Ilegalidade de atribuir a Deus uma forma visível

Ilegalidade de atribuir a Deus uma forma visível. Toda idolatria, um abandono do verdadeiro Deus

Agora, como a Escritura, em consideração da ignorância e da falta de compreensão humana, geralmente fala da maneira mais clara, - onde pretende discriminar entre o Deus verdadeiro e todos os falsos deuses, ele principalmente o contrasta com os ídolos; não que possa sancionar os sistemas mais engenhosos e plausíveis dos filósofos, mas que possa detectar melhor a loucura e até a loucura do mundo em pesquisas concernentes a Deus, desde que cada um adira às suas próprias especulações. Essa definição exclusiva, portanto, que onde tudo ocorre, reduz a nada as noções da divindade que os homens possam formar em suas próprias imaginações; desde que só Deus é uma testemunha suficiente sobre ele mesmo. Enquanto isso, desde que o mundo inteiro foi tomado por tal estupidez brutal, a ponto de ser desejoso de representações visíveis da Deidade, e assim fabricar deuses de madeira, pedra, ouro, prata e outros materiais inanimados e corruptíveis, nós Devemos considerar isso como um certo princípio de que, sempre que qualquer imagem é feita como uma representação de Deus, a glória Divina é corrompida por uma falsa falsidade. Portanto, Deus, na lei, depois de ter afirmado que a glória da Deidade pertence exclusivamente a ele, quando ele pretende mostrar que adoração ele aprova ou rejeita, imediatamente acrescenta: “Não farás para ti qualquer imagem de escultura, ou qualquer semelhança. “ Nessas palavras ele nos proíbe de tentar representá-lo em qualquer figura visível; e brevemente enumera todas as formas pelas quais a superstição já começou a mudar sua verdade em mentira. Para os persas, nós sabemos, adoramos o sol; e os tolos pagãos criaram para si mesmos tantos deuses quanto viram estrelas no céu. Quase não havia um animal que os egípcios não considerassem imagem de Deus. Os gregos pareciam mais sábios que os demais, porque adoravam a Deidade sob a forma humana. [1] Mas Deus não compara ídolos uns com os outros, como se um fosse melhor ou pior que o outro; mas rejeita, sem uma única exceção, todas as estátuas, figuras e outras figuras, nas quais os idólatras imaginavam que ele estaria perto deles.

II. Isso é fácil de inferir das razões que ele anexa à proibição. Primeiro, nos escritos de Moisés: “Portanto, tomai-vos bem; Não vistes similitude alguma no dia em que o Senhor vos falou em Horebe, do meio do fogo; ouvistes a voz das palavras, mas não vistes semelhante; para que não se corrompam e façam de você uma imagem esculpida, a semelhança de qualquer figura ”, & c. [2] Vemos como Deus se opõe expressamente a sua “voz” a toda “maneira de similitude”, para mostrar que quem quer que deseje representações visíveis dele, é culpado de se afastar dele. Será suficiente referir-se a um dos Profetas, Isaías, [3] que insiste mais do que todos os outros sobre este argumento, que a Divina Majestade é desonrada pela má e absurda ficção, quando aquele que é incorpóreo é comparado a uma forma corpórea; aquele que é invisível, para uma imagem visível; aquele que é um espírito, para a matéria inanimada; e aquele que enche a imensidão, um tronco de madeira, uma pequena pedra ou um pedaço de ouro. Paulo também raciocina da mesma maneira: “Porquanto, então, como somos a descendência de Deus, nós não deve pensar que a divindade é como o ouro, ou a prata, ou a pedra, esculpida pela arte e pelo artifício do homem ”. [4] Daí resulta que quaisquer que sejam as estátuas erigidas, ou imagens pintadas, para representar a Deus, elas estão apenas ele, como sendo tantos insultos à Divina Majestade. E por que deveríamos nos maravilhar com o Espírito Santo que troveja tais oráculos do céu, uma vez que ele compele os idólatras cegos e miseráveis ​​a fazer uma confissão similar na terra? Bem conhecida é a queixa de Sêneca, que é citada por Agostinho: “Eles dedicam (diz ele) os mais vil e mesquinhos materiais para representar os deuses sagrados, imortais e invioláveis; e dar-lhes uma forma humana, e alguns um brutal, e alguns um duplo sexo e corpos diferentes; e eles conferem o nome dos deuses a imagens que, se animadas, seriam consideradas monstros ”. Por isso, parece que a pretensão dos defensores dos ídolos, que eram proibidos aos judeus por serem propensos à superstição, é apenas um cavil frívolo, para fugir da força do argumento. Como se verdadeiramente isso fosse peculiarmente aplicável a uma nação, que Deus deduz de sua existência eterna, e à invariável ordem da natureza! Além disso, Paulo não estava se dirigindo aos judeus, mas os atenienses, quando ele refutou o erro de fazer qualquer semelhança de Deus.

III. Às vezes, na verdade, Deus descobriu sua presença por certos sinais, de maneira que ele foi dito para ser visto “face a face”; [5] mas todos os sinais que ele já adotadas, foram bem calculados para a instrução dos homens, e proporcionado indícios claros de seu essência incompreensível. Para “da nuvem, e a fumaça e a chama,” [6] se fossem símbolos de glória celestial, no entanto operado como uma restrição sobre as mentes de todos, para impedir a sua tentativa de penetrar ainda mais. Portanto, mesmo Moisés (a quem ele se manifestou mais familiarmente do que a qualquer outro) não obteve por suas orações uma visão da face de Deus, mas recebeu essa resposta: “Tu não podes ver o meu rosto; porque ninguém verá a minha face e viverá. ” [7] O Espírito Santo uma vez apareceu na forma de uma pomba; [8] mas, como ele atualmente desapareceu novamente, que não percebe que por este símbolo momentâneo os fiéis são ensinados que eles devem acreditar que o Espírito para ser invisível? que, estando contentes com seu poder e graça, eles não poderiam fazer nenhuma representação externa dele. As aparições de Deus na forma humana foram prelúdios para sua futura manifestação em Cristo. Portanto, os judeus não foram autorizados a fazer disso um pretexto para erigir um símbolo da Deidade na figura de um homem. “O propiciatório” [9] também, do qual, segundo a lei, Deus mostrou a presença de seu poder, foi construído de tal maneira que sugere que a melhor contemplação do Ser Divino é quando a mente é transportada para além de si mesma com admiração. Pois “os querubins” cobriram-no com suas asas estendidas; o véu foi espalhado diante dele; e o lugar em si estava suficientemente escondido por sua situação isolada. É manifestamente irracional, portanto, esforçar-se para defender imagens de Deus e dos santos, pelo exemplo daqueles querubins. Pois, ora, o que foi significado por aquelas pequenas imagens, mas que as imagens não são calculadas para representar os mistérios divinos? desde que eles foram formados de tal maneira como, velando o propiciatório com suas asas, para impedir não só os olhos, mas todos os sentidos humanos, de se intrometer em Deus, e assim conter toda a temeridade. Além disso, o Profeta descreve os serafins que ele viu em uma visão, como tendo “seus rostos cobertos”; [10] para significar que o esplendor da glória Divina é tão grande, que até mesmo os próprios anjos não podem contemplá-lo; e as tênues faíscas, que brilham nos anjos, estão ocultas de nossa visão. Os querubins, no entanto, dos quais estamos falando agora, são reconhecidos por todas as pessoas de bom senso como peculiares ao antigo estado de tutela sob a dispensação legal. Aduzi-los, portanto, como exemplos para a imitação da era atual, é bastante absurdo. Por esse período pueril, como posso chamá-lo, para o qual tais rudimentos foram nomeados, é agora passado. E, de fato, é uma consideração vergonhosa, que os escritores pagãos são mais intérpretes especialistas da lei Divina do que os papistas. Juvenal repreende e ridiculariza os judeus por adorarem as nuvens brancas e divindades do céu. Essa linguagem, de fato, é perversa e ímpia; mas, ao negar que havia alguma imagem de Deus entre eles, ele fala com mais verdade do que os papistas, que fingem fingir que havia alguma figura visível dele. Mas como essa nação freqüentemente irrompia na idolatria, com grande e repentina impetuosidade, assemelhando-se à violenta ebulição da água de uma grande fonte, daí aprendêssemos a forte propensão da mente humana à idolatria, a fim de não imputar aos judeus um crime comum para todos, devemos ficar fascinados pelas tentações do pecado e dormir o sono da morte.

IV. Com o mesmo propósito é a passagem: “Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens;” [11] para o Profeta conclui, a partir dos próprios materiais, que eles não são deuses, cujas imagens são feitas de ouro ou de prata; e toma como certo que toda concepção que formamos da Deidade, meramente a partir de nossos próprios entendimentos, é uma imaginação tola. Ele menciona ouro e prata em vez de barro ou pedra, para que o esplendor ou o valor dos materiais não adquiram reverência pelos ídolos. Mas ele conclui, em geral, que nada é mais improvável do que que os deuses devam ser fabricados de qualquer assunto inanimado. Ao mesmo tempo ele insiste igualmente em outro ponto - que é presunção e loucura em homens mortais, que estão a todo momento em perigo de perder o fôlego fugaz que atraem, para ousar conferir aos ídolos a honra devida a Deus. O homem é obrigado a confessar que ele é uma criatura de um dia, e ainda assim ele terá um pedaço de metal para ser adorado como um deus, da deidade da qual ele é o autor; por que os ídolos se originaram, mas na vontade dos homens? Há muito decoro nesse sarcasmo de um poeta pagão, que representa um de seus ídolos dizendo: “Anteriormente, eu era o tronco de uma figueira silvestre, um tronco inútil; quando o artífice, depois de hesitar se ele iria me tornar um banco ou uma divindade, longamente determinou que eu deveria ser um deus.” [12]

Um pobre mortal, que por assim dizer, que está expirando a cada momento, irá, por sua obra, transferir para um morto o nome e a honra de Deus. Mas como que epicurista, em suas efusões satíricos, pagou nenhum respeito a qualquer religião, - deixando este sarcasmo, e outros do mesmo tipo, que deve ser picado e penetrou pela repreensão que o Profeta [13] tem dado à estupidez extrema de aqueles que, com a mesma madeira, fazem fogo para se aquecerem, aquecem um forno para assar pão, assam ou fervem sua carne, e fabricam um deus, diante do qual se prostram, para tratar de suas humildes súplicas. Em outro lugar, portanto, ele não apenas os pronuncia como transgressores da lei, mas os repreende por não terem aprendido dos fundamentos da terra; [14] uma vez que, na realidade, não há nada mais razoável do que o pensamento de contrair o Deus infinito e incompreensível dentro do compasso de cinco pés. E, no entanto, essa abominação monstruosa, que é manifestamente repugnante à ordem da natureza, demonstra que a experiência é natural para o homem. Deve-se observar ainda que os ídolos são freqüentemente estigmatizados como sendo as obras das mãos dos homens, não autorizadas pela autoridade divina; a fim de estabelecer este princípio, que todos os modos de culto que são meramente de invenção humana, são detestáveis. O salmista agrava essa loucura, pois os homens imploram a ajuda de coisas mortas e insensíveis, imbuídos de compreensão para saber que todas as coisas são dirigidas unicamente pelo poder de Deus. Mas desde que a corrupção da natureza carrega todas as nações em geral, e cada indivíduo em particular, para tal excesso de frenesi, o Espírito finalmente destrói essa terrível imprecação: “Que aqueles que os fazem sejam semelhantes a eles e a todo aquele que confia neles.” [15] Observe-se que todas as similitudes são igualmente tão proibidas quanto imagens esculpidas; que refuta o subterfúgio tolo dos gregos; pois eles se acham bastante seguros, se eles não faça escultura da Divindade, enquanto em fotos eles concedem maior liberdade do que qualquer outra nação. Mas o Senhor proíbe toda representação dele, seja feita pela estatuária, seja por qualquer outro artífice, porque todas as similitudes são criminosas e insultantes à Divina Majestade.

V. Eu sei que é uma observação muito comum, que as imagens são os livros dos analfabetos. Gregory disse isso; mas muito diferente é a decisão do Espírito de Deus, em cuja escola Gregório tinha sido ensinado, ele nunca teria feito tal afirmação. Pois, desde que Jeremias declara que “o estoque é uma doutrina das vaidades”, [16] uma vez que Habacuque representa “uma imagem fundida” como “um professor de mentiras”, [17] - certamente a doutrina geral a ser colhida dessas passagens é que qualquer homem aprender a respeitar a Deus a partir das imagens é igualmente frívolo e falso. Se algum objeto, os profetas repreenderam apenas aqueles que abusam das imagens para os ímpios propósitos da superstição - o que, de fato, concedo; mas afirmam também, o que é evidente para todos, que eles condenam totalmente o que é assumido pelos papistas como um axioma indubitável, que imagens são substitutas de livros. Pois eles contrastam imagens com o verdadeiro Deus, como contrários, que nunca podem concordar. Esta comparação, eu digo, é colocada naquelas passagens que acabei de citar; que, como há apenas um Deus verdadeiro, a quem os judeus adoravam, não pode haver figuras visíveis, para servir como representações do Ser Divino, sem falsidade e criminalidade; e todos os que buscam o conhecimento de Deus de tais figuras estão sob uma ilusão miserável. Se não fosse verdade que todo conhecimento de Deus, procurado por imagens, é corrupto e falacioso, não seria tão uniformemente condenado pelos Profetas. Isso pelo menos deve ser concedido a nós, que, quando mantemos a vaidade e a falácia das tentativas dos homens de fazer representações visíveis de Deus, não fazemos outra coisa senão recitar as declarações expressas dos Profetas.

VI. Leia da mesma forma o que foi escrito sobre este assunto por Lactâncio e Eusébio, que hesitam em não assumir como uma certeza, que todos aqueles cujas imagens devem ser vistas, eram homens mortais. Agostinho também afirma com confiança a ilegalidade, não apenas de adorar imagens, mas até de erigir qualquer referência a Deus. Ele também não adianta nada diferente do que, muitos anos antes, havia sido decretado pelo Concílio Elibertino, cujo trigésimo sexto capítulo é o seguinte: “Decretou-se que não fossem tiradas gravuras nas igrejas, e que o que é adorado ou adorado não é pintado nas paredes. ” Mas o mais notável é o que Agostinho em outra parte cita de Varro, e a verdade de que ele assina: “Que aqueles que primeiro apresentaram imagens dos deuses, removeram o medo e acrescentaram o erro.” Se isso tivesse sido apenas uma afirmação de Varro, talvez tivesse talvez pouca autoridade; todavia, deveria justamente nos encher de vergonha, que um pagão, apalpando como se estivesse no escuro, alcançasse tanta luz a ponto de perceber que as representações corpóreas eram indignas da Divina Majestade, sendo calculadas para diminuir o temor de Deus e aumentar erro entre a humanidade. O fato em si demonstra que isso foi falado com igual verdade e sabedoria; mas Agostinho, tendo tomado emprestado de Varro, avança como sua própria opinião. E primeiro ele observa que os erros mais antigos relativos a Deus, nos quais os homens estavam envolvidos, não se originaram de imagens, mas foram aumentados por eles, como pela super-adição de novos materiais. Em seguida, ele explica que o medo de Deus é diminuído e até mesmo destruído; já que a fabricação tola, ridícula e absurda de ídolos facilmente levaria sua divindade ao desprezo. Da verdade desta segunda observação, desejo sinceramente que não tivéssemos tais provas em nossa própria experiência. Quem, por conseguinte, deseja ser corretamente instruído, ele deve aprender de algum outro quarto que de imagens, o que deve ser conhecido a respeito de Deus.

VII. Se os papistas tiverem alguma vergonha, deixem de usar esse subterfúgio, que as imagens são os livros dos analfabetos; que é tão claramente refutada por numerosos testemunhos da Escritura. No entanto, embora eu deva conceder este ponto a eles, isso pouco lhes valeria em defesa de seus ídolos. Que monstros eles obstruem no lugar da Deidade é bem conhecido. Mas o que eles chamam de imagens ou estátuas de seus santos - quais são eles apenas exemplos do luxo e da obscenidade mais abandonados? que se alguém estivesse desejoso de imitar, ele mereceria castigo corporal. Mesmo prostitutas em bordéis devem ser vistas em trajes mais castos e modestos, do que aquelas imagens em seus templos, que eles querem que sejam imagens contadas de virgens. Nem vestem os mártires dos hábitos de modo algum mais se tornando. Que eles adornem seus ídolos e, com um pequeno grau de modéstia, que a pretensão de serem livros de alguma santidade, se não menos falsa, possa ser menos imprudente. Mas, mesmo assim, responderemos que este não é o método a ser adotado em lugares sagrados para a instrução dos fiéis, a quem Deus ensinou uma doutrina muito diferente de qualquer um que possa ser aprendido de tais ninharias insignificantes. Ele ordenou uma doutrina comum para ser ali proposta a todos, na pregação de sua palavra e em seus mistérios sagrados; para o qual eles traem grande desatenção da mente, que são levados pelos seus olhos para a contemplação de ídolos. A quem, então, os papistas chamam de analfabetos, cuja ignorância sofrerá que eles sejam ensinados apenas por imagens? Aqueles, verdadeiramente, a quem o Senhor reconhece como seus discípulos; quem ele honra com a revelação de sua filosofia celestial; quem ele terá instruído nos mistérios saudáveis ​​do seu reino. Confesso, de fato, como as coisas são agora circunstanciadas, que atualmente não são poucas as pessoas que não podem suportar a privação de tais livros. Mas de onde surge essa estupidez, mas de ser defraudado daquele ensinamento que sozinho é adaptado à sua instrução? De fato, aqueles que presidiam as igrejas renunciavam aos ídolos, o ofício de ensinar, por nenhuma outra razão a não ser porque eram eles mesmos burros. Paulo testifica que, na verdadeira pregação deste evangelho, Cristo é “evidentemente apresentado” e, por assim dizer, “crucificado diante de nossos olhos”. [18] Para que propósito, então, foi a ereção de tantas cruzes de madeira e pedra, prata e ouro, em todos os lugares dos templos, se tivesse sido totalmente e fielmente inculcado, que Cristo morreu para que ele pudesse levar nossa maldição na cruz, expiar nossos pecados pelo sacrifício de seu corpo, purifica-nos pelo seu sangue, e, em uma palavra, nos reconciliar com Deus o Pai? A partir dessa simples declaração, eles podem aprender mais que mil cruzes de madeira ou pedra; pois talvez os avarentos fixem suas mentes e seus olhos mais tenazmente nas cruzes de ouro e prata, do que em qualquer parte da palavra divina.

VIII. Respeitando a origem dos ídolos, a opinião geralmente aceita concorda com o que é afirmado no livro de Sabedoria; [19] A saber, que os primeiros autores deles eram pessoas que pagavam essa honra aos mortos, de uma reverência supersticiosa por sua memória. Eu admito que esse costume perverso era muito antigo, e não nego que isso tenha contribuído grandemente para aumentar a raiva da humanidade depois da idolatria; no entanto, não posso admitir que foi a primeira causa desse mal. Pois, de acordo com Moisés, os ídolos estavam em uso muito antes da introdução daquela ostensiva consagração das imagens dos mortos, que é frequentemente mencionada pelos escritores profanos. Quando ele relata que Rachel roubou os ídolos de seu pai, [20] ele fala como de um a corrupção comum. De onde podemos inferir, que a mente do homem é, se me permitem a expressão, uma manufatura perpétua de ídolos. Depois do dilúvio, houve, por assim dizer, uma regeneração do mundo; mas não muitos anos se passaram antes que os homens fabricassem deuses de acordo com sua própria fantasia. E é provável que, enquanto o santo patriarca ainda estivesse vivo, sua posteridade fosse viciada em idolatria, de modo que, com a mais amarga tristeza, pudesse, com seus próprios olhos, contemplar a terra que Deus havia purificado de suas corrupções ultimamente. um julgamento terrível, novamente poluído com ídolos. Para Terah e Nachor, antes do nascimento de Abraão, eram adoradores de falsos deuses, como é afirmado por Josué. [21] Como a posteridade de Sem tão depressa se degenerou, que opinião devemos ter sobre os descendentes de Cão, que já haviam sido amaldiçoados em seu pai? O verdadeiro estado do caso é que a mente do homem, estando cheia de orgulho e temeridade, ousa conceber Deus de acordo com seu próprio padrão; e, sendo afundado na estupidez, e imerso em profunda ignorância; imagina um fantasma vaidoso e ridículo em vez de Deus. Esses males são seguidos por outro; os homens tentam expressar no trabalho de suas mãos uma divindade como imaginaram em suas mentes. A mente então gera o ídolo e a mão o traz adiante. O exemplo dos israelitas prova que isso tem sido a origem da idolatria, a saber, que os homens não acreditam que Deus esteja entre eles, a menos que ele exiba alguns sinais externos de sua presença. “Quanto a esse Moisés” , disseram eles, “não sabemos o que é feito dele; faze-nos deuses que vão adiante de nós”. [22] Eles sabiam, na verdade, que havia um Deus, cujo poder haviam experimentado em tantos milagres; mas eles não tinham confiança em estar presente com eles, a menos que pudessem ver algum símbolo corpóreo de seu semblante, como um testemunho de seu Guia Divino. Eles desejavam, portanto, entender, a partir da imagem que estava diante deles, que Deus era o líder de sua marcha. A experiência cotidiana ensina que a carne nunca é satisfeita, até que tenha obtido alguma imagem, semelhante a si mesma, na qual ela possa ser tolamente gratificada, como uma imagem de Deus. Em quase todas as eras, desde a criação do mundo, em obediência a essa propensão estúpida, os homens erigiram representações visíveis, nas quais acreditavam que Deus era apresentado aos seus olhos carnais.

IX. Tal invenção é imediatamente acompanhada de adoração; pois quando os homens supunham que viam Deus em imagens, também o adoravam neles. Por fim, com os olhos e a mente inteiramente confinados a eles, começaram a ficar mais estúpidos e a admirá-los, como se possuíssem alguma divindade inerente. Agora, está claro que os homens não se apressaram em adorar as imagens, até que absorveram uma opinião muito grosseira a respeito delas; não, de fato, que eles acreditassem que eram deuses, mas imaginavam que algo de Divindade residia neles. Quando você se prostra, portanto, na adoração de uma imagem, se supõe que representa Deus ou uma criatura, já está fascinado pela superstição. Por esta razão, o Senhor proibiu, não apenas a construção de estátuas feitas como representações dele, mas também a consagração de quaisquer inscrições ou monumentos a permanecem como objetos de adoração. Pela mesma razão, também, outro ponto é anexado ao preceito da lei referente à adoração. Pois tão logo os homens fizeram uma figura visível de Deus, eles atribuem poder divino a ela. Tal é a estupidez dos homens, que eles confinam Deus a qualquer imagem que eles façam para representá-lo e, portanto, não podem deixar de adorá-lo. Tampouco é de alguma importância se eles adoram simplesmente o ídolo ou Deus no ídolo; é sempre idolatria, quando as honras divinas são pagas a um ídolo, sob qualquer pretensão. E como Deus não será adorado de uma maneira supersticiosa ou idólatra, o que é conferido aos ídolos é tirado dele. Que isto seja considerado por aqueles que buscam tais pretextos miseráveis ​​para a defesa daquela idolatria execrável, com a qual, por muitas eras, a verdadeira religião foi subjugada e subvertida. As imagens, dizem eles, não são consideradas deuses. Nem os judeus eram tão indiferentes para não lembrar, que foi Deus, por cuja mão foram conduzidos para fora do Egito, antes de fazerem o bezerro. Mas quando Arão disse que aqueles eram os deuses pelos quais haviam sido libertados do Egito, eles corajosamente concordaram; [23] significando, sem dúvida, que eles manteriam em memória, que o próprio Deus era seu libertador, enquanto eles podiam vê-lo indo diante deles no bezerro. Nem podemos acreditar que os gentios tenham sido tão estúpidos, a ponto de conceber que Deus não era outro senão madeira e pedra. Pois eles trocaram as imagens por prazer, mas sempre retiveram em suas mentes os mesmos deuses; e havia muitas imagens para um deus; nem imaginavam para si mesmos deuses em proporção à multidão de imagens: além disso, eles diariamente consagravam novas imagens, mas sem supor que eles faziam novos deuses. Leia as desculpas, que, diz Agostinho, [24] foram alegadas pelos idólatras da época em que viveu. Quando eles foram acusados ​​de idolatria, o vulgar respondeu que eles adoravam, não a figura visível, mas a Divindade que invisivelmente habitava nela. Mas eles, cuja religião era, como ele se expressa, mais refinados, diziam que não adoravam a imagem nem o espírito representado por ela; mas que na figura corpórea eles viram um sinal daquilo que deviam adorar. O que deve ser deduzido a partir disso, mas que todos os idólatras, sejam judeus ou gentios, foram guiados pela noção que mencionei? Não contentes com um conhecimento espiritual de Deus, eles pensaram que deveriam receber impressões mais claras e familiares dele por meio de imagens. Depois que eles se agradaram uma vez com uma representação tão absurda de Deus, eles não deixaram de ser iludidos com novas falácias, até que imaginaram que Deus mostrou seu poder em imagens. Não obstante, os judeus foram persuadidos de que, sob tais imagens, eles adoravam o Deus eterno, o único verdadeiro Senhor do céu e da terra; e os pagãos, que eles adoravam seus falsos deuses, a quem eles fingiam ser habitantes do céu.

X. Aqueles que negam que isso tenha sido feito no passado, e até mesmo em nossa própria lembrança, afirmam uma falsa imprudência. Por que eles se prostram diante das imagens? E quando estão prestes a orar, por que eles se voltam para eles, como para os ouvidos de Deus? Pois é verdade, como diz Agostinho, [25] “Que nenhum homem ora ou adora assim, olhando para uma imagem, que não está impressionado com uma opinião de que será ouvido por ela, e uma esperança que fará por ele como ele desejos. ” Por que existe uma diferença tão grande entre as imagens do mesmo deus, aquela é passada com pouco ou nenhum respeito, e a outra é honrada da maneira mais solene? Por que eles se fatigam com peregrinações votivas, para ver imagens parecidas com as que têm em casa? Por que eles lutam neste dia, até mesmo para abate e destruição, em defesa deles, como de seu país e religião, para que eles pudessem se separar do único Deus verdadeiro mais facilmente do que com seus ídolos? No entanto, não estou aqui enumerando os erros grosseiros do vulgar, que são quase infinitos e ocupam quase os corações de todos; Eu só relato o que eles mesmos alegam, quando estão mais ansiosos para se desculpar da idolatria. "Nós nunca", dizem eles, "os chamamos de nossos deuses". Nem os judeus ou pagãos nos tempos antigos os chamavam de deuses; e ainda os Profetas, em todos os seus escritos, estavam constantemente acusando-os de fornicação com madeira e pedra, apenas por conta de coisas que são praticadas diariamente por aqueles que desejam ser cristãos crentes; isto é, para adorar a Deus, pela adoração corpórea diante de figuras de madeira ou pedra.

XI. Eu não sou nem ignorante, nem desejoso de esconder, que eles evitam a acusação por uma distinção mais sutil, que em breve será notada mais amplamente. Eles fingem que a reverência que pagam às imagens é ειδωλοδουλεια (serviço de imagens), mas negam que seja ειδωλολατρεια (adoração de imagens). Pois dessa maneira eles se expressam, quando sustentam, que a reverência que eles chamam de dulia , pode ser dado a estátuas ou imagens, sem prejuízo para Deus. Eles se consideram, portanto, sujeitos a nenhuma culpa, enquanto eles são apenas os servos de seus ídolos, e não os adoradores deles; como se a adoração não fosse inferior ao serviço. E ainda assim, enquanto procuram se abrigar sob um termo grego, eles se contradizem da maneira mais infantil. Para já que a palavra grega λατρευειν significa nada mais que adorar, o que eles dizem é equivalente a uma confissão de que eles adoram suas imagens, mas sem adoração. Tampouco podem objetar justamente que estou tentando enunciá-los com palavras: eles traem sua própria ignorância em seus esforços para criar uma névoa diante dos olhos dos simples. Mas, por mais eloquentes que sejam, nunca poderão, pela sua retórica, provar que uma e a mesma coisa são duas coisas diferentes. Deixe-os apontar, eu digo, uma diferença de fato, que eles podem ser considerados diferentes dos antigos idólatras. Pois como um adúltero, ou homicídio, não escapará à imputação da culpa, dando ao seu crime um nome novo e arbitrário, por isso é absurdo que essas pessoas sejam desculpadas pela invenção sutil de um nome, se elas realmente diferirem em nenhum respeito daqueles idólatras que eles mesmos são obrigados a condenar. Mas o caso deles está tão longe de ser diferente do dos antigos idólatras, que a fonte de todo o mal é uma emulação absurda, com a qual eles rivalizaram exercitando suas mentes no pensamento, e suas mãos formando, símbolos visíveis do Divindade.

XII No entanto, eu não sou tão escrupuloso a ponto de pensar que nenhuma imagem deveria ser permitida. Mas como escultura e pintura são dons de Deus, desejo o uso puro e legítimo de ambos; para que as coisas que o Senhor nos confere para sua glória e nosso benefício não sejam apenas corrompidas por abusos despropositados, mas até mesmo pervertidas pela nossa ruína. Achamos que é ilegal fazer qualquer figura visível como uma representação de Deus, porque ele próprio a proibiu, e isso não pode ser feito sem prejudicar, em alguma medida, a sua glória. Não se deve supor que somos singulares nessa opinião; por isso, todos os escritores de som reprovaram uniformemente a prática, devem ser evidentes para pessoas conhecedoras de suas obras. Se, então, não é lícito fazer qualquer representação corpórea de Deus, muito menos será lícito adorar a Deus, ou adorar a Deus nela. Concluímos, portanto, que nada deve ser pintado e gravado, mas objetos visíveis aos nossos olhos: a Divina Majestade, que está muito acima do alcance da visão humana, não deve ser corrompida por figuras inconvenientes. Os sujeitos dessas artes consistem em parte de histórias e transações, em parte de imagens e formas corpóreas, sem referência a quaisquer transações. Os primeiros são de alguma utilidade na informação ou na lembrança; o último, até onde eu vejo, pode fornecer nada além de diversão. E, no entanto, é evidente que quase todas as imagens, até agora estabelecidas nas igrejas, foram desta última descrição. Por isso, pode-se ver que eles foram colocados lá, não com julgamento e discriminação, mas com uma paixão tola e imprudente por eles. Eu não digo nada aqui do impropriedade e indecência conspícuas na maioria delas, e a devassa licenciosidade mostrada nelas pelos pintores e estatuários, a que antes indiquei: só afirmo que, mesmo que fossem intrinsecamente impecáveis, ainda assim eles seriam totalmente inúteis para os propósitos. de instrução.

XIII. Mas, ao passar sobre essa diferença também, vamos considerar, ao prosseguirmos, se é conveniente ter alguma imagem nos templos cristãos, seja descritiva de eventos históricos ou representativa de formas humanas. Em primeiro lugar, se a autoridade da Igreja antiga tem alguma influência conosco, lembremo-nos de que, por cerca de quinhentos anos, enquanto a religião continuou em um estado mais próspero, e a doutrina mais pura prevaleceu, as igrejas cristãs geralmente não tinham imagens. . Eles foram introduzidos pela primeira vez, portanto, para enfeitar as igrejas, quando a pureza do ministério começou a degenerar. Não vou contestar qual foi o motivo que influenciou os primeiros autores deles; mas se você comparar uma idade com outra, verá que elas foram muito reduzidas da integridade daquelas que não tinham imagens. Quem pode supor que esses santos pais teriam permitido que a Igreja permanecesse por tanto tempo destituída daquilo que julgavam útil e salutar para ela? O fato era que, em vez de omiti-los por ignorância ou negligência, eles percebiam que eram de pouco ou nenhum uso, mas, pelo contrário, estavam cheios de muito perigo; e, portanto, intencionalmente e sabiamente os rejeitou. Isto é afirmado em termos expressos por Agostinho: “Quando eles estão fixos”, diz ele, “naqueles lugares em uma elevação honrosa, para atrair a atenção daqueles que estão orando e sacrificando, embora sejam destituídos de sentido e vida, ainda assim pela mesma semelhança de membros e sentidos vivos, eles afetam as mentes fracas, de modo que elas parecem viver e respirar ”, & c. [26] E em outro lugar: “Pois aquela representação de membros leva, e, por assim dizer, constrange, a mente, que anima um corpo, a supor que o corpo seja dotado de percepção, o que ele parece ser muito semelhante ao seu próprio ”, & C. E um pouco depois: “Os ídolos têm mais influência para curvar uma alma infeliz, porque têm boca, olhos, ouvidos e pés, do que corrigi-la, porque não falam, nem vêem, nem ouvem, nem andam”. Isso, na verdade, parece ser a razão da exortação de João a “manter-se”, não apenas da adoração de ídolos, mas também de “ídolos” . E descobrimos que é verdade demais que, através do horrível frenesi que, até a destruição total da piedade, até então possuiu o mundo, assim que as imagens são estabelecidas nas igrejas, existe, por assim dizer, um padrão de idolatria erigido; pois a tolice da humanidade não pode deixar de cair imediatamente na adoração idólatra. Mas, mesmo que o perigo fosse menor, ainda, quando considero o uso para o qual os templos foram projetados, parece-me extremamente indigno de sua santidade, receber quaisquer outras imagens, do que aquelas naturais e expressivas, que o Senhor consagrou. em sua palavra; Quero dizer o Batismo, e a Ceia do Senhor, e as outras cerimônias, com as quais nossos olhos devem estar mais atentamente engajados, e mais sensivelmente afetados, do que exigir quaisquer outros formados pela ingenuidade humana. Contemple as vantagens incomparáveis ​​das imagens! a perda de qual, se você acredita nos papistas, nada pode compensar.

XIV As observações já feitas sobre este assunto, penso eu, seriam suficientes, se não fosse necessário tomar conhecimento do Conselho de Nice; não aquele muito celebrado, que foi convocado por Constantino, o Grande, mas o que foi realizado há cerca de oitocentos anos, pelo comando e sob os auspícios da Imperatriz Irene. Para aquele Conselho decretou, não só que as imagens deveriam ser tido em igrejas, mas também que eles deveriam ser adorados. E, apesar do que tenho avançado, a autoridade do Conselho levantaria um forte preconceito do lado contrário. No entanto, para confessar a verdade, não estou muito preocupado com isso, pois devo mostrar ao leitor sua extrema loucura, cuja predileção por imagens excedeu qualquer coisa que estava se tornando nos cristãos. Mas vamos despachar este ponto primeiro: os atuais defensores do uso de imagens alegam a autoridade do Concílio de Niceia em sua defesa. Existe um livro existente, escrito em refutação desta prática, sob o nome de Carlos Magno; que, da dicção, podemos concluir foi composta ao mesmo tempo. Neste trabalho são recitadas as opiniões dos bispos que compareceram ao Conselho, e os argumentos que eles usaram na controvérsia. João, o delegado das igrejas orientais, disse: "Deus criou o homem à sua própria imagem"; daí inferiu que devemos ter imagens. O mesmo prelado pensava que as imagens nos eram recomendadas por esta frase: “Mostra-me a tua face, porque é gloriosa”. Outra, para provar que deveriam ser colocadas nos altares, citou este testemunho: “Nenhum homem acende uma vela. e coloca-o debaixo de um alqueire ”. Outro, para mostrar a contemplação destes para ser útil para nós, aduziu um verso de um Salmo: “ A luz do teu semblante, ó Senhor, está selada sobre nós. ” Outro pressionou esta comparação ao seu serviço: “Como os patriarcas usavam os sacrifícios dos pagãos, assim os cristãos deveriam ter as imagens dos santos, em vez dos ídolos dos gentios.” Da mesma maneira eles torturavam aquela expressão: “Senhor, eu amei o beleza da tua casa. ” Mas o mais engenhoso de tudo era a interpretação deles desta passagem: “Como ouvimos, assim vimos”, que, portanto, Deus é conhecido não apenas pela audição de sua palavra, mas pela contemplação de imagens. Semelhante é a sutileza do bispo Theodore: “Deus é glorioso em seus santos”. E em outro lugar é dito: “Nos santos que estão na terra”, portanto isto deve ser referido às imagens. Mas suas impertinências e absurdos são tão nojentos que tenho vergonha de repeti-los.

XV. Quando eles discutem sobre adoração, eles promovem a adoração de Faraó a Jacó, e do bastão de José, e da inscrição feita por ele mesmo; embora, neste último caso, eles não apenas corrompam o sentido da Escritura, mas aleguem o que está longe de ser encontrado. Essas passagens também, “Adore o escabelo de seus pés”; “ Adorei em seu santo monte” e “Todos os ricos do povo suplicarão teu rosto”; eles consideram como provas apropriadas e conclusivas. Se alguém quisesse representar os defensores das imagens de um ponto de vista ridículo, poderia atribuir-lhes exemplos maiores e mais grosseiros de insensatez? Mas, para que nenhuma dúvida disso permaneça, Teodósio, bispo de Mira, defende a propriedade de adorar imagens dos sonhos de seu arquidiácono, tão seriamente como se ele tivesse uma revelação imediata do céu. Agora, deixem os defensores das imagens e nos exortem o decreto daquele Concílio; como se esses veneráveis ​​pais não tivessem destruído inteiramente todo o seu crédito por tal tratamento pueril das Sagradas Escrituras, ou por tal mutilação ímpia e vergonhosa deles.

XVI. Venho agora àqueles prodígios de impiedade, que é maravilhoso que eles tenham se aventurado a abordar; e ainda mais maravilhoso, que eles não se opuseram com detestação universal. É justo expor essa loucura flagrante, que o culto das imagens pode pelo menos ser privado da pretensão da antiguidade, que os papistas falsamente pedem em seu favor. Teodósio, bispo de Amorum, denuncia um anátema contra todos os que são avessos ao culto das imagens. Outra imputa todas as calamidades da Grécia e do Oriente ao crime de não tê-las adorado. Que punições, então, os Profetas, Apóstolos e Mártires mereceram, em cujo tempo as imagens eram desconhecidas? Acrescentam ainda, se a imagem do imperador se encontrar com procissões com perfumes e incenso, muito mais é esta honra devido às imagens dos santos. Constâncio, bispo de Constança, em Chipre, professa sua reverência por imagens e garante que lhes pagará a mesma adoração e honra que é devido à Trindade, a fonte de toda a vida; e quem se recusa a fazer o mesmo, anatematiza e rejeita os maniqueus e os marcionitas. E, para que você não deva supor que esta seja a opinião particular de um indivíduo, todos eles declaram sua concordância com isso. John, o delegado das igrejas orientais, levado pelo fervor de seu zelo ainda mais longe, afirma ser melhor admitir todos os bordéis do mundo em uma cidade do que rejeitar a adoração de imagens. Por fim, foi decretado unanimemente que os samaritanos eram piores que todos os hereges e que os adversários das imagens eram piores que os samaritanos. Mas, para que a farsa não queira seu aplauso habitual, eles acrescentam esta cláusula: "Que eles se regozijem e exultem, que tenham a imagem de Cristo e ofereçam sacrifícios a ela". Onde está agora a distinção de latria e dulia, com as quais eles tentam enganar tanto a Deus como aos homens? Pois o Concílio concede a mesma honra, sem exceção, às imagens e ao Deus vivo.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Maximus Tyrius, Plat. Serm 38
[2] Deuteronômio 4. 15
[3] Isaías 40. 18; 41. 7, 29; 46. 5, etc.
[4] Atos 17. 29
[5] Êxodo 33. 11
[6] Deuteronômio 4. 11
[7] Êxodo 33. 20
[8] Mateus 3. 16
[9] Êxodo 25. 17, 18 e c.
[10] Isaías 6. 2
[11] Salmo 135. 15
[12] Hor. Sentou. lib. 1, 8.
[13] Isaias 44. 9-20.
[14] Isaías 40. 21
[15] Salmo 115. 8
[16] Jeremias 10. 8
[17] Habacuque 2. 18
[18] Gálatas 3. 1
[19] Sabedoria 14. 15
[20] Gênesis 31. 19
[21] Josué 24. 2
[22] Êxodo 32. 1
[23] Êxodo 32. 4-6.
[24] Salmo 113.
[25] Salmo 113.
[26] Epist. 49. De Civ. Dei. lib. 4. Capítulo 31

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: