Os truques do meio ambiente

Depois de todo o clamor moderno do calvinismo, portanto, é somente com a criança nascida que alguém se atreve a lidar; e a questão não é eugenia, mas educação. Ou ainda, para adotar essa terminologia bastante cansativa da ciência popular, não se trata de hereditariedade, mas de ambiente. Não complicarei desnecessariamente essa questão, insistindo em que o ambiente também está aberto a algumas das objeções e hesitações que paralisam o emprego da hereditariedade. Vou apenas sugerir de passagem que mesmo sobre o efeito do meio ambiente que as pessoas modernas falam com muito entusiasmo e baixo custo. A ideia de que o entorno moldará um homem está sempre misturada com a ideia totalmente diferente de que ele irá moldá-lo de uma maneira particular. Para tomar o caso mais amplo, a paisagem sem dúvida afeta a alma; mas como isso afeta é outra questão. Nascer entre pinheiros pode significar pinheiros amorosos. Isso pode significar repugnar pinheiros. Pode significar muito a sério nunca ter visto um pinheiro. Ou pode significar qualquer mistura destes ou de qualquer grau de qualquer deles. De modo que o método científico aqui carece de um pouco de precisão. Eu não estou falando sem o livro; pelo contrário, estou falando com o livro azul, com o guia e o atlas. Pode ser que os Highlanders sejam poéticos porque habitam montanhas; mas os suíços são prosaicos porque habitam montanhas? Pode ser que os suíços tenham lutado pela liberdade porque eles tinham colinas; Os holandeses lutaram pela liberdade porque não tiveram? Pessoalmente, acho que é bem provável. O ambiente pode funcionar de forma negativa e positiva. O suíço pode ser sensato, não apesar de seu horizonte selvagem, mas ser causa de seu horizonte selvagem. Os flamengos podem ser artistas fantásticos, não apesar de sua silhueta sombria, mas por causa disso.

Eu só paro com este parêntese para mostrar que, mesmo em assuntos reconhecidamente dentro do seu alcance, a ciência popular é muito rápida demais e elimina enormes ligações de lógica. No entanto, continua a ser a realidade de trabalho que o que temos de lidar no caso das crianças é, para todos os efeitos práticos, meio ambiente; ou, para usar a palavra mais antiga, educação. Quando todas essas deduções são feitas, a educação é pelo menos uma forma de adoração de vontade; não do covarde culto aos fatos; lida com um departamento que podemos controlar; não nos obscurece meramente com o pessimismo bárbaro de Zola e a caça à hereditariedade. Certamente nos tornaremos tolos de nós mesmos; é isso que significa filosofia. Mas nós não devemos apenas fazer bestas de nós mesmos; qual é a definição popular mais próxima para simplesmente seguir as leis da Natureza e encolher-se sob a vingança da carne. A educação contém muito luar; mas não do tipo que torna meros lunáticos e idiotas os escravos de um imã de prata, o único olho do mundo. Nesta arena decente existem modas, mas não frenesi. Sem dúvida, encontraremos frequentemente um ninho de égua; mas nem sempre será o pesadelo.

~

G. K. Chesterton

Do livro: What's Wrong with the World? (O que há de errado com o mundo?)
Parte 4 - Educação: ou o erro sobre a criança

Disponível em Gutenberg (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: