A necessidade de estreiteza

Através de todo esse caos, voltamos mais uma vez à nossa conclusão principal. A verdadeira tarefa da cultura hoje não é uma tarefa de expansão, mas decididamente de seleção - e rejeição. O educador deve encontrar um credo e ensiná-lo. Mesmo que não seja um credo teológico, ele ainda deve ser tão meticuloso e firme quanto a teologia. Em suma, deve ser ortodoxo. O professor pode pensar que é antiquado ter que decidir precisamente entre a fé de Calvino e de Laud, a fé de Aquino e de Swedenborg; mas ele ainda tem que escolher entre a fé de Kipling e de Shaw, entre o mundo de Blatchford e do General Booth. Chame-lhe, se quiser, uma questão restrita sobre se seu filho será criado pelo vigário, ministro ou padre papista. Você ainda tem que enfrentar essa questão maior, mais liberal, mais altamente civilizada, se ele será criado por Harmsworth ou por Pearson, pelo Sr. Eustace Miles com sua Vida Simples ou pelo Sr. Peter Keary com sua Vida Extrema; se ele deve ler mais ansiosamente a srta. Annie S. Swan ou o sr. Bart Kennedy; em suma, se ele acabará na mera violência da SDF*, ou na mera vulgaridade da Primrose League**. Dizem que hoje em dia os credos estão desmoronando; Eu duvido, mas pelo menos as seitas estão aumentando; e a educação deve agora ser a educação sectária, meramente para fins práticos. De toda essa multidão de teorias, ele deve, de alguma forma, selecionar uma teoria; De todas essas vozes trovejantes, deve conseguir ouvir uma voz; Fora de toda essa batalha terrível e dolorosa de luzes ofuscantes, sem uma sombra para dar forma a elas, ela deve conseguir de alguma forma rastrear e rastrear uma estrela.

Falei até agora da educação popular, que começou muito vaga e vasta e, portanto, pouco realizou. Mas, como acontece, há na Inglaterra algo para comparar. Há uma instituição, ou classe de instituições, que começou com o mesmo objeto popular, que desde então seguiu um objeto muito mais restrito, mas que teve a grande vantagem de seguir algum objeto, ao contrário de nossas modernas escolas elementares.

Em todos esses problemas, eu deveria insistir na solução que é positiva, ou, como dizem as pessoas tolas, "otimista". Eu deveria colocar meu rosto, isto é, contra a maioria das soluções que são apenas negativas e abolicionistas. A maioria dos educadores dos pobres parece pensar que eles têm que ensinar o pobre a não beber. Eu ficaria muito contente se eles o ensinassem a beber; pois é mera ignorância sobre como beber e quando beber que é responsável pela maior parte de suas tragédias. Eu não proponho (como alguns dos meus amigos revolucionários) que devemos abolir as escolas públicas. Proponho o experimento muito mais chocante e desesperado que devemos torná-los públicos. Não quero que o Parlamento deixe de funcionar, mas sim que funcione; não calar as igrejas, mas sim abri-las; não apagar a lâmpada da aprendizagem ou destruir a cobertura da propriedade, mas apenas fazer algum esforço rude para tornar as universidades razoavelmente universais e a propriedade decentemente apropriada.

Em muitos casos, seja lembrado, tal ação não está apenas voltando ao antigo ideal, mas até voltando à velha realidade. Seria um grande passo para a loja de gim voltar para a pousada. É incontestavelmente verdade que mediar as escolas públicas seria democratizar as escolas públicas. O Parlamento uma vez realmente significou (como o nome parece sugerir) um lugar onde as pessoas podiam conversar. É apenas ultimamente que o aumento geral da eficiência, isto é, do Orador, tornou-o principalmente um lugar onde as pessoas são impedidas de falar. Os pobres não vão à igreja moderna, mas eles foram para a igreja antiga; e se o homem comum no passado teve um sério respeito pela propriedade, pode ter sido porque ele às vezes tinha alguns dos seus. Portanto, posso alegar que não tenho uma vulgar sensação de inovação em qualquer coisa que eu diga sobre qualquer uma dessas instituições. Certamente não tenho nenhuma em particular, que agora sou obrigada a escolher na lista; um tipo de instituição para a qual tenho razões genuínas e pessoais para ser amigável e grato: refiro-me às grandes fundações Tudor, as escolas públicas da Inglaterra. Eles têm sido elogiados por muitas coisas, principalmente, lamento dizer, elogiados por eles mesmos e seus filhos. E, no entanto, por alguma razão, ninguém jamais elogiou o motivo realmente convincente.

~

G. K. Chesterton

Do livro: What's Wrong with the World? (O que há de errado com o mundo?)
Parte 4 - Educação: ou o erro sobre a criança

Disponível em Gutenberg (inglês).


Notas:
*A Federação Social-Democrata (SDF, em inglês) foi estabelecida como o primeiro partido político socialista organizado pela Grã-Bretanha por H. M. Hyndman, e teve sua primeira reunião em 7 de junho de 1881. Aqueles que se uniram à SDF incluíram William Morris, George Lansbury, James Connolly e Eleanor Marx. 
**A Primrose League foi uma organização para disseminar princípios conservadores na Grã-Bretanha. Foi fundado em 1883. Em um ponto final de sua existência, seus objetivos declarados eram: Para defender e apoiar Deus, a Rainha e o País, e a causa Conservadora.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: