Deus e moralidade

Suponha que haja um Deus do tipo afirmado pelo cristianismo, judaísmo e islamismo. Que diferença isso faz para a moralidade? Argumentarei que a existência e as ações de Deus não fazem diferença para o fato de que existem verdades morais, mas que elas fazem uma grande diferença naquelas verdades morais.

As ações podem ser (objetivamente) moralmente boas, ruins ou indiferentes. Entre as boas ações estão aquelas que são obrigatórias (isto é, são deveres), e aquelas que vão além da obrigação e que são chamadas de "supererrogativas". Sou obrigada a pagar minhas dívidas, mas não a dar a minha vida para salvar a de um camarada - supremamente, supererrogatoriamente*, embora seja bom fazê-lo. Da mesma forma, entre as más ações, há aquelas que é obrigatório não fazer - estas são ações erradas; e há ações ruins que não são erradas, e que eu chamo de "infravetatorio". É errado estuprar ou roubar, mas (plausivelmente) é ruim, mas não errado (exceto circunstâncias especiais) "desperdiçar os talentos de alguém" ou sentar-se vendo filmes pornôs em DVD. Ao dizer que alguma ação é "objetivamente" boa, ruim ou qualquer outra coisa, quero dizer que é assim, quer o agente acredite ou não. Se eu pedi 100 libras emprestadas de você, tenho a obrigação de lhe pagar as 100 libras, quer eu acredite ou não que tenho essa obrigação. Ao dizer que alguma ação é "subjetivamente" boa ou qualquer outra coisa, quero dizer que o agente acredita que é objetivamente bom ou qualquer outra coisa. Nossas obrigações subjetivas são cumprir o que acreditamos ser nossas obrigações objetivas. (Embora o ponto principal deste artigo não dependa disso), sugiro que alguém seja apenas culpado por falhar em cumprir suas obrigações subjetivas, e (pelo menos normalmente) apenas louvável por fazer ações subjetivamente supererrogativamente boas, ou seja, ações que eles acreditam ser objetivamente supererrogativamente bons. Neste documento - até o último parágrafo - farei apenas as qualidades morais objetivas das ações.

Como resultado da discussão e da experiência ao longo de muitos séculos, os seres humanos cresceram em sua compreensão de quais tipos de ações são moralmente obrigatórias, ou erradas, ou qualquer outra coisa; é isso que afirma da forma "tal e tal ação é obrigatória (ou qualquer outra coisa)" são verdadeiras. É evidente para quase todos nós, no início do século XXI, que a escravidão está errada, e por isso está encorajando a súttee (uma viúva se queimando até a morte na pira funerária de seu falecido marido) e está matando alguém apenas por causa de sua escravidão. corrida; que não é obrigatório lutar um duelo para defender sua honra; que é obrigatório manter suas promessas de qualquer forma quando isso lhe causa poucos problemas; que é bom alimentar os famintos e conversar com os solitários, impedindo contrárias considerações extraordinárias. E assim por diante e assim por diante. E se os de alguma outra cultura pensam o contrário, estão obviamente equivocados - tão obviamente equivocados quanto os solipsistas e os terra-planistas.

Agora, as propriedades morais (bondade moral, maldade etc.) de ações particulares são supervenientes às suas propriedades não-morais. O que Hitler fez em tais e tais ocasiões em 1942 e 1943 foi moralmente errado porque foi um ato de genocídio. O que você fez ontem foi bom porque foi um ato de alimentar os famintos. E assim por diante. Nenhuma ação pode ser moralmente boa ou má, independentemente de suas outras propriedades; é bom ou ruim porque tem outras propriedades não morais. E qualquer outra ação que tivesse apenas essas propriedades não-morais teria as mesmas propriedades morais. A conjunção de propriedades não morais que dá origem à propriedade moral pode ser longa ou curta. Pode ser que todos os atos de contar mentiras sejam ruins, ou pode ser que todos os atos de mentir em tais e tais circunstâncias (cuja descrição é longa) sejam ruins. Mas deve ser que, se existe um mundo W no qual uma certa ação A tendo várias propriedades não-morais é ruim, não poderia haver outro mundo W * que fosse exatamente o mesmo que W em todos os aspectos não-morais, mas em qual A não era ruim. Se a pena capital pelo assassinato não é ruim em um mundo, mas é ruim em outro mundo, deve haver alguma diferença não moral entre os dois mundos que faz a diferença moral - por exemplo, que a pena capital impede as pessoas de cometer assassinato no primeiro mundo. mundo, mas não no segundo mundo. Propriedades morais, para usar a terminologia filosófica, são supervenientes às propriedades não-morais. E a superveniência deve ser superveniência lógica. Nosso conceito de moral é tal que não faz sentido supor que existe um mundo W no qual A está errado e um mundo W * exatamente igual a W, exceto que em W * A é bom. Segue-se que há verdades logicamente necessárias da forma 'Se uma ação tem propriedades não-morais B, C e D, é moralmente boa', 'Se uma ação tem propriedades não-morais D, E e F, é moralmente errado 'e assim por diante.

Se existem verdades morais, há verdades morais necessárias - princípios gerais de moralidade. Eu enfatizo que, apesar de tudo o que eu disse até agora, esses podem ser princípios muito complicados. Todas as verdades morais são necessárias (do tipo acima) ou contingentes. As verdades morais contingentes (por exemplo, o que você fez ontem foi bom) derivam sua verdade de alguma verdade contingente não moral (por exemplo, o que você fez ontem foi alimentar os famintos) e alguma verdade moral necessária (por exemplo, que todos os atos de alimentar os famintos são bons).

Os teístas e a maioria dos ateus são introduzidos na infância a esse conceito comum de moralidade ao mostrar muitos dos mesmos casos paradigmáticos - manter promessas, falar com os solitários etc. são ações moralmente boas, e assim por diante; e eles reconhecem que estas são ações moralmente boas em virtude do que está envolvido em fazer uma promessa ou ser solitário. Se teístas e ateus não tivessem esse entendimento comum do que torna muitas ações particulares moralmente boas ou ruins, não concordaríamos tanto com quais tipos de ação são boas ou más, ou seríamos capazes de argumentar - como tantas vezes podemos - sobre a moralidade de ações particulares. As disputas sobre a moralidade do castigo corporal ou da guerra, por exemplo, raramente se ativam ou não há um Deus ou o que ele fez. Portanto, teístas e ateus podem concordar - como claramente o fazem - sobre o status moral (bom ou ruim, conforme o caso) de muitas ações particulares, e também sobre as razões pelas quais essas ações têm o status moral que possuem.

Só porque as verdades morais necessárias são verdades necessárias, a existência e as ações de Deus não podem fazer diferença para elas, mas a existência e as ações de Deus podem fazer uma grande diferença para o que são as verdades contingentes. Como criador e sustentador do universo, Deus provoca as circunstâncias que (em virtude de alguma verdade moral necessária) fazem uma ação de algum tipo, boa ou ruim - fazendo com que, em algumas sociedades, a pena capital não detenha (se efeito dissuasivo é a única característica que não o torna ruim) ele tornaria a pena capital naquela sociedade contingentemente ruim. Entre as verdades morais necessárias, que os ateus, assim como os teístas, podem vir a reconhecer, é que é muito bom reverenciar os bons e os sábios que são verdadeiramente grandes e obrigatórios para agradecer e agradar aos benfeitores; e (dentro dos limites) para agradar aqueles benfeitores de quem dependemos para nossa própria existência, obedecendo a seus comandos. Os pais, que não são apenas pais biológicos, mas pais cuidadosos, têm (dentro dos limites) o direito de dizer às crianças que façam coisas (lavar a louça ou ajudar um vizinho com suas compras, por exemplo), e esses comandos fazem ações obrigatórias que de outro modo não seriam obrigatórias. Da mesma forma, um estado que fornece um sistema razoavelmente justo de lei e ordem tem (dentro dos limites) o direito de nos dizer para fazer coisas (pagar impostos ou prestar serviço militar) e, novamente, seus comandos tornam as ações obrigatórias. Em virtude da verdade necessária que (dentro dos limites) as pessoas são obrigadas a obedecer a benfeitores de um certo tipo, e uma verdade não moral contingente que um benfeitor desse tipo nos mandou fazer A, há uma verdade moral contingente que nós são obrigados a fazer A.

Se existe um Deus do tipo que estamos considerando, ele é todo-bom e todo-sábio, e verdadeiramente grande, e só por essa razão é muito bom reverenciá-lo. Mas ele também é nosso benfeitor supremo. Ele é muito mais a fonte do nosso ser do que nossos pais. Deus nos mantém em existência de momento a momento, nos dá conhecimento e poder e amigos; e nossos outros benfeitores só podem fornecer os benefícios que eles proporcionam porque Deus sustenta neles o poder de fazê-lo. Por isso, torna-se um dever agradecer-lhe abundantemente e também obedecer aos seus mandamentos. Se as crianças têm obrigações limitadas de obedecer aos pais, os humanos terão obrigações muito menos limitadas em obedecer a Deus. Seu comando tornará contingente o caso de que alguma ação que de outra forma seria apenas supererrogatoriamente boa ou moralmente indiferente é agora obrigatória; e sua proibição fará uma ação contingentemente errada quando anteriormente era apenas gravemente ruim ou moralmente indiferente.

Nem os pais nem Deus têm o direito de ordenar a alguém que faça o que é errado (em virtude de alguma outra verdade moral necessária). E existem outros limites quantitativos para os direitos dos pais sobre os filhos - os pais não têm o direito de ordenar que os filhos os sirvam dia e noite; e assim, além de certo ponto, os comandos parentais não imporiam nenhuma obrigação. Sugiro que também existem limites quantitativos (embora necessariamente muito mais amplos do que aqueles que restringem os pais) no direito de Deus de nos mandar fazer coisas. Se ele escolhe criar seres racionais livres, limita a extensão do seu direito de controlar suas vidas. Segue-se então que, em virtude de sua bondade perfeita, Deus não nos mandará fazer ações fora desses limites - pois comandar o que você não tem o direito de comandar é errado.

O que Deus não ordena, ele pode elogiar. E uma vez que (talvez até um limite) é supererogatoriamente bom agradar os benfeitores mais do que você é obrigado, a recomendação de Deus pode fazer uma ação supererogatoriamente boa, quando isso não a torna obrigatória. E por ser onisciente, Deus vê o que é bom e obrigatório por outras razões que não o seu comando e elogio, e nem sempre, ele pode nos informar quais ações são boas ou obrigatórias por tais razões. E, como os pais humanos, ele pode nos mandar fazer o que é obrigatório de qualquer maneira (por exemplo, manter nossas promessas a outros humanos) e nos recomendar a fazer o que é bom de qualquer maneira. E seu comando e elogio podem aumentar a obrigação ou a bondade do ato. Mas, se o que escrevi anteriormente estiver correto, há limites para o que Deus pode fazer para ser bom ou obrigatório. E por causa dos limites quantitativos para as obrigações que Deus pode nos impor, há espaço para "obras de super-rogação", como a tradição católica manteve em contraste com o protestantismo clássico.

No diálogo de Platão, Eutífron, Sócrates fez a famosa pergunta: 'Aquilo que é santo é amado pelos deuses porque é sagrado ou é santo porque é amado pelos deuses?', Colocado em termos monoteístas (e formulado simplesmente em termos de comando e obrigação), o dilema de Eutifro torna-se: Deus ordena o que é obrigatório por outras razões, ou o que é obrigatório obrigatório porque Deus o ordena? Kant deu a resposta simples de dar o primeiro chifre desse dilema; outros pensadores da tradição cristã (talvez William de Ockham e certamente Gabriel Biel) tomaram o segundo chifre. Mas a visão que estou apresentando toma a primeira forma de chifre para algumas obrigações e a segunda para outras. Sugiro que não devemos estuprar ou quebrar uma promessa justa (que temos o direito de fazer), se existe ou não um Deus; aqui Deus só pode nos mandar fazer o que é nosso dever de qualquer maneira. Em contraste, apenas um mandamento divino tornaria obrigatória a participação no culto comunitário aos domingos, e não às terças-feiras. Que existem princípios muito gerais de moralidade que não dependem da vontade de Deus, incluindo não apenas o princípio da obrigação de agradar os benfeitores, mas também outros princípios, foi reconhecido tanto por Tomás de Aquino quanto por Duns Scotus. Tomás de Aquino sustentava que "os primeiros princípios da lei natural são totalmente inalteráveis" (Summa Theologiae Ia. 2ae. 94.5). Ele não nos conta muito na Summa Theologiae sobre quais são esses princípios, mas escreve que eles são princípios gerais demais. ser mencionado nos Dez Mandamentos, princípios tais como “ninguém deve fazer mal a ninguém”, que ele diz estar “inscrito na razão natural como evidente” (Summa Theologiae Ia. 2a. 100.3). nós que as únicas obrigações morais das quais Deus não nos dispensou são os deveres de amar e adorar o próprio Deus, e o dever de não adorar ídolos, que ele considera constituídos pelos três primeiros dos Dez Mandamentos. (Ordinatio III supl. Dist. 37.) E enquanto ambos os escritores sustentaram - e, eu afirmei, estavam certos em afirmar - que existem verdades morais necessárias independentes da vontade de Deus, eles também sustentaram que existem muitas verdades morais contingentes. provocada pelos comandos ou outros atos de Deus.

Mas, embora obviamente Deus tenha boas razões para nos informar daquelas verdades morais que são independentes de sua vontade, mas que não somos suficientemente inteligentes para descobrir, que razão teria ele para acrescentar aos nossos fardos morais emitindo ordens? Três razões eu sugiro. Em primeiro lugar, para nos dar mais motivação para fazer o que é obrigatório de qualquer maneira. Como observei, os pais costumam dizer aos filhos que façam o que devem fazer de qualquer maneira - às vezes, sem dúvida, porque as crianças podem não perceber o que devem fazer de qualquer maneira; mas em outras ocasiões, quando as crianças percebem isso, para reforçar a obrigação, tornar obrigatório o ato por duas razões diferentes. Os pais se importam que seus filhos façam o que devem fazer (por outras razões que não o comando dos pais). Então, se existe um Deus, Deus. Não é necessário que Deus nos mande não matar para que seja errado matar, mas seu comando pode aumentar nossa motivação para não matar. Em segundo lugar, Deus pode emitir comandos com o propósito de coordenação. Muitas vezes só podemos atingir bons objetivos que temos a obrigação de promover se as ações de cada um de nós são coordenadas com as dos outros. Temos a obrigação de evitar bater nos carros uns dos outros e, para nos permitir cumprir essa obrigação, o estado estabelece uma regra de coordenação, como "sempre dirigir à esquerda". Se Deus fundar uma instituição na qual ele permite que nos unamos (por exemplo, casamento ou igreja) onde a associação envolve a obrigação de mostrar lealdade à instituição, ele precisa nos dizer como devemos demonstrar essa lealdade - por exemplo, cujas decisões devemos obedecer onde há uma disputa (irresolúvel por discussão) sobre o que os membros da instituição deveriam fazer. E, em terceiro lugar, Deus pode emitir ordens a fim de nos habituar a fazer o que de outra forma seria apenas supererrogativamente bom. Quando os filhos são jovens, os pais frequentemente os comandam a fazer tais atos, como fazer as compras de um vizinho, por esse motivo. Os comandos geralmente têm mais efeito do que um bom conselho, mas uma vez que as crianças adquiram o hábito de fazer (o que, de outra forma, seriam) bons atos supererrogatórios, a necessidade de comando diminui. Deus corretamente quer que os seres humanos sejam santos, e então ele tem essa terceira razão para impor obrigações sobre nós (por meio de mandamentos) - para tornar natural para nós fazer bons atos supererrogatórios. Por exemplo, ele poderia ordenar a todos que fizessem atos heroicos de certo tipo que de outra forma não seriam obrigatórios, para servir de exemplo àqueles que são tentados a não cumprir obrigações de um tipo similar. Considere aqueles cujo casamento não tem sido muito bem sucedido há algum tempo, mas é tal que suas dificuldades não estão claramente além do reparo. É plausível que eles tenham alguma obrigação uns com os outros, com seus filhos e com a sociedade, de não se divorciarem imediatamente. Então, Deus poderia ordenar àqueles cujos casamentos têm problemas muito mais sérios para não se divorciarem, a fim de encorajar aqueles com problemas menores a persistirem em seus esforços para resolvê-los. Isso tornaria obrigatório que alguns casais não se divorciassem, caso contrário, seria no máximo um bem super-indagatório que eles não o fizessem.

Então (se existe um Deus) Deus tem razões para nos ordenar a fazer vários atos, e o seu comando para fazê-los nos imporia uma obrigação de fazê-los. Mas precisamos de uma revelação bem autenticada por uma assinatura divina, a fim de saber o que Deus ordenou. Tal assinatura seria fornecida por um milagre (envolvendo uma violação das leis naturais que só Deus pode realizar) acompanhando o ensinamento de algum profeta que pretende contar o que Deus ordenou, como a ressurreição daquele profeta dos mortos e encaminhando o ensinamento do profeta. Então, se existe um Deus, não podemos ser objetivamente bons sem obedecer a seus comandos. Mas - dada a minha sugestão no início do artigo, ainda podemos ser subjetivamente bons, sem uma mancha em nossos caracteres, isto é, sem obedecer aos mandamentos de Deus - desde que não acreditemos que exista um Deus, ou que ele tenha emitiu certos comandos para nós. E se não há Deus, claramente ainda podemos ser objetiva e subjetivamente boas.

~

Richard Swinburne

The Royal Institute of Philosophy - Think 20, Vol. 7 - 2008.
Disponível em Oxford Philosophy Faculty.

Nota de tradução:
*Que fica além do que é necessário ou obrigatório.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: