Da liberdade cristã

Podemos ver que a Igreja é colocada sob a cruz e tem grande perseguição de diabos e tiranos neste mundo; Faraó mandou matar os filhos dos israelitas; milhares de santos foram expulsos da Babilônia com Daniel e assim por diante. Agora, quando os poderes deste mundo ouvem falar da “liberdade cristã”, eles zombam e consideram os cristãos como tolos absurdos, e pensam: é conversa vazia, como as disputas dos estoicos.

A liberdade é muitas vezes mal utilizada por pessoas selvagens que desejam dignificar seus distúrbios mundanos com o nome de "liberdade cristã". Portanto, devemos aprender o que a liberdade cristã realmente é. O próprio Cristo fala disso, dizendo: “Se o Filho te faz livre, então você é verdadeiramente livre” [João 8:36]. Para uma orientação aproximada, primeiro lembrarei ao leitor que quando ele ouve as palavras “liberdade cristã”, ele deve pensar na liberdade perfeita que virá após esta vida mortal em benção eterna, quando Deus estará em todos os salvos, que Terá alegria eterna em Deus sem morte, sem pobreza e sem tristeza. Esta é a liberdade eterna, sobre a qual o Filho de Deus discursa; é iniciado nesta vida na alma e no coração através do Filho de Deus com o evangelho e o Espírito Santo; e permanece mesmo que o corpo ainda esteja sujeito à morte e a várias perseguições.

Para falar mais claramente sobre a liberdade cristã, muitas vezes dividi-a em quatro etapas.

O primeiro estágio é o estágio de liberdade e libertação, através do Filho de Deus, Jesus Cristo, dos nossos pecados, da ira de Deus, do castigo eterno e do terrível julgamento da lei sobre nossos pecados. Para este propósito, por grande misericórdia, o Filho de Deus foi enviado, para que, voltando-se para Deus, pudéssemos receber este gracioso livramento através dele, e sermos justificados, isto é, por favor a Deus, por causa do Mediador, sem mérito da nossa parte, gratuitamente, através da fé. Este Mediador nos é apresentado para que possamos ter perdão e ser justificados através dele, e não através da lei. Assim fala Paulo, Gálatas 3: 13, “Cristo nos resgatou da maldição da lei, tornando-se uma maldição para nós”. E Romanos 6: 14: “Você não está debaixo da lei, mas debaixo da graça”.

O segundo estado é inseparável do primeiro. Ao receber o perdão, somos resgatados da morte eterna, e o Filho de Deus produz vida em nós, através do evangelho, e dá o Espírito Santo, que produz em nossos corações conforto, força e alegria. Estevão, Laurentius e Agnes sentiram conforto e alegria na morte; e esse conforto e alegria é o começo da vida eterna em nós. Com isto deve ser incluído todo o fortalecimento divino para a obediência, toda a assistência e toda proteção contra o perigo dos demônios e tiranos. Por exemplo, Saul, Cato e Brutus caíram em grande angústia quando foram pressionados por seus inimigos; eles não conheciam conforto em Deus ou nos homens, e eles se mataram. Mas os três israelitas ficaram felizes na fornalha ardente na Babilônia, e o Filho de Deus permaneceu visivelmente perto deles [cf. Daniel 3:25]. Esta presença de Deus em nós e por nós, estritamente falando, é o segundo estágio da liberdade cristã, sobre a qual isto está escrito em João 14: 23: “Se um homem me ama, ele guardará minha palavra, e meu Pai amará. ele, e nós iremos até ele e faremos nosso lar com ele ”.

Que cada um contemple a graça e os dons que essa liberdade envolve; libertação dos pecados, da ira de Deus e do castigo eterno, perdão dos pecados, justiça e presença de Deus em nós, e tudo isso por causa do Senhor Cristo, fora da graça. Aqueles homens que, em sua conversão pela fé, recebem esta liberdade são mencionados em 1 Timóteo 1: 9, “A lei não é estabelecida para o justo”, isto é, a lei existe sempre, pois é a sabedoria eterna de Deus, mas não aflige e condena aquele que é justificado pela fé no Senhor Cristo e é agradável a Deus. Além disso, ele tem conforto, ajuda divina e força para permanecer obediente a Deus. José foi fortalecido pelo Espírito Santo para não cair em adultério.

O terceiro estágio é externo: é a liberdade de duas partes da lei de Moisés, cerimônia e lei civil. Essas cerimônias e leis civis foram ordenadas apenas por um período específico para o governo de Israel. Com esse governo, eles cessaram e chegaram ao seu fim, como os profetas anunciaram anteriormente, e claramente expressos em Atos 15.

Embora isso seja claro e fácil de entender agora, é preciso lembrar que muitos homens em nossos tempos, como Thomas Müntzer em Miihlhausen, Strauss, e outros homens tolos, afirmaram que a lei de Moisés deveria prevalecer nos tribunais do mundo ao invés de imperiais. lei.

Por essa razão, devemos conhecer esta regra: onde quer que estejam, os cristãos devem usar as leis da terra, que estão de acordo com a justiça natural; eles não estão ligados a Moisés ou a uma forma particular de governo mundano. Pois a santidade cristã é ter Deus presente em seu coração, a palavra e o Espírito Santo, verdadeiro conhecimento e invocação de Deus, alegria em Deus, verdade, castidade e boa vontade para que outros homens não sejam injuriados injustamente. Em resumo, esta santidade no coração é o começo da vida eterna e da santidade. Está de acordo com o último capítulo de Isaías, no qual Deus repudia os sacrifícios externos dos bezerros com estas palavras: “Aquele que sacrifica um cordeiro é como aquele que quebra o pescoço de um cão” [Isaías 66: 3].

E devemos distinguir a vida natural externa de comer e beber, e também a vida civil de possuir bens, ser ricos ou pobres, nobres ou não nobres, mesmo que a vida natural e civil sejam obras de Deus, da santidade no coração. A vontade de Deus é que reconheçamos essa distinção e aprendamos como cada aspecto da vida deve ser governado. Deus está agora reunindo para si uma igreja eterna de todos os tipos de reinos, e ele nos permite na vida civil usar as leis racionais que são comuns a cada reino, mesmo que todas as leis não sejam iguais em todos os reinos, como os dias não são. todos igualmente longos em todos os países.

Aqui podemos perguntar por que a liberdade da lei é apenas a liberdade das leis cerimoniais e civis de Moisés, e não também dos Dez Mandamentos. Resposta: No que diz respeito ao merecimento do perdão dos pecados e à justificação de Deus, a liberdade se estende a toda a lei; os verdadeiros crentes estão livres da lei, das cerimônias, das leis civis de Moisés e dos Dez Mandamentos; isto é, nenhuma de nossas obras, cerimônias ou costumes civis, ou obras dos Dez Mandamentos merecem o perdão dos pecados; nada disso é a razão pela qual o homem é aceito diante de Deus e recebido na graça. Nós recebemos o perdão dos pecados e a justiça nos é imputada, de modo que estamos agradando a Deus, somente por amor do Senhor Cristo, através da fé.

Contudo, o Senhor Cristo foi enviado para não fortalecer o pecado, mas para tirar o pecado e dar novamente a justiça e a vida eternas. Esta justiça eterna e vida em nós é a presença e atividade de Deus, que revela sua natureza, e que ele é como ele explica sua vontade na lei. Portanto, a luz e a santidade na pessoa convertida são uma obediência, já iniciada de acordo com os Dez Mandamentos. Os dez mandamentos pertencem ao coração e à justiça eterna, isto é, à uniformidade com Deus. Mas as cerimônias e costumes civis são apenas formas externas que não se aplicam à vida eterna; lá ninguém sacrificará bois nem enforcará ladrões.

Essa importante distinção também deve ser observada cuidadosamente: Cerimônias e costumes civis eram ordens passadas, estabelecidas por um certo tempo, já que o governo mundial em Israel duraria apenas por um certo tempo, desde o êxodo do Egito até a última destruição de Jerusalém, 1.582 anos. Mas a lei, que é chamada os Dez Mandamentos, ou legem moralem, é a sabedoria eterna e imutável em Deus, que ele nos transmitiu. Como ele nos criou para ser como ele na eternidade, a lei não pode ser apagada, como uma escrita na parede, pois a ordem de que a criatura racional deve ser obediente a Deus permanece para sempre. Se a criatura racional não é obediente, então ele deve ser destruído ou estar em punição eterna.

Aqui surgem estas questões importantes: Se esta lei é eterna, como poderia Adão ter sido recebido novamente? Como podemos nos libertar disso? Como podemos ser agradáveis ​​a Deus, se estamos longe de ser o que deveríamos ser? Resposta: Nenhuma criatura foi capaz de responder a essas perguntas, mas o Filho de Deus nos revelou graciosamente uma resposta. Adão discutiu consigo mesmo, dizendo: A justiça de Deus é imutável; A justiça de Deus também exige que os desobedientes sejam destruídos ou permaneçam em castigo eterno, como os demônios. Segue-se então que os homens também devem permanecer em punição eterna.

Nenhuma criatura poderia ajudar Adão a superar este argumento, somente o Filho de Deus poderia ser seu Mediador. É verdade que a justiça de Deus é imutável, que Deus permanece assim por toda a eternidade e que ele não tem prazer no pecado. No entanto, em todas as leis há um entendimento de que se deve ser obediente ou de bom grado suportar punição, obediência e voluntariedade. Agora o Filho de Deus diz que aquele que é inocente tomará nosso castigo sobre si mesmo. Assim, a misericórdia e a justiça se unem, Deus aceita a obediência de seu Filho unigênito por nós e é misericordioso para conosco. E porque a punição é paga, a justiça de Deus permanece; ele fez um pagamento igual e mais alto pelos nossos pecados e é vitorioso do pecado e da punição.

Então Adão tem uma solução. A justiça de Deus é que sejamos obedientes ou soframos punições. Mas o Filho de Deus se ofereceu para nós e Adão entende que ele é novamente recebido. Assim, estamos livres da punição, pois o Filho de Deus tomou sobre si mesmo. Assim, estamos agradando a Deus, por amor do Senhor Cristo, embora ainda estejamos tão fiados quanto deveríamos estar; porque o Filho de Deus nos tirou o castigo e apresentou-nos a sua justiça.

Conheceremos e contemplaremos essa elevada sabedoria na eternidade. Mas, mesmo nesta vida, estamos em certa medida para começar a contemplar a grave ira de Deus contra o pecado e a misericórdia e o amor de Deus por nós no Filho.

Esta explicação fornece a resposta para outras questões. Como estamos livres da lei que se chama lex moralis? Resposta: Nós estamos livres disso, quoad justificationem et condenationem, non quoad obedientiam, isto é, nós não somos justificados através da lei, mas através do Filho de Deus. A lei não nos condena se confiamos no Filho de Deus; mas ainda assim devemos ser obedientes a Deus, pois Deus não deseja o pecado; Ele nos resgatou para que pudéssemos novamente praticar a obediência, e ele nos diz por que nossa fraca obediência é agradável.

Essa liberdade é somente para os homens que, em verdadeira conversão a Deus, recebem consolo por meio da confiança no Filho de Deus. Onde não há conversão a Deus, não há fé em Cristo, não há liberdade. Em vez disso, o coração experimenta terror e se sente punido.

Com essa resposta simples, vou parar e orar para que o leitor cristão pense mais sobre essa alta sabedoria.

Devemos também considerar cuidadosamente o discurso de Cristo no qual ele diz: "Eu não vim para destruir, mas para cumprir a lei" [Mateus 5: 17]. Este cumprimento deve ser entendido de uma maneira quádrupla. Primeiro, o Senhor Cristo cumpre a lei em que ele mesmo é perfeitamente justo e o mantém inteiramente. Em segundo lugar, ele cumpre a lei em sofrer punição por nós. Esse castigo tem que ser pago, e seu sofrimento é um pagamento para nós porque ele é inocente. Terceiro, ele cumpre a lei com sua atividade em nós, pois ele mesmo é ativo em nós através do evangelho e do Espírito Santo, tornando-nos semelhantes a si mesmo e nos dando a vida eterna, e somente na eternidade a obediência plena estará em nós. Quarto, ele cumpre isto em que ele explica os Dez Mandamentos e diz o que é o pecado; ele não dá liberdade para agir contra esses mandamentos, que são chamados lex moralis.

O quarto estágio da liberdade cristã é a liberdade dos preceitos dos homens nos regulamentos da igreja, sobre os quais Paulo fala em Colossenses 2:16: "Portanto, que ninguém julgue você em questões de comida e bebida." Tendo a autoridade, fora da palavra de Deus, comando sobre as obras como serviços divinos, e as consciências devem ser informadas de que os preceitos humanos e os regulamentos da igreja não merecem perdão de pecados ou justificação diante de Deus. Não é pecado não guardar os preceitos dos homens nos regulamentos da igreja, sobre os quais mais será dito depois.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: