Mostrando quão difícil é a prática da humildade

Mostrando quão difícil é a prática da humildade, pelo espírito geral e temperamento do mundo. Como o cristianismo nos exige viver em oposição ao mundo.

TODA PESSOA, quando se aplica pela primeira vez ao exercício dessa virtude da humildade, deve, como eu disse antes, considerar-se um aprendiz, isto é, aprender algo que é contrário aos antigos temperamentos e hábitos da mente, e que só pode ser obtido pela prática diária e constante.

Ele não só tem muito a fazer como aquele que tem alguma nova arte ou ciência para aprender, mas ele também tem muito a desaprender: ele deve esquecer e deixar de lado seu próprio espírito, que há muito tempo se conserta e forma em si; deve esquecer-se e afastar-se da abundância de paixões e opiniões que a moda, a moda e o espírito do mundo lhe tornaram natural.

Ele deve deixar de lado seu próprio espírito; porque, como nascemos no pecado, também no orgulho, que é tão natural para nós como o amor próprio, e continuamente brota dele. E essa é uma razão pela qual o cristianismo é tão frequentemente representado como um novo nascimento e um novo espírito.

Ele deve deixar de lado as opiniões e paixões que recebeu do mundo; porque a moda e a moda do mundo, pelas quais fomos levados como uma torrente, antes que pudéssemos julgar corretamente o valor das coisas, é, em muitos aspectos, contrária à humildade; de modo que devemos desaprender o que o espírito do mundo nos ensinou, antes de podermos ser governados pelo espírito de humildade.

O diabo é chamado nas Escrituras o príncipe deste mundo, porque ele tem grande poder nele, porque muitas de suas regras e princípios são inventados por este espírito maligno, o pai de todas as mentiras e falsidades, para nos separar de Deus, e prevenir nosso retorno à felicidade.

Agora, de acordo com o espírito e moda deste mundo, cujo ar corrupto todos nós respiramos, há muitas coisas que passam por grandes e honradas, e as mais desejáveis, que ainda estão tão longe de serem assim, que a verdadeira grandeza e honra da nossa natureza consiste em não desejá-los.

Para abundar em riqueza, para ter belas casas e roupas ricas, para sermos atendidos com esplendor e equipamento, para sermos belos em nossas pessoas, termos títulos de dignidade, estarmos acima de nossos semelhantes, para comandar os arcos e reverências de outras pessoas, para serem admiradas, para vencer nossos inimigos com poder, para subjugar tudo o que nos opõe, para nos lançarmos no máximo de esplendor que pudermos, para viver em alta e magnificência, para comer e beber, e deliciamo-nos da maneira mais custosa, estas são as grandes, as honradas, as coisas desejáveis, às quais o espírito do mundo gira os olhos de todos os povos. E muitos homens temem ficar parados, e não se engajar na busca dessas coisas, para que o mesmo mundo não o leve por um tolo.

A história do Evangelho é principalmente a história da conquista de Cristo sobre o espírito do mundo. E o número de cristãos verdadeiros é apenas o número daqueles que, seguindo o Espírito de Cristo, viveram contrários a esse espírito do mundo.

"Se alguém não tem o Espírito de Cristo, ele não é dele". Novamente, "tudo o que é nascido de Deus vence o mundo". "Aplique sua afeição nas coisas acima, e não nas coisas da terra; pois vocês estão mortos e sua vida está escondida com Cristo em Deus." [Romanos 8,9; 1 João 5,4; Colossenses 3. 2, 3] Esta é a linguagem de todo o Novo Testamento: esta é a marca do cristianismo: você deve estar morto, isto é, morto para o espírito e temperamento do mundo, e viver uma nova vida em o Espírito de Jesus Cristo.

Mas, apesar da clareza e clareza dessas doutrinas que renunciam ao mundo, grande parte dos cristãos vive e morre de escravos aos costumes e temperamentos do mundo.

Quantas pessoas se enchem de orgulho e vaidade, por coisas que não sabem valorizar, mas que são admiradas no mundo!

Um homem levaria dez anos a mais para trabalhar nos negócios para adicionar dois cavalos a seu treinador, mas que ele sabe que o mundo mais admira um treinador e seis? Quão temerosas são muitas pessoas em ter suas casas mal mobiliadas, ou elas mesmas mal vestidas, por esta única razão, para que o mundo não as contenha, e as coloque entre pessoas baixas e más!

Quantas vezes um homem teria cedido à altivez e à natureza do mal dos outros, e mostrado um temperamento submisso, mas que ele não ousa passar por um homem tão ignorante na opinião do mundo!

Muitos homens geralmente abandonam o ressentimento e perdoam uma afronta, mas temem que, se o fizer, o mundo não o perdoe.

Quantos praticariam a temperança e a sobriedade cristãs, em sua máxima perfeição, se não fosse pela censura que o mundo passa sobre tal vida!

Outros têm frequentes intenções de viver de acordo com as regras da perfeição cristã, das quais se assustam considerando o que o mundo diria deles.

Assim, as impressões que recebemos de viver no mundo escravizam nossas mentes, que não ousamos tentar ser eminentes aos olhos de Deus e dos santos anjos, por medo de sermos pequenos aos olhos do mundo.

A partir deste trimestre surge a maior dificuldade da humildade, porque não pode subsistir em qualquer mente, mas na medida em que está morto para o mundo, e se separou de todos os desejos de desfrutar de sua grandeza e honras. De modo que, para ser verdadeiramente humilde, você deve desaprender todas as noções que aprendeu por toda a vida com esse espírito corrupto do mundo.

Você não pode se opor aos assaltos do orgulho, as humildes afeições da humildade não podem ter lugar em sua alma, até que você detenha o poder do mundo sobre você e resolva contra uma obediência cega às suas leis.

E quando você é uma vez avançado até agora, a fim de poder ficar parado na torrente de modas mundanas e opiniões, e examinar o valor e valor das coisas que são mais admiradas e valorizadas no mundo, você tem feito um grande caminho o ganho de sua liberdade, e estabeleceu uma boa base para a emenda do seu coração.

Por maior que seja o poder do mundo, tudo é construído sobre uma obediência cega; e precisamos apenas abrir nossos olhos para desistir de seu poder.

Pergunte a quem você quer, aprendido ou não, cada um parece saber e confessar que o temperamento geral e o espírito do mundo nada mais são do que humor, loucura e extravagância. Quem não será dono de que a sabedoria da filosofia, a piedade da religião sempre esteve confinada a um pequeno número? e não é isto expressamente possuir e confessar, que o espírito comum e temperamento do mundo não é nem de acordo com a sabedoria da filosofia nem a piedade da religião?

O mundo, portanto, parece condenado o suficiente por si mesmo, para tornar muito fácil para um homem pensante ser do mesmo julgamento.

E, portanto, espero que você não pense que é difícil dizer que, para ser humilde, você deve retirar sua obediência desse espírito vulgar, que dá as leis aos papais e coquets, e formar seus julgamentos de acordo com a sabedoria da filosofia. e a piedade da religião. Quem teria medo de fazer uma mudança como essa?

Novamente: para diminuir seu medo e considerar a opinião do mundo, pense em quanto tempo o mundo irá desconsiderá-lo, e não terá mais consideração ou preocupação com você, do que com o animal mais pobre que morreu em uma vala.

Seus amigos, se puderem, podem enterrá-lo com alguma distinção, e montar um monumento, para permitir que a posteridade veja que sua poeira está sob tal pedra; e quando isso é feito, tudo está feito. Seu lugar é preenchido por outro, o mundo está exatamente no mesmo estado em que estava, você é apagado de sua visão e esquecido pelo mundo como se nunca tivesse pertencido a ele.

Pense nos ricos, nos grandes e nos sábios, que fizeram grandes figuras e foram elevados na estima do mundo; muitos deles morreram em seu tempo e, no entanto, afundaram-se, perderam-se, desapareceram e foram desconsiderados pelo mundo, como se tivessem sido apenas tantas bolhas de água.

Pense, novamente, quantas pobres almas vêem o paraíso perdido, e agora estão esperando uma eternidade miserável, por seu serviço e homenagem a um mundo que se pensa tão bem quanto eles, e é tão feliz quanto era quando eles estavam em isto.

Vale a pena, portanto, perder o menor grau de virtude, para agradar tanto um mestre e tão falso amigo como o mundo é?

Vale a pena dobrar o joelho a um ídolo como este, que tão cedo não terá nem olhos, nem ouvidos, nem um coração, para considerá-lo, em vez de servir aquele grande, santo e poderoso Deus, que fazer todos os Seus servos participantes da Sua própria eternidade?

Você deixará que o medo de um mundo falso, que não tenha amor por você, o afaste do medo daquele Deus que só criou você para que Ele possa amar e abençoar você por toda a eternidade?

Por fim, você deve considerar que comportamento a profissão do cristianismo requer de você em relação ao mundo.

Agora isso é claramente entregue nestas palavras: "Quem se entregou pelos nossos pecados, para nos livrar do presente mundo mau". [Gal. Eu. 4] O cristianismo, portanto, implica uma libertação deste mundo, e aquele que professa isso, professa viver de maneira contrária a tudo, e todo temperamento, que é peculiar a este mundo maligno.

São João declara esta oposição ao mundo desta maneira: "Eles são do mundo: portanto, falam eles do mundo, e o mundo os ouve. Somos de Deus". [1 João 4: 5, 6] Essa é a descrição dos seguidores de Cristo; e é prova suficiente, que nenhum povo deve ser reconhecido como cristãos na realidade, que em seus corações e temperamentos pertencem a este mundo. "Nós sabemos", diz o mesmo apóstolo, "que somos de Deus, e o mundo inteiro jaz na maldade". [1 João v. 19] Os cristãos, portanto, não podem mais saber que são de Deus, do que saberem que não são do mundo; isto é, que eles não vivem de acordo com os caminhos e o espírito do mundo. Pois todos os caminhos, máximas, políticas e temperamentos do mundo estão na maldade. E ele é somente de Deus, ou nascido de Deus em Cristo Jesus, que superou este mundo, isto é, que escolheu viver pela fé e governar suas ações pelos princípios de uma sabedoria revelada de Deus por Cristo Jesus.

São Paulo toma por uma certeza, tão bem conhecida dos cristãos, que eles não devem mais ser considerados como vivendo neste mundo, que ele assim argumenta a partir de um princípio inegável, relativo à abolição dos ritos da lei judaica. : "Portanto, se vós estais mortos com Cristo dos rudimentos do mundo, por que, como se estivessem no mundo, estão sujeitos a ordenanças?" [Col 2. 20]. Aqui não poderia haver nenhum argumento nisso, mas no Apóstolo o aceitando como inegável, que os cristãos sabiam que sua profissão exigia que eles tivessem feito com todos os temperamentos e paixões do mundo, que vivessem como cidadãos da nova Jerusalém, e que tivessem sua conversa no céu.

Nosso próprio Senhor Abençoado determinou completamente este ponto com estas palavras: "Eles não são deste mundo, como eu não sou deste mundo". [João xvii. 16] Este é o estado do cristianismo em relação a este mundo. Se você não está assim fora e ao contrário do mundo, você quer a marca distintiva do cristianismo; você não pertence a Cristo, mas por estar fora do mundo como Ele estava fora dele.

Podemos nos enganar, se quisermos, com comentários vãos e suavizantes sobre essas palavras; mas eles são, e serão, entendidos em sua primeira simplicidade e clareza por todos que os lêem no mesmo espírito que nosso Abençoado Senhor lhes falou. E entendê-los em qualquer significado inferior, menos significativo, é deixar a sabedoria carnal explicar a doutrina pela qual ela própria seria destruída.

A grande conquista do cristão sobre o mundo está contida no mistério de Cristo na cruz. Foi lá, e dali, que Ele ensinou a todos os cristãos como eles deveriam sair e conquistar o mundo, e o que eles deveriam fazer para serem Seus discípulos. E todas as doutrinas, sacramentos e instituições do Evangelho são apenas tantas explanações do significado e aplicações do benefício deste grande mistério.

E o estado do cristianismo não implica mais nada, mas uma completa e absoluta conformidade com o espírito que Cristo mostrou no misterioso sacrifício de si mesmo na cruz.

Todo homem, portanto, é tão cristão que participa deste Espírito de Cristo. Foi isso que fez São Paulo expressar-se tão apaixonadamente: "Deus não permita que eu me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo": mas por que ele se glorifica? É porque Cristo sofreu em seu lugar e o dispensou do sofrimento? Não, de jeito nenhum. Mas foi porque sua profissão cristã o havia chamado para a honra do sofrimento com Cristo, e de morrer para o mundo sob reprovação e desprezo, como Ele havia feito na cruz. Pois ele imediatamente acrescenta: "por quem o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo". [Gal. 6. 14] Isso, você vê, foi a razão de sua glória na cruz de Cristo, porque o chamou para um estado semelhante de morte e crucificação ao mundo.

Assim foi a Cruz de Cristo, nos dias de São Paulo, a glória dos cristãos; não como significou não se envergonhar de possuir um Mestre que foi crucificado, mas como significava sua glória numa religião que não era outra coisa senão uma doutrina da Cruz, que os chamava ao mesmo espírito sofredor, o mesmo sacrifício de si mesmos. a mesma renúncia do mundo, a mesma humildade e mansidão, a mesma paciente portadora de injúrias, censuras e desprezos, e a mesma morte por todas as grandezas, honras e felicidade deste mundo, que Cristo mostrou na cruz.

Para ter uma idéia verdadeira do Cristianismo, não devemos considerar nosso Abençoado como sofrimento em nosso lugar, mas como nosso Representante, agindo em nosso nome e com tal mérito particular, a ponto de tornar nossa união com Ele aceitável a Deus.

Ele sofreu e foi um sacrifício para tornar nossos sofrimentos e sacrifícios de nós mesmos aptos para serem recebidos por Deus. E devemos sofrer, ser crucificados, morrer e ressuscitar com Cristo; ou então Sua Crucificação, Morte e Ressurreição, não nos trarão nada.

A necessidade desta conformidade a tudo o que Cristo fez e sofreu em nossa conta é muito clara de todo o teor das Escrituras.

Primeiro, quanto aos seus sofrimentos: esta é a única condição de sermos salvos por eles, "se sofrermos" com Ele, "também reinaremos com ele". [2 Tim. 2. 12]

Em segundo lugar, quanto à sua crucificação; "sabendo isto, que o nosso homem velho é crucificado com ele" [Rom. vi. 6. etc] Aqui você vê que Cristo não está crucificado em nosso lugar; mas a menos que nosso velho homem seja realmente crucificado com Ele, a cruz de Cristo não nos trará nada.

Terceiro, Quanto à morte de Cristo, a condição é esta: "Se estivermos mortos com Cristo", acreditamos que "também viveremos com ele". [2 Tim. ii. 11] Portanto, se Cristo está morto sozinho, se não estamos mortos com ele, estamos tão seguros, a partir desta Escritura, que não devemos viver com ele.

Por fim, quanto à ressurreição de Cristo, a Escritura nos mostra como devemos participar do benefício dela: "Se ressuscitardes com Cristo, busque as coisas que estão no alto, onde Cristo está assentado à destra de Deus". [Col. 3. 1]

Assim, você vê claramente como a Escritura apresenta nosso Abençoado Senhor como nosso Representante, agindo e sofrendo em nosso nome, obrigando-nos a nos conformarmos com tudo o que ele fez e sofreu por nós.

Foi por esta razão que o Santo Jesus disse de seus discípulos, e neles de todos os verdadeiros crentes, "Eles não são deste mundo, como eu não sou deste mundo. [João xvii. 14] Porque todos os verdadeiros crentes, conforme aos sofrimentos, Crucificação, Morte e Ressurreição de Cristo, não mais vivam segundo o espírito e temperamento deste mundo, mas sua vida está escondida com Cristo em Deus.

Esse é o estado de separação do mundo, ao qual todas as ordens de cristãos são chamadas. Eles devem, até agora, renunciar a todos os temperamentos mundanos, ser tão governados pelas coisas de outra vida, a ponto de mostrar que eles são verdadeiramente e realmente crucificados, mortos e ressuscitados, com Cristo. E é necessário que todos os cristãos conformam-se a essa grande mudança de espírito, para ser assim em Cristo novas criaturas, pois era necessário que Cristo sofresse, morresse e ressuscitasse para nossa salvação.

Quão alta a vida cristã é colocada acima dos caminhos deste mundo, é maravilhosamente descrita por São Paulo, nestas palavras: "Portanto, de agora em diante, não conhecemos ninguém segundo a carne; sim, ainda que tenhamos conhecido a Cristo segundo a carne, de agora em diante não o conhecemos mais. Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas velhas já passaram; eis que todas as coisas se tornam novas. [2 Coríntios 5, 16, 17]

Aquele que sente a força e o espírito dessas palavras dificilmente pode suportar qualquer interpretação humana delas. Doravante, diz ele, isto é, desde a morte e ressurreição de Cristo, o estado do cristianismo tornou-se um estado tão glorioso, que nem consideramos o próprio Cristo como na carne na terra, mas como um Deus de glória no céu ; Conhecemos e nos consideramos não como homens na carne, mas como companheiros de uma nova sociedade, que devem ter todo o nosso coração, nosso temperamento e nossa conversa no céu.

Assim é que o cristianismo nos colocou fora e acima do mundo; e nós caímos de nosso chamado, assim que caímos no temperamento do mundo.

Agora, como era o espírito do mundo que pregou nosso bendito senhor na cruz; Assim, todo homem que tem o Espírito de Cristo, que se opõe ao mundo como Ele fez, certamente será crucificado pelo mundo, de uma forma ou de outra.

Pois o cristianismo ainda vive no mesmo mundo que Cristo fez; e estes dois serão inimigos absolutos, até que o reino das trevas esteja completamente acabado.

Se você tivesse vivido com nosso Salvador como Seu verdadeiro discípulo, você teria sido odiado como Ele era; e se você agora vive em Seu Espírito, o mundo será o mesmo inimigo para você agora, que foi para Ele então.

"Se você fosse do mundo", diz o nosso bendito Senhor, "o mundo amaria o seu próprio: mas, porque não sois do mundo, mas eu te escolhi do mundo, por isso o mundo te odeia." [João 15, 19]

Estamos aptos a perder o verdadeiro significado dessas palavras, considerando-as apenas como uma descrição histórica de algo que era o estado de nosso Salvador e Seus discípulos naquele tempo. Mas isso é ler a Escritura como uma letra morta; pois eles descrevem exatamente o estado dos verdadeiros cristãos neste, e em todos os outros momentos, até o fim do mundo.

Pois, como o verdadeiro cristianismo nada mais é do que o Espírito de Cristo, assim, quer esse Espírito apareça na pessoa do próprio Cristo, ou em Seus apóstolos, ou seguidores de qualquer época, é a mesma coisa; quem tem o Seu Espírito será odiado, desprezado e condenado pelo mundo, como Ele era.

Pois o mundo sempre amará a si mesmo, e ninguém além dele: isso é tão certo e imutável quanto a contrariedade entre luz e trevas.

Quando o Santo Jesus diz: "Se o mundo te odeia", Ele não acrescenta por consolo, que uma hora ou outra pode cessar seu ódio, ou que nem sempre os odiará; mas Ele só dá isto como uma razão para o suportar, "você sabe que me odiava, antes que te odiasse"; [João xv. 18] significando que era Ele, isto é, Seu Espírito, que, em razão de sua contrariedade ao mundo, era, e sempre seria, odiado por ele.

Você talvez diga que o mundo agora se tornou cristão, pelo menos aquela parte onde vivemos; e, portanto, o mundo não deve agora ser considerado naquele estado de oposição ao cristianismo, como quando era pagão.

É concedido, o mundo agora professa o cristianismo. Mas alguém dirá que esse mundo cristão é do Espírito de Cristo? Seus temperamentos gerais são os temperamentos de Cristo? As paixões da sensualidade, do amor-próprio, do orgulho, da cobiça, da ambição e da glória vão, menos contrárias ao espírito do Evangelho, agora estão entre os cristãos, do que quando estavam entre os pagãos? Ou você dirá que os temperamentos e paixões do mundo pagão estão perdidos e desaparecidos?

Considere, em segundo lugar, o que você quer dizer com o mundo. Agora isso é totalmente descrito para as nossas mãos por São João. "Tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida" [1 João 2. 16]. Essa é uma descrição exata e completa do mundo. Agora você dirá que este mundo se tornou cristão? Mas se tudo isso ainda subsiste, então o mesmo mundo está agora em ser, e o mesmo inimigo do cristianismo, que foi nos dias de São João.

Foi neste mundo que São João condenou, como não sendo do Pai: se, portanto, externamente professa, ou abertamente persegue o cristianismo, ainda está no mesmo estado de contrariedade ao verdadeiro espírito e santidade do Evangelho.

E, de fato, o mundo, ao professar o cristianismo, está tão longe de ser um inimigo menos perigoso do que era antes, que, por seus favores, destruiu mais cristãos do que nunca da mais violenta perseguição.

Devemos, portanto, estar tão longe de considerar o mundo como em um estado de menos inimizade e oposição ao cristianismo do que era nos primeiros tempos do Evangelho, que devemos nos proteger contra ele como um inimigo maior e mais perigoso agora, do que foi naqueles tempos.

É um inimigo maior, porque tem maior poder sobre os cristãos por seus favores, riquezas, honras, recompensas e proteção do que pelo fogo e fúria de suas perseguições.

É um inimigo mais perigoso, por ter perdido sua aparência de inimizade. Sua profissão exterior de cristianismo faz com que ela não seja mais considerada inimiga, e, portanto, a generalidade das pessoas é facilmente persuadida a se resignar para ser governada e dirigida por ela.

Quantas consciências são mantidas em silêncio, sem outro fundamento, mas porque pecam sob a autoridade do mundo cristão!

Quantas direções do Evangelho não são consideradas, e quão indiferentes são as pessoas que as leem, por nenhuma outra razão a não ser porque parecem desconsideradas pelo mundo cristão!

Quantas conformidades as pessoas fazem ao mundo cristão, sem qualquer hesitação ou remorso; que, se tivessem sido exigidos deles apenas por pagãos, teria sido recusado, como contrário à santidade do cristianismo!

Quem poderia se contentar em ver quão contrária a sua vida é para o Evangelho, mas porque ele vê que ele vive como o mundo cristão?

Quem, que lê o Evangelho, gostaria de ser persuadido da necessidade de grande autonegação, humildade e pobreza de espírito, mas que a autoridade do mundo baniu essa doutrina da cruz?

Não há nada, portanto, que um bom cristão deva ser mais desconfiado, ou mais constantemente protegido contra, do que a autoridade do mundo cristão.

E todas as passagens da Escritura que representam o mundo como contrário ao cristianismo, que requerem nossa separação dele, como de um Mamom da injustiça, um monstro de iniqüidade, devem todas ser tomadas no mesmo sentido estrito, em relação ao presente. mundo.

Pois a mudança pela qual o mundo passou alterou apenas seus métodos, mas não diminuiu seu poder de destruir a religião.

Os cristãos não tinham nada a temer do mundo pagão, mas a perda de suas vidas; mas o mundo se torna amigo, torna difícil para eles salvar sua religião.

Embora o orgulho, a sensualidade, a cobiça e a ambição tivessem apenas a autoridade do mundo pagão, os cristãos ficaram mais atentos às virtudes contrárias. Mas quando o orgulho, a sensualidade, a cobiça e a ambição têm a autoridade do mundo cristão, então os cristãos privados estão no mais extremo perigo, não apenas de se envergonhar da prática, mas de perder a própria noção, da piedade da fé. Gospel.

Há, portanto, dificilmente qualquer possibilidade de salvar-se do mundo atual, mas considerando-o como o mesmo inimigo perverso de toda a verdadeira santidade, como é representado nas Escrituras; e assegurando-se de que é tão perigoso conformar-se a seus temperamentos e paixões agora é cristão, como quando era pagão.

Porque só se pergunte: a piedade, a humildade, a sobriedade do mundo cristão, a piedade, a humildade e a sobriedade do espírito cristão? Se não, como você pode ser mais desfeito por qualquer mundo do que se conformar ao que é cristão?

Precisa que um homem faça mais para tornar sua alma imprópria para a misericórdia de Deus, do que sendo ganancioso e ambicioso de honra? Contudo, como pode um homem renunciar a esse temperamento, sem renunciar ao espírito e temperamento do mundo, no qual você agora vive?

Como pode um homem tornar-se mais incapaz do Espírito de Cristo do que por um valor errado por dinheiro? e, no entanto, como ele pode estar mais errado em seu valor do que em seguir a autoridade do mundo cristão?

Não, em toda ordem e posição de vida, seja de aprendizado ou negócios, seja na Igreja ou no Estado, você não pode agir de acordo com o espírito da religião, sem renunciar ao temperamento e comportamento mais geral daqueles que são da mesma ordem e negócios. como você mesmo.

E embora a prudência humana pareça falar sabiamente sobre a necessidade de evitar particularidades, contudo, aquele que não ousa ser tão fraco a ponto de ser particular, será muitas vezes obrigado a evitar os deveres mais substanciais da piedade cristã.

Espero que estas reflexões o ajudem a superar essas dificuldades e resistir às tentações que a autoridade e a moda do mundo levantaram contra a prática da humildade cristã.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XVII.

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: