Memórias do subsolo - IV

Parte 2 - A PROPÓSITO DA NEVE MOLHADA

  Quando da subjugação do erro sombrio
  Minhas palavras de exortação apaixonada
    Tinha libertado teu espírito desmaiado;
  E se contorcendo em tua aflição
  Tu te lembraste com maldição
    O vício que te envolvia:
  E quando tua consciência adormecida, preocupada
    Pela chama torturante da lembrança,
  Tu revelaste o cenário hediondo
    Da corrente da tua vida antes vim:
  Quando de repente te vi adoecer,
    E chorando, esconda teu rosto angustiado,
  Revolto, enlouquecido, horrorizado,
    Em lembranças de desgraça suja.
            NEKRASSOV
            (traduzido por Juliet Soskice).



I

Naquela época, eu tinha apenas vinte e quatro. Minha vida ainda era sombria, mal regulada e tão solitária quanto a de um selvagem. Não fiz amizade com ninguém e evitei falar positivamente, e me enterrei cada vez mais no meu buraco. No trabalho no escritório, nunca olhei para ninguém e estava perfeitamente ciente de que meus companheiros olhavam para mim, não apenas como um sujeito esquisito, mas até olhavam para mim - eu sempre gostei disso - com uma espécie de repugnância. Às vezes me perguntava por que ninguém, exceto eu, imaginava que ele era encarado com aversão? Um dos funcionários tinha o rosto mais repulsivo e marcado como pock, que parecia positivamente vilão. Acredito que não deveria ter ousado olhar para alguém com um semblante tão feio. Outro tinha um uniforme velho tão sujo que havia um odor desagradável em sua proximidade. No entanto, nenhum desses cavalheiros demonstrou a menor autoconsciência - seja sobre suas roupas, seu semblante ou seu caráter de alguma maneira. Nenhum deles jamais imaginou que fossem vistos com repulsa; se tivessem imaginado, não se importariam - desde que seus superiores não os olhassem dessa maneira. Agora está claro para mim que, devido à minha vaidade ilimitada e ao alto padrão que estabeleci para mim, muitas vezes me olhava com um descontentamento furioso, que quase odiava, e por isso atribuí interiormente o mesmo sentimento a todos. Eu odiava meu rosto, por exemplo: eu achava nojento e até suspeitava que houvesse algo básico em minha expressão; portanto, todos os dias, quando aparecia no escritório, tentava me comportar da maneira mais independente possível e assumir uma atitude sublime. expressão, para que eu não possa ser suspeito de ser abjeto. "Meu rosto pode ser feio", pensei, "mas seja elevado, expressivo e, acima de tudo, EXTREMAMENTE inteligente". Mas eu estava positiva e dolorosamente certa de que era impossível para meu semblante expressar essas qualidades. E o pior de tudo, pensei que era realmente estúpido, e ficaria muito satisfeito se pudesse parecer inteligente. Na verdade, eu teria aguentado a aparência de base se, ao mesmo tempo, meu rosto pudesse ser considerado surpreendentemente inteligente.

É claro que eu odiava todos os meus colegas de trabalho e os desprezava a todos, mas ao mesmo tempo estava com medo deles. De fato, às vezes acontecia que eu pensava mais neles do que em mim. De alguma forma, aconteceu repentinamente que eu alternava entre desprezá-los e considerá-los superiores a mim. Um homem culto e decente não pode ser vaidoso sem estabelecer um padrão terrivelmente alto para si mesmo, sem desprezar e quase se odiar em certos momentos. Mas se eu os desprezava ou os considerava superiores, baixava os olhos quase toda vez que conhecia alguém. Até fiz experimentos, se eu podia encarar isso e aquilo, olhando para mim, e sempre fui o primeiro a desviar o olhar. Isso me preocupou com a distração. Eu também tinha um medo doentio de ser ridículo, e também tinha uma paixão servil pelo convencional em tudo o que era externo. Eu adorava cair na rotina comum e tinha um terror de todo o coração de qualquer tipo de excentricidade em mim. Mas como eu poderia fazer jus a isso? Eu era morbidamente sensível como um homem da nossa idade deveria ser. Eles eram todos estúpidos, e tão parecidos quanto tantas ovelhas. Talvez eu tenha sido o único no escritório que imaginava que eu era um covarde e um escravo, e só porque eu era mais desenvolvido. Mas não era só o que eu imaginava, era mesmo. Eu era um covarde e um escravo. Digo isso sem o menor embaraço. Todo homem decente de nossa época deve ser covarde e escravo. Essa é a sua condição normal. Disso estou firmemente convencido. Ele é feito e construído para esse fim. E não apenas no presente devido a algumas circunstâncias casuais, mas sempre, sempre, um homem decente é obrigado a ser covarde e escravo. É a lei da natureza para todas as pessoas decentes em todo o mundo. Se algum deles é valente em relação a alguma coisa, ele não precisa ser consolado nem levado por isso; ele mostraria a pena branca da mesma forma antes de outra coisa. É assim que invariavelmente e inevitavelmente termina. Apenas burros e mulas são valentes, e só até serem empurrados contra a parede.

Outra circunstância também me preocupava naqueles dias: que não havia ninguém como eu e eu era diferente de qualquer outro. "Estou sozinho e todos estão", pensei - e ponderei.

A partir disso, é evidente que eu ainda era jovem.

O contrário aconteceu às vezes. Às vezes era repugnante ir ao escritório; as coisas chegaram a tal ponto que muitas vezes voltei para casa doente. Mas de repente, um PROPOSTO de nada, haveria uma fase de ceticismo e indiferença (tudo aconteceu em fases para mim), e eu ria da minha intolerância e fastidiosidade, me censurava por ser ROMÂNTICA. Em um momento eu não estava disposto a falar com ninguém, enquanto em outros não apenas falava, mas pensava em fazer amizade com eles. Todo o meu fastidismo desapareceria repentinamente, sem rima ou razão. Quem sabe, talvez eu nunca o tivesse realmente, e simplesmente fora afetado e saí dos livros. Ainda não decidi essa questão. Uma vez fiz amizade com eles, visitei suas casas, joguei preferência, bebi vodka, falei de promoções ... Mas aqui vou fazer uma digressão.

Nós, russos, falando em geral, nunca tivemos aqueles "românticos" transcendentais tolos - alemães e ainda mais franceses - sobre os quais nada produz efeito; se houvesse um terremoto, se toda a França perecesse nas barricadas, eles ainda seriam os mesmos, nem teriam a decência de afetar uma mudança, mas continuariam cantando suas canções transcendentais até a hora de sua morte, porque eles são tolos. Nós, na Rússia, não temos tolos; isso é bem conhecido. É isso que nos distingue das terras estrangeiras. Consequentemente, essas naturezas transcendentais não são encontradas entre nós em sua forma pura. A idéia de que são é devida aos nossos jornalistas e críticos "realistas" daquele dia, sempre atentos a Kostanzhoglos e ao tio Pyotr Ivanitchs, e tolamente os aceita como nosso ideal; caluniaram nossos românticos, levando-os para o mesmo tipo transcendental que na Alemanha ou na França. Pelo contrário, as características de nossos "românticos" são absolutamente e diretamente opostas ao tipo europeu transcendental, e nenhum padrão europeu pode ser aplicado a eles. (Permita-me usar essa palavra "romântico" - uma palavra antiquada e muito respeitada, que prestou um bom serviço e é familiar a todos.) As características de nosso romântico são entender tudo, VER TUDO E VER Muitas vezes, de maneira incomparável e mais clara que nossas mentes mais realistas, a vê; recusar-se a aceitar alguém ou qualquer coisa, mas ao mesmo tempo não desprezar nada; ceder, ceder, da política; nunca perder de vista um objeto prático útil (como quartos sem aluguel às custas do governo, pensões, decorações), ficar de olho nesse objeto através de todos os entusiastas e volumes de poemas líricos e, ao mesmo tempo, preservar "o sublime e o belo" inviolam dentro deles até a hora de sua morte e também se preservam, aliás, como uma joia preciosa embrulhada em algodão, pelo menos para o benefício do "sublime e do belo". Nosso "romântico" é um homem de grande amplitude e o maior trapaceiro de todos os nossos trapaceiros, garanto-lhe ... Posso garantir-lhe por experiência própria. Claro, isto é, se ele é inteligente. Mas o que estou dizendo! O romântico é sempre inteligente, e eu apenas pretendia observar que, embora tenhamos tido românticos tolos, eles não contam, e eram apenas porque na flor da juventude degeneraram em alemães e preservaram sua joia preciosa com mais conforto , se estabeleceram em algum lugar lá fora - de preferência em Weimar ou na Floresta Negra.

Eu, por exemplo, desprezava genuinamente meu trabalho oficial e não o abusava abertamente simplesmente porque estava nele e recebia um salário por isso. De qualquer forma, tome nota, eu não a abusei abertamente. Nosso romântico prefere ficar louco - algo que, no entanto, raramente acontece - do que abrir abusos, a menos que ele tenha outra carreira em vista; e ele nunca é expulso. No máximo, eles o levariam ao asilo lunático como "o rei da Espanha" se ele ficasse muito louco. Mas são apenas as pessoas magras e justas que enlouquecem na Rússia. Inúmeros "românticos" alcançam mais tarde na vida uma posição considerável no serviço. Sua multifacetada é notável! E que faculdade eles têm para as sensações mais contraditórias! Eu estava consolado por esse pensamento, mesmo naqueles dias, e sou da mesma opinião agora. É por isso que existem tantas "naturezas amplas" entre nós que nunca perdem seu ideal, mesmo nas profundezas da degradação; e, embora nunca mexam o dedo em seu ideal, embora sejam ladrões e escravos, ainda assim prezam com lágrimas seu primeiro ideal e são extraordinariamente honestos no coração. Sim, é apenas entre nós que o trapaceiro mais incorrigível pode ser absolutamente e muito honesto no coração, sem deixar de ser um trapaceiro. Repito, nossos românticos, freqüentemente, se tornam patifes tão bem-sucedidos (uso carinhosamente o termo "patifes"), de repente demonstram um senso de realidade e conhecimento prático que seus superiores desconcertados e o público geralmente só conseguem ejacular de espanto.

Suas múltiplas faces são realmente surpreendentes, e a bondade sabe em que se desenvolverá mais tarde e o que o futuro nos reserva. Não é um material ruim! Não digo isso de nenhum patriotismo tolo ou orgulhoso. Mas tenho certeza de que você está novamente imaginando que estou brincando. Ou talvez seja exatamente o contrário e você está convencido de que eu realmente penso assim. De qualquer forma, senhores, saudarei ambas as opiniões como uma honra e um favor especial. E perdoe minha digressão.

Evidentemente, não mantive relações amistosas com meus camaradas e logo fiquei em conflito com eles; na juventude e na inexperiência, até desisti de me curvar a eles, como se tivesse cortado todas as relações. Isso, no entanto, só aconteceu comigo uma vez. Como regra, eu estava sempre sozinho.

Em primeiro lugar, passei a maior parte do tempo em casa, lendo. Tentei reprimir tudo o que continuamente fervia dentro de mim por meio de impressões externas. E o único meio externo que eu tinha era ler. Ler, é claro, foi uma grande ajuda - me excitou, me deu prazer e dor. Mas às vezes isso me entediava com medo. Apesar de tudo, ansiava por um movimento, e mergulhei de repente no vício obscuro, no subsolo e nojento do tipo mais insignificante. Minhas paixões miseráveis ​​eram agudas, dolorosas; da minha irritabilidade contínua e doentia, eu tinha impulsos histéricos, com lágrimas e convulsões. Eu não tinha nenhum recurso, exceto a leitura, ou seja, não havia nada em meu redor que eu pudesse respeitar e que me atraísse. Também fiquei impressionado com a depressão; Eu tinha um desejo histérico de incongruência e contraste, e então assumi o vício. Eu não disse tudo isso para me justificar... Mas, não! Eu estou mentindo. Eu queria me justificar. Faço essa pequena observação para meu próprio benefício, senhores. Eu não quero mentir Jurei a mim mesmo que não faria.

E assim, furtivamente, timidamente, na solidão, à noite, eu me entregava ao vício imundo, com um sentimento de vergonha que nunca me abandonou, mesmo nos momentos mais repugnantes, e que nesses momentos quase me fez xingar. Já naquela época eu tinha meu mundo subterrâneo em minha alma. Eu estava com muito medo de ser visto, de ser encontrado, de ser reconhecido. Eu visitei vários lugares obscuros.

Uma noite, quando passava por uma taberna, vi através de uma janela iluminada alguns cavalheiros brigando com tacos de bilhar e vi um deles jogado pela janela. Em outras ocasiões, eu deveria ter me sentido muito enojado, mas estava com tanto humor na época que na verdade invejei o cavalheiro jogado pela janela - e invejei tanto ele que até entrei na taverna e entrei. a sala de bilhar. "Talvez", pensei, "também brigarei e eles me joguem pela janela."

Eu não estava bêbado - mas o que se deve fazer - a depressão leva um homem a tal ponto de histeria? Mas nada aconteceu. Parecia que eu não era igual a ser jogado pela janela e fui embora sem lutar.

Um oficial me colocou no meu lugar desde o primeiro momento.

Eu estava de pé junto à mesa de bilhar e, na minha ignorância, bloqueando o caminho, e ele queria passar; ele me pegou pelos ombros e sem uma palavra - sem aviso ou explicação - me levou de onde eu estava de pé para outro local e passou como se ele não tivesse me notado. Eu poderia ter perdoado golpes, mas não podia perdoar que ele tivesse me movido sem me perceber.

O diabo sabe o que eu daria por uma briga regular de verdade - uma mais decente, uma mais LITERÁRIA, por assim dizer. Eu fui tratado como uma mosca. Esse oficial tinha mais de um metro e oitenta, enquanto eu era um sujeito pequenino. Mas a briga estava em minhas mãos. Eu só tinha que protestar e certamente teria sido jogado pela janela. Mas mudei de ideia e preferi bater um retiro ressentido.

Saí da taverna direto para casa, confuso e perturbado, e na noite seguinte saí novamente com as mesmas intenções lascivas, ainda mais furtivamente, abjeta e miseravelmente do que antes, por assim dizer, com lágrimas nos olhos - mas ainda assim Eu saí novamente. Não imagine, porém, que foi covardia que me fez fugir furtivamente do policial; Eu nunca fui um covarde de coração, embora sempre tenha sido um covarde em ação. Não tenha pressa de rir - garanto que posso explicar tudo.

Ah, se ao menos esse oficial fosse do tipo que consentiria em lutar um duelo! Mas não, ele era um daqueles cavalheiros (infelizmente, há muito extintos!) Que preferiam brigar com pistas ou, como o tenente Pirogov de Gogol, apelando para a polícia. Eles não lutaram em duelos e teriam considerado um duelo com um civil como eu um procedimento totalmente impróprio de qualquer maneira - e consideraram o duelo como algo impossível, algo de pensamento livre e francês. Mas eles estavam prontos para intimidar, especialmente quando tinham mais de um metro e oitenta.

Não escapei por covardia, mas por uma vaidade ilimitada. Eu não tinha medo dos seis pés dele, não conseguia ouvir um som batendo e ser jogado pela janela; Eu deveria ter tido coragem física suficiente, garanto; mas eu não tinha coragem moral. O que eu temia era que todos os presentes, desde o marcador insolente até o mais baixo funcionário fedorento e cheio de espinhas de colarinho oleoso, zombassem de mim e deixassem de entender quando comecei a protestar e a abordá-los em linguagem literária. Pois do ponto de honra - não de honra, mas do ponto de honra (POINT D'HONNEUR) - não se pode falar entre nós, exceto na linguagem literária. Você não pode aludir ao "ponto de honra" na linguagem comum. Eu estava completamente convencido (apesar da sensação de realidade, apesar de todo o meu romantismo!) Que eles simplesmente dividiriam os lados de tanto rir e que o oficial não iria simplesmente me derrotar, ou seja, sem me insultar, mas certamente provocaria eu nas costas com o joelho, chuto-me em volta da mesa de bilhar e só então talvez tenha pena e me jogue pela janela.

É claro que esse incidente trivial não poderia terminar comigo. Muitas vezes encontrava aquele policial na rua e o observava com muito cuidado. Não tenho certeza se ele me reconheceu, imagino que não; Eu julgo por certos sinais. Mas eu - eu olhei para ele com despeito e ódio e assim continuou ... por vários anos! Meu ressentimento cresceu ainda mais com o passar dos anos. No começo, comecei a fazer perguntas furtivas sobre esse oficial. Foi difícil para mim fazer isso, pois eu não conhecia ninguém. Mas um dia ouvi alguém gritar seu sobrenome na rua enquanto eu o seguia à distância, como se estivesse ligado a ele - e então aprendi seu sobrenome. Outra vez, eu o segui até seu apartamento, e por dez copeiros aprendeu com o carregador onde ele morava, em que andar, se morava sozinho ou com outras pessoas, e assim por diante - de fato, tudo o que se podia aprender com um carregador. Certa manhã, embora eu nunca tivesse tentado minha mão com a caneta, de repente me ocorreu escrever uma sátira sobre esse oficial na forma de um romance que desmascararia sua vilania. Eu escrevi o romance com prazer. Eu desmascara sua vilania, até a exagerei; no começo, alterei o sobrenome dele para que pudesse ser facilmente reconhecido, mas, pensando bem, mudei e enviei a história para o OTETCHESTVENNIYA ZAPISKI. Mas, na época, esses ataques não eram a moda e minha história não foi impressa. Isso foi uma grande irritação para mim.

Às vezes, eu estava positivamente sufocado pelo ressentimento. Finalmente decidi desafiar meu inimigo a um duelo. Eu compus uma carta esplêndida e encantadora para ele, implorando que ele se desculpasse comigo e sugerindo claramente um duelo em caso de recusa. A carta era tão composta que, se o oficial tivesse o mínimo conhecimento do sublime e do belo, ele certamente se atiraria no meu pescoço e me ofereceria sua amizade. E como seria bom! Como deveríamos ter nos dado bem! "Ele poderia ter me protegido com sua posição mais alta, enquanto eu poderia ter melhorado sua mente com minha cultura e, bem ... minhas idéias e todo tipo de coisa poderia ter acontecido." Só que chique, isso aconteceu dois anos depois do insulto dele a mim, e meu desafio teria sido um anacronismo ridículo, apesar de toda a ingenuidade da minha carta em disfarçar e explicar o anacronismo. Mas, graças a Deus (até hoje agradeço ao Todo-Poderoso com lágrimas nos olhos), não enviei a carta para ele. Um calafrio percorre minhas costas quando penso no que poderia ter acontecido se eu o tivesse enviado.

E de repente me vinguei da maneira mais simples, por um golpe de gênio! Um pensamento brilhante de repente me ocorreu. Às vezes, nas férias, eu costumava passear pelo lado ensolarado do Nevsky por volta das quatro horas da tarde. Embora não fosse quase um passeio, mas uma série de inúmeras misérias, humilhações e ressentimentos; mas sem dúvida era exatamente o que eu queria. Costumava me esquivar da maneira mais indecorosa, como uma enguia, sempre me afastando para dar lugar a generais, a oficiais dos guardas e hussardos ou a damas. Nesses minutos, costumava haver uma pontada convulsiva no meu coração, e eu costumava sentir calor nas minhas costas ao simples pensamento da miséria do meu traje, da miséria e da abjeção da minha pequena figura apressada. Este foi um martírio regular, uma humilhação contínua e intolerável com o pensamento, que passou a uma sensação incessante e direta, de que eu era uma mera mosca aos olhos de todo o mundo, uma mosca desagradável e nojenta - mais inteligente, mais altamente desenvolvido, mais refinado em sentimentos do que qualquer um deles, é claro - mas uma mosca que estava continuamente dando lugar a todos, insultados e feridos por todos. Por que eu infligi essa tortura a mim mesmo, por que fui ao Nevsky, não sei. Eu me senti simplesmente atraído para lá em todas as oportunidades possíveis.

Já comecei a experimentar uma onda do prazer de que falei no primeiro capítulo. Depois do meu caso com o oficial, senti-me ainda mais atraído por lá do que antes: foi no Nevsky que eu o encontrei com mais frequência, lá eu o admirava. Ele também foi lá principalmente nos feriados. Ele também saiu do seu caminho para generais e pessoas de alto escalão, e ele também se contorceu entre eles como uma enguia; mas pessoas como eu, ou até melhor vestidas que eu, ele simplesmente se aproximou; ele foi direto para eles como se não houvesse nada além de um espaço vazio diante dele, e nunca, sob nenhuma circunstância, se afastasse. Eu me regozijei com o meu ressentimento ao observá-lo e ... sempre ressentidamente abri caminho para ele. Exasperou-me que, mesmo na rua, eu não pudesse estar em pé de igualdade com ele.

"Por que você invariavelmente deve ser o primeiro a se afastar?" Fiquei me perguntando com raiva histérica, acordando às vezes às três horas da manhã. "Por que é você e não ele? Não há regulamentação sobre isso; não há lei escrita. Deixe o caminho ser igual como normalmente é quando pessoas refinadas se encontram; ele se move no meio do caminho e você se move no meio do caminho; você passa com respeito mútuo ".

Mas isso nunca aconteceu, e eu sempre me afastei, enquanto ele nem percebeu meu caminho para ele. E eis que uma idéia brilhante me ocorreu! "O que", pensei, "se eu o encontrar e não me mover de um lado? E se eu não me afastar de propósito, mesmo se eu bater contra ele? Como seria isso?" Essa idéia audaciosa tomou conta de mim de tal forma que não me deu paz. Eu estava sonhando com isso continuamente, horrivelmente, e propositadamente fui com mais frequência ao Nevsky para imaginar com mais clareza como deveria fazê-lo quando o fazia. Fiquei encantada Essa intenção me pareceu cada vez mais prática e possível.

"É claro que não vou realmente pressioná-lo", pensei, já mais bem-humorado em minha alegria. "Eu simplesmente não vou me afastar, vou correr contra ele, não muito violentamente, mas apenas empurrando um ao outro - tanto quanto a decência permitir. Vou empurrar contra ele tanto quanto ele empurra contra mim." Finalmente, eu me decidi completamente. Mas meus preparativos levaram muito tempo. Para começar, quando eu executei meu plano, eu precisaria parecer um pouco mais decente e, portanto, tive que pensar em minha aparência. "Em caso de emergência, se, por exemplo, houve algum tipo de escândalo público (e o público é o mais RECHERCHE: a Condessa caminha por lá; o príncipe D. caminha por lá; todo o mundo literário existe), devo estar bem vestido; isso inspira respeito e, por si só, nos coloca em pé de igualdade aos olhos da sociedade ".

Com esse objeto, pedi um pouco do meu salário com antecedência e comprei na Tchurkin um par de luvas pretas e um chapéu decente. Luvas pretas me pareciam mais dignas e BON TON do que as de cor limão que eu havia contemplado a princípio. "A cor é muito berrante, parece que alguém estava tentando ser notável", e eu não peguei as de cor limão. Eu já havia me arrumado muito antes de uma boa camisa, com tachinhas brancas; meu sobretudo era a única coisa que me segurava. O casaco em si era muito bom, me aqueceu; mas estava amassado e tinha uma coleira de guaxinim, que era o auge da vulgaridade. Eu tive que trocar a coleira a qualquer sacrifício e ter um castor como o de um oficial. Para esse fim, comecei a visitar o Gostiny Dvor e, depois de várias tentativas, me deparei com um pedaço de castor alemão barato. Embora esses castores alemães logo se tornem surrados e pareçam miseráveis, no início eles parecem muito bem, e eu só precisava disso para a ocasião. Eu perguntei o preço; mesmo assim, era muito caro. Depois de pensar bem, decidi vender minha coleira de guaxinim. O restante do dinheiro - uma quantia considerável para mim, decidi pedir emprestado a Anton Antonitch Syetotchkin, meu superior imediato, uma pessoa despretensiosa, embora grave e judiciosa. Ele nunca emprestou dinheiro a ninguém, mas eu, ao entrar no serviço, foi especialmente recomendado para ele por uma personagem importante que havia me deixado no meu lugar. Eu estava terrivelmente preocupado. Tomar emprestado de Anton Antonitch me pareceu monstruoso e vergonhoso. Não dormi duas ou três noites. Na verdade, eu não dormi bem naquela época, estava com febre; Eu tinha um vago afundamento no meu coração ou então uma súbita pulsação, pulsação, pulsação! Anton Antonitch ficou surpreso a princípio, depois franziu a testa, refletiu e depois me emprestou o dinheiro, recebendo de mim uma autorização por escrito para retirar do meu salário quinze dias depois a quantia que ele me emprestara.

Desta forma, tudo estava finalmente pronto. O bonito castor substituiu o guaxinim de aparência medíocre, e comecei aos poucos a trabalhar. Nunca teria sido necessário agir de forma aleatória; o plano teve que ser executado com habilidade, aos poucos. Mas devo confessar que, depois de muitos esforços, comecei a me desesperar: simplesmente não podíamos nos encontrar. Fiz todas as preparações, estava bastante determinado - parecia que deveríamos nos encontrar diretamente - e antes que eu soubesse o que estava fazendo, me afastei dele novamente e ele passou sem me notar. Até orei ao me aproximar dele para que Deus me desse determinação. Uma vez eu me decidi completamente, mas acabou tropeçando e caindo aos pés dele, porque no último instante em que eu estava a quinze centímetros dele, minha coragem me falhou. Ele calmamente passou por cima de mim, enquanto eu voava de um lado como uma bola. Naquela noite, fiquei doente de novo, febril e delirante.

E de repente tudo terminou muito feliz. Na noite anterior, decidi não realizar meu plano fatal e abandonar tudo, e com esse objeto fui a Nevsky pela última vez, apenas para ver como abandonaria tudo. De repente, a três passos do meu inimigo, inesperadamente me decidi - fechei os olhos e corremos a toda velocidade, ombro a ombro, um contra o outro! Não me mexi nem um centímetro e passei por ele em pé de igualdade! Ele nem olhou em volta e fingiu não perceber; mas ele estava apenas fingindo, estou convencido disso. Estou convencido disso até hoje! É claro que eu peguei o pior - ele era mais forte, mas esse não era o ponto. A questão era que atingi meu objetivo, mantive minha dignidade, não dei um passo e me coloquei publicamente em pé de igualdade com ele. Voltei para casa sentindo que estava totalmente vingada por tudo. Fiquei encantada Eu era triunfante e cantava árias italianas. É claro que não descreverei o que aconteceu comigo três dias depois; se você leu meu primeiro capítulo, pode adivinhar por si mesmo. O oficial foi posteriormente transferido; Eu não o vejo agora há catorze anos. O que o querido companheiro está fazendo agora? Para quem ele está caminhando?


II

Mas o período da minha dissipação terminava e eu sempre me senti muito doente depois. Foi seguido por remorso - tentei afastá-lo; Eu me senti muito doente. Aos poucos, no entanto, eu me acostumei com isso também. Acostumei-me a tudo, ou melhor, renunciei-me voluntariamente a suportá-lo. Mas eu tinha um meio de fuga que reconciliava tudo - era encontrar refúgio no "sublime e no belo", nos sonhos, é claro. Eu era um péssimo sonhador, sonhava por três meses a fio, escondido no meu canto, e você pode acreditar em mim que, naqueles momentos, eu não tinha nenhuma semelhança com o cavalheiro que, na perturbação de seu coração de galinha, colocava uma coleira de castor alemão em seu casaco. De repente eu me tornei um herói. Eu não teria admitido meu tenente de um metro e oitenta, mesmo que ele tivesse me chamado. Eu nem conseguia imaginá-lo diante de mim. Quais eram meus sonhos e como eu poderia me satisfazer com eles - é difícil dizer agora, mas na época eu estava satisfeito com eles. Embora, de fato, mesmo agora, eu esteja até certo ponto satisfeito com eles. Os sonhos eram particularmente doces e vívidos após um período de dissipação; eles vieram com remorso e com lágrimas, com maldições e transportes. Houve momentos de intoxicação tão positiva, de tanta felicidade, que não havia o menor traço de ironia dentro de mim, em minha honra. Eu tinha fé, esperança, amor. Acreditava cegamente nessas ocasiões que, por algum milagre, por alguma circunstância externa, tudo isso se abriria repentinamente; que de repente uma visão de atividade adequada - benéfica, boa e, acima de tudo, PRONTA (que tipo de atividade eu não fazia ideia, mas o melhor era que tudo deveria estar pronto para mim) - surgiria antes eu - e eu deveria sair à luz do dia, quase montando um cavalo branco e coroado com louros. Qualquer coisa, exceto o primeiro lugar que eu não poderia conceber para mim, e por essa mesma razão, ocupei com satisfação o mais baixo da realidade. Ser um herói ou rastejar na lama - não havia nada entre eles. Essa foi a minha ruína, pois quando eu estava na lama, me confortei com o pensamento de que em outros momentos eu era um herói, e o herói era uma capa para a lama: para um homem comum, era vergonhoso se contaminar, mas o herói era alto demais para ser completamente corrompido, e assim ele poderia se contaminar. Vale a pena notar que esses ataques do "sublime e do bonito" me visitaram mesmo durante o período de dissipação e justamente nos momentos em que tocava no fundo. Eles vieram em surtos separados, como se me lembrassem de si mesmos, mas não baniram a dissipação por sua aparência. Pelo contrário, eles pareciam adicionar um gosto a ele, pelo contrário, e estavam presentes apenas o suficiente para servir como um molho apetitoso. Aquele molho era feito de contradições e sofrimentos, de análises internas angustiantes, e todas essas dores e picadas de alfinete deram uma certa picada, até um significado à minha dissipação - na verdade, respondeu completamente ao propósito de um molho apetitoso. Havia uma certa profundidade de significado nele. E dificilmente poderia ter me resignado à devassidão simples, vulgar e direta de um funcionário, e ter suportado toda a imundície dela. O que poderia ter me atraído sobre isso na época e me atraído à noite para a rua? Não, eu tinha uma maneira elevada de sair de tudo.

E que bondade amorosa, ó Senhor, que bondade de amor eu senti às vezes nesses meus sonhos! naqueles "voos para o sublime e o belo"; embora fosse amor fantástico, embora nunca fosse aplicado a algo humano na realidade, ainda havia tanto amor que não se sentiu depois nem o impulso de aplicá-lo na realidade; isso teria sido supérfluo. Tudo, no entanto, passou satisfatoriamente por uma transição preguiçosa e fascinante para a esfera da arte, isto é, para as belas formas de vida, prontas, amplamente roubadas dos poetas e romancistas e adaptadas a todos os tipos de necessidades e usos. Eu, por exemplo, triunfava sobre todos; todos, é claro, estavam em pó e cinzas e foram forçados espontaneamente a reconhecer minha superioridade, e perdoei a todos. Eu era um poeta e um grande cavalheiro, me apaixonei; Eu vim para incontáveis ​​milhões e imediatamente os dediquei à humanidade, e ao mesmo tempo confessei diante de todas as pessoas minhas ações vergonhosas, que, é claro, não eram apenas vergonhosas, mas tinham nelas muitas coisas "sublimes e bonitas" algo no estilo Manfred. Todo mundo me beijava e chorava (que idiotas seriam se não o fizessem), enquanto eu deveria andar descalça e com fome pregando novas idéias e lutando contra um Austerlitz vitorioso contra os obscurantistas.

Então a banda tocava uma marcha, uma anistia seria declarada, o papa concordaria em se aposentar de Roma para o Brasil; depois, haveria uma bola para toda a Itália na Villa Borghese, às margens do lago Como, sendo o lago Como transferido para esse fim para o bairro de Roma; então viria uma cena nos arbustos, e assim por diante - como se você não soubesse tudo sobre isso? Você dirá que é vulgar e desprezível arrastar tudo isso para o público depois de todas as lágrimas e transportes que eu mesmo confessei. Mas por que isso é desprezível? Você pode imaginar que tenho vergonha de tudo isso, e que isso foi mais estúpido do que qualquer coisa em sua vida, senhores? E posso garantir que algumas dessas fantasias não foram mal compostas ... Nem tudo aconteceu às margens do lago Como. E, no entanto, você está certo - é realmente vulgar e desprezível. E o mais desprezível de tudo é que agora estou tentando me justificar para você. E ainda mais desprezível do que isso é o meu comentário agora. Mas é o suficiente, ou não haverá fim; cada passo será mais desprezível que o anterior ....

Eu nunca poderia suportar mais de três meses sonhando ao mesmo tempo sem sentir um desejo irresistível de mergulhar na sociedade. Mergulhar na sociedade significava visitar meu superior no escritório, Anton Antonitch Syetotchkin. Ele era o único conhecido permanente que tive na minha vida, e me pergunto o fato agora. Mas eu só fui vê-lo quando essa fase passou por mim e quando meus sonhos chegaram a um ponto de felicidade que se tornou essencial, ao mesmo tempo, abraçar meus companheiros e toda a humanidade; e para esse fim, eu precisava de pelo menos um ser humano, realmente existindo. No entanto, tive que ligar para Anton Antonitch na terça-feira - o dia em casa; então eu sempre tive que dedicar meu desejo apaixonado de abraçar a humanidade para que ela caísse na terça-feira.

Esse Anton Antonitch morava no quarto andar de uma casa em Five Corners, em quatro cômodos baixos, um menor que o outro, de aparência particularmente frugal e pálida. Ele tinha duas filhas e a tia, que costumavam derramar o chá. Das filhas, uma tinha treze e outras quatorze, ambas tinham nariz desprezível, e eu era muito tímida por elas estarem sempre sussurrando e rindo juntas. O dono da casa costumava sentar-se em seu escritório em um sofá de couro em frente à mesa com algum cavalheiro de cabelos grisalhos, geralmente um colega de nosso escritório ou algum outro departamento. Eu nunca vi mais de dois ou três visitantes lá, sempre o mesmo. Eles conversaram sobre o imposto especial de consumo; sobre negócios no senado, salários, promoções, excelência e os melhores meios de agradá-lo, e assim por diante. Tive a paciência de me sentar como um tolo ao lado dessas pessoas por quatro horas seguidas, ouvindo-as sem saber o que dizer ou se aventurando a dizer uma palavra. Fiquei estupefato, várias vezes me senti suando, fui dominado por uma espécie de paralisia; mas isso foi agradável e bom para mim. Ao voltar para casa, adiei por um tempo meu desejo de abraçar toda a humanidade.

No entanto, eu tinha outro conhecido, Simonov, que era um antigo colega de escola. Na verdade, eu tinha vários colegas de escola em Petersburgo, mas não me associei a eles e até desisti de acenar para eles na rua. Acredito que havia me transferido para o departamento em que estava simplesmente para evitar a companhia deles e interromper toda a conexão com a minha odiosa infância. Maldições naquela escola e todos aqueles anos terríveis de servidão penal! Em suma, me afastei dos meus colegas de escola assim que saí para o mundo. Restavam dois ou três para quem eu assenti na rua. Um deles era Simonov, que nunca fora distinguido na escola, tinha uma disposição quieta e equitativa; mas descobri nele uma certa independência de caráter e até honestidade, nem suponho que ele fosse particularmente estúpido. Eu já havia passado alguns momentos comoventes com ele, mas estes não duraram muito e de alguma forma foram subitamente nublados. Ele ficou evidentemente desconfortável com essas reminiscências e, creio eu, sempre com medo de retomar o mesmo tom. Eu suspeitava que ele tivesse aversão por mim, mas continuava indo vê-lo, não tendo muita certeza disso.

E assim, em uma ocasião, incapaz de suportar minha solidão e sabendo que, como era quinta-feira, a porta de Anton Antonitch estaria fechada, pensei em Simonov. Subindo até o quarto andar, eu estava pensando que o homem não gostava de mim e que era um erro ir vê-lo. Mas como sempre aconteceu que tais reflexões me impeliram, como se propositadamente, a me colocar em uma posição falsa, entrei. Fazia quase um ano desde que eu tinha visto Simonov pela última vez.

~

Fiodor Dostoiévski

Записки изъ подполья (Memórias do subsolo), 1864.

Traduzido a partir do inglês, disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: