Mansidão e Repouso

Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança.
Mateus 5: 5 (NVI)

Uma descrição razoavelmente precisa da raça humana pode ser fornecida a alguém que não a conheça, tomando as bem-aventuranças, invertendo-as e dizendo: "Aqui está sua raça humana". Pois o exato oposto das virtudes nas bem-aventuranças são as próprias qualidades que distinguem a vida e a conduta humanas.

No mundo dos homens, não encontramos nada que se aproximasse das virtudes de que Jesus falou nas primeiras palavras do famoso Sermão da Montanha. Em vez de pobreza de espírito, encontramos o tipo mais alto de orgulho; em vez de enlutados, encontramos buscadores de prazer; em vez de mansidão, arrogância; em vez de fome depois da justiça, ouvimos homens dizendo: "Eu sou rico e crescido em bens e não preciso de nada"; em vez de misericórdia, encontramos crueldade; em vez de pureza de coração, imaginação corrupta; em vez de pacificadores, encontramos homens briguentos e ressentidos; em vez de nos regozijarmos com maus tratos, nós os encontramos lutando com todas as armas sob seu comando.

Deste tipo de material moral, a sociedade civilizada é composta. A atmosfera está carregada com isso; nós respiramos com cada respiração e bebemos com o leite da nossa mãe. Cultura e educação refinar essas coisas um pouco, mas deixá-las basicamente intocadas. Todo um mundo de literatura foi criado para justificar esse tipo de vida como a única normal. E isso é mais para se admirar ao ver que esses são os males que tornam a vida a amarga luta que é para todos nós. Todos os nossos sofrimentos e muitos dos nossos males físicos surgem diretamente dos nossos pecados. Orgulho, arrogância, ressentimento, má imaginação, malícia, ganância: estas são as fontes de mais dor humana do que todas as doenças que afligiram a carne mortal.

Em um mundo como esse, o som das palavras de Jesus vem maravilhoso e estranho, uma visitação vinda de cima. É bom que Ele falou, pois ninguém mais poderia ter feito isso também; e é bom que nós escutemos. Suas palavras são a essência da verdade. Ele não está oferecendo uma opinião; Jesus nunca proferiu opiniões. Ele nunca adivinhou; Ele sabia e sabe disso. Suas palavras não são como as de Salomão, a soma da sabedoria sadia ou os resultados da observação aguçada. Ele falou da plenitude de Sua Divindade e Suas palavras são a própria Verdade. Ele é o único que poderia dizer "abençoado" com plena autoridade, pois Ele é o Abençoado vindo do mundo acima para conferir bem-aventurança à humanidade. E Suas palavras foram apoiadas por ações mais poderosas do que qualquer outra realizada nesta terra por qualquer outro homem. É sabedoria para nós ouvirmos.

Como muitas vezes aconteceu com Jesus, Ele usou essa palavra "manso" em uma sentença breve e nítida, e não até que, algum tempo depois, ele a explicasse. No mesmo livro de Mateus, Ele nos fala mais sobre isso e aplica-o em nossas vidas. "Vinde a mim, todos os que trabalham e estão sobrecarregados, e eu vos darei descanso. Toma meu jugo e aprende sobre mim, porque sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve ”. Aqui temos duas coisas em contraste umas com as outras, um fardo e um descanso. O fardo não é local, peculiar aos primeiros ouvintes, mas um que é suportado por toda a raça humana. Não consiste em opressão política ou pobreza ou trabalho duro. É muito mais profundo que isso. É sentida pelos ricos e também pelos pobres, porque é algo de que a riqueza e a ociosidade nunca podem nos libertar.

O encargo suportado pela humanidade é uma coisa pesada e esmagadora. A palavra que Jesus usou significa uma carga carregada ou fadada ao esgotamento. Descanso é simplesmente liberar esse fardo. Não é algo que fazemos, é o que vem a nós quando deixamos de fazer. Sua própria mansidão, isto é o resto.

Vamos examinar nosso fardo. É completamente interior. Ela ataca o coração e a mente e atinge o corpo apenas de dentro. Primeiro, existe o fardo do orgulho. O trabalho do amor-próprio é realmente pesado. Pense por si mesmo se muito da sua tristeza não surgiu de alguém que fala mal de você. Enquanto você se estabelecer como um pequeno deus ao qual você deve ser leal, haverá aqueles que se deleitarão em oferecer afronta ao seu ídolo. Como então você pode esperar ter paz interior? O feroz esforço do coração para proteger-se de toda a insignificância, para proteger sua delicada honra da má opinião de amigo e inimigo, nunca permitirá que a mente tenha descanso. Continue esta luta ao longo dos anos e o fardo se tornará intolerável. No entanto, os filhos da terra estão carregando este fardo continuamente, desafiando cada palavra falada contra eles, encolhendo-se sob cada crítica, sofrendo sob cada ligeira inclinação, jogando sem dormir, se outro é preferido diante deles.

Um fardo como este não é necessário suportar. Jesus nos chama para o Seu descanso, e mansidão é o Seu método. O homem manso não se importa com quem é maior do que ele, pois há muito tempo decidiu que a estima do mundo não vale o esforço. Ele desenvolve em si mesmo um senso de humor gentil e aprende a dizer: "Oh, então você foi esquecido? Eles colocaram alguém antes de você? Eles sussurraram que você é uma coisa muito pequena afinal de contas? E agora você sentir-se magoado porque o mundo está dizendo a seu respeito as mesmas coisas que você tem dito sobre si mesmo ontem ontem você estava dizendo a Deus que você não era nada, um mero verme do pó Onde está sua consistência Venha, humilhe-se e cesse para se importar com o que os homens pensam. "

O homem manso não é um rato humano afligido por um senso de sua própria inferioridade. Em vez disso, ele pode estar em sua vida moral tão ousado quanto um leão e tão forte quanto Sansão; mas ele deixou de ser enganado sobre si mesmo. Ele aceitou a estimativa de Deus de sua própria vida. Ele sabe que ele é tão fraco e desamparado quanto Deus o declarou, mas paradoxalmente, ele sabe ao mesmo tempo que é aos olhos de Deus mais importante que os anjos. Em si mesmo, nada; em Deus tudo. Esse é o seu lema. Ele sabe bem que o mundo nunca o verá como Deus o vê e ele parou de se importar. Ele descansa perfeitamente satisfeito em permitir que Deus coloque seus próprios valores. Ele vai ser paciente para esperar o dia em que tudo terá seu próprio preço e o valor real virá para o seu próprio. Então os justos brilharão no reino de seu pai. Ele está disposto a esperar por esse dia.

Nesse meio tempo ele terá atingido um lugar de descanso da alma. Ao andar em mansidão, ele ficará feliz em deixar que Deus o defenda. A velha luta para defender acabou. Ele encontrou a paz que a mansidão traz.

Então ele também será libertado do fardo da falsidade. Com isto quero dizer não hipocrisia, mas o desejo humano comum de colocar o melhor pé em frente e esconder do mundo a nossa verdadeira pobreza interior. Pois o pecado tem pregado muitos truques malignos sobre nós, e um deles infundiu em nós uma falsa sensação de vergonha. Dificilmente existe um homem ou uma mulher que se atreva a ser exatamente o que ele é, sem causar a impressão. O medo de ser encontrado rói como roedores dentro de seus corações. O homem da cultura é assombrado pelo medo de que algum dia venha a um homem mais culto do que ele. O homem instruído teme conhecer um homem mais instruído do que ele. O homem rico transpira o medo de que suas roupas, seu carro ou sua casa, em algum momento, pareçam baratos em comparação com os de outro homem rico. A chamada "sociedade" é gerida por uma motivação não superior a essa, e as classes mais pobres em seu nível são pouco melhores.

Não deixe ninguém sorrir isso. Esses fardos são reais e, pouco a pouco, eles matam as vítimas desse modo de vida perverso e antinatural. E a psicologia criada por anos desse tipo de coisa faz com que a verdadeira mansidão pareça tão irreal quanto um sonho, tão indiferente quanto uma estrela. Para todas as vítimas da doença que o atormenta, Jesus diz: "Deves tornar-te como criancinhas". Para as criancinhas não se comparam; eles recebem prazer direto do que têm sem relacioná-lo a outra coisa ou a outra pessoa. Apenas quando envelhecem e o pecado começa a se agitar dentro de seus corações, o ciúme e a inveja aparecem. Então eles são incapazes de aproveitar o que eles têm se alguém tiver algo maior ou melhor. Naquela tenra idade, o fardo desagradável desce sobre suas almas tenras, e nunca as deixa até que Jesus as liberte.

Outra fonte de carga é a artificialidade. Tenho certeza de que a maioria das pessoas vive em temor secreto de que algum dia elas serão descuidadas e, por acaso, um inimigo ou amigo poderá espreitar suas pobres almas vazias. Então eles nunca estão relaxados. As pessoas brilhantes estão tensas e alertas com medo de que elas possam ficar presas em dizer algo comum ou estúpido. As pessoas que viajam têm medo de encontrar algum Marco Polo capaz de descrever algum lugar remoto onde nunca estiveram.

Essa condição antinatural faz parte de nossa triste herança de pecado, mas em nossos dias é agravada por todo o nosso modo de vida. A publicidade é em grande parte baseada neste hábito de fingimento. "Cursos" são oferecidos neste ou naquele campo da aprendizagem humana, francamente apelando para o desejo da vítima de brilhar em uma festa. Livros são vendidos, roupas e cosméticos são vendidos, jogando continuamente sobre esse desejo de aparecer o que não somos. Artificialidade é uma maldição que irá desaparecer no momento em que nos ajoelharmos aos pés de Jesus e nos entregarmos à Sua mansidão. Então não nos importaremos com o que as pessoas pensam de nós enquanto Deus estiver satisfeito. Então, o que nós somos será toda coisa; o que parecemos tomará seu lugar bem abaixo da escala de interesse para nós. Além do pecado, não temos nada do que se envergonhar. Somente um desejo maligno de brilhar nos faz querer ser diferente do que somos.

O coração do mundo está quebrando sob essa carga de orgulho e fingimento. Não há libertação do nosso fardo à parte da mansidão de Cristo. Um bom raciocínio aguçado pode ajudar um pouco, mas tão forte é esse vício que, se o empurrarmos para baixo, ele surgirá em outro lugar. Para homens e mulheres em toda parte, Jesus diz: "Vinde a mim e eu vos darei descanso". O descanso que Ele oferece é o resto da mansidão, o alívio abençoado que vem quando nos aceitamos pelo que somos e deixamos de fingir. Será necessária alguma coragem no início, mas a graça necessária virá quando soubermos que estamos compartilhando esse novo e fácil jugo com o forte Filho de Deus. Ele chama isso de "meu jugo", e Ele caminha em uma extremidade enquanto caminhamos na outra.

Senhor, me faça infantil. Livra-me do desejo de competir com outro por lugar ou prestígio ou posição. Eu seria simples e ingênua quando criança. Livra-me da pose e fingimento. Perdoe-me por pensar em mim mesmo. Ajude-me a esquecer de mim mesmo e encontrar minha verdadeira paz em contemplá-lo. Para que possas responder a esta oração, eu me humilho diante de Ti. Põe sobre mim o teu jugo de auto-esquecimento que, através dele, posso encontrar descanso. Amém.

~

A. W. Tozer
Livro: Em busca de Deus
Título original: The persuit of God
Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: