Concernente à natureza e extensão da devoção cristã

DEVOÇÃO não é oração privada nem pública; mas as orações, sejam privadas ou públicas, são partes ou instâncias particulares de devoção. Devoção significa uma vida dada ou dedicada a Deus.

Este, portanto, é o homem devoto, que não vive mais para sua própria vontade, ou o caminho e espírito do mundo, mas para a única vontade de Deus, que considera Deus em tudo, que serve a Deus em tudo, que faz tudo as partes de sua vida comum, partes da piedade, fazendo tudo no Nome de Deus, e sob as regras que estão de acordo com a Sua glória.

Nós prontamente reconhecemos que somente Deus é a regra e medida de nossas orações; que devemos olhar totalmente para Ele e agir totalmente para Ele; que só devemos orar de tal maneira, por tais coisas, e por tais fins, que sejam adequados à Sua glória.

Agora, qualquer um, mas descubra a razão pela qual ele deve ser assim estritamente piedoso em suas orações, e ele encontrará a mesma razão forte para ser tão estritamente piedoso em todas as outras partes de sua vida. Pois não há a menor sombra de uma razão pela qual devemos fazer de Deus a regra e a medida de nossas orações; por que devemos então olhar para Ele e orar de acordo com Sua vontade; mas o que prova igualmente que é necessário olharmos totalmente para Deus e torná-lo a regra e medida de todas as outras ações de nossa vida. Para qualquer modo de vida, qualquer emprego de nossos talentos, seja de nossas partes, de nosso tempo ou dinheiro, que não esteja estritamente de acordo com a vontade de Deus, que não seja para tais fins que sejam adequados à Sua glória. são tão grandes excessividades e falhas quanto orações que não estão de acordo com a vontade de Deus. Pois não há outra razão pela qual nossas orações devam estar de acordo com a vontade de Deus, porque não devem ter nada nelas senão o que é sábio, santo e celestial; não há outra razão para isso, mas que nossas vidas possam ser da mesma natureza, cheias da mesma sabedoria, santidade e temperamento celestial, para que possamos viver para Deus com o mesmo espírito com que oramos a Ele. Não era nosso estrito dever viver pela razão, dedicar todas as ações de nossas vidas a Deus, se não fosse absolutamente necessário caminhar diante d'Ele em sabedoria e santidade e toda a conversação celestial, fazendo tudo em Seu nome, e por Sua glória, não haveria excelência ou sabedoria nas orações mais celestiais. Não, tais orações seriam absurdos; eles seriam como orações por asas, quando não era parte do nosso dever voar.

Tão certo, portanto, como há alguma sabedoria em orar pelo Espírito de Deus, tão certo é que devemos fazer desse Espírito a regra de todas as nossas ações; Tão certo como é nosso dever olhar totalmente para Deus em nossas orações, tão certo é que é nosso dever viver totalmente para Deus em nossas vidas. Mas não podemos mais dizer que vivamos para Deus, a menos que vivamos para Ele em todas as ações ordinárias de nossa vida, a menos que Ele seja a regra e medida de todos os nossos caminhos, do que podemos dizer que oramos a Deus, a menos que orações olham inteiramente para ele. De modo que modos de vida irracionais e absurdos, seja em trabalho de parto ou diversão, se eles consomem nosso tempo ou nosso dinheiro, são como orações absurdas e absurdas, e são verdadeiramente uma ofensa a Deus. É por falta de saber, ou pelo menos considerando isso, que vemos uma mistura de regras na vida de muitas pessoas. Você os vê estritos quanto a alguns tempos e lugares de devoção, mas quando o serviço da Igreja termina, eles são como aqueles que raramente ou nunca vêm para lá. Em seu modo de vida, sua maneira de gastar seu tempo e dinheiro, em seus cuidados e medos, em seus prazeres e indulgências, em seu trabalho e diversões, eles são como o resto do mundo. Isso faz com que a parte solta do mundo geralmente faça uma brincadeira daqueles que são devotos, porque eles vêem que sua devoção não vai além de suas orações, e que quando eles terminam, eles não vivem mais para Deus, até que o tempo da oração retorne. novamente; mas viva pelo mesmo humor e fantasia, e em um prazer tão completo de todas as loucuras da vida quanto as outras pessoas. Esta é a razão pela qual eles são a brincadeira e desprezo de pessoas descuidadas e mundanas; não porque sejam realmente devotados a Deus, mas porque parecem não ter outra devoção senão a de orações ocasionais.

Júlio [1] tem muito medo de perder orações; toda a paróquia supõe que Júlio esteja doente, se não estiver na Igreja. Mas se você perguntasse por que ele passa o resto do tempo por humor ou por acaso? Por que ele é um companheiro das pessoas mais tolas em seus prazeres mais tolos? por que ele está pronto para todo divertimento e diversão impertinente? Se você perguntasse a ele por que não há diversão tão insignificante para agradá-lo? por que ele está ocupado em todas as bolas e assembleias? por que ele se entrega a uma conversa ociosa e fofoqueira? por que ele vive em amizades tolas e carinho por pessoas em particular, que nem querem nem merecem alguma gentileza especial? por que ele se permite em tolos ódios e ressentimentos contra pessoas particulares sem considerar que ele deve amar a todos como a si mesmo? Se você perguntar por que ele nunca coloca sua conversa, seu tempo e sua fortuna sob as regras da religião? Júlio não tem mais a dizer por si mesmo do que a pessoa mais desordenada. Pois todo o teor da Escritura está diretamente contra essa vida, contra a libertinagem e a intemperança: aquele que vive esse proceder de ócio e loucura não vive mais de acordo com a religião de Jesus Cristo do que aquele que vive com gula e intemperança. .

Se um homem dissesse a Júlio que não havia ocasião para tanta constância nas orações, e que ele poderia, sem qualquer dano a si mesmo, negligenciar o serviço da Igreja, como faz a generalidade das pessoas, Júlio pensaria que tal não ser cristão, e que ele deveria evitar sua companhia. Mas se uma pessoa apenas diz a ele, que ele pode viver como a generalidade do mundo, que ele pode se divertir como os outros, que ele pode gastar seu tempo e dinheiro como pessoas da moda, que ele pode se conformar com as loucuras. e fragilidades da generalidade, e satisfazem seus temperamentos e paixões como a maioria das pessoas, Júlio nunca suspeita que o homem queira um espírito cristão, ou que ele esteja fazendo o trabalho do diabo. E se Júlio lesse todo o Novo Testamento do começo ao fim, ele encontraria seu curso de vida condenado em todas as páginas dele.

E, de fato, não se pode imaginar nada mais absurdo em si do que preces sábias, sublimes e celestiais, acrescentadas a uma vida de vaidade e tolice, onde nem o trabalho nem as diversões, nem tempo nem dinheiro, estão sob a direção da sabedoria e temperamentos celestiais de nossas orações. Se fôssemos ver um homem fingindo agir inteiramente com relação a Deus em tudo o que ele fazia, isso não gastaria tempo nem dinheiro, nem tomaria qualquer trabalho ou diversão, mas na medida em que ele pudesse agir de acordo com princípios estritos de razão e devoção e, ao mesmo tempo, negligenciar toda oração, seja pública ou privada, não deveríamos nos surpreender com tal homem, e imaginar como ele poderia ter tanta loucura junto com tanta religião? No entanto, isso é tão razoável quanto qualquer pessoa fingir ser rigorosa na devoção, ter o cuidado de observar os tempos e lugares de oração, e ainda deixar o resto de sua vida, seu tempo e trabalho, seus talentos e dinheiro serem descartados sem qualquer consideração às regras estritas de piedade e devoção. Pois é um absurdo tão grande supor orações sagradas, e petições divinas, sem uma santidade de vida adequada a elas, como supor uma vida santa e divina sem orações.

Portanto, qualquer um pode pensar com que facilidade poderia confundir um homem que fingia ter grande rigor de vida sem oração, e os mesmos argumentos confundiriam claramente outro, que finge o rigor da oração, sem levar o mesmo rigor a todas as outras partes da vida. . Para ser fraco e tolo em gastar nosso tempo e fortuna, não é um erro maior do que ser fraco e tolo em relação às nossas orações. E permitir-nos em quaisquer modos de vida que nem são, nem podem ser oferecidos a Deus, é a mesma irreligião, a negligenciar nossas orações, ou usá-las de tal maneira como torná-las uma oferta indigna de Deus.

O curto é o assunto; ou a razão e a religião prescrevem regras e acabam com todas as ações ordinárias da nossa vida, ou não: se o fazem, então é tão necessário governar todas as nossas ações por essas regras, quanto é necessário adorar a Deus. Pois se a religião nos ensina algo sobre comer e beber, ou gastar nosso tempo e dinheiro; se nos ensina como devemos usar e desprezar o mundo; se nos diz que temperamentos devemos ter na vida comum, como devemos estar dispostos a todas as pessoas; como devemos nos comportar com os doentes, os pobres, os velhos, os necessitados; se nos diz a quem devemos tratar com um amor particular, a quem devemos considerar uma estima particular; se nos diz como devemos tratar nossos inimigos e como devemos mortificar e negar a nós mesmos; ele deve ser muito fraco, pois pode pensar que essas partes da religião não devem ser observadas com tanta exatidão, quanto com quaisquer doutrinas relacionadas a orações.

É muito observável que não há um mandamento em todo o Evangelho para o culto público; e talvez seja um dever que é menos insistido nas Escrituras de qualquer outro. O frequente comparecimento nunca é mencionado em todo o Novo Testamento. Ao passo que a religião ou devoção que deve governar as ações ordinárias de nossa vida deve ser encontrada em quase todos os versos das Escrituras. Nosso bendito Salvador e Seus apóstolos são inteiramente tomados em doutrinas relacionadas à vida comum. Eles nos chamam a renunciar ao mundo, e diferem em cada temperamento e modo de vida, do espírito e do caminho do mundo: renunciar a todos os seus bens, não temer nenhum de seus males, rejeitar suas alegrias e não ter valor por sua felicidade: ser como recém-nascidos, que nascem em um novo estado de coisas: viver como peregrinos em vigilância espiritual, em temor sagrado e aspirantes celestiais após outra vida: tomar nossa cruz diária, negar nós mesmos, professar a bem-aventurança do luto, buscar a bem-aventurança da pobreza do espírito: renunciar ao orgulho e à vaidade das riquezas, não pensar no amanhã, viver no mais profundo estado de humildade, regozijar-se nos sofrimentos mundanos. rejeitar a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida: suportar injúrias, perdoar e abençoar nossos inimigos e amar a humanidade como Deus os ama: renunciar a todo o nosso coração e afeto. para Deus, e se esforça para entrar através do portão estreito em uma vida de glória eterna.

Esta é a devoção comum que nosso bendito Salvador ensinou, a fim de torná-la a vida comum de todos os cristãos. Não é, portanto, excessivamente estranho que as pessoas depositem tanta piedade no atendimento da adoração pública, sobre a qual não há um único preceito de nosso Senhor a ser encontrado, e ainda negligenciam esses deveres comuns de nossa vida ordinária, que são ordenados em todos os página do Evangelho? Eu chamo estes deveres de devoção de nossa vida comum, porque se eles devem ser praticados, eles devem ser feitos parte de nossa vida comum; eles não podem ter lugar em nenhum outro lugar.

Se o desprezo pelo mundo e a afeição celestial é um temperamento necessário dos cristãos, é necessário que esse temperamento apareça em todo o curso de suas vidas, em sua maneira de usar o mundo, porque não pode ter lugar em nenhum outro lugar. Se a autonegação for uma condição de salvação, tudo o que for salvo deve torná-la parte de sua vida cotidiana. Se a humildade é um dever cristão, então a vida comum de um cristão é ser um curso constante de humildade em todos os tipos. Se a pobreza de espírito for necessária, deve ser o espírito e temperamento de todos os dias de nossas vidas. Se queremos aliviar os nus, os doentes e os prisioneiros, deve ser a caridade comum de nossas vidas, tanto quanto nos podemos tornar capazes de realizá-la. Se quisermos amar nossos inimigos, devemos tornar nossa vida comum um exercício visível e demonstração desse amor. Se contente e grato, se o paciente portador do mal for dever para com Deus, eles são os deveres de todos os dias, e em todas as circunstâncias de nossa vida. Se quisermos ser sábios e santos como os filhos de Deus recém-nascidos, não podemos, de outra forma, ser assim, mas renunciando a tudo que é tolo e vão em todas as partes de nossa vida comum. Se quisermos estar em Cristo, novas criaturas, devemos mostrar que somos assim, tendo novas maneiras de viver no mundo. Se quisermos seguir a Cristo, deve estar em nosso caminho comum de passar todos os dias.

Assim é em todas as virtudes e santos temperamentos do cristianismo; eles não são nossos a menos que sejam as virtudes e temperamentos de nossa vida ordinária. De modo que o Cristianismo está tão longe de nos deixar viver nos modos comuns de vida, conformando-se à loucura dos costumes, e gratificando as paixões e temperamentos que o espírito do mundo encanta, está tão longe de nos satisfazer em qualquer estas coisas, que todas as suas virtudes que torna necessárias à salvação são apenas tantas formas de viver acima e contrárias ao mundo, em todas as ações comuns da nossa vida. Se a nossa vida comum não é um curso comum de humildade, abnegação, renúncia ao mundo, pobreza de espírito e afeição celestial, não vivemos a vida dos cristãos.

Mas, ainda assim, é tão claro que isso, e somente isto, é o Cristianismo, uma prática uniforme, aberta e visível de todas essas virtudes, mas é tão claro, que há pouco ou nada disso para ser encontrado, mesmo entre o melhor tipo de pessoas. Você os vê frequentemente na Igreja e se agrada de bons pregadores: mas olhe em suas vidas, e você os vê do mesmo tipo de pessoas que os outros, que não fazem pretensões à devoção. A diferença que você encontra entre eles, é apenas a diferença de seus temperamentos naturais. Eles têm o mesmo gosto do mundo, os mesmos cuidados mundanos e medos e alegrias; eles têm a mesma mente, igualmente vaidosos em seus desejos. Você vê o mesmo gosto por estado e equipamento, o mesmo orgulho e vaidade de vestuário, o mesmo amor próprio e indulgência, as mesmas amizades tolas e ódios infundados, a mesma leveza de espírito e espírito insignificante, o mesmo carinho por diversões. , as mesmas disposições ociosas e as maneiras vãs de gastar seu tempo em visitas e conversas, como o resto do mundo, que não fazem pretensões à devoção.

Não me refiro a essa comparação, entre pessoas aparentemente boas e professadas, mas entre pessoas de vida sóbria. Tomemos um exemplo em duas mulheres modestas: suponhamos que uma delas seja cuidadosa com tempos de devoção, e as observe através de um senso de dever, e que a outra não tenha nenhuma preocupação sincera sobre isso, mas esteja na Igreja raramente. ou muitas vezes, assim como acontece. Agora é muito fácil ver essa diferença entre essas pessoas. Mas quando você viu isso, você pode encontrar alguma diferença entre eles? Você pode achar que a vida comum deles é diferente? Não são os temperamentos, costumes e maneiras de um, do mesmo tipo que o outro? Vivem como se pertencessem a mundos diferentes, tinham visões diferentes em suas cabeças e regras e medidas diferentes de todas as suas ações? Eles não têm os mesmos bens e males? Eles não estão satisfeitos e descontentes da mesma maneira e pelas mesmas coisas? Eles não vivem no mesmo curso da vida? Alguém parece ser deste mundo, olhando para as coisas que são temporais, e o outro para ser de outro mundo, olhando totalmente para as coisas que são eternas? A pessoa vive em prazer, se deleitando em show ou vestido, e a outra vive em autonegação e mortificação, renunciando a tudo que parece vaidade, seja de pessoa, vestido ou carruagem? A pessoa segue diversões públicas, e perde seu tempo em visitas ociosas e conversas corruptas, e a outra estuda todas as artes de melhorar seu tempo, vivendo em oração e observando, e tais boas obras podem fazer todas as suas tempo virar para sua vantagem, e ser colocado em sua conta no último dia? É a pessoa descuidada de despesas, e feliz por poder se adornar com todos os enfeites caros de roupas, e a outra considera sua fortuna como um talento dado a ela por Deus, que deve ser melhorado religiosamente, e não mais para ser gasto? em ornamentos vãos e desnecessários que é para ser enterrado na terra? Onde você deve procurar encontrar uma pessoa de religião diferente desta maneira, de outra que não tem nenhuma? E, no entanto, se eles não diferem nessas coisas que estão aqui relacionadas, pode-se dizer com algum sentido que um é um bom cristão e o outro não?

Tome outro exemplo entre os homens? Leo [3] tem uma boa dose de boa natureza, manteve o que eles chamam de boa companhia, odeia tudo o que é falso e básico, é muito generoso e corajoso com seus amigos; mas preocupou-se tão pouco com a religião que mal sabe a diferença entre um judeu e um cristão.

Eusébio, [4] por outro lado, teve impressões iniciais de religião e compra livros de devoção. Ele pode falar de todas as festas e jejuns da Igreja, e conhece os nomes da maioria dos homens que têm sido eminentes pela piedade. Você nunca o ouve xingar ou fazer uma brincadeira solta; e quando ele fala de religião, ele fala disso como uma questão da última preocupação.

Aqui vemos que uma pessoa tem religião suficiente, de acordo com o caminho do mundo, para ser considerada cristã piedosa, e a outra é tão distante de toda aparência de religião, que ele pode razoavelmente ser considerado um pagão; e ainda assim, se você olhar para a vida comum deles; Se você examinar seus temperamentos principais e dominantes nos maiores artigos da vida, ou as maiores doutrinas do cristianismo, você não encontrará a menor diferença imaginável.

Considere-os em relação ao uso do mundo, porque é isso que todos podem ver.

Agora, ter noções e temperamentos corretos em relação a este mundo é tão essencial para a religião quanto as noções corretas de Deus. E é possível para um homem adorar um crocodilo, e ainda assim ser um homem piedoso, a ponto de ter suas afeições sobre este mundo e, ainda assim, ser um bom cristão.

Mas agora, se você considerar Leão e Eusébio a esse respeito, você os achará exatamente iguais, buscando, usando e aproveitando tudo o que pode ser obtido neste mundo da mesma maneira e com os mesmos fins. Você descobrirá que riquezas, prosperidade, prazeres, indulgências, equipamentos estaduais e honra são tanto a felicidade de Eusébio quanto de Leão. E, no entanto, se o cristianismo não mudou a mente e o temperamento de um homem em relação a essas coisas, o que podemos dizer que fez por ele? Pois se as doutrinas do cristianismo fossem praticadas, elas fariam um homem tão diferente de outras pessoas, quanto a todos os temperamentos mundanos, prazeres sensuais e orgulho da vida, como um homem sábio é diferente de um natural [5]; Seria tão fácil conhecer um cristão por seu curso exterior de vida, como agora é difícil encontrar alguém que o vivencie. Pois é notório que os cristãos são agora não apenas como outros homens em suas fraquezas e enfermidades, isso pode ser até certo ponto desculpável, mas a queixa é que eles são como pagãos em todos os principais e principais artigos de suas vidas. Eles desfrutam do mundo e vivem todos os dias com os mesmos temperamentos e os mesmos desígnios, e as mesmas indulgências, como eles faziam que não conheciam a Deus, nem de qualquer felicidade em outra vida. Todo mundo que é capaz de qualquer reflexão, deve ter observado, que este é geralmente o estado mesmo de pessoas devotas, sejam homens ou mulheres. Você pode vê-los diferentes de outras pessoas, tanto quanto a tempos e lugares de oração, mas geralmente como o resto do mundo em todas as outras partes de suas vidas: isto é, adicionando a devoção cristã a uma vida pagã. Eu tenho a autoridade de nosso abençoado Salvador para esta observação, onde Ele diz: "Não se preocupe, dizendo: O que vamos comer? Ou, o que vamos beber? Ou, Com o que estaremos vestidos? Porque depois de todas essas coisas, Gentios procuram ". [Matt 4:31,32] Mas, para ser assim afetado, mesmo com as coisas necessárias desta vida, mostra que ainda não somos um espírito cristão, mas são como os gentios, certamente para desfrutar da vaidade e loucura do mundo como eles fizeram, ser como eles nos principais temperamentos de nossas vidas, no amor-próprio e na indulgência, nos prazeres e diversões sensuais, na vaidade do vestuário, o amor ao espetáculo e à grandeza, ou qualquer outra distinta distinção de fortuna, é muito maior sinal de um temperamento pagão. E, conseqüentemente, aqueles que acrescentam devoção a tal vida, devem ser rezados como cristãos, mas vivem como pagãos.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo I.

Disponível em CCEL (inglês).


Notas:
[1] Júlio: a sugestão é que César é o poder do mundo em oposição a Deus.
[2] impertinente = inadequado, incongruente, incompatível.
[3] Leo, o Leão, provavelmente sugerindo o favorito da sociedade.
[4] Eusébio, piedoso no sentido eclesiástico, como o nome do primeiro historiador da Igreja, mas sem referência ao caráter desse historiador. cf. Eusebia
[5] um natural, ou seja, um idiota.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: