Confissões - Livro II

Agora vou chamar a atenção para a minha sujeira do passado e as corrupções carnais da minha alma; não porque eu os ame, mas para que eu te ame, meu Deus. Por amor do Teu amor eu faço isso; revendo os meus caminhos mais perversos na amargura da minha lembrança, para que Tu me cresças doce (Tu nunca doçura, feliz e assegurada doçura); e me reunindo de novo daquela minha dissipação, em que fui rasgado aos pedaços, enquanto me desviei de Ti, o Único Bom, perdi-me entre uma multiplicidade de coisas. Pois até eu queimei na minha juventude até então, para ser saciado nas coisas abaixo; e ousei me enlouquecer novamente, com esses vários e obscuros amores: minha beleza consumida, e eu fedia aos Teus olhos; agradando a mim mesmo, e desejoso de agradar aos olhos dos homens.

E o que foi que eu me deliciei, mas amar e ser amado? mas eu não mantive a medida do amor, da mente para mente, a fronteira brilhante da amizade: mas da concupiscência lamacenta da carne e os borbulhantes da juventude, névoas fumegantes que enevoavam e encobriam meu coração, que eu não conseguia discernir o claro brilho de amor da névoa de luxúria. Ambas confundiram-se em mim, e apressaram minha juventude descalça sobre o precipício de desejos profanos, e me afundaram em um abismo de flagelos. Tua ira se reuniu sobre mim, e eu não sabia disso. Fui surdo pelo barulho da cadeia da minha mortalidade, o castigo do orgulho da minha alma, e me afastei mais de Ti, e me deixaste sozinho, e fui atirada, desperdiçada e dissipada, e eu transbordante em minhas fornicações, e tu seguras a tua paz, ó minha alegria tardia! Tu, então, seguras Tua paz, e eu vaguei mais e mais de Ti, em mais e mais sementes sem semente de tristezas, com um orgulhoso desalento e um cansaço inquieto.

Oh! que alguém, então, tentou minha desordem e passou a considerar as fugazes belezas destes, os pontos extremos de Tua criação! tinha colocado um limite ao seu prazer, para que as ondas da minha juventude pudessem ter se lançado sobre a praia do casamento, se não pudessem ser acalmadas, e mantidas dentro do objeto de uma família, como Tua lei prescreve, ó Senhor: quem forma acima de tudo a descendência desta nossa morte, sendo capaz com uma mão gentil para atenuar os espinhos que foram excluídos do Teu paraíso? Pois a tua onipotência não está longe de nós, mesmo quando estamos longe de ti. De novo, devo observar mais atentamente a voz das nuvens; contudo, tais coisas terão problemas na carne, mas eu os poupo. E é bom que um homem não toque em uma mulher. E aquele que é solteiro pensa das coisas do Senhor, como ele pode agradar ao Senhor; mas aquele que é casado se preocupa com as coisas deste mundo, como ele pode agradar a sua esposa.

A estas palavras eu deveria ter escutado com mais atenção, e sendo cortado pelo reino dos céus, mais felizmente tinha esperado Teu abraço; mas eu, pobre coitado, espumava como um mar agitado, seguindo a pressa da minha própria maré, abandonando-te e excedendo todos os Teus limites; todavia não escapei de vossos flagelos. Por que mortal pode? Pois tu sempre me tornaste misericordiosamente rigoroso, e afeiçoando com a liga mais amarga todos os meus prazeres ilegais: para que eu pudesse procurar prazeres sem liga. Mas onde encontrar tal coisa, não pude descobrir, salvo em Ti, ó Senhor, que ensina pela tristeza e nos fere a curar; e nos mata, para que não morramos de ti. Onde estava eu, e até onde eu estava exilado das delícias de Tua casa, naquele décimo sexto ano da idade de minha carne, quando a loucura da luxúria (à qual a falta de vergonha humana dá livre licença, embora não licenciada por Tuas leis) tomou o governar sobre mim, e eu me resignei totalmente a isso? Meus amigos, enquanto isso, não se importaram com o casamento para salvar minha queda; seu único cuidado era que eu deveria aprender a falar excelentemente e ser um orador persuasivo.

Naquele ano, meus estudos foram interrompidos: enquanto, após meu retorno de Madaura (cidade vizinha, para onde eu havia viajado para aprender gramática e retórica), as despesas para uma nova viagem a Cartago estavam sendo fornecidas para mim; e que, antes, pela resolução, do que os meios de meu pai, que era apenas um pobre livre de Thagaste. Para quem dizer isso? não a ti, meu Deus; mas antes de Ti para minha própria espécie, até mesmo para aquela pequena porção da humanidade como pode iluminar estes escritos meus. E com qual finalidade? que todo aquele que ler isto, possa pensar em que profundidade nós devemos clamar a Ti. Pois o que está mais perto dos teus ouvidos do que um coração confesso e uma vida de fé? Quem não exaltou meu pai, pois além da capacidade de seus recursos, ele forneceria ao filho todos os bens necessários para uma jornada distante por causa de seus estudos? Para muitos, os cidadãos mais aboneis não fizeram tal coisa por seus filhos. Mas, no entanto, esse mesmo pai não se preocupou em como eu cresci em relação a Ti ou como eu era casto; de modo que eu era apenas copioso no discurso, por mais estéril que eu fosse à Tua cultura, ó Deus, que és o único verdadeiro e bom Senhor do Teu campo, meu coração.

Mas enquanto naquele meu décimo sexto ano eu morava com meus pais, deixando toda a escola por um tempo (uma temporada de ociosidade sendo interposta através da estreiteza da fortuna de meus pais), os arruaceiros de desejos impuros cresceram sobre minha cabeça, e havia nenhuma mão para erradicá-los. Quando meu pai me viu nos banhos, agora crescendo em direção à idade adulta, e dotado de uma juventude inquieta, ele, como já antecipava seus descendentes, contava de bom grado para minha mãe; regozijando-se naquele tumulto dos sentidos em que o mundo O esquece como seu Criador, e se torna enamorado de Tua criatura, em vez de Ti mesmo, pelas emanações daquele vinho invisível de sua vontade própria, desviando-se e curvando-se às coisas mais básicas. Mas no peito da minha mãe já tiveste iniciado o Teu templo e o fundamento da Tua santa habitação, enquanto o meu pai ainda era um Catecúmeno, e isso, mas recentemente. Ela então foi surpreendida com um medo sagrado e tremor; e embora eu ainda não fosse batizado, temia por mim aqueles caminhos tortuosos em que andam e que lhes dão as costas, e não o rosto deles.

Ai de mim! e ouso dizer que tu seguras a tua paz, ó meu Deus, enquanto eu andava mais longe de ti? Tu realmente guardaste Tua paz para mim? E de quem, senão Teus foram estas palavras que por minha mãe, Teu fiel, tu cingiste em meus ouvidos? Nada do que afundou no meu coração, de modo a fazê-lo. Pois ela desejou, e eu me lembro em particular, com grande ansiedade, me avisou: "não cometer fornicação; mas especialmente nunca contaminar a esposa de outro homem". Esses me pareciam conselhos femininos, que eu deveria corar para obedecer. Mas eles eram teus, e eu não sabia; e pensei que ficaste em silêncio e que foi ela quem falou; por quem tu não me silenciaste; e nela foi desprezado por mim, seu filho, o filho de tua serva, teu servo. Mas eu não sabia; e correu de cabeça com tal cegueira, que entre os meus iguais me envergonhava de uma menos descarada, quando os ouvia gabar-se do seu esplendor, sim, e quanto mais se gabava, mais eles se degradavam: e eu sentia prazer, não só no prazer do ato, mas no louvor. O que é digno de desprazer mas vício? Mas me tornei pior do que eu, para não ser desprezado; e quando em alguma coisa eu não tivesse pecado como os abandonados, eu diria que fiz o que não tinha feito, para não parecer desprezível na proporção em que fui inocente; ou de menos conta, mais casto.

Contemple com que companheiros andei pelas ruas de Babilônia e me afoguei na lama, como se estivesse em um leito de especiarias e unguentos preciosos. E para que eu pudesse pegar o mais rápido até o centro, o inimigo invisível me derrubou e me seduziu, pois era fácil ser seduzido. Nem a mãe da minha carne (que agora fugira do centro da Babilônia, mas andava mais devagar nas suas saias, enquanto ela me aconselhava a castidade, então prestasse atenção ao que ela ouvira de mim do marido, a ponto de restringir os limites do afeto conjugal, se não pudesse ser reduzido ao rápido) o que ela sentia ser pestilento no presente e para o futuro, perigoso. Ela não prestou atenção nisso, pois temia que uma esposa provasse ser um obstáculo e um empecilho para minhas esperanças. Não aquelas esperanças do mundo por vir, que minha mãe repousou em Ti; mas a esperança de aprender, que meus pais tanto desejavam, deveria alcançar; meu pai, porque ele quase não pensava em Ti, e de mim, mas vaidoso vaidoso; minha mãe, porque ela considerou que esses cursos habituais de aprendizado não seriam apenas um obstáculo, mas até mesmo algum adiantamento para alcançar você. Pois conjecturo, lembrando, assim como posso, a disposição de meus pais. As rédeas, enquanto isso, foram afrouxadas para mim, além de todo o temperamento da devida severidade, para gastar meu tempo no esporte, sim, até mesmo em dissoluções em tudo o que eu afetava. E em tudo estava uma névoa, interceptando de mim, ó meu Deus, o brilho da Tua verdade; e minha iniquidade explodiu como de muita gordura.

O roubo é castigado por Tua lei, ó Senhor, e a lei escrita nos corações dos homens, que a própria iniquidade não apaga. Para que ladrão irá habitar um ladrão? nem mesmo um ladrão rico, um roubando por querer. No entanto, eu desejei roubar, e o fiz, não sendo compelido pela fome, nem pela pobreza, mas através de um enraizamento de fazer o bem e de mimar a iniquidade. Pois eu roubei aquilo, do qual eu tive o bastante, e muito melhor. Nem me importo de aproveitar o que roubei, mas me alegro do roubo e do pecado em si. Havia uma árvore de pera perto da nossa vinha, carregada de frutas, que não tentava nem a cor nem o gosto. Para sacudir e roubar isso, alguns jovens rapazes lascivos de nós foram, tarde da noite (tendo de acordo com nosso costume pestilento prolongado nossos esportes nas ruas até então), e tomaram cargas enormes, não para comer, mas para atirar ao mesmo Porcos, tendo apenas provado eles. E isso, mas fazer o que gostamos só porque foi mal visto. Eis o meu coração, ó Deus, eis o meu coração, ao qual te pocas no fundo do abismo. Agora, eis que o meu coração diga-lhe o que procurava lá, para que eu fosse gratuitamente mal, não tendo tentação para o mal, mas para o próprio mal. Foi sujo e eu adorei; Adorei perecer, amei a minha própria culpa, não aquela pela qual eu estava com defeito, mas a minha própria culpa. Alma imunda, caindo de teu firmamento em destruição total; não buscando nada através da vergonha, mas a própria vergonha!

Pois há uma atratividade em belos corpos, em ouro e prata e todas as coisas; e, no toque corporal, a simpatia exerce muita influência, e o sentido mútuo tem seu próprio objetivo temperado de maneira responsável. A honra mundana tem também a sua graça e o poder de vencer e de domínio; de onde nasce também a sede de vingança. Contudo, para obter tudo isso, não podemos nos afastar de Ti, ó Senhor, nem recusarmos a Tua lei. A vida também que aqui nós vivemos tem seu próprio encantamento, através de uma certa proporção própria, e uma correspondência com todas as coisas bonitas aqui embaixo. A amizade humana também é afetada por um laço doce, em razão da unidade formada por muitas almas. Por ocasião de tudo isso, e assim por diante, é cometido pecado, enquanto através de uma inclinação imoderada para esses bens da mais baixa ordem, o melhor e o maior são abandonados - Senhor nosso Deus, Tua verdade e Tua lei. Porque estas coisas inferiores têm as suas delícias, mas não como o meu Deus, que fez todas as coisas; porque nele há o prazer, e ele é a alegria dos retos de coração.

Quando, então, perguntamos por que um crime foi cometido, acreditamos que não, a menos que pareça que pode ter havido algum desejo de obter alguns daqueles que chamamos de bens inferiores ou medo de perdê-los. Pois eles são lindos e graciosos; embora comparados com aqueles bens superiores e beatificantes, eles são abjetos e baixos. Um homem assassinou outro; porque? ele amava sua esposa ou sua propriedade; ou roubaria seu próprio sustento; ou temia perder algumas dessas coisas por ele; ou, injustiçado, estava em chamas para ser vingado. Alguém cometeria assassinato sem motivo, encantado simplesmente por assassinar? quem acreditaria? pois quanto àquele homem furioso e selvagem, de quem se diz que ele foi gratuitamente mal e cruel, ainda assim é a causa designada; "para que não" (diz ele) "através da mão ou do coração da ociosidade deve ficar inativo." E para que fim? que, através dessa prática de culpa, ele poderia, tendo tomado a cidade, obter honras, império, riquezas e ser liberto do medo das leis, e seus embaraços de necessidades domésticas e consciência de vilanias. Então, nem mesmo Catilina* amava suas próprias vilanias, mas alguma outra coisa, por quem ele as fez.

O que então fez desgraçado Eu tanto amo em ti, meu roubo, tu fazes das trevas, naquele décimo sexto ano da minha idade? Adorável tu não foste, porque foste o roubo. Mas tu és alguma coisa, que assim eu falo contigo? Justo foram as peras que roubamos, porque eram Tua criação, Tu és o mais justo de todos, Criador de tudo, Tu bom Deus; Deus, o bem soberano e meu verdadeiro bem. Justo eram aquelas peras, mas não eram o desejo da minha alma miserável; porque eu tinha guardado melhor e os que reunia só para poder roubar. Pois, quando reunidos, eu os joguei fora, meu único banquete ali foi o meu próprio pecado, o qual eu tive o prazer de desfrutar. Pois se alguma daquelas peras veio dentro da minha boca, o que adoçou foi o pecado. E agora, ó Senhor meu Deus, eu pergunto o que naquele roubo me encantou; e eis que não tem graça; Não quero dizer tal amabilidade como na justiça e sabedoria; nem como está na mente e memória, e sentidos e vida animal do homem; nem ainda como as estrelas são gloriosas e belas em seus orbes; ou a terra, ou o mar, cheio de vida embrionária, substituindo por seu nascimento aquilo que decai; não, nem mesmo aquela beleza falsa e sombria que pertence aos vícios enganadores.

Pois assim o orgulho imita a exaltação; considerando que só Tu és Deus exaltado sobre todos. Ambição, o que procura, mas honras e glória? considerando que só tu és honrado acima de tudo e glorioso para sempre. A crueldade dos grandes seria temida; mas quem deve ser temido a não ser somente Deus, fora de cujo poder o que pode ser arrancado ou retirado? quando, ou onde, ou para onde ou por quem? As tendências do devasso seriam contadas como amor: ainda assim nada é mais terno do que a Tua caridade; nem é algo mais amado do que a Tua verdade, brilhante e bela acima de tudo. A curiosidade faz a aparência de um desejo de conhecimento; enquanto tu supremamente conheces tudo. Sim, a ignorância e a insensatez são encobertas pelo nome de simplicidade e ilusão; porque nada se acha mais único do que tu; e o que é menos prejudicial, visto que são suas próprias obras que ferem o pecador? Sim, a preguiça gostaria de estar em repouso; mas que descanso estável além do Senhor? Luxo afeta a ser chamado de abundância e abundância; mas tu és a plenitude e a plenitude infalível dos prazeres incorruptíveis. A prodigalidade apresenta uma sombra de liberalidade: mas Tu és o doador mais transbordante de todo o bem. A cobiça teria muitas coisas; e tu possuis todas as coisas. A inveja contesta a excelência: o que é mais excelente que Tu? A raiva busca vingança: quem se vinga mais justamente do que tu? O medo assusta as coisas inesperadas e repentinas, o que põe em perigo as coisas amadas e leva a pensar em sua segurança; mas para Ti o que é incontável ou repentino, ou quem separa de ti o que amais? Ou onde, a não ser com você, a segurança é inabalável? O luto penetra pelas coisas perdidas, o prazer de seus desejos; porque não teria nada tirado, como nada pode de Ti.

Assim a alma se prostituirá, quando se apartar de Ti, buscando sem Ti, o que ela achar não pura e imaculada, até que ela retorne a Ti. Assim todos pervertidamente imitam a Ti, que se afastam de Ti e se levantam contra Ti. Mas mesmo assim imitando a Ti, eles implicam que Tu és o Criador de toda a natureza; de onde não há lugar para se retirar de Ti. O que então eu amei nesse roubo? e onde eu corrompi e pervertidamente imitei meu Senhor? Queria até mesmo furtivamente fazer o contrário de Tua lei, porque por poder eu não podia, de modo que, sendo prisioneiro, eu imitasse uma liberdade mutilada fazendo impunemente as coisas que me impediam, uma semelhança escura de Tua Onipotência? Eis o teu servo, fugindo do seu Senhor e obtendo uma sombra. Ó podridão, ó monstruosidade da vida e profundidade da morte! Eu poderia gostar do que eu não poderia, só porque eu não poderia?

O que devo eu dizer ao Senhor, que, enquanto minha memória relembra essas coisas, minha alma não está atemorizada com elas? Eu Te amarei, ó Senhor, e agradeça-Te, e confesse até Teu nome; porque Tu me perdoaste estas ações tão grandes e hediondas minhas. À Tua graça eu a atribuo e à Tua misericórdia que Tu derretes os meus pecados como se fossem gelo. À tua graça também atribuo tudo o que não fiz do mal; pois o que eu não poderia ter feito, que até amava um pecado por si mesmo? Sim, tudo que confesso foi o que me perdoou; tanto os males que cometi com minha própria vontade, quanto o que, por Tua orientação, não cometi. Que homem é ele que, pesando sua própria enfermidade, ousa atribuir sua pureza e inocência à sua própria força? que assim ele deveria amá-lo a menos, como se ele tivesse menos necessidade de Tua misericórdia, por meio do qual Tu remitais pecados àqueles que se voltam para Ti? Porque, qualquer que seja o teu nome, segue-te a Tua voz e evita aquelas coisas que me lê recordando e confessando de mim mesmo; não despreze a mim, que estando doente curou-se daquele médico, por cuja ajuda não o foi ou, antes, era menos doente: e por isso, ame-o tanto, sim e mais; desde então por quem ele me vê ter sido recuperado de tal consumo profundo de pecado, por Ele vê a si mesmo como tendo sido do consumo semelhante de pecado preservado.

Que fruto tive então (homem miserável!) Naquelas coisas, da lembrança de que agora estou envergonhado? Especialmente, naquele roubo que amei pelo roubo; e também não era nada e, portanto, o mais infeliz eu, que amava. No entanto, sozinha, não o fizera: tal era então, lembro-me, sozinho, nunca o fizera. Eu amei em seguida, também a companhia dos cúmplices, com quem eu fiz isso? Eu não amava mais nada além do roubo, sim, eu não amava mais nada; pois essa circunstância da empresa também não era nada. O que é, na verdade? quem pode me ensinar, senão aquele que ilumina meu coração e descobre seus cantos escuros? O que é que me veio à mente inquirir, discutir e considerar? Pois, se eu tivesse amado as peras que roubei e desejasse apreciá-las, poderia tê-las feito sozinho, se a comissão do roubo fosse suficiente para alcançar meu prazer; nem precisei ter inflamado a coceira dos meus desejos pela excitação de cúmplices. Mas desde que o meu prazer não estava naquelas peras, foi na própria ofensa, que a companhia dos companheiros pecadores ocasionou.

O que então foi esse sentimento? Porque, na verdade, era muito ruim: e ai de mim, quem a teve. Mas ainda assim o que foi? Quem pode entender seus erros? Foi o esporte que, por assim dizer, fez cócegas em nossos corações, que enganamos aqueles que pensavam pouco sobre o que estávamos fazendo e não gostavam muito. Por que então meu deleite de tal sorte que eu fiz não sozinho? Porque ninguém costuma rir sozinho? ordinariamente ninguém; no entanto, o riso às vezes domina os homens sozinhos e isoladamente quando ninguém está com eles, se algo muito ridículo se apresenta aos sentidos e à mente deles. No entanto, eu não fizera isso sozinha; sozinho eu nunca tinha feito isso. Eis meu Deus, diante de Ti, a lembrança vívida de minha alma; sozinho, eu nunca tinha cometido aquele roubo em que o que roubei não me agradou, mas que eu roubei; nem só eu gostava de fazê-lo, nem o fizera. O amizade muito hostil! tu incompreensível sedução da alma, tu ganância para fazer mal de alegria e devassidão, tu sede da perda dos outros, sem luxúria de meu próprio ganho ou vingança: mas quando se diz: "Vamos, vamos fazer isso", nós tem vergonha de não ser sem vergonha.

Quem pode desenredar essa intricada e intricada aspereza? Falta é: eu odeio pensar sobre isso, para olhar para ele. Mas Te desejo, Ó Justiça e Inocência, bonita e grata a todos os olhos puros, e de uma satisfação desagradável. Com Ti está todo o resto, e a vida imperturbável. O que entra em ti, entra na alegria do seu Senhor; e não temerá, e fará excelente no Todo-Excelente. Afastei-me de ti, e andei, ó meu Deus, muito desviado de ti por minha estada, nestes dias de minha juventude, e tornei-me uma terra estéril.

~

Santo Agostinho

Confissões (397-400)

Disponível em Gutenberg (inglês, tradução de Edward Bouverie Pusey).



Notas:
*Foi um militar e senador da Roma Antiga, célebre por ter tentado derrubar a República Romana, e em particular o poder oligárquico do senado.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: