A natureza e a tendência do conhecimento de Deus

I. Pelo conhecimento de Deus, pretendo não apenas uma noção de que exista tal ser, mas também um conhecimento de tudo o que devemos saber sobre Ele, conduzindo à sua glória e ao nosso benefício. Pois não podemos com propriedade dizer que existe conhecimento de Deus onde não há religião ou piedade. Não tenho aqui referência àquela espécie de conhecimento pela qual os homens, perdidos e condenados em si mesmos, apreendem sobre Deus Redentor em Cristo, o Mediador; mas apenas àquele primeiro e simples conhecimento, ao qual a ordem genuína da natureza nos conduziria, se Adão tivesse conservado sua inocência. Pois, no presente estado arruinado da natureza humana, nenhum homem jamais perceberá que Deus é um Pai, ou o Autor da salvação, ou em qualquer aspecto propício, mas como pacificado pela mediação de Cristo; no entanto, uma coisa é entender que Deus, nosso Criador, nos apóia por seu poder, nos governa por sua providência, nos alimenta por sua bondade e nos segue com bênçãos de todos os tipos, e outro para abraçar a graça da reconciliação proposta a nós em Cristo. Portanto, uma vez que Deus é manifestado primeiro, tanto na estrutura do mundo como no teor geral da Escritura, simplesmente como o Criador, e depois se revela na pessoa de Cristo como um Redentor, surge assim um duplo conhecimento dele; dos quais o primeiro é previamente considerado, e o outro seguirá em seu devido lugar. Pois embora nossa mente não possa conceber Deus, sem atribuir-lhe alguma adoração, não será suficiente apenas apreender que ele é o único objeto apropriado de culto e adoração universal, a menos que também estejamos persuadidos de que ele é a fonte de todo bem, e que não se busque a ninguém senão a ele. Isto eu sustento, não só porque ele sustenta o universo, como ele uma vez o fez, pelo seu poder infinito, governa-o pela sua sabedoria, preserva-o pela sua bondade, e especialmente reina sobre a raça humana em justiça e julgamento, exercendo uma misericórdia. tolerância e defendendo-os por sua proteção; mas porque não pode ser encontrada a menor partícula de sabedoria, luz, retidão, poder, retidão ou verdade sincera que não proceda dele, e reivindique-a por seu autor: devemos, portanto, aprender a esperar e suplicar todas essas coisas dele e felizmente para reconhecer o que ele nos dá. Pois este sentido das perfeições divinas é calculado para nos ensinar a piedade, que produz a religião. Por piedade, quero dizer uma reverência e amor a Deus, decorrentes do conhecimento de seus benefícios. Pois, até que os homens sejam sensatos que devem tudo a Deus, que são sustentados por seu cuidado paternal, que ele é o Autor de todas as bênçãos de que desfrutam e que nada deve ser procurado independentemente dele, eles nunca se submeterão voluntariamente. a sua autoridade; eles nunca se dedicarão verdadeiramente e cordialmente ao seu serviço, a menos que dependam apenas dele para a verdadeira felicidade.

II. Frio e frívolo, então, são as especulações daqueles que se empregam em dissertações sobre a essência de Deus, quando seria mais interessante para nós nos familiarizarmos com seu caráter, e sabermos o que é agradável à sua natureza. Para que fim é respondido professando, com Epicuro, que existe um Deus que, descartando toda preocupação com o mundo, se entrega em inatividade perpétua? Que benefício advém do conhecimento de um Deus com quem não nos preocupamos? Nosso conhecimento de Deus deve antes tender, primeiro, a nos ensinar medo e reverência; e, em segundo lugar, instruir-nos a implorar todo o bem a sua mão e a torná-lo o louvor de tudo o que recebemos. Pois como você pode nutrir um pensamento de Deus sem refletir imediatamente, que, sendo uma criatura de sua formação, você deve, por direito de criação, estar sujeito à sua autoridade? que você está em dívida com ele por sua vida, e que todas as suas ações devem ser feitas com referência a ele? Se isso for verdade, certamente se segue que sua vida é miseravelmente corrupta, a menos que seja regulada pelo desejo de obedecê-lo, uma vez que sua vontade deveria ser a regra de nossa conduta. Nem você pode ter uma visão clara dele sem descobrir que ele é a fonte e origem de todo bem. Isso produziria um desejo de união para ele e confiança nele, se a mente humana não fosse seduzida por sua própria depravação do caminho correto da investigação. Pois, mesmo no primeiro, a mente piedosa não sonha com nenhuma divindade imaginária, mas contempla apenas o único Deus verdadeiro; e, com respeito a ele, não se entrega às ficções da fantasia, mas, contente em acreditar que ele é como ele se revela, usa a mais diligente e incessante cautela, para que não caia em erro por uma transgressão precipitada e presunçosa de sua vontade. Aquele que assim o conhece, sensível que todas as coisas estão sujeitas ao seu controle, confia nele como seu Guardião e Protetor, e se compromete sem reservas com seus cuidados. Assegurado de que é o autor de todas as bênçãos, angustiado ou em falta, ele imediatamente voa para sua proteção e espera sua ajuda. Persuadido de sua bondade e misericórdia, ele confia nele com confiança ilimitada, nem duvida de encontrar em sua clemência um remédio provido para todos os seus males. Sabendo que ele é seu Senhor e Pai, ele conclui que ele deve marcar seu governo em todas as coisas, reverenciar sua majestade, esforçar-se para promover sua glória e obedecer seus comandos. Percebendo que ele é um Juiz justo, armado com severidade para a punição de crimes, ele mantém seu tribunal sempre à vista e é contido pelo medo de provocar sua ira. No entanto, ele não está tão aterrorizado com a apreensão de sua justiça quanto a desejar evitá-la, mesmo que a fuga fosse possível; mas o ama tanto em punir os ímpios quanto em abençoar os piedosos, porque ele considera necessário para sua glória punir os ímpios e abandonados, como recompensar os justos com a vida eterna. Além disso, ele se restringe do pecado, não meramente de um pavor de vingança, mas porque ama e reverencia a Deus como seu Pai, o honra e adora como seu Senhor e, embora não houvesse inferno, estremeceria ao pensar em ofendendo-o. Veja, então, a natureza da religião pura e genuína. Consiste em fé, unida a um sério temor de Deus, compreendendo uma reverência voluntária e produzindo um culto legítimo, conforme as injunções da lei. E isso requer ser mais cuidadosamente observado, porque os homens em geral prestam a Deus uma adoração formal, mas muito poucos realmente o reverenciam; enquanto grande ostentação em cerimônias é universalmente exibida, mas a sinceridade do coração raramente é encontrada.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: