Como a devoção, que nos preenche com maior paz e felicidade, é desfrutada neste mundo

ALGUMAS PESSOAS talvez objetem, que todas estas regras de viverem santo para Deus em tudo o que fazemos, são um controle muito grande sobre a vida humana; que será feito um estado muito ansioso, introduzindo assim uma consideração a Deus em todas as nossas ações; e que, privando-nos de tantos prazeres aparentemente inocentes, tornaremos nossas vidas insípidas, inquietas e melancólicas.

A qual pode ser respondida, Primeiro, Que estas regras são prescritas para, e certamente obterão um fim completamente contrário. Que em vez de tornar nossas vidas maçantes e melancólicas, elas as tornarão cheias de conteúdo e fortes satisfações. Que, por essas regras, apenas mudamos as satisfações infantis de nossas paixões vãs e doentias, pelos prazeres sólidos e a verdadeira felicidade de uma mente sã.

Em segundo lugar, que como não há fundamento para o conforto nos prazeres desta vida, mas na certeza de que um Deus sábio e bom governa o mundo, então quanto mais descobrimos Deus em tudo, mais nos aplicamos a Ele em todo lugar. , quanto mais olhamos para Ele em todas as nossas ações, quanto mais nos conformamos com a Sua vontade, mais agimos de acordo com a Sua sabedoria, e imitamos a Sua bondade, tanto mais desfrutamos de Deus, participamos da natureza Divina. e aumentar e aumentar tudo o que é feliz e confortável na vida humana.

Terceiro, Aquele que está se esforçando para subjugar e extirpar de sua mente, todas aquelas paixões de orgulho, inveja e ambição, que a religião se opõe, está fazendo mais para tornar-se feliz, mesmo nesta vida, do que aquele que está inventando significa para satisfazê-los. Pois essas paixões são as causas de todas as inquietações e aborrecimentos da vida humana: são os dropsies e as febres de nossas mentes, atormentando-os com falsos apetites e ânsias inquietas de coisas que não queremos, e estragando nosso gosto por aquelas coisas que são nosso bem próprio.

Imagine, porém, que você, em algum lugar ou outro, viu um homem que propôs a razão como a regra de todas as suas ações; que não tinha desejos senão depois de coisas como a natureza quer, e a religião aprova; isso era tão puro de todos os movimentos de orgulho, inveja e cobiça, quanto de pensamentos de assassinato; que, nessa liberdade das paixões mundanas, ele tinha uma alma cheia de amor divino, desejando e orando para que todos os homens pudessem ter o que quisessem das coisas mundanas e participassem da eterna glória na vida por vir. Mas imagine um homem vivendo dessa maneira, e sua própria consciência lhe dirá imediatamente que ele é o homem mais feliz do mundo, e que não está no poder da fantasia mais rica inventar qualquer felicidade superior no estado atual. da vida.

E, por outro lado, se você acha que ele é em algum grau menos perfeito; se você o supor, mas sujeito a um tolo afeto ou a uma vã paixão, sua própria consciência lhe dirá novamente que ele até agora diminui sua própria felicidade e se rouba do verdadeiro prazer de suas outras virtudes. Tão verdade é que, quanto mais vivemos pelas regras da religião, mais pacíficos e felizes damos nossas vidas.

Novamente; assim, parece que a verdadeira felicidade só pode ser obtida dos maiores graus de piedade, das maiores negações de nossas paixões e das mais estritas regras da religião; então a mesma verdade aparecerá a partir de uma consideração da miséria humana. Se olharmos para o mundo e encararmos as inquietações e os problemas da vida humana, descobriremos que todos eles são devidos a nossas paixões violentas e irreligiosas.

Agora todo problema e inquietação se fundam na falta de algo ou de outro: saberíamos, portanto, a verdadeira causa de nossos problemas e inquietações, devemos descobrir a causa de nossas necessidades; porque aquilo que cria e aumenta nossos desejos cria, no mesmo grau, aumenta nossos problemas e inquietações.

Deus Todo-Poderoso nos enviou ao mundo com muito poucos desejos; carne, bebida e roupas são as únicas coisas necessárias na vida; e como estas são apenas nossas necessidades presentes, também o mundo atual está bem equipado para suprir essas necessidades.

Se um homem tivesse metade do mundo sob seu poder, ele não poderia fazer mais do que isso; como ele quer apenas sustentar uma vida animal, também é incapaz de fazer qualquer outra coisa para ele, ou de lhe proporcionar qualquer outra felicidade.

Este é o estado do homem - nascido com poucos desejos e em um mundo grande, capaz de supri-los. Assim, seria razoável supor que os homens deveriam passar suas vidas em contentamento e gratidão a Deus; pelo menos, que eles deveriam estar livres de disquetes e aborrecimentos violentos, como sendo colocados em um mundo que tem mais do que suficiente para aliviar todos os seus desejos.

Mas se a tudo isso acrescentarmos, que esta curta vida, assim mobiliada com tudo o que queremos nela, é apenas uma curta passagem para a eterna glória, onde estaremos vestidos com o brilho dos anjos, e entraremos nas alegrias de Deus. podemos esperar ainda mais razoavelmente que a vida humana seja um estado de paz, alegria e deleite em Deus. Assim, certamente seria, se a razão tivesse seu poder total sobre nós.

Mas, ai de mim! embora Deus, e a natureza e a razão, tornem a vida humana livre de desejos e tão cheia de felicidade; contudo, nossas paixões, em rebelião contra Deus, contra a natureza e a razão, criam um novo mundo de males e preenchem a vida humana com necessidades imaginárias e vãos inquietos.

O homem de orgulho tem mil desejos, que somente seu próprio orgulho criou; e isso o torna tão cheio de problemas como se Deus o tivesse criado com mil apetites, sem criar nada que fosse apropriado para satisfazê-los. A inveja e a ambição têm também suas infinitas necessidades, que inquietam as almas dos homens e, por seus movimentos contraditórios, as tornam tolamente infelizes, como aquelas que querem voar e rastejar ao mesmo tempo.

Deixe que qualquer homem queixar-se, inquieto, lhe diga o motivo de seu desconforto, e você verá claramente que ele é o autor de seu próprio tormento; que ele está se aborrecendo com algum mal imaginário, que deixará de atormentá-lo tão logo ele esteja contente em ser aquilo que Deus, e a natureza e a razão, exigem que ele seja.

Se você visse um homem passando seus dias em desassossego, porque ele não podia andar sobre a água, ou pegar pássaros enquanto eles voam por ele, você prontamente confessaria que tal pessoa poderia agradecer a si mesmo por tal desconforto. Mas agora, se você olhar para todos os problemas mais torturantes da vida, achará todos absurdos: onde as pessoas só são atormentadas por sua própria insensatez, e se aborrecem com coisas que não lhes importam mais, nem são mais apropriadas para elas. bom, do que andar sobre a água ou pegar pássaros.

O que você pode imaginar mais bobo e extravagante do que supor que um homem tortura seus cérebros e estuda noite e dia como voar? - vagando de sua própria casa e casa, se cansando de subir a cada ascensão, encolhendo-se e cortejando todos que encontra para levantá-lo do chão, machucando-se continuamente e finalmente quebrando seu pescoço? - e tudo isso de uma imaginação que seria glorioso ter os olhos das pessoas olhando para ele, e muito feliz em comer, beber e dormir, no topo das árvores mais altas do reino: você não o faria? É fácil reconhecer que tal pessoa só estava inquieta com sua própria insensatez?

Se você perguntar, o que significa supor criaturas bobas como estas, como não podem ser encontradas na vida humana?

Pode-se responder que, onde quer que você veja um homem ambicioso, você vê esse panfleto vaidoso e sem sentido.

Mais uma vez: se você visse um homem que tivesse um grande lago de água, ainda vivendo em contínua sede, não se importasse em beber meio-dia, por medo de diminuir sua lagoa; se você o visse desperdiçando seu tempo e força, buscando mais água em sua lagoa; sempre com sede, mas sempre carregando um balde de água na mão, vigiando cedo e tarde para pegar as gotas de chuva, escancarando-se atrás de cada nuvem e correndo avidamente em cada lama e lama, na esperança de água, e sempre estudando como fazer cada vala se esvazia em sua lagoa: se você o visse envelhecer e ficar cinzento nesses trabalhos ansiosos, e finalmente terminar com uma vida cuidadosa e sedenta, caindo em sua própria lagoa; você não diria que tal pessoa não era apenas o autor de todos os seus próprios disquinhos, mas era tolo o suficiente para ser contado entre idiotas e loucos? Mas, ainda que tolo e absurdo como esse personagem é, ele não representa metade das loucuras, e absurdas despreocupações, do homem cobiçoso.

Agora eu poderia facilmente continuar a mostrar os mesmos efeitos de todas as nossas outras paixões, e fazer parecer claramente que todas as nossas misérias, aflições e reclamações, são inteiramente de nossa própria criação, e que, da mesma maneira absurda, como nestes exemplos do homem cobiçoso e ambicioso. Olhe para onde você quiser, você verá todas as aflições mundanas, mas como a aflição dele que sempre esteve em lama e lama em busca de água para beber, quando ele tinha mais em casa do que o suficiente para cem cavalos.

Celia [1] está sempre lhe dizendo o quanto ela é provocada, que coisas intoleráveis ​​e chocantes

acontecer com ela, que uso monstruoso ela sofre, e que irritações ela encontra em todos os lugares. Ela diz que sua paciência está muito desgastada e que não há comportamento para as pessoas. Cada assembléia que ela está, manda a sua casa provocada; alguma coisa ou outra foi dita ou feita, que nenhuma pessoa razoável e bem-educada deveria suportar. Pessoas pobres que querem sua caridade são mandadas embora com respostas precipitadas, não porque ela não tem coração para se desfazer de algum dinheiro, mas porque ela está cheia demais de algum problema para atender às reclamações dos outros. Célia não tem negócios em mãos, mas para receber a renda de uma fortuna abundante; mas, no entanto, pela tristonha reviravolta de sua mente, seria capaz de pensar que ela não tinha comida nem alojamento. Se você a vir parecendo mais pálida do que comum, se seus lábios tremem quando ela fala com você, é porque ela acabou de vir de uma visita, onde Lupus não tomou conhecimento de nada dela, mas falou o tempo todo com Lucinda, que não tem metade de sua fortuna. Quando os acidentes de trânsito desordenaram tanto o seu espírito, que ela é forçada a mandar para o médico, torná-la capaz de comer, ela lhe diz com grande ira a Providência, que ela nunca esteve bem desde que nasceu, e que inveja cada mendigo que ela vê em saúde.

Esta é a vida inquietante de Celia, que não tem nada para atormentá-la além de seu próprio espírito.

Se você pudesse inspirá-la com a humildade cristã, você não precisa fazer mais para fazê-la tão feliz quanto qualquer outra pessoa no mundo. Essa virtude a faria agradecida a Deus pela metade de sua saúde, e a ajudaria a aproveitar mais o tempo que estava por vir. Essa virtude evitaria os tremores dos espíritos e a perda de apetite, e seu sangue não precisaria de mais nada para adoçá-lo.

Acabei de tocar nesses caracteres absurdos, para nenhum outro fim a não ser convencê-los, da maneira mais clara, de que as regras mais estritas da religião estão tão longe de tornar a vida aborrecida, ansiosa e desconfortável (como está acima de ser objetada), pelo contrário, todas as misérias, aflições e queixas que estão no mundo são devidas à falta de religião; sendo diretamente causado por aquelas paixões absurdas que a religião nos ensina a negar.

Por todos os desejos que perturbam a vida humana, que nos incomodam, brigam com os outros e são ingratos para com Deus; que nos cansam em trabalhos vãos e ansiedades tolas; que nos levam de projeto a projeto, de lugar em lugar, em uma pobre busca de não sabermos o que são os desejos que nem Deus, nem natureza, nem razão, nos sujeitaram, mas são infundidos somente em nós pelo orgulho, inveja, ambição e cobiça.

Até agora, portanto, ao reduzir seus desejos a coisas como a natureza e a razão exigem; Na medida em que você regula todos os movimentos do seu coração pelas rígidas regras da religião, até agora você se remove dessa infinidade de desejos e aflições, que atormenta cada coração que é deixado a si mesmo.

A maioria das pessoas, de fato, confessa que a religião nos preserva de muitos males e nos ajuda, em muitos aspectos, a um prazer mais feliz de nós mesmos; mas então imaginam que isso só é verdade para uma parte tão moderada da religião, pois apenas nos limita gentilmente aos excessos de nossas paixões. Eles supõem que as regras estritas e as restrições de uma piedade exaltada são contraditórias à nossa natureza, pois as necessidades precisam tornar nossas vidas maçantes e desconfortáveis.

Embora a fraqueza dessa objeção surja suficientemente do que já foi dito, acrescento mais uma palavra a ela.

Essa objeção supõe que a religião, moderadamente praticada, acrescenta muito à felicidade da vida; mas que tais alturas de piedade como a perfeição da religião requerem, têm um efeito contrário.

Supõe, portanto, que é feliz ser mantido longe dos excessos da inveja, mas infeliz para ser mantido longe de outros graus de inveja. Que é feliz ser liberto de uma ambição sem limites, mas infeliz por não ter uma ambição mais moderada. Supõe, também, que a felicidade da vida consiste em uma mistura de virtude e vício, uma mistura de ambição e humildade, caridade e inveja, afeição celestial e cobiça. Tudo o que é tão absurdo a ponto de supor que é feliz estar livre de dores excessivas, mas infeliz de ficar sem dores mais moderadas: ou que a felicidade da saúde consistia em estar parcialmente doente e parcialmente bem.

Pois se a humildade é a paz e o descanso da alma, então ninguém tem tanta felicidade da humildade, quanto aquele que é o mais humilde. Se a inveja excessiva é um tormento da alma, ele se entrega mais perfeitamente do tormento, que mais perfeitamente extingue cada centelha de inveja. Se existe alguma paz e alegria em fazer qualquer ação de acordo com a vontade de Deus, aquele que mais traz suas ações a esta regra, aumenta a paz e a alegria de sua vida.

E assim é em toda virtude; se você agir de acordo com cada grau, mais felicidade você terá com isso. E assim de todo vício; se você apenas abate seus excessos, você faz pouco por si mesmo; mas se você a rejeitar em todos os graus, então sentirá a verdadeira facilidade e alegria de uma mente reformada.

Por exemplo: se a religião apenas restringe os excessos da vingança, mas deixa o espírito ainda viver dentro de você em instâncias menores, sua religião pode ter tornado sua vida um pouco mais decente, mas não o fez mais feliz ou mais fácil. em voce. Mas se uma vez você sacrificou todos os pensamentos de vingança, em obediência a Deus, e está decidido a devolver o bem ao mal em todos os momentos, para que possa se tornar mais semelhante a Deus e mais apto para Sua misericórdia no reino de amor e glória. ; esta é uma altura de virtude que fará com que você sinta sua felicidade.

Em segundo lugar, quanto àquelas satisfações e prazeres, que uma piedade exaltada nos exige negar a nós mesmos, isso nos priva de nenhum conforto real da vida.

Porque, primeiro, a piedade exige que não renunciemos a nenhum modo de vida, onde possamos agir de maneira razoável e oferecer o que fazemos para a glória de Deus. Todos os modos de vida, todas as satisfações e prazeres, que estão dentro desses limites, não nos são negados pelas regras mais estritas da piedade. Tudo o que você pode fazer, ou desfrutar, como na presença de Deus, como Seu servo, como Sua criatura racional que recebeu dele razão e conhecimento; tudo o que você pode realizar de acordo com uma natureza racional e a vontade de Deus, tudo isso é permitido pelas leis da piedade. E você pensará que a sua vida será desconfortável a menos que você possa desagradar a Deus, ser um tolo e louco, e agir de forma contrária à razão e sabedoria que Ele implantou em você?

E quanto àquelas satisfações que não ousamos oferecer a um Deus santo, que são inventadas apenas pela loucura e corrupção do mundo, que inflamam nossas paixões, e afundam nossas almas em grosseria e sensualidade, e nos tornam incapazes do favor Divino. , aqui ou no futuro; Certamente não pode ser um estado de vida desconfortável ser resgatado pela religião de tal auto-assassinato, e ser tornado capaz de felicidade eterna.

Suponhamos uma pessoa desprovida daquele conhecimento que temos de nossos sentidos, colocado em algum lugar sozinho, em meio a uma variedade de coisas que ele não sabia usar; que ele tem por ele pão, vinho, água, pó de ouro, correntes de ferro, cascalho, roupas, fogo, etc. Suponhamos que ele não tenha conhecimento do uso correto dessas coisas, nem qualquer direção de seus sentidos de como sacie sua sede, ou satisfaça sua fome, ou faça qualquer uso das coisas sobre ele. Suponhamos que em sua seca ele põe pó de ouro em seus olhos; quando seus olhos são espertos, ele coloca vinho em seus ouvidos; que em sua fome, ele coloca cascalho em sua boca; que na dor, ele se carrega com as correntes de ferro; que sentindo frio, ele põe os pés na água; que estando com medo do fogo, ele foge dele; que estando cansado, ele faz um assento do pão dele. Suponhamos que, por sua ignorância do uso correto das coisas que o cercam, ele se atormentará em vão enquanto vive e finalmente morrerá, cegado pela poeira, sufocado de cascalho e carregado de ferros. Suponhamos que algum ser bom viesse a ele, e mostrasse a ele a natureza e o uso de todas as coisas que estavam ao seu redor, e lhe desse regras tão estritas de usá-las, como certamente, se observado, faria dele o mais feliz por tudo o que ele tinha, e libertá-lo das dores da fome, da sede e do frio.

Agora você poderia, com alguma razão, afirmar que aquelas regras estritas de usar aquelas coisas que estavam ao seu redor tinham tornado a vida daquele homem pobre sem graça e desconfortável?

Ora, isso é em certa medida uma representação das regras estritas da religião; eles apenas aliviam nossa ignorância, nos salvam de nos atormentar e nos ensinam a usar tudo sobre nós para nossa própria vantagem.

O homem é colocado em um mundo cheio de variedade de coisas; sua ignorância faz com que ele use muitos deles tão absurdamente quanto o homem que põe poeira em seus olhos para aliviar sua sede, ou coloca correntes para remover a dor.

A religião, portanto, vem aqui para o seu alívio e lhe dá regras estritas de usar tudo o que há nele; que, ao usá-los apropriadamente para sua própria natureza e para a natureza das coisas, ele pode ter sempre o prazer de receber um benefício correto deles. Mostra-lhe o que é estritamente certo em carne, bebida e roupas; e que ele não tem mais nada a esperar das coisas deste mundo, mas satisfazer essas necessidades próprias; e então estender sua assistência a todos os seus irmãos, para que, até onde puder, ele possa ajudar todos os seus semelhantes para o mesmo benefício do mundo que ele possui.

Diz-lhe que este mundo é incapaz de lhe dar qualquer outra felicidade; e que todos os esforços para sermos felizes em montes de dinheiro, ou acres de terra, em roupas finas, camas ricas, equipamento majestoso, e show e esplendor, são apenas esforços vãos, tentativas ignorantes após possibilidades, estas coisas não sendo mais capazes para dar o menor grau de felicidade, do que a poeira nos olhos pode curar a sede, ou o cascalho na boca satisfaz a fome; mas, como poeira e cascalho mal aplicados, só servirá para torná-lo mais infeliz com tal uso ignorante deles.

Diz-lhe que, embora este mundo não possa fazer mais por ele do que satisfazer essas necessidades do corpo, ainda assim, há um bem muito maior preparado para o homem do que comer, beber e vestir-se; que ainda é invisível aos seus olhos, sendo glorioso demais para a apreensão de carne e sangue; mas reservado para ele entrar, assim que esta curta vida acabar; onde, em um novo corpo formado para uma semelhança angelical, ele habitará na luz e na glória de Deus por toda a eternidade.

Diz-lhe que este estado de glória será dado a todos aqueles que fazem um uso correto das coisas deste mundo atual, que não se cegam com pó de ouro, ou comam cascalho, ou gemem sob cargas de ferro de sua própria em; mas use pão, água, vinho e roupas, para fins que sejam de acordo com a natureza e a razão; e que, com fé e gratidão, adoram o tipo de doador de tudo o que eles desfrutam aqui, e esperam para o futuro.

Agora pode alguém dizer que as regras mais rígidas de uma religião como essa nos impedem de qualquer um dos confortos da vida? Não poderia ser dito com justiça sobre essas regras que apenas impedem um homem de se sufocar com cascalho? Pois o rigor dessas regras consiste apenas na exatidão de sua retidão.

Quem se queixaria do severo rigor de uma lei que, sem qualquer exceção, proibia a entrada de pó em nossos olhos? Quem poderia pensar que era muito rígido, que não havia abatimentos? Ora, este é o rigor da religião; não exige nada de nós estritamente, ou sem abatimentos, mas onde cada grau da coisa é errado, onde toda indulgência nos prejudica.

Se a religião proíbe todos os exemplos de vingança, sem qualquer exceção, é porque toda vingança é da natureza do veneno; e apesar de não tomarmos tanto a ponto de pôr fim à vida, ainda assim, se tomarmos alguma coisa, ela corrompe toda a massa de sangue e torna difícil ser restaurado à nossa saúde anterior.

Se a religião exige uma caridade universal, amar o próximo como a nós mesmos, perdoar e orar por todos os nossos inimigos sem reservas; é porque todos os graus de amor são graus de felicidade, que fortalecem e apóiam a vida divina da alma, e são tão necessários à sua saúde e felicidade, quanto a alimentação adequada é necessária para a saúde e a felicidade do corpo.

Se a religião tem leis contra acumular tesouros na terra, e nos ordena a nos contentar com comida e vestuário, é porque todos os outros usos do mundo estão abusando dela para nossa própria aflição, e transformando todas as suas conveniências em armadilhas e armadilhas para destruir. nos. É porque essa clareza e simplicidade de vida nos protege das preocupações e dores do orgulho inquieto e da inveja, e torna mais fácil manter o caminho reto que nos levará à vida eterna.

Se a religião diz: "Venda o que tens e dê aos pobres", é porque não há outro uso natural ou razoável de nossas riquezas, nenhum outro modo de nos tornarmos mais felizes para eles; é porque é estritamente correto dar aos outros aquilo que não queremos a nós mesmos, como é certo usar tanto quanto nossos próprios desejos exigem. Pois se um homem tem mais alimento do que sua própria natureza requer, quão básico e irracional é inventar maneiras tolas de desperdiçá-lo, e fazer esporte para sua própria barriga cheia, ao invés de permitir que seus semelhantes tenham o mesmo conforto da comida que ele teve. É tão longe, portanto, de ser uma dura lei da religião, fazer uso de nossas riquezas, que um homem razoável se alegra naquela religião que o ensina a ser mais feliz naquilo que ele dá, do que naquilo que ele mantém por si mesmo; o que o ensina a fazer com que comida e roupas extras sejam maiores bênçãos para ele do que aquilo que alimenta e veste seu próprio corpo.

Se a religião exige que às vezes jejuemos e negamos nossos apetites naturais, é para diminuir a luta e a guerra que está em nossa natureza, é tornar nossos corpos mais aptos a instrumentos de pureza e mais obedientes aos bons movimentos da graça divina; é secar as fontes de nossas paixões que guerreiam contra a alma, para resfriar a chama de nosso sangue e tornar a mente mais capaz de meditações Divinas. De modo que, embora essas abstinências causem alguma dor ao corpo, elas diminuem o poder dos apetites e paixões corporais e, assim, aumentam nosso gosto pelas alegrias espirituais, que mesmo essas severidades da religião, quando praticadas com discrição, acrescentam muito ao prazer confortável. de nossas vidas.

Se a religião nos chama a uma vida de observação e oração, é porque vivemos entre uma multidão de inimigos e sempre precisamos da ajuda de Deus. Se devemos confessar e lamentar nossos pecados, é porque tais confissões aliviam a mente e a restauram para aliviar; como cargas e pesos retirados dos ombros, aliviam o corpo e o tornam mais fácil. Se queremos ser frequentes e fervorosos em súplicas petições, é para nos manter firmes à vista de nosso verdadeiro Deus, e para que nunca desejemos a felicidade de uma fé viva, uma esperança alegre e uma confiança bem fundamentada em Deus. . Se devemos orar com frequência, é para que possamos ser felizes em tais alegrias secretas, como só a oração pode dar; em tais comunicações da Presença Divina, como encherá nossas mentes com toda a felicidade que os seres que não estão no Céu são capazes de fazer.

Havia alguma coisa no mundo que valesse mais a pena, se houvesse algum exercício da mente, ou qualquer conversa com homens, que se tornasse mais vantajosa que essa relação com Deus, não deveríamos ser chamados para tal continuação na oração? Mas se um homem considera o que é que ele deixa quando se aposenta para a devoção, ele não achará pequena felicidade ser tão freqüentemente aliviado de não fazer nada, ou nada para o propósito; da ociosidade inativa, do trabalho inútil ou da conversação vã. Se ele considera que tudo o que está no mundo, e tudo o que está fazendo nele, é apenas para o corpo e prazeres corporais, ele terá razão para se alegrar com aquelas horas de oração, que o levam a consolações mais altas, que aumentam ele acima destas preocupações pobres, que abrem a sua mente uma cena de coisas maiores e acostumar sua alma para a esperança e expectativa deles.

Se a religião nos ordena a viver totalmente para Deus e fazer tudo para a Sua glória, é porque todos os outros caminhos estão vivendo totalmente contra nós mesmos, e terminarão em nossa própria vergonha e confusão de rosto.

Como tudo é escuro, Deus não ilumina; como tudo é insensato, isso não tem sua parte do conhecimento dele; como nada vive, mas participando da vida dEle; como nada existe, mas porque Ele ordena que seja; assim não há glória ou grandeza, mas o que é da glória e grandeza de Deus.

Na verdade, podemos falar da glória humana como podemos falar da vida humana, ou do conhecimento humano: mas como estamos certos de que a vida humana não implica nada do nosso, mas um viver dependente em Deus, ou desfrutar de tanta vida em Deus; A glória humana, sempre que a encontramos, deve ser tão gloriosa quanto a que desfrutamos na glória de Deus.

Este é o estado de todas as criaturas, sejam homens ou anjos; como eles mesmos não fazem, então eles não desfrutam de nada deles mesmos: se eles são grandes, devem ser apenas como grandes receptores dos dons de Deus; seu poder só pode ser tanto do poder Divino agindo neles; sua sabedoria pode ser apenas muito da sabedoria Divina brilhando dentro deles; e sua luz e glória, somente muito da luz e glória de Deus brilhando sobre eles.

Como eles não são homens ou Anjos, porque eles tinham uma mente para serem eles mesmos, mas porque a vontade de Deus os formou para serem o que são; assim eles não podem desfrutar desta ou daquela felicidade de homens ou Anjos, porque eles têm uma mente para isto, mas porque é a vontade de Deus que tais coisas sejam a felicidade de homens, e tais coisas a felicidade de Anjos. Mas agora, se Deus é assim tudo em todos; se a sua vontade é assim a medida de todas as coisas e todas as naturezas; se nada puder ser feito, mas pelo Seu poder; se nada puder ser visto, mas por uma luz Dele; se não temos nada a temer, mas da Sua justiça; se não temos nada a esperar, mas da Sua bondade; se esta é a natureza do homem, impotente em si mesmo; se este é o estado de todas as criaturas, bem como as do céu como as da terra; se não são nada, não podem fazer nada, não podem sofrer nenhuma dor, nem sentir qualquer felicidade, mas até agora, e em tais graus, como o poder de Deus faz tudo isso; se este é o estado das coisas, então como podemos ter o menor vislumbre de alegria ou consolo, como podemos ter algum prazer pacífico de nós mesmos, mas vivendo totalmente a esse Deus, usando e fazendo tudo conforme a Sua vontade?

Uma vida assim dedicada a Deus, olhando totalmente para Ele em todas as nossas ações, e fazendo todas as coisas adequadamente para Sua glória, está tão longe de ser monótona e desconfortável, que cria novos confortos em tudo o que fazemos.

Ao contrário, você veria quão felizes são aqueles que vivem de acordo com suas próprias vontades, que não podem se submeter ao negócio enfadonho e melancólico de uma vida dedicada a Deus; olhe para o homem da parábola a quem seu Senhor dera um talento.

Ele não podia suportar os pensamentos de usar seu talento de acordo com a vontade dEle de quem ele tinha, e, portanto, ele escolheu se tornar mais feliz de um jeito próprio. "Senhor", diz ele, "eu te conhecia, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não tiraste; e tive medo, e entrei e escondi o teu talento na terra! tu és tu que tu és.

Seu Senhor, depois de tê-lo condenado de sua própria boca, despacha-o com esta sentença: "Lança o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes". [Mateus 25. 24, 25, 30]

Aqui você vê o quão feliz este homem fez a si mesmo, por não agir totalmente de acordo com a vontade de seu Senhor. Foi, segundo seu próprio relato, uma felicidade de murmuração e descontentamento; Eu sabia que você era um homem duro: era uma felicidade de medos e apreensões; Eu estava, diz ele, com medo: era uma felicidade de trabalhos inúteis e viagens infrutíferas; Eu fui, diz ele, e escondi o teu talento; e depois de ter sido por algum tempo o esporte de paixões tolas, atormentando medos e trabalho infrutífero, ele é recompensado com trevas, choro eterno e ranger de dentes.

Agora esta é a felicidade de todos aqueles que vêem uma piedade rígida e exaltada, isto é, um uso correto de seu talento, para ser um estado de vida monótono e melancólico.

Eles podem viver um pouco livre das restrições e direções da religião; mas, em vez disso, devem estar sob o governo absurdo de suas paixões: devem, como o homem da parábola, viver em murmurações e descontentamentos, em medos e apreensões. Eles podem evitar o trabalho de fazer o bem, de gastar seu tempo devotamente, de acumular tesouros no céu, de vestir os nus, de visitar os doentes; mas então eles devem, como este homem, ter trabalhos e dores em vão, que tendem a nenhum uso ou vantagem, que não servem para si mesmos ou para os outros; eles devem viajar e trabalhar e trabalhar e cavar para esconder seu talento na terra. Eles devem, como ele, na vinda de seu Senhor, ser condenados por suas próprias bocas, ser acusados ​​por seus próprios corações, e ter tudo o que eles disseram e pensaram da religião, ser feitos para mostrar a justiça de sua condenação à eterna escuridão. choro e ranger de dentes.

Esta é a compra que eles fazem, que evitam o rigor e a perfeição da religião, para viverem felizes.

Por outro lado, você veria uma breve descrição da felicidade de uma vida corretamente empregada, totalmente dedicada a Deus, você deve olhar para o homem na parábola a quem seu Senhor dera cinco talentos. "Senhor", diz ele, "tu me deste cinco talentos; eis que adquiri cinco talentos a mais. O seu Senhor lhe disse:" Bem, fiel e bom servo, sobre o qual foste fiel, Eu te farei governar sobre muitas coisas; entra no gozo do teu Senhor.

Aqui você vê uma vida totalmente voltada para a melhoria dos talentos, que é devotada inteiramente a Deus, é um estado de felicidade, trabalhos prósperos e sucesso glorioso. Aqui não estão, como no primeiro caso, paixões inquietas, murmurações, medos vãos e trabalhos infrutíferos. O homem não está trabalhando e cavando na terra para nenhum fim ou vantagem; mas seu piedoso trabalho prospera em suas mãos, sua felicidade aumenta sobre ele; a bênção de cinco se torna a bênção de dez talentos; e ele é recebido com um "Bem feito, bom e fiel servo: entra no gozo do teu Senhor".

Agora, como o caso desses homens na parábola, nada mais restou a sua escolha, mas ou para ser feliz em usar seus dons para a glória do Senhor, ou miserável, usando-os de acordo com seus próprios humores e fantasias; então o estado do cristianismo não nos deixa outra escolha.

Tudo o que temos, tudo o que somos, tudo o que desfrutamos, são apenas tantos talentos de Deus: se os usarmos até os fins de uma vida piedosa e santa, nossos cinco talentos se tornarão dez, e nossos trabalhos nos levarão. na alegria de nosso Senhor; mas se os abusarmos das alegrias de nossas próprias paixões, sacrificando os dons de Deus a nosso próprio orgulho e vaidade, viveremos aqui em trabalhos inúteis e ansiedades tolas, rejeitando a religião como uma coisa melancólica, acusando nosso Senhor como um mestre duro e depois cair na miséria eterna.

Podemos por algum tempo nos divertir com nomes e sons e sombras de felicidade; podemos falar desta ou daquela grandeza e dignidade; mas se desejamos a verdadeira felicidade, não temos outro caminho possível para ela, mas melhorando nossos talentos, usando tão santamente e piedosamente os poderes e faculdades dos homens neste estado atual, que podemos ser felizes e gloriosos nos poderes e faculdades. dos Anjos no mundo por vir.

Quão ignorantes, portanto, são eles da natureza da religião, da natureza do homem e da natureza de Deus, que pensam que uma vida de estrita piedade e devoção a Deus é um estado enfadonho e incômodo; quando é tão claro e seguro que não há conforto nem alegria para ser encontrado em qualquer outra coisa!

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XI.

Disponível em CCEL (inglês).



Notas:
[1] Celia, um nome que através de sua forma grega tem uma sugestão de vazio. Lupus = Lobo

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: