a causa de Anselmo a Roma. É possível que Anselmo tenha sido canonizado neste momento, pois os registros de Canterbury para 1170 fazem frequentes menções às peregrinações a seu novo santuário na catedral. Por vários séculos após sua morte, ele foi venerado localmente. Clemente XI (papa de 1700 a 1721) declarou Anselmo a Doctor (professor) da Igreja em 1720.

Fonte: Britannica

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: