Todas as religiões são igualmente salvíficas?

Eu entenderei por uma 'religião' um sistema que oferece um 'bem-estar profundo' nesta vida e normalmente (embora não necessariamente) encontrando um cumprimento final após a morte, um bem-estar que - seguindo Hick - eu chamarei de salvação. Uma religião envolve dois elementos - um caminho e um credo. Por um caminho, eu entendo um estilo de vida, uma coleção de tipos de ação. Em Atos dos Apóstolos, a religião cristã é freqüentemente chamada de "o caminho"; e viver a vida budista é freqüentemente chamado de seguir o "nobre caminho dos oito caminhos". Um credo é um sistema doutrinário associado a seguir o caminho. Cada religião ensina que uma razão para seguir seu caminho religioso, embora não necessariamente a razão principal, é obter a salvação para si mesmo. Mostrarei, mais adiante no artigo, como o credo de uma religião é necessário para explicar por que a busca de seu caminho alcançará a salvação para si mesmo e o cumprimento dos outros objetivos da religião. Eu argumentarei que, ao contrário de Hick, [2] diferentes religiões têm diferentes concepções de salvação e que alguns tipos de salvação são muito mais valiosos do que outros; e afirmam (embora não argumentem) que a busca de um caminho religioso é muito mais provável de atingir seus objetivos do que a busca por outros caminhos religiosos.

Para seguir o caminho cristão, a pessoa deve fazer as ações do tipo comandadas ou elogiadas, e abster-se de ações do tipo proibido ou desencorajado pelos Dez Mandamentos, o Sermão da Montanha e as Cartas de São Paulo. Desta forma, muitas vezes é dada forma mais detalhada no ensino de diferentes denominações cristãs e, especialmente, no ensino da Igreja Católica Romana.

Algumas das ações ordenadas - é altamente plausível supor - são moralmente obrigatórias e algumas das ações proibidas são moralmente erradas (isto é, obrigatórias a não fazer) de qualquer maneira, isto é, se há ou não um Deus. É obrigatório pagar as dívidas e alimentar os filhos de uma pessoa; errado mentir e roubar - se existe ou não um Deus Muitas das ações recomendadas são boas (mesmo quando não obrigatórias) de qualquer maneira, quer haja ou não um Deus. É bom dedicar a vida a ajudar muitas pessoas (inclusive a si mesmo) a levar uma vida profundamente feliz, que incluirá a compreensão do mundo, o embelezamento e o desenvolvimento de amizades. Algumas dessas ações são (pelo menos, se não há Deus) supererrogativamente boas (que são de um tipo que são obrigatórias, mas de um grau que vai além da obrigação), por exemplo, dedicando a vida a alimentar e educar os pobres em terras distantes ou jogando-se em uma granada para salvar a vida de um camarada.

Mas qualquer caminho religioso normalmente envolve outras ações além daquelas que são boas por razões não religiosas. Por exemplo, perseguir o caminho cristão envolve fazer muitas ações que não teriam sentido (não seriam nem obrigatórias, nem supererrogativas ou de outra forma boas) se não houvesse Deus. Envolve a adoração a Deus; e, mais particularmente, envolve ser batizado, participar da adoração eucarística e de outros cultos da igreja cristã, e orações particulares. A oração incluirá a busca do perdão de Deus pelos erros que cometemos a ele (nossos pecados), a oração peticionária pelo bem-estar de si mesmo e dos outros e a tentativa de persuadir os outros a seguir o caminho cristão; e muito mais. Gastar bastante tempo fazendo essas ações é obrigatório - em uma visão cristã. E todas as ações que seriam obrigatórias, de qualquer forma, se não houvesse Deus, tornam-se duplamente obrigatórias se houver um Deus - devemos a Deus, que nos fez e a eles e aos nossos filhos, alimentar nossos filhos. E algumas ações que seriam boas, mas não obrigatórias, por ex. supererrogativa, se Deus não fosse obrigatório. Dar mais do seu dinheiro para alimentar os pobres do que seria obrigatório talvez entre nessa categoria.

Pelo credo cristão quero dizer o sistema de doutrina cristã capturado em embrião por, por exemplo, o Credo Niceno. Deus a Santíssima Trindade nos criou. Quando pecamos, Deus, o Filho, tornou-se um ser humano, como Jesus Cristo, e permitiu que sua vida e morte voluntária constituíssem um sacrifício pelos nossos pecados, através do qual podemos obter perdão deles; e ele planeja levar aqueles de nós que tentam seguir o caminho cristão para o céu.

Outras religiões elogiam outros "caminhos", outros estilos de vida. Os caminhos de muitas religiões se sobrepõem de forma significativa entre si e com o caminho cristão. Para a maioria das outras religiões, como para o cristianismo, é bom alimentar os famintos e obrigados a pagar as dívidas; mas eles dão ensinamentos diferentes sobre se e como Deus ou deuses devem ser adorados, e também sobre até que ponto é bom ou obrigatório converter outros a essa religião. O budismo, por exemplo, sobrepõe-se consideravelmente àquelas ações cuja bondade não depende da existência de Deus, mas também recomenda ações diferentes (em vez daquelas cuja bondade depende da existência de Deus). Seguir o caminho budista envolve acima de tudo a busca da sabedoria pela meditação. A "sabedoria" sobre a qual devemos meditar envolve as doutrinas centrais do budismo, às quais eu irei em breve. Várias práticas rituais, como devoção a estupas e imagens do Buda, ajudarão qualquer pessoa nesse processo. E certas práticas semi-ascéticas são prescritas especialmente para monges - jejum, usar roupas velhas e dormir em estado bruto. Embora haja claramente alguma sobreposição nas técnicas de meditação recomendadas pelo cristianismo e pelo budismo, o objetivo da meditação é muito diferente; para o cristão, é o acesso a Deus, à sabedoria budista e à liberdade do desejo mundano. Para o budista, é especialmente bom procurar tornar-se um bodhisattva, comprometido em atingir o estado de Buda em benefício dos outros, e isso envolve disseminar a doutrina budista. Um Buda é aquele que é perfeitamente iluminado.

Embora os budistas e aqueles que seguem outras religiões orientais relutem em falar de sua religião como tendo um "credo", eles têm certos ensinamentos doutrinários associados a seguir o caminho, e - argumentarei em breve - eles precisam ter tal ensinamento. Eu vou chamar isso de credo. Para o budismo isso me parece consistir na lei do karma ("segundo a qual ações virtuosas criam prazer no futuro e ações não-virtuosas criam dor" [3], a lei do renascimento (que após a morte, a menos que nos tornemos iluminados, vivemos de novo), a doutrina do não-eu (que - estritamente falando - não é o mesmo eu único que renasce, mas apenas um ser consciente cuja consciência é em alguma medida contínua com o eu anterior), e a doutrina do eu nirvana final (aqueles que são "iluminados" escapam do ciclo de renascimento e passam para o "nirvana").

Agora, qual é o sentido de seguir um caminho religioso? Como já observei, algumas das ações que qualquer forma religiosa inclui são boas para serem usadas de qualquer maneira por razões não-religiosas. Mas que razões adicionais são fornecidas pelo credo de uma religião para realizar essas ações e por fazer as outras ações de seu modo religioso? Reformularei esta questão como - que razões religiosas existem para seguir um caminho religioso? Parece-me haver, no máximo, três tipos de razão pelas quais as religiões deram por que é bom seguir seu caminho religioso. É bom seguir um caminho religioso para prestar a devida adoração e obediência a qualquer Deus ou deuses que existam, para alcançar a própria salvação e ajudar os outros a alcançar a deles. A primeira razão é, naturalmente, apenas uma razão para seguir o caminho de uma das religiões que afirmam que existe um Deus ou deuses. É bom fazer alguma ação para atingir um determinado objetivo, na medida em que o objetivo é um bom objetivo, e na medida em que é provável que, ao realizar essa ação, você atinja esse objetivo. Por isso, será bom seguir um certo caminho religioso, na medida em que os objetivos que ele busca são bons objetivos, e na medida em que é provável que, seguindo o caminho, você atinja os objetivos. Veremos no devido tempo que é somente na medida em que o credo dos religiosos é provavelmente verdadeiro, que é provável que seguir seu caminho atinja seus objetivos. Portanto, sempre deve haver dois aspectos para o evangelismo - apresentar os objetivos da religião como bons, os que valem a pena dar a vida de alguém para perseguir; e em segundo lugar, mostrando que o credo da religião é provavelmente verdadeiro.

Neste artigo, busco prosseguir com a primeira tarefa e ilustrar, pelos exemplos do cristianismo e do budismo, que diferentes religiões têm objetivos diferentes e que as metas cristãs são melhores do que as metas budistas.

A primeira razão religiosa para seguir um caminho religioso é prestar devida adoração e obediência a qualquer deus ou deuses que existam. Religiões teístas, incluindo o cristianismo, normalmente afirmam que temos a obrigação de fazer isso, embora elas também possam permitir que seja supererogatoriamente bom fazer mais do que a obrigação exige. As pessoas devem reconhecer outras pessoas com quem entram em contato, não apenas ignorá-las - e isso certamente se torna um dever quando essas pessoas são nossos benfeitores. Reconhecemos as pessoas de várias maneiras quando as encontramos, por exemplo apertando as mãos ou sorrindo para eles, e a maneira pela qual reconhecemos a presença deles reflete nosso reconhecimento do tipo de indivíduo que eles são e o tipo de relação que eles têm conosco. Devemos reverenciar o belo e o santo. A adoração é a única resposta apropriada a um Deus, a fonte perfeitamente boa de todo ser. E se um Deus nos dá a cada novo dia a nossa vida e todas as coisas boas que envolve, a adoração muito grata se torna nosso dever. Se Deus veio à Terra como um humano, Jesus Cristo, para viver uma vida e sofrer uma morte pela qual ele se identificou com o nosso sofrimento e nos tornou disponíveis para a expiação dos nossos pecados, tal ato heróico de bondade supererrogatória deve merecer grande devoção e serviço. Se Deus nos deu nossas instruções de como usar nossa vida e nos comportar com nossos semelhantes, então temos o dever de seguir essas instruções. Deus é a fonte do meu ser e eu falhei em usar corretamente a vida que ele me deu, prestando-lhe devida adoração e obediência, eu devo pedir perdão a Deus por ter falhado em cumprir minhas obrigações.

O credo cristão - alegando que há um Deus que fez várias coisas por nós - explica por que seguir o caminho cristão adorando-o e obedecendo-lhe na maneira como ele estabelece nos permitirá alcançar o primeiro objetivo da religião - que seja qual for Deus ou os deuses que existem são devidamente adorados; e assim explica por que não seguir esse caminho levará a não alcançarmos esse objetivo.

Se o credo cristão é verdadeiro, eu tenho estas obrigações e vou cumpri-las seguindo o caminho cristão - adorando, buscando perdão, etc., como Deus me disse para fazê-lo. Por esta razão, será muito bom seguir o caminho cristão. Se o credo cristão é falso, será uma perda de tempo seguir o caminho cristão; se não há Deus, não há nada de bom na adoração. Mas nesta vida, dependemos de probabilidades. É um princípio plausível de moralidade que somos culpáveis, culpáveis, se não fizermos o que acreditamos ser provavelmente obrigatório. Portanto, se em nossa evidência acreditamos que é provável que o credo cristão é verdadeiro, somos culpados se não seguirmos o caminho cristão. Mas suponha que acreditemos que não é provável, no balanço (isto é, mais provável do que não), que o credo cristão seja verdadeiro, mas acreditamos que há uma grande chance de que seja verdade e que tenhamos as obrigações que afirma? Ainda seria bom seguir o caminho cristão por esse motivo? Eu penso assim, pois a vida e todos os benefícios que são nossos se o credo é verdadeiro, são coisas tão boas, e se há um Deus, ele os deu para nós. Se recebermos um pacote contendo um grande presente e não soubermos quem o enviou, mas pensamos que é moderadamente provável (embora não mais provável do que não) que alguma pessoa em particular o tenha enviado, então certamente seria bom expressar muito gratidão a essa pessoa. Seria uma coisa tão ruim para um doador generoso não ser agradecido, que seria bom agradecer ao doador mais provável, mesmo que ele seja menos provável que o doador. A adoração parece apropriada ao possível doador da vida, mesmo que seja de um tipo qualificado e talvez limitado.

A segunda razão religiosa para perseguir um caminho religioso, uma razão comum a todas as religiões, é alcançar a própria salvação, que é um profundo bem-estar. Bem-estar pertence a alguém, eu sugiro, na medida em que ele realiza boas ações em uma situação onde é bom estar e ele sabe que ele está nessa situação e quer (isto é, deseja) estar lá fazendo essas ações. Este mundo é um bom lugar para habitar. É um lugar bonito, muitos de nós são frequentemente felizes com a satisfação de bons desejos, e muitas das nossas boas ações fazem diferenças importantes para as coisas. E, se há um Deus como descrito no credo cristão, perseguir o caminho cristão na terra fornece uma profundidade ao nosso bem-estar aqui que constitui uma salvação limitada, mesmo para aqueles para quem a vida não fornece muito por meio de coisas muito comuns. bem-estar. É bom para mim agora (não apenas bom para Deus, e uma obrigação para mim) viver uma vida de adoração e serviço a Deus, porque é bom para mim que eu cumpra minhas obrigações e procure agradar meu criador e sustentador. E é bom para mim ajudar outras pessoas cumprindo minhas obrigações para com elas e sendo útil a elas de várias maneiras além da obrigação. É claro que é bom para mim fazer estas últimas coisas por razões não-religiosas, mas uma religião teísta fornece uma razão adicional para que seja boa. Se eu sou útil para os outros, isso agrada a Deus que fez a mim e aos outros. Se, no entanto, existe um Deus e eu falho em minhas obrigações para com ele, então claramente é bom para mim que eu busque o perdão de Deus e a reconciliação com ele. Todos nós, em certa medida, passamos muito de nossas vidas em atividades triviais e indignas. E assim é bom que nós devemos buscar e obter de nosso criador que nos deu nossas vidas para propósitos mais valiosos, perdão por desperdiçá-lo. Na visão cristã, Deus responde às nossas orações de petição, às vezes trazendo o que pedimos e às vezes atendendo a necessidade que levou à nossa oração de maneira diferente. Para muitos cristãos, parece-lhes que eles estão cientes da presença de Deus em suas orações, e se há um Deus, eles estão realmente conscientes disso. Na visão cristã, estamos em interação com Deus na terra.

Uma parte crucial da salvação é ter um bom caráter, que deseja fazer boas ações e estar em boas situações, e crenças verdadeiras sobre quais ações e situações são boas (ou ruins). Fazer uma ação de algum tipo quando é difícil faz É mais fácil fazer uma ação desse tipo em outra ocasião, e assim, fazer boas ações nos ajuda a formar um bom caráter (um sistema de bons desejos). O cristianismo sustenta que ter um bom caráter envolve desejar fazer essas ações e estar em situações que o cristianismo considera boas; e será promovido fazendo essas ações e por certas práticas de oração. E o cristianismo normalmente afirma que não apenas é bom desejar fazer as ações, mas é bom desejar que essas ações sejam bem-sucedidas. É bom desejar alimentar os famintos, não apenas porque tal ação é boa, mas também porque é bom que os famintos sejam alimentados e por isso devemos desejar que eles sejam alimentados. O cristianismo deriva do judaísmo a ideia de que muitos (mas não todos) desejos mundanos com os quais nos encontramos são tais que é bom fazer as ações que visam satisfazê-los - em circunstâncias apropriadas. [4] Um bom caráter incluirá, portanto, ter tais desejos. Acredito que, no geral, o cristianismo sustentou que é bom desejar (ou seja, sentir saudade de) comer, beber, dormir, ter relações sexuais com um cônjuge [5], ter a companhia de outros humanos e ser apreciado por outros seres humanos; desejar viver em uma bela casa, caminhar em um belo país, ouvir boa música etc. etc. E é bom desejar repreender o transgressor e lamentar a perda de entes queridos. No caso de muitos desses desejos, é ruim satisfazê-los e é tão ruim tê-los, além de certos limites - desejar comer tanto que você se torna obeso, ou beber tanto álcool que você fica bêbado. E pode ser bom algumas vezes (ou para algumas pessoas sempre) não entrar e não ter esses desejos por causa de bens mais elevados (por exemplo, não comer comida na sexta-feira santa para se identificar com o sofrimento de Cristo; ou evitar procurar ser querido para dizer às pessoas uma verdade impopular ou - para algumas pessoas - evitar sempre a relação sexual). Mas a visão é que normalmente há algo de ruim em você se você não tiver tais desejos. O amor é o melhor dos desejos; Acima de tudo, é bom que amemos os outros (inclusive - na visão cristã - desejando sua companhia e seu profundo bem-estar) de maneiras apropriadas à sua relação com nós mesmos. Desejar a companhia e o bem-estar das crianças envolve desejar um tipo diferente de envolvimento com elas e diferentes tipos de situação delas, daquilo que o desejo da empresa do cônjuge envolve. E o amor de Deus, que o cristianismo afirma ser o maior dos amores, é uma extensão do amor humano comum dos amigos; é o desejo pela companhia e pelo bem-estar de nosso supremo benfeitor, assim como nosso maior amigo. A bondade de alguns desses desejos depende da verdade do credo cristão; outros são bons de se ter, mesmo que o credo cristão não seja verdadeiro, mas sua bondade é aumentada no último caso (por exemplo, porque Deus quer que tenhamos os desejos).

Novamente, só podemos ser guiados por probabilidades. Na medida em que é provável que o credo seja verdadeiro, provavelmente é bom ter esses desejos por razões religiosas. Mas, novamente, mesmo que não seja provável que o credo seja verdadeiro, pode ser bom ter o desejo de evitar nossa falta de agradar a Deus, se houver um Deus.

Infelizmente, neste mundo, alguns dos nossos desejos são maus (por motivos não-religiosos, bem como religiosos), maus desejos - desejamos humilhar ou insultar os outros; ou desejos que nos levam à ação onde é ruim satisfazê-los - nós desejamos ter uma boa reputação quando não merecemos isso, exercer o poder por si só, beber mais álcool do que é bom para nós, e assim por diante. E porque nos submetemos com tanta frequência aos maus desejos, magoamos os outros e eles nos ferem. Uma razão para seguir o caminho cristão é nos ajudar a resistir aos nossos maus desejos e a melhorar nosso caráter, para que tenhamos apenas bons desejos, mas para conseguir isso é um trabalho que requer esforço e persistência. Processos naturais tornam a nossa situação ruim e infeliz - sofremos de doenças e perdemos nossos amigos. Muitas vezes a presença de Deus não é tão evidente para nós; e muitas vezes a igreja cristã falha em nos ajudar em nossa jornada. A salvação disponível na terra é de fato limitada.

O budista tende a ter uma visão mais pessimista deste mundo do que o cristão. Ele tende a sustentar que os desejos desordenados dos seres humanos e seu consequente sofrimento tornam este mundo em equilíbrio um lugar onde não é bom para nós sermos. Para o budista, como para o cristão, podemos alcançar uma salvação limitada nesta vida, seguindo o caminho religioso. E qualquer bem estar limitado aqui depende de ter crenças verdadeiras sobre o que são ações que valem a pena e quais são as situações relativamente boas. Note que entre as dez ações ruins padrão listadas pelo budismo está "visão errada". Em particular, para o budismo ter uma visão correta envolve a manutenção das proposições doutrinárias que eu listei anteriormente e que são todas elas contrárias à doutrina cristã.

Para o budista, como para o cristão, um bom caráter - tendo bons desejos - é parte de nossa limitada salvação terrena. Um bodhisattva, um aspirante a Buda, requer um sentimento de piedade ou compaixão e um desejo ativo de libertar todos os seres do sofrimento. [6] Mas o budismo parece defender uma vida livre dos desejos mundanos para nosso próprio bem-estar, livre dos oito. preocupações mundanas para 'ganho e perda, fama e vergonha, louvor e culpa, felicidade e tristeza'. [7] Para o budismo, tornar-se 'iluminado' envolve 'desapego', a abolição de desejos mundanos como ilustrado pela mãe que não chora pelo morte de seu filho dizendo. "Por que eu deveria sofrer? Ele se sai do jeito que ele teve que trilhar [8]. E muito ocasionalmente nesta vida alguém pode atingir a iluminação completa (e assim tornar-se um Buda). Ele terá um nirvana terrestre que na morte levará ao nirvana final (veja adiante). Mas sugiro que tudo isso represente uma concepção altamente insatisfatória da salvação. Devemos nos importar em ser amados ou não, ganhar ou perder um amigo. "Dispensa" do tipo exibido pela mãe que não chora não seria uma coisa boa para se ter. Responder com as emoções certas a eventos bons ou ruins é mostrar o tipo certo de respeito às pessoas envolvidas nesses eventos.

Assim, enquanto Hick tem razão em afirmar que todas as religiões sustentam que a própria salvação envolve 'ter amor ou compaixão' pelos outros, [9] uma vez que isso envolve promover seu bem-estar, isso será algo muito diferente, na medida em que E no que se refere à salvação nesta vida, o cristianismo e o budismo têm concepções significativamente diferentes sobre o que constitui a salvação. A diferença é muito mais aguda quando consideramos que, para ambas as religiões, o constituinte primário de a salvação está fora desta vida. Para ambas as religiões, esta vida está longe de ser um modo perfeito de existência. Mas as duas religiões têm relatos diferentes de como, eventualmente, uma vida após a morte pode remover as imperfeições desta vida. Mais importante ainda - enquanto para o cristianismo muitos dos nossos desejos precisam ser melhorados (alguns removidos, outros melhor direcionados) e muitos de nós precisam de novos e bons novos desejos e muitos dos obstáculos para a realização de nossos melhores desejos precisam ser removidos, pois O budismo, grande parte do problema com este mundo, é que temos desejos mundanos e a solução final é removê-los.

Para a salvação cristã consiste em ir para o céu. Bem-estar pertence a alguém, eu reivindiquei na medida em que ele realiza boas ações em uma situação em que é bom ser e quem sabe que ele está em tal situação fazendo tais ações. Boas ações incluem reverenciar a beleza e a santidade, desenvolver nossa compreensão do mundo e embelezá-lo, desenvolvendo nossa amizade com os outros e ajudando os outros a uma vida profundamente feliz. Boas situações são aquelas que têm como característica, entre outras características, que os objetivos de tais ações sejam alcançados (tanto por si mesmo quanto pelos outros); onde o bom triunfa. Tais situações incluirão sensações prazerosas (pois as sensações prazerosas são apenas as que queremos que aconteçam conosco), mas são as melhores por virem de ações valiosas e estarem em situações que valem a pena. É melhor obter as sensações de prazer sexual através do desenvolvimento de um relacionamento pessoal, não por si mesmas. É melhor beber álcool em companhia do que sozinho. E assim por diante.

Se tudo isso estiver correto, as ocupações dos habitantes do Céu, os santos, conforme representados no Novo Testamento e pelos teólogos cristãos tradicionais, seriam extremamente valiosos, e a situação deles também seria. Se o mundo depende de estar em Deus, uma base pessoal de ser, santo, outro e belo, ele é o objeto apropriado da adoração sem fim. O desenvolvimento mais completo do entendimento será o crescimento na compreensão da natureza e das ações do próprio Deus. Tornar-se consciente de Deus será uma ocupação central do Céu, tradicionalmente chamada de "Visão Beatífica" de Deus. [10] A teologia cristã afirma que Deus estará presente para o habitante do Céu tão intimamente quanto seus próprios pensamentos. Deus será vitorioso em última instância sobre todo o mal, e compreenderemos plenamente isso. [11] Essa contemplação de Deus, a fonte de todas as coisas, levará os santos a reagir em adoração grata no que é outra ocupação central da adoração do Céu. [12] Os santos reinar com Cristo em glória [13], e assim ter outro trabalho a fazer - intercedendo diante de Deus pelos humanos na terra ou em outro lugar e executando os propósitos de Deus de outras maneiras; e assim trazer os outros para a esfera do amor de Deus. Esses outros podem ser, como muitos na Terra, seres semi-desenvolvidos ignorantes de suas capacidades para o trabalho do Céu, com feridas de corpo e alma para serem curadas. Assim, a relação dos santos com Deus será de interação amorosa, isto é amizade - Deus se mostrando e os santos respondendo em adoração e serviço - mas uma amizade na qual seu acesso e resposta mútuos são, ao contrário de nossa amizade como terra, total e sem nuvens. [14] Visto que Deus é um ser infinito de bondade, poder e conhecimento, pode levar seres de poder finito uma eternidade para compreendê-lo. Aqueles que 'seguem o caminho da sabedoria de Deus', escreveu Orígenes, deveriam pensar em si mesmos como vivendo em tendas, 'com o qual andam sempre e sempre seguem em frente, e quanto mais vão, mais a estrada continua a caminhar longa e esticar-se indefinidamente. [A mente] é sempre chamada para seguir em frente, do bom para o melhor e do melhor para as coisas ainda mais elevadas '. [15]

O céu também envolverá amizade com bons seres finitos, incluindo aqueles cujos companheiros foram os companheiros dos santos da Terra. A tarefa de compreender e adorar a Deus será cooperativa, uma em cooperação com aqueles que compartilharam seu trabalho na Terra. Agostinho escreveu que a descrição do Céu como "a cidade de Deus" não teria sentido "se a vida dos santos não fosse social" [16]. A teologia cristã sempre enfatizou que o Céu envolverá uma renovação do conhecimento terrestre, e que o prazer de tal conhecimento não será seu ponto principal. E, claro, sempre gosta de conhecer melhor, se isso servir a algum outro ponto - se um e um dos colegas estiverem trabalhando juntos em uma tarefa. Tradicionalmente também, as pessoas sentirão prazer físico da vida no céu.

 A felicidade de uma pessoa consiste em sua (acreditando que ele é) fazendo o que ele quer (isto é, desejos) para estar fazendo e tendo o que ele quer que aconteça. Segue-se que a felicidade mais profunda de uma pessoa deve ser encontrada em prosseguir com sucesso uma tarefa de supremo valor e estar em uma situação de supremo valor, quando essa pessoa tem crenças verdadeiras sobre isso e quer estar apenas nessa situação perseguindo essa tarefa. Assim, a vida do Céu Cristão proporcionaria profunda felicidade para a pessoa que quer estar lá e não quer mais nada, mas não para aqueles que têm outros desejos.

Mas, por mais que o nirvana seja interpretado, o budismo oferece um tipo muito diferente de salvação no pós-vida daquele oferecido pelo cristianismo. Para os budistas, o ponto de seguir as partes menos exigentes do caminho budista é assegurar o renascimento tanto neste mundo dos humanos quanto em um mundo melhor de semideuses. Mas o ponto de seguir as partes mais exigentes do caminho é alcançar o nirvana final. O nirvana final supostamente envolve o fim do ciclo de morte e renascimento, e um fim de sofrimento e desejos mundanos e de ignorância; mas apenas o que mais está envolvido não é claro. Parece haver no budismo uma gama de compreensões muito diferentes do nirvana final. [17] Numa visão extrema, é, como a etimologia sugere, literalmente "nada", o fim da existência. Em outro ponto de vista, é inconcebível - nada pode ser dito sobre isso. Em outras visões, é infinita paz e alegria. Mas nenhuma razão positiva parece ser dada sobre o que faz do nirvana um estado alegre; existe apenas a razão negativa da ausência de desejos mundanos. Uma coisa que parece bastante clara, porém, é que o nirvana não envolve amizade com um Deus criador todo-bom, ou mesmo com humanos que conhecemos na terra. A questão é complicada pela doutrina budista do não-eu. Estritamente falando, de um momento para outro não há alma imutável que dê à pessoa sua identidade, apenas uma corrente de consciência. Então, o que sobrevive em outro mundo, muito menos em nirvana (se alguma coisa sobrevive ao nirvana) é apenas um pouco a mesma pessoa que existia na terra. Então, estritamente falando, o budismo não oferece nenhuma esperança para mim de uma vida celestial abençoada, muito menos uma envolvendo Deus. E, portanto, há em minha mente considerável plausibilidade em sustentar que uma vida após a morte sem Deus não seria tão feliz quanto a vida no Céu teísta. Pois a amizade é com pessoas. Se não há Deus, a única amizade a ser alcançada poderia ser com pessoas com capacidade limitada para satisfazer nossas necessidades, naturezas limitadas para revelar a nós, habilidades limitadas para fazer as coisas por nós e satisfazer nossa curiosidade. Mas, de qualquer forma, a amizade continuada com outros humanos, muito menos aqueles que compartilharam nossa peregrinação terrena, não parece fazer parte do nirvana. Tudo dito, a salvação oferecida pelo budismo parece-me definitivamente inferior à salvação oferecida pelo cristianismo ou pelo islamismo.

Hick alega que "a expectativa básica de uma satisfação ilimitadamente boa poderia estar correta sem que nenhuma das nossas formas atuais de mostrá-la se mostrasse adequada". [18] É verdade, mas ao avaliar se vale a pena perseguir algum objetivo, devemos depender de nossa "maneira atual de imaginando isso - não temos outro. E se o que uma religião oferece a você não parece "satisfação ilimitada", não há razão para supor que realmente seja, e, portanto, há menos motivos para buscá-la do que outra meta.

O credo cristão explica por que seguir o caminho cristão me levará a alcançar a salvação aqui e no futuro. Pois, se é verdade, seguir o seu caminho nos ajudará a desenvolver o caráter correto na terra, e isso nos tornará adequados para o Céu. Pois somente aqueles com os desejos corretos gozariam das ocupações supremamente boas do Céu. Alguém que sempre fez escolhas más teria se permitido tornar alguém sem qualquer senso moral, e o credo cristão diz que não há paraíso para tal pessoa. E uma razão para isso é que ele não seria feliz lá. E até mesmo um budista que adquiriu total desapaixonado precisaria de uma grande reforma antes de ser feliz ali. Por outro lado, o credo budista explica, por meio da lei do karma, por que os bons na terra terão vidas melhores no futuro e os maus terão vidas piores; e essa iluminação total levará, de fato, ao nirvana final. Nenhum cristão com paixões e atributos cristãos poderia adquirir essa iluminação.

A terceira razão religiosa para seguir um caminho religioso é ajudar os outros a alcançar sua salvação. Parte de seguir tal caminho (seja cristão ou budista) envolve dizer aos outros como alcançar sua salvação e encorajá-los a fazê-lo. E claramente, na medida em que qualquer religião oferece uma salvação que vale a pena, é bom que ajudemos os outros a alcançá-la. Eu sugiro que não apenas é bom, mas há uma obrigação para aqueles que têm a responsabilidade pela educação dos outros (por exemplo, nossos próprios filhos), e isso significa a maioria de nós, para ajudar os outros a encontrar seu caminho para sua própria salvação. E novamente o credo de cada religião explica como sua busca por mim o ajudará a alcançar sua salvação - primeiro porque eu posso ensinar-lhe como obter essa salvação; e em segundo lugar (pelo menos no caso do Cristianismo) porque atos de oração por mim o ajudarão a fazê-lo. É porque parte da maneira de alcançar a própria salvação é ajudar os outros a encontrar sua salvação que não há nada egoísta. em buscar a própria salvação. Seria apenas egoísta buscar a própria salvação, se envolver, tornando mais difícil para os outros conseguirem, mas, de fato (de acordo com esses credos), o oposto é o caso.

Ao considerar os dois exemplos do cristianismo e do budismo, concluo que diferentes religiões têm objetivos diferentes, incluindo diferentes concepções de salvação, e assim seguir um caminho religioso pode ser melhor do que seguir outro porque oferece melhores objetivos.

O outro fator na escolha de qual religião perseguir deve ser o quão provável é que, seguindo o caminho dessa religião, possamos alcançar as metas que ela nos oferece, mais provavelmente do que seguir o caminho de alguma outra religião ou nenhuma religião, e eu mostrei que depende de quão provável é o credo de uma religião em oposição a outra. Eu acredito que a evidência pública torna o credo cristão mais provável do que o credo budista ou mesmo o credo de qualquer outra religião, mas eu não argumentei isso no presente artigo. No entanto, afirmo ter mostrado que, mesmo que não fosse assim, ainda existem boas razões para seguir o caminho cristão em vez do budista.

~

Richard Swinburne

[1] Este artigo é uma versão abreviada do Capítulo 5 de Faith and Reason, segunda edição, Clarendon Press, 2005. Disponível em Oxford Philosophy Faculty.


Notas:
[2] Hick afirma que enquanto cada uma das principais religiões tem sua própria compreensão da salvação, "se nos afastarmos dessas concepções diferentes para compará-las, poderemos vê-las de forma muito natural e adequada como formas diferentes da concepção mais fundamental de um radicalismo". mudar de um estado profundamente insatisfatório para um que é infinitamente melhor, porque corretamente relacionado com o Real '. ('Pluralismo Religioso e Salvação' em (ed.) PL. Quinn e K. Meeker, O Desafio Filosófico da Diversidade Religiosa, Oxford University Press, 2000, p. 55.) 'O Real' é a palavra de Hick para o que ele considera como a realidade divina transcendente conceituada em diferentes tradições como pessoal ou impessoal.
[3] Donald S. Lopez, Budismo, Penguin Books, 2002, p. 21
[4] "As paixões nos inclinam ao pecado na medida em que são descontroladas pela razão; na medida em que são controlados pela razão, fazem parte da vida virtuosa ”- Aquino, Summa Theologiae, 1a. 2ae. 24,2 ad 3.
[5] Como mesmo Agostinho, com sua profunda preocupação com o mal da luxúria, reconheceu quando escreveu com a aprovação da "afeição mútua" que Adão e Eva tinham um pelo outro como a do "casamento fiel e sincero", que incluiria a procriação. "Eles sempre gostaram do que foi amado". O que deu errado posteriormente, alegou Agostinho, foi que a "afeição mútua" saiu do controle racional, de modo a tornar-se luxúria desordenada. Veja Agostinho, Cidade de Deus 14.10. (traduzido por M.Dods T & T Clark, 1871).
[6] Lopez, budismo, p. 27
[7] op. cit. p. 265
[8] op. cit. pp. 218-9
[9] "Pluralismo Religioso e Salvação", p. 56
[10] "Por um ato único, ininterrupto e eterno, a mente de um ser humano estará unida a Deus naquele estado de beatitude" - Summa Theologiae, 1a. 2ae. 3. 2 ad.4.
[11] Este é um tema de Julian of Norwich, Revelações do Amor Divino (trad. E. Spearing, Penguin Books, 1998), por exemplo. A seção de texto longo 32. Ela está muito preocupada que "um ponto de nossa fé é que muitos serão condenados", e assim parece "impossível que todos os tipos de coisas estejam bem". E ainda 'há uma ação que a Santíssima Trindade deve fazer no último dia' que é fazer todo o bem que não está bem 'e Deus diz a ela que' Você verá por si mesmo que todas as coisas estarão bem '' no final do tempo '.
[12] "Esta será a vida dos santos, a atividade dos que estão em repouso: louvaremos sem cessar" - Agostinho, Cidade de Deus 22,30, citado em B.E. Daley, a Esperança da Igreja Primitiva, Cambridge University Press, 1991. Sou grato a Daley por sua descrição muito completa da compreensão do pós-vida pelos teólogos cristãos dos primeiros quinhentos anos do cristianismo. Ele revela como há virtualmente total concordância entre esses teólogos sobre a natureza do Céu, embora haja muito menos concordância sobre se há um estágio purgatorial através do qual alguns têm que passar no caminho para o Céu, e sobre o destino daqueles ( se houver) que não chegam ao céu.
[13] Veja as palavras de Cristo aos seus discípulos: “Em verdade vos digo que, na renovação de todas as coisas, quando o Filho do homem está sentado no trono da sua glória, vós que me seguistes, também sentareis sobre doze tronos, julgando. as doze tribos de Israel. '(Mat. 19:28)' Julgar 'pode significar aqui' governar '
[14] Assim Paulo: "Agora vemos em um espelho, vagamente, mas então veremos face a face" (I Coríntios 13:12).
[15] Orígenes, Homilia 17 sobre Números, citado em Daley, op. cit. p. 50
[16] Cidade de Deus 19.5, citado em Daley p. 147
[17] Para um esboço de toda a gama de tais pontos de vista, ver Keith Ward, Religião e Revelação, Clarendon Press, 1994, pp. 161-73.
[18] John Hick, Uma Interpretação da Religião, MacMillan, 1989, p. 361 n8.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: