Seguindo firme depois de Deus

"A minha alma apega-se a ti; a tua mão direita me sustém." Salmo 63:8 (NVI).

A teologia cristã ensina a doutrina da graça preveniente, que afirma brevemente que, antes que um homem possa buscar a Deus, Deus deve primeiro ter procurado o homem.

Antes que um homem pecador possa pensar um pensamento correto de Deus, deve ter havido uma obra de iluminação feita dentro dele; pode ser imperfeito, mas um verdadeiro trabalho, no entanto, e a causa secreta de todo desejo, busca e oração que se seguem.

Buscamos a Deus porque, e somente porque, Ele colocou em primeiro lugar um impulso dentro de nós que nos estimula para a busca. "Nenhum homem pode vir a mim", disse o nosso Senhor, "a menos que o Pai que me enviou o atraísse", e é por esse mesmo desenho preveniente que Deus tira de nós todos os vestígios de crédito pelo ato de vir. O impulso de buscar a Deus origina com Deus, mas o fora trabalhando desse impulso é o nosso seguinte apertavam com ele; e todo o tempo em que O seguimos, já estamos em Sua mão: "Tua mão direita me sustenta".

Neste "apoio" divino e "seguimento" humano, não há contradição. Tudo é de Deus, pois, como von Hügel ensina, Deus é sempre anterior. Na prática, entretanto, (isto é, onde o trabalho anterior de Deus encontra a resposta atual do homem) o homem deve buscar a Deus. De nossa parte, deve haver reciprocidade positiva, se esse desenho secreto de Deus for para se realizar uma experiência identificável do Divino. Na linguagem calorosa do sentimento pessoal, isso é afirmado no Salmo 42: "Como o cordeiro pula segundo as correntes de água, assim me ofende a alma depois de ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; Eu venho e apareço diante de Deus? Este é o chamado profundo ao profundo, e o coração ansioso o entenderá.

A doutrina da justificação pela fé - uma verdade bíblica e um abençoado alívio do legalismo estéril e auto-esforço inutilizável - em nosso tempo caiu em má companhia e foi interpretada por muitos de maneira a barrar os homens do conhecimento de Deus. Toda a transação de conversão religiosa tornou-se mecânica e sem espírito. A fé pode agora ser exercida sem um jarro para a vida moral e sem constrangimento para o ego adâmico. Cristo pode ser "recebido" sem criar nenhum amor especial por Ele na alma do receptor. O homem está "salvo", mas ele é não está com fome, nem sede depois de Deus. Na verdade, ele é especificamente ensinado a ser satisfeito e incentivado a se contentar com pouco.

O cientista moderno perdeu Deus entre as maravilhas do Seu mundo; nós cristãos estamos em perigo real de perder a Deus em meio às maravilhas da Sua Palavra. Quase esquecemos que Deus é uma pessoa e, como tal, pode ser cultivado como qualquer pessoa pode. É inerente à personalidade poder conhecer outras personalidades, mas o conhecimento pleno de uma personalidade por outra não pode ser alcançado em um encontro. Só depois de longo e amoroso relacionamento mental é que as possibilidades de ambos podem ser exploradas.

Todo relacionamento social entre seres humanos é uma resposta da personalidade à personalidade, graduando-se do mais casual desnível entre homem e homem até a mais completa e íntima comunhão da qual a alma humana é capaz. A religião, na medida em que é genuína, é em essência a resposta de personalidades criadas à Personalidade Criadora, Deus. "Esta é a vida eterna, para que eles te conheçam o único Deus verdadeiro, e Jesus Cristo, a quem tu enviaste."

Deus é uma pessoa e, no fundo de sua natureza poderosa, pensa, deseja, desfruta, sente, ama, deseja e sofre como qualquer outra pessoa. Ao tornar-se conhecido para nós, Ele permanece pelo padrão familiar da personalidade. Ele se comunica conosco através das avenidas de nossas mentes, nossas vontades e nossas emoções. O intercâmbio contínuo e desembaraçada de amor e de pensamento entre Deus e a alma do homem redimido é o coração pulsante da religião do Novo Testamento.

Essa relação entre Deus e a alma é conhecida por nós em consciência consciente pessoal. É pessoal: isto é, não vem através do corpo de crentes, como tal, mas é conhecido pelo indivíduo e pelo corpo através dos indivíduos que o compõem. E é consciente: isto é, não fica abaixo do limiar da consciência e do trabalho ali desconhecido para a alma (como, por exemplo, o batismo infantil é pensado por alguns para fazer), mas vem dentro do campo da consciência onde o homem pode "conhecê-lo", como ele conhece qualquer outro fato da experiência.

Você e eu estamos em pouco (com exceção de nossos pecados) o que Deus é em grande. Sendo feito à Sua imagem, temos dentro de nós a capacidade de conhecê-lo. Nos nossos pecados nos falta apenas o poder. No momento em que o Espírito nos desperta para a vida em regeneração, todo o nosso ser sente seu parentesco com Deus e salta em reconhecimento alegre. Esse é o nascimento celestial sem o qual não podemos ver o Reino de Deus. Não é, contudo, um fim, mas um começo, pois agora começa a busca gloriosa, a exploração feliz do coração das infinitas riquezas da Divindade. É aqui que começamos, digo, mas onde paramos nenhum homem descobriu, pois nas profundezas terríveis e misteriosas do Deus Triúno não há limite nem fim.

Shoreless Ocean, quem pode te ouvir?
Tua própria eternidade é redonda Tua
Majestade divina!

Ter encontrado Deus e ainda persegui-Lo é o paradoxo do amor da alma, desprezado de fato pelo religioso com demasiada facilidade de satisfação, mas justificado em feliz experiência pelos filhos do coração ardente. São Bernardo declarou este santo paradoxo em uma quadra musical que será instantaneamente entendida por toda alma veneradora:

Nós Te provamos, Ó Tu, Pão Vivo,
E ansiamos por festejar sobre Ti ainda:
Nós bebemos de Ti, o Chafariz
E sede nossas almas de Ti para encher.

Aproxime-se dos homens e mulheres santos do passado e logo sentirá o calor do desejo deles por Deus. Eles lamentaram por Ele, eles oraram e lutaram e procuraram por Ele dia e noite, na estação e fora, e quando eles O encontraram, o achado foi todo o mais doce para a longa busca. Moisés usou o fato de que ele conhecia Deus como um argumento para conhecê-lo melhor. "Ora, pois, se eu tenho achado graça aos teus olhos, mostra-me agora o teu caminho, para que te conheça, para achar graça aos teus olhos." e de lá ele se levantou para fazer o pedido ousado: "Eu peço-te, mostra-me a tua glória". Deus estava francamente satisfeito com essa demonstração de ardor, e no dia seguinte chamou Moisés para o monte, e lá em solene procissão fez toda a Sua glória passar diante dele.

A vida de Davi era uma torrente de desejo espiritual, e seus salmos soam com o grito do buscador e o alegre grito do buscador. Paulo confessou que o motivo principal de sua vida era seu desejo ardente depois de Cristo. "Para que eu possa conhecê-lo", foi o objetivo de seu coração, e para isso ele sacrificou tudo. "Sim, sem dúvida, e conto todas as coisas, mas a perda pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por quem sofri a perda de todas as coisas, e considero-as, mas recuso, para ganhar a Cristo."

O hino é doce com a saudade de Deus, o Deus que, enquanto o cantor procura, ele sabe que já encontrou. "Sua trilha eu vejo e eu vou perseguir", cantaram nossos pais há apenas uma pequena geração atrás, mas essa música não é mais ouvida na grande congregação. Quão trágico que nós neste dia sombrio tivemos nossa busca feita por nossos professores. Tudo é feito para centrar-se no ato inicial de "aceitar" a Cristo (um termo, aliás, que não é encontrado na Bíblia) e não esperamos ansiar por qualquer revelação adicional de Deus para nossas almas. Fomos apanhados nas espirais de uma lógica espúria que insiste que, se o encontramos, não precisamos mais procurá-lo. Isso é colocado diante de nós como a última palavra na ortodoxia, e é dado como certo que nenhum cristão ensinado pela Bíblia jamais acreditou do contrário. Assim, todo o testemunho da Igreja adoradora, buscadora e cantora sobre esse assunto é posto de lado. O coração-teologia experimental de um grande exército de santos perfumadas é rejeitado em favor de uma interpretação presunçoso da Escritura que certamente teria soado estranho para um Agostinho, um Rutherford ou Brainerd.

Em meio a esse grande arrepio, há alguns que me alegro em reconhecer, que não se contentarão com a lógica superficial. Eles vão admitir a força do argumento, e depois se afastar com lágrimas para caçar algum lugar solitário e orar: "Ó Deus, mostre-me a sua glória". Eles querem provar, tocar com seus corações, ver com seus olhos internos a maravilha que é Deus.

Eu quero deliberadamente encorajar esse desejo poderoso depois de Deus. A falta disso nos trouxe ao nosso atual estado baixo. A qualidade dura e de madeira de nossas vidas religiosas é resultado de nossa falta de desejo sagrado. A complacência é um inimigo mortal de todo crescimento espiritual. O desejo agudo deve estar presente ou não haverá manifestação de Cristo ao Seu povo. Ele espera ser desejado. Pena que com muitos de nós Ele espera tanto tempo, muito tempo, em vão.

Cada idade tem suas próprias características. Neste momento estamos em uma era de complexidade religiosa. A simplicidade que está em Cristo é raramente encontrada entre nós. Em seu lugar estão programas, métodos, organizações e um mundo de atividades nervosas que ocupam tempo e atenção, mas que nunca satisfazem o anseio do coração. A superficialidade de nossa experiência interior, o vazio de nossa adoração e aquela imitação servil do mundo, que marca nossos métodos de promoção, todos testificam que nós, neste dia, conhecemos a Deus apenas imperfeitamente, e a paz de Deus dificilmente todos.

Se encontrarmos Deus em meio a todas as aparências religiosas, devemos primeiro determiná-lo para encontrá-Lo e, então, prosseguir no caminho da simplicidade. Agora, como sempre, Deus descobre a si mesmo como "bebês" e se esconde nas trevas dos sábios e dos prudentes. Devemos simplificar nossa abordagem a ele. Devemos nos despir ao essencial (e eles serão considerados abençoadamente poucos). Devemos deixar de lado todo esforço para impressionar e vir com a sinceridade sincera da infância. Se fizermos isso, sem dúvida Deus responderá rapidamente.

Quando a religião disse sua última palavra, há pouco que precisamos além do próprio Deus. O mau hábito de buscar a Deus - e efetivamente nos impede de encontrar Deus em plena revelação. No "e" reside a nossa grande desgraça. Se omitirmos o "e", logo encontraremos Deus, e Nele encontraremos aquilo pelo qual temos todas as nossas vidas secretamente desejando.

Não precisamos temer que, ao buscar a Deus, somente possamos estreitar nossas vidas ou restringir os movimentos de nossos corações em expansão. O oposto é verdadeiro. Podemos nos dar ao luxo de fazer de Deus o nosso todo, de nos concentrar, de sacrificar muitos para o um.

O autor do antigo clássico inglês, The Cloud of Unknowing (A nuvem do desconhecimento), nos ensina como fazer isso. "Levanta teu coração a Deus com uma agitação manso do amor; ...E dizer a si mesmo, e nenhum dos seus produtos e ao mesmo, olhar-te relutante em pensar em outra coisa que não o próprio Deus Para que nada trabalhar na tua inteligência, nem na tua vontade, mas somente no próprio Deus. Esta é a obra da alma que mais agrada a Deus ”.

Mais uma vez, ele recomenda que, na oração, pratiquemos mais uma desmontagem de tudo, até mesmo da nossa teologia. "Pois basta suficiente, uma intenção nua e direta a Deus sem qualquer outra causa além de si mesmo." No entanto, debaixo de todo o seu pensamento estava o amplo fundamento da verdade do Novo Testamento, pois ele explica que por "Ele mesmo" ele significa "Deus que te criou e te comprou, e que graciosamente te chamou ao teu grau". E ele é todo pela simplicidade: Se quisermos que a religião seja "dobrada e dobrada em uma só palavra, para que você seja melhor ter, então, tome apenas uma pequena palavra de uma sílaba: pois assim é melhor do que duas, pois quanto menor for, melhor estará de acordo com a obra do Espírito. E tal palavra é esta palavra DEUS ou esta palavra AMOR ".

Quando o Senhor dividiu Canaã entre as tribos de Israel, Levi não recebeu parte da terra. Deus disse a ele simplesmente: "Eu sou tua parte e tua herança", e por essas palavras o fez mais rico que todos os seus irmãos, mais rico do que todos os reis e rajas que já viveram no mundo. E existe aqui um princípio espiritual, um princípio ainda válido para todo sacerdote do Deus Altíssimo.

O homem que tem Deus para o seu tesouro tem todas as coisas em um. Muitos tesouros comuns podem ser negados a ele, ou se ele tiver permissão para tê-los, o desfrute deles será tão moderado que eles nunca serão necessários para sua felicidade. Ou se ele deve vê-los partir, um após o outro, ele dificilmente sentirá uma sensação de perda, pois ter a Fonte de todas as coisas que ele tem em Alguém é toda satisfação, todo prazer, todo deleite. O que quer que ele possa perder, ele na verdade não perdeu nada, pois agora ele tem tudo em Um, e ele tem isso pura, legitimamente e para sempre.

Ó Deus, eu provei Tua bondade, e isso me satisfez e me deixou com sede de mais. Estou dolorosamente consciente da minha necessidade de mais graça. Tenho vergonha da minha falta de desejo. Ó Deus, o Deus Trino, quero Te desejar; Eu desejo estar cheio de saudade; Tenho sede de ficar com mais sede ainda. Mostra-me a tua glória, peço-te, para que eu te conheça. Comece em misericórdia um novo trabalho de amor dentro de mim. Diga a minha alma: "Levante-se, meu amor, meu justo e vá embora". Então me dê graça para se levantar e segui-lo a partir desta planície nebulosa onde eu vaguei por tanto tempo. Em nome de Jesus, amém.

~

A. W. Tozer
Livro: Em busca de Deus
Título original: The persuit of God
Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: