Um grito mal

A falácia da moda é que, pela educação, podemos dar às pessoas algo que não temos. Para ouvir as pessoas falarem, alguém pensaria que se tratava de algum tipo de química mágica, através da qual, de uma laboriosa labuta de refeições higiênicas, banhos, exercícios respiratórios, ar fresco e desenho à mão livre, podemos produzir algo esplêndido por acaso; podemos criar o que não podemos conceber. Naturalmente, essas páginas não têm outro propósito em geral além de salientar que não podemos criar nada de bom até que tenhamos concebido. É estranho que essas pessoas, que em matéria de hereditariedade são tão mal-humoradas na lei, pareçam quase acreditar em milagres. Eles insistem que nada além do que estava nos corpos dos pais pode ir para fazer os corpos das crianças. Mas eles parecem de alguma forma pensar que as coisas podem entrar na cabeça das crianças que não estavam na cabeça dos pais, ou, de fato, em qualquer outro lugar.

Surgiu, neste contexto, um choro tolo e perverso típico da confusão. Quero dizer, o grito "Salve as crianças". É, naturalmente, parte da moderna morbidez que insiste em tratar o Estado (que é a morada do homem) como uma espécie de expediente desesperado em tempo de pânico. Esse oportunismo aterrorizado é também a origem dos esquemas socialistas e outros. Assim como coletariam e repartiriam toda a comida como os homens fazem na fome, dividiriam as crianças de seus pais, como fazem os homens em um naufrágio. Que uma comunidade humana possa não estar em condições de fome ou naufrágio nunca parece passar pela cabeça deles. Esse grito de “Salve as crianças” tem a implicação odiosa de que é impossível salvar os pais; por outras palavras, que muitos milhões de europeus, adultos, responsáveis ​​e autônomas, devem ser tratados como sujeira ou detritos e varridos da discussão; chamados dipsomaniacos porque bebem em casas públicas em vez de casas particulares; chamado desempregados porque ninguém sabe como fazê-los trabalhar; chamados de idiotas se eles ainda aderem a convenções, e chamados mocassins se eles ainda amam a liberdade. Agora estou preocupado, primeiro e último, em sustentar que, a menos que você possa salvar os pais, não poderá salvar os filhos; que no momento não podemos salvar os outros, pois não podemos nos salvar. Não podemos ensinar cidadania se não somos cidadãos; não podemos libertar os outros se esquecermos o apetite da liberdade. A educação é apenas verdade em um estado de transmissão; e como podemos transmitir a verdade se ela nunca chegou às nossas mãos? Assim, descobrimos que a educação é, em todos os casos, a mais clara para o nosso propósito geral. É inútil salvar crianças; porque eles não podem permanecer filhos. Por hipótese, estamos ensinando-os a serem homens; e como pode ser tão simples ensinar uma masculinidade ideal aos outros se é tão inútil e inútil encontrar um para nós mesmos?

Eu sei que certos pedantes malucos tentaram contrariar esta dificuldade mantendo que a educação não é instrução alguma, não ensina de forma alguma autoridade. Eles apresentam o processo como vindo, não de fora, do professor, mas inteiramente de dentro do menino. Educação, dizem eles, é o latim para liderar ou extrair as faculdades adormecidas de cada pessoa. Em algum lugar distante, na obscura alma de menino, há um anseio primordial de aprender sotaques gregos ou usar coleiras limpas; e o professor apenas gentil e carinhosamente libera esse propósito aprisionado. Selado no bebê recém-nascido são os segredos intrínsecos de como comer espargos e qual foi a data de Bannockburn. O educador só atrai o amor inapto da própria criança pela divisão longa; apenas leva a preferência ligeiramente velada da criança pelo pudim de leite para as tortas. Não tenho certeza se acredito na derivação; Ouvi a sugestão vergonhosa de que "educador", se aplicado a um mestre de escola romano, não significava levar nossas funções jovens à liberdade; mas só significava tirar garotinhos para passear. Mas estou muito mais certo de que não concordo com a doutrina; Eu acho que seria tão sensato dizer que o leite do bebê vem do bebê quanto dizer que os méritos educacionais do bebê fazem. Há, de fato, em cada criatura viva, uma coleção de forças e funções; mas educação significa produzi-las em formas particulares e treiná-las para fins particulares, ou não significa absolutamente nada. Falar é o exemplo mais prático de toda a situação. Você pode de fato “extrair” grunhidos e grunhidos da criança simplesmente cutucando-o e puxando-o de volta, um passatempo agradável mas cruel ao qual muitos psicólogos são viciados. Mas você vai esperar e assistir muito pacientemente antes de tirar o idioma inglês dele. Que você tem que colocar nele; e há um fim do assunto.

~

G. K. Chesterton

Do livro: What's Wrong with the World? (O que há de errado com o mundo?)
Parte 4 - Educação: ou o erro sobre a criança

Disponível em Gutenberg (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: