Comentário de Romanos 9

Neste capítulo, São Paulo, depois de declarar fortemente seu amor e estima por eles, se propõe a responder à grande objeção de seus conterrâneos; ou seja, que a rejeição dos judeus e a recepção dos gentios era contrária à palavra de Deus. Que ele não tinha aqui o menor pensamento de eleição pessoal ou reprovação é manifesto,
1. Porque é bastante amplo o seu desígnio, que era isto, mostrar que a rejeição de Deus aos judeus e receber os gentios era consistente com a sua palavra.
2. Porque tal doutrina não teria apenas uma tendência para convencer, mas tenderia evidentemente a endurecer, os judeus;
3. Porque quando ele resume seu argumento no final do capítulo, ele não tem uma palavra, ou a menor insinuação, sobre isso.
1. Em Cristo - Isto parece implicar um apelo a ele. No Espírito Santo - Por sua graça.

2. Tenho grande tristeza - Um alto grau de tristeza espiritual e de alegria espiritual pode consistir juntos, cap. 8, 39. Ao declarar sua tristeza pelos judeus incrédulos, que se excluíram de todas as bênçãos que ele havia enumerado, ele mostra que o que ele estava prestes a falar não falava de nenhum preconceito a eles.

3. Eu poderia desejar - palavras humanas não podem descrever completamente os movimentos de almas que são cheias de Deus. Como se ele tivesse dito, eu poderia desejar sofrer em seu lugar; sim, ser um anátema de Cristo em seu lugar. Em quanto sentido desejava isso, quem poderia dizer, a menos que ele próprio tivesse sido perguntado e resolvido a questão? Certamente, ele não se considerou de maneira alguma, mas apenas os outros e a glória de Deus. A coisa não podia ser; contudo, o desejo era piedoso e sólido; embora com uma condição tácita, se fosse certo e possível.

4. De quem é a adoção, etc. - Ele enumera seis prerrogativas, das quais o primeiro par respeita Deus Pai, o segundo Cristo, o terceiro o Espírito Santo. A adoção e a glória - isto é, Israel é o primogênito de Deus, e o Deus da glória é o seu Deus, Deut. 4, 7; Salmo 106, 20. Estes são relativos um ao outro. Deus é o Pai de Israel e Israel é o povo de Deus. Ele não fala aqui da arca ou de qualquer coisa corpórea. O próprio Deus é "a glória do seu povo Israel". E os convênios e a lei - O pacto foi dado muito antes da lei. É chamado de convênios, no plural, porque foi tão repetido e repetido, e porque havia duas disposições dele, Gl. 4, 24, freqüentemente chamados dois convênios; um prometendo, o outro exibindo a promessa. E a adoração e as promessas - A verdadeira maneira de adorar a Deus; e todas as promessas feitas aos pais.

5. Para o precedente, São Paulo acrescenta agora mais duas prerrogativas. Deles são os pais - os patriarcas e os homens santos do passado, sim, o próprio Messias. Quem é acima de tudo, Deus abençoado para sempre - As palavras originais implicam o Ser independente, auto-existente, que era, é e está por vir. Acima de tudo - O supremo; como sendo Deus e, conseqüentemente, abençoado para sempre. Nenhuma palavra pode mais expressar sua majestade divina e suprema, e sua soberania graciosa tanto sobre os judeus quanto sobre os gentios.

6. Não como se - os judeus imaginassem que a palavra de Deus deveria falhar se toda a sua nação não fosse salva. Este São Paulo agora refuta e prova que a própria palavra havia predito a sua queda. A palavra de Deus - As promessas de Deus a Israel. Tinha caído no chão - Isso não poderia ser. Mesmo agora, diz o apóstolo, alguns desfrutam das promessas; e daqui em diante "todo o Israel será salvo". Esta é a soma do nono, décimo e décimo primeiro capítulos. Para - Aqui ele entra com a prova disso. Nem todos são Israel, que são de Israel - os judeus defendiam com veemência o contrário; ou seja, que todos os que nasceram israelitas, e somente eles, eram o povo de Deus. A primeira parte desta afirmação é refutada aqui, a última, ver. 24, etc. A soma é que Deus aceita todos os crentes e somente eles; e isso não é contrário à sua palavra. Não, ele declarou em sua palavra, tanto por tipos como por testemunhos expressos, que os crentes são aceitos como "filhos da promessa", enquanto os incrédulos são rejeitados, embora sejam "filhos segundo a carne". Nem todos são Israel - não no favor de Deus. Quem é descendente de Israel.

7. Nem porque eles são linearmente a semente de Abraão, seguirá que todos eles são filhos de Deus - Isto não se manteve nem na própria família de Abraão; e muito menos em seus descendentes remotos. Mas Deus então disse: Em Isaque a tua descendência será chamada - isto é, Isaque, e não Ismael, será chamado tua semente; aquela semente para a qual a promessa é feita.

8. Isto é, não as crianças, & c. - Como se ele tivesse dito: Este é um tipo claro de coisas por vir; mostrando-nos que em todas as gerações sucessivas, não os filhos da carne, os descendentes diretos de Abraão, mas os filhos da promessa, aqueles a quem a promessa é feita, isto é, crentes, são filhos de Deus. Gn 21, 12.

9. Pois esta é a palavra da promessa - Pelo poder do qual Isaac foi concebido, e não pelo poder da natureza. Não, todo aquele que é nascido de ti será abençoado, mas, neste tempo - que eu agora designo. Eu irei, e Sarah terá um filho - E ele herdará a bênção. Gn 18, 10.

10. E que a bênção de Deus não pertence a todos os descendentes de Abraão, aparece não apenas por essa instância, mas por Esaú e Jacó, que foi escolhido para herdar a bênção, antes que qualquer deles fizesse o bem ou o mal. O apóstolo menciona isso para mostrar que nem seus ancestrais foram aceitos por qualquer mérito próprio. Que o propósito de Deus, de acordo com a eleição, pode ser - Cuja finalidade era eleger ou escolher a semente prometida. Não de obras - Não por qualquer mérito anterior nele ele escolheu. Mas daquele que chamou - De sua própria boa vontade que chamou àquele privilégio que ele viu bom.

12. O mais velho - Esaú. Deve servir o mais novo - Não em pessoa, porque ele nunca o fez; mas em sua posteridade. Por conseguinte, os edomitas eram frequentemente submetidos à sujeição pelos israelitas.
Gn 25, 23.


13. Como está escrito - Com qual palavra em Gênesis, falada tanto tempo antes, a de Malaquias concorda. Eu amei Jacob - com um amor peculiar; isto é, os israelitas, a posteridade de Jacó. E eu, comparativamente, odiei Esaú - isto é, os edomitas, a posteridade de Esaú. Mas observe,
1. Isto não se relaciona com a pessoa de Jacó ou Esaú
2. Também não se relaciona com o estado eterno nem deles nem de sua posteridade. Até agora, o apóstolo tem provado sua proposição, a saber, que a exclusão de uma grande parte da semente de Abraão, sim, e de Isaque, das promessas especiais de Deus, estava longe de ser impossível, que, de acordo com o escrituras em si, isso realmente aconteceu. Ele agora introduz e refuta uma objeção. Mal. 1, 2, 3.
14. Existe injustiça com Deus - É injusto em Deus dar a Jacó a bênção em vez de Esaú? ou para aceitar os crentes e somente eles. Deus me livre - de maneira nenhuma. Isso é bem consistente com a justiça; pois ele tem o direito de fixar os termos nos quais ele mostrará misericórdia, de acordo com sua declaração a Moisés, pedindo a todas as pessoas, depois de terem cometido idolatria com o bezerro de ouro. Eu terei piedade de quem eu terei misericórdia - De acordo com os termos que eu mesmo consertei. E eu terei compaixão de quem eu terei compaixão - A saber, daqueles que somente se submetem aos meus termos, que aceitam isso da maneira que eu designei.

15. Exod. 33, 19.

16. A bênção. Portanto, não é daquele que quer, nem daquele que corre. Não é o efeito da vontade ou das obras do homem, mas da graça e poder de Deus. A vontade do homem é aqui oposta à graça de Deus e à corrida do homem à operação divina. E esta declaração geral respeita não só a Isaac e Jacó, e os israelitas no tempo de Moisés, mas também todos os filhos espirituais de Abraão, até o fim do mundo.

17. Além disso - Deus tem o direito indiscutível de rejeitar aqueles que não aceitarão as bênçãos em seus próprios termos. E isso ele exerceu no caso do faraó; a quem, depois de muitos exemplos de teimosia e rebelião, ele disse, como está registrado nas Escrituras: Por isso mesmo eu te levantei - Isto é, a menos que você se arrependa, esta certamente será a conseqüência de eu levantar você, fazendo de ti um grande e glorioso rei, para que meu poder seja mostrado sobre ti (como de fato foi, subjugando a ele e seu exército no mar), e meu nome seja declarado por toda a terra - Como está neste dia. Talvez isso possa ter um significado ainda maior. Parece que Deus estava decidido a mostrar seu poder sobre o rio, os insetos, outros animais (com as causas naturais de sua saúde, doenças, vida e morte) sobre os meteoros, o ar, o sol (todos que eram adorados pelos egípcios, de quem outras nações aprenderam sua idolatria), e de uma só vez por todos os seus deuses, pelo terrível golpe de matar todos os seus sacerdotes e suas vítimas mais seletas, o primogênito dos homens e dos animais; e tudo isso com um desígnio, não apenas para libertar seu povo de Israel (para o qual um único ato de onipotência teria sido suficiente), mas para convencer os egípcios de que os objetos de sua adoração não eram senão as criaturas de Jeová, e inteiramente em seu poder, e atraí-los e as nações vizinhas, que devem ouvir de todas estas maravilhas, de sua idolatria, para adorar o único Deus. Para a execução deste projeto, (a fim de mostrar o poder divino sobre os vários objetos de seu culto, em uma variedade de atos maravilhosos, que eram ao mesmo tempo apenas punições por sua cruel opressão aos israelitas), Deus era prazer em elevar ao trono de uma monarquia absoluta, um homem, não aquele que ele fizera de propósito, mas quem ele achava, o mais orgulhoso, o mais ousado e obstinado de todos os príncipes egípcios; e quem, sendo incorrigível, merecia ser estabelecido naquela situação, onde os juízos divinos caíam os mais pesados. Exod. 9, 16.

18. Então, então - Isto é, portanto, ele mostra misericórdia em seus próprios termos, ou seja, naqueles que acreditam. E quem ele quer - Ou seja, aqueles que não creem. Ele endurece - Deixa a dureza de seus corações.

19. Por que ele ainda encontra defeitos? A partícula ainda é fortemente expressiva do murmúrio azedo e sombrio do objetor. Pois quem resistiu à sua vontade - A palavra dele também expressa sua frieza e aversão a Deus, a quem ele nem sequer se digna nomear.

20. Não, mas quem és tu, ó homem? Pequeno homem impotente e ignorante. Que repleto contra Deus - Aquele que acusa Deus de injustiça, por si mesmo, fixando os termos nos quais ele mostrará misericórdia? Deverá a coisa formada dizer àquele que a formou: Por que me fizeste assim? Por que me fizeste capaz de honra e imortalidade, somente crendo?

21. Não tem o oleiro poder sobre o barro? E quanto mais Deus não tem poder sobre as suas criaturas, para designar um vaso, a saber, o crente, para honrar, e outro, o incrédulo, para desonrar? Se examinarmos o direito que Deus tem sobre nós, de um modo mais geral, com respeito às suas criaturas inteligentes, Deus pode ser considerado em dois pontos de vista diferentes, como Criador, Proprietário e Senhor de todos; ou, como seu governador moral e juiz. Deus, como soberano Senhor e Titular de tudo, dispensa seus dons ou favores a suas criaturas com perfeita sabedoria, mas sem regras ou métodos de procedimento com os quais estamos familiarizados. A época em que iremos existir, o país onde viveremos, nossos pais, nossa constituição de corpo e mente; essas e outras incontáveis ​​circunstâncias são, sem dúvida, ordenadas com perfeita sabedoria, mas por regras que estão fora de nossa vista. Mas os métodos de Deus para lidar conosco, como nosso governador e juiz, são revelados e perfeitamente conhecidos; ou seja, que ele finalmente recompensará cada homem de acordo com suas obras: "Aquele que crer será salvo, e aquele que não crer será condenado". Portanto, embora "Ele tenha misericórdia de quem ele quer, e a quem ele endurece, ele endurece", isto é, sofre para ser endurecido em conseqüência de sua maldade obstinada; mas a sua não é a vontade de um ser arbitrário, caprichoso ou tirânico. Ele nada quer além do que é infinitamente sábio e bom; e, portanto, sua vontade é uma regra de julgamento muito apropriada. Ele mostrará misericórdia, como ele nos assegurou, a ninguém a não ser verdadeiros crentes, nem endurecerá a ninguém, senão obstinadamente recusar sua misericórdia. Jer. 18, 6, 7.

22. E se Deus, estando disposto - Referindo-se a ver. 18, 19. Isto é, embora fosse agora sua vontade, por causa de sua incredulidade obstinada, Para mostrar sua ira - Que necessariamente pressupõe pecado. E para tornar seu poder conhecido - Isso é repetido a partir do décimo sétimo verso. Ainda suportou - como ele fez Faraó. Com muito longanimidade - O que deveria tê-los levado ao arrependimento. Os vasos da ira - Aqueles que haviam movido sua ira, ainda rejeitando sua misericórdia. Adequado para destruição - Por sua própria impenitência intencional e final. Existe alguma injustiça nisso?

23. Para que ele pudesse dar a conhecer - E se, mostrando tão longamente até mesmo aos “vasos da ira”, mais abundantemente mostrasse a grandeza de sua gloriosa bondade, sabedoria e poder sobre os vasos de misericórdia; naqueles a quem ele mesmo tinha, por sua graça, preparado para a glória. Isso é alguma injustiça?

24. Até nós - Aqui o apóstolo chega à outra proposição, de graça livre para todos, seja judeu ou gentio. Dos judeus - isso ele trata, ver. 25. Dos gentios - tratados no mesmo verso.

25. Amado - Como cônjuge. Quem uma vez não foi amado - Consequentemente, não foi eleito incondicionalmente. Isso se relaciona diretamente com a restauração final dos judeus. Oseias 2, 23

26. Ali serão chamados filhos de Deus, para que não deixem a sua pátria e venham para a Judeia. Oseias I, 10

27. Mas Isaías testifica que (como muitos gentios serão aceitos, assim) muitos judeus serão rejeitados; que de todos os milhares de Israel, um remanescente só será salvo. Isto foi falado originalmente dos poucos que foram salvos da devastação do exército de Senaqueribe. Isaías 10, 22, 23

28. Pois ele está terminando ou abreviando seu relato - Em rigorosa justiça, deixará apenas um pequeno remanescente. Haverá uma destruição tão geral, que apenas um pequeno número escapará.

29. Como Isaías havia dito antes - Ou seja, Isaías i, 9, sobre aqueles que foram sitiados em Jerusalém por Rezim e Peca. A menos que o Senhor nos tivesse deixado uma semente - que denota,
1. A atual pobreza:
2. A abundância futura. Nós fomos como Sodoma - De modo que não é uma coisa sem paralelo para o corpo principal da nação judaica se revoltar de Deus, e perecer em seu pecado.
30. O que diremos então - O que é para ser concluído de tudo o que foi dito, mas isto, Que os gentios, que não seguiram a justiça - Que um tempo atrás não tinha conhecimento, não se importava ou pensava sobre isso. Ter alcançado a justiça - ou justificação. Até a justiça que é pela fé. Esta é a primeira conclusão que podemos tirar das observações anteriores. A segunda é que Israel - Os Judeus Embora seguindo a lei da justiça - A lei que, devidamente usada, os teria levado à fé e, portanto, à justiça. Não atingiram a lei da justiça - A essa justiça ou justificação que é um grande final da lei.

32. E por que não o têm? É porque Deus decretou eternamente que eles não deveriam? Não há nada como isto para ser encontrado, mas de acordo com o seu argumento, o apóstolo nos dá esta boa razão para isso, porque eles não o procuraram pela fé - Por onde ele poderia ser alcançado. Mas, por assim dizer - com efeito, se não confessadamente, por obras. Pois eles tropeçaram naquela pedra de tropeço - Cristo crucificado.

33. Como está escrito - Predito pelo seu próprio profeta. Eis que eu deito em Sião - exibo em minha igreja, o que, embora seja na verdade o único alicerce seguro da felicidade, será na verdade uma pedra de tropeço e uma ofensa - uma ocasião de ruína para muitos, por meio de sua obstinada incredulidade . Isaías 8 e 14; Isaías 28, 16

~

John Wesley

Notas de Wesley sobre a Bíblia (original: Wesley's Notes on the Bible)

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: