11 cristãos são executados no Quênia por não recitarem a Shahada Islâmica


Membros suspeitos do grupo extremista islâmico somali Al Shabaab pararam um ônibus no norte do Quênia na sexta-feira, separando e matando aqueles que não eram muçulmanos somalis de etnia local.

Um ônibus de Nairobi para Mandera com 56 pessoas foi interceptado e parado às 17:30 no Condado de Wajir. A população do condado é principalmente queniana da Somália. Uma testemunha e sobrevivente do evento disse que os agressores separaram 11 trabalhadores quenianos do interior, que eram considerados cristãos.

Nove dos passageiros do ônibus foram separados e mortos a tiros no local depois de não conseguirem recitar a Shahada Islâmica, uma curta profissão de fé muçulmana. Dois outros estão desaparecidos e presume-se que estão mortos.

"Um dos muçulmanos me deu roupas somalis e, quando a separação estava sendo feita, fui para o lado dos muçulmanos e imediatamente fomos instruídos a entrar no ônibus", disse o sobrevivente ao Morning Star News. "Quando os habitantes locais estavam voltando para o ônibus, os não-moradores que foram deixados para trás foram atingidos por tiros."

A fonte disse que acha que os membros extremistas estavam monitorando as viagens do grupo e sabia que não estava armado.

Al Shabaab é aliado da Al Qaeda. A organização ou seus simpatizantes mataram várias pessoas não locais no norte do Quênia desde 2011.

Há uma notícia semelhante ocorrida em setembro do ano passado, onde dois cristãos foram mortos em um ônibus por não recitarem a mesma declaração de fé islâmica.

Fonte: Disrn

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: