Resumo de "Institutas da Religião Cristã"

Ano que vem, serão publicados em forma de artigos semanais as Institutas de João Calvino - parte 1, aqui no site. Como adiantamento, aqui vai um resumo da obra:


I. O conhecimento de Deus, o Criador

Nossa sabedoria consiste quase exclusivamente em duas partes: o conhecimento de Deus e de nós mesmos. Mas, como estes estão conectados por muitos laços, não é fácil determinar qual dos dois precede e qual dá origem aos outros. Nossa fraqueza, ignorância e depravação nos lembram que no Senhor, e somente em Ele, habitam as duas luzes da sabedoria, da virtude e da piedade. É evidente que o homem nunca alcança um verdadeiro autoconhecimento até que tenha contemplado o rosto de Deus, e desça após essa contemplação para olhar para si mesmo.

É inquestionável que exista na mente humana e, de fato, por instinto natural, algum senso de divindade. Como Cícero, embora pagão, nos diz, não existe nação tão brutal que não seja imbuída da convicção de que existe um Deus. Até a idolatria é uma evidência desse fato. Mas, embora a experiência ensine que uma semente da religião é divinamente semeada em todos, poucos a apreciam no coração. Alguns se perdem em observâncias supersticiosas; outros, de propósito definido, se revoltam perversamente contra Deus; e muitos pensam em Deus contra sua vontade, nunca se aproximando d'Ele sem serem arrastados à Sua presença.

Mas como a perfeição da bem-aventurança consiste no conhecimento de Deus, Ele ficou satisfeito não apenas em depositar em nossas mentes a semente da religião da qual já falamos, mas em manifestar Suas perfeições em toda a estrutura do universo, e diariamente coloca-se a nosso ver, para que não possamos abrir nossos olhos sem sermos obrigados a contemplá-lo. Sua essência é, de fato, transcendente e incomparável, mas em cada uma de Suas obras, Sua glória é gravada em caracteres tão brilhantes que ninguém, por mais aborrecido e analfabeto, possa alegar ignorância como desculpa.

Aqui aparece a vergonhosa ingratidão dos homens, que, embora eles tenham em suas próprias pessoas uma fábrica onde são realizadas inúmeras operações de Deus, em vez de louvá-Lo, elas são mais infladas com orgulho. Quão poucos existem entre nós que, ao erguer os olhos para os céus ou olhar para o exterior na terra, alguma vez pensam no Criador! Em vão, por causa de nossa falta de educação, a criação exibe tantas lâmpadas brilhantes acesas para mostrar a glória de seu Autor. Portanto, outra e melhor ajuda deve ser dada para nos guiar adequadamente a Deus como nosso Criador, e Ele acrescentou a luz de Sua Palavra para tornar conhecida Sua salvação.

Aqui parece apropriado fazer algumas observações sobre a autoridade das Escrituras. Nada pode ser mais absurdo do que a ficção de que o poder de julgar as Escrituras está na Igreja. Quando a Igreja dá a ela o selo de sua autoridade, ela não a torna autêntica, mas mostra sua reverência por ela como a verdade de Deus por seu consentimento hesitante. As escrituras apresentam, em face disso, como evidência clara de sua verdade, como o preto e o branco apresentam sua cor, doce e amarga de seu gosto. É absurdo tentar, através de discussão, criar uma fé completa nas Escrituras. Aqueles que são ensinados interiormente pelo Espírito Santo concordam com ele implicitamente, pois traz consigo seu próprio testemunho.

É tolice tentar provar aos infiéis que as Escrituras são a Palavra de Deus. Pois não pode ser conhecido, exceto pela fé. Justamente, Agostinho nos lembra que todo homem que tivesse algum entendimento em assuntos tão elevados deve possuir anteriormente piedade e paz mental. Para nos direcionar ao Deus verdadeiro, a Escritura exclui todos os deuses dos pagãos. Essa exclusividade aniquila toda divindade que os homens criam para si, por sua própria vontade. De onde surgiram os ídolos, senão pela vontade do homem?

Havia, portanto, fundamento para o sarcasmo do poeta pagão (Horácio, Sátiras, I.8). "Eu já fui o tronco de uma figueira, um tronco inútil, quando o comerciante, incerto se deveria me fazer um banquinho, etc., preferiu preferir que eu fosse um deus." No que diz respeito à origem dos ídolos, a declaração do Livro da Sabedoria foi recebida com consentimento quase universal, de que eles se originaram com aqueles que conferiram essa honra aos mortos, de uma consideração supersticiosa à sua memória.


II. A Graça de Cristo Redentor

Com a queda de Adão, surgiu a necessidade de um Redentor, toda a raça humana tendo sido amaldiçoada e degenerada por esse evento. Assim, o homem ficou privado da liberdade de vontade e miseravelmente escravizado. O domínio do pecado, desde que o primeiro homem foi trazido por ele, não apenas se estende a toda a raça, mas possui completa posse de toda alma. O livre-arbítrio não permite que qualquer homem realize boas obras, a menos que seja auxiliado pela graça. No entanto, como o homem é por natureza um ser social, ele está disposto, por instinto natural, a valorizar e preservar a sociedade; e, consequentemente, vemos que as mentes de todos os homens têm impressões de ordem e honestidade civil. De modo que, em relação à constituição da vida atual, nenhum homem é desprovido da luz da razão. E esse dom deve ser justamente atribuído à indulgência divina. Se Deus não tivesse nos poupado, nossa revolta levaria consigo toda a destruição da natureza. Mas, para a grande verdade, o que Deus é em si mesmo e o que ele é em relação a nós, a razão humana não faz a menor abordagem. O homem natural não tem capacidade para uma sabedoria sublime que apreenda Deus, a menos que seja iluminado por Seu Espírito, e ninguém pode entrar no reino de Deus, exceto aqueles cujas mentes foram renovadas pelo poder do espírito.

É certo que após a queda de nosso primeiro pai, nenhum conhecimento de Deus sem um Mediador foi eficaz para a salvação. Por isso, Deus nunca se mostrou propício ao Seu povo antigo, nem lhes deu esperança de graça sem um Mediador. O estado próspero e feliz da Igreja sempre foi fundado na pessoa de Cristo. A adoção primária do povo escolhido dependia da graça do Mediador, e Cristo sempre foi oferecido aos santos pais sob a lei como objeto de sua fé.

Nos preocupa profundamente que Aquele que se tornaria nosso Mediador fosse muito Deus e muito homem. O trabalho a ser realizado por Ele não era de descrição comum, sendo para restaurar-nos ao favor divino, a fim de nos tornar filhos de Deus e herdeiros do reino celestial. Nele, a divindade estava tão unida à humanidade que todas as propriedades de cada natureza permaneciam inteiras, e ainda assim as duas naturezas constituem apenas um Cristo. Tudo o que é necessário para nós existe em Cristo.

Quando vemos que toda a soma de nossa salvação, e todas as partes dela, são compreendidas em Cristo, devemos ter cuidado em derivar a menor parte dela de qualquer outro ponto. Se buscamos a salvação, somos ensinados pelo próprio nome de Jesus que Ele a possui; se buscarmos outros dons do Espírito, nós os encontraremos em Sua unção; força em Seu governo permanente; pureza em Sua concepção; indulgência em Sua natividade, na qual Ele foi feito como nós em todos os aspectos, a fim de poder aprender a simpatizar conosco; se buscarmos a redenção, encontraremos isso em Sua paixão; absolvição em Sua condenação; remissão da maldição em Sua cruz; satisfação em Seu sacrifício; purificação em seu sangue; reconciliação em Sua descida ao inferno; mortificação da carne em Seu sepulcro; novidade de vida em Sua ressurreição; imortalidade também em Sua ressurreição; a herança de um reino celestial em Sua entrada no céu; proteção, segurança e suprimento abundante de todas as bênçãos, em Seu reino; garantir antecipação de julgamento no poder de julgar cometido a Ele. Em suma, uma vez que Nele são estimadas as bênçãos, vamos tirar dele um suprimento completo, e nenhum de outro quarto.


III. O mérito de Cristo como nosso Salvador

Pode ser provado, tanto pela razão como pelas Escrituras, que a graça de Deus e o mérito de Cristo (o Príncipe e Autor de nossa salvação) são perfeitamente compatíveis. Cristo não é apenas o ministro, mas também a causa de nossa salvação, e a graça divina não é obscurecida por essa expressão. Cristo, por Sua obediência, realmente mereceu essa graça divina para nós, que foi obtida pelo derramamento de Seu sangue e Sua obediência até a morte, pela qual Ele pagou nosso resgate.

É pela operação secreta do Espírito Santo que desfrutamos de Cristo e de todos os Seus benefícios. Em Cristo, o Mediador, os dons do Espírito Santo devem ser vistos em toda a sua plenitude. Como a salvação é aperfeiçoada na pessoa de Cristo, assim, a fim de nos tornar participantes dela, Ele "nos batiza com o Espírito Santo e com fogo", iluminando-nos na fé do Seu Evangelho, e nos regenerando para sermos novos. criaturas. Assim limpo de toda a poluição, Ele nos dedica como templos sagrados ao Senhor.

Mas aqui é apropriado considerar a natureza da fé. O verdadeiro conhecimento de Cristo consiste em recebê-Lo como Ele é oferecido pelo Pai, ou seja, como investido em Seu Evangelho. Existe uma relação inseparável entre fé e a Palavra, e estes não podem mais ser desconectados um do outro que os raios de luz do sol. João aponta para esta fonte de fé assim: "Hoje, se ouvirdes a Sua voz", "ouvir" sendo uniformemente levado para "crer". Tire a Palavra e nenhuma fé permanecerá. Portanto, Paulo designa a fé como a obediência que é dada ao Evangelho.

O mero assentimento do intelecto à Palavra é, de acordo com alguns, a fé insistida nas Escrituras, mas isso é uma mera ficção. Os que assim definem a fé não ponderam devidamente as palavras de Paulo: "Com o coração o homem crê para a justiça". O consentimento em si é mais uma questão de coração que de cabeça, de afeto que de intelecto.


IV. Sobre o arrependimento

O arrependimento segue a fé e é produzido por ela. Na conversão da vida a Deus, exigimos uma transformação não apenas nas obras externas, mas na própria alma, que só é capaz depois de abandonar seus velhos hábitos para produzir frutos conformes à sua renovação. O arrependimento procede de um temor sincero de Deus e consiste em duas partes: a mortificação da carne e a vivificação do espírito. Ambos obtemos por união com Cristo. Se somos participantes de Sua ressurreição, somos elevados por ela à novidade de vida, que nos conforma à justiça de Deus. Em uma palavra, então, por arrependimento, entendo a regeneração, cujo único objetivo é formar-nos novamente à imagem de Deus, que foi manchada e quase apagada pela transgressão de Adão.

O apóstolo, em sua descrição do arrependimento (2 Coríntios 7. 2), enumera sete causas, efeitos ou partes pertencentes a ele. Estes são cuidado, desculpa, indignação, medo, desejo, zelo, vingança. Paro de não considerar se essas são causas ou efeitos; ambas as visões podem ser mantidas. O penitente terá cuidado para não ofender a Deus no futuro; em suas desculpas, ele confiará não em suas próprias desculpas, mas na intercessão de Cristo; sua indignação será dirigida contra suas próprias iniquidades; seu medo será para que não cause desagrado a Deus; seu desejo é equivalente à vivacidade no dever; seguirá zelo; e a vingança será praticada na censura passada por seus próprios pecados.


V. Sobre justificação pela fé

Diz-se que um homem é justificado aos olhos de Deus quando, no julgamento de Deus, ele é considerado justo e é aceito por causa de sua justiça. Por isso, interpretamos justificação como a aceitação com a qual Deus nos recebe em Seu favor como se fôssemos justos; e dizemos que essa justificação consiste no perdão dos pecados e na imputação da justiça a Cristo. Visto que muitos imaginam uma justiça composta de fé e obras, note-se que há uma diferença tão grande entre justificação pela fé e por obras que uma necessariamente derruba a outra. Se destruirmos a justiça pela fé, estabelecendo nossa própria justiça, então, a fim de obter Sua justiça, a nossa deverá ser inteiramente abandonada. O Evangelho difere da lei nisto: coloca inteiramente justificação na misericórdia de Deus e não a limita às obras. É inteiramente pela intervenção da justiça de Cristo que obtemos justificação diante de Deus.

A doutrina da liberdade cristã se baseia nessa justificação pela fé. Essa liberdade consiste em três partes. Primeiro, os crentes que renunciam à justiça da lei olham apenas para Cristo. Em segundo lugar, a consciência, libertada do jugo da lei, obedece voluntariamente à vontade de Deus. Isso não pode ser feito sob o domínio da lei. Terceiro, sob o Evangelho, somos livres para usar coisas indiferentes. As consciências dos crentes, enquanto buscam a garantia de sua justificação diante de Deus, devem se elevar acima da lei e não pensar mais em obter justificação por ela. Nossas consciências, livres do jugo da própria lei, obedecem voluntariamente à vontade de Deus.


VI. Sobre a Doutrina da Eleição

A ignorância da doutrina da eleição e predestinação prejudica a glória de Deus e promove o orgulho. A aliança da vida não é pregada igualmente para todos, e entre aqueles a quem é pregada nem sempre se encontra com a mesma recepção. A razão dessa discriminação pertence à coisa secreta de Deus. Essa doutrina é discutida em; todavia, quando vemos uma nação preferida a outra, suplicaremos a Deus por ter escolhido dar tal manifestação de Sua misericórdia? Deus demonstrou Sua graça em formas especiais. Assim, da família de Abraão, Ele rejeitou alguns, e manteve outros dentro de Sua Igreja, mostrando que os retinha entre seus filhos.

Embora a eleição de Deus seja secreta, ela se manifesta pelo chamado eficaz. Tanto a eleição quanto o chamado eficaz são fundamentados na livre misericórdia de Deus. O chamado é provado estar de acordo com a livre graça de Deus pelas declarações das Escrituras, pelo modo em que é dispensado, pelo exemplo da vocação de Abraão, pelo testemunho de Deus. João, e pelo exemplo de todos aqueles que foram chamados. Existem duas espécies de vocação. Existe um chamado universal pelo qual Deus, através da pregação de Sua Palavra, convida todos os homens. Além disso, há um chamado especial, que, na maioria das vezes, Deus concede somente aos crentes, quando pela iluminação interna de Seu Espírito ele faz com que o Evangelho se enraíze profundamente em seus corações.

~

João Calvino nasceu em 10 de julho de 1509, em Noyon, na Picardia, norte da França. Embora os Calvins, seus antepassados, tivessem sido bargemen no Oise, seu pai era notário apostólico, procurador-fiscal do condado, secretário do tribunal da igreja e secretário diocesano. O jovem Jean Calvin tinha oito anos quando Lutero pregou suas teses na porta da igreja do castelo em Wittenburg. Com a nova religião ganhando rapidamente posição na França, os jovens foram influenciados por ela quando estudavam em Paris no College de la Marche. Ele realizou reuniões com protestantes em uma caverna em Poitiers. Sua precocidade era notável. Aos 23 anos, ele escreveu seu primeiro livro, um comentário sobre o "Tratado sobre a clemência" de Sêneca. Aos vinte e cinco anos, ele revisou uma tradução da Bíblia francesa. Aos 27 anos, ele publicou a primeira edição de seu trabalho mais conhecido, "As Institutas da Religião Cristã", um tratado que foi considerado como "um dos marcos da história da doutrina cristã". Aos 28 anos, Calvino era o principal homem de Genebra e já era um dos reformadores mais notáveis ​​do mundo. Calvino morreu em 27 de maio de 1564.

Conteúdo disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: