O fanatismo que descarta a Escritura

O fanatismo que descarta a Escritura, sob o pretexto de recorrer a revelações imediatas, subversivo de todos os princípios da piedade.

I. As pessoas que, abandonando a Escritura, imaginam para si mesmas uma outra maneira de se aproximar de Deus, devem ser consideradas não tanto enganadas pelo erro quanto atuadas pelo frenesi. Pois ultimamente surgiram alguns homens instáveis ​​que, fingindo ser ensinados pelo Espírito, rejeitam a si mesmos e ridicularizam a simplicidade daqueles que ainda atendem (o que eles fazem) a letra morta e matadora. Mas eu perguntaria a eles, que espírito é esse, por cuja inspiração eles são elevados a tal sublimidade, a ousar desprezar a doutrina da Escritura, como pueril e mesquinho. Pois, se eles respondem que é o Espírito de Cristo, quão ridícula é tal garantia! para que os apóstolos de Cristo e outros crentes da Igreja primitiva não fossem iluminados por nenhum outro Espírito, creio que eles concederão. Mas nenhum deles aprendeu, de seus ensinamentos, a desprezar a palavra divina; eles estavam bastante cheios de maior reverência por isso, como seus escritos testificam abundantemente. Isso foi previsto pela boca de Isaías. Pois onde ele diz: “O meu Espírito que está sobre ti, e as minhas palavras que eu pus na tua boca, não se desviarão da tua boca, nem da boca da tua semente, para sempre”, [1] ele não confina. pessoas sob a antiga dispensação à carta externa, como se fossem crianças aprendendo a ler, mas declara que será a verdadeira e completa felicidade da nova Igreja, sob o reinado de Cristo, governada pela palavra de Deus. bem como pelo seu Espírito. De onde inferimos que essas pessoas são culpadas de um sacrilégio detestável, ao separar essas duas coisas, que o profeta conectou em uma união inviolável. Novamente; Paulo, depois de ter sido arrebatado para o terceiro céu, não cessou de estudar a doutrina da lei e dos profetas; como também exortou Timóteo, um mestre de excelência mais do que comum, a “dar atenção à leitura”. [2] E digno de lembrança é seu elogio à Escritura, que “é proveitoso para doutrina, para repreensão, para correção, para instrução. em justiça; que o homem de Deus seja perfeito.” [3] Que diabólico, então, é aquela loucura que finge que o uso da Escritura é apenas transitório e temporário, o qual guia os filhos de Deus até o mais alto ponto de perfeição! Eu também lhes faria outra pergunta - se absorveram um espírito diferente do que o Senhor prometeu aos seus discípulos? Por maior que seja sua paixão, não acho que sejam suficientemente fanáticos para arriscar tal declaração. Mas que tipo de espírito ele prometeu? Um, verdadeiramente, quem deve “não falar de si mesmo,” [4] , mas sugerir e incutir em suas mentes as coisas que ele tinha oralmente entregues. O ofício do Espírito, então, que nos é prometido, não é o de fingir novas e inauditas revelações, ou inventar um novo sistema de doutrina, que nos seduza da doutrina do evangelho recebida, mas para selar a nossa doutrina. mentes a mesma doutrina que o Evangelho entrega.

II. Por isso, entendemos prontamente que é nossa obrigação diligentemente ler e atender às Escrituras, se quisermos receber qualquer vantagem ou satisfação do Espírito de Deus; (assim também Pedro [5] elogia aqueles que estudaram atentamente a doutrina dos profetas, os quais, no entanto, poderiam ter se aposentado depois que a luz do Evangelho foi ressuscitada;) mas, ao contrário, que, se algum espírito, negligencia a sabedoria de a palavra de Deus, nos imponha outra doutrina, ele deve justamente ser suspeito de vaidade e falsidade. Pois, como Satanás se transforma em um anjo de luz, que autoridade o Espírito tem conosco, a menos que possamos distingui-lo pelo critério mais certo? Nós o encontramos claramente designado, na verdade, na palavra do Senhor; mas esses homens infelizes são afetuosamente inclinados à ilusão, mesmo à sua própria destruição, buscando um espírito mais de si do que dele. Mas alegam que é indigno do Espírito de Deus, a quem todas as coisas devem estar sujeitas, ser submetido à Escritura; como se fosse vergonhoso para o Espírito Santo ser em todo lugar igual e uniforme, em todas as coisas invariavelmente consistente consigo mesmo. Se ele estivesse em conformidade com as regras de homens, ou de anjos, ou de quaisquer outros seres, eu concedo que ele poderia então ser considerado como degradado, ou mesmo reduzido a um estado de servidão; mas enquanto ele é comparado consigo mesmo, e considerado em si mesmo, quem afirma que está assim ferido? Isso está levando-o à prova de exame. Eu confesso que é. Mas é o caminho que ele escolheu para a confirmação de sua majestade entre nós. Devemos ficar satisfeitos assim que ele se comunicar conosco. Mas, para que o espírito de Satanás não se insinue em seu nome, ele escolhe ser reconhecido por nós a partir de sua imagem, que ele impressionou nas Escrituras. Ele é o autor das Escrituras: ele não pode ser mutável e inconsistente consigo mesmo. Ele deve, portanto, perpetuamente permanecer como ele descobriu que era. Isso não é vergonhoso para ele; a menos que consideremos honroso para ele alterar e degenerar de si mesmo.


III Mas a objeção deles, de que dependemos da “carta que mata”, mostra que eles não escaparam da punição devida aos desprezadores da Escritura. Pois é suficientemente evidente que Paulo está lutando contra os falsos apóstolos, [6] os quais, recomendando a lei com a exclusão de Cristo, estavam seduzindo o povo das bênçãos da Nova Aliança, na qual o Senhor se empenha em gravar sua lei em as mentes dos crentes, e inscrevê-lo em seus corações. A carta, portanto, está morta, e a lei do Senhor mata os leitores dela, onde ela é separada da graça de Cristo e soa nos ouvidos, sem afetar o coração. Mas, se for eficazmente impressa em nossos corações pelo Espírito, se exibe Cristo, é a palavra da vida, “convertendo a alma, tornando sábios os simples”, etc. [7] Mas no mesmo lugar o Apóstolo também chama sua pregação de “o ministério do Espírito”; [8] sem dúvida pretendendo que o Espírito Santo adira tão à sua própria verdade, que ele tem expressado nas Escrituras, que ele somente exibe e exerce sua poder onde a palavra é recebida com a devida reverência e honra. Nem isso é repugnante ao que eu afirmei antes, que a palavra em si não tem muita certeza conosco, a menos que seja confirmada pelo testemunho do Espírito. Porque o Senhor estabeleceu uma espécie de conexão mútua entre a certeza da sua palavra e do seu Espírito; de modo que nossas mentes estão cheias de uma sólida reverência pela palavra, quando pela luz do Espírito somos capacitados a contemplar o semblante divino; e, por outro lado, sem o menor medo do erro, recebemos com alegria o Espírito, quando o reconhecemos à sua imagem, isto é, na palavra. Este é o verdadeiro estado do caso. Deus fez não publique sua palavra à humanidade por causa da ostentação momentânea, com um desígnio para destruí-la ou anulá-la imediatamente no advento do Espírito; mas ele depois enviou o mesmo Espírito, por cujo arbítrio ele havia dispensado sua palavra, para completar seu trabalho por uma confirmação eficaz daquela palavra. Desta maneira Cristo abriu a compreensão de seus dois discípulos; [9] não que, rejeitando as Escrituras, eles podem ser sábio o suficiente de si mesmos, mas para que pudessem compreender as Escrituras. Então, quando Paulo exorta os Tessalonicenses para “Não extingais o Espírito”, [10] ele não levá-los para esvaziar especulações independentes da palavra; pois ele imediatamente acrescenta, “não desprezem as profecias”, claramente insinuando que a luz do Espírito se extingue quando as profecias caem em desprezo. Que resposta pode ser dada a essas coisas, por fanáticos orgulhosos, que se julgam possuidores da única iluminação valiosa, quando, negligenciando e abandonando com segurança a Palavra Divina, eles, com igual confiança e temeridade, abraçam avidamente todos os devaneios que suas imaginações destemperadas pode ter concebido? Uma sobriedade muito diferente torna-se filhos de Deus; que, embora sejam sensatos que, exclusivamente do Espírito de Deus, são totalmente destituídos da luz da verdade, contudo não ignoram que a palavra é o instrumento pelo qual o Senhor dispensa aos crentes a iluminação do seu Espírito. Porque não conhecem outro Espírito além daquele que habitou e falou dos apóstolos; por cujos oráculos eles são continuamente chamados para ouvir a palavra.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Isaías 59. 21
[2] 1 Timóteo 4. 13
[3] 2 Timóteo 3. 16, 17.
[4] João 16. 13
[5] 2 Pedro 1. 19
[6] 2 Coríntios 3. 6
[7] Salmo 19. 7
[8] 2 Coríntios 3. 8
[9] Lucas 24. 27, & c.
[10] 1 Tessalonicenses. v. 19.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: