Irmão Lawrence

Irmão Lawrence (1614 - 1691), nascido Nicholas Herman, serviu como um irmão leigo em um mosteiro carmelita em Paris. Os cristãos geralmente se lembram dele pela intimidade que ele expressou em relação a sua relação com Deus, conforme registrado em um livro compilado após sua morte, o clássico texto cristão, A Prática da Presença de Deus.

O irmão Lawrence nasceu Nicholas Herman por volta de 1610 em Herimenil, Lorraine, um ducado da França. Seus registros de nascimento foram destruídos em um incêndio em sua igreja paroquial durante a Guerra dos Trinta Anos, uma guerra na qual ele lutou como um jovem soldado. Foi também a guerra em que sofreu uma lesão quase fatal no nervo ciático. A lesão o deixou bastante aleijado e com dores crônicas pelo resto de sua vida.

Os detalhes de sua vida inicial são poucos e incompletos. No entanto, sabemos que ele foi educado em casa e por seu pároco cujo primeiro nome era Lawrence e que era muito admirado pelo jovem Nicolas. Ele foi bem lido e, desde cedo, atraído para uma vida espiritual de fé e amor a Deus.

Também sabemos que nos anos entre o fim abrupto de seus deveres como soldado e sua entrada na vida monástica, ele passou um período de tempo no deserto vivendo como um dos primeiros pais do deserto. Além disso, antes de entrar no mosteiro, e talvez como preparação, ele passou um tempo como funcionário público. Em sua forma característica, auto-depreciativa, ele menciona que ele era um "lacaio que era desajeitado e quebrou tudo".

No meio da vida ele entrou em um mosteiro recém-estabelecido em Paris, onde se tornou o cozinheiro para a comunidade que cresceu para mais de cem membros. Depois de quinze anos, seus deveres foram transferidos para a oficina de reparação de sandálias, mas, mesmo assim, ele sempre voltava para a cozinha ocupada para ajudar.

Em tempos tão perturbados como hoje, o irmão Lawrence descobriu e seguiu uma maneira pura e descomplicada de caminhar continuamente na presença de Deus. Por cerca de quarenta anos, ele viveu e andou com o Pai ao seu lado. No entanto, através de suas próprias palavras, aprendemos que os primeiros dez anos do irmão Lawrence foram repletos de provações e desafios severos.

Um homem gentil de espírito alegre, o irmão Lawrence evitou a atenção e o centro das atenções, sabendo que a distração externa "estraga tudo". Não foi até depois de sua morte que algumas de suas cartas foram coletadas. Joseph de Beaufort, representante e advogado do arcebispo local, publicou pela primeira vez as cartas em um pequeno panfleto. No ano seguinte, em uma segunda publicação intitulada "A Prática da Presença de Deus", de Beaufort incluiu, como material introdutório, o conteúdo de quatro conversas que teve com o irmão Lawrence.

Neste pequeno livro, através de cartas e conversas, o irmão Lawrence explica de maneira simples e bonita como caminhar continuamente com Deus - não da cabeça, mas do coração. O irmão Lawrence deixou o dom de um modo de vida disponível para qualquer um que procura conhecer a paz e a presença de Deus; que qualquer pessoa, independentemente de idade ou circunstância, pode praticar em qualquer lugar, a qualquer momento. O irmão Lawrence também deixou o dom de uma abordagem direta para viver na presença de Deus que é tão prática hoje quanto há trezentos anos atrás.

O irmão Lawrence morreu em 1691, tendo praticado a presença de Deus por mais de quarenta anos. Sua morte silenciosa era muito parecida com sua vida monástica, onde cada dia e cada hora era um novo começo e um novo compromisso de amar a Deus de todo o coração.

Apesar de sua posição humilde na vida e no priorado, seu personagem atraiu muitos para ele. Ele tinha uma reputação de experimentar uma paz profunda e os visitantes vieram buscar orientação espiritual dele. A sabedoria que ele passou para eles, em conversas e em cartas, mais tarde se tornaria a base para o livro, A Prática da Presença de Deus. O padre Joseph de Beaufort, mais tarde vigário geral do arcebispo de Paris, compilou este trabalho depois que o irmão Lawrence morreu. Tornou-se popular entre católicos e protestantes, com John Wesley e A. W. Tozer recomendando-o a outros.

Fonte: Sermon Index, Wikipedia e Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: