Apreender sobre Deus

Provem, e vejam como o Senhor é bom. 
Salmo 34: 8 (NVI)

Foi Canon Holmes, da Índia, que há mais de vinte e cinco anos chamou a atenção para o caráter inferencial da fé do homem comum em Deus. Para a maioria das pessoas, Deus é uma inferência, não uma realidade. Ele é uma dedução da evidência que eles consideram adequada; mas ele permanece pessoalmente desconhecido para o indivíduo. "Ele deve ser", dizem eles, "portanto acreditamos que Ele é". Outros não chegam nem perto disso; eles só conhecem a Ele por boatos. Eles nunca se preocuparam em pensar sobre o assunto por si mesmos, mas ouviram falar Dele a partir de outros, e colocaram a crença Nele no fundo de suas mentes, juntamente com as várias probabilidades e fins que compõem seu credo total. Para muitos outros, Deus é apenas um ideal, outro nome para bondade, beleza ou verdade; ou Ele é lei, ou vida, ou o impulso criativo de volta dos fenômenos da existência.

Essas noções sobre Deus são muitas e variadas, mas os que as possuem têm uma coisa em comum: não conhecem a Deus em experiência pessoal. A possibilidade de um íntimo conhecimento com Ele não entrou em suas mentes. Ao admitir Sua existência, eles não pensam n'Ele como conhecível no sentido de que conhecemos coisas ou pessoas.

Os cristãos, com certeza, vão além disso, pelo menos em teoria. Seu credo requer que eles acreditem na personalidade de Deus, e eles foram ensinados a orar: "Pai nosso que estais no céu". Agora a personalidade e a paternidade carregam consigo a ideia da possibilidade de conhecimento pessoal. Isto é admitido, eu digo, em teoria, mas para milhões de cristãos, no entanto, Deus não é mais real do que é para os não-cristãos. Eles passam a vida tentando amar um ideal e ser leais a um mero princípio.

Contra toda essa imprecisão nebulosa está a clara doutrina escriturística de que Deus pode ser conhecido na experiência pessoal. Uma Personalidade amorosa domina a Bíblia, caminhando entre as árvores do jardim e respirando fragrância sobre cada cena. Sempre uma Pessoa viva está presente, falando, implorando, amando, trabalhando e manifestando a Si mesmo quando e onde quer que seu povo tenha a receptividade necessária para receber a manifestação.

A Bíblia assume como um fato auto-evidente que os homens podem conhecer a Deus com pelo menos o mesmo grau de identidade que conhecem qualquer outra pessoa ou coisa que venha ao campo de sua experiência. Os mesmos termos são usados ​​para expressar o conhecimento de Deus como são usados ​​para expressar o conhecimento das coisas físicas. "O prove e veja que o Senhor é bom." "Todas as tuas vestes cheiram a mirra, e aloés e cássia, dos palácios de marfim." "Minhas ovelhas ouvem minha voz." "Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus". Estas são apenas quatro das inúmeras passagens da Palavra de Deus. E mais importante do que qualquer texto de prova é o fato de que toda a importância da Escritura é para essa crença.

O que tudo isso pode significar, exceto que temos em nossos órgãos do coração por meio dos quais podemos conhecer a Deus tão certamente quanto conhecemos as coisas materiais através dos nossos cinco sentidos familiares? Nós apreendemos o mundo físico exercendo as faculdades que nos são dadas para o propósito, e possuímos faculdades espirituais através das quais podemos conhecer a Deus e o mundo espiritual se obedecermos ao desejo do Espírito e começarmos a usá-los.

Que um trabalho de salvamento deve primeiro ser feito no coração é dado como certo aqui. As faculdades espirituais do homem não regenerado estão adormecidas em sua natureza, não usadas e para todo propósito mortas; esse é o golpe que caiu sobre nós pelo pecado. Eles podem ser revividos para a vida ativa novamente pela operação do Espírito Santo na regeneração; esse é um dos benefícios imensuráveis ​​que nos chegam através da obra expiatória de Cristo na cruz.

Mas os próprios filhos de Deus resgatados: por que eles sabem tão pouco daquela habitual comunhão consciente com Deus que as Escrituras parecem oferecer? A resposta é nossa incredulidade crônica. A fé permite que nosso senso espiritual funcione. Onde a fé é defeituosa, o resultado será insensibilidade interior e entorpecimento em relação às coisas espirituais. Esta é a condição de um grande número de cristãos hoje. Nenhuma prova é necessária para apoiar essa afirmação. Temos apenas que conversar com o primeiro cristão que encontramos ou entramos na primeira igreja que achamos aberta para adquirir todas as provas de que precisamos.

Um reino espiritual está ao nosso redor, envolvendo-nos, abraçando-nos, ao alcance de nosso eu interior, esperando que o reconheçamos. O próprio Deus está aqui esperando nossa resposta à Sua Presença. Este mundo eterno se tornará vivo para nós no momento em que começarmos a considerar sua realidade.

Acabei de usar duas palavras que exigem definição; ou se a definição é impossível, devo pelo menos deixar claro o que quero dizer quando os uso. Eles são "considerados" e "realidade".

O que quero dizer com realidade? Eu quero dizer aquilo que tem existência à parte de qualquer ideia que qualquer mente possa ter dela, e que existiria se não houvesse mente em nenhum lugar para entreter um pensamento dela. Aquilo que é real tem sido em si mesmo. Não depende do observador para sua validade.

Estou ciente de que há aqueles que gostam de zombar da ideia do homem comum da realidade. Eles são os idealistas que giram infinitas provas de que nada é real fora da mente. Eles são os relativistas que gostam de mostrar que não há pontos fixos no universo dos quais possamos medir qualquer coisa. Eles sorriem de cima de seus elevados picos intelectuais e nos acomodam para sua própria satisfação, fixando em nós o termo de reprovação "absolutista". O cristão não é deixado de lado por essa demonstração de desprezo. Ele pode sorrir de volta para eles, pois ele sabe que existe apenas Alguém que é Absoluto, que é Deus. Mas ele também sabe que o Absoluto fez este mundo para usos do homem e, enquanto não há nada fixo ou real no último significado das palavras (o significado aplicado a Deus) para todo propósito da vida humana, nós podemos agir como se houvesse. E todo homem age assim, exceto os mentalmente doentes. Esses desafortunados também têm problemas com a realidade, mas são consistentes; eles insistem em viver de acordo com suas idéias das coisas. Eles são honestos, e é a sua própria honestidade que os constitui um problema social.

Os idealistas e relativistas não estão mentalmente doentes. Eles provam sua solidez vivendo suas vidas de acordo com as próprias noções de realidade que eles, em teoria, repudiam e contando com os pontos muito fixos que eles provam que não estão lá. Eles poderiam ganhar muito mais respeito por suas noções se estivessem dispostos a viver com eles; mas isso eles têm o cuidado de não fazer. Suas ideias são profundas, não profundas. Onde quer que a vida os toque, eles repudiam suas teorias e vivem como os outros homens.

O cristão é sincero demais para brincar com idéias por si mesmo. Ele não tem prazer na mera rotação de teias de teia para exibição. Todas as suas crenças são práticas. Eles estão alinhados em sua vida. Por eles ele vive ou morre, permanece ou se apaixona por este mundo e por todo o tempo que virá. Do homem insincero, ele se afasta.

O homem simples e sincero sabe que o mundo é real. Ele a encontra aqui quando acorda e sabe que não pensou nisso. Estava aqui esperando por ele quando ele veio, e ele sabe que quando ele se preparar para deixar esta cena terrena, ainda estará aqui para despedir-se dele quando ele partir. Pela profunda sabedoria da vida ele é mais sábio do que mil homens que duvidam. Ele está na terra e sente o vento e a chuva em seu rosto e sabe que eles são reais. Ele vê o sol de dia e as estrelas à noite. Ele vê o relâmpago quente da escuridão da nuvem negra. Ele ouve os sons da natureza e os gritos de alegria e dor humanas. Estes ele sabe são reais. Ele deita-se na terra fria à noite e não tem medo de que se mostre ilusório ou falhe enquanto ele dorme. De manhã, o chão firme estará sob ele, o céu azul acima dele e as pedras e árvores ao seu redor como quando ele fechou os olhos na noite anterior. Então ele vive e se alegra em um mundo de realidade.

Com seus cinco sentidos, ele envolve esse mundo real. Todas as coisas necessárias à sua existência física ele apreende pelas faculdades com as quais ele foi equipado pelo Deus que o criou e o colocou em um mundo como este.

Agora, pela nossa definição, também Deus é real. Ele é real no sentido absoluto e final que nada mais é. Toda outra realidade é contingente a Dele. A grande Realidade é Deus que é o Autor dessa realidade inferior e dependente que compõe a soma das coisas criadas, incluindo nós mesmos. Deus tem existência objetiva independente e independente de quaisquer noções que possamos ter sobre Ele. O coração adorador não cria seu objeto. O encontra aqui quando acorda de seu sono moral na manhã de sua regeneração.

Outra palavra que deve ser esclarecida é a palavra contar. Isso não significa visualizar ou imaginar. Imaginação não é fé. Os dois não são apenas diferentes, mas opõem-se fortemente uns aos outros. Imaginação projeta imagens irreais fora da mente e procura anexar a realidade a elas. Fé não cria nada; simplesmente calcula o que já está lá.

Deus e o mundo espiritual são reais. Podemos contar com tanta segurança quanto consideramos no mundo familiar ao nosso redor. Espiritual as coisas estão lá (ou melhor, devemos dizer aqui), convidando nossa atenção e desafiando nossa confiança.

Nosso problema é que estabelecemos maus hábitos de pensamento. Habitualmente pensamos no mundo visível como real e duvidamos da realidade de qualquer outro. Nós não negamos a existência do mundo espiritual, mas duvidamos que seja real no significado aceito da palavra.

O mundo dos sentidos invade nossa atenção dia e noite durante toda a nossa vida. É clamoroso, insistente e auto-demonstrativo. Não apela à nossa fé; é aqui, assaltando nossos cinco sentidos, exigindo ser aceito como real e final. Mas o pecado tem tão nublado as lentes de nossos corações que não podemos ver essa outra realidade, a Cidade de Deus, brilhando ao nosso redor. O mundo dos sentidos triunfa. O visível se torna o inimigo do invisível; o temporal, do eterno. Essa é a maldição herdada por todos os membros da trágica corrida de Adão.

Na raiz da vida cristã está a crença no invisível. O objeto da fé do cristão é a realidade invisível.

Nosso pensamento não corrigido, influenciado pela cegueira de nossos corações naturais e pela onipresença intrusiva das coisas visíveis, tende a estabelecer um contraste entre o espiritual e o real; mas na verdade não existe tal contraste. A antítese está em outro lugar: entre o real e o imaginário, entre o espiritual e o mate, entre o temporal e o eterno; mas entre o espiritual e o real, nunca. O espiritual é real.

Se nos elevássemos àquela região de luz e poder que claramente nos chama através das Escrituras da verdade, devemos quebrar o mau hábito de ignorar o espiritual. Precisamos mudar nosso interesse do visto para o invisível. Pois a grande realidade invisível é Deus. "Aquele que vem a Deus deve crer que é e que é galardoador dos que o buscam diligentemente." Isso é básico na vida de fé. De lá, podemos subir a alturas ilimitadas. "Credes em Deus", disse o nosso Senhor Jesus Cristo, "crê também em mim". Sem o primeiro não pode haver segundo.

Se realmente queremos seguir a Deus, devemos procurar ser de outro mundo. Isto eu digo sabendo bem que essa palavra foi usada com desprezo pelos filhos deste mundo e aplicada ao cristão como um emblema de reprovação. Que assim seja. Todo homem deve escolher seu mundo. Se nós que seguimos a Cristo, com todos os fatos diante de nós e conhecendo o que somos, deliberadamente escolhemos o Reino de Deus como nossa esfera de interesse, não vejo razão para que alguém se oponha. Se perdermos por isso, a perda é nossa; se ganhamos, não roubamos ninguém fazendo isso. O "outro mundo", que é o objeto do desdém desse mundo e o tema da canção zombeteira do bêbado, é nosso objetivo cuidadosamente escolhido e o objeto de nosso mais santo desejo.

Mas devemos evitar a falha comum de empurrar o "outro mundo" para o futuro. Não é futuro, mas presente. É semelhante ao nosso mundo físico familiar e as portas entre os dois mundos estão abertas. "Vós chegareis", diz o escritor aos hebreus (e o tempo está claramente presente), "até o monte Sião, e até a cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a uma inumerável companhia de anjos, ao general assembléia e igreja do primogênito, que estão escritas no céu, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, e a Jesus, o mediador do novo pacto, e ao sangue da aspersão, que fala coisas melhores que as de Abel. " Todas estas coisas são contrastadas com "o monte que pode ser tocado" e "o som de uma trombeta e a voz de palavras" que podem ser ouvidas. Não podemos concluir com segurança que, como as realidades do Monte Sinai foram apreendidas pelos sentidos, as realidades do Monte Sião devem ser apreendidas pela alma? E isso não por qualquer truque da imaginação, mas na realidade absoluta. A alma tem olhos para ver e ouvidos para ouvir. Fracos podem ser por muito tempo de desuso, mas pelo toque vivificante de Cristo vivo agora e capaz da visão mais aguçada e da audição mais sensível.

Quando começamos a nos concentrar em Deus, as coisas do espírito se formarão diante de nossos olhos interiores. A obediência à palavra de Cristo trará uma revelação interior da Divindade (João 14: 21-23). Isso dará uma percepção aguda, permitindo-nos ver a Deus, como é prometido aos puros de coração. Uma nova consciência de Deus se apoderará de nós e começaremos a provar e ouvir e internamente sentir o Deus que é a nossa vida e o nosso todo. Lá será visto o brilho constante da luz que ilumina todo homem que vem ao mundo. Cada vez mais, conforme nossas faculdades se tornam mais afiadas e mais seguras, Deus se tornará para nós o grande Tudo, e Sua Presença a glória e a maravilha de nossas vidas.

Ó Deus, vivifica todo poder dentro de mim, para que eu possa me apegar a coisas eternas. Abra meus olhos para que eu possa ver; me dê uma percepção espiritual aguda; permita-me prová-lo e saber que és bom. Torne o céu mais real para mim do que qualquer coisa terrena já existiu. Amém.

~

A. W. Tozer
Livro: Em busca de Deus
Título original: The persuit of God
Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: