A árvore de natal e de casamento

Sou romancista e suponho que inventei essa história. Escrevo "suponho", embora saiba que compreendi, mas ainda assim continuo imaginando que deve ter acontecido em algum lugar em algum momento, que deve ter acontecido na véspera de Natal em alguma cidade grande em uma época de geada terrível.

Eu tenho uma visão de um menino, um menino de seis anos de idade ou até mais jovem. Esse menino acordou naquela manhã em um porão frio e úmido. Ele estava vestido com uma espécie de roupão e tremia de frio. Havia uma nuvem de vapor branco de sua respiração, e sentado em uma caixa no canto, ele soprou o vapor de sua boca e se divertiu em seu torpor vendo-o flutuar para longe. Mas ele estava terrivelmente faminto. Várias vezes naquela manhã ele foi até a cama de tábuas onde a mãe doente estava deitada em um colchão fino como uma panqueca, com algum tipo de pacote debaixo da cabeça para um travesseiro. Como ela veio aqui? Ela deve ter vindo com o filho de outra cidade e de repente ficou doente. A senhoria que deixara os "cantos" terem sido levados dois dias antes para a esquadra da polícia, os inquilinos estavam fora de casa enquanto o feriado estava tão próximo, e o único que restava tinha estado deitado nas últimas vinte e quatro horas, bêbado e morto, não tendo esperado pelo Natal. Em outro canto da sala, uma infeliz velhinha de oitenta anos, que outrora fora enfermeira de crianças, mas agora deixada sem amigos, gemeu e gritou de reumatismo, repreendendo-a e resmungando ao menino, de modo que teve medo de chegar perto dela. Bebera um pouco de água na sala externa, mas não conseguiu encontrar uma casca em nenhum lugar e esteve a ponto de acordar a mãe uma dúzia de vezes. Sentia-se assustado, finalmente na escuridão: tinha muito tempo foi anoitecer, mas nenhuma luz se acendeu. Tocando no rosto de sua mãe, ele ficou surpreso por ela não se mexer, e por ela estar tão fria quanto a parede. "Está muito frio aqui", pensou ele. Ele ficou de pé um pouco, inconscientemente pousando as mãos nos ombros da mulher morta, depois soprou os dedos para aquecê-los e, em seguida, tateando em silêncio o boné na cama, saiu do porão. Ele teria ido mais cedo, mas estava com medo do cachorro grande que uivava o dia todo na porta do vizinho no topo da escada. Mas o cachorro não estava lá agora e saiu para a rua.

Misericórdia de nós, que cidade! Ele nunca tinha visto nada assim antes. Na cidade de onde ele havia vindo, sempre havia escuridão tão negra à noite. Havia uma lâmpada para toda a rua, as pequenas casas de madeira de traves baixas estavam fechadas com persianas, não havia ninguém para ser visto na rua depois do anoitecer, todas as pessoas se trancavam em suas casas, e havia nada além do uivo de matilhas de cães, centenas e milhares deles latindo e uivando a noite toda. Mas lá estava tão quente e ele recebia comida, enquanto aqui - oh, querida, se ele só tivesse algo para comer! E que barulho e chocalho aqui, que luz e que pessoas, cavalos e carruagens, e que geada! O vapor congelado pairava em nuvens sobre os cavalos, sobre as bocas que respiravam calorosamente; seus cascos ressoavam contra as pedras através da neve pulverulenta, e todos os empurraram, e - oh, querida, como ele ansiava por algum pedaço para comer, e quão miserável ele se sentiu de repente. Um policial passou e se afastou para evitar ver o garoto.

Ali estava outra rua - ah, que larga, aqui ele seria atropelado com certeza; como todo mundo estava gritando, correndo e dirigindo, e a luz, a luz! E o que foi isso? Uma enorme janela de vidro e, através da janela, uma árvore subindo até o teto; era um pinheiro, e nele havia tantas luzes, papéis dourados e maçãs e pequenos bonecos e cavalos; e havia crianças limpas e vestidas em sua melhor corrida pela sala, rindo e brincando, comendo e bebendo alguma coisa. E então uma garotinha começou a dançar com um dos garotos, que garotinha linda! E ele podia ouvir a música pela janela. O menino olhou, se perguntou e riu, embora os dedos estivessem doendo com o frio e seus dedos estivessem vermelhos e duros, de modo que o machucasse movê-los. De repente, o menino lembrou-se de como os dedos e os dedos do pé o magoavam e começou a chorar e correu; e de novo, através de outra vidraça, viu outra árvore de Natal e, numa mesa de bolos de todos os tipos - bolos de amêndoa, bolos vermelhos e bolos amarelos, e três grandes moças estavam sentadas ali, e deram os bolos a quem fosse até eles, e a porta continuava se abrindo, muitos cavalheiros e damas entraram da rua. O menino subiu, de repente abriu a porta e entrou. Oh, como eles gritaram com ele e acenaram de volta! Uma senhora foi até ele apressadamente e colocou um Rublo na mão dele, e com as próprias mãos abriu a porta para a rua para ele! Como ele estava assustado. E o Rublo rolou para longe e tilintou nos degraus; ele não podia dobrar os dedos vermelhos para segurá-lo com força. O menino fugiu e continuou, onde ele não sabia. Ele estava pronto para chorar de novo, mas estava com medo, e continuou a correr e soprou os dedos. E ele estava infeliz porque de repente sentiu-se tão solitário e aterrorizado, e de uma só vez, misericórdia de nós! O que foi isso de novo? As pessoas estavam em pé na multidão admirando. Atrás de uma janela de vidro havia três pequenas bonecas, vestidas com vestidos vermelhos e verdes, e exatamente como se estivessem vivas. Um era um velhinho sentado e tocando um grande violino, os outros dois estavam parados perto, tocando violinos e balançando a cabeça a tempo, e olhando um para o outro, e seus lábios se moviam, eles estavam falando, na verdade falando, só um podia ouça através do vidro. E a princípio, o menino achou que eles estavam vivos e, quando percebeu que eram bonecos, riu. Ele nunca tinha visto esses bonecos antes, e não tinha ideia de que havia essas bonecos! E ele queria chorar, mas se sentia divertido, divertido com as bonecas. De repente, imaginou que alguém pegasse a sua blusa: um menino malvado estava de pé ao lado dele e de repente o atingiu na cabeça, tirou o boné e o tropeçou. O menino caiu no chão, imediatamente houve um grito, ele estava entorpecido de medo, saltou e fugiu. Ele correu, e sem saber para onde estava indo, correu até o portão do quintal de alguém e sentou-se atrás de uma pilha de madeira: "Eles não me encontrarão aqui, além de estar escuro!"

Sentou-se encolhido e ficou sem fôlego de susto e, de repente, sentiu-se tão feliz: as mãos e os pés repentinamente pararam de doer e ficaram tão quentes, tão quentes quanto se ele estivesse em um fogão; então ele estremeceu todo, então ele deu um começo, porque, ele deve ter dormido. Que bom ter um sono aqui! "Eu vou sentar aqui um pouco e vou olhar as bonecas de novo", disse o menino, e sorriu pensando nelas. "Como se estivessem vivos!..." E de repente ele ouviu sua mãe cantando sobre ele. "Mammy, estou dormindo; que bom dormir aqui!"

"Venha para a minha árvore de Natal, pequena", uma voz suave sussurrou de repente sobre sua cabeça.

Ele achava que ainda era sua mãe, mas não, não era ela. Quem estava chamando ele, ele não podia ver, mas alguém se inclinou e o abraçou na escuridão; e ele estendeu as mãos para ele e... e de uma só vez - oh, que luz brilhante! Oh, que árvore de natal! E ainda assim não era um pinheiro, ele nunca tinha visto uma árvore assim! Onde ele estava agora? Tudo estava claro e brilhante, e ao redor dele havia bonecas; mas não, eles não eram bonecos, eram meninos e meninas, apenas tão brilhantes e brilhantes. Todos eles vieram voando ao redor dele, todos eles o beijaram, o levaram e o carregaram junto com eles, e ele estava voando ele mesmo, e ele viu que a mãe dele estava olhando para ele e rindo alegremente. "Mamãe, mamãe; oh, que bom que é aqui, mamãe!" E mais uma vez ele beijou as crianças e quis contar a elas uma vez aquelas bonecas na vitrine da loja. "Quem são vocês, garotos? Quem são vocês, garotas?" ele perguntou, rindo e admirando-os.

"Esta é a árvore de Natal de Cristo", responderam eles. "Cristo sempre tem uma árvore de Natal neste dia, para as criancinhas que não têm árvore própria..." E ele descobriu que todos esses meninos e meninas eram crianças como ele; que alguns tinham sido congelados nos cestos em que tinham sido colocados à porta das pessoas abastadas de Petersburgo, outros tinham sido abordados com mulheres finlandesas pelos enjeitados e sufocados, outros tinham morrido à fome os seios da mãe (na fome de Samara), outros morreram nos vagões ferroviários de terceira classe do ar sujo; e ainda assim eles estavam todos aqui, todos eles eram como anjos sobre Cristo, e Ele estava no meio deles, estendendo as mãos para eles e abençoando-os e suas mães pecaminosas... E as mães dessas crianças estavam em um choro lateral; cada um conhecia seu menino ou menina, e os filhos voaram até eles, beijaram-nos e enxugaram as lágrimas com as mãozinhas, e imploraram para que não chorassem porque estavam muito felizes.

E lá embaixo, de manhã, o porteiro encontrou o pequeno cadáver da criança congelada na pilha de lenha; Eles procuraram sua mãe também... Ela havia morrido antes dele. Eles se encontraram diante do Senhor Deus no céu.

Por que inventei tal história, tão fora de um diário comum e de um escritor acima de tudo? E prometi duas histórias lidando com eventos reais! Mas é só isso, fico imaginando que tudo isso pode ter acontecido de verdade - isto é, o que aconteceu no porão e na pilha de lenha; mas, quanto à árvore de Natal de Cristo, não posso dizer se isso poderia ter acontecido ou não.

~

Fiodor DostoiévskiBreves Histórias (1848).

Título original: Ёлка и свадьба

Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: