William Seymour

William Joseph Seymour (Centerville, Louisiana, 2 de Maio de 1870 — Los Angeles, 28 de Setembro de 1922) foi um importante líder religioso afro-americano no início do século XX. Ministro ordenado e filho de escravos libertos, ele é considerado um dos fundadores do pentecostalismo moderno.

Seymour foi um dos líderes religiosos afro-americanos mais influentes de sua época, e seu impacto pode ser sentido até hoje. Seymour foi o grande responsável pelo estabelecimento do movimento pentecostal moderno. Além disso, muitos aspectos de sua mensagem ressoam com as preocupações dos líderes religiosos e sociais de hoje. Ele defendia a integração racial, pois isso levaria à unidade com Cristo, e também não fazia objeções às mulheres que assumissem papéis de liderança na igreja.

Seymour nasceu em 2 de maio de 1870, em Centerville, Louisiana, dentro da Paróquia de St. Mary. Seus pais, ambos escravos recentemente libertados, eram Simon Seymour e Phyllis Salabarr. Durante a infância e a infância de Seymour, sua família teve afiliações com as igrejas batistas e católicas. Em 4 de setembro de 1870, ele foi batizado em uma cerimônia católica na Igreja da Assunção em Franklin, Louisiana.

Não se sabe muito mais sobre sua infância, exceto que ele foi criado na pobreza, recebeu pouca educação formal e alegou ter visões de Deus. Durante sua juventude, ele viajou bastante. Em 1895, quando tinha 25 anos, Seymour mudou-se para Indianapolis, Indiana. Enquanto trabalhava como garçom em restaurantes e hotéis de luxo, ele ingressou na Igreja Episcopal Metodista de Simpson Chapel, que era uma congregação afro-americana da Igreja Episcopal Metodista predominantemente branca.

Em 1900, ele se mudou para Cincinnati, Ohio, onde ingressou no Movimento de Restauração da Igreja de Deus, também chamado de Os Santos da Luz da Tarde. O grupo fazia parte do crescente movimento de santidade que adotava uma doutrina radical que incluía a cura pela fé e a crença no retorno iminente de Cristo, um evento que seria indicado pela integração de raças na adoração - uma conciliação que Seymour tentou promover, muitas vezes com grande sucesso, ao longo de sua carreira. O grupo também acreditava na doutrina da santificação, um conceito que remonta ao protestantismo do século XIX. No entanto, o grupo acreditou em uma conversão e santificação imediata, e não gradual, após a aceitação de Cristo e o batismo do Espírito Santo.

Enquanto morava em Cincinnati, Seymour sofreu um ataque de varíola. O ataque fez com que ele perdesse o olho esquerdo (mais tarde na vida, ele usou um olho de vidro). Sua recuperação da doença potencialmente fatal o levou a se tornar um pregador, e em 1902 ele foi ordenado como ministro na Igreja de Deus.

Nos três anos seguintes, ele viajou como evangelista, parando em Chicago e também na Geórgia, Mississippi, Louisiana e Texas. Em 1905, ele se estabeleceu em Houston, onde sua família havia se mudado. Naquele verão, ele serviu como pastor substituto temporário de Lucy Farrow, ministra da Santidade e sobrinha do abolicionista negro Frederick Douglass. Através de Farrow, Seymour encontraria o homem que teria um forte impacto em sua direção espiritual e carreira.

Farrow incentivou Seymour a entrar em contato com Charles Fox Parham, um evangelista branco que dirigia uma escola bíblica do Texas, pois Seymour estava interessado no conceito de "falar em línguas" ou glossolalia. Farrow já trabalhou em Topeka, Kansas, como servo de Parham, que havia fundado a primeira escola bíblica pentecostal naquela cidade e que ensinava que falar em línguas era um sinal da operação do Espírito Santo. Parham havia se mudado para o Texas e, em dezembro de 1905, ele abriu a Escola de Treinamento da Bíblia em Houston.

Seymour perguntou a Parham se ele poderia ingressar na escola bíblica. Parham concordou, mas por causa de suas tendências segregacionistas, ele não daria a Seymour uma vaga na classe. Em vez disso, Parham só permitiria que Seymour ouvisse lições através de uma porta ou janela aberta. A presença de Seymour não durou muito (de acordo com fontes diferentes, durou apenas de alguns dias a algumas semanas), e ele ficou ofendido pelo racismo de Parham, pois acreditava que a integração racial na adoração era um sinal do retorno de Cristo. Mas através de Parham, Seymour parecia ter aprendido mais sobre falar em línguas, e sua exposição aos ensinamentos de Parham, particularmente a respeito da glossolalia,

Enquanto morava em Houston, Seymour também conheceu Neeley Terry, uma mulher que havia se mudado de Los Angeles e fazia parte do movimento de Santidade. O que aconteceu a seguir é difícil de verificar: Seymour foi levado a Los Angeles por Terry, ou viajou para lá sozinho, intrigado pelas descrições de Terry do que estava acontecendo na comunidade religiosa da cidade. Além disso, ele pode ou não ter sido auxiliado em sua viagem pelo apoio financeiro de Parham. Quaisquer que fossem os detalhes exatos, Seymour não perdeu tempo fazendo sentir sua presença.

Em 22 de fevereiro de 1906, Seymour pregou em uma igreja estabelecida em Los Angeles por Julia M. Hutchins, que havia sido expulsa da Segunda Igreja Batista naquela cidade por causa de suas visões de Santidade. Os sermões de Seymour exaltaram a importância de uma comunidade religiosa inter-racial e de falar em línguas como um sinal do Espírito Santo. No entanto, Hutchins ficou chateado por ele ter incluído glossolalia na doutrina da Santidade, e ela subsequentemente e literalmente trancou Seymour fora de sua igreja.

Após o seu bloqueio, Seymour foi convidado pelo Sr. e Sra. Richard Asberry, que mais simpatizavam espiritualmente, a prestar serviços em sua casa na North Bonnie Brae Avenue. Foi na casa de Asberry onde Seymour finalmente experimentou falar em línguas por si mesmo. Os eventos que levaram à sua própria glossolalia começaram em 9 de abril de 1906, quando sua pregação entusiasmada fez com que vários membros de sua congregação começassem a falar em línguas. O fervor religioso continuou por três noites e, em 12 de abril, Seymour também começou a falar em línguas.

À medida que a emoção aumentava com os eventos que aconteciam em North Bonnie Brae, mais e mais pessoas vinham testemunhar as reuniões, e a casa da Asberry rapidamente se tornou pequena demais para acomodar os serviços. Seymour transferiu a congregação para uma igreja não utilizada na Rua Azusa.

O edifício, localizado na rua 312 Azusa e situado no distrito comercial, media 40 por 60 pés. Uma vez abrigara a Igreja Episcopal Metodista Africana, mas agora estava sendo usada como armazém e estábulo. A congregação integrada de Seymour limpou o prédio e depois encheu o interior com móveis de igreja improvisados. O púlpito era feito de duas caixas pregadas juntas e os bancos eram feitos de tábuas pregadas em barris vazios. Seymour fez sua casa no andar de cima da igreja e começou a realizar cultos três vezes por dia, sete dias por semana. Uma equipe diversificada de voluntários, incluindo negros e brancos e homens e mulheres, ajudou Seymour na realização dos serviços.

O edifício em ruínas rapidamente ganharia atenção nacional como o Revival da Rua Azusa, mas seu destaque durou apenas um curto período, de 1906 a 1909. Ainda assim, foi um grande catalisador para a expansão do movimento pentecostal, que nos anos subseqüentes cresceu incluir 20 milhões de membros nos EUA e mais de 200 milhões de membros internacionais.

Logo após a abertura, a igreja ficou sobrecarregada por um grande número de pessoas - incluindo fiéis e curiosos - devido à propaganda boca a boca, uma importante história de jornal sobre a igreja e uma força da natureza: o terremoto de San Francisco.

A matéria do jornal, publicada na edição de 18 de abril de 1906 do Los Angeles Times, forneceu ampla cobertura das atividades da igreja. Como o destino quis, o artigo foi publicado no mesmo dia do terremoto de São Francisco, e as duas ocorrências ficaram conectadas na mente de muitas pessoas. Até começou um boato de que o terremoto havia sido previsto na missão Azusa. Logo depois, mais de 100.000 panfletos foram impressos, unindo o surgimento da igreja, o terremoto e o fim iminente do mundo. Dessa maneira, o terremoto de São Francisco às vezes é considerado um fator significativo no crescimento do pentecostalismo em escala nacional.

Em maio, o Avivamento da Rua Azusa estava sempre cheio além da capacidade, pois atraía mais de mil pessoas por dia. Também ganhou a reputação de cenário de "cenas selvagens", já que os participantes falavam em línguas e se envolviam em orações exuberantes e fisicamente ativas. A igreja recebeu grande cobertura da imprensa local, que por sua vez atraiu repórteres de jornais de todo o país. No entanto, as histórias publicadas eram sensacionalistas e muitas vezes não favoráveis.

No entanto, a cobertura da imprensa só gerou mais interesse no avivamento, e a congregação de Seymour continuou a crescer. Nos meses seguintes, ele ordenou ministros para sua igreja, estabeleceu outras congregações e começou a publicar o jornal da igreja A Fé Apostólica. Introduzida em setembro de 1906, a publicação acabou recebendo uma circulação nacional e internacional de 20.000 leitores. Em 1907, Seymour incorporou a missão Azusa como a Missão de Fé Apostólica do Pacífico, em Los Angeles.

Durante todo o ano de 1909, o Avivamento continuou realizando três cultos por dia e realizando reuniões de oração 24 horas por dia. Os serviços comunicavam elementos dos ensinamentos da santidade, mas Seymour havia começado a menosprezar a importância de falar em línguas.

Durante seu breve pico de três anos, a igreja conseguiu exercer uma influência profunda, pois a mensagem de Seymour foi disseminada por todo o país. As pessoas pareciam impressionadas que Seymour tivesse realizado sua visão de uma comunidade religiosa completamente integrada, e muitos líderes religiosos que visitaram a igreja levaram os ensinamentos pentecostais de volta para suas próprias congregações, e logo mais igrejas pentecostais foram estabelecidas nos Estados Unidos. Seu impacto foi sentido no exterior.

Mas, mesmo quando o pentecostalismo floresceu em todo o país, a importância da missão Azusa diminuiu. Depois de 1909, o Avivamento não mais atraiu grandes multidões. Os problemas dentro da organização alienaram os fiéis e os fatores sem diminuir sua influência. Alguns dos seguidores de Seymour foram adiados pelo "trono" que ele construiu para si. Além disso, como acontece com outros movimentos que preveem o futuro próximo mundo, o interesse dos seguidores e a expectativa dos supostamente iminentes "Últimos Dias" começaram a diminuir. Além disso, a visão de Seymour para a integração racial sofreu. A partir de 1908, os pentecostais brancos estavam se separando do preto. Os membros brancos estavam formando seus próprios grupos, enquanto em áreas como o sul, os membros negros foram incentivados a formar denominações separadas. Mesmo em Los Angeles, membros brancos estavam se movendo em direção a igrejas pentecostais segregadas.

O jornal de enorme sucesso da igreja, A Fé Apostólica, também enfrentou problemas substanciais. Depois que Seymour se casou com Jennie Evans Moore em 13 de maio de 1908, a assistente administrativa do jornal, Clara Lum, mudou-se para Portland, Oregon, onde se tornou a editora do jornal. Ela levou consigo a grande lista de assinaturas do jornal e, depois que o jornal falhou sob sua liderança, Seymour nunca conseguiu recuperar a valiosa lista.

Os problemas continuaram a aumentar. Em 1911, enquanto Seymour estava viajando, William H. Durham, um pregador branco, tentou assumir a missão. O golpe não teve sucesso, mas quando Durham foi forçado a sair, ele levou cerca de 600 membros. Em 1913, restavam apenas cerca de 20 membros na congregação de Seymour.

Seymour passou os últimos anos de sua vida viajando pelo país, falando principalmente para o público negro. Em 1915, ele publicou um manual, As Doutrinas e Disciplina da Missão de Fé Apostólica da Rua Azusa, em Los Angeles, mas sua influência como figura religiosa estava diminuindo.

Em 28 de setembro de 1922, Seymour morreu de um ataque cardíaco repentino em Los Angeles. Ele foi enterrado no Evergreen Cemetery, no leste de Los Angeles. Após sua morte, Jennie tornou-se pastor da igreja e continuou o trabalho do marido até que ela morreu, mesmo depois de perder a missão Azusa em 1931. Ela morreu em 1936.

William Seymour morreu antes que ele pudesse realizar muitos de seus objetivos. Ele planejara estabelecer escolas e resgatar missões e formar outras congregações, mas esses sonhos nunca foram realizados. Ainda assim, apesar do rápido declínio de sua influência, Seymour teve um tremendo impacto no movimento pentecostal, que cresceu para incluir mais de meio bilhão de crentes em todo o mundo. De fato, o avivamento da rua Azusa é freqüentemente citado como uma das raízes do pentecostalismo moderno.

Fonte: Notable Biographies

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: