Agradaremos a Deus dedicando tudo a Sua honra e glória

TENDO no primeiro capítulo declarado a natureza geral da devoção, e mostrado que não implica qualquer forma de oração, mas uma certa forma de vida, que é oferecida a Deus, não em quaisquer momentos ou lugares particulares, mas em toda parte e em tudo; Agora vou descer a alguns detalhes e mostrar como devemos dedicar nosso trabalho e emprego, nosso tempo e concertos a Deus.

Como um bom cristão deve considerar cada lugar como santo, porque Deus está lá, então ele deve considerar cada parte de sua vida como uma questão de santidade, porque é para ser oferecido a Deus.

A profissão de clérigo é uma profissão sagrada, porque é uma ministração em coisas sagradas, uma presença no altar. Mas os negócios mundanos devem ser santificados ao Senhor, sendo feitos como um serviço a Ele e em conformidade com Sua vontade divina.

Porque, assim como todos os homens e todas as coisas no mundo, como verdadeiramente pertencem a Deus, como quaisquer lugares, coisas ou pessoas que são devotadas ao serviço Divino, todas as coisas devem ser usadas, e todas as pessoas devem agir em seus vários estados e empregos, para a glória de Deus.

Homens de negócios mundanos, portanto, não devem olhar para si mesmos como tendo liberdade para viver para si mesmos, para sacrificar seus próprios humores e temperamentos, porque seu emprego é de natureza mundana. Mas eles devem considerar que, como o mundo e todas as profissões do mundo pertencem verdadeiramente a Deus, como pessoas e coisas que são dedicadas ao altar, assim também é dever dos homens nos negócios mundanos viver inteiramente para Deus, como é o dever daqueles que são devotados ao serviço Divino.

Como o mundo inteiro é de Deus, o mundo inteiro deve agir por Deus. Como todos os homens têm a mesma relação com Deus, como todos os homens têm todos os seus poderes e faculdades de Deus, todos os homens são obrigados a agir por Deus, com todos os seus poderes e faculdades.

Como todas as coisas são de Deus, todas as coisas devem ser usadas e consideradas como as coisas de Deus. Para os homens abusarem das coisas na terra e viverem para si mesmos, é a mesma rebelião contra Deus, como para os anjos abusarem das coisas no céu; porque Deus é apenas o mesmo Senhor de todos na terra, como Ele é o Senhor de tudo no céu.

As coisas podem, e devem diferir em seu uso, mas todas devem ser usadas de acordo com a vontade de Deus.

Os homens podem, e devem diferir em seus empregos, mas todos devem agir com os mesmos fins, como servos obedientes de Deus, no desempenho correto e piedoso de seus vários chamados. Os clérigos devem viver inteiramente para Deus de um modo particular, isto é, no exercício dos ofícios sagrados, na ministração de orações e sacramentos e numa distribuição zelosa de bens espirituais.

Mas os homens de outros empregos são, em seus modos particulares, tão obrigados a agir como servos de Deus, e a viver inteiramente para Ele em seus vários chamados. Esta é a única diferença entre clérigos e pessoas de outros chamados.

Quando puder ser demonstrado que os homens podem ser vaidosos, cobiçosos, sensuais, mundanos ou orgulhosos no exercício de seus negócios mundanos, então será permitido aos clérigos satisfazerem os mesmos temperamentos em sua profissão sagrada. Pois embora esses temperamentos sejam mais odiosos e mais criminosos em clérigos, que além de seu voto batismal, têm uma segunda vez dedicada a Deus, para serem Seus servos, não nos ofícios comuns da vida humana, mas no serviço espiritual dos mais as sagradas coisas sagradas, e que devem, portanto, manter-se separadas e diferentes da vida comum dos outros homens, como igreja ou altar, devem ser mantidas separadas das casas e mesas de uso comum; no entanto, como todos os cristãos são pelo seu batismo devotado a Deus e professores de santidade, assim também todos estão em seus vários chamados para viver como pessoas santas e celestiais; fazendo tudo em sua vida comum apenas de tal maneira, como pode ser recebido por Deus, como um serviço feito a ele. Pois as coisas espirituais e temporais, sagradas e comuns, devem, como os homens e os anjos, como o céu e a terra, todos conspiram na glória de Deus.

Como há apenas um Deus e Pai de todos nós, cuja glória dá luz e vida a tudo o que vive, cuja presença preenche todos os lugares, cujo poder suporta todos os seres, cuja providência rege todos os eventos; assim, tudo o que vive, seja no céu ou na terra, sejam tronos ou principados, homens ou anjos, deve todos, com um só espírito, viver inteiramente para o louvor e a glória deste único Deus e Pai de todos eles. Anjos como anjos, em suas ministrações celestes; mas homens como homens, mulheres como mulheres, bispos como bispos, sacerdotes como sacerdotes e diáconos como diáconos; alguns com coisas espirituais, e alguns com coisas temporais, oferecendo a Deus o sacrifício diário de uma vida razoável, ações sábias, pureza de coração e afeições celestes.

Este é o negócio comum de todas as pessoas neste mundo. Não cabe a nenhuma mulher do mundo perder tempo nas loucuras e impertinências de uma vida elegante, nem a qualquer homem se resignar às preocupações e preocupações mundanas; não é deixado aos ricos gratificar suas paixões nas indulgências e orgulho da vida, nem aos pobres, atormentar e atormentar seus corações com a pobreza de seu estado; mas homens e mulheres, ricos e pobres, devem, com bispos e sacerdotes, andar diante de Deus no mesmo espírito sábio e santo, na mesma negação de todos os sentimentos vãos, e na mesma disciplina e cuidado de suas almas; não apenas porque têm a mesma natureza racional e são servos do mesmo Deus, mas porque todos querem a mesma santidade, para torná-los aptos para a mesma felicidade, à qual todos são chamados. Portanto, é absolutamente necessário que todos os cristãos, homens ou mulheres, se considerem como pessoas dedicadas à santidade, e assim ordenem seus modos de vida comuns, por meio de regras de razão e piedade, que possam transformá-la em serviço contínuo para a santidade. Deus Todo-poderoso.

Agora, para tornar nosso trabalho, ou emprego, um serviço aceitável a Deus, devemos levá-lo adiante com o mesmo espírito e temperamento, o que é necessário para dar esmolas ou qualquer trabalho de piedade. Pois, se "comer ou beber, ou o que fizermos", devemos "fazer tudo para a glória de Deus"; [1 Cor. 10. 31] se "devemos usar este mundo como se não o tivéssemos usado"; se quisermos "apresentar aos nossos corpos um sacrifício vivo, santo, aceitável a Deus"; [Rom. 12. 1] se "devemos viver pela fé e não pela vista" e "ter nossa conversação no céu"; [2 Coríntios v. 7; Fil. 3.20] então é necessário que o caminho comum de nossa vida, em todo estado, seja feito para glorificar a Deus por temperamentos tais como tornar nossas orações e adorações aceitáveis ​​para Ele. Porque, se somos mundanos ou mundanos em nossos empregos, se são levados com desejos vãos e cobiçosos ânimos, apenas para nos satisfazermos, não podemos mais dizer que vivamos para a glória de Deus, do que os glutões e os bêbados podem viver. seja dito para comer e beber para a glória de Deus.

Como a glória de Deus é uma e a mesma coisa, qualquer coisa que fizermos adequado a ela deve ser feita com o mesmo espírito. O mesmo estado e temperamento que torna nossas esmolas e devoções aceitáveis, também devem tornar nosso trabalho, ou emprego, uma oferta adequada a Deus. Se um homem se esforça para ser rico e persegue seus negócios, para que possa elevar-se a um estado de figura e glória no mundo, ele não estará mais servindo a Deus em seu emprego; ele está agindo sob outros mestres, e não tem mais título para uma recompensa de Deus, do que aquele que dá esmolas, que ele pode ser visto, ou ora, para que ele seja ouvido dos homens. Pois desejos vãos e terrestres não são mais permissíveis em nossos empregos, do que em nossas esmolas e devoções. Pois esses temperamentos de orgulho mundano e vanglória não são apenas maus, quando se misturam com nossas boas obras, mas têm a mesma natureza má e nos tornam odiosos para com Deus, quando entram no negócio comum de nosso emprego. . Se fosse permitido satisfazer paixões ambiciosas ou vãs em nossos empregos mundanos, seria então permitido ser vaidoso em nossas devoções. Mas como nossas esmolas e devoções não são um serviço aceitável, mas quando procedem de um coração verdadeiramente devotado a Deus, assim nosso emprego comum não pode ser considerado um serviço para Ele, mas quando é realizado com o mesmo temperamento e piedade de coração.

A maioria dos empregos da vida é, em sua própria natureza, lícita; e todos aqueles que são assim podem ser feitos uma parte substancial de nosso dever para com Deus, se nos envolvermos neles até agora, e para tais fins, como são adequados a seres que devem viver acima do mundo, todo o tempo que eles viver no mundo. Esta é a única medida de nossa aplicação a qualquer negócio mundano, que seja o que for, onde será; não deve ter mais de nossas mãos, nossos corações ou nosso tempo, do que é consistente com uma preparação saudável, diária e cuidadosa de nós mesmos para outra vida. Pois como todos os cristãos, como tais renunciaram a este mundo, para se prepararem pela devoção diária e santidade universal, para um estado eterno de natureza completamente diferente, eles devem olhar para os empregos mundanos, como para as necessidades mundanas e enfermidades corporais; coisas que não devem ser desejadas, mas apenas para serem suportadas e sofridas, até que a morte e a ressurreição nos levem a um estado eterno de verdadeira felicidade.

Ora, aquele que não olha para as coisas desta vida neste grau de pequenez, não se pode dizer que sente ou acredita nas maiores verdades do cristianismo. Pois se ele pensa em algo grande ou importante nos negócios humanos, pode-se dizer que ele sente ou acredita nas Escrituras, que representam esta vida, e as maiores coisas da vida, como bolhas, vapores, sonhos e sombras?

Se ele pensa que figura, e mostra, e glória mundana, para ser qualquer felicidade adequada de um cristão, como ele pode ser dito para sentir ou acreditar nesta doutrina, "Bem-aventurados sois quando os homens te odeiam, e quando eles vos separarem a sua companhia, e vos injuriareis, e rejeita o teu nome como mau, por amor do Filho do homem"? [Lucas 6,22] Pois, certamente, se houvesse alguma felicidade real em figura, e demonstração, e glória mundana; se essas coisas merecessem nossos pensamentos e cuidados; não poderia ser assunto da mais alta alegria, quando somos arrancados deles por perseguições e sofrimentos. Se, portanto, um homem assim viver, a fim de mostrar que ele sente e acredita nas doutrinas mais fundamentais do cristianismo, ele deve viver acima do mundo; este é o temperamento que deve capacitá-lo a fazer o negócio da vida, e ainda viver totalmente para Deus, e passar por algum emprego mundano com uma mente celestial. E é tão necessário que as pessoas vivam em seus empregos com esse temperamento, pois é necessário que seu próprio emprego seja legal.

O lavrador que cultiva o terreno é empregado em um ofício honesto, que é necessário na vida e muito capaz de se tornar um serviço aceitável a Deus. Mas se ele lida e trabalha, não para servir a qualquer finalidade razoável de vida, mas para ter seu arado feito de prata e ter seus cavalos amarrados em ouro, a honestidade de seu emprego é perdida para ele, e seu trabalho se torna sua loucura.

Um comerciante pode justamente pensar que é agradável à vontade de Deus, que ele venda coisas tão inocentes e úteis na vida, como ajudar a si mesmo e aos outros, a um apoio razoável, e capacitá-los a ajudar aqueles que quer ser assistido. Mas se, em vez disso, ele troca apenas em relação a si mesmo, sem qualquer outra regra que não seja a de seu próprio temperamento; se é seu principal objetivo enriquecer, que ele pode viver em figura e indulgência, e poder se aposentar dos negócios para o ócio e o luxo; seu comércio, quanto a ele, perde toda a sua inocência e está tão longe de ser um serviço aceitável a Deus que é apenas um curso mais plausível de cobiça, amor-próprio e ambição. Para tal, torna as necessidades do emprego em orgulho e cobiça, assim como o sot e o epicurista transformam as necessidades de comer e beber em glutonaria e embriaguez. Agora, aquele que acorda cedo e tarde, que transpira e trabalha por esses fins, que ele pode ser algum tempo ou outro rico, e vive em prazer e indulgência, não vive mais para a glória de Deus, do que aquele que joga e joga por os mesmos fins. Pois, embora exista uma grande diferença entre negociação e jogo, ainda assim, a maior parte dessa diferença é perdida, quando os homens uma vez negociam com os mesmos desejos e temperamentos, e para os mesmos fins, que os outros jogam. Caridade e vestir-se bem são coisas muito diferentes; mas se os homens dão esmolas pelas mesmas razões que os outros se vestem bem, apenas para serem vistos e admirados, então a caridade é mais como a vaidade das roupas finas. Da mesma forma, se os mesmos motivos tornam algumas pessoas dolorosas [1] e trabalhadoras em seus ofícios, o que torna os outros constantes no jogo, tais dores são como as dores do jogo.

Calidus [2] tem negociado acima de trinta anos na maior cidade do reino; ele tem sido tantos anos aumentando constantemente seu comércio e sua fortuna. Cada hora do dia é com ele uma hora de negócios; e embora ele coma e beba com muita vontade, ainda assim, cada refeição parece estar com pressa, e ele diria graça se tivesse tempo. Calidus termina todos os dias na taverna, mas não tem tempo para estar lá até às nove horas. Ele é sempre forçado a beber um bom copo, para tirar pensamentos de negócios da cabeça e deixar seus espíritos sonolentos o suficiente para dormir. Ele faz negócios o tempo todo que está subindo e resolveu vários assuntos antes de poder chegar à sua sala de contabilidade. Suas orações são uma ou duas petições curtas, das quais ele nunca perde em um clima tempestuoso e tempestuoso, porque ele sempre tem alguma coisa no mar.

Calidus lhe dirá, com grande prazer, que ele está com tanta pressa há tantos anos, e que deve tê-lo matado há muito tempo, mas que tem sido uma regra para ele sair da cidade todos os sábados, e faça do domingo um dia de tranquilidade e bom refresco no campo.

Agora ele é tão rico que deixaria seus negócios e entreteria sua velhice na construção e na mobília de uma bela casa no campo, mas temia que ele crescesse melancólico se fosse deixar seus negócios. Ele lhe dirá, com grande gravidade, que é perigoso para um homem que tenha sido usado para conseguir dinheiro, para nunca o deixar. Se pensamentos de religião acontecem a qualquer momento para roubar em sua mente, Calidus se contenta em pensar que nunca foi amigo de hereges e infiéis, que sempre foi civilizado com o ministro de sua paróquia, e com muita frequência. deu alguma coisa para as escolas de caridade.

Ora, este modo de vida está tão distante de toda a doutrina e disciplina do cristianismo, que ninguém pode viver nele por ignorância ou fragilidade. Calidus não pode mais imaginar que ele é "nascido de novo do Espírito"; [São João 3] que ele é "em Cristo uma nova criatura"; que ele vive aqui como um estranho e um peregrino, [1 Pedro 2. 11] colocando suas afeições nas coisas acima, e acumulando tesouros no céu, [Col. 3.1] - ele não pode mais imaginar isso, do que ele pode pensar que ele tem sido toda a sua vida um apóstolo trabalhando milagres, e pregando o Evangelho.

Também deve ser possuído que a generalidade do comércio de pessoas, especialmente nas grandes cidades, seja muito parecida com Calidus. Você os vê durante toda a semana enterrados nos negócios, incapaz de pensar em outra coisa; e depois passar o domingo em ociosidade e refresco, em vagar pelo país, em tais visitas e reuniões joviais, como muitas vezes o pior dia da semana.

Agora eles não vivem assim, porque não podem se sustentar com menos cuidado e aplicação aos negócios; mas eles vivem assim porque querem enriquecer em seus ofícios e manter suas famílias em tal figura e grau de elegância, como uma vida cristã razoável não tem motivo para isso. Leve embora este temperamento, e então pessoas de todas as profissões se acharão livres para viver todos os dias como cristãos, para ter cuidado com todos os deveres do Evangelho, para viver em um curso visível de religião, e ser observadores estritos todo dia de oração privada e pública.

Agora, a única maneira de fazer isso, é que as pessoas considerem seu comércio como algo que eles são obrigados a dedicar à glória de Deus, algo que eles devem fazer apenas de tal maneira que eles possam fazer disso um dever para Ele. . Nada pode estar certo nos negócios, isso não está sob essas regras. - O apóstolo ordena que os servos sejam obedientes a seus senhores "na singeleza de coração, como a Cristo. Não com serviço de olhos, como agradar ao homem; mas como servos de Cristo, fazendo a vontade de Deus de coração; com boa vontade faz serviço ao Senhor, e não aos homens. [Ef. 6,5; Col. 3. 22, 23]

Esta passagem mostra suficientemente que todos os cristãos devem viver totalmente para Deus em todos os estados e condições, fazendo o trabalho de seu chamado comum de tal maneira, e para tais fins, de modo a torná-lo parte de sua devoção ou serviço a Deus. . Pois certamente se os pobres escravos não devem cumprir seus negócios como agradáveis ​​ao homem, se eles devem olhar totalmente para Deus em todas as suas ações, e servir em singeleza de coração, como ao Senhor, certamente homens de outros empenhos e as condições devem ser tão obrigadas a passar por seus negócios com a mesma singeleza de coração; não como agradar a vaidade de suas próprias mentes, não como gratificante suas próprias paixões mundanas egoístas, mas como os servos de Deus em tudo o que eles têm que fazer. Pois certamente ninguém dirá que um escravo deve dedicar seu estado de vida a Deus, e fazer da vontade de Deus a única regra e fim de seu serviço, mas que um comerciante não precisa agir com o mesmo espírito de devoção em sua vida. o negócio. Pois isso é tão absurdo quanto tornar necessário que um homem seja mais justo ou fiel que outro.

É, portanto, absolutamente certo que nenhum cristão deve entrar mais no negócio, nem para quaisquer outros fins, do que o que ele pode, na singularidade da oferta do coração a Deus, como um serviço prestável. Pois o Filho de Deus nos redimiu por este único fim, que devemos, por uma vida de razão e piedade, viver para a glória de Deus; essa é a única regra e medida para toda ordem e estado de vida. Sem essa regra, o emprego mais legal se torna um estado de vida pecaminoso.

Tirar isso da vida de um clérigo, e sua profissão santo serve apenas para expô-lo a uma condenação maior. Tirar isso dos comerciantes, e lojas são tão muitas casas de ganância e lucro imundo. Tire isso dos cavalheiros, e o curso de sua vida se torna um curso de sensualidade, orgulho e devassidão. Tire essa regra de nossas mesas, e tudo cai em glutonaria e embriaguez. Tire essa medida de nossas roupas e hábitos, e tudo se transforma em tanta tinta, glitter e ornamentos ridículos, como uma verdadeira vergonha para o usuário. Tirar isso do uso de nossas fortunas, e você vai encontrar pessoas poupando em nada, mas caridade. Tirar isso de nossas diversões, e você não encontrará nenhum esporte muito bobo, nem qualquer entretenimento muito vaidoso e corrupto, para ser o prazer dos cristãos. Se, portanto, desejamos viver para Deus, é necessário colocar toda a nossa vida sob esta lei, para tornar Sua glória a única regra e medida de nossa atuação em todo emprego da vida. Pois não há outra devoção verdadeira, mas esta de viver dedicada a Deus nos negócios comuns de nossas vidas.

De modo que os homens não devem se contentar com a legalidade de seus empregos, mas devem considerar se os usam, como devem usar tudo como estranhos e peregrinos, que são batizados na ressurreição de Jesus Cristo, que devem segui-lo em um sábio e celestial curso de vida, na mortificação de todos os desejos mundanos, e na purificação e preparação de suas almas para o gozo abençoado de Deus. [Col. 3,1; 1 Ped. 1, 15, 16; Ef. 26, 27]

Ser vaidoso, ou orgulhoso, cobiçoso ou ambicioso, no curso comum de nossos negócios, é tão contrário a esses santos temperamentos do cristianismo, quanto a trapaça e a desonestidade.

Se um glutão dissesse, com a desculpa de sua gula, que ele só come coisas legítimas para comer, ele seria uma boa desculpa para si mesmo, como o ambicioso, ambicioso e ambicioso comerciante, que deveria dizer, ele só lida em negócios lícitos. Pois, como um cristão não só é necessário para ser honesto, mas para ser de um espírito cristão, e fazer de sua vida um exercício de humildade, arrependimento e afeição celestial, assim todos os temperamentos contrários a estes são tão contrários ao cristianismo, quanto trapacear é contrário à honestidade.

De modo que o assunto vem claramente a isto; Todos os temperamentos irregulares no comércio e nos negócios são como temperamentos irregulares em comer e beber.

Visões orgulhosas e desejos vãos, em nossos empregos mundanos, são verdadeiramente vícios e corrupções, como hipocrisia na oração ou vaidade em esmolas. E não pode haver nenhuma razão dada, por que a vaidade em nossas esmolas nos faz odiar a Deus, mas o que provará que qualquer outro tipo de orgulho é igualmente odioso. Aquele que trabalha e labuta em um chamado, para que ele possa fazer uma figura no mundo e atrair os olhos das pessoas para o esplendor de sua condição, está tão longe da piedosa humildade de um cristão, quanto aquele que dá esmola para que ele possa ser visto de homens. A razão pela qual orgulho e vaidade em nossas orações e esmolas faz deles um inaceitável serviço a Deus, não é porque há algo de particular em orações e esmolas, que não podem permitir orgulho, mas porque o orgulho não tem respeito, nem em nada. feito para o homem; destrói a piedade de nossas orações e esmolas, porque destrói a piedade de tudo o que toca e faz com que toda ação que governa seja incapaz de ser oferecida a Deus.

De modo que, se pudéssemos nos dividir, sermos humildes em alguns aspectos e nos orgulhássemos de outros, tal humildade não serviria a nós, porque Deus exige que sejamos verdadeiramente humildes em todas as nossas ações e projetos, seja verdadeiro e honesto em todas as nossas ações e projetos. E como um homem não é honesto e verdadeiro, porque é assim para muitas pessoas, ou em várias ocasiões, mas porque a verdade e a honestidade são a medida de todos os seus tratos com todos; então o caso é o mesmo em humildade ou qualquer outro temperamento; deve ser o hábito dominante geral de nossas mentes e se estender a todas as nossas ações e projetos, antes que possa ser imputada a nós.

Na verdade, às vezes falamos, como se um homem pudesse ser humilde em algumas coisas e orgulhoso em outras; humilde em seu vestido, mas orgulhoso de sua aprendizagem; humilde em sua pessoa, mas orgulhoso em suas visões e desenhos. Mas embora isso possa passar no discurso comum, onde poucas coisas são ditas de acordo com a verdade estrita, isso não pode ser permitido quando examinamos a natureza de nossas ações.

É muito possível para um homem que vive trapaceando, ser muito pontual em pagar pelo que ele compra; mas então cada um está certo, que ele não o faz por nenhum princípio de verdadeira honestidade.

Da mesma forma, é muito possível que um homem que se orgulhe de sua propriedade, ambicioso em seus pontos de vista, ou vaidoso de seu aprendizado, desconsidere seu vestuário e sua pessoa da maneira que um homem verdadeiramente humilde faria; mas supor que ele o faz por um verdadeiro princípio de humildade religiosa, é tão absurdo quanto supor que uma fraude paga pelo que ele compra de um princípio de honestidade religiosa.

Como, portanto, todos os tipos de desonestidade destroem nossas pretensões a um princípio honesto da mente, de modo que todo tipo de orgulho destrói nossas pretensões a um espírito humilde.

Ninguém se pergunta que aquelas orações e esmolas, que procedem do orgulho e da ostentação, são odiosas para Deus; mas, no entanto, é tão fácil mostrar que o orgulho é tão perdoável como em qualquer outro lugar.

Se pudéssemos supor que Deus rejeita o orgulho em nossas orações e esmolas, mas carrega com orgulho nossas vestimentas, nossas pessoas ou propriedades, seria a mesma coisa supor que Deus condena falsidade em algumas ações, mas permite isso em outras. Por orgulho, em uma coisa, difere do orgulho em outra coisa, como o roubo de um homem difere do roubo de outro. Novamente, se o orgulho e a ostentação são tão odiosos que destroem o mérito e o valor das ações mais razoáveis, certamente deve ser igualmente odioso naquelas ações que são fundadas apenas na fraqueza e na fraqueza de nossa natureza. Assim, as esmolas são ordenadas por Deus, excelentes em si mesmas, como exemplos verdadeiros de um temperamento divino, mas as roupas só podem cobrir nossa vergonha; certamente, portanto, deve pelo menos ser um grau tão odioso de orgulho, ser vaidoso em nossas roupas, ser vaidoso em nossas esmolas.

Mais uma vez, somos ordenados a "orar sem cessar" [1 Tess. 5. 17] como meio de tornar nossas almas mais exaltadas e divinas, mas estamos proibidos de acumular tesouros na terra; [Mat 6.19] e podemos pensar que não é tão ruim ser vaidoso daqueles tesouros que somos proibidos de depositar, como sermos inúteis com aquelas orações que nos são ordenadas a fazer? As mulheres devem ter suas cabeças cobertas e adornar-se com vergonha: [1 Coríntios. 11. 13; 1 Tim. 2. 9] se, portanto, são vaidosos naquilo que é expressamente proibido, se eles pintam e pintam essa parte, que só pode ser adornada por vergonha, certamente eles têm tanto a arrepender-se por tal orgulho, como têm, cujo orgulho é o motivo de suas orações e caridade. Isso deve ser concedido; a menos que digamos que é mais perdoável gloriar-se em nossa vergonha do que gloriar-se em nossa virtude.

Todos esses exemplos são apenas para nos mostrar a grande necessidade de tal piedade regular e uniforme, como se estende a todas as ações de nossa vida comum.

Que devemos comer e beber, e vestir e discursar, de acordo com a sobriedade do espírito cristão, não se envolver em nenhum emprego, mas tal como podemos realmente dedicar a Deus, nem persegui-los mais longe do que na medida em que condutas para os fins razoáveis ​​de uma vida santa e devota. - Que devemos ser honestos, não apenas em ocasiões especiais, e em casos como os que são aplaudidos no mundo, fáceis de serem realizados e livres de perigos ou perdas, mas de um princípio de justiça tão vivo, como nos faz amem a verdade e a integridade em todas as suas instâncias, sigam-na por todos os perigos e contra toda a oposição; como sabendo que, quanto mais pagamos por qualquer verdade, melhor é a nossa barganha e que, então, nossa integridade se torna uma pérola, quando nos separamos de todos para mantê-la. - Que devemos ser humildes, não apenas em situações como são esperadas no mundo, ou adequadas ao nosso temperamento, ou confinadas a ocasiões particulares; mas em tal humildade de espírito, como nos torna humildes e humildes em todo o curso de nossas vidas, como se mostra em nossas vestes, nossa pessoa, nossa conversação, nosso desfrute do mundo, a tranqüilidade de nossas mentes, paciência sob lesões , submissão aos superiores e condescendência àqueles que estão abaixo de nós e em todas as ações externas de nossas vidas. - Que devemos dedicar, não apenas tempos e lugares à oração, mas estar em todos os lugares no espírito de devoção; com corações sempre voltados para o Céu, olhando para Deus em todas as nossas ações, e fazendo tudo como Seus servos; viver no mundo como em um santo templo de Deus e sempre adorá-Lo, embora não com nossos lábios, mas com a gratidão de nossos corações, a santidade de nossas ações e o uso piedoso e caridoso de todos os Seus dons. - Que não devemos apenas enviar petições e pensamentos ao Céu, mas devemos passar por todos os nossos negócios mundanos com um espírito celestial, como membros do corpo místico de Cristo; que, com novos corações e novas mentes, podemos transformar uma vida terrena em preparação para uma vida de grandeza e glória no reino dos céus.

Agora, a única maneira de chegar a essa piedade de espírito é trazer todas as suas ações para a mesma regra que suas devoções e esmolas. Você bem sabe o que é isso, que faz a piedade de suas esmolas ou devoções; agora as mesmas regras, a mesma consideração a Deus, devem tornar tudo o mais que você faz, um serviço adequado e aceitável a Deus.

O suficiente, espero, foi dito, para mostrar-lhe a necessidade de introduzir a religião em todas as ações da sua vida comum, e de viver e agir com o mesmo respeito a Deus, em tudo o que você faz, como em suas orações e esmolas.

Comer é uma das ações mais baixas de nossas vidas; é comum para nós com meros animais; mas vemos que a piedade de todas as eras do mundo transformou essa ação ordinária de vida animal em uma piedade a Deus, fazendo com que cada refeição começasse e terminasse com devoção.

Ainda vemos alguns restos desse costume na maioria das famílias cristãs, um pouco da formalidade que lhe é mostrada, que as pessoas costumavam invocar a Deus no início e no final de suas refeições. Mas, na verdade, agora é geralmente realizado, a ponto de parecer mais uma zombaria por devoção, do que qualquer aplicação solene da mente a Deus. Em uma casa você talvez possa ver o chefe da família apenas tirando o chapéu; em outro, meio levantando-se de seu assento; outro deve, pode ser, proceder a ponto de fazer como se dissesse alguma coisa; mas, no entanto, [3] essas pequenas tentativas são os restos de alguma devoção que antigamente era usada em tais ocasiões, e são provas de que a religião pertenceu anteriormente a essa parte da vida comum.

Mas a tal passo chegamos agora, que embora o costume ainda esteja preservado, ainda assim dificilmente podemos suportar com ele que pareça executá-lo, com qualquer grau de seriedade, e considerá-lo como um sinal de um temperamento fanático, se um homem não fez assim que ele começou.

Eu não seria pensado para defender a necessidade de longas orações nestes tempos; mas creio que muito se pode dizer que, se a oração é apropriada nestes tempos, devemos nos obrigar a usar tal forma de palavras, como deveria mostrar que apelamos solenemente a Deus por tais graças e bênçãos como são então apropriadas a ocasião. Caso contrário, a cerimonia fictícia, em vez de abençoar nossos alimentos, apenas nos acostuma a brincar com a devoção e nos dar o hábito de não sermos afetados [4] com nossas orações.

Se todo chefe de uma família, no retorno de cada refeição, se obrigasse a fazer uma solene adoração a Deus, de maneira tão decente que se tornasse uma mente devota, seria muito provável que lhe ensinasse que palavrões, sensualidade, a gula e o discurso solto eram muito impróprios nessas refeições, que começavam e terminavam com devoção.

E se nestes dias de corrupção geral, esta parte da devoção é caída em uma cerimônia falsa, deve ser imputada a esta causa, que a sensualidade e intemperança tem um poder muito grande sobre nós, para nos permitir adicionar qualquer devoção à nossa refeições. Mas, muito deve ser dito, que quando somos tão piedosos quanto judeus e pagãos de todas as épocas, pensamos ser apropriado orar no início e no fim de nossas refeições.

Apelei a este piedoso costume de todas as eras do mundo, como prova da razoabilidade da doutrina deste e dos capítulos precedentes; isto é, como uma prova de que a religião deve ser a regra e a medida de todas as ações da vida cotidiana. Pois certamente, se não devemos comer, mas sob tais regras de devoção, deve-se claramente mostrar que, seja o que for que fizermos, deve ser feito da mesma maneira com a mesma consideração para a glória de Deus e os princípios de uma mente devota e piedosa.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo IV.

Disponível em CCEL (inglês).


Notas:
[1] - dolorido = tendo dores.
[2] - Calidus = quente, ou seja, fervoroso nos negócios.
[3] - no entanto, no antigo sentido de "pelo menos".
[4] - não afetado = insensível.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: