Este conhecimento extinto ou corrompido, parcialmente por ignorância, em parte pela maldade

I. Embora a experiência ateste que as sementes da religião são semeadas por Deus em todos os corações, dificilmente encontraremos um homem em cem que aprecie o que ele recebeu, e não aquele em quem ele amadurece e muito menos dê frutos no devido tempo. Alguns talvez crescem vãos em suas próprias superstições, enquanto outros se revoltam com maldade intencional de Deus; mas todos se degeneram do verdadeiro conhecimento dele. O fato é que nenhuma piedade genuína permanece no mundo. Mas, ao dizer que alguns caem na superstição por meio do erro, eu não insinuo que a ignorância deles os desculpa da culpa; porque a cegueira deles está sempre conectada com orgulho, vaidade e contumácia. Orgulho e vaidade são descobertos, quando homens miseráveis, em busca de Deus, não se levantam, como deveriam, acima de seu próprio nível, mas o julgam de acordo com sua estupidez carnal, e deixam o caminho correto de investigação em busca de especulações como eles são curiosos. Suas concepções dele são formadas, não de acordo com as representações que ele faz de si mesmo, mas pelas invenções de suas próprias imaginações presunçosas. Este abismo sendo aberto, seja qual for o curso que eles tomam, eles devem estar correndo para a destruição. Nenhuma de suas tentativas subsequentes para a adoração ou serviço de Deus pode ser considerada como prestada a ele; porque eles não adoram ele, mas uma invenção de seus próprios cérebros em seu lugar. Essa depravação Paulo expressamente observa: “Dizendo-se sábios, tornaram-se tolos.” [1] Antes dissera: “Eles se tornaram vaidosos em sua imaginação.” Mas, para que ninguém os exclua, ele acrescenta que foram merecidamente cegados, porque não contentes dentro dos limites da sobriedade, mas arrogando a si mesmos mais do que estavam certos, eles intencionalmente escureceram, e até se enfureceram com orgulho, vaidade e perversidade. Daí resulta que sua loucura é indesculpável, que se origina não apenas em uma curiosidade vã, mas em falsa confiança e um desejo imoderado de exceder os limites do conhecimento humano.

II. A afirmação de Davi, de que “o tolo disse em seu coração: Não há Deus”, [2] é principalmente, como veremos em breve em outro lugar, ser restrito àqueles que extinguem a luz da natureza, e intencionalmente se entorpecem. Porque nós vemos muitos, endurecidos por transgressões ousadas e habituais, lutando para banir toda lembrança de Deus, que o instinto da natureza ainda está sugerindo às suas mentes. Para tornar sua loucura mais detestável, ele os apresenta como negando expressamente a existência de Deus; não que eles o privem de seu ser, mas porque eles o roubam de sua justiça e providência, fechando-o como um ocioso no céu. Agora, como nada seria mais inconsistente com a Deidade, do que abandonar o governo do mundo, deixe-a fortuna e conivente com os crimes dos homens, para que possam desanimar com impunidade - quem extinguir todo o medo do julgamento celestial, e se entrega em segurança, nega que exista algum Deus. Depois que os ímpios fecham voluntariamente seus próprios olhos, é a justa vingança de Deus sobre eles, para obscurecer seus entendimentos, para que, vendo, eles não percebam. [3] Davi é o melhor intérprete de seu próprio significado, em outro lugar, onde ele diz: “Os ímpios não temem a Deus perante os seus olhos”; [4] e novamente, que eles se encorajam em suas iniquidades com a lisonjeira persuasão que Deus faz. não os vejo. [5] Embora sejam constrangidos a reconhecer a existência de Deus, ainda assim, roubam-lhe a sua glória, por desviarem-se do seu poder. Pois como Deus, de acordo com o testemunho de Paulo, “não pode negar a si mesmo”, [6] porque ele perpetuamente permanece como a si mesmo - aqueles que o fingem ser uma imagem vã e sem vida, são verdadeiramente ditos que negam a Deus. Deve-se notar também que, embora eles lutem contra seu próprio entendimento natural, e desejem não apenas bani-lo dali, mas até mesmo aniquilá-lo no céu, sua insensibilidade nunca pode prevalecer, a fim de evitar que Deus às vezes os leve a seu tribunal. Mas como nenhum temor os restringe da violenta oposição à vontade divina, é evidente, contanto que eles sejam levados com tanta impetuosidade cega, que sejam governados por um brutal esquecimento de Deus.

III. Assim é derrubada a pretensa desculpa pleiteada por muitos por sua superstição; pois eles se satisfazem com qualquer atenção à religião, por mais absurda que seja, não considerando que a Vontade Divina é a regra perpétua à qual a verdadeira religião deve ser conformada; que Deus sempre continua como ele mesmo; que ele não é um espectro ou fantasma, para ser metamorfoseado de acordo com a fantasia de cada indivíduo. É fácil ver como a superstição zomba de Deus com serviços hipócritas, enquanto tenta para agradá-lo. Pois, abraçando apenas aquelas coisas que ele declara que desconsidera, ou desdenhosamente pratica, ou mesmo rejeita abertamente, o que ele prescreve e declara ser agradável aos seus olhos. Pessoas que introduzem métodos recém-inventados de adorar a Deus, realmente adoram e adoram a criatura de suas imaginações destemperadas; pois nunca se atreveriam a brincar dessa maneira com Deus, se primeiro não tivessem fingido um deus conforme com suas próprias idéias falsas e tolas. Portanto, o apóstolo pronuncia uma noção vaga e incerta sobre a Deidade ser ignorância de Deus. “Quando não conhecestes a Deus (diz ele), fostes servos àqueles que por natureza não eram deuses”. [7] E em outro lugar ele fala dos efésios como tendo sido “sem Deus”, [8] enquanto eles eram estranhos a um conhecimento correto do único Deus verdadeiro. Nem, a esse respeito, é de muita importância se você imagina para si mesmo um deus ou mais; pois em ambos os casos você se afasta e se revolta do verdadeiro Deus, e, abandonando-o, você não tem mais nada a deixar além de um ídolo execrável. Devemos, portanto, decidir, com Lactâncio [9], que não há religião legítima não conectada com a verdade.

IV. Outro pecado é que eles nunca pensam em Deus, mas contra suas inclinações, nem se aproximam dele até que sua relutância seja superada por restrições; e então são influenciados, não por um medo voluntário, procedente da reverência da Majestade Divina, mas por um medo servil e constrangido, extorquido pelo julgamento divino, que eles temem porque é inevitável, ao mesmo tempo em que o odeiam. Agora, à impiedade, e a esta espécie de só ela, é aplicável aquela afirmação de Estácio, que o medo primeiro fez deuses no mundo. [10] Eles, cujas mentes estão alienadas da justiça de Deus, desejam sinceramente a subversão daquele tribunal, que eles sabem ser estabelecido para a punição de transgressões contra ele. Com esta disposição, eles fazem guerra contra o Senhor, que não pode ser privado de seu julgamento; mas quando eles percebem que seu braço irresistível está iminente sobre suas cabeças, incapazes de evitá-lo, eles tremem de medo. Para que eles não pareçam totalmente desprezá-lo, cuja majestade os incomoda, eles praticam alguma forma de religião; ao mesmo tempo, não deixam de poluir a si mesmos com vícios de todo tipo, e de acrescentar um ato flagrante a outro, até que tenham violado cada parte da santa lei de Deus e dissipado toda a sua justiça. É certo, pelo menos, que eles não são impedidos por aquele pretenso temor de Deus de gozar prazer e satisfação em seus pecados, praticando auto-adulação, e preferindo a condescendência de sua própria intemperança carnal às restrições salutares do Espírito Santo. Mas, sendo essa uma falsa e vã sombra da religião, e dificilmente digna de ser chamada de sombra, é fácil inferir a grande diferença entre uma noção tão confusa de Deus e a piedade que é instilada apenas nas mentes do mundo. fiel e é a fonte da religião. No entanto, os hipócritas, que estão voando de Deus, recorrem aos artifícios da superstição, para aparecerem devotados a ele. Porque enquanto todo o teor de sua vida deve ser um curso perpétuo de obediência a ele, eles não têm escrúpulos em se rebelar contra ele em quase todas as suas ações, apenas se esforçando para apaziguá-lo com alguns poucos sacrifícios insignificantes. Considerando que ele deve ser servido com santidade de vida e integridade de coração, eles inventam futilidades frívolas e observâncias inúteis, para conciliar o favor dele. Abandonam-se a suas impurezas com a maior licenciosidade, porque confiam em poder cumprir todo seu dever para com ele por expiações ridículas. Em uma palavra, enquanto sua confiança deve ser colocada sobre ele, eles o negligenciam e dependem de si mesmos ou de outras criaturas. Por fim, envolvem-se num acúmulo tão vasto de erros, que as centelhas que lhes permitem descobrir a glória de Deus são sufocadas e, por fim, extinguidas pela escuridão criminosa da iniquidade. Essa semente, que é impossível erradicar, um sentido da existência de uma Deidade, ainda permanece; mas tão corrompida a ponto de produzir apenas o pior dos frutos. No entanto, esta é mais uma prova do que agora defendo, que uma ideia de Deus está naturalmente gravada nos corações dos homens, uma vez que a necessidade extorque uma confissão dela, mesmo dos próprios réprobos. No momento de tranquilidade, eles zombam facetariamente do Ser Divino e, com impertinência loquaz, anulam seu poder. Mas, se algum desespero os oprime, estimula-os a procurá-lo e dita orações concisas, que provam que eles não são totalmente ignorantes de Deus, mas que aquilo que deveria ter aparecido antes fora suprimido pela obstinação.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Romanos 1.22
[2] Salmo 14.1
[3] Isaías 6. 9
[4] Salmo 36.1
[5] Salmo 10.11
[6] 2 Timóteo 2.13
[7] Gálatas 4.8
[8] Efésios 2.12
[9] Lucio Célio Firmiano Lactâncio foi um autor entre os primeiros cristãos que se tornou um conselheiro do primeiro imperador romano cristão, Constantino I, guiando sua política religiosa que começava a se desenvolver e sendo o tutor de seu filho.
[10] Tebaida, livro 3.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: