Sobre o existencialismo

Segundo Jean Paul Sartre, o existencialismo é a visão de que a existência precede a essência. Como vou usar o termo, o existencialismo é a tese de que a existência, mesmo que não preceda a essência, não é, de forma alguma, precedida por ela. Deixe-me explicar.

I. Existencialismo explicado

Suponhamos que começamos endossando ou, pelo menos, não contestando a visão de que os objetos têm essências individuais. Uma essência individual E de um objeto x é uma propriedade que atende a duas condições: (1) E é essencial para x, de modo que não é possível que x exista mas tenha E, e (2) E é essencialmente exclusivo de x, então que não é possível que tenha havido um objeto distinto de x que tenha E. Eu acredito que é óbvio que existem essências individuais. Considere, por exemplo, a propriedade de ser William F. Buckley ou ser idêntico a William F. Buckley. Certamente essa propriedade é essencial para Buckley; ele não poderia ter existido, mas faltou. (É claro que ele poderia não ter o nome de "William F. Buckley"; sem dúvida seus pais poderiam tê-lo chamado "Pico della Mirandola" se quisessem.) Mas a propriedade em questão também é essencialmente exclusiva para ele; Não é possível que alguém diferente de Buckley tenha tido a propriedade de ser idêntico a William F. Buckley. Um tipo de essência, então, é a propriedade de ser idêntico a algum objeto - isto é, a propriedade, para algum objeto x, de ser idêntica a x. Seguindo Robert Adams e Duns Scotus, suponhamos que chamamos tal propriedade de algo assim; o thisness* de um indivíduo é a propriedade de ser esse indivíduo. Não é necessário que usemos nomes próprios para especificar ou referir-se a isto; quando eu uso as palavras "a propriedade de ser eu" ou "a propriedade de ser idêntico a mim", a propriedade que eles denotam é um thisness. E considere o homem mais malvado da Dakota do Norte: a propriedade de ser idêntico a ele também é um estado de espírito.

Então os objetos têm essências e essências são essências. Uma tese existencialista - uma tese endossada por Arthur Prior, Robert Adams, Kit Fine e outros - pode ser declarada da seguinte forma: as essências são ontologicamente dependentes de suas exemplificações. Tome qualquer talidade e o objeto x do qual é a natureza; Não poderia ter existido se x não tivesse existido. Se Buckley não existisse, então a sua natureza não teria existido. Todo este tem essencialmente a propriedade de ser exemplificado pelo objeto que de fato o exemplifica. Mais exatamente, a tese em questão é que é necessário que toda coisa tenha essa propriedade; não é como se pudesse haver coisas que poderiam ter faltado à propriedade em questão.

Esta tese existencialista pode ser estendida. Digamos que uma propriedade seja quiditativa** se é um thisness ou envolve um thisness de uma certa maneira. Poderíamos tentar explicar o caminho em questão em detalhes formais e burocráticos; mas em vez disso, deixe-me dar alguns exemplos. Ser idêntico ao Nero ou ser o Nero é uma propriedade quiditiva; mas também estão sendo mais sedentos de sangue do que Nero, sendo Nero ou Cícero, seja Nero ou sábio, sendo possivelmente mais sábio que Nero, sendo considerado por Nero um traidor, e sendo tal que existe alguém mais sanguinário que Nero. Podemos contrastar a noção de propriedade quiditativa com a de uma propriedade qualitativa. Mais uma vez, não tentarei dar uma definição dessa noção; mas exemplos seriam ser sábios, ter 14 anos, estar com raiva, ser instruído, estar a dois metros de uma escrivaninha e coisas do gênero. Se P e Q são propriedades qualitativas, então é sua conjunção, sua disjunção, o complemento de cada um, tal que existe algo que tem P, e possivelmente tendo P. E a tese existencialista mais geral é que enquanto propriedades qualitativas podem ser seres necessários e existem em todos os mundos possíveis, as propriedades quiditativas são ontologicamente dependentes dos objetos cujos aspectos eles envolvem. É claro que a natureza de um ser necessário - Deus, talvez, ou de usar um exemplo teologicamente menos dramático, o número sete - existe necessariamente, assim como o objeto do qual é um estado de espírito; e o mesmo vale para qualquer propriedade quiditativa que envolva apenas as essências de seres necessários. Mas tal propriedade quiditativa como ser mais sábio do que Buckley não poderia ter existido se ele não tivesse existido.

A primeira tese existencialista, portanto, é que as propriedades quiditativas são ontologicamente dependentes dos indivíduos cujos aspectos envolvem. E uma segunda tese existencialista é como a primeira. Considere as proposições

(1) William F. Buckley é sábio

e

(2) O Leão do Conservativismo é sábio.

O primeiro, podemos pensar, envolve Buckley de uma maneira mais direta e íntima do que o segundo. O segundo se refere a ele, por assim dizer, apenas acidentalmente - apenas em virtude do fato de que ele é o Leão do Conservativismo. (1), por outro lado, faz uma referência direta a ele, ou para usar o termo de Arthur Prior, é "diretamente sobre" ele. Agora não é fácil dizer exatamente o que é a proximidade direta ou quando uma proposição é diretamente sobre um objeto; e para nossos propósitos isso não é crucialmente importante. Ao invés de tentar explicar essa noção, direi que uma proposição diretamente sobre algum objeto é uma proposição singular e dá alguns exemplos: Buckley é sábio, ou Buckley é sábio ou 2 + 1 = 3, possivelmente Buckley é sábio, não é o Caso Buckley seja sábio, alguém é mais sábio do que Buckley, Sam acredita que Buckley é sábio e possivelmente Buckley não existe, são todas proposições singulares. Se pensarmos nas proposições como tendo constituintes, podemos pensar em uma proposição singular como aquela que tem pelo menos um indivíduo ou pelo menos uma propriedade quiditativa como constituinte. E a segunda tese existencialista - aceita novamente por Adams, Fine, Prior e outros - é esta: uma proposição singular é ontologicamente dependente dos indivíduos sobre os quais ela está diretamente relacionada. Assim, se Buckley não existisse, então, sob essa ótica, nenhuma das proposições acima teria visto a luz do dia.

O existencialismo, portanto, é a afirmação de que propriedades quiditativas e proposições singulares são ontologicamente dependentes dos indivíduos que elas envolvem. [2] Eu não sei se a angústia continental seria a reação apropriada à verdade do existencialismo, se é que isso era verdade, mas de qualquer forma eu proponho argumentar que isso é falso. Primeiro, porém, devemos tentar ter uma noção do que é que leva as pessoas a aceitar o existencialismo.

II. Porque aceitar o existencialismo?

Desejo considerar duas linhas de argumentação para o existencialismo, uma para cada uma das duas teses existencialistas características. Mas primeiro devemos tomar rapidamente nota de uma doutrina pressuposta por ambas as linhas de argumentação. Como aprendemos nos joelhos de nossa mãe, Meinong e seus companheiros afirmaram que, além de todas as coisas que existem - casas, cavalos, homens e camundongos - há mais algumas coisas - montanhas douradas e praças redondas, talvez - que não. Eu argumentei em outro lugar [3] que essa afirmação é equivocada; aqui vamos apenas concordar, para fins de argumentação, que a afirmação é falsa. Vamos concordar que não existem nem poderiam ter sido objetos inexistentes; é uma verdade necessária que não existe. Essa visão é às vezes chamada de 'atualismo'; Eu seguirei esse costume, mas com uma advertência. 'Atualismo' é um nome enganoso para a visão em questão; sugere a ideia de que o que quer que seja é real. Mas isso é falso. Há muitos estados de coisas - por exemplo, Londres sendo menor que Los Angeles - que não obtêm, não são reais. É claro que esses estados de coisas não-efetivos existem - eles existem de maneira tão robusta quanto o seu estado mais sólido de fato. Mas eles não são reais. Portanto, há várias coisas que não são reais; o que não há são coisas que não existem. "Existencialismo" seria um melhor apelido para a visão em questão, mas é claro que esse nome já foi antecipado; assim, o 'atualismo' terá que fazer. E vamos usar "realismo sério" como um nome para a afirmação de que necessariamente, nenhum objeto poderia ter uma propriedade ou estar em uma relação sem existir - a visão, isto é, que nada tem propriedades em nenhum mundo em que não tem existir.

Agora suponha que voltemos ao existencialismo. Poderíamos inicialmente estar inclinados a rejeitá-lo argumentando que proposições singulares e propriedades quiditativas são objetos abstratos e, portanto, existem necessariamente. Mas nem todos os objetos abstratos são seres necessários; conjuntos com membros contingentes, por exemplo, não são - pelo menos não, se atualismo sério estiver correto. Pois, se é, então, se Quine não existisse, o singleton de Quine não o teria contido. Mas certamente o singleton de Quine não poderia ter existido, mas estava vazio (caso em que teria sido o conjunto nulo); nem poderia ter contido algo distinto de Quine. Contendo Quine e contendo nada distinto de Quine são certamente propriedades essenciais do singleton de Quine; portanto, não há mundo possível em que exista, mas ele não existe. O singleton de Quine, então, é tão contingente quanto o próprio Quine. E, claro, o mesmo vale para outros conjuntos que o contêm. Se Quine não existisse, o conjunto de fato denotado pela frase "o conjunto de seres humanos" não teria existido. É claro que essa frase teria denotado um conjunto, mesmo que Quine não existisse - mas um conjunto diferente.

Portanto, nem todos os objetos abstratos são seres necessários. Ainda assim, e as propriedades? É natural pensar, de fato, que uma diferença crucial entre conjuntos e propriedades está exatamente aqui. Conjuntos são ontologicamente dependentes de seus membros; portanto, um conjunto com um membro contingente é contingente. Mas propriedades com exemplificação contingente tipicamente não dependem ontologicamente dessas exemplificações. O conjunto de cães - o conjunto que é de fato o conjunto de cães - não teria existido se meu cão Mischa ou qualquer outro cão não tivesse existido; mas a propriedade, sendo um cão, pode perfeitamente se dar ou não cães. Por que supor que é diferente com propriedades quiditativas?

Robert Adams oferece um argumento: "ser a propriedade de ser idêntico a um indivíduo em particular é estar em um relacionamento único com esse indivíduo ... Então, se houvesse um aspecto de um indivíduo não real, ele estaria em um Mas, de acordo com o atualismo, os indivíduos não-reais não podem entrar em quaisquer relações. Parece seguir-se que, de acordo com o atualismo, não pode haver uma natureza de um indivíduo não-real. A questão não é se existem aspectos de indivíduos não reais, ou seja, inexistentes - é claro que não existem, porque não existem indivíduos inexistentes. formas de indivíduos inexistentes - ou seja, nenhuma forma é a forma de um indivíduo inexistente.A questão é antes se qualquer talidade poderia ter existido se o que é a natureza de não tinha.A questão é se, por exemplo, minha natureza poderia ter existido se eu não tivesse, claro se eu não existisse, a propriedade que é de fato minha essência não teria sido minha essência; não teria sido relacionado a mim pela relação que é o thisness de. Mas isso não significa que não poderia ter existido se eu não tivesse existido. Se eu não existisse, meu cunhado não seria meu cunhado; ele não teria a propriedade de ser relacionado comigo pela relação de cunhado. Mas isso não significa que ele não poderia ter existido se eu não tivesse existido. Ter essa propriedade não é essencial para ele; ele poderia ter existido se eu tinha ou não. E, claro, a questão sobre mim e minha essência é se a propriedade de ser exemplificado por mim é essencial para isso. Já que nos é dado que a propriedade sendo exemplificada por mim, se é que é essencial para ela, a verdadeira questão é se ser exemplificado é essencial para ela: e não é pelo menos óbvio que seja. Adams sustenta que um objeto pode ter uma essência qualitativa - uma essência que não envolve um thisness - e a essência qualitativa - uma essência que não envolve um thisness - e a essência qualitativa de um objeto, ele pensa, teria existido mesmo se o objeto não tivesse. É claro que, se eu não existisse, minha essência qualitativa não teria sido minha essência qualitativa; não teria sido relacionado a mim pela essência da relação qualitativa. Mas poderia ter existido mesmo se eu não tivesse. Por que supor que as coisas são diferentes no caso da minha natureza?

Considerado como um argumento, portanto, as considerações acima são inconclusivas. Suspeito, no entanto, que eles não sejam realmente um argumento; eles são mais como um apelo à intuição. Não está claro ou óbvio que a propriedade que é Sócrates não poderia ter existido se Sócrates não existisse? Qual seria meu aspecto, se eu não existisse? Mas não me parece, na reflexão, ser o menos óbvio. E seria a minha natureza, se eu não existisse? Teria sido uma essência não esclarecida que poderia ter sido a essência de algo.

Volto agora para a linha de argumentação da segunda tese existencialista - a tese de que proposições singulares dependem ontologicamente dos objetos sobre os quais estão diretamente relacionadas. Considere novamente

(1) William F. Buckley é sábio

e

(2) O Leão do Conservativismo é sábio.

Na visão em questão (1) poderia ter falhado em existir, e teria feito isso se Buckley não tivesse existido. (2), por outro lado, é bastante insensível às vicissitudes angustiantes que assediam objetos contingentes, e teria existido não importando o quê. Por que a diferença?

Uma linha de argumentação, ou pelo menos uma "consideração determinando o intelecto", para usar a frase de John Stuart Mill, é a seguinte. É plausível unir Mill a supor que "Nomes Próprios não são conotativos; eles denotam os indivíduos que são chamados por eles, mas não indicam ou implicam um atributo como pertencente a esses indivíduos". Nomes próprios, diz Mill, têm denotação, mas não conotação: um nome próprio denota seu referente, mas não expressa uma propriedade. Ele parece significar que a única função semântica desempenhada por um nome próprio é a de denotar seu referente; sua função semântica está esgotada em denotar seu referente. A primeira premissa desse argumento, então, é que nomes próprios não expressam propriedades. A segunda premissa é a visão plausível de que frases contendo nomes próprios de fato expressam proposições. E a terceira premissa é que uma proposição é uma estrutura articulada que contém constituintes em pé um em relação ao outro. Não está claro o que um constituinte de uma proposição deveria ser; mas entre os constituintes da proposição, todos os homens são mortais, se presumiria que as propriedades humanidade e mortalidade seriam presumíveis.

Agora suponha que você aceita estas três premissas: que tipo de proposição será expressa por uma sentença como (1) se o nome próprio que ela contém não expressa uma propriedade? Quais seriam os constituintes de tal proposição - qual seria, por assim dizer, seu constituinte sujeito-lugar? O que é mais natural que tomar o próprio William F. Buckley, aquele homem da direita, como constituinte da proposição expressa por (1)? Nessa visão, as proposições singulares incluem entre seus constituintes não apenas abstração, como a essência de Buckley, mas concreta, como o próprio Buckley. Se alguém sustenta que proposições têm constituintes, que nomes próprios não expressam propriedades, e que frases que os contêm expressam proposições, então a visão de que tais proposições contêm objetos concretos como constituintes pode parecer bastante convincente.

Agora, aqueles que pensam que as proposições têm constituintes, pensam na relação de constituição como essencial para o constituído, mas não, no caso geral, com o constituinte; isto é, se a é um constituinte de b, então b não poderia existir sem ter um como constituinte, embora não seja verdade em geral que b não poderia ter existido com ser um constituinte de a. Tanto William F. Buckley quanto Paul X. Zwier são constituintes da proposta de que Paul Zwier é mais conservador que William Buckley; então, se qualquer um deles não tivesse existido, o mesmo destino teria acontecido a essa proposição. Obviamente, porém, Buckley poderia ter existido mesmo que Zwier não tivesse existido; consequentemente, Buckley poderia ter existido mesmo que essa proposta não tivesse existido. E, portanto, (dado o atual realismo) ser um constituinte dele não é essencial para ele. Assim, a quarta premissa do argumento é: se um objeto concreto 0 é um constituinte de uma proposição P, então P é ontologicamente dependente de 0. Para resumir o argumento, então: sentenças contendo nomes próprios expressam proposições que têm objetos concretos e contingentes como constituintes. Mas a relação de constituição é essencial para o objeto constituído; Portanto, proposições singulares - muitas delas, pelo menos - são ontologicamente dependentes de indivíduos contingentes.

Agora, penso que este é, na melhor das hipóteses, um argumento fraco para a tese existencialista em questão; e sua fraqueza resulta da obscuridade das premissas envolvendo a noção de eleitorado. O que exatamente, ou mesmo aproximadamente, esta relação é um constituinte de? Sabemos ou temos motivos para suspeitar que as proposições têm constituintes? O que podemos dizer sobre a relação que existe entre um objeto - um conceito, propriedade, indivíduo concreto ou qualquer outro - e uma proposição, quando o primeiro é um constituinte do segundo? Talvez não muito. Alguns filósofos sugerem que o tipo de proposição expressa por sentenças como (1) pode ser representada ou tomada como uma entidade de algum tipo - um par ordenado, talvez, cujo primeiro membro é William F. Buckley e cuja segunda é a propriedade de ser sábio. É claro que se essa proposição fosse um par tão ordenado, talvez pudéssemos dizer quais eram seus constituintes: talvez eles fossem os membros de seu fechamento transitivo. Presumivelmente, porém, a alegação não é que tais proposições sejam realmente pares ordenados, mas apenas que podemos adequadamente representá-los ou tomá-los como tais, da maneira que, para alguns propósitos, podemos pegar os números naturais como conjuntos de um tipo ou outro. . Bebemos com o leite de nossa mãe a ideia de que podemos "identificar" os números naturais com qualquer uma das várias sequências de conjuntos. Podemos também identificá-los com outras coisas: por exemplo, poderíamos identificar zero com Richard Wagner e o resto dos números naturais com proposições sobre ele: Wagner escreveu apenas uma ópera, Wagner escreveu apenas duas óperas, e assim por diante. Tudo o que precisamos para tal identificação é um conjunto contável de objetos infinitos, juntamente com uma relação recursiva sob a qual eles formam uma progressão. Mas é claro que o fato de os números naturais poderem ser assim identificados com conjuntos de um tipo ou outro não implica, de forma alguma, que eles realmente sejam conjuntos, ou tenham como constituintes os membros dos conjuntos com os quais os identificamos. E o mesmo vale para proposições e pares ordenados do tipo mencionado acima. Talvez, para alguns propósitos, possamos identificar o primeiro com o segundo; mas isso não significa que os primeiros tenham como constituintes os membros do último. Portanto, é difícil ver que a sugestão acima - a sugestão de que proposições singulares podem ser representadas ou tomadas como certos conjuntos - lança alguma luz sobre a relação constituinte.

É claro que há claramente uma relação interessante entre a proposição. Todos os homens são mortais e as propriedades são um homem e um ser mortal - uma relação que não existe entre essa proposição e, digamos, o número 7 ou o Taj Mahal ou a propriedade de sendo um cavalo. E sem dúvida temos algo de uma compreensão - incoerente e tateando - dessa relação. Assim, por exemplo, podemos compreender o suficiente da relação em questão para ver que uma proposição não poderia ser um constituinte de uma pessoa. Mas poderia uma pessoa ser um constituinte de uma proposição? Se sinto que tenho uma noção dessa noção de eleitorado quando me dizem que, digamos, a sabedoria, mas não a beleza, é um constituinte da proposição que Sócrates é sábio; mas quando se acrescenta que o próprio Sócrates também é um constituinte dessa proposição, começo a perder meu senso do que está sendo discutido. Se um objeto abstrato como uma proposição tem constituintes, eles mesmos não teriam que ser abstratos?

Mas, em segundo lugar: se estivermos preparados para supor algo como inicialmente ultrapassado, uma vez que as pessoas podem ser constituintes de proposições, por que insistir que uma proposição é ontologicamente dependente de seus constituintes? Por que espantar a ideia de que uma proposição poderia existir mesmo que um de seus constituintes não existisse? Talvez a proposição expressa por (1) tenha Buckley como constituinte, mas teria existido mesmo se ele não tivesse existido. Se tivesse, talvez tivesse sido um pouco mal formado ou até mutilado; mas não poderia existir mesmo assim?

Este argumento, portanto, é inconclusivo. Não está claro o que está sendo reivindicado quando se afirma que as proposições têm constituintes. Na medida em que temos uma noção dessa noção, no entanto, é muito difícil ver como uma pessoa poderia ser um constituinte de uma proposição. E mesmo que as proposições contenham pessoas como constituintes, por que supor que conter uma determinada pessoa como constituinte é essencial para uma proposição?

III. Um argumento anti-existencial

Eu quero propor um argumento contra o existencialismo - especificamente, um argumento contra a tese existencialista de que proposições singulares são ontologicamente dependentes de objetos contingentes. O argumento começa com um fato óbvio. Certamente é possível que Sócrates não tenha existido; ao contrário de Deus e do número sete, Sócrates não é um ser necessário. Assim, a proposição possivelmente Sócrates não existe é verdadeira, e a proposição que Sócrates não existe é possível, isto é, possivelmente verdadeira. Mas essa proposição não poderia ter sido verdadeira sem existir. Além disso, se fosse verdade, Sócrates não teria existido. Se tivesse sido verdade, portanto, teria existido, mas Sócrates não teria existido. Portanto, é possível que a proposição de Sócrates não exista quando Sócrates não existe - contrariamente às reivindicações do existencialismo, segundo as quais essa proposição tem Sócrates como constituinte e, portanto, é ontologicamente dependente dele.

Arrumando o argumento um pouco, podemos vê-lo como procedente do
seguindo cinco premisses:

(3) Possivelmente Sócrates não existe

(4) Se (3) então a proposição Sócrates não existe é possível.

(5) Se a proposição Sócrates não existe é possível, então é possivelmente verdade.

(6) Necessariamente, se Sócrates não existir fosse verdade, então Sócrates não existia teria existido.

e

(7) Necessariamente, se Sócrates não existisse, então Sócrates não teria existido.

De (3), (4) e (5) segue-se que

(8) Sócrates não existe é possivelmente verdade,

isto é, essa proposição poderia ter sido verdadeira; de (6) e (7) segue-se que

(9) Necessariamente, se Sócrates não existir fosse verdade, então Sócrates não existia, teria existido e Sócrates não teria existido;

e de (8) e (9) segue que

(10) É possível que Sócrates não exista e a proposição Sócrates não exista,

que contradiz o existencialismo.

Agora entendo que as premissas (3) e (7) são relativamente incontroversas; então as premissas controversas, se houver, são (4), (5) e (6). (4), penso eu, é a próxima premissa menos controversa. Foi negado, no entanto, por Lawrence Powers. [6] O Existencialismo Powersiano, consequentemente, é o tipo de existencialismo que rejeita (4). O que pode ser dito para essa rejeição? Agora, é claro, devemos admitir que "possivelmente" em (3) é um operador e não um predicado; e devemos também admitir que certas formas naturais de formalizar a tentativa de interpretar os operadores modais como predicados de sentenças, rapidamente chegam ao luto. Still (4) certamente não é propriamente rejeitável. Suponha que concordemos que existem coisas como proposições e que proposições são as coisas verdadeiras ou falsas. (Podemos dizer que uma sentença é verdadeira se expressa uma proposição verdadeira.) Então, certamente, consideraremos a verdade e a falsidade como propriedades de proposições. Além do mais, tal proposição como É que todos os homens são mortais é verdadeira se e somente se a proposição que todos os homens são mortais é verdadeira - apesar do fato de que "é verdade que" é um operador, não um predicado. Agora certamente o mesmo vale para

(11) Possivelmente, Sócrates não existe.

A possibilidade, obviamente, é uma propriedade de proposições; é uma modalidade alética, um modo de verdade. Como poderia (11) ser verdade se a proposição Sócrates não existisse não fosse possível? Que proposição a sentença (11) expressaria, se não expressasse uma implicando que Sócrates não existe é possível? (11), com certeza, é verdade se e somente se Sócrates não existe é possível. Então (4) deve ser aceito e o existencialismo de Powersian rejeitado.

(6), penso eu, é a próxima premissa menos controversa; de acordo com (6), Sócrates não existe é tal que não poderia ter sido verdade sem existir. Outra maneira de colocar o mesmo ponto: "Sócrates não existe" é verdadeiro, implica que "Sócrates não existe" existe. Ainda outro modo de dizer: todo mundo possível no qual Sócrates não existe é verdadeiro, é aquele em que ele existe. Esta premissa foi negada, pelo menos provisoriamente, por John Pollock; O existencialismo pollockiano, portanto, é o tipo de existencialismo que nega (6).

Agora (6) é realmente uma especificação do atualismo sério - a visão de que nenhum objeto poderia ter uma propriedade sem existir. Dito alternativamente, o atualismo sério é a visão de que, necessariamente, para qualquer objeto x propriedade P, não é possível que x tenha tido P, mas não existido. Declarado em termos de mundos possíveis, o atualismo sério é a visão de que necessariamente nenhum objeto tem uma propriedade em um mundo no qual ele não existe; isto é, é necessário que para qualquer mundo possível W e propriedade P e objeto x, se é verdade que se W tivesse sido real, então x teria P, então é verdade que se W tivesse sido real, x teria existiram. Como nossa declaração oficial de atualismo sério, vamos adotar

(12) Necessariamente para qualquer objeto x, mundo possível W e propriedade P, se x tiver P em W, então x existe em W,

onde um objeto x tem uma propriedade P em um mundo W se, e somente se, não é possível que W seja real e x não tenha P.

Agora, pode ser tentador supor [7] que o atualismo sério é um corolário do atualismo tout court. Para supor, de acordo com o atualismo,

(13) Não existem objetos não existentes

é necessariamente verdadeiro e, portanto, verdadeiro em todos os mundos possíveis. Então, o mesmo pode ser dito

(14) Para qualquer propriedade P, não existem objetos não existentes que possuam P, isto é,

(15) O que quer que tenha P, existe.

Agora, considere Sócrates, e seja P qualquer propriedade e qualquer mundo em que Sócrates tenha P.

(16) Sócrates tem P

é verdade em W; desde (15) também é verdade em W, então é

(17) Sócrates existe.

Mas então segue que se Sócrates tem uma propriedade P em um mundo W, Sócrates existe em W; e, claro, o mesmo vale para todo o resto.

Agora eu disse que era tentador inferir sério realismo do atualismo; mas o argumento acima representa, na melhor das hipóteses, um pouco de pensamento floculante. Podemos ver isso da seguinte maneira. Se o atualismo é verdadeiro, então

(18) O que não existe, existe

é verdade em todos os mundos possíveis; poucos seriam tentados a inferir, no entanto, que, se Sócrates não existe em um mundo W *, então ele existe nesse mundo. O problema com o argumento, obviamente, é o seguinte: (15) é de fato verdadeiro em W, como é (16). Para inferir que (17) é verdadeiro em W, no entanto, devemos supor que

(19) Se Sócrates tem P, então Socrates existe

também é verdade lá. Pensa-se em (19) como seguindo de (15) por Instantiation Universal. (15) diz que tudo o que existe - tudo o que existe e tudo o mais também, se existe alguma outra coisa - tem uma certa propriedade: ser tal que se tem P, então existe. (19) (interpretado de re como Sócrates é tal que se ele tem P então ele existe) diz apenas que Sócrates tem a propriedade (15) diz que tudo o que existe tem. Mas então claramente (19) não segue somente a partir de (15). Outra premissa é necessária: a premissa de que Sócrates é uma das coisas que existem. É claro que esta premissa é verdadeira de fato, mas talvez não seja verdade em W. Assim, a partir do fato de que (15) é verdadeiro em W, não podemos inferir corretamente que (19) também é verdadeiro em W.

Do atualismo tout court, portanto, não podemos inferir corretamente o atualismo sério. Este último é uma tese separada e requer afirmação separada. E isso não é apenas falso? Por considerar qualquer mundo W * em que Sócrates não existe: Sócrates não terá a propriedade de ser sábio em W *; então

(20) Sócrates não é sábio

é verdade em W *; então Sócrates tem a propriedade de não ser sábio em W*. Mas é claro que não se segue que ele existe em W *. Da mesma forma, Sócrates não existe em W*. Mas é claro que isso não decorre disso, que ele existe em W *. Para dar outro exemplo,

(21) Se Sócrates é sábio, alguém é sábio

predica uma propriedade de Sócrates: ser tal que se ele é sábio, alguém é. Mas (21) também é necessariamente verdade; Sócrates, portanto, tem a propriedade (21) predicados dele em todos os mundos possíveis - mesmo aqueles em que ele não existe.

Mas a resposta a essas afirmações é clara; as sentenças (20) e (21) são ambíguas. (20) é ambíguo entre

(20 *) Sócrates é imprudente,

uma proposição predicating dele o complemento de ser sábio, e

(20 **) Não é o caso que Sócrates é sábio,

uma proposição que não predica nada de Sócrates, mas predica a falsidade da proposição de que Sócrates é sábio. (20 *), podemos dizer, é predicativo em relação a Sócrates; (20 **) é impropriativo em relação a ele. Um comentário semelhante deve ser feito sobre (21). A sentença (21) é ambígua entre

(21 *) Sócrates é tal que se ele é sábio, algo é,

uma proposição que é predicativa em relação a Sócrates e predica a propriedade compartilhada de ser tal que se ele é sábio, então alguém é, e uma proposição equivalente a

(21 **) As proposições que Sócrates é sábio e alguém é sábio são tais que se o primeiro é verdadeiro, então é o segundo,

o que é imprevisível em relação a Sócrates. (21 *) é predicativo em relação a Sócrates, e contingente, sendo falso naqueles mundos possíveis em que Sócrates não existe. (21 **), por outro lado, é necessário, mas não predica uma propriedade de Sócrates. Comentários exatamente semelhantes aplicam-se a

(22) Ou Sócrates é sábio ou Sócrates não é sábio.

(23) é ambíguo como entre uma proposição contingente predicativa de Sócrates a propriedade sendo sábia ou não sábia, e uma proposição necessária impredicativa com relação a Sócrates (mas predicativa com relação às proposições Sócrates é sábia e não é o caso que Sócrates é sensato). Portanto, os exemplos apresentados certamente não mostram que o atualismo sério é falso.

Ainda assim, não há algo arbitrário e ad hoc, no contexto atual, sobre insistir que Buckley é um sábio predicador de uma propriedade de Buckley, enquanto não é o caso que Buckley é sábio não? Não realmente, creio eu, embora a ad hocness seja suficientemente escorregadia para dificultar a certeza. De qualquer forma, vamos concordar que existem condições e propriedades. Para qualquer propriedade P, existe a condição de ter P, e também a condição de não ter P. As condições são atendidas por objetos e atingidas por objetos em mundos possíveis. Para satisfazer a condição de ter P em W, um objeto deve ter P em W; para satisfazer a condição de não ter P em W um objeto não deve ter P em W. Além disso, se um objeto não satisfaz a condição de ter P em W, então ele atende a condição de não ter P em W, embora de Claro que não se segue que ele satisfaz a condição de ter P em W. Mais ainda, existem condições tais como ter P ou não ter P, uma condição satisfeita por tudo em todos os mundos possíveis. Então, enquanto pode ser o caso que nenhum objeto tem qualquer propriedade em qualquer mundo no qual ele não exista, um objeto pode perfeitamente encontrar condições em mundos nos quais ele não existe. E enquanto realismo sério talvez seja verdade, desta perspectiva parece consideravelmente menos substancial.

Agora essa manobra, eu acho, é infrutífera. Existe realmente uma distinção importante entre deixar de ter uma propriedade P em um mundo e ter seu complemento nesse mundo; não tendo P em W, além disso, não está tendo P, o complemento de P em W, ou mesmo qualquer outra propriedade. O sério realista afirma que um objeto existe em qualquer mundo em que ele tem uma propriedade P, mas é claro que ela não afirma que um objeto existe em cada mundo em que ele não tem P. Além disso, não está em tudo é fácil de ver que tipo de coisa é uma condição ou de declarar as condições sob as quais um objeto atende a uma condição em um mundo.

Mas suponha que renunciemos a essas considerações e concordemos que existem condições. Entre as condições, haverá ser sábio e não ser sábio; ser insensato e não ser insensato; existente e não existe. Para qualquer condição C, a proposição de tudo que atende a C existe é necessariamente verdadeira; mas, é claro, não é verdade em geral que, se um objeto encontra C em um mundo W, então existe em W. Agora, algumas condições serão existência implícita; elas serão tais que (necessariamente) para qualquer objeto x mundo W, se x encontrar C em W, então x existe em W. Outros não; e o sério realista sustenta que qualquer condição do tipo tem P (onde P é uma propriedade) é a existência que implica, enquanto aqueles do tipo não têm P não. Aqui, o sério realista está correto, creio eu; mas, para os propósitos atuais, não precisamos discutir esse ponto geral. Pois suponha que voltemos a

(6) Necessariamente, se Sócrates não existir fosse verdade, então Sócrates não existia teria existido,

a premissa do argumento anti-existencialista que ocasionou a nossa excursão para o atualismo sério. Nossa questão é realmente se ser verdadeiro é a existência que implica. A questão é se existe uma proposição P e um possível estado de coisas S tal que se S tivesse sido real, então P teria sido verdadeiro mas inexistente - ie, P teria sido verdade e não teria havido tal coisa como P. A resposta, parece-me, é óbvia. Claramente não existe tal estado de coisas e proposição. Claramente, nenhuma proposição poderia ter sido verdadeira sem existir. Claramente, todo estado de coisas que é tal que se fosse real, P teria sido verdade, é também tal que se fosse verdade, então P teria existido. (6), portanto, deve ser aceito e o existencialismo Pollockiano, como Powersian, deve ser rejeitado.

IV. EXISTENCIALISMO PRIORIANO

Agora suponha que voltemos nossa atenção para

(5) Se a proposição Sócrates não existe é possível, então é possivelmente verdade,

a premissa mais controversa do argumento anti-existencialista. Entre os que negam (5) estão Arthur Prior [8], Kit Fine [9] e Robert Adams [10]. O existencialismo prioritário, portanto, é a marca do existencialismo que nega (5); o existencialista prioritário acredita que uma proposição pode ser possível sem ser possivelmente verdadeira. Isso é inicialmente intrigante - muito intrigante. Se a possibilidade, para uma proposição, não é a verdade possível, o que é isso? Se uma proposição não poderia ter sido verdadeira, como pode ser possível? Se alguém considerasse que existem muitos mundos possíveis, mas somente o mundo real poderia ser real, então, de acordo com Robert Adams, "ficaríamos imaginando em que sentido os outros mundos possíveis são possíveis, já que eles não poderiam ter sido real". Mas o mesmo não vale para possibilidade e possível verdade quando são proposições que são o tópico da discussão? De fato, parece que não há dois conceitos aqui, mas apenas um; parece que "Sócrates não existe é possível" (no sentido lógico) e "Sócrates não existe é possivelmente verdadeiro" expressa a mesma proposição. Possibilidade e necessidade, afinal, são modalidades aléticas - modalidades da verdade. Parece inicialmente que "possível" significa "possivelmente verdadeiro"; o que mais há para significar? O que pode Prior, Fine, Adams et al. estar pensando?

Uma maneira pela qual podemos entender esse suposto contraste entre a possibilidade e a verdade possível foi sugerida (talvez um pouco obscuramente) por Arthur Prior: a possibilidade, em oposição à verdade possível, é a não-falsidade possível. Para entender essa noção, precisamos nos voltar para a ideia de atribuição essencial. Um objeto x tem uma propriedade P essencialmente se e somente se é impossível que x exista e falte P - alternativamente (dado atualismo sério), se e somente se é impossível que x tenha o complemento de P. Sócrates, por exemplo, essencialmente as propriedades sendo uma pessoa e sendo auto-idênticas; É impossível que Sócrates existisse e não possuísse essas propriedades, e impossível que ele tivesse tido um de seus complementos. Por outro lado, não poderia ter havido Sócrates, e nesse caso Sócrates não teria essas ou outras propriedades. Por conseguinte, é possível que Sócrates não tenha tido essas propriedades.

Agora, suponha que concordemos, para fins de argumentação, que o número nove é um ser necessário; não poderia ter falhado em existir. (Se você acha que os números são seres contingentes, substitua o seu ser preferido pelo número nove.) Como Sócrates, o número nove tem algumas de suas propriedades essencialmente - sendo um número, por exemplo, e sendo composto. Em contraste com Sócrates, no entanto, nove não poderiam ter falhado em existir; e, portanto, não é possível que nove tenham faltado essas propriedades. Podemos marcar essa diferença dizendo que Sócrates tem a propriedade de ser uma pessoa essencialmente, mas nove tem a propriedade de ser um número necessariamente. Um objeto x tem uma propriedade P necessariamente se e somente se é necessário que o primeiro tenha o último - se e somente se o estado de coisas consistindo em x tendo P não poderia ter falhado em obter. Alternativamente, x tem P necessariamente se e somente se x tem P essencialmente e x é um ser necessário. Assim, Sócrates tem a propriedade de ser uma pessoa essencialmente; Deus, se os teístas clássicos estão certos, tem necessariamente essa propriedade. Tudo, trivialmente, tem existência essencialmente - ou seja, nada poderia ter existido, mas falhado em existir. Apenas tais seres necessários como Deus, no entanto, têm existência necessariamente.

Mas agora não devemos uma distinção similar entre proposições. Se apenas alguns deles forem seres necessários, teremos que distinguir ter a verdade essencialmente de ter necessariamente a verdade. Uma proposição p tem verdade essencialmente se e somente se não é possível que p deveria ter existido e faltou verdade - alternativamente (dado que nenhuma proposição pode ser nem verdadeira nem falsa) se e somente se não é possível que p exista e seja falsa , isto é (dado (6)), se e somente se não é possível que p seja falso. Uma proposição terá a verdade necessariamente ou será necessariamente verdadeira, no entanto, se e somente se ela tiver essência essencialmente e além disso existir necessariamente, não poderia ter falhado em existir. Portanto, p é necessariamente verdadeiro se e somente se não for possível que p não seja verdadeiro. Toda verdade necessária é uma verdade essencial; mas se o atual tipo de existencialismo estiver certo, o contrário não se sustenta. A proposição que Sócrates existe, por exemplo, não poderia ter sido falsa. Poderia ter falhado, no entanto, e, portanto, poderia ter falhado em ser verdade; é, portanto, essencialmente, mas não necessariamente verdadeiro. E agora a afirmação é que dizer que Sócrates não existe é possível, é apenas dizer que é possivelmente não falso - poderia ter falhado em ser falso. Mas é claro que isso não implica, digamos, o Prioriano, que isso poderia ter sido verdade - isto é, possivelmente é verdade.

Agora, acho que podemos ver que o existencialismo prioritário, como as variedades Powersiana e Pollockiana, não pode estar certo. A razão fundamental é que, se estivesse certo, proposições como

(23) Sócrates não existe

não seria possível afinal; e se sabemos alguma coisa sobre esses assuntos, sabemos que (23) é possível. Deixe-me explicar.

Primeiro, o existencialista prioritário admitirá ou preferirá insistir que (23) não é possivelmente verdadeiro. (23) só seria verdadeira se existisse, o que só poderia acontecer se Sócrates também existisse; mas, claro, isso não seria verdade. Nem, além disso, é (23) verdadeiro em algum mundo possível. Se houvesse um mundo possível em que (23) é verdade, esse seria um mundo no qual Sócrates não existe. Mas (23) não existe em nenhum mundo em que Sócrates não existe; então, se (23) é verdade em algum mundo, é verdade em um mundo no qual ele não existe - o que, o Priorista admite, é impossível.

De acordo com o existencialismo prioriano, então, (23) não é nem mesmo verdadeiro nem verdadeiro em algum mundo possível. Como, então, pode ser pensado como possível? O Priorian responderá, é claro, que (23) poderia ter falhado em ser falso. Não poderia ter sido verdade; mas poderia ter falhado em ser falso. Existem mundos possíveis nos quais não é falso: os mundos em que Sócrates não existe. Eu disse que se sabemos alguma coisa sobre modalidade, sabemos que (23) é possível; do ponto de vista do existencialismo prioriano, essa intuição não requer uma verdade possível. Possibilidade de não-falsidade é uma possibilidade suficiente.

Mas certamente isso está errado; possível não-falsidade não é uma possibilidade suficiente. Em primeiro lugar, muitas proposições são possivelmente não falsas: por exemplo,

(24) Sócrates é auto-diversificado,

e até mesmo contradições explícitas como

(25) Sócrates é sábio e Sócrates não é sábio.

De acordo com o existencialista (24) e (25) são possivelmente não-falsas; eles não teriam existido e, portanto, não teriam sido falsos se não houvesse Sócrates. Mas certamente não há nenhuma concepção sensata de possibilidade em que (24) e (25) sejam possíveis.

Em segundo lugar, (24) e (25) implicam, respectivamente,

(26) há pelo menos uma coisa que é auto-diversificada

e

(27) há pelo menos uma coisa que é sábia e não sábia

na lógica de primeira ordem. Mas (26) e (27) nem sequer são possivelmente não falsas. Possibilidade de não-falsidade não é, portanto, encerrada sob implicação lógica - uma deficiência crucialmente séria para um candidato a possibilidade.

Mas o ponto decisivo, penso eu, é o seguinte. Qual foi o suposto insight por trás do existencialismo em primeiro lugar? Que é impossível que objetos dos quais poderíamos dizer que Sócrates seja um constituinte - proposições singulares diretamente sobre ele, mundos possíveis contendo ele, suas essências e afins - deveriam ter existido se ele não tivesse existido. Se E é qualquer entidade desse tipo, a ideia era que

(28) E existe e Sócrates não

é impossível. Este é o insight existencialista central. Mas observe que (28), da perspectiva dos Prioristas, é possivelmente não falso; teria falhado em ser falso se Sócrates não existisse. Então, se possível, a não-falsidade é uma possibilidade suficiente, (28) é possível, afinal. O existencialista priorista é, assim, içar seu próprio petardo. Sua percepção fundamental é que (28) não é possível; ele argumenta, portanto, que proposições como (23) não são seres necessários. Isso aparentemente entra em conflito com a verdade óbvia de que tais proposições são possíveis. A resolução proposta consiste em afirmar que a possível não-falsidade é suficiente; mas então (28) é possível depois de tudo.

A moral a ser desenhada, eu acho, é que a possibilidade, para uma proposição, é
verdade possível; não há mais nada para ser. A alegada distinção entre possível verdade e possibilidade é uma confusão. Segundo Prior, 1 'Jean Buridan distinguia o possível do possivelmente verdadeiro. Buridan, no entanto, aparentemente desenhou essa distinção não para proposições, mas para sentenças - mais exatamente, sentenças sentimentais. E aqui Buridan está correto. Um token de sentença é verdadeiro (ou verdadeiro em inglês) se expressar (em inglês) uma proposição verdadeira; é possível (podemos dizer) se expressa uma verdade possível - se a proposição expressa (em inglês) é possível, isto é, possivelmente verdadeira. A frase token

(29) não há tokens de sentença,

então é possível. Não poderia ter sido verdade (em inglês), no entanto; para ser verdade, teria que existir: no caso de não ter sido verdade. Poderíamos, portanto, dizer, se quiséssemos, que (29) é possível, mas não possivelmente verdadeiro. Mas não há distinção similar no caso de proposições: possibilidade, pois uma proposição é a verdade possível. Verdade e falsidade são as características salientes das proposições; Portanto, é natural usar "possível" para abreviar "possivelmente verdadeiro" (e não, digamos, "possivelmente existente" ou "possivelmente a proposição favorita de Paulo"). Mas argumentar que (23) é possível com base no argumento de que poderia ter falhado, é como argumentar que Sócrates é possivelmente um número ou possivelmente autodiverso, alegando que ele poderia ter deixado de ter as propriedades de ser um não-número e ser auto-idêntico. De fato, ele poderia ter falhado em ter essas propriedades; se ele não existisse, Sócrates não teria essas ou outras propriedades. É pura confusão, no entanto, concluir que ele é possivelmente um número ou possivelmente autodiversificado. Da mesma forma, então, para proposições: se algumas proposições - por ex. (23) - são objetos contingentes, então essas proposições poderiam ter falhado em ser falsas. É pura confusão, no entanto, concluir que são possíveis.

O existencialismo prioritário, portanto, é tão inaceitável quanto as variedades de Powersian e Pollock. A conclusão a ser tirada é que o argumento anti-existencialista é sólido e o existencialismo deve ser rejeitado.

~

Alvin Plantinga

Philosophical Studies
Copyright © 1983 by D. Reidel Publishing Company, Dordrecht, Holland and Boston, U.S.A. Disponível em Andrew Bailey.


NOTAS

1 Mundos, Tempos e Eus (Univ. Of Mass. Press, Amherst, 1977), p. 109
2 É claro que todo o existencialista de coração acrescentará que os estados de coisas (e, portanto, os mundos possíveis) também dependem ontologicamente dos indivíduos que envolvem.
3 A natureza da necessidade (Oxford, 1974), pp. 121-163.
4 'Actualism and thisness', Synthese 49 (1981), p. 5
5 A Svstem of Logic (Nova York, 1846), p. 21
6 Na conversa; Não estou certo de que Powers estivesse falando sério.
7 Como fiz em 'De essentia', Grazer Philosophische Studien (1979), pp. 108-109. Sou grato a John Pollock, que me ajudou a ver o erro dos meus caminhos.
8 'Teorias da realidade' em The Possible and the Actual, ed. M. Loux (Cornell University Press, Ithaca, 1979), p. 201.
9 'Postscript' em World, Times and Selves, pp. 116ss.
10 'Actualismo e este' (veja também a nota 4).
11 'O possivelmente-verdadeiro e o possível', em Papers in Logic and Ethics (Universidade de Mass. Press, Amherst, 1976), p. 202


NOTAS DE TRADUÇÃO
*A qualidade em uma coisa de estar aqui e agora ou tal como é: a realidade objetiva concreta de uma coisa.
**De, relativo a, ou constituindo a natureza essencial de alguma coisa.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: