O autor e o fim da teologia

Aqueles que estão familiarizados com as espécies demonstrativas da oratória, e escolhem para si mesmos qualquer assunto de elogio ou culpa, devem geralmente estar empenhados em remover de si mesmos, o que facilmente agride as mentes de seus auditores, uma suspeita de que eles são impelidos a falar algum sentimento imoderado de amor ou ódio; e em mostrar que eles são influenciados por um julgamento aprovado da mente; e que eles não seguiram a chama ardente de sua vontade, mas a luz clara de seu entendimento, que está de acordo com a natureza do assunto que eles estão discutindo. Mas para mim tal curso não é necessário. Pois o que escolhi para o assunto de meu elogio, facilmente remove de mim todo o terreno para tal suspeita.

Não nego que aqui de fato me rendo ao sentimento de amor; mas é sobre um assunto que, se alguém não ama, se odeia e perversamente prostitui a vida de sua alma. A teologia sagrada é o assunto cuja excelência e dignidade eu agora celebro nesta breve e sem adornos Oração; e o que, estou convencido, é para todos vocês um objeto de grande consideração. No entanto, desejo aumentá-lo, se possível, ainda mais em sua estima. Isso, na verdade, exige seu próprio mérito; isso a natureza do meu escritório exige. Tampouco faz parte do meu estudo ampliar sua dignidade por meio de ornamentos emprestados de outros objetos; pois à perfeição de sua beleza pode-se acrescentar nada estranho que não tenderia à sua degradação e perda de sua semelhança. Eu só exibo ornamentos como são, por si mesmos, sua melhor recomendação. Estes são, seu objeto, seu autor, seu fim e sua certeza. Concernente ao Objeto, já declaramos o que o Senhor havia transmitido; e agora falaremos do seu Autor e do seu Fim. Deus conceda que eu possa seguir a orientação desta teologia em todos os aspectos, e pode avançar nada, exceto o que concorda com a sua natureza, é digno de Deus e útil para você, para a glória do seu nome, e para a união de todos nós juntos no Senhor. Eu oro e suplico a vocês também, meus mais excelentes e corteses ouvintes, que vocês me escutem, agora quando eu estou começando a falar sobre o Autor, e o Fim da Teologia, com o mesmo grau de bondade e atenção que você evidenciado quando você ouviu meu discurso anterior sobre o seu objeto.

Estando a ponto de tratar do Autor, não reunirei os longos relatórios de seus merecidos louvores, pois para você isso é desnecessário. Eu apenas declararei (1.) Quem é o Autor; (2) Em que ponto ele deve ser considerado; (3) Quais de suas propriedades foram empregadas por ele na revelação da teologia; e (4) De que maneira ele fez conhecido.

I. Nós consideramos o Objeto da Teologia em relação a dois detalhes. E que cada parte do nosso assunto pode responder correta e exatamente ao outro, podemos também considerar seu Autor em um duplo respeito - o da Teologia Legal e da Teologia Evangélica. Em ambos os casos, a mesma pessoa é o Autor e o Objeto, e a pessoa que revela a doutrina é igualmente sua matéria e argumento. Essa é uma peculiaridade que não pertence a nenhuma das numerosas ciências. Pois, embora todos possam gabar-se de Deus, como seu Autor, porque ele é um Deus de conhecimento; no entanto, como vimos, eles têm algum outro objeto além de Deus, algo que de fato é derivado dele e de sua produção. Mas eles não participam de Deus como sua causa eficiente, de maneira igual a essa doutrina, que, por uma razão particular, e totalmente distinta da das outras ciências, reivindica Deus, seu Autor. Deus, portanto, é o autor da Teologia Legal; Deus e seu Cristo, ou Deus em e através de Cristo, é o Autor daquilo que é evangélico. Pois a isso as escrituras testificam, e assim a própria natureza do objeto requer, ambas as quais demonstraremos separadamente.

1. A Escritura descreve para nós o Autor da teologia jurídica antes da queda nestas palavras: "E o Senhor Deus ordenou ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do bem". mal, não comerás dela:" (Gênesis 2. 16, 17). Uma ameaça foi adicionada em palavras expressas, no caso de o homem transgredir, e uma promessa, no tipo da árvore da vida, se ele cumpriu o comando. Mas há duas coisas que, como elas antecederam este ato legislativo, deveriam ter sido previamente conhecidas pelo homem: (1) A natureza de Deus, que é sábia, boa, justa e poderosa; (2) A autoridade pela qual ele emite seus comandos, o direito dos quais se baseia no ato de criação. De ambos estes, o homem tinha um conhecimento prévio, da manifestação de Deus, que familiarmente conversou com ele, e manteve comunicação com a sua própria imagem através daquele Espírito por cuja inspiração ele disse: "Isto é agora osso dos meus ossos, e carne de minha carne". (Gênesis 2. 23) O apóstolo atribuiu o conhecimento de ambas as coisas à fé e, portanto, à manifestação de Deus. Ele fala do primeiro com estas palavras: "Pois aquele que vem a Deus deve ter acreditado (assim como eu o compreendo) que ele é e que é galardoador dos que o buscam diligentemente". (Hebreus 11. 6). Portanto, se é um recompensador, ele é um sábio, bom, justo, poderoso e providente guardião dos assuntos humanos. Deste último, ele fala assim: "Pela fé entendemos que o mundo foi moldado pela palavra de Deus, de modo que as coisas que são vistas não foram feitas de coisas que aparecem." (Hebreus 11. 3). E embora isso não seja expressamente e particularmente declarado da lei moral, no estado primitivo do homem; todavia, quando se afirma a lei típica e cerimonial, ela também deve ser entendida em referência à lei moral. Pois a lei típica e cerimonial era uma experiência de obediência à lei moral, que deveria ser julgada pelo homem, e o reconhecimento de sua obrigação de obedecer à lei moral. Isto aparece ainda mais evidentemente na repetição da lei moral por Moisés após a queda, que foi especialmente dada a conhecer ao povo de Israel nestas palavras: "E falou Deus todas estas palavras:" (Êxodo, 20, 1), e "Que nação há tão grande que tem estatutos e juízos tão justos como toda esta lei, que pus diante de vós neste dia" (Deuteronômio 4. 8). Mas Moisés colocou diante deles de acordo com a manifestação de Deus para com ele. e em obediência à sua ordem, como ele diz: "As coisas encobertas são do Senhor nosso Deus; mas as reveladas são para nós e para nossos filhos para sempre, para cumprirmos todas as palavras desta lei."  (Deuteronômio 39. 29.) E de acordo com Paulo: "Aquilo que de Deus se pode conhecer, está manifesto neles; porque Deus lhes mostrou isso". (Romanos 1. 19)

2. A mesma coisa é evidenciada pela natureza do objeto. Pois desde que Deus é o Autor do universo, (e isto, não por uma operação natural e interna, mas por uma que é voluntária e externa, e que transmite ao trabalho tanto quanto ele escolhe do seu próprio, e tanto quanto o nada, a partir do qual é produzido, permitirá que sua excelência e dignidade excedam necessariamente a capacidade do universo e, pela mesma razão, a do homem. Por causa disso, ele é dito nas escrituras: "habitar na luz à qual nenhum homem pode se aproximar", (1 Timóteo 16: 16), que aguça até mesmo a visão mais aguda de qualquer criatura, por um brilho tão grande e deslumbrante, que o olho é embotado e sobrecarregado, e logo seria cegado a menos que Deus, por algum processo admirável de tentar aquela chama de luz, se oferecesse à visão de suas criaturas: Esta é a própria manifestação diante da qual a escuridão é dita. fixaram sua habitação.

Nem ele é sozinho inacessível, mas, como os céus são mais altos que a terra, assim são os seus caminhos mais altos que os nossos caminhos, e os seus pensamentos do que os nossos pensamentos. "(Isaías 9). As ações de Deus são chamadas" os caminhos de Deus", e a criação é especialmente chamada" o princípio do caminho de Deus" (Provérbios 8), pelo qual Deus começou, por assim dizer, a levantar-se e a sair do trono de sua majestade. Essas ações, portanto, não poderiam ter sido conhecidas e entendidas, da maneira pela qual é permitido conhecê-las e compreendê-las, exceto pela revelação de Deus, o que também foi indicado antes, no termo "fé" que o apóstolo Mas os pensamentos de Deus e sua vontade (tanto a vontade que ele deseja que seja feita por nós como a que ele resolveu fazer a nosso respeito) são de livre disposição, que é determinada pelo poder divino e liberdade inerente a si mesmo, e desde que ele, em tudo isto, chamado em ajuda de nenhum conselheiro, esses pensamentos e que vontade são de necessidade "insondável e passada descoberta" (Romanos 11. 33.) Destes, a teologia jurídica consiste; e como eles não poderiam ser conhecidos antes que a revelação deles procedesse de Deus, está evidentemente provado que Deus é o seu Autor.

Para esta verdade todas as nações e pessoas assentem. O que compeliu Radamanto e Minos, aqueles reis mais justos de Creta, a entrar na caverna escura de Júpiter, e fingir que as leis que eles promulgaram entre seus súditos, foram trazidas daquela caverna, na inspiração da Deidade? Era porque sabiam que essas leis não se reuniriam com a recepção geral, a menos que se acreditasse que elas tivessem sido divinamente comunicadas. Antes de Licurgo iniciar o trabalho de legislação para seus lacedemônios, imitando o exemplo desses dois reis, ele foi para Apolo em Delphos, para que pudesse, em seu retorno, conferir às suas leis a mais alta recomendação por meio da autoridade do Oráculo Délfico. Para induzir as mentes ferozes do povo romano a se submeter à religião, Numa Pompilius fingiu ter tido encontros noturnos com a deusa Egéria. Esses eram testemunhos positivos e evidentes de uma noção que preocupara a mente dos homens: "que nenhuma religião, exceto uma de origem divina, e derivando seus princípios do céu, merecia ser recebida". Tal verdade eles consideravam isto, "que ninguém poderia conhecer Deus, ou qualquer coisa concernente a Deus, exceto através do próprio Deus".

2. Vamos agora olhar para a Teologia Evangélica. Fizemos o Autor dele ser Cristo e Deus, ao comando das mesmas escrituras que estabelecem as reivindicações divinas da Teologia Legal, e porque a natureza do objeto requer isso com a maior justiça, na proporção em que esse objeto é o mais profundamente escondido no abismo da sabedoria divina, e como a mente humana é mais cercada e envolvida com as sombras da ignorância.

(1.) Excessivamente numerosas são as passagens das escrituras que servem para nos ajudar e fortalecer nessa opinião. Enumeraremos alguns deles: Primeiro, aqueles que atribuem a manifestação dessa doutrina a Deus Pai; Então, aqueles que atribuem a Cristo. "Mas nós", diz o apóstolo, "fala a sabedoria de Deus em um mistério, sim, a sabedoria oculta, que Deus ordenou perante o mundo para nossa glória. Mas Deus nos revelou pelo seu Espírito." (1 Coríntios 11. 7, 10) O mesmo apóstolo diz: "O evangelho e a pregação de Jesus Cristo, segundo a revelação do mistério, que foi mantida em segredo desde o princípio do mundo, mas agora é manifestada pelo escrituras dos profetas, de acordo com o mandamento do Deus eterno". (Romanos 16. 25, 26) Quando Pedro fez uma correta e justa confissão de Cristo, foi dito a ele pelo salvador: "Carne e sangue não te revelou, mas meu Pai, que está nos céus." (Mateus 16. 17.) João Batista atribuiu o mesmo a Cristo, dizendo: "O Filho unigênito, que está no seio do Pai, ele nos declarou Deus". (João 18). Cristo também atribuiu essa manifestação a si mesmo com estas palavras: "Ninguém conhece o Filho senão o Pai; nem conhece homem algum o Pai, salvo o Filho, e aquele a quem o Filho o revelar". (Mateus 11. 27) E, em outro lugar, "manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo, e eles acreditaram que tu me enviaste." (João 17. 6, 8)
(2) Vamos considerar a necessidade desta manifestação da natureza de seu objeto.

Isto é indicado por Cristo ao falar da Teologia Evangélica, nestas palavras: "Ninguém conhece o Filho senão o Pai; nem conhece homem algum o Pai, exceto o Filho". (Mateus 11. 27) Portanto, nenhum homem pode revelar o Pai ou o Filho, e no entanto, no conhecimento deles, estão contidas as boas novas do evangelho. O Batista é um assertor da necessidade desta manifestação quando declara que "Nenhum homem viu Deus a qualquer momento". (João 1. 18). É a sabedoria pertencente a esta teologia, que é dito pelo apóstolo para ser "escondido em um mistério, que nenhum dos príncipes deste mundo sabia, e que olho não viu, nem ouvido ouvido nem entrou no coração do homem. (1 Coríntios 11. 7, 8, 9.) Ela não vem ao conhecimento do entendimento, e não é misturada, por assim dizer, com as primeiras noções ou idéias impressas na mente no período de sua criação; não é adquirido em conversação ou raciocínio; mas é dado a conhecer "nas palavras que o Espírito Santo ensina". A esta teologia pertence "aquela sabedoria múltipla de Deus que deve ser tornada conhecida pela Igreja pelos principados e potestades nos lugares celestiais" (Efésios 3. 10), caso contrário, permaneceria desconhecida até para os próprios anjos. O que! São as coisas profundas de Deus "que nenhum homem conhece senão o Espírito de Deus que está em si mesmo", explicado por esta doutrina? Desdobra-se também "o comprimento, a largura, a profundidade e a altura" da sabedoria de Deus? Como o Apóstolo fala em outra passagem, num tom da mais apaixonada admiração, e quase em falta, que palavras empregar em expressar a plenitude desta Teologia, na qual são propostos, como objetos de descoberta, "o amor de Cristo que passa o conhecimento e a paz de Deus, que excede todo o entendimento. (Efésios 3. 18). Dessas passagens, evidentemente, parece que o Objeto da Teologia Evangélica deve ter sido revelado por Deus e por Cristo, ou deveria permanecer oculto e cercado por trevas perpétuas; ou, (o que é a mesma coisa) que a Teologia Evangélica não teria estado dentro do alcance de nosso conhecimento e, por conta disso, como conseqüência necessária, não poderia haver nenhuma.

Se for uma ocupação agradável para qualquer pessoa, (e tal deve sempre provar), olhar de maneira mais metódica e distinta através de cada parte, deixe-a lançar os olhos de sua mente sobre as propriedades da Natureza Divina que esta Teologia exibe, vestida em seu próprio modo apropriado; que ele considere as ações de Deus que esta doutrina traz à luz, e que a vontade de Deus que ele revelou em seu evangelho: Quando ele fez isso, (e de muito mais do que isso, o assunto é digno), ele será mais distintamente compreender a necessidade da manifestação Divina.

Se alguém adotasse um método compendioso, pensasse apenas em Cristo; e quando ele diligentemente observou aquela admirável união da Palavra e da Carne, sua investidura no cargo e a maneira pela qual seus deveres foram executados; quando ele ao mesmo tempo refletiu, que o conjunto destes arranjos e procedimentos são em consequência da economia voluntária, regulação e livre dispensação de Deus; ele não pode evitar professar abertamente que o conhecimento de todas essas coisas não poderia ter sido obtido senão por meio da revelação de Deus e de Cristo.

Mas, para que alguém não tenha ocasião, a partir das observações que fizemos agora, de considerar uma suspeita ou erro injustos, como se só Deus, o Pai, excluindo o Filho, fosse o Autor da doutrina legal, e o Pai por meio do Filho, o autor da doutrina evangélica - algumas observações devem ser acrescentadas, que podem servir para resolver essa dificuldade, além de ilustrar a questão de nosso discurso. Como Deus, por sua Palavra (que é seu próprio Filho) e por seu Espírito, criou todas as coisas e o homem de acordo com a imagem de si mesmo, é igualmente certo que nenhuma relação pode ocorrer entre ele e o homem, sem a agência do Filho e do Espírito Santo. Como isso é possível, uma vez que os trabalhos ad extra da Divindade são indivisíveis, e quando a ordem de operação ad extra é a mesma que a ordem de procissão ad intra? Não excluímos, portanto, de modo algum, o Filho como a Palavra do Pai e o Espírito Santo, que é "o Espírito de Profecia", da eficiência desta revelação.

Mas há outra consideração na manifestação do evangelho, não na verdade com respeito às pessoas que testificam, mas em relação à maneira pela qual elas são consideradas. Pois o Pai, o Filho e o Espírito Santo têm não apenas uma relação natural entre si, mas uma outra coisa que deriva da vontade; no entanto, este último concorda inteiramente com a relação natural que subsiste entre eles. Há uma procissão interna nas pessoas; e existe um externo, que é chamado nas escrituras e nos escritos do Pai, pelo nome de "Missão" ou "envio". Para este último modo de procissão, deve-se ter especial consideração nesta revelação. Para o Pai manifesta o Evangelho através do seu Filho e Espírito. (I.) Ele manifesta através do Filho, quanto ao seu ser, enviado com a finalidade de realizar o ofício de Mediador entre Deus e homens pecadores; quanto ao seu ser o Verbo feito carne, e Deus manifestado na carne; e quanto a ele ter morrido, e a ser ressuscitado para a vida, quer isso tenha sido feito na realidade, ou apenas no decreto e presciência de Deus. (II.) Ele também manifesta através do seu Espírito, como sendo o Espírito de Cristo, a quem ele pediu ao seu Pai pela sua paixão e morte, e quem ele obteve quando ressuscitou dos mortos, e colocou no mão direita do pai.

Acho que você entenderá a distinção que imagino empregada aqui: darei a você a oportunidade de examiná-lo e comprová-lo, acrescentando as passagens mais claras das escrituras para nos ajudar a confirmá-lo. (I.) "Todas as coisas", disse Cristo, "foram entregues a mim de meu Pai; e ninguém conhece o Filho senão o Pai; nem conhece homem algum o Pai, senão o Filho". (Mateus 11. 27) Eles foram entregues pelo Pai, para ele como o Mediador, "em quem era seu prazer que toda plenitude habitasse". (Colossenses 1:19. Veja também 2, 9). No mesmo sentido deve ser entendido o que Cristo diz em João: "Eu lhes dei as palavras que tu me deste"; porque é certo que eles saíram de ti e creram que tu me enviaste. (17, 8.) A partir daí, parece que o Pai tinha dado essas palavras a ele como o Mediador: em que conta ele diz, em outro lugar, "Aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus". (João 3:34.) Com isso, o dito do Batista concorda: "A lei foi dada por Moisés, mas a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo". (João 17). Mas em referência a ele se opor a Moisés, que acusa e condena os pecadores, Cristo é considerado como o Mediador entre Deus e os pecadores. A seguinte passagem tende ao mesmo ponto: "Nenhum homem jamais viu Deus em nenhum momento: o Filho unigênito que está no seio do Pai" [isto é, "admitiu", em sua capacidade de Mediador, ao íntimo e visão confidencial e conhecimento dos segredos de seu Pai, "ele o declarou:" (João 1:18). "Porque o Pai ama o Filho e entregou todas as coisas em sua mão"; (João 3: 35) e, entre as coisas assim dadas, estava a doutrina do evangelho, que ele deveria expor e declarar a outros, por ordem de Deus Pai. E em toda revelação que nos foi feita através de Cristo, aquela expressão que ocorre no começo do Apocalipse de São João é válida e é da maior validade: "A revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu, para mostrou aos seus servos". Deus manifestou, portanto, a Teologia Evangélica através do seu Filho, em referência ao seu envio pelo Pai, para executar entre os homens, e em seu nome, o ofício de Mediador.

(II.) Do Espírito Santo, a mesma escritura testifica que, como o Espírito de Cristo, o Mediador, que é a cabeça de sua igreja, ele revelou o Evangelho. "Cristo, pelo Espírito", diz Pedro, "foi e pregou aos espíritos na prisão". (1 Pedro 3. 19) E o que ele pregou? Arrependimento. Isto, portanto, foi feito através de seu Espírito, em sua capacidade de Mediador, pois, somente neste aspecto, o Espírito de Deus exorta ao arrependimento. Isto aparece mais claramente do Mesmo Apóstolo: "Dos quais a salvação os profetas inquiriram e procuraram diligentemente, os quais profetizaram sobre a graça que virá a vós: pesquisando o que, ou que tipo de tempo, o Espírito de Cristo que neles havia significa, quando testificou de antemão os sofrimentos de Cristo e a glória que deve seguir. " E este foi o Espírito de Cristo em seu caráter de Mediador e cabeça da Igreja, que o próprio objeto do testemunho predito por ele suficientemente evidencia. Uma passagem posterior exclui toda dúvida; porque o evangelho é dito nele, para ser pregado pelo Espírito Santo enviado do céu. "(1 Pedro 1:12). Porque ele foi enviado por Cristo quando foi elevado à destra de Deus, como é mencionado no segundo capítulo dos Atos dos Apóstolos, que passagem também faz para o nosso propósito, e por essa razão merece ter o seu significado justo aqui apreciado.Esta é a sua fraseologia, "Portanto, sendo pela destra de Deus exaltado e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, ele derramou isto, o qual vós agora vedes e ouvis.” (Atos 2:33.) Pois foi pelo Espírito que os Apóstolos profetizaram e falaram em diversas línguas. Estas passagens podem ser suficientes, mas eu não posso omitir aquela sentença mais nobre proferida por Cristo para consolar a mente de seus discípulos, que estavam sofrendo por causa de sua partida: "Se eu não for embora o Consolador [ou melhor," o Advogado, que, em meu lugar, cumprirá o ofício vicário, "como Tertuliano se expressa;] Se eu não for longe, o Consolador não virá até você; mas se eu partir, eu o enviarei para vós. E quando ele vier, ele reprovará o mundo, etc. (João 16. 7, 8) Ele me glorificará: Ele o receberá, e o anunciará a você. "Cristo, portanto, como Mediador", o enviará ", e ele" receberá aquilo que pertence a Cristo, o Mediador. Ele glorificará Cristo, "como constituído por Deus, o Mediador e a Cabeça da Igreja; e ele o glorificará com aquela glória que, de acordo com o décimo sétimo capítulo do Evangelho de São João, Cristo julgou necessário pedir ao seu Pai Essa passagem traz outro à minha lembrança, que pode ser chamado de seu paralelo no mérito: João diz: "O Espírito Santo ainda não foi dado; porque esse Jesus ainda não foi glorificado." (7, 39.) Esta observação não era para ser entendida da pessoa do Espírito, mas de seus dons, e especialmente da profecia. Mas Cristo foi glorificado em qualidade de Mediador: e nessa glorificada capacidade ele envia o Espírito Santo, portanto, o Espírito Santo foi enviado por Cristo como o Mediador. Também neste relato, o Espírito de Cristo, o Mediador, é o Autor da Profecia Evangélica, mas o Espírito Santo foi enviado, mesmo antes a glorificação de Cristo, para revelar o Evangelho. O estado existente da Igreja exigia naquele período, e o Espírito Santo foi enviado para satisfazer essa necessidade. "Cristo é igualmente o mesmo ontem, hoje e para sempre" (Hebreus 13). 8) Ele também foi "morto desde a fundação do mundo" (Apocalipse 17: 8) e foi, portanto, ao mesmo tempo ressuscitado e glorificado, mas tudo isso estava no decreto e no conhecimento prévio. Para tornar evidente, no entanto, que Deus nunca enviou o Espírito Santo para a Igreja, ex Por meio da ação de Cristo, o Mediador, e em relação a ele, Deus adiou a abundante e exuberante efusão de seus mais copiosos presentes, até que Cristo, após sua exaltação ao céu, deveria mandá-los para baixo em uma comunicação da maior abundância. Assim, ele testificou por uma prova clara e evidente, que ele havia derramado anteriormente os dons do Espírito sobre a Igreja, pela mesma pessoa, como ele por quem, (quando através de sua ascensão a nuvem densa e sobrecarregada de água sobre os céus tinha sido distribuído), ele derramou os chuveiros mais abundantes de suas graças, inundando e espalhando todo o corpo da Igreja.

III. Mas a revelação da Teologia Evangélica é atribuída a Cristo em relação à sua Mediação, e ao Espírito Santo em relação a ele ser o substituto nomeado e Advogado de Cristo, o Mediador. Isto é feito de forma mais consistente e por uma razão muito justa, tanto porque Cristo, como Mediador, é colocado para o trabalho de base desta doutrina, e porque no dever de mediação essas ações deviam ser realizadas, aqueles sofrimentos perduraram, e aqueles bênçãos pedidas e obtidas, que completam uma boa parte dos assuntos que são revelados no evangelho de Cristo. Não é de admirar, portanto, que Cristo a esse respeito (no qual ele mesmo é o objeto do evangelho) também deva ser o revelador disso, e a pessoa que pede e obtém todas as graças evangélicas, e que é ao mesmo tempo o Senhor. deles e do comunicador. E uma vez que o Espírito de Cristo, nosso Mediador e nossa cabeça, é o elo de nossa união com Cristo, da qual também obtemos comunhão com Cristo e uma participação em todas as suas bênçãos - é justo e razoável que, a respeito que acabamos de mencionar, Cristo deve revelar a nossas mentes e selar em nossos corações a carta evangélica e a evidência da fé pela qual ele habita em nossos corações. A consideração deste assunto nos mostra (1) a causa por que é possível que Deus se contenha com tamanha tolerância, paciência e longo sofrimento, até que o evangelho seja obedecido por aqueles a quem é pregado; e (2) oferece grande consolo à nossa ignorância e enfermidades.

Eu penso, meus ouvintes, você percebe que esta visão única não acrescenta um pequeno grau de dignidade à nossa Teologia Evangélica, além daquilo que ela possui da consideração comum de seu Autor. Se nos for permitido considerar melhor que sabedoria, bondade e poder Deus despendeu quando instituiu e revelou esta Teologia, isso dará grande importância à nossa proposição. De fato, todos os tipos de ciências têm sua origem na sabedoria de Deus e são comunicadas aos homens por sua bondade e poder. Mas, se for seu direito (como indubitavelmente é) designar gradações no exercício externo de suas propriedades divinas, diremos que todas as outras ciências, exceto esta, surgiram de uma sabedoria inferior de Deus e foram revelado por um grau menor de bondade e poder. É apropriado estimar esse assunto de acordo com a excelência de seu objeto. Como a sabedoria de Deus, pela qual ele conhece a si mesmo, é maior do que aquela pela qual ele conhece outras coisas; assim, a sabedoria empregada por ele na manifestação de si mesmo é maior do que a empregada na manifestação de outras coisas. A bondade com a qual ele se permite ser conhecido e reconhecido pelo homem como seu Chefe Bom é maior do que aquela pela qual ele transmite o conhecimento de outras coisas. O poder também, pelo qual a natureza é elevada ao conhecimento de coisas sobrenaturais, é maior do que aquele pelo qual é levado a investigar coisas que são da mesma espécie e origem consigo mesmo. Portanto, embora todas as ciências possam se orgulhar de Deus como seu autor, ainda assim, nessas particularidades, a Teologia, elevando-se acima do todo, as deixa a uma distância imensa.

Mas, como essa consideração eleva a dignidade da teologia, em geral muito acima de todas as outras ciências, também demonstra que o evangélico ultrapassa de longe a teologia jurídica; em que ponto podemos nos permitir, com sua boa licença, morar um pouco. A sabedoria, a bondade e o poder, pelo qual Deus fez o homem, a partir de sua própria imagem, consistir de uma alma racional e um corpo, são grandes e constituem as reivindicações de precedência por parte da Teologia Jurídica. Mas a sabedoria, bondade e poder, pelo qual "o Verbo se fez carne" (João 1:14) e Deus se manifestou na carne "(1 Timóteo 3:16) e pelo qual ele" foi na forma de Deus tomou sobre si a forma de um servo ", (Filipenses 2. 7) são ainda maiores, e são as reivindicações pelas quais a Teologia Evangélica afirma o seu direito à precedência. A sabedoria e bondade, pela operação da qual o poder de Deus foi revelado à salvação, são grandes, mas aquilo pelo qual é revelado "o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê" (Romanos 2: 16) excede em muito esse poder. a sabedoria e a bondade pelas quais a justiça de Deus pela lei se manifesta", e pela qual a justificação da lei era atribuída a dívidas para perfeita obediência; mas eles são infinitamente superados pela sabedoria e bondade através da qual a justiça de Deus pela fé é manifestada, e através do qual é determinado que o homem é justificado "que não funciona, mas [sendo um pecador], acredita naquele que justifica a ímpio ", de acordo com as mais gloriosas riquezas da sua graça. Notáveis ​​e excelentes eram a sabedoria e a bondade que indicavam o modo de união com Deus na justiça legal, realizada de acordo com a imagem de Deus, após a qual o homem foi criado. Mas um triunfo solene e substancial é alcançado através da fé no sangue de Cristo pela sabedoria e bondade, que, tendo planejado e executado o maravilhoso método de qualificar a justiça e a misericórdia, indicam o modo de união em Cristo e em sua justiça " é o brilho da glória de seu Pai e a imagem expressa de sua pessoa". (Hebreus 1. 3). Por fim, é a sabedoria, a bondade e o poder que, da escuridão mais densa da ignorância, produziu a maravilhosa luz do evangelho; que, de uma infinita multidão de pecados, trouxe a justiça eterna; e que, da morte e das profundezas do inferno, "trouxe vida e imortalidade à luz". A sabedoria, bondade e poder que produziram estes efeitos, excedem aqueles em que a luz é adicionada à luz, a justiça que é recompensada por uma devida recompensa, e a vida animal que é regulada de acordo com a piedade pelo mandamento da lei. são cada um deles engolidos e consumados naquilo que é espiritual e eterno.

Uma consideração mais profunda deste assunto quase me leva a adotar uma ousadia mais confiante, e a dar à sabedoria, bondade e poder de Deus, que são revelados na Teologia Legal, o título de Natural", e como em certo sentido o começo de a saída de Deus para a sua imagem, que é o homem, e um começo do intercurso Divino com Ele. Os outros, que são manifestados no evangelho, eu destemidamente chamam de “sabedoria sobrenatural, poder e bondade”, e “o ponto extremo e a conclusão perfeita de toda a revelação; "porque na manifestação desta última, Deus parece ter se superado, e ter desdobrado cada uma de suas bênçãos. Admirável era a bondade de Deus, e a mais estupenda de sua condescendência em admitir o homem à A comunhão mais íntima consigo mesmo - um privilégio cheio de graça e misericórdia, depois que seus pecados o tornaram indigno de ter o estabelecimento de tal intercurso - mas isso era exigido pela condição infeliz e miserável do homem, que Através de sua maior indignidade tornou-se o mais indigente, através de sua cegueira mais profunda necessária iluminação por uma luz mais forte, através de sua maldade mais grave exigiu reforma por meio de uma bondade mais extensa, e quem, o mais fraco ele se tornou, precisava de um esforço mais forte de poder para sua restauração e estabelecimento. É também uma circunstância feliz, que nenhuma aberração nossa pode ser tão grande, a ponto de impedir que Deus nos remeta ao bom caminho; nenhuma queda tão profunda, a ponto de impedi-lo de nos erguer e nos fazer ficar de pé; e nenhum mal nosso pode ser de tal magnitude, a ponto de provar uma conquista difícil para sua bondade, desde que seja seu prazer colocar o todo em movimento; e isso ele realmente fará, contanto que nossa ignorância e fraquezas sejam corrigidas por sua luz e poder, e nossa maldade seja subjugada por sua bondade.

IV. Vimos que (1) Deus é o Autor da Teologia Legal; e Deus e seu Cristo, o da Teologia Evangélica. Nós vimos ao mesmo tempo (2.) em que respeito Deus e Cristo devem ser vistos em tornar conhecida essa revelação, e (3.) de acordo com as propriedades da Natureza Divina de ambos eles foram aperfeiçoados.

Vamos agora apenas olhar para o caminho. A maneira da manifestação Divina parece ser tripla, de acordo com os três instrumentos ou órgãos de nossa capacidade. (1.) Os Sentidos Externos, (2.) A Fantasia ou Imaginação Interna, e (3.) A Mente ou Entendimento. Deus às vezes revela a si mesmo e a sua vontade por meio de uma imagem ou representação oferecida à visão externa, ou através de uma fala audível ou discurso dirigido ao ouvido. Às vezes ele se apresenta pelo mesmo método à imaginação; e às vezes ele aborda a mente de uma maneira inefável, que é chamada inspiração. De todos esses modos, a escritura mais claramente nos fornece exemplos luminosos. Mas o tempo não me permitirá ser detido em enumerá-los, para que eu não pareça ainda mais tedioso para essa assembléia mais realizada.


O FIM DA TEOLOGIA

Nós estivemos engajados em ver o Autor: vamos anunciar agora ao Fim. Este é o mais eminente e divino de acordo com a maior excelência da matéria de que é o fim. Sob essa luz, portanto, essa ciência é muito mais ilustre e transcendente que todas as outras; porque só ele tem uma relação com a vida que é espiritual e sobrenatural, e tem um Fim além dos limites da vida presente: enquanto todas as outras ciências têm respeito a esta vida animal, e cada uma tem um Fim proposto a si mesmo, centro desta vida terrena e incluído em sua circunferência. Dessa ciência, então, pode-se dizer verdadeiramente o que o poeta declarou a respeito de seu sábio amigo: "Somente para essas coisas ele sente prazer, o resto como sombras voam". Repito: "eles voam para longe", a menos que sejam referidos a essa ciência, e fixem firmemente o pé sobre ele e fiquem em repouso. Mas a mesma pessoa que é o Autor e o Objeto, também é o Fim da Teologia. A própria proporção e analogia dessas coisas tornam tal conexão necessária. Pois desde que o Autor é o Primeiro e o Ser Principal, é por necessidade que ele seja o Primeiro e o Chefe do Bem. Ele é, portanto, o extremo fim de todas as coisas. E como Ele, o Ser Principal e o Chefe Bom, sujeita, abaixa e se espalha, como um objeto para algum poder ou faculdade de uma criatura racional, que por sua ação ou movimento pode ser empregado e ocupado concernente a ele, não, que de certo modo possa estar unido a ele; não é possível que a criatura, depois de ter desempenhado o seu papel em relação a esse objeto, voe além dela e se estenda ainda mais em prol de adquirir um bem maior. É, portanto, necessariamente que ele se contenha dentro dele, não apenas dentro de um limite além do qual é impossível para ele passar em conta da infinitude do objeto e por causa de sua própria importância, mas também como dentro de sua Fim e seu Bem, além do qual, porque ambos são o Chefe de grau, não deseja nem é capaz de desejar nada; desde que este objeto esteja unido a ele, tanto quanto a capacidade da criatura admitir. Deus é, portanto, o fim de nossa teologia, proposto pelo próprio Deus, nos atos prescritos; pretendido pelo homem no desempenho dessas ações, e a ser concedido por Deus, depois que o homem tenha cumprido piamente e religiosamente o seu dever. Mas como o bem principal não foi colocado na promessa dele, nem no desejo de obtê-lo, mas na verdade recebê-lo, o fim da Teologia pode, com a máxima propriedade, ser chamado de UNIÃO DE DEUS COM O HOMEM.

Mas não é uma união Essencial, como se duas essências (por exemplo, a de Deus e o homem) estivessem compactadas juntas ou unidas a uma, ou como aquela pela qual o homem pudesse ser absorvido em Deus. O primeiro desses modos de união é proibido pela própria natureza das coisas tão unidas, e o último é rejeitado pela natureza do sindicato. Tampouco é uma união formal, como se Deus, por essa união, pudesse ser feito na forma de homem, como um Espírito unido a um corpo lhe conferindo vida e movimento, e atuando sobre ele com prazer, embora residindo no corpo. deve conferir ao homem o dom da vida eterna. Mas é uma união objetiva pela qual Deus, através da ação de suas faculdades e ações pré-eminentes e mais fiéis (todas as quais ele ocupa totalmente e preenche completamente), dá provas convincentes de si mesmo ao homem, para que Deus possa então ser dito "tudo em todos". (1 Coríntios 15. 21.) Essa união é imediata e sem qualquer laço que seja diferente dos próprios limites. Pois Deus se une ao entendimento e à vontade de sua criatura, por meio de si mesmo, e sem a intervenção da imagem, espécie ou aparência. Isto é o que a natureza desta última e suprema união requer, como sendo aquela em que consiste o Bem Chefe de uma criatura racional, que não pode encontrar descanso exceto na maior união de si com Deus. Mas por esta união, o entendimento contempla a visão mais clara, e como se "face a face", o próprio Deus, e toda a sua bondade e beleza incomparável. E porque um bem de tal magnitude e conhecido pela visão mais clara não pode deixar de ser amado por conta própria; a partir dessa consideração, a vontade abraça-a com um amor mais intenso, proporcionalmente ao maior grau de conhecimento dela que a mente obteve.

Mas aqui se apresenta uma dificuldade dupla, que deve primeiro ser removida, a fim de que nossos pés possam, depois, sem tropeçar, percorrer um caminho que parecerá liso e ter sido, por algum tempo, bem trilhado. (1) Um é: "Como pode ser que o olho do entendimento humano não se torne obscuro e obscurecido quando um objeto de tal luz transcendente é apresentado a ele?" (2)

A outra é: "Como pode o entendimento, embora seu olho não seja obscuro e cego, receber e conter esse objeto em tão grande medida e proporção?" A causa do primeiro é que a luz se exibe ao entendimento não na infinitude de sua própria natureza, mas de uma forma qualificada e experimentada. E para que é assim acomodado? Não é para o entendimento? Indubitavelmente, para o entendimento; mas não de acordo com a capacidade que possuía antes da união: caso contrário, não poderia receber e conter tanto quanto fosse suficiente para preenchê-lo e torná-lo feliz. Mas é tentado, de acordo com a medida de sua extensão e ampliação, admitir que o entendimento é primorosamente formado, se for iluminado e irradiado pelo brilho gracioso e glorioso da luz acomodada a essa expansão. Se for assim iluminado, o olho do entendimento não será subjugado e tornar-se-á sombrio, e receberá esse objeto numa proporção tão vasta quanto a mais abundantemente suficiente para tornar o homem completamente feliz. Esta é uma solução para essas duas dificuldades. Mas uma extensão do entendimento será seguida por uma ampliação da vontade, seja de um objeto adequado e adequado oferecido a ela, seja acomodada à mesma regra; ou, (o que eu prefiro), do acordo nativo da vontade e do entendimento, e a analogia implantada em ambos, de acordo com a qual o entendimento se estende a atos de vontade, na própria proporção de seu entendimento e conhecimento. Neste ato da mente e vontade de ver um Deus presente, em amá-lo e, portanto, no gozo dele, a salvação do homem e sua perfeita felicidade consistem. A que se acrescenta a conformação do próprio corpo a este glorioso estado de alma, que, quer seja efetuado pela ação imediata de Deus sobre o corpo, quer por meio de uma ação resultante da ação da alma sobre o corpo, não é necessário que nós aqui perguntemos, nem neste momento descubramos. Daí também surge e brilha ilustre a principal e infinita glória de Deus, superando de longe todas as outras glórias, que ele demonstrou em todas as funções precedentes que ele administrou. Pois desde que a ação é realmente grande e gloriosa que é boa, e desde que só a bondade obtém o título de "grandeza", de acordo com aquele elegante dito, para u mega então realmente a melhor ação de Deus é a maior e a mais gloriosa. Mas essa é a melhor ação pela qual ele se une imediatamente à criatura e se permite ser visto, amado e desfrutado em uma medida tão abundante quanto concorda com a criatura dilatada e expandida ao grau que mencionamos. Esta é, portanto, a mais gloriosa das ações de Deus. Portanto, o fim da teologia é a união, Deus com o homem, para a salvação de um e a glória do outro; e para a glória que ele declara pelo seu ato, não aquela glória que o homem atribui a Deus quando ele está unido a ele. No entanto, não pode ser de outra forma, que o homem deve ser incitado a cantar para sempre os altos louvores a Deus, quando contempla e desfruta de uma bondade tão grande e avassaladora.

Mas as observações que fizemos até agora sobre o Fim da Teologia foram acomodadas à maneira daquilo que é legal. Devemos agora considerar o fim como é proposto à teologia evangélica. O fim disto é (1) Deus e Cristo, (2) a união do homem com ambos, e (3) a visão e fruição de ambos, para a glória tanto de Cristo quanto de Deus. Em cada um desses detalhes, temos algumas observações a serem feitas a partir das escrituras e que concordam e são mais adequadas à doutrina evangélica.

Mas antes de entrarmos nessas observações, devemos mostrar que a salvação do homem, para a glória do próprio Cristo, consiste também no amor, na visão e na fruição de Cristo. Há uma passagem no décimo quinto capítulo da primeira Epístola do Apóstolo Paulo aos Coríntios, que impõe essa necessidade sobre nós, porque parece excluir Cristo dessa consideração. Pois naquele lugar o apóstolo diz: "Quando Cristo entregar o reino a Deus, o Pai, então, o mesmo Filho se sujeitará a ele, para que Deus seja tudo em todos." (1 Coríntios 16:24). A partir desta passagem, três dificuldades são levantadas, as quais devem ser removidas por uma explicação apropriada. São eles: (1.) "Se Cristo 'entregar o reino a Deus, o Pai', ele não reinará mais em pessoa." (2) "Se ele 'estiver sujeito ao Pai', ele não presidirá mais a sua Igreja:" e (3) "Se 'Deus será tudo em todos', então a nossa salvação não é colocada na união, visão e fruição dele". Eu vou dar uma resposta separada para cada uma dessas objeções. O reino de Cristo abrange dois objetos: a função mediatoria do ofício real e a glória régia: a função real será colocada de lado, porque não haverá necessidade ou uso para ela, mas a glória real permanecerá porque foi obtido pelos atos do Mediador, e foi conferido a ele pelo Pai de acordo com o pacto. A mesma coisa é declarada pela expressão "deve ser sujeito", que aqui significa nada mais do que a deposição do poder super-eminente que Cristo recebeu do Pai, e que ele tinha, como vice-presidente do Pai, administrado no prazer de sua própria vontade: E, no entanto, quando ele tiver estabelecido esse poder, permanecerá, como veremos, a cabeça e o marido de sua Igreja. Essa sentença tem uma tendência similar na qual se diz: "Deus será TODO EM TODOS". Pois tira até a administração intermediária e delegada das criaturas que Deus está acostumado a usar na comunicação de seus benefícios; e indica que Deus, da mesma forma, imediatamente de si mesmo, comunica seu próprio bem, até a si mesmo, às suas criaturas. Portanto, sob a autoridade desta passagem, nada é tirado de Cristo, o que desejamos atribuir a ele neste discurso, de acordo com as escrituras.

Isto nós mostraremos agora por algumas passagens simples e apropriadas. Cristo promete uma união consigo mesmo nestas palavras: "Se alguém me ama, guardará as minhas palavras; e meu Pai o amará, e nós chegaremos a ele e faremos nossa morada com ele". (João 14. 23.) Eis uma promessa de bem: portanto, o bem da Igreja é igualmente colocado em união com Cristo; e uma morada é prometida, não admitindo a terminação pelos limites desta vida, mas que continuará para sempre, e por fim, quando esta curta vida terminar, seja consumado no céu. Em referência a isso, o apóstolo diz: "Desejo partir e estar com Cristo"; e o próprio Cristo diz: "Eu quero que aqueles que tu me deste, estejam comigo onde eu estou." (João 17. 24.) João diz que o fim do seu evangelho é: "que nossa comunhão seja com o Pai e o Filho"; (1 João 3, 3), no qual a comunhão da vida eterna deve necessariamente consistir, visto que em outro lugar ele explica o mesmo objetivo com estas palavras: "Mas estes estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo: e que, crendo, você pode ter vida através de seu nome". (João 20. 31) Mas, pelo significado do mesmo Apóstolo, parece que essa comunhão tem uma união anterior a si mesma. Estas são as suas palavras: "Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, permanecereis também no Filho e no Pai". (1 João 2. 24.) O que! Será que a união entre Cristo e sua Igreja cessará em um período em que ele colocará diante de sua visão gloriosa sua esposa santificada para si mesmo pelo seu próprio sangue? Longe seja a ideia de nós! Pois a união, que começou aqui na terra, será então consumada e aperfeiçoada.

Se alguém tiver dúvidas sobre a visão de Cristo, ouça a Cristo nesta declaração: "Aquele que me ama será amado por meu Pai; e eu o amarei e me manifestarei a ele". (João 21:21.) Será assim que ele se revelará apenas neste mundo? Vamos ouvir de novo Cristo quando ele intercede com o Pai pelos fiéis: "Pai, quero que também eles, que me tiveste, estejam onde eu estiver, para que vejam a minha glória que me deste. porque tu me amaste antes da fundação do mundo. (João 17. 34) Cristo, portanto, promete aos seus seguidores a visão de sua glória, como algo salutar para eles; e seu pai é solicitado a conceder esse favor. A mesma verdade é confirmada por João quando ele diz: "Então, vamos vê-lo como ele é". (1 João 3: 2) Essa passagem pode, sem qualquer impropriedade, ser entendida por Cristo e, no entanto, não excluir o Deus Pai. Mas o que nós desejamos mais distintamente do que aquele que Cristo pode se tornar, o que é dito que ele será, "a luz" que iluminará a cidade celestial, e em cuja luz "as nações andarão?" (Apocalipse 21. 23, 24)

Embora a fruição de Cristo seja suficientemente estabelecida pelas mesmas passagens pelas quais a visão dele é confirmada, ainda vamos ratificá-la por dois ou três outros. Como a felicidade eterna é chamada pelo nome de "a ceia do cordeiro", e é enfaticamente descrita por esse termo, "o casamento do Cordeiro", eu acho que é ensinado com clareza adequada nessas expressões, que a felicidade consiste no fruição ou gozo do Cordeiro. Mas o apóstolo, em seu apocalipse, atribuiu esses dois epítetos a Cristo, dizendo: "Sejamos alegres, regozijemo-nos e damos-lhe honra, pois as bodas do Cordeiro estão chegando, e sua esposa se aprontou: "(Apocalipse 19. 7), e um pouco depois, ele diz:" Bem-aventurados os que são chamados ao banquete do Cordeiro". (versículo 9.) Resta-nos tratar sobre a glória de Cristo, que é inculcada nessas numerosas passagens da Escritura nas quais se afirma que "ele se assenta com o Pai em seu trono", e é adorado e glorificado tanto por anjos e homens no céu.

Tendo terminado a prova dessas expressões, cuja verdade nós nos comprometemos a demonstrar, vamos agora cumprir nossa promessa de explicação e mostrar que todos e cada um desses benefícios descendem para nós de uma maneira peculiar e mais excelente, desde Teologia Evangélica, do que eles poderiam ter feito daquilo que é Legal, se por isso pudéssemos realmente ter sido feitos vivos.

2. E, para que possamos, em primeiro lugar, despachar o tema da União, deixe que as breves observações a respeito do casamento que acabamos de fazer sejam trazidas novamente à nossa lembrança. Pois essa palavra honra mais apropriadamente essa união e a adorna com um duplo e notável privilégio; uma parte da qual consiste em uma combinação mais profunda, a outra de um título mais glorioso. A Escritura fala assim da combinação mais profunda; "E os dois serão uma só carne. Este é um grande mistério: mas falo de Cristo e da igreja!" (Efésios 5. 31, 32). Portanto, será um laço conubial que unirá a Cristo com a igreja. Os desposamentos da igreja na terra são contraídos pela ação das noivas-homens de Cristo, que são os profetas, os apóstolos e seus sucessores, e particularmente o Espírito Santo, que é neste assunto um mediador e árbitro. A consumação seguirá então, quando Cristo introduzir seu cônjuge em sua câmara de noiva. De tal união surge, não apenas uma comunhão de bênçãos, mas uma comunhão prévia das próprias pessoas; do qual a posse de bênçãos é igualmente atribuída, por um título mais glorioso, àquele que está unido nos laços do matrimônio. A igreja entra em uma participação não apenas das bênçãos de Cristo, mas também de seu título. Pois, sendo a esposa do rei, ela gosta disso como um direito devido a ela ser chamada de rainha; qual título digno a escritura não retém dela. "À tua direita está a Rainha em ouro de Ofir:" (Salmos 15. 9). "Há três rainhas, quatro concubinas e virgens sem número." Minha pomba, minha imaculada, é apenas uma; ela é a única da mãe dela, ela é a escolha dela que a descobre. A filha a viu e a abençoou; sim, as rainhas e as concubinas; e eles a elogiaram.” (Cânticos 6. 8, 9.) A igreja não poderia ter sido elegível para a alta honra de tal união, a menos que Cristo tenha sido feito seu amado, seu irmão, chupando os peitos do mesma mãe". (Cânticos 8) Mas não teria havido necessidade para esta união, "se a justiça e a salvação tivessem vindo a nós pela lei". Essa era, portanto, uma necessidade feliz, que, por compaixão à emergência de nossa condição miserável, a condescendência divina melhorou em nosso benefício e encheu-se de tamanha plenitude de dignidade! Mas a maneira desta nossa união com Cristo não é um pequeno acréscimo àquela união que está prestes a acontecer entre nós e Deus o Pai. Isso será evidente para qualquer um que considere o que e quão grande é o vínculo de união mútua entre Cristo e o Pai.

3. Se voltarmos nossa atenção para a visão ou a visão, encontraremos dois personagens notáveis ​​que são peculiares à Teologia Evangélica.

(1) Em primeiro lugar, a glória de Deus, como se fosse acumulada e concentrada em um só corpo, será apresentada à nossa visão em Cristo Jesus; que a glória teria sido dispersada pelos tribunais mais espaçosos de um "imenso céu"; muito da mesma maneira que a luz, que foi criada no primeiro dia, e igualmente espalhada por todo o hemisfério, foi no quarto dia recolhida, unida e compactada em um só corpo, e oferecida aos olhos como um dos mais conspícuos e objeto brilhante. Em referência a isso, é dito no Apocalipse, que a Jerusalém celestial "não tinha necessidade do sol nem da lua; porque a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro será a futura luz dela" (Apocalipse 23, 23), como um veículo pelo qual esta mais deliciosa glória pode se difundir em imensidão.

(2) Nós devemos então não apenas contemplar, em Deus mesmo, as mais excelentes propriedades de sua natureza, mas também perceber que todas elas foram empregadas e dedicadas à aquisição deste bem para nós, que nós agora possuímos. na esperança, mas que na realidade, então, possuímos por meio dessa união e visão aberta.

A excelência, portanto, desta visão excede em muito a que poderia ter sido pela lei; e desta fonte surge uma fruição de maior abundância e mais doçura deliciosa. Pois, como a luz do sol é mais brilhante do que a das estrelas, assim é a visão do sol, quando o olho humano é capaz de suportá-lo, mais agradecido e aceitável, e o desfrute dele é muito mais agradável. De tal visão dos atributos Divinos, a mais deliciosa doçura da fruição parecerá ser duplicada. Pois o primeiro deleite surgirá da contemplação de propriedades tão excelentes; o outro da consideração daquela incomensurável condescendência com a qual agradou a Deus desdobrar todas aquelas suas propriedades, e todas aquelas bênçãos que ele possui no tesouro ilimitado e imensurável de suas riquezas, e dar esta explicação, para que ele possa obter a salvação para o homem e comunicá-lo à sua mais miserável criatura. Isto será então visto em uma luz tão forte, como se o todo daquilo que é essencialmente Deus parecesse existir apenas em benefício do homem e para seu benefício solo. Há também o acréscimo desta peculiaridade em relação a isso: "Jesus Cristo mudará nosso corpo vil, [o corpo de nossa humilhação], para que seja moldado como seu corpo glorioso: (Filipenses 3:21) e como nós Levamos a imagem do terreno [Adam], devemos também levar a imagem do celestial ". (1 Coríntios 15:49.) Por isso, todas as coisas são ditas novas em Cristo Jesus; (2 Corintios 5. 17), e estamos descritos nas escrituras como "olhando, de acordo com sua promessa, para novos céus e uma nova terra, (2 Pedro 3:13), e um novo nome escrito em um branco pedra, (Apocalipse 2. 17), o novo nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, que é a nova Jerusalém, (Apocalipse 3:12) e eles cantarão uma nova canção para Deus e seu Cristo para sempre." (Apocalipse 5. 9)

Quem não vê agora, quão grandemente a felicidade preparada para nós por Cristo, e nos ofereceu através da Teologia Evangélica, supera aquilo que teria chegado a nós pela “justiça da lei”, se de fato tivesse sido possível para nós cumprirmos? isto? Deveríamos, nesse caso, ter sido semelhantes aos anjos eleitos; mas agora seremos seus superiores, se me for permitido fazer tal declaração, para o louvor de Cristo e nosso Deus, neste celebrado Salão, e diante de uma assembléia, entre a qual temos alguns dos próprios espíritos mais abençoados como espectadores. Eles agora desfrutam da união com Deus e com Cristo, e provavelmente estarão mais unidos a ambos na época da "restituição de todas as coisas". Mas não haverá nada entre as duas partes semelhantes àquele Vínculo Conjugal que nos une, e no qual podemos nos permitir a glória.

Eles contemplarão o próprio Deus "face a face" e contemplarão as propriedades mais eminentes de sua natureza; mas eles verão algumas entre aquelas propriedades dedicadas ao propósito da salvação do homem, as quais Deus não desdobrou para o benefício delas, porque isso não era necessário; e que ele não teria desdobrado, mesmo que tivesse sido necessário. Essas coisas eles verão, mas não serão movidos pela inveja; será antes um assunto de admiração e admiração para eles, que Deus, o Criador de ambas as ordens, conferiu ao homem (que era inferior a eles na natureza) aquela dignidade que ele havia negado aos espíritos que partilhavam eles mesmos da mesma natureza. Eles contemplarão a Cristo, a mais brilhante e brilhante luz da cidade do Deus vivo, da qual eles também são habitantes: e, a partir desta mesma circunstância, sua felicidade será mais ilustrada por meio de Cristo. Cristo "não tomou sobre ele a natureza dos anjos, mas a semente de Abraão"; (Hebreus 2, 16), a quem também, nessa natureza assumida, eles apresentarão adoração e honra, sob o comando de Deus, quando ele introduzir seu primeiro gerado no mundo vindouro. Desse mundo futuro, e de suas bênçãos, eles também serão participantes: mas "não se sujeitará a eles" (Hebreus 2: 5), mas a Cristo e seus irmãos, que são participantes da mesma natureza. e são santificados por ele mesmo. Um espírito maligno, ainda da mesma ordem que os anjos, lançou contra Deus os crimes de falsidade e inveja. Mas vemos como Deus, em Cristo e na salvação, por meio dele, repeliu ambas as acusações de si mesmo. A falsidade indicava uma falta de vontade por parte de Deus de que o homem fosse reconciliado com ele, exceto pela intervenção da morte de seu Filho. Sua inveja foi animada, porque Deus havia ressuscitado o homem, não apenas para a felicidade angélica, (a qual mesmo aquele impuro teria obtido "ele guardou seu primeiro estado"), mas para um estado de bem-aventurança muito superior ao dos anjos.

Para que eu não seja ainda mais prolixo, deixo como assunto de reflexão para a devoção piedosa de suas meditações particulares, auditores mais talentosos, para estimar a vasta e surpreendente grandeza da glória de Deus que aqui se manifestou, e para calcule a glória que nos é devida por essa bondade transcendente.

Enquanto isso, que todos nós, por maior que seja nosso número, considere com uma mente devota e atenta, que dever é exigido de nós por esta doutrina, que tendo recebido sua manifestação de Deus e de Cristo, anuncia clara e plenamente a nós tal uma grande salvação e para a participação de que somos mais gentilmente convidados. Requer ser recebido, entendido, acreditado e cumprido, de fato e de fato. É digno de toda aceitação, por conta de seu Autor; e necessário ser recebido por conta de seu fim.

1. Sendo entregue por um Autor tão grande, é digno de ser recebido com uma mente humilde e submissa; ter muita diligência e cuidado conferido a um conhecimento e percepção dele; e não deixar de lado a mão, a mente ou o coração, até que tenhamos "obtido o Fim disso - A SALVAÇÃO DE NOSSAS ALMAS". Por que isso deveria ser feito? O Santo Deus abrirá a boca e os nossos ouvidos ficarão parados? Nosso Mestre Celestial deve estar disposto a comunicar instrução e nós nos recusamos a aprender? Deseja ele inspirar nossos corações com o conhecimento de sua Divina verdade, e nós, ao fechar a entrada em nossos corações, excluímos os sopros mais evidentes e suaves de seu Espírito? Será que Cristo, que é a sabedoria do Pai, nos anuncia o evangelho que ele trouxe do seio do Pai e desdenhamos escondê-lo nos mais profundos recantos do nosso coração? E devemos agir assim, especialmente quando recebemos este mandamento obrigatório do Pai, que diz: "Ouça-o!" (Mateus 17. 5), ao qual ele acrescentou uma ameaça, que "se não o ouvirmos, nossas almas serão destruídas do meio do povo" (Atos 3:23), isto é, da comunidade de Israel? Que nenhum de nós caia na comissão de uma ofensa tão hedionda! "Pois se a palavra falada pelos anjos permanecesse firme, e toda transgressão e desobediência recebesse uma justa recompensa de recompensa; como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande salvação, que no princípio começou a ser falada pelo Senhor, e foi confirmada para nós por aqueles que o ouviram, "(Hebreus 2:13, 3).

2. A todas as considerações precedentes, que o Fim desta doutrina seja acrescentado, e será da maior utilidade em impor isto o trabalho de persuasão em mentes que não são pródigas de seu próprio Bom e Chefe - um emprego no qual sua potência e excelência são mais aparentes. Reflitamos por que Deus nos tirou das trevas para essa luz maravilhosa; nos forneceu uma mente, compreensão e razão; e nos adornou com sua imagem. Deixe esta pergunta ser revolvida em nossas mentes, "Para que propósito ou Fim Deus restaurou os caídos ao seu estado primitivo de integridade, reconciliou os pecadores para si mesmo, e recebeu os inimigos em favor", e nós claramente descobriremos que tudo isto foi feito para que nos tornássemos participantes da salvação eterna e pudéssemos cantar louvores para ele para sempre. Mas não seremos capazes de aspirar depois deste fim, muito menos de alcançá-lo, exceto do modo indicado por essa Doutrina Teológica, que tem sido o tema de nosso discurso. Se nos desviarmos deste Fim, nossas peripécias se estenderão, não apenas além de toda a terra e mar, mas além do próprio céu - aquela cidade da qual, no entanto, é essencialmente necessário que sejamos feitos homens livres e tenhamos nossos nomes inscritos. entre os vivos. Essa doutrina é "a porta do céu" e a porta do paraíso; a escada de Jacó, pela qual Cristo desce a nós, e nós, por sua vez, ascenderemos a ele; e a corrente de ouro, que conecta o céu com a terra. Vamos entrar neste portão; subamos esta escada; e vamos nos apegar a essa corrente. Ampla e larga é a abertura do portão e facilmente admite crentes; a posição da escada é móvel e não permitirá que aqueles que sobem sejam abalados ou movidos; a união que une um elo com outro é indissolúvel e não permitirá que caiam nele, até chegarmos a "aquele que vive para todo o sempre", e são elevados ao trono do Altíssimo; até estarmos unidos ao Deus vivo e a Jesus Cristo, nosso Senhor, "o Filho do Altíssimo".

Mas em você, ó jovens escolhidos, esse cuidado é um dever peculiarmente incumbido; porque Deus te destinou a tornar-se "obreiro junto com ele", na manifestação do evangelho e instrumentos para administrar a salvação dos outros. Que a Majestade do Santo Autor de seus estudos e a necessidade do Fim estejam sempre diante de seus olhos. (1) Ao ver atentamente o Autor, deixe que as palavras do Profeta Amós retornem à sua lembrança e descanse em sua mente: "O leão rugiu, quem não temerá? O Senhor Deus falou, quem pode profetizar?" (Amós 2: 8) Mas você não pode profetizar, a menos que seja instruído pelo Espírito de Profecia. Nos nossos dias ele não se dirige a ninguém dessa maneira, exceto nas Escrituras; ele não inspira ninguém, exceto por meio das Escrituras, que são divinamente inspiradas. (2) Ao contemplar o Fim, você descobrirá que não é possível conferir a ninguém, em seu relacionamento com a humanidade, um ofício de maior dignidade e utilidade, ou um ofício que seja mais salutar em suas conseqüências, do que isso, através do qual ele pode conduzi-los do erro para o caminho da verdade, da iniquidade para a justiça, da mais profunda miséria para a mais alta felicidade; e pelo qual ele pode contribuir muito para a sua salvação eterna. Mas esta verdade é ensinada apenas pela teologia; não há nada exceto esta ciência celestial que prescreve a verdadeira justiça; e só por si é essa felicidade revelada e nossa salvação tornada conhecida e revelada. Deixe as Escrituras Sagradas, portanto, serem seus modelos:

"Noite e dia os leram, leram dia e noite. Colman.

Se você assim os examinar, "eles farão com que você não seja estéril nem infrutífero no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo; (2 Pedro 1:18), mas vocês se tornarão bons ministros de Jesus Cristo, nutridos as palavras da fé e da boa doutrina (1 Timóteo 4: 6) e prontas para toda boa obra; (Tito 3. 1) operários que não precisam se envergonhar; (2 Timóteo 2. 15), semeando o evangelho com diligência e paciência; e voltando ao seu Senhor com regozijo, trazendo com você uma ampla colheita, através da bênção de Deus e da graça de nosso Senhor Jesus Cristo: a quem seja louvado e glorifique a partir de agora, para sempre mais! Amém!

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 1.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: