O grande inquisidor

"É impossível, como você vê, começar sem uma introdução", riu Ivan. "Bem, então, eu quero colocar o evento descrito no poema no século dezesseis, uma idade - como você deve ter sido dito na escola - quando foi a grande moda entre os poetas fazer com que os habitantes e poderes dos mundos superiores descessem. na terra e misturar-se livremente com os mortais... Na França, todos os funcionários dos notários e os monges nos claustros costumavam dar grandes espetáculos, peças dramáticas em que longas cenas eram encenadas pela Madona, pelos anjos, pelos santos, Cristo, e até mesmo pelo próprio Deus.Naqueles dias, tudo era muito sem arte e primitivo. Um exemplo disso pode ser encontrado no drama de Victor Hugo, Notre Dame de Paris, onde, no Municipal Hall, uma peça chamada Le Bon Jugement de la Tres-sainte e Gracièuse Vierge Marie, é promulgada em honra de Luís XI, na qual a Virgem parece pessoalmente pronunciar seu "bom senso". Em Moscou, durante o período pré-definitivo, performances de quase o mesmo caráter, escolhidas especialmente do Antigo Testamento, também foram em grande favor.Além de tais peças, o mundo foi inundado com escritos místicos, "versos" - os heróis de que eram sempre selecionados entre fileiras de anjos, santos e outros cidadãos celestiais, respondendo aos propósitos devocionais da época.Os contemplativos de nossos mosteiros, como os monges católicos romanos, passaram seu tempo traduzindo, copiando e até produzindo composições originais sobre tais assuntos, e, lembre-se, durante o período Tarter!... A este respeito, lembro-me de um poema compilado num convento - uma tradução do grego, é claro - chamado "As Viagens da Mãe de Deus entre os Amaldiçoado, "com ilustrações apropriadas e uma ousadia de concepção inferior à de Dante. A 'Mãe de Deus' visita o inferno, em companhia do arcanjo Miguel como seu cicerone para guiá-la pelas legiões do 'maldito' ' Ela vê todos eles, e é testemunha de suas múltiplas torturas.Entre as muitas outras variedades extraordinariamente impressionantes de tormentos - cada categoria de pecadores tem suas próprias - há uma que é especialmente digna de nota, ou seja, uma classe dos "condenados" sentenciados a gradualmente afundam em um lago ardente de enxofre e fogo Aqueles cujos pecados os fazem afundar tão baixo que não podem mais subir à superfície são para sempre esquecidos por Deus, isto é, eles se desvanecem da memória onisciente, diz o poema - um expressão, a propósito, de uma profundidade extraordinária de pensamento, quando analisada de perto A Virgem está terrivelmente chocada, e caindo de joelhos em lágrimas diante do trono de Deus, implora que tudo que ela viu no inferno - tudo, tudo sem exceção, deve ter suas sentenças remetidas a eles. Ela diálogo com Deus é colossalmente interessante. Ela suplica, ela não vai deixá-lo.E quando Deus, apontando para as mãos e pés furados de seu Filho, grita: 'Como posso perdoar a Sua carrascos? ' Ela então ordena que todos os santos, mártires, anjos e arcanjos, se prostrem diante dela antes do imutável e imutável e implore a Ele que mude sua ira em misericórdia e - perdoe a todos eles. O poema termina quando ela obtém de Deus um compromisso, uma espécie de trégua anual de torturas entre a Sexta-Feira Santa e a Trindade, um coro dos "condenados" cantando altos louvores a Deus de seu "poço sem fundo", agradecendo e dizendo:

Tu está certo, ó Senhor, muito bem, 
Tu nos condenaste justamente.
"Meu poema é do mesmo personagem.

"Nele, é Cristo quem aparece em cena. É verdade que Ele não diz nada, apenas aparece e desaparece. Quinze séculos se passaram desde que Ele deixou o mundo com a promessa distinta de retornar" com poder e grande glória", quinze longos séculos desde que Seu profeta gritou: "Preparai o caminho do Senhor!" desde que Ele mesmo predisse, enquanto ainda na terra: "Daquele dia e hora ninguém conhece, não, nem os anjos do céu, mas somente meu Pai." Mas a cristandade espera-o ainda...

"Espera por Ele com a mesma fé antiga e a mesma emoção; sim, com uma fé muito maior, por quinze séculos se afastaram desde que o último sinal do céu foi enviado ao homem,

E a fé cega permaneceu sozinha 
Para embalar o coração confiante, 
Como o céu nunca mais enviaria um sinal.

"É verdade, novamente, todos nós já ouvimos falar de milagres sendo feitos desde que a 'era dos milagres' faleceu para não retornar mais. Nós tivemos, e ainda temos, nossos santos creditados a realizar as curas mais milagrosas; e, se pudermos Acredite em seus biógrafos, houve aqueles entre eles que foram visitados pessoalmente pela Rainha do Céu. Mas Satanás não dorme, e os primeiros germes de dúvida, e sempre crescente incredulidade em tais maravilhas, já haviam começado a brotar na cristandade como no início do século XVI, foi exatamente nessa época que uma nova e terrível heresia apareceu pela primeira vez no norte da Alemanha. * [* reforma de Lutero] Uma grande estrela 'resplandecente como uma lâmpada... caiu sobre o fontes de águas'... e 'elas se tornaram amargas'. Essa "heresia" negou de forma blasfema "milagres". Mas aqueles que permaneceram fiéis acreditaram mais ardentemente, as lágrimas da humanidade ascenderam até Ele como antes, e o mundo cristão o esperava com confiança como sempre, eles O amavam e esperavam Nele, com sede e fome de sofrer e morrer por Ele, assim como muitos deles haviam feito antes... Tantos séculos a humanidade fraca e confiante implorou a Ele, chorando com fervorosa fé e fervor: 'Até quando, ó Senhor, santo e verdadeiro, não virás!' Tantos séculos de duração lhe atraíram em vão, que finalmente, em Sua inesgotável compaixão, Ele consentiu em responder a oração... Decidiu que mais uma vez, se fosse por uma breve hora, o povo - Seu longo - sofrendo, torturado, fatalmente pecaminoso, seu povo amoroso e infantil, confiante - contemplá-Lo novamente. A cena de ação é colocada por mim na Espanha, em Sevilha, durante aquele terrível período da Inquisição, quando, por maior glória de Deus, estacas flamejavam por todo o país.

Queimando perversos hereges, 
Em grande auto-da-fes*.

"Essa visita em particular não tem nada a ver com o advento prometido, quando, de acordo com o programa," depois da tribulação daqueles dias, "Ele aparecerá" vindo nas nuvens do céu ". Pois, essa "vinda do Filho do Homem", como estamos informados, acontecerá tão subitamente quanto o relâmpago sai do oriente e se mostra até o oeste. Não, desta vez, Ele desejou vir desconhecido, e aparecer entre Seus filhos, justamente quando os ossos dos hereges, sentenciados a serem queimados vivos, começaram a crepitar nas estacas flamejantes.Por causa de Sua ilimitada misericórdia, Ele se mistura mais uma vez com mortais e da mesma forma em que Ele estava habituado a aparecer há quinze séculos atrás, Ele desce, justamente no momento em que antes de rei, cortesãos, cavaleiros, cardeais e as mais belas damas da corte, antes de toda a população de Sevilha, para cima de cem hereges perversos estão sendo assados, em um magnífico auto-da-fé ad majorem Dei gloriam, pela ordem do poderoso Cardeal Grande Inquisidor.

"Ele vem silenciosamente e sem ser anunciado; todavia, tudo - quão estranho - sim, todos O reconhecem imediatamente! A população corre em direção a Ele como se impelida por alguma força irresistível; ela circunda, multidões e pressiona ao redor, segue-O... Silenciosamente, e com um sorriso de ilimitada compaixão em Seus lábios, Ele atravessa a multidão densa, e se move suavemente O Sol do Amor queima em Seu coração, e raios quentes de Luz, Sabedoria e Poder emanam de Seus olhos, e Derrame suas ondas sobre as multidões da multidão reunida ao redor, fazendo seus corações vibrarem com o retorno do amor. Ele estende as mãos sobre suas cabeças, abençoa-os, e do mero contato com Ele, sim, mesmo com Suas vestes, um poder de cura Um homem idoso, cego desde o seu nascimento, clama: 'Senhor, cura-me, para que eu te veja!' e as escamas caindo dos olhos fechados, o cego o contempla... A multidão chora de alegria e beija o chão em que Ele pisa. Crianças espalham flores ao longo de Seu caminho e cantam para Ele: 'Hosana!' É Ele, é Ele mesmo, eles dizem um para o outro, deve ser Ele, não pode ser outro senão Ele! Ele faz uma pausa no portal da velha catedral, assim como um pequeno caixão branco é carregado, com lágrimas e Grandes lamentações. A tampa está solta e no caixão está o corpo de uma criança de sete anos, a única filha de um eminente cidadão da cidade. O pequeno cadáver jaz enterrado em flores. Para a vida!' Confiança grita a multidão para a mãe chorando. O padre oficiante que tinha vindo para encontrar o cortejo fúnebre, parece perplexo, e franze a testa. ”Um grito alto é ouvido de repente, e a mãe enlutada se prostra a Seus pés. depois traga meu filho de volta à vida! "Ela chora, suplicante. A procissão para, e o pequeno caixão é gentilmente abaixado a seus pés. A compaixão divina surge de seus olhos, e quando Ele olha para a criança, Seus lábios são ouvidos sussurrando mais uma vez, 'Talitha Cumi' - e 'imediatamente a donzela surgiu'. A criança sobe em seu caixão, suas pequenas mãos ainda seguram o nariz de rosas brancas que após a morte foram colocadas nelas e, olhando em volta com grandes olhos atônitos, ela sorri docemente... A multidão está violentamente excitada. entre eles, a população grita e chora alto, quando, de repente, diante da porta da catedral, aparece o Cardeal Grande Inquisidor... Ele é um homem alto, de aparência magra, de quase quatro anos e dez, com uma popa, rosto murcho e olhos profundamente afundados, cuja cavidade resplandece duas faíscas flamejantes.Ele colocou de lado as lindas vestes de cardeal, nas quais aparecera diante do povo do auto-inimigo dos inimigos da Igreja Romana, e é agora vestido com sua velha e áspera batina de monge Seus assistentes mal-humorados e escravos da 'guarda santa' estão seguindo à distância. Ele faz uma pausa diante da multidão e observa. Ele viu tudo. Ele testemunhou a colocação do pequeno caixão a Seus pés, o chamado de volta à vida. agora, seu rosto sombrio e sombrio ficou ainda mais escuro; suas espessas sobrancelhas cinzas quase se encontram, e seu olho afundado reluz com luz sinistra. Lentamente levantando o dedo, ele comanda seus asseclas para prendê-lo....

"Tal é o seu poder sobre as pessoas bem disciplinadas, submissas e agora tremendo, que as densas multidões imediatamente cederam e se espalharam diante do guarda, em meio a um silêncio mortal e sem um sopro de protesto, permitiram que colocassem suas mãos sacrílegas sobre o estranho e conduzi-lo para longe... Aquela mesma população, como um homem, agora inclina a cabeça para o chão diante do velho inquisidor, que o abençoa e se move lentamente para a frente.Os guardas conduzem seu prisioneiro ao antigo edifício do Santo Tribunal. Empurrando-o para uma cela de prisão estreita e sombria, eles o prendem e se retiram.

"O dia diminui, e a noite - uma noite espanhola escura e sem fôlego - se arrasta e se instala na cidade de Sevilha. O ar cheira a louros e flores de laranjeira. Na escuridão ciméria do antigo Tribunal Hall, a porta de ferro da cela de repente se abre, e o Grande Inquisidor, segurando uma lanterna escura, lentamente entra na masmorra, está sozinho e, quando a pesada porta se fecha atrás dele, ele pára no limiar e, por um minuto ou dois, silenciosamente e examina melancolicamente o Rosto diante dele.Por fim se aproximando com passos dados, ele põe a lanterna sobre a mesa e se dirige a Ele com estas palavras:

"'É Tu!... Tu!'... Não recebendo resposta, ele rapidamente continua: "Não, não responda; fique em silêncio!... E o que você poderia dizer?... Eu sei, mas muito bem sua resposta... Além disso, você não tem o direito de acrescente uma sílaba àquela que já foi proferida por Ti antes... Por que deverias agora retornar para nos impedir em nosso trabalho? Pois Tu vens, mas só por isso, e Tu sabes bem do que te espera pela manhã? Não sei, nem me preocupo em saber quem serás; seja tu ou tua imagem, amanhã condenarei e queimá-lo-ei na fogueira, como o mais perverso todos os hereges, e as mesmas pessoas que hoje estavam beijando Teus pés, amanhã em uma curva do meu dedo, se apressarão em acrescentar combustível à Tua pilha fúnebre... Estavas ciente disso? ele acrescenta, falando como se em pensamento solene, e nunca por um instante tirando seu olhar penetrante do Cara manso diante dele.

"Eu mal posso perceber a situação descrita - o que é tudo isso, Ivan?" De repente interrompeu Aliosha, que permaneceu silenciosamente ouvindo seu irmão. "Isso é uma fantasia extravagante, ou algum erro do velho homem, um quid pro quo** impossível?"

"Que seja o último, se quiser", riu Ivan, "já que o realismo moderno perverteu tanto o seu gosto que você se sente incapaz de perceber qualquer coisa do mundo da fantasia... Que seja um quid pro quo, se você Mais uma vez, o Inquisidor tem noventa anos de idade, e ele poderia facilmente ter enlouquecido com sua única garantia de poder, ou, poderia também ter sido uma visão delirante, chamada por morrer de fantasia, superaquecida pelo carro. -da-fé dos cem hereges naquela manhã... Mas o que importa para o poema, seja um quid pro quo ou uma fantasia incontrolável? A questão é que o velho tem que abrir seu coração; deve dar o seu pensamento, finalmente, e que chegou a hora em que ele fala, e diz em voz alta o que por noventa anos ele manteve em segredo dentro de seu próprio peito ".

"E seu prisioneiro, ele nunca responde? Ele fica calado, olhando para ele, sem dizer uma palavra?"

"É claro; e não poderia ser de outra forma", replicou novamente Ivan. "O Grande Inquisidor começa com suas primeiras palavras dizendo a Ele que Ele não tem o direito de adicionar uma sílaba àquela que Ele havia dito antes. Para tornar a situação clara de uma vez, o monólogo preliminar acima pretende transmitir ao leitor Uma ideia muito fundamental que fundamenta o catolicismo romano - assim como posso transmiti-lo, suas palavras significam, em resumo: "Tudo foi cedido por Ti ao papa, e tudo agora repousa apenas com ele; não é necessário voltar e, assim, nos atrapalham em nosso trabalho. Nesse sentido, os jesuítas não apenas falam, mas escrevem da mesma forma.

"Tens o direito de nos divulgar um único dos mistérios daquele mundo de onde vens?" pergunta a Ele meu antigo Inquisidor, e responde imediatamente por Ele. "Não, Tu não tens esse direito. Pois, isso seria acrescentado àquilo que já foi dito por Ti antes; portanto privando as pessoas daquela liberdade pela qual Tu tens tão vigorosamente levantou-se enquanto ainda na terra... Qualquer coisa nova que Tu procurasse agora teria que ser considerada como uma tentativa de interferir com essa liberdade de escolha, pois viria como uma revelação nova e miraculosa, substituindo a antiga revelação de quinze anos, 100 anos atrás, quando Tu repetistes tantas vezes o povo: "A verdade vos libertará." Eis aí agora as tuas pessoas "livres"! acrescenta o velho com uma ironia sombria: "Sim!... nos custou caro". Ele continua, olhando severamente para sua vítima. 'Mas nós finalmente cumprimos nossa tarefa, e - em Teu nome... Por quinze longos séculos nós tivemos que labutar e sofrer devido a essa' liberdade ': mas agora temos prevalecido e o nosso trabalho está feito, e bem e com força está feito... Não acreditas que és tão forte?... E por que me olhaste mansamente como se eu não fosse digno mesmo de Tua indignação?... Saibam então, que agora, e somente agora, Tuas pessoas se sentem totalmente certas e satisfeitas de sua liberdade, e que somente uma vez que elas mesmas e de seu próprio livre arbítrio entregaram essa liberdade a nossas mãos, colocando-a de forma submissa aos nossos pés Mas então, isso é o que nós temos feito, é por qual Tu tens lutado? É este o tipo de "liberdade" que Tu lhes prometeste?

"Agora, novamente, eu não entendo" interrompeu Aliosha. "O velho zomba e ri?"

"Não é de menos. Ele a considera seriamente como um grande serviço feito por ele mesmo, seus irmãos monges e jesuítas, para a humanidade, para ter conquistado e submetido à sua autoridade essa liberdade, e se orgulha de que isso foi feito, mas para o bem do "Somente agora", diz ele (falando da Inquisição), tornou-se possível para nós, pela primeira vez, pensar seriamente na felicidade humana. O homem nasce rebelde e os rebeldes podem ser felizes... Você foi bastante advertido sobre isso, mas evidentemente não tem utilidade, já que Tu rejeitaste o único meio que poderia fazer a humanidade feliz, felizmente em Tua partida Tu entregaste a tarefa a nós... Tu prometeste, ratificando a promessa pelas Tuas próprias palavras, em palavras que nos dão o direito de amarrar e desvincular... e certamente, Tu não poderás pensar em nos privar disto agora! '"

"Mas o que ele pode dizer com as palavras: 'Você foi bastante advertido'?" perguntou Aliosha.

"Essas palavras dão a chave para o que o velho tem a dizer sobre sua justificação... Mas escute...

"'O espírito terrível e sábio, o espírito de auto aniquilação e não-ser', prossegue o Inquisidor, 'o grande espírito de negação conversou com Ti no deserto, e nos é dito que ele" tentou "a Ti... E se fosse assim, então é impossível dizer algo mais verdadeiro do que o que está contido em suas três ofertas, que Tu rejeitaste, e que são usualmente chamadas de "tentações". Sim, se alguma vez houve na terra Uma genuína e surpreendente maravilha produzida, foi naquele dia de Tuas três tentações, e é precisamente nessas três frases curtas que está contido o maravilhoso milagre, se fosse possível que elas desaparecessem e desaparecessem para sempre, sem deixar vestígios, do registro e da memória do homem, e que seria necessário novamente inventar, inventar e fazê-los reaparecer em Tua história mais uma vez, pensas Tu que todos os sábios do mundo, todos os legisladores, iniciados, filósofos e pensadores, se chamado para enquadrar três que Estas, como estas, além de responderem à magnitude do acontecimento, expressam em três frases curtas toda a história futura deste nosso mundo e da humanidade - acreditais, peço-te, que todos os seus esforços combinados poderiam criar algo igual, no poder e profundidade de pensamento para as três proposições oferecidas pelo poderoso e sábio espírito no deserto? Julgando-os apenas por sua maravilhosa aptidão, podemos perceber imediatamente que eles não emanaram de um intelecto finito e terrestre, mas sim do Eterno e do Absoluto. Nestas três ofertas encontramos, fundidas em uma e anunciadas para nós, a história subseqüente completa do homem; nos são mostradas três imagens, por assim dizer, unindo nelas todos os futuros problemas e contradições axiomáticas e insolúveis da natureza humana, em todo o mundo. Naqueles dias, a sabedoria maravilhosa contida neles não era tão aparente como é agora, pois o futuro ainda permanecia velado; mas agora, quando se passaram quinze séculos, vemos que tudo nessas três perguntas é tão maravilhosamente previsto e predito que, para acrescentar ou tirar da profecia um jota, seria absolutamente impossível!

"'Decida-se então.' O inquisidor prosseguiu com severidade: "Qual de vós estavas certo: Tu que rejeitaste, ou aquele que ofereceu? Lembra-te do sutil significado da pergunta: o primeiro, que corre assim: Você entraria no mundo de mãos vazias? com Tua promessa vaga e indefinida de liberdade, que os homens, enfadonhos e indisciplinados como são por natureza, são incapazes tanto de compreender, que evitam e temem? Pois nunca houve algo mais insuportável para a raça humana do que a liberdade pessoal. Você vê estas pedras no deserto desolado e flagrante? Comando para que estas pedras se tornem em pão - e a humanidade correrá atrás de Ti, obediente e grata como um rebanho de gado. Mas mesmo assim será sempre confuso e trêmulo, para que não Tirai as tuas mãos e, com isso, perdemos o pão! Recusaste aceitar a oferta por temer privar os homens da livre escolha, pois onde há liberdade de escolha em que os homens são subornados com pão? O homem não viverá de pão sozinho - foi a tua resposta. Tu não sabes, parece, que foi precisamente em nome daquele pão terreno que um dia o espírito terrestre se levantaria, lutaria e finalmente conquistaria Ti, seguido pelas multidões famintas gritando: "Quem é como aquela Besta?" que faz descer fogo do céu sobre a terra! Não sabes isso, mas daqui a alguns séculos, e toda a humanidade terá proclamado em sua sabedoria e através de seu porta-voz, a Ciência, que não há mais crime, portanto, não mais pecado na terra, mas somente pessoas famintas? "Alimenta-nos primeiro e depois manda-nos ser virtuosos!" serão as palavras escritas sobre a bandeira erguida contra Ti - uma bandeira que destruirá a Tua Igreja até os seus próprios alicerces, e no lugar do Teu Templo ressuscitará a terrível Torre de Babel; e embora o seu prédio seja deixado inacabado, como o do primeiro, ainda assim ficará registrado o fato de que Tu poderia, mas não impediria, a tentativa de construir aquela nova torre aceitando a oferta, e assim salvando a humanidade um milênio de sofrimento inútil na terra. E é para nós que o povo retornará novamente. Eles procurarão por nós catacumbas, pois mais uma vez seremos perseguidos e martirizados - e eles começarão a chorar até nós: "Alimenta-nos, pois aqueles que nos prometeram o fogo do céu nos enganaram!" É então que vamos terminar de construir sua torre para eles. Pois só eles, que os apascentam, acabarão com eles, e nós os alimentaremos em Teu nome, e mentindo para aqueles que é nesse nome. Oh, nunca, nunca, eles aprenderão a se alimentar sem a nossa ajuda! Nenhuma ciência lhes dará pão enquanto permanecerem livres, desde que se recusem a colocar essa liberdade aos nossos pés e digam: "Escravize, mas nos alimente!" Esse dia deve chegar quando os homens entenderem que a liberdade e o pão de cada dia, o suficiente para satisfazer a todos, são impensáveis ​​e nunca podem ser alcançados juntos, já que os homens nunca conseguirão dividir os dois entre si. E eles também aprenderão que nunca poderão ser livres, pois são nobres fracos, viciosos e miseráveis, nascidos maus e rebeldes. Tu prometeste a eles o pão da vida, o pão do céu; mas eu Te peço de novo, pode aquele pão igual à vista dos fracos e viciosos, da raça humana sempre ingrata, seu pão diário na terra? E mesmo supondo que milhares e dezenas de milhares Te sigam em nome e por amor ao Teu pão celestial, o que será de milhões e centenas de milhões de seres humanos enfraquecidos para desprezar o terreno por Teus pão celestial? Ou são apenas aquelas dezenas de milhares escolhidas entre os grandes e os poderosos, que são tão caros a Ti, enquanto os milhões restantes, inumeráveis ​​como os grãos de areia nos mares, os fracos e os amorosos, têm que ser usados ​​como material Para o primeiro? Não não! À nossa vista e para nosso propósito, os fracos e os humildes são os mais queridos para nós. É verdade que são cruéis e rebeldes, mas nós os obrigaremos a obedecer, e são eles que mais nos admiram. Eles nos considerarão como deuses e sentir-se-ão gratos àqueles que consentiram em liderar as massas e arcar com seu fardo de liberdade, governando-os - tão terrível vontade que a liberdade afinal pareça aos homens! Então diremos a eles que é em obediência à Tua vontade e em Teu nome que nós os governamos. Vamos enganá-los mais uma vez e mentir para eles mais uma vez - pois nunca, nunca mais permitiremos que você venha entre nós. Neste engano, encontraremos nosso sofrimento, pois precisamos mentir eternamente e nunca deixaremos de mentir!

"Tal é o significado secreto de" tentação "o primeiro, e é isso que Tu rejeitaste no deserto por causa daquela liberdade que Tu precisaste acima de tudo. Enquanto isso, a oferta de Teu tentador continha outro grande mistério-mundo. Ao aceitar o "pão", tu terias satisfeito e respondido um desejo universal, um desejo incessante vivo no coração de cada ser humano individual, espreitando no seio da humanidade coletiva, aquele problema mais intrigante - "a quem ou o que devemos adorar?" não existe ansiedade maior ou mais dolorosa para um homem que se libertou de todo preconceito religioso, do que como ele deve em breve encontrar um novo objeto ou ideia para adorar, mas o homem procura se curvar diante disso somente o que é reconhecido pela grande maioria, se não por todos os seus semelhantes, como tendo o direito de ser adorado, cujos direitos são tão inquestionáveis ​​que os homens concordam unanimemente em curvar-se a ele, pois a principal preocupação dessas criaturas miseráveis ​​não é encontrar e adorar o ídolo do povo. Sua própria escolha, mas para descobrir o que todos os outros vão acreditar, e consentir em curvar-se em uma massa. É essa necessidade instintiva de ter um culto em comum que é o principal sofrimento de todo homem, a principal preocupação da humanidade desde o começo dos tempos. É por essa universalidade do culto religioso que as pessoas se destroem pela espada. Criando deuses para si mesmos, eles começaram a apelar um para o outro: "Abandonem suas divindades, venham e se curvem diante das nossas, ou a morte para vós e seus ídolos!" E assim farão até o fim deste mundo; eles farão isso até então, quando todos os deuses desaparecerem, pois então os homens se prostrarão e adorarão alguma ideia. Tu sabes, Tu não podes ignorá-lo, aquele misterioso princípio fundamental na natureza humana, e ainda tu rejeitaste a única bandeira absoluta Te oferecida, à qual todas as nações permaneceriam verdadeiras, e diante da qual todos teriam se curvado - a bandeira de pão terreno, rejeitado em nome da liberdade e do "pão no reino de Deus"! Veja, então, o que você fez além disso por causa da "liberdade"! Repito para ti, o homem não tem maior ansiedade na vida do que encontrar alguém a quem ele possa fazer sobre aquele dom de liberdade com o qual a infeliz criatura nasce. Mas somente ele será capaz de silenciar e acalmar suas consciências, que terão sucesso em possuir a liberdade dos homens. Com o "pão de cada dia" foi oferecido um poder irresistível a Ti: mostre a um homem "pão" e ele te seguirá, pois a que ele pode resistir menos que a atração de pão? Mas se, ao mesmo tempo, outro conseguir se apossar de sua consciência - oh! então até o teu pão será esquecido e o homem seguirá aquele que seduziu a sua consciência. Até agora você estava certo. Pois o mistério do ser humano não reside apenas no desejo de viver, mas no problema - pelo que se deve viver? Sem uma percepção clara de suas razões de vida, o homem nunca consentirá em viver, e preferirá se destruir do que permanecer na terra, embora esteja cercado de pão. Essa é a verdade. Mas o que aconteceu? Em vez de se apossar da liberdade do homem, Tu aumentaste ainda mais! Você esqueceu novamente que, para o homem descansar e até a morte são preferíveis a uma livre escolha entre o conhecimento do bem e do mal? Nada parece mais sedutor em seus olhos do que a liberdade de consciência, e nada é mais doloroso. E eis que! em vez de estabelecer uma base firme sobre a qual repousar uma vez por todas a consciência do homem, Tu escolheste despertar nele tudo o que é anormal, misterioso e indefinido, tudo o que está além da força humana, e agiu como se Tu nunca tivesses amor para ele, e ainda assim Tu foste Aquele que veio a dar a sua vida pelos seus amigos! Tu sobrecarregaste a alma do homem com ansiedades até então desconhecidas para ele. Sedento pelo amor humano dado livremente, procurando capacitar o homem, seduzido e encantado por Ti, a seguir o Teu caminho de seu próprio livre-arbítrio, ao invés da velha e sábia lei que o sujeitou, Tu te deste o direito de agora a escolha e decida livremente o que é bom e mau para ele, guiado por Tua imagem em seu coração. Mas nunca sonhaste na probabilidade, ou melhor, da certeza, daquele mesmo homem que um dia rejeitou finalmente, e controvertida até mesmo a Tua imagem e Tua verdade, uma vez que ele se encontraria carregado de um fardo tão terrível quanto a liberdade de escolha? Que certamente virá um tempo em que os homens exclamarão que a Verdade e a Luz não podem estar em Ti, pois ninguém poderia tê-los deixado em maior perplexidade e sofrimento mental do que Tu fizeste, carregando-os com tantos cuidados e problemas insolúveis. Assim, é Tu mesmo que estabeleceu o fundamento para a destruição do teu próprio reino e ninguém, mas você deve ser culpado por isso.

"Enquanto isso, todas as chances de sucesso foram oferecidas a Ti. Há três Poderes, três Forças únicas na Terra, capazes de conquistar para sempre encantando a consciência desses rebeldes fracos - homens - para seu próprio bem; e essas Forças são: Milagre Mistério e Autoridade Você rejeitou todos os três, e assim foi o primeiro a dar-lhes um exemplo Quando o espírito terrível e todo-sábio Te colocou no pináculo do templo e disse a Ti: "Se Tu és o filho de Deus, lança-te para baixo, porque está escrito: A seus anjos dará sobre ti; e nas suas mãos te farão subir, para que, a qualquer hora, tu não arrisque o teu pé contra a pedra!”- pois assim a tua fé Teu pai deveria ter ficado evidente, Tu recusaste aceitar sua sugestão e não a seguiste Oh, indubitavelmente, Tu agiste nisso com todo o magnífico orgulho de um deus, mas então os homens - aquela raça fraca e rebelde - são Eles também deuses, para entender a sua recusa? Claro, você sabia bem que, dando um único passo à frente, fazendo o menor movimento para derrubar-se a Ti mesmo, Tu terias tentado "o Senhor Teu Deus", perdido de repente toda a fé n'Ele, e se lançado a átomos contra aquela mesma terra que Tu procuraste salvar e assim teria permitido que o espírito sábio que o tentava triunfasse e se regozijasse. Mas, então, quantos, como você, podem ser encontrados neste globo, peço a Ti? Você poderia por um momento imaginar que os homens teriam a mesma força para resistir a tal tentação? A natureza humana é calculada para rejeitar o milagre, e confiar, durante os momentos mais terríveis da vida, quando os problemas mais importantes, dolorosos e desconcertantes lutam dentro da alma do homem, para as decisões livres de seu coração para a verdadeira solução? Oh, Tu sabias bem que esta tua ação permaneceria registrada em livros para as eras vindouras, chegando aos confins do globo, e Tua esperança era que, seguindo Teu exemplo, o homem permaneceria fiel ao seu Deus, sem precisar de nenhum milagre para manter sua fé viva! Mas Tu não sabes, parece, que tão cedo o homem rejeitaria o milagre do que ele rejeitaria Deus da mesma forma, pois ele busca menos Deus do que "um sinal" Dele. E assim, como está além do poder do homem permanecer sem milagres, assim, ao invés de viver sem, ele criará para si novas maravilhas de sua própria criação; e ele se curvará e adorará os milagres do adivinho, a feitiçaria da velha bruxa, se ele fosse um rebelde, um herege e um ateu cem vezes mais. A tua recusa em descer da cruz quando as pessoas, zombando e abanando a cabeça, diziam a ti - "Salve-se, se és filho de Deus, e acreditaremos em ti", foi devido à mesma determinação - não escravizar homem através do milagre, mas para obter a fé em Ti livremente e à parte de qualquer influência miraculosa. Tu desejas o amor livre e não influenciado, e recusa a adoração apaixonada do escravo perante uma Potência que teria sujeitado seu testamento uma vez por todas. Tu julgas de homens muito altamente aqui, novamente, pois embora sejam rebeldes, nascem escravos e nada mais. Veja, e julgue-os mais uma vez, agora que quinze séculos se passaram desde aquele momento. Olhe para eles, a quem Tu tentaste elevar a Ti! Eu juro que o homem é mais fraco e mais baixo do que você jamais imaginou que ele fosse! Ele pode fazer o que você disse que realizou? Ao valorizá-lo tão altamente, agiste como se não houvesse amor por ele em Teu coração, pois Tu exigiste dele mais do que ele jamais poderia dar - Tu, que o amas mais do que a ti mesmo! Tu o terias estimado menos, menos exigirias dele, e isso seria mais como o amor, pois seu fardo teria sido feito com mais facilidade. O homem é fraco e covarde. O que importa, se ele agora se revolta e se revolta em todo o mundo contra nossa vontade e poder, e se orgulha dessa rebelião? É apenas o orgulho mesquinho e a vaidade de um menino de escola. É o tumulto de criancinhas, levantando um motim na sala de aula e expulsando o professor da escola. Mas não durará muito e, quando o dia do seu triunfo terminar, eles terão que pagar caro por isso. Eles destruirão os templos e arrasarão até o chão, inundando a terra com sangue. Mas as crianças tolas terão que aprender algum dia que, apesar de rebeldes e desordenados da natureza, são fracos demais para manter o espírito de motim por qualquer período de tempo. Sufocado com lágrimas idiotas, eles vão confessar que quem os criou rebelde, sem dúvida, mas sim zombar deles. Eles pronunciarão essas palavras em desespero, e tais declarações blasfêmias apenas acrescentarão à sua miséria - pois a natureza humana não pode suportar a blasfêmia e se vinga no final.

"'E assim, depois de tudo o que sofreu pela humanidade e sua liberdade, o presente destino dos homens pode ser resumido em três palavras: agitação, confusão, miséria! Teu grande profeta João registra em sua visão, que ele viu, durante o primeira ressurreição dos servos escolhidos de Deus - "o número daqueles que foram selados" em suas testas, "doze mil" de cada tribo. Mas eles eram, na verdade, tantos? Então eles devem ter sido deuses, não homens, partilhei Tua Cruz por longos anos, sofri muitos anos de fome e sede em desertos e desertos sombrios, alimentando-me de gafanhotos e raízes - e desses filhos de amor livre por Ti e auto-sacrifício em Teu nome, Tu bem podes sentir Mas lembre-se que estes são apenas alguns milhares - de deuses, não de homens, e que tal todos os outros? E por que os mais fracos devem ser culpados por não serem capazes de suportar o que os mais fortes suportaram? contendo tais dons terríveis ser punido por sua fraqueza? realmente vem e para os "eleitos" sozinhos? Se assim for, então o mistério permanecerá para sempre misterioso para nossas mentes finitas. E se fosse um mistério, então estávamos certos em proclamar como um só, e pregá-lo, ensinando-lhes que nem o amor dado livremente a Ti nem a liberdade de consciência eram essenciais, mas apenas aquele mistério incompreensível que eles devem obedecer cegamente mesmo contra os ditames de sua consciência. Assim nós fizemos. Nós corrigimos e melhoramos o Teu ensino e o baseamos em "Milagre, Mistério e Autoridade". E os homens se regozijaram ao verem-se guiados mais uma vez como um rebanho de gado, e finalmente encontrando seus corações libertos do terrível fardo que lhes foi imposto por Ti, o que lhes causou tanto sofrimento. Diga-me, estávamos certos em fazer o que fizemos. Não mostramos nosso grande amor pela humanidade, percebendo em espírito tão humilde seu desamparo, por aliviar tão misericordiosamente seu grande fardo, e permitindo e remetendo para sua natureza fraca todo pecado, desde que seja comprometido com nossa autorização? Por que, então, vens outra vez nos perturbar em nosso trabalho? E por que me olhas tão penetrantemente com teus tolos olhos e em tal silêncio? Em vez disso, deves sentir-te indignado, pois não preciso do teu amor, rejeito-o e não te amo a ti mesmo. Por que eu deveria esconder a verdade de Ti? Eu sei, mas muito bem com quem eu estou falando agora! O que eu tinha a dizer era conhecido por Ti antes, eu li no teu olho. Como devo esconder de Ti o nosso segredo? Se porventura ouvires isso dos meus próprios lábios, então ouça: não estamos contigo, mas com ele, e esse é o nosso segredo! Por séculos nós o abandonamos para segui-lo, sim - oito séculos. Oitocentos anos desde que nós aceitamos dele o presente rejeitado por Ti com indignação; aquele último presente que ele te ofereceu da alta montanha quando, mostrando todos os reinos do mundo e a glória deles, ele disse a Ti: "Todas estas coisas Eu te darei, se Tu me deres e me adorares!" Tomamos Roma dele e do gládio de César, e nos declaramos sós os reis desta terra, seus únicos reis, embora o nosso trabalho ainda não esteja totalmente realizado. Mas quem é o culpado por isso? Nosso trabalho está apenas em seu estágio inicial, mas ainda assim é iniciado. Nós podemos ter muito tempo para esperar até a sua culminação, e a humanidade tem que sofrer muito, mas nós alcançaremos a meta algum dia, e nos tornaremos Césares únicos, e então será a hora de pensar na felicidade universal para os homens.

“Tu poderias aceitar a glande de César, porque rejeitaste a oferta? Aceitando do poderoso espírito a tua terceira oferta, terás realizado que toda aspiração que o homem busque para si na terra; o homem teria encontrado um constante objeto de adoração; um para entregar sua consciência, e um que deve unir todos juntos em um formigueiro comum e harmonioso, pois uma necessidade inata de união universal constitui a terceira e última aflição da humanidade A humanidade como um todo sempre aspirou a unir-se Muitas eram as grandes nações com grandes histórias, mas quanto maiores elas eram, mais infelizes se sentiam, ao sentirem a necessidade mais forte de uma união universal entre os homens. Grandes conquistadores, como Tamerlão e Gengis Khan, passaram como um ciclone sobre a face da terra em seus esforços para conquistar o universo, mas mesmo eles, ainda que inconscientemente, expressaram a mesma aspiração em direção à união universal e comum e o roxo de César, encontraria um reino universal e asseguraria a paz eterna à humanidade. E quem pode governar a humanidade melhor do que aqueles que se apossaram da consciência do homem e seguram na mão o pão diário do homem? Tendo aceitado o gládio e o púrpura de César, tínhamos, é claro, mas negá-lo, para depois segui-lo sozinho. Oh, séculos de revolta intelectual e pensamento livre rebelde ainda estão diante de nós, e sua ciência terminará pela antropofagia, por ter começado a construir sua torre babilônica sem a nossa ajuda, eles terão que acabar com a antropofagia. Mas é precisamente nesse momento que a Besta vai rastejar até nós em plena submissão, e lamber as solas dos nossos pés, e borrifá-los com lágrimas de sangue e nós nos sentaremos sobre a Besta de cor escarlate, e levantando bem alto o copa de ouro "cheia de abominação e imundícia", mostrará escrito sobre ela a palavra "Mistério"! Mas é só então que os homens verão o começo de um reino de paz e felicidade. Tu és orgulhoso de teus próprios eleitos, mas Tu não tens outro senão estes eleitos, e nós - nós daremos descanso a todos. Mas isso não é o fim. Muitos são aqueles entre os teus eleitos e os trabalhadores da Tua Vinha, que, cansados ​​de esperar pela Tua vinda, já levaram e ainda levarão o grande fervor dos seus corações e da sua força espiritual para outro campo, e terminarão levantando contra Ti a tua própria bandeira da liberdade. Mas é a Ti que tens que agradecer. Sob nosso governo e influência, todos serão felizes e não se rebelarão nem destruirão um ao outro como faziam sob Sua bandeira livre. Oh, nós cuidaremos bem para provar a eles que eles se tornarão absolutamente livres somente quando eles tiverem abjurado sua liberdade a nosso favor e se submeterem a nós absolutamente. Pensas que estaremos certos ou ainda mentindo? Eles se convencerão de nossa retidão, pois verão a profundidade da escravidão degradante e a luta pela qual Tua os levou. Liberdade, Liberdade de Pensamento e Consciência e Ciência os conduzirão a abismos intransponíveis, colocando-os face a face diante de tais maravilhas e mistérios insolúveis, que alguns deles - mais rebeldes e ferozes que os demais - se destruirão; outros, rebeldes, mas fracos, destruir-se-ão mutuamente; enquanto o restante, fraco, desamparado e miserável, rastejará de volta aos nossos pés e clamará: "Sim, certo, ó vós, ó pais de Jesus; só vós estás em possessão de Seu mistério, e voltamos a vós, orando a vós nos salve de nós mesmos! " Recebendo seu pão de nós, eles verão claramente que tomamos o pão deles, o pão feito por suas próprias mãos, mas para devolvê-los em partes iguais e sem nenhum milagre; e tendo averiguado que, ainda que não tenhamos transformado pedras em pão, mas pão eles tenham, enquanto todos os outros pães se tornaram verdadeiros em suas próprias mãos em pedras, eles serão apenas felizes em tê-lo assim. Até esse dia, eles nunca serão felizes. E quem é que mais ajudou a cegá-los, diga-me? Quem separou o rebanho e o espalhou por caminhos desconhecidos se não fosse você? Mas nós reuniremos as ovelhas mais uma vez e as sujeitaremos a nossa vontade para sempre. Nós lhes provaremos sua própria fraqueza e os faremos humildes novamente, enquanto Te conheceram, mas se orgulharam, pois Tu fizestes mais deles do que jamais valeram. Daremos a eles aquela felicidade quieta e humilde, que por si só beneficia tais criaturas tolas e fracas, e tendo uma vez provado a elas sua fraqueza, elas se tornarão tímidas e obedientes e se reunirão ao nosso redor como galinhas ao redor de sua galinha. Eles se admirarão e sentirão uma admiração supersticiosa por nós, e se sentirão orgulhosos de serem guiados por homens tão poderosos e sábios que um punhado deles pode sujeitar um rebanho de mil milhões de pessoas. Gradualmente, os homens começarão a nos temer. Eles vão nervosamente temer nossa menor raiva, seus intelectos enfraquecerão, seus olhos se tornarão tão facilmente acessíveis às lágrimas quanto os das crianças e mulheres; mas vamos ensinar-lhes uma transição fácil da dor e das lágrimas para o riso, a alegria infantil e a canção divertida. Sim; vamos fazê-los funcionar como escravos, mas durante as horas de recreação eles terão uma vida infantil inocente, cheia de brincadeiras e risos alegres. Permitiremos até mesmo que eles peque, pois, fracos e desamparados, sentirão mais amor por nós por permitir-lhes entrar nela. Nós lhes diremos que todo tipo de pecado será remetido a eles, desde que isso seja feito com a nossa permissão; que levamos todos esses pecados sobre nós mesmos, pois amamos o mundo de tal maneira que estamos dispostos a sacrificar nossas almas para sua satisfação. E, aparecendo diante deles à luz de seus bodes expiatórios e redentores, seremos mais adorados por isso. Eles não terão segredos de nós. Restará conosco permitir que vivam com suas esposas e concubinas, ou proibi-las, ter filhos ou permanecer sem filhos, de qualquer maneira, dependendo do grau de obediência a nós; e nos apresentarão com grande alegria os segredos mais agonizantes de suas almas - todos, todos eles se deitarão aos nossos pés, e autorizaremos e remetemos a todos em Teu nome, e eles acreditarão em nós e aceitarão nossa mediação com arrebatamento, pois isso os libertará de sua maior ansiedade e tortura - de ter que decidir livremente por si mesmos. E todos serão felizes, todos, exceto o um ou duzentos mil de seus governantes. Pois é apenas nós, os guardiões do grande Mistério, que seremos infelizes. Haverá milhares de milhões de crianças felizes e cem mil mártires que tomaram sobre si a maldição do conhecimento do bem e do mal. Os pacíficos serão o seu fim, e pacificamente morrerão, em Teu nome, para encontrar atrás dos portais da sepultura - mas da morte. Mas nós manteremos o segredo inviolado, e os enganaremos para seu próprio bem com a miragem da vida eterna em Teu reino. Pois, se houvesse realmente alguma coisa como a vida além do túmulo, certamente nunca cairia em tal situação como eles! As pessoas nos dizem e profetizam a Tua vinda e triunfando mais uma vez na terra; da tua aparição com o exército dos teus eleitos, com os teus soberbos e poderosos; mas nós Te responderemos que eles salvaram a si mesmos enquanto nós salvamos tudo. Também estamos ameaçados com a grande desgraça que aguarda a prostituta, "Babilônia, a grande, a mãe das prostitutas" - que se senta sobre a Besta, segurando em suas mãos o Mistério, a palavra escrita em sua testa; e nos é dito que os fracos, os cordeiros se rebelarão contra ela e a farão desolada e nua. Mas então me levantarei e mostrarei a Ti milhares de milhões de crianças felizes livres de qualquer pecado. E nós, que levamos os seus pecados sobre nós, para seu próprio bem, estaremos diante de Ti e diremos: "Julgue-nos se tu puderes ousar!" Sabe então que eu não te temo. Sabei que eu também tenho vivido no deserto sombrio, onde me alimentei de gafanhotos e raízes, que também abençoei a liberdade com a qual abençoaste os homens, e que também eu já me preparei para me juntar às fileiras de Teu eleito, os orgulhosos e orgulhosos, o poderoso. Mas eu acordei da minha ilusão e me recusei desde então a servir a insanidade. Voltei para me juntar à legião daqueles que corrigiram Teus erros. Deixei os orgulhosos e voltei para os humildes e para sua própria felicidade. O que agora te digo, e o nosso reino se edificará, e não to direi, amanhã verás o rebanho obediente que a um só movimento da minha mão se apressará em acrescentar brasas ardentes à tua estaca, em que vou te queimar por ter ousado vir e nos perturbar em nosso trabalho. Pois, se alguma vez houve alguém que merecia mais do que qualquer um dos outros nossos fogos inquisitoriais - é você! Amanhã vou te queimar. Dixi '.

Ivan fez uma pausa. Ele tinha entrado na situação e falado com grande animação, mas agora ele de repente começou a rir.

"Mas tudo isso é um absurdo!" De repente, exclamou Aliosha, que até então havia escutado perplexo e agitado, mas em profundo silêncio. "Seu poema é uma glorificação de Cristo, não uma acusação, como você, provavelmente, deveria ser. E quem vai acreditar em você quando você fala de 'liberdade'? É assim que nós cristãos devemos entendê-lo? É Roma (não toda a Roma, pois isso seria injusto), mas o pior dos católicos romanos, os inquisidores e jesuítas, que você tem exposto! Seu inquisidor é um personagem impossível. Quais são esses pecados que eles estão tomando sobre si mesmos? de mistério que tomou sobre si uma maldição para o bem da humanidade? Quem os conheceu? Todos nós conhecemos os jesuítas, e ninguém tem uma boa palavra a dizer em seu favor, mas quando eles foram como você retratá-los? Nunca, nunca Os jesuítas são apenas um exército romano que se prepara para o seu futuro reino temporal, com um imperador mitrado - um sumo sacerdote romano à sua frente.Esse é o seu ideal e objeto, sem qualquer mistério ou sofrimento elevado.A sede mais prosaica do poder, por causa dos prazeres médios e terrestres da vida, um desejo escravizar seus semelhantes, algo como o nosso sistema atrasado de servos, com eles próprios como donos de terra - isso é tudo o que eles podem ser acusados. Eles podem não acreditar em Deus, isso também é possível, mas seu inquisidor sofredor é simplesmente - uma fantasia!

"Espera, espera!" interrompeu Ivan, sorrindo. "Não seja tão excitado. Uma fantasia, você diz; seja assim! É claro, é uma fantasia. Mas pare. Você realmente imagina que todo esse movimento católico durante os últimos séculos não é mais do que um desejo de poder para o mero propósito de "prazeres mesquinhos"? É isso que seu pai Paissiy lhe ensinou? "

"Não, não, bem pelo contrário, porque o padre Paissiy uma vez me contou algo muito parecido com o que você mesmo diz, embora, é claro, não isso - algo bem diferente", subitamente acrescentou Alexis, corando.

"Uma informação preciosa, não obstante o seu 'não aquilo'. Pergunto-lhe, por que os inquisidores e os jesuítas de sua imaginação deveriam viver, mas para a obtenção de "prazeres materiais mesquinhos"? Por que não se encontraria entre eles um único mártir genuíno sofrendo sob uma grande e santa ideia e amando a humanidade de todo o coração? Agora suponhamos que entre todos esses jesuítas sedentos e famintos, mas depois de "prazeres materiais mesquinhos" pode haver um, apenas um como meu antigo inquisidor, que se alimentou de raízes no deserto, sofreu as torturas da condenação enquanto tentava conquistar a carne, a fim de se tornar livre e perfeita, mas que nunca deixou de amar a humanidade e que um dia profeticamente contemplou a verdade, que viu tão claro quanto pôde ver que a maior parte da humanidade nunca poderia ser feliz sob o antigo sistema, que não era para eles que o grande idealista tinha vindo e morrido e sonhado com a Sua Harmonia Universal, essa verdade, ele retornou ao mundo e se juntou - pessoas inteligentes e práticas. Isso é tão impossível? "

"Juntou-se a quem? Que pessoas inteligentes e práticas?" exclamou Aliosha bastante animado. "Por que eles deveriam ser mais inteligentes do que os outros homens, e que segredos e mistérios eles podem ter? Eles não têm nenhum. Ateísmo e infidelidade são todo o segredo que eles têm. Seu inquisidor não acredita em Deus, e esse é todo o Mistério que existe nisso!"

"Pode ser que seja. Você adivinhou corretamente. E é assim, e esse é todo o seu segredo; mas não são os sofrimentos mais agudos para um homem como ele, que matou toda a sua jovem vida no ascetismo no deserto, e, no entanto, não pôde curar-se de seu amor para com seus semelhantes? No final de sua vida, ele se convence de que é apenas seguindo o conselho do grande e terrível espírito que o destino desses milhões de rebeldes fracos, esses amostras acabadas da humanidade criadas em escárnio "podem ser tornadas toleráveis. E uma vez convencido disso, ele vê claramente que para alcançar esse objetivo, deve-se seguir cegamente a orientação do espírito sábio, o temível espírito de morte e destruição, um sistema de mentiras e enganos e conduzir a humanidade conscientemente desta vez para a morte e destruição, e além disso, estar enganando-os o tempo todo para impedi-los de perceber onde estão sendo levados, e assim forçar os miseráveis ​​cegos a se sentirem felizes, pelo menos enquanto aqui na terra. E note isto: um grande engano em nome de Deus, em cujo ideal o velho tinha tão fervorosamente, tão fervorosamente, acreditado durante quase toda a sua vida! Isso não é sofrimento? E foi uma exceção tão solitária encontrada em meio a, e à frente do exército que 'tem sede de poder, mas pelo bem dos prazeres médios da vida', você acha que um tal homem não seria suficiente para causar uma tragédia? Além disso, um único homem como meu Inquisidor como líder principal, se revelaria suficiente para descobrir a verdadeira ideia orientadora do sistema romano com todos os seus exércitos de jesuítas, a maior e mais importante convicção de que o tipo solitário descrito em meu poema nunca teve lugar, desapareceu entre os principais líderes desse movimento. Quem sabe, aquele velho homem terrível, amar a humanidade de maneira tão teimosa e original, existe até hoje em nossos dias na forma de uma série de exceções tão solitárias, cuja existência não se deve ao mero acaso, mas a um bem-estar. Associação definida nascida do consentimento mútuo, para uma liga secreta, organizada vários séculos atrás, a fim de proteger o Mistério dos olhos indiscretos das pessoas miseráveis ​​e fracas, e apenas em vista de sua própria felicidade? E assim é; não pode ser de outro modo. Suspeito que até mesmo os maçons têm algum tal mistério subjacente à base de sua organização, e que é apenas a razão pela qual o clero católico-romano os odeia tanto, temendo encontrar neles rivais, competição, o desmembramento da unidade da ideia, para a realização de que um rebanho e um pastor são necessários. No entanto, ao defender minha ideia, pareço um autor cuja produção é incapaz de suportar críticas. Já chega disso."

"Você é, talvez, um maçom você mesmo!" exclamou Aliosha. "Você não acredita em Deus", acrescentou, com uma nota de profunda tristeza em sua voz. Mas de repente, comentando que seu irmão estava olhando para ele com zombaria, "Como você quer dizer então para trazer o seu poema ao fim?" ele inesperadamente perguntou, lançando os olhos para baixo ", ou isso acaba aqui?"

"Minha intenção é acabar com a seguinte cena: Tendo desembaraçado seu coração, o Inquisidor espera por algum tempo para ouvir seu prisioneiro falar por sua vez. Seu silêncio pesa sobre ele. Ele viu que seu cativo esteve atentamente ouvindo-o o tempo todo, com os olhos fixos penetrante e suavemente no rosto do carcereiro, e evidentemente empenhados em não responder-lhe.O ancião anseia ouvir a sua voz, ouvi-lo responder, melhores palavras de amargura e desprezo do que o seu silêncio De repente, Ele se levanta, lentamente e silenciosamente se aproximando do Inquisidor, Ele se inclina para ele e suavemente beija os lábios sem sangue, de quatro pontos e dez anos de idade. Essa é toda a resposta. O Grande Inquisidor estremece. Há uma contração convulsiva no canto da boca, ele vai até a porta, abre-a e, dirigindo-se a ele: "Vá", ele diz, "vá e não volte mais... não venha de novo... nunca, nunca!" e - deixa-o sair na noite escura. O prisioneiro desaparece. "

"E o velho?"

"O beijo queima seu coração, mas o velho permanece firme em suas próprias ideias e incredulidade."

"E você, junto com ele? Você também!" exclamou desesperadamente Aliosha, enquanto Ivan explodiu em uma gargalhada ainda mais alta.

~

Fiodor Dostoiévski

Conto integrante da obra "Os Irmãos Karamazov".

Disponível em inglês em Gutenberg.



Notas:
*Foi o ritual de penitência pública de hereges e apóstatas condenados que ocorreu quando a Inquisição Espanhola.
**Compensação.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: