Sobre a predestinação

O primeiro e mais importante artigo da religião sobre o qual tenho de oferecer minhas opiniões, e que há muitos anos me chamou a atenção, é a Predestinação de Deus, isto é, a Eleição dos homens para a salvação, e a Reprovação deles para a salvação. destruição. Começando com este artigo, vou primeiro explicar o que é ensinado sobre isso, tanto nos discursos e escritos, por certas pessoas em nossas Igrejas, e na Universidade de Leyden. Posteriormente, declararei minhas opiniões e pensamentos sobre o mesmo assunto, enquanto mostro minha opinião sobre o que eles promovem.

Neste artigo não há opinião uniforme e simples entre os professores das nossas Igrejas; mas há algumas variações em certas partes em que elas diferem umas das outras.


1. A primeira opinião, que eu rejeito, mas que é defendida por aqueles [Supralapsários] que assumem o mais alto fundamento desta Predestinação.

A opinião daqueles que tomam as mais altas bases neste ponto, como é geralmente contido em seus escritos, é para esse efeito:

"I. Deus por um decreto eterno e imutável predestinou, dentre os homens (a quem ele não considerou como sendo então criado, muito menos como sendo caído) certos indivíduos para a vida eterna, e outros para a destruição eterna, sem qualquer consideração seja qual for a justiça ou pecado, a obediência ou desobediência, mas puramente de seu próprio prazer, para demonstrar a glória de sua justiça e misericórdia, ou (como outros afirmam) demonstrar sua graça salvadora, sabedoria e poder livre e incontrolável.

"II. Além deste decreto, Deus pré-ordenou certos meios determinados que dizem respeito à sua execução, e isto por um decreto eterno e imutável. Estes meios necessariamente seguem em virtude do decreto precedente, e necessariamente trazem aquele que tem sido predestinado, até o fim que foi pré-ordenado para Ele. Alguns desses meios pertencem em comum tanto ao decreto de eleição quanto ao de rejeição, e outros deles são especialmente restritos ao único decreto ou ao outro.

"III. Os meios comuns a ambos os decretos são três: o primeiro é a criação do homem no estado reto (ou ereto) da justiça original, ou depois da imagem e semelhança de Deus em justiça e verdadeira santidade. O segundo é, a permissão da queda de Adão, ou a ordenação de Deus que o homem deve pecar, e tornar-se corrupto ou viciado O terceiro é, a perda ou a remoção da justiça original e da imagem de Deus, e um ser concluído sob pecado e condenação.

"IV. Porque, a menos que Deus tenha criado alguns homens, ele não teria a quem conceder a vida eterna, ou superinduzir a morte eterna. A menos que os tenha criado em retidão e verdadeira santidade, ele teria sido o autor de pecado, e por este meio não possuía direito algum de puni-los para o louvor de sua justiça, ou para salvá-los para o louvor de sua misericórdia. A menos que eles mesmos tivessem pecado, e pelo demérito do pecado se tornassem culpados de morte, não haveria espaço para a demonstração de justiça ou de misericórdia.

"V. Os meios pré-ordenados para a execução do decreto de eleição, são também estes três. O primeiro é, a pré-ordenação, ou a entrega de Jesus Cristo como um Mediador e um salvador, que por sua reunião merece, ou compra, para todos os eleitos e para eles somente, a justiça e a vida perdidas, e pode comunicá-los por seu próprio poder [ou virtude]. O segundo é, o chamado [ou vocação] para a fé exteriormente pela palavra mas internamente pelo seu Espírito, na mente, afeições e vontade, por uma operação de tal eficácia que a pessoa eleita da necessidade concede assentimento e obediência à vocação, de tal forma que não é possível que ele faça outra coisa senão acreditar e seja obediente a esta vocação, daí advenha a justificação e a santificação através do sangue de Cristo e do seu Espírito, e deles a existência de todas as boas obras, e tudo isso, manifestamente por meio da mesma força e necessidade. aquilo que mantém e preserva os eleitos em fé, santidade e zelo por boas obras; ou é o dom da perseverança; a virtude é tal que crer e eleger pessoas não somente não pecam com uma vontade completa e completa, ou não caem totalmente da fé e da graça, mas também não é possível que eles pequem com uma completa e perfeita vontade, nem cair totalmente ou finalmente da fé e da graça.

"VI. Os dois últimos destes meios [vocação e perseverança,] pertencem apenas aos eleitos que são da idade adulta. Mas Deus emprega um caminho mais curto para a salvação, pelo qual ele conduz aqueles filhos de crentes e santos que se afastam disto. vida antes que eles cheguem a anos de maturidade, isto é, desde que pertençam ao número dos eleitos (que são conhecidos somente por Deus), pois Deus concede a eles Cristo como seu salvador, e os dá a Cristo, para salvá-los pelo seu sangue e Espírito Santo, sem verdadeira fé e perseverança nisso [fé], e isso ele faz de acordo com a promessa da aliança da graça, eu serei um Deus para você, e para a tua semente depois de você.

"VII. Os meios relativos à execução do decreto de reprovação à morte eterna, são, em parte, peculiarmente pertencem a todos aqueles que são rejeitados e reprovados, quer cheguem a anos de maturidade ou morram antes desse período; e são em parte, o que é apropriado apenas a alguns deles: o meio que é comum a todos os réprobos, é a deserção no pecado, negando-lhes a graça salvadora que é suficiente e necessária para a salvação de qualquer um consiste em duas partes, pois, em primeiro lugar, Deus não quis que Cristo morresse por eles [os réprobos], ou se tornasse seu salvador, e isto nem em referência à vontade antecedente de Deus, (como algumas pessoas chame-o, nem em referência à sua vontade suficiente, ou o valor do preço da reconciliação, porque este preço não foi oferecido para os réprobos, seja com relação ao decreto de Deus, ou a sua virtude e eficácia. (1) Mas a outra parte desta negação [ou negação] é que Deus não está disposto a comunicar o Espírito de Cristo a reprovados, mas sem tal comunicação eles não podem ser feitos participantes de Cristo nem de seus benefícios.

"VIII. O meio que pertence propriamente apenas a alguns dos réprobos, é a obduração, ou o ato de endurecer, que recai sobre aqueles que alcançaram anos de maturidade, ou porque eles pecaram muito freqüentemente e enormemente contra o lei de Deus, ou porque eles rejeitaram a graça do evangelho. (1) Para a execução da primeira espécie de endurecimento, ou endurecimento, pertencem a iluminação de sua consciência por meio do conhecimento, e sua convicção da justiça de Pois é impossível que esta lei não os detenha necessariamente em injustiça, para torná-los indesculpáveis. (2) Para a execução da segunda espécie de induração, Deus emprega um chamado pela pregação de seu evangelho, que chama é ineficaz e insuficiente, tanto no que diz respeito ao decreto de Deus, quanto à sua questão ou acontecimento.Este chamado é ou apenas externo, que não é nem em seu desejo nem em seu poder obedecer, ou é também interno, por que alguns deles podem estar excitados em seus entendimentos para aceitar e acreditar nas coisas que eles ouvem; mas, no entanto, é somente com uma fé como aquela com a qual os demônios são dotados quando acreditam e tremem. Outros deles são excitados e conduzidos ainda mais, de modo a desejar em certa medida saborear o dom celestial. Mas estes últimos são, de todos os outros, os mais infelizes, porque são elevados para o alto, a fim de serem derrubados com uma queda mais pesada. E este destino é impossível para eles escaparem, pois eles devem necessariamente voltar ao seu vômito e partir ou cair da fé."9.

"IX. A partir deste decreto de eleição e reprovação divinas, e desta administração dos meios que dizem respeito à execução de ambos, segue-se que os eleitos são necessariamente salvos, sendo impossível para eles perecer - e que o reprovados são necessariamente condenados, sendo impossível para eles serem salvos, e tudo isso a partir do propósito absoluto [ou determinação] de Deus, que é totalmente antecedente a todas as coisas, e a todas aquelas causas que estão ou nas próprias coisas ou podem possivelmente resultar deles ".

Essas opiniões concernentes à predestinação são consideradas, por alguns daqueles que as defendem, como o fundamento do cristianismo, da salvação e de sua certeza. Sobre esses sentimentos, eles supõem, "é fundado o consolo seguro e indubitável de todos os crentes, que é capaz de tornar tranquilas suas consciências; e deles também depende o louvor da graça de Deus, para que se alguma contradição seja oferecida a esta doutrina. Deus é necessariamente privado da glória de sua graça, e então o mérito da salvação é atribuído ao livre-arbítrio do homem e a seus próprios poderes e forças, que são uma garantia do pelagianismo”.

Estas são as causas que são oferecidas porque os defensores desses sentimentos trabalham com uma ansiedade comum para manter a pureza de tal doutrina em suas igrejas e por que elas se opõem a todas as inovações que estão em desacordo com elas.

2. MEUS SENTIMENTOS NO REGIME ANTERIOR DA PREDESTINAÇÃO.

Mas, por minha parte, para falar meus sentimentos com liberdade, e ainda assim com uma salva em favor de um julgamento melhor, eu sou de opinião, que essa doutrina deles contém muitas coisas que são falsas e impertinentes, e em absoluto desacordo uns com os outros; todas as instâncias de que, o tempo atual não me permitirá recontar, mas vou submetê-lo a um exame apenas naquelas partes que são mais proeminentes e extensas. Vou, portanto, propor a mim mesmo quatro chefes principais, que são da maior importância nesta doutrina; e quando em primeiro lugar expliquei de que tipo são, depois declararei mais plenamente o juízo e os sentimentos que formei a respeito deles. Eles são os seguintes:

"I. Que Deus decretou absoluta e precisamente salvar certos homens particulares por sua misericórdia ou graça, mas condenar os outros por sua justiça: e fazer tudo isso sem ter qualquer consideração em tal decreto de justiça ou pecado, obediência ou desobediência, que poderia existir por parte de uma classe de homens ou de outra.

"II. Que, para a execução do decreto precedente, Deus determinou criar Adão, e todos os homens nele, em um estado reto de justiça original; além do qual ele também os ordenou a cometer pecado, para que assim pudessem se tornar culpados de condenação eterna e ser privado da justiça original.

"III. Que as pessoas a quem Deus desejou positivamente salvar, ele decretou não apenas a salvação, mas também os meios que lhe pertencem; isto é, para conduzi-los e levá-los à fé em Cristo Jesus, e perseverança nessa fé;) e que Ele também na realidade os conduz a esses resultados por uma graça e poder que são irresistíveis, de modo que não é possível que eles façam outra coisa senão crer, perseverar na fé e ser salvos.

"IV. Que para aqueles a quem, por sua vontade absoluta, Deus pré-ordenou a perdição, ele também decretou negar a graça que é necessária e suficiente para a salvação, e na realidade não lhes confere; de ​​modo que eles não são colocados em uma condição possível, nem em qualquer capacidade de acreditar ou ser salvo".

Depois de uma diligente contemplação e exame dessas quatro cabeças, no temor do Senhor, faço a seguinte declaração a respeito dessa doutrina da predestinação.

3. REJEITO ESTA PREVISÃO PELAS SEGUINTES RAZÕES:

I. Porque não é o fundamento do cristianismo, da salvação ou da sua certeza.

1. Não é o fundamento do Cristianismo: (1) Pois esta Predestinação não é aquele decreto de Deus pelo qual Cristo é designado por Deus para ser o salvador, o Cabeça, e a Fundação daqueles que serão feitos herdeiros da salvação. No entanto, esse decreto é o único fundamento do cristianismo. (2) Porque a doutrina desta Predestinação não é aquela doutrina pela qual, através da fé, nós, como pedras vivas, somos edificados em Cristo, a única pedra angular, e somos inseridos nele à medida que os membros do corpo se juntam a eles. cabeça.

2. Não é o fundamento da Salvação: (1) Pois esta Predestinação não é aquele decreto do bom prazer de Deus em Cristo Jesus, no qual somente a nossa salvação descansa e depende. (2) A doutrina desta Predestinação não é o fundamento da Salvação: pois não é "o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê", porque através dela "a justiça de Deus" não é "revelada da fé para fé."
3. Nem é o fundamento da certeza da salvação:

Pois isso depende deste decreto: "os que crerem serão salvos": Eu creio, portanto, que serei salvo. Mas a doutrina dessa predestinação abrange dentro de si nem o primeiro nem o segundo membro do silogismo.

Isto é igualmente confessado por algumas pessoas nestas palavras:

"não queremos declarar que o conhecimento desta [Predestinação] é o fundamento do Cristianismo ou da salvação, ou que é necessário para a salvação da mesma maneira que a doutrina do Evangelho", & c.

II. Esta doutrina da Predestinação não inclui nem o todo nem qualquer parte do Evangelho. Pois, de acordo com o teor dos discursos proferidos por João e Cristo, como nos são descritos pelo evangelista, e de acordo com a doutrina dos Apóstolos e Cristo depois da sua ascensão, o Evangelho consiste em parte de uma injunção para se arrepender e crer. e em parte da promessa de conceder perdão dos pecados, a graça do Espírito e a vida eterna. Mas esta Predestinação não pertence nem à injunção de arrepender-se e crer, nem à promessa anexa. Não, essa doutrina nem mesmo ensina que tipo de homens em geral Deus predestinou, o que é propriamente a doutrina do Evangelho; mas ele envolve em si mesmo um certo mistério, que é conhecido apenas por Deus, que é o Predestinador, e no qual o mistério é compreendido que pessoas específicas e quantas ele decretou salvar e condenar. A partir dessas premissas, extraio uma conclusão adicional de que essa doutrina da Predestinação não é necessária para a salvação, seja como objeto de conhecimento, crença, esperança ou desempenho. Uma Confissão para este efeito foi feita por um certo homem instruído, nas teses que ele propôs para a discussão sobre este assunto, nas seguintes palavras:

"Portanto, o evangelho não pode ser simplesmente denominado livro ou a revelação da Predestinação, mas apenas em um sentido relativo. Porque não denota absolutamente a questão do número ou da forma, isto é, nem declara quantas pessoas em particular, nem (com algumas exceções) quem são, mas apenas a descrição deles em geral, a quem Deus predestinou.

III. Esta doutrina nunca foi admitida, decretada ou aprovada em nenhum Conselho, seja geral ou particular, nos primeiros seiscentos anos depois de Cristo.

1. Não no Conselho Geral de Nice, em que foi dada sentença contra Ário e a favor da Deidade e Consubstancialidade do Filho de Deus. Não no primeiro Concílio de Constantinopla, em que um decreto foi passado contra Macedonius, respeitando a Deidade do Espírito Santo. Não no Concílio de Éfeso, que determinou contra Nestório, e em favor da Unidade da Pessoa do Filho de Deus. Não naquele de Calcedônia, que condenou Eutiques, e determinou que "em uma e a mesma pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo, havia duas naturezas distintas, que diferem uma da outra em sua essência". Não no segundo Concílio de Constantinopla, em que Pedro, Bispo de Antioquia, e Antimo, Bispo de Constantinopla, com algumas outras pessoas, foram condenados por afirmar "que o Pai sofreu igualmente", bem como o Filho. Nem no terceiro Concílio de Constantinopla, em que os monotelistas foram condenados por ter afirmado "que havia apenas uma vontade e operação em Jesus Cristo".

2. Mas esta doutrina não foi discutida ou confirmada em Concílios particulares, como o de Jerusalém, Laranja, ou mesmo o de Mela na África, que foi realizado contra Pelágio e seus erros, como é evidente nos artigos de doutrina que eram então decretou tanto contra sua pessoa quanto suas falsas opiniões.

Mas até o momento a doutrina da Predestinação de Agostinho foi recebida naqueles concílios, que quando Celestino, o bispo de Roma, que era seu contemporâneo, escreveu aos bispos da França, e condenou as doutrinas dos pelagianos, concluiu sua epístola nestes palavras: "mas como não nos atrevemos a desprezar, também não consideramos necessário defender as partes mais profundas e difíceis das questões que ocorrem nesta controvérsia, e que têm sido tratadas em grande medida por aqueles que se opuseram aos hereges Porque acreditamos que, seja o que for que os escritos de acordo com as regras mencionadas na Sé Apostólica nos ensinaram, é amplamente suficiente para confessar a graça de Deus, de cuja obra, crédito e autoridade não devem ser subtraídos ou retirados," etc. Em referência às regras estabelecidas por Celestino naquela epístola, e que haviam sido decretadas nos três Conselhos particulares precedentes, não teremos dificuldade em concordar em conjunto sobre elas, especialmente em relação àquelas questões que são necessárias ao estabelecimento. da graça em oposição a Pelágio e seus erros.

IV. Nenhum daqueles Doutores ou Divinos da Igreja que possuíam sentimentos corretos e ortodoxos pelos primeiros seiscentos anos após o nascimento de Cristo, alguma vez levou essa doutrina adiante ou deu sua aprovação. Nem foi professado e aprovado por um único indivíduo daqueles que se mostraram os principais e mais atentos defensores da graça contra Pelágio. Desta descrição, é evidente, foram São Jerônimo, Agostinho, o autor do tratado intitulado De Vocatione Gentium, ["O chamado dos gentios"], Prosper de Aquitânia, Hilary, Fulgentius e Orosius. Isso é muito aparente em seus escritos.

V. Não concorda nem corresponde à Harmonia daquelas confissões que foram impressas e publicadas juntas em um volume em Genebra, em nome das Igrejas Reformadas e Protestantes. Se essa harmonia das Confissões for fielmente consultada, parecerá que muitas delas não falam da mesma maneira em relação à Predestinação; que alguns deles apenas mencionam isso acidentalmente; e que, evidentemente, nunca tocaram uma só vez naqueles chefes da doutrina, que agora têm grande reputação e são particularmente encorajados no esquema anterior da Predestinação, e que já adotei. Tampouco uma única Confissão apresenta essa doutrina da mesma maneira que acaba de ser proposta por mim. As Confissões da Boêmia, Inglaterra e Wirtemburgh, e a primeira Confissão Helvética [Suíça], e as das quatro cidades de Strasbourg, Constance, Memmingen e Lindau, não mencionam essa Predestinação. Os da Basileia e da Saxônia, apenas tomam uma nota muito superficial em três palavras. A Confissão Augusta fala de tal maneira que induz os editores genebrinos a pensar, que alguma anotação era necessária de sua parte, para nos dar um aviso prévio. A última das Confissões helvéticas [suíças], à qual grande parte das Igrejas Reformadas expressaram sua concordância e que elas subscreveram, também fala disso de tal maneira que me faz desejar ver qual método pode ser adotado. para dar-lhe qualquer acordo com a doutrina da Predestinação que acabo de avançar. No entanto, esta Confissão [Suíça] é aquela que obteve a aprovação das Igrejas de Genebra e Sabóia.

VI. Sem a menor contenção ou censura, pode muito bem ser feita uma questão de dúvida, se esta doutrina concorda com a Confissão Belga e com o Catecismo de Heidelberg; como vou demonstrar brevemente.

1. No 14º artigo da Confissão holandesa, estas expressões ocorrem: "O homem se sujeitou conscientemente e voluntariamente ao pecado e, conseqüentemente, à morte e à maldição, enquanto emprestou um ouvido às palavras e imposturas enganadoras do diabo". & c. Desta frase concluo que o homem não pecou devido a qualquer necessidade através de um decreto precedente de Predestinação: a inferência é diametralmente oposta àquela doutrina da Predestinação contra a qual eu agora defendo. Então, no artigo 16, que trata da eleição eterna de Deus, estas palavras estão contidas: "Deus mostrou-se Misericordioso, livrando-se da condenação e salvando aquelas pessoas que, em seu eterno e imutável conselho e conforme a sua bondade gratuita, ele escolheu em Cristo Jesus nosso Senhor, sem qualquer consideração por suas obras. E ele se mostrou justo, deixando os outros em que sua queda e perdição em que se precipitaram. Não é óbvio para mim como essas palavras são consistentes com essa doutrina da Predestinação.

2. Na 20ª pergunta do Catecismo de Heidelberg, lemos:

"a salvação por meio de Cristo não é dada [restaurada] a todos os que pereceram em Adão, mas àqueles que são enxertados em Cristo pela fé e que aceitam seus benefícios." Desta frase deduzo que Deus não predestinou absolutamente nenhum homem à salvação; mas que ele tem em seu decreto considerou [ou olhou para eles] como crentes. Esta dedução está em conflito aberto com o primeiro e terceiro pontos desta predestinação. Na 54ª pergunta do mesmo Catecismo, diz-se: "Creio que, desde o início até o fim do mundo, o Filho de Deus, de toda a raça humana, por sua palavra e espírito, reúne-se ou coleciona consigo mesmo. uma companhia escolhida para a vida eterna e concordando juntos na verdadeira fé ". Nessa sentença, "eleição para a vida eterna" e "acordo na fé" estão em justaposição mútua; e de tal maneira, que este último não se torna subordinado ao primeiro, o que, de acordo com esses sentimentos sobre Predestinação, deveria ter sido feito. Nesse caso, as palavras deveriam ter sido colocadas na seguinte ordem: "o filho de Deus chama e reúne para si mesmo, por sua palavra e espírito, uma companhia escolhida para a vida eterna, a fim de crer e concordar na verdadeira fé. "

Uma vez que tais são as declarações de nossa Confissão e Catecismo, não existe razão alguma, por que aqueles que abraçam e defendem esses sentimentos sobre Predestinação, deveriam ou se esforçar violentamente para impedi-los de seus colegas e da Igreja de Cristo; ou por que eles deveriam se dar mal, e colocar a pior construção sobre isso, quando qualquer coisa é ensinada na Igreja ou na Universidade que não é exatamente de acordo com sua doutrina, ou que se opõe a ela.
VII. Eu afirmo que esta doutrina é repugnante à natureza de Deus, mas particularmente àqueles atributos de sua natureza pelos quais ele realiza e administra todas as coisas, sua sabedoria, justiça e bondade.

1. É repugnante à sua sabedoria de três maneiras. (1) Porque representa Deus como decretando algo para um fim particular [ou propósito] que nem é nem pode ser bom: isto é, que Deus criou algo para perdição eterna para o louvor de sua justiça. (2) Porque afirma, que o objeto que Deus propôs a si mesmo por esta predestinação, foi, para demonstrar a glória de sua misericórdia e justiça: Mas esta glória ele não pode demonstrar, exceto por um ato que é contrário ao mesmo tempo a sua misericórdia e sua justiça, cuja descrição é aquele decreto de Deus no qual ele determinou que o homem pecasse e se tornasse miserável. (3) Porque muda e inverte a ordem da dupla sabedoria de Deus, como é mostrada a nós nas Escrituras. Afirma que Deus tem absolutamente predeterminado a salvar os homens pela misericórdia e sabedoria que são compreendidas na doutrina da cruz de Cristo, sem ter previsto esta circunstância, que era impossível para o homem (e que, verdadeiramente, através do seu próprio falha,) ser salvo pela sabedoria que foi revelada na lei e que foi infundida nele no período de sua criação: Quando a escritura afirma, ao contrário, que "aprouve a Deus a loucura da pregação salvá-los que acreditam "; isto é, "pela doutrina da cruz, depois que na sabedoria de Deus o mundo pela sabedoria não conheceu a Deus". (1 Coríntios 1:21)

2. É repugnante à justiça de Deus, não apenas em referência àquele atributo denotando em Deus o amor à justiça e ao ódio à iniquidade, mas também em referência a ser nele um desejo perpétuo e constante de prestar a cada um aquilo que é seu devido. (1) Está em discordância com a primeira dessas idéias de justiça da seguinte maneira: Porque afirma que Deus tem absolutamente vontade de salvar certos homens, e decretou sua salvação sem ter a menor consideração pela justiça ou obediência. A inferência apropriada da qual, é, que Deus ama tais homens muito mais do que sua própria justiça [ou justiça]. (2) Ele se opõe à segunda ideia de sua justiça: Porque afirma, que Deus deseja sujeitar sua criatura à miséria, (que possivelmente não pode existir senão como a punição do pecado), embora, ao mesmo tempo, ele não olhe para [ou considere] a criatura como um pecador e, portanto, como não odioso para ira ou a punição. Esta é a maneira pela qual estabelece a posição, que Deus quis dar à criatura não apenas algo que não pertence a ela, mas que está ligado ao seu maior dano. Que é outro ato diretamente oposto à sua justiça. De acordo, portanto, com essa doutrina, Deus, em primeiro lugar, tira de si o que é seu, [ou seu direito], e então transmite à criatura o que não lhe pertence, a sua grande miséria e infelicidade.

3. Também é repugnante à bondade de Deus. A bondade é um afeto [ou disposição] em Deus de comunicar seu próprio bem na medida em que sua justiça considera e admite ser apropriada e apropriada. Mas nesta doutrina o seguinte ato é atribuído a Deus, que, de si mesmo, e induzido a ele por nada externo, ele deseja o maior mal a suas criaturas; e que desde toda a eternidade ele pré-ordenou esse mal para eles, ou pré-determinado a comunicá-los a eles, mesmo antes de decidir conceder-lhes qualquer porção do bem. Pois esta doutrina afirma que Deus quis condenar; e, para que ele seja capaz de fazer isso, tenha a vontade de criar; embora a criação seja a primeira saída [ou sair] da bondade de Deus para suas criaturas. Quão imensamente diferentes são tais afirmações como essas da bondade expansiva de Deus pela qual ele confere benefícios não apenas aos indignos, mas também aos maus, aos injustos e àqueles que são merecedores de castigo, que traço de beneficência Divina em nosso Pai quem está no céu, somos ordenados a imitar. (Mateus 5. 45)

VIII. Tal doutrina da Predestinação é contrária à natureza do homem, em relação a ele ter sido criado depois da imagem Divina no conhecimento de Deus e em retidão, em relação a ele ter sido criado com liberdade de vontade, e em relação à sua tendo sido criado com uma disposição e aptidão para o gozo da vida eterna. Estas três circunstâncias, respeitando-o, podem ser deduzidas das seguintes breves expressões: "Faça isto e viva:" (Rom. 5: 5) "No dia em que dela comeres, certamente morrerás." (Gênesis 2. 17). Se o homem for privado de qualquer uma dessas qualificações, tais admoestações como estas não podem ser eficazes em estimulá-lo à obediência.

1. Esta doutrina é inconsistente com a imagem divina, que consiste no conhecimento de Deus e santidade. Pois de acordo com esse conhecimento e justiça o homem era qualificado e capacitado, ele também estava sob a obrigação de conhecer a Deus, amar, adorar e servi-lo. Mas pela intervenção, ou melhor, pela prevenção dessa Predestinação, foi pré-ordenado que o homem fosse formado por vicioso e cometesse pecado, isto é, que ele não conhecesse a Deus, não o adorasse nem o servisse; e que ele não deveria realizar aquilo que, pela imagem de Deus, ele era bem qualificado e capacitado para fazer, e que ele estava destinado a realizar. Isso equivale a uma declaração como a seguinte, que qualquer um pode fazer:

"Deus, sem dúvida, criou o homem segundo sua própria imagem, em justiça e verdadeira santidade; mas, apesar disso, ele ordenou e decretou que o homem se tornasse impuro e injusto, isto é, deveria ser feito conforme a imagem de Satanás."

2. Esta doutrina é inconsistente com a liberdade da vontade, na qual e com a qual o homem foi criado por Deus. Pois impede o exercício desta liberdade, ligando ou determinando a vontade absolutamente a um objetivo, isto é, fazer precisamente isto, ou fazer isso. Deus, portanto, de acordo com esta afirmação, pode ser culpado por uma ou outra dessas duas coisas, (com as quais nenhum homem pode acusar seu Criador!) Ou por criar o homem com liberdade de vontade, ou por impedi-lo no uso. de sua própria liberdade depois que ele havia formado para ele um agente livre. No primeiro desses dois casos, Deus é carente de falta de consideração, no segundo, com mutabilidade. E em ambos, sendo injurioso para o homem e também para si mesmo.

3. Esta Predestinação é prejudicial ao homem em relação à inclinação e capacidade para a fruição eterna da salvação, com a qual ele foi dotado no período de sua criação. Pois, desde que por essa Predestinação foi predeterminado, que a maior parte da humanidade não será feita participante da salvação, mas cairá na condenação eterna, e desde que essa predeterminação ocorreu antes mesmo que o decreto passasse para a criação do homem, tais pessoas são privadas de algo, pelo desejo de que foram dotadas por Deus com uma inclinação natural. Esta grande privação eles sofrem, não em conseqüência de qualquer pecado ou demérito de seus próprios, mas simplesmente e exclusivamente através deste tipo de Predestinação.

IX. Esta Predestinação é diametralmente oposta ao Ato de Criação.

1. Para a criação é uma comunicação do bem de acordo com a propriedade intrínseca de sua natureza. Mas, criação desta descrição, cuja intenção ou desenho é, fazer um caminho através de si mesmo pelo qual a reprovação que tinha sido previamente determinada pode obter o seu objeto, não é uma comunicação do bem. Pois devemos formar nossa estimativa e julgamento de todo bem, da mente e da intenção d'Aquele que é o Doador, e do fim para o qual ou por conta do qual é doado. No presente caso, a intenção do Doador teria sido, para condenar, um ato que não poderia afetar ninguém exceto uma criatura; e o fim ou evento da criação teria sido a perdição eterna da criatura. Nesse caso, a criação não teria sido uma comunicação de qualquer bem, mas uma preparação para o maior mal, tanto de acordo com a própria intenção do Criador quanto com a questão real do assunto; e, de acordo com as palavras de Cristo, "havia visto bem para aquele homem, se ele nunca tivesse nascido!" (Mateus 26. 24.)

2. A reprovação é um ato de ódio e do ódio deriva sua origem. Mas a criação não procede do ódio; não é, portanto, um caminho ou meio que pertence à execução do decreto de reprovação.

3. A criação é um ato perfeito de Deus, pelo qual ele manifestou sua sabedoria, bondade e onipotência: não está, portanto, subordinado ao fim de qualquer outra obra ou ação precedente de Deus. Mas é antes ser visto como aquele ato de Deus, que necessariamente precede e é antecedente de todos os outros atos que ele possivelmente pode decretar ou empreender. A menos que Deus tivesse formado uma concepção prévia da obra da criação, ele não poderia ter decretado realmente qualquer outro ato; e até que ele executasse a obra da criação, ele não poderia ter completado nenhuma outra operação.

4. Todas as ações de Deus que tendem à condenação de suas criaturas são estranhas ou estranhas para ele; porque Deus consente a eles, por alguma outra causa que é completamente estranha. Mas a criação não é uma ação que é estranha a Deus, mas é apropriada a ele. É eminentemente uma ação mais apropriada a Ele, e à qual ele não poderia ser movido por nenhuma outra causa externa, porque é o primeiro dos atos Divinos, e, até que fosse feito, nada poderia ter qualquer existência real, exceto Deus. ele mesmo; para tudo o mais que tem um ser, surgiu através dessa ação.

5. Se a criação fosse o caminho e os meios pelos quais Deus desejava a execução do decreto de sua reprovação, ele estava mais inclinado a querer o ato de reprovação do que o da criação; e consequentemente ele obteve maior satisfação do ato de condenar algumas de suas criaturas inocentes, do que no ato de sua criação.

6. Por último. A criação não pode ser um caminho ou meio de reprovação de acordo com o propósito absoluto de Deus: porque, depois que a criação foi completada, ainda estava no poder do homem ter permanecido obediente aos mandamentos divinos e não cometer pecado; Para tornar isso possível, enquanto Deus, por um lado, concedia-lhe força e poder suficientes, ele também havia, por outro lado, colocado impedimentos suficientes; uma circunstância mais diametralmente oposta a uma predestinação dessa descrição.

X. Esta doutrina está em hostilidade aberta com a Natureza da Vida Eterna, e os títulos pelos quais ela é sinalizada distintamente nas Escrituras. Pois é chamado "a herança dos filhos de Deus"; (Tito 3. 7), mas só eles são os filhos de Deus, de acordo com a doutrina do Evangelho, "que creem no nome de Jesus Cristo". (João 1. 12) Também se chama "a recompensa da obediência" (Mateus 5. 12) e do "trabalho de amor"; (Hebreus. 6. 10), "a recompensa daqueles que lutam o bom combate e que correm bem, uma coroa de justiça", & c. (Apocalipse. 2. 10; 2 Timóteo 4. 7, 8) Deus, portanto, não tem, a partir de seu próprio decreto absoluto, sem qualquer consideração ou consideração à fé e obediência, designado a qualquer homem, ou determinado a designar-lhe vida eterna.

XI Essa Predestinação também se opõe à Natureza da Morte Eterna e às denominações pelas quais ela é descrita nas Escrituras. Por isso é chamado de "o salário do pecado; (Romanos 6. 23), o castigo da destruição eterna, que é castigado para os que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo; (2 Tessalonicenses 1. 8, 9), o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos, (Mateus 25. 41), um fogo que consumirá os inimigos e adversários de Deus." (Hebreus 10. 27) Deus, portanto, não tem, por qualquer decreto absoluto sem respeito ao pecado e à desobediência, preparado a morte eterna para qualquer pessoa.

XII Esta Predestinação é inconsistente com a Natureza e as Propriedades do Pecado de duas maneiras: (1) Porque o pecado é chamado de "desobediência" e "rebelião", nenhum dos quais pode se aplicar a qualquer pessoa que por um decreto divino precedente é colocado sob uma necessidade inevitável de pecar. (2) Porque o pecado é a causa meritória da condenação. Mas a causa meritória que move a vontade divina de reprovar, está de acordo com a justiça; e induz a Deus, que tem pecado em repugnância, a reprovação. O pecado, portanto, que é uma causa, não pode ser colocado entre os meios pelos quais Deus executa o decreto ou a vontade de reprovação.

XIII. Esta doutrina é igualmente repugnante à Natureza da Graça Divina, e, tanto quanto seus poderes permitem, ela afeta sua destruição. Sob qualquer pretensão especiosa, pode-se afirmar que "esse tipo de predestinação é admiravelmente adaptado e bastante necessário para o estabelecimento da graça", embora o destrua de três maneiras:

1. Porque a graça é tão tentada e misturada com a natureza do homem, a fim de não destruir dentro de si a liberdade de sua vontade, mas dar-lhe uma direção correta, corrigir sua depravação e permitir que o homem possua suas próprias noções apropriadas. Enquanto, ao contrário, essa Predestinação introduz tal espécie de graça, como tira o livre arbítrio e dificulta seu exercício.

2. Porque as representações da graça que as escrituras contêm, são como descrevê-lo capaz de "ser resistido, (Atos 7. 51) e recebido em vão"; (2 Coríntios 1: 1), e que é possível ao homem evitar o consentimento dele; e recusar toda a cooperação com isso. (Hebreus 12. 15; Mateus 22:37; Lucas 8. 30.) Embora, ao contrário, essa predestinação afirme que a graça é uma força e uma operação irresistíveis.

3. Porque, de acordo com a intenção primária e design principal de Deus, a graça conduz ao bem das pessoas a quem é oferecido e por quem é recebido: enquanto, pelo contrário, esta doutrina arrasta consigo a afirmação, que a graça é oferecida até mesmo a certos réprobos, e é até agora comunicada a eles de modo a iluminar seus entendimentos e estimular dentro deles o gosto pelos dons celestes, somente para este fim e propósito, que, em proporção à altura a que eles são elevados, o abismo no qual eles são precipitados pode ser o mais profundo, e a queda deles o mais pesado; e que ambos possam merecer e receber a maior perdição.

XIV A doutrina desta predestinação é prejudicial à glória de Deus, que não consiste de uma declaração de liberdade ou autoridade, nem de uma demonstração de raiva e poder, exceto a tal ponto que essa declaração e demonstração podem ser consistentes com a justiça, e com uma reserva perpétua em nome da honra da bondade de Deus. Mas, de acordo com essa doutrina, segue-se que Deus é o autor do pecado, o que pode ser provado por quatro argumentos:

1. Uma de suas posições é que Deus absolutamente decretou demonstrar sua glória pela justiça e misericórdia punitiva, na salvação de alguns homens e na condenação de outros, o que não foi feito, nem poderia ter sido feito, a menos que o pecado havia entrado no mundo.

2. Essa doutrina afirma que, para obter seu objetivo, Deus ordenou que o homem cometesse pecado e se tornasse viciado; e, desta divina ordenação ou nomeação, a queda do homem necessariamente se seguiu.

3. Afirma que Deus negou ao homem, ou se retirou dele, uma porção de graça que seja suficiente e necessária para capacitá-lo a evitar o pecado, e que isto foi feito antes que o homem tivesse pecado: o que é um ato que ao mesmo como se Deus tivesse prescrito uma lei ao homem, o que seria totalmente impossível para ele cumprir, quando a natureza em que ele foi criado foi levada em consideração.

4. Ele atribui a Deus certas operações com relação ao homem, tanto externas como internas, tanto mediadas (por meio da intervenção de outras criaturas) como imediatas - quais operações Divinas são admitidas uma vez, o homem deve necessariamente cometer pecado, por essa necessidade que os escolásticos chamam de "uma conseqüente necessidade antecedente da coisa em si" e que destrói totalmente a liberdade da vontade. Tal ato atribui essa doutrina a Deus, e o representa para proceder de sua intenção principal e principal, sem qualquer pré-conhecimento de uma inclinação, vontade ou ação por parte do homem.

A partir dessas premissas, deduzimos, como conclusão adicional, que Deus realmente peca. Porque, de acordo com esta doutrina, ele se move para o pecado por um ato que é inevitável, e de acordo com seu próprio propósito e intenção primária, sem ter recebido qualquer incentivo anterior a tal ato de qualquer pecado anterior ou demérito no homem.

Da mesma posição, podemos inferir que Deus é o único pecador. Pois o homem, que é impelido por uma força irresistível a cometer pecado, (isto é, perpetrar algum ato que foi proibido), não pode ser dito que ele mesmo pecou.

Como conseqüência legítima, segue-se também que o pecado não é pecado, uma vez que o que quer que seja que Deus faz, não pode ser pecado, nem qualquer de seus atos deve receber essa denominação.
Além das instâncias que já relatei, há outro método pelo qual essa doutrina inflige uma ferida profunda à honra de Deus - mas essas, é provável, serão consideradas, no presente, amplamente suficientes.

XV. Essa doutrina é altamente desonrosa para Jesus Cristo, nosso salvador. Pois, exclui-o inteiramente daquele decreto de Predestinação que predestina o fim: e afirma que os homens foram predestinados para serem salvos, antes de Cristo ser predestinado para salvá-los; e assim argumenta que ele não é o fundamento da eleição. 2. Ela nega que Cristo é a causa meritória, que novamente obteve para nós a salvação que havíamos perdido, colocando-o apenas como uma causa subordinada daquela salvação que já havia sido preordenada, e assim somente um ministro e instrumento para aplicar essa salvação para nós. Isso, de fato, está em evidente congruência com a opinião que declara "que Deus desejou absolutamente a salvação de certos homens, pelo primeiro e supremo decreto pelo qual ele passou, e do qual todos os seus outros decretos dependem e são consequentes". Se isto é verdade, era, portanto, impossível que a salvação de tais homens tivesse sido perdida e, portanto, desnecessário para que ela fosse consertada e de alguma forma recuperada novamente, e descoberta, pelo mérito de Cristo, que foi pré-ordenado salvador para eles sozinho.

XVI. Essa doutrina é também prejudicial à salvação dos homens.

1. Porque impede a salvação e a piedosa tristeza pelos pecados cometidos, que não podem existir naqueles que não têm consciência do pecado. Mas é óbvio que o homem que cometeu pecado através da necessidade inevitável do decreto de Deus, não pode possivelmente ter esse tipo de consciência de pecado. (2 Coríntios 7. 10.)

2. Porque remove toda solicitude piedosa sobre ser convertido do pecado para Deus. Pois ele não pode sentir tal preocupação que é inteiramente passivo e se comporta como um homem morto, com respeito não só ao seu discernimento e percepção da graça de Deus que é excitante e assistencial, mas também ao seu consentimento e obediência a ele; e que é convertido por um impulso tão irresistível, que ele não só não pode evitar ser sensível à graça de Deus que bate dentro dele, mas deve necessariamente dar sua aprovação a ele, e assim se converter, ou melhor, ser convertido. Tal pessoa é evidente, não pode produzir dentro de seu coração ou conceber em sua mente essa solicitude, a não ser que tenha previamente sentido o mesmo movimento irresistível. E se ele produzisse dentro de seu coração qualquer preocupação, seria em vão e sem a menor vantagem. Pois isso não pode ser uma solicitude verdadeira, que não é produzida no coração por nenhum outro meio, exceto por uma força irresistível de acordo com o propósito absoluto e a intenção de Deus de efetuar sua salvação. (Apocalipse 2. 3; 3, 2.)

3. Por restringir, em pessoas que são convertidas, todo zelo e estudioso consideram boas obras, já que declara "que os regenerados não podem realizar mais ou menos bem do que eles". Pois aquele que é ativado ou impulsionado pela graça salvadora, deve trabalhar e não pode descontinuar seu trabalho; mas aquele que não é movido pela mesma graça não pode fazer nada e acha necessário cessar todas as tentativas. (Tito 3. 14.)

4. Porque extingue o zelo pela oração, que ainda é um meio eficaz instituído por Deus para pedir e obter todos os tipos de bênçãos dele, mas principalmente o grande da salvação. (Lucas, 11. 1-13.) Mas a partir da circunstância de ter sido antes determinado por um decreto imutável e inevitável, que esta descrição dos homens [os eleitos] deve obter a salvação, a oração não pode ser, em hipótese alguma, um meio de pedir e obtendo essa salvação. Só pode ser um modo de adorar a Deus; porque, de acordo com o decreto absoluto de sua predestinação, ele determinou que tais homens seriam salvos.

5. Ele tira todo o medo e tremor mais salutar com o qual somos ordenados a trabalhar a nossa própria salvação. (Filipenses 2. 12), pois declara "que aquele que é eleito e crê, não pode pecar com a total e completa disposição com que o pecado é cometido pelos ímpios; e que eles não podem totalmente ou finalmente abandonar a fé ou graça". "

6. Porque produz nos homens um desespero, tanto de realizar aquilo que seu dever exige, quanto de obter aquilo para o qual seus desejos são dirigidos. Pois quando eles são ensinados que a graça de Deus (que é realmente necessária para a realização da menor porção do bem) é negada à maioria da humanidade, de acordo com um decreto absoluto e peremptório de Deus - - e que tal graça é negado porque, por um decreto precedente igualmente absoluto, Deus determinou não conferir salvação a eles, mas condenação; quando assim são ensinados, dificilmente se pode obter qualquer outro resultado, do que o indivíduo que não consegue, mesmo com grande dificuldade, persuadir-se de ser eleito, deve logo considerar-se incluído no número dos réprobos. De tal apreensão como esta, deve surgir um certo desespero de realizar a justiça e obter a salvação.

XVII. Esta doutrina inverte a ordem do Evangelho de Jesus

Cristo. Pois no evangelho, Deus requer arrependimento e fé da parte do homem, prometendo-lhe a vida eterna, se ele consentir em converter-se e crer. (Marcos 15.; 16, 16). Mas afirma-se no presente decreto [supralapsariana] da Predestinação, que é a vontade absoluta de Deus, para conceder a salvação em certos homens particulares, e que ele quis, ao mesmo tempo absolutamente para dar aqueles mesmos indivíduos arrependimento e fé, por meio de uma força irresistível, porque era sua vontade e prazer salvá-los. No Evangelho, Deus denuncia a morte eterna sobre os impenitentes e incrédulos. (João 3. 36.) E essas ameaças contribuem para o propósito que ele tem em vista, de modo que ele pode, por tais meios, dissuadi-las da incredulidade e assim salvá-las. Mas, por este decreto de Predestinação, é ensinado que Deus não deseja conferir a certos homens individuais a graça necessária para a conversão e a fé, porque ele decretou absolutamente sua condenação.

O Evangelho diz: "Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna". (João 3. 16)

Mas esta doutrina declara; "que Deus amou aqueles a quem ele elegeu absolutamente para a vida eterna, a fim de dar seu filho a eles somente, e por uma força irresistível para produzir dentro deles a fé sobre ele". Para abraçar o todo em poucas palavras, o Evangelho diz: "cumpra o mandamento e você obterá a promessa; creia e viverás". Mas essa doutrina [supralapsariana] diz: "já que é minha vontade dar-te a vida, é portanto minha vontade dar-te fé", que é uma inversão real e mais manifesta do Evangelho.

XVIII. Esta Predestinação está em hostilidade aberta ao ministério do Evangelho.

1. Porque, se Deus, por um poder irresistível, vivificar aquele que está morto em ofensas e pecados, nenhum homem pode ser ministro e "colaborador de Deus" (1 Co 3: 9), nem a palavra pregada pelo homem ser o instrumento da graça e do Espírito, mais do que uma criatura poderia ter sido um instrumento da graça na primeira criação, ou um dispensador daquela graça na ressurreição do corpo dentre os mortos.

2. Porque por essa Predestinação o ministério do evangelho é feito "o sabor da morte até a morte" no caso da maioria dos que a ouvem (2 Coríntios 14-16), bem como um instrumento de condenação, de acordo com o desígnio primário e intenção absoluta de Deus, sem qualquer consideração de rebelião anterior.

3. Porque, de acordo com esta doutrina, o batismo, quando administrado a muitos filhos réprobos (que ainda são filhos de pais que creem e são o povo do convênio de Deus) é evidentemente um selo [ou ratificação] de nada, e assim se torna inteiramente inútil, de acordo com a intenção primária e absoluta de Deus, sem qualquer falha [ou culpabilidade] por parte das próprias crianças, a quem é administrada em obediência ao mandamento Divino.

4. Porque impede que as orações públicas sejam oferecidas a Deus de maneira apropriada e apropriada, isto é, com fé e em confiança de que serão proveitosas para todos os ouvintes da palavra; quando há muitos entre eles, a quem Deus não está apenas disposto a salvar, mas a quem, por sua vontade absoluta, eterna e imutável (que é antecedente de todas as coisas e causa o que quer que seja), é sua vontade e prazer condenar: o tempo médio, quando o apóstolo ordena que orações e súplicas sejam feitas para todos os homens, ele acrescenta esta razão, "pois isto é bom e aceitável aos olhos de Deus, nosso salvador; que terá todos os homens para serem salvos e vir até o conhecimento da verdade ". (1 Timóteo 2. 1-4.)

5. A constituição desta doutrina é tão fácil quanto tornar pastores e mestres negligentes e negligentes no exercício de seu ministério: Porque, desta doutrina, parece-lhes como se fosse impossível que toda a sua diligência fosse útil qualquer pessoa, exceto àqueles a quem Deus absolutamente e precisamente deseja salvar, e que não podem perecer; e como se toda a sua negligência não pudesse ser prejudicial a ninguém, exceto àqueles só que Deus absolutamente deseja destruir, que deve necessariamente perecer, e a quem um destino contrário é impossível.

XIX. Essa doutrina subverte completamente o fundamento da religião em geral e da religião cristã em particular.

1. O fundamento da religião considerado em geral é um duplo amor a Deus; sem a qual não há nem pode haver nenhuma religião: o primeiro deles é um amor pela justiça [ou justiça] que dá existência ao seu ódio ao pecado. O segundo é o amor pela criatura dotada de razão e (no assunto agora diante de nós) é um amor ao homem, segundo a expressão do apóstolo dos hebreus. "pois aquele que vem a Deus deve crer que ele é e que é galardoador dos que o buscam diligentemente." (xi, 6.) O amor de Deus pela justiça é manifestado por esta circunstância, que não é sua vontade e prazer conceder a vida eterna a qualquer um, exceto àqueles que o buscam. O amor de Deus ao homem consiste em ele estar disposto a dar-lhe a vida eterna, se ele O buscar.

Uma relação mútua subsiste entre esses dois tipos de amor, que é isso. A última espécie de amor, que se estende às criaturas, não pode entrar em exercício, exceto na medida em que é permitido pelo primeiro, [o amor da justiça]: O amor anterior, portanto, é de longe a espécie mais excelente; mas em todas as direções há um escopo abundante para as emanações do último, [o amor da criatura], exceto quando o primeiro [o amor da justiça] colocou algum impedimento no alcance de seu exercício. A primeira dessas conseqüências é mais evidentemente provada a partir da circunstância do homem condenador de Deus por causa do pecado, embora ele o ame na relação em que ele permanece como sua criatura; o que de modo algum teria sido feito, se ele tivesse amado mais o homem do que a justiça, ou a justiça, e tivesse evidenciado uma forte aversão à miséria eterna do homem do que à sua desobediência. Mas a segunda conseqüência é provada por este argumento, que Deus não condena nenhuma pessoa, exceto por causa do pecado; e que ele salva uma multidão de homens que se afastam [ou convertem-se] do pecado; o que ele não poderia fazer, a menos que fosse sua vontade permitir o escopo tão abundante de seu amor pelas criaturas, como é permitido pela justiça [ou justiça] sob a regulação do julgamento Divino.

Mas essa doutrina [supralapsariana] inverte essa ordem e relação mútua de duas maneiras: (1) é quando afirma que Deus quer absolutamente salvar certos homens particulares, sem ter tido em sua intenção a menor referência ou consideração a sua obediência. Esta é a maneira pela qual coloca o amor de Deus ao homem antes de seu amor à justiça, e estabelece a posição - que Deus ama os homens (como tais) mais do que a justiça, e evidencia uma forte aversão à sua miséria do que ao pecado deles. e desobediência. (2) O outro é quando afirma, ao contrário, que Deus absolutamente condenará certos homens particulares sem manifestar em seu decreto qualquer consideração de sua desobediência. Desta maneira, diminui seu amor à criatura que lhe pertence; enquanto ensina que Deus odeia a criatura, sem qualquer causa ou necessidade derivada de seu amor pela justiça e seu ódio pela iniquidade. Nesse caso, não é verdade "que o pecado é o principal objetivo do ódio de Deus e sua única causa meritória".

A grande influência e potência que essa consideração possui em subverter o fundamento da religião, pode ser apropriadamente descrita pela seguinte analogia: Suponha que um filho diga: "Meu pai é tão grande amante da justiça e da equidade, que, apesar de eu ser seu Amado filho, ele me deserdaria se eu fosse desobediente a ele.A obediência, portanto, é um dever que devo diligentemente cultivar, e que é altamente incumbente de mim, se eu quiser ser seu herdeiro ". Suponha que outro filho diga: "O amor de meu pai por mim é tão grande, que ele está absolutamente decidido a me tornar seu herdeiro. Não há, portanto, necessidade de me esforçar para lhe dar obediência; pois, de acordo com sua vontade imutável Eu me tornarei seu herdeiro. Não, ele por uma força irresistível me atrairá a obedecê-lo, ao invés de não me permitir ser seu herdeiro." Mas tal raciocínio como este último é diametralmente oposto à doutrina contida nas seguintes palavras de João Batista: "E não pense em dizer dentro de si mesmos, temos Abraão a nosso pai: Porque eu digo a você, que Deus é capaz destes pedras para levantar filhos até Abraão". (Mateus 3. 9)

2. Mas a religião cristã também tem sua superestrutura construída sobre este duplo amor como fundamento. Esse amor, entretanto, deve ser considerado de uma maneira um tanto diferente, em conseqüência da mudança na condição do homem, que, quando ele foi criado a partir da imagem de Deus e a seu favor, tornou-se, por sua própria culpa, um pecador. e um inimigo de Deus. (1) O amor de Deus pela justiça [ou justiça] em que repousa a religião cristã é, em primeiro lugar, a justiça que ele declarou apenas uma vez, que estava em Cristo; porque era sua vontade que o pecado não fosse expiado de outra forma senão pelo sangue e morte de seu Filho, e que Cristo não deveria ser admitido diante dele como um Advogado, Deprecador e Intercessor, exceto quando aspergido por seu próprio sangue. Mas esse amor à justiça é, em segundo lugar, o que ele diariamente manifesta na pregação do evangelho, no qual ele declara ser sua vontade conceder uma comunicação de Cristo e seus benefícios a ninguém, exceto àquele que se converte e acredita em Cristo. (2) O amor de Deus pelos miseráveis ​​pecadores, no qual também se funda a religião cristã, é, primeiro, aquele amor pelo qual ele deu seu Filho por eles, e constituiu-lhe um salvador daqueles que lhe obedecem. Mas esse amor aos pecadores é, em segundo lugar, pelo qual ele exigiu obediência, não de acordo com o rigor e severidade a que tinha direito por seu próprio direito supremo, mas de acordo com sua graça e clemência, e com a adição de uma promessa. da remissão dos pecados, desde que o homem caído se arrependa.

A doutrina [supralapsariana] da Predestinação é, de duas maneiras, oposta a este fundamento duplo: primeiro, ao declarar, "que Deus tem um grande amor por certos pecadores, que era sua vontade salvá-los antes que ele tivesse dada satisfação, através de Cristo Jesus, ao seu amor pela justiça, [ou justiça], e que assim desejou a sua salvação, mesmo em seu próprio conhecimento prévio e de acordo com seu determinado propósito. " Além disso, derruba totalmente e completamente esta base, ensinando-a a ser "o prazer de Deus, que a satisfação deve ser dada à sua justiça, [ou justiça], porque ele desejou absolutamente salvar essas pessoas:" que não é nada menos que fazer o seu amor pela justiça, manifestado em Cristo, subordinado ao seu amor pelo homem pecador a quem é absolutamente sua vontade salvar. Em segundo lugar. Ela se opõe a esse fundamento, ensinando, "que é a vontade de Deus absolutamente condenar certos pecadores sem considerar sua impenitência"; quando, ao mesmo tempo, em Cristo Jesus, a mais completa e completa satisfação havia sido dada ao amor de Deus pela justiça (ou justiça) e ao seu ódio pelo pecado. De modo que nada agora pode impedir a possibilidade de estender a sua misericórdia ao pecador, seja ele quem for, exceto a condição de arrependimento. A menos que alguém escolha afirmar, o que é declarado nesta doutrina, "que tem sido a vontade de Deus agir para a maior parte da humanidade com a mesma severidade que ele exerceu em relação ao diabo e seus anjos, ou mesmo com maior, desde era seu prazer que nem Cristo nem seu evangelho deveriam produzir maiores bênçãos para eles do que para os demônios, e uma vez que, de acordo com a primeira ofensa, a porta da graça está tão fechada contra eles quanto é contra os anjos maus. " No entanto, cada um desses anjos pecou por si mesmo em sua própria pessoa, através de sua malícia individual e por seu ato voluntário; enquanto os homens pecaram, somente em Adão, seu pai, antes de terem sido trazidos à existência.

Mas, para que possamos entender mais claramente o fato de que esse amor duplo é o fundamento de toda religião e da maneira como é assim, com a correspondência mútua que subsiste entre si, como já descrevemos, será É proveitoso para nós contemplar com maior atenção as seguintes palavras do Apóstolo aos Hebreus: "Aquele que vem a Deus, deve crer que Ele é e que é galardoador dos que o buscam diligentemente." Nestas palavras, duas coisas são colocadas como fundamentos para a religião, em oposição a dois dardos inflamados de Satanás, que são as pragas mais perniciosas, e cada qual capaz de derrubar e extirpar toda a religião. Um deles é a segurança, o outro desespero. A segurança opera, quando um homem se permite, que, quão desatento seja para a adoração de Deus, ele não será condenado, mas obterá a salvação. O desespero está em operação, quando uma pessoa entretém uma persuasão, que, independentemente do grau de reverência que ele possa demonstrar em relação a Deus, ele não receberá nenhuma remuneração. Em que mente humana qualquer dessas pragas é promovida, é impossível que qualquer verdadeira e apropriada adoração a Deus possa residir. Agora ambos são derrubados pelas palavras do Apóstolo: Pois se um homem crê firmemente, "que Deus concederá a vida eterna somente àqueles que O buscam, mas que Ele infligirá ao resto a morte eterna", ele não pode conta se entregar em segurança. E se ele também acredita que "Deus é verdadeiramente um recompensador daqueles que O buscam diligentemente", aplicando-se à busca, ele não correrá o risco de cair em desespero. O fundamento do primeiro tipo de fé pelo qual um homem crê firmemente, "que Deus concederá vida eterna a ninguém, exceto àqueles que O buscam", é aquele amor que Deus suporta à sua própria justiça, ou justiça, e que é maior do que aquilo que ele entretém para o homem. E, sozinho, toda a causa da segurança é removida. Mas o fundamento deste último tipo de fé, "que Deus indubitavelmente será um galardoador daqueles que o buscam diligentemente", é aquele grande amor pelo homem que nem impedirá nem impedirá que Deus realize a salvação para ele, a não ser que seja impedido por ele. seu amor ainda maior por justiça ou justiça. No entanto, o último tipo de amor está longe de funcionar como um obstáculo a Deus, tornando-se um recompensador daqueles que o buscam diligentemente, ao contrário, promove de todas as formas possíveis a concessão dessa recompensa. Essas pessoas, portanto, que buscam a Deus, não podem, de modo algum, se entregar a uma única dúvida a respeito de sua disponibilidade para remunerar. E é isso que age como um preservativo contra o desespero ou a desconfiança. Como esse é o estado atual do caso, esse amor duplo e a relação mútua que cada parte tem com o outro e que acabamos de desdobrar são os alicerces da religião, sem os quais nenhuma religião pode existir. Essa doutrina, portanto, que está em franca hostilidade a esse amor mútuo e à relação que subsistem entre si, é, ao mesmo tempo, subversiva do fundamento de toda religião.

XX Por último. Essa doutrina da Predestinação foi rejeitada tanto nos tempos antigos como em nossos dias, pela maior parte dos professores do cristianismo.

1. Mas, omitindo toda menção aos períodos que ocorreram em épocas anteriores, os próprios fatos declaram que as Igrejas Luterana e Anabaptista, assim como a de Roma, consideram que esta é uma doutrina errônea.

2. No entanto, Lutero e Melancthon, no entanto, puderam, no próprio começo da reforma, aprovar essa doutrina, e depois abandonaram-na. Essa mudança em Melancthon é bastante aparente em seus últimos escritos: E aqueles que se intitulam "discípulos de Lutero", fazem a mesma declaração a respeito de seu mestre, enquanto afirmam que sobre esse assunto ele fez uma declaração mais distinta e copiosa de seus sentimentos. de abandonar completamente aqueles que ele anteriormente entretinha. Mas Philip Melancthon acreditava que essa doutrina não diferia muito do destino dos estoicos: isso aparece em muitos de seus escritos, mas mais particularmente em uma certa carta que ele dirigiu a Gasper Peucer, e na qual, entre outras coisas, ele afirma: "Lælius escreve para mim e diz que a controvérsia a respeito do Destino Estoico é agitada com um fervor tão incomum em Genebra, que um indivíduo é lançado na prisão porque ele difere de Zenão. Ó tempos infelizes! Quando a doutrina da salvação é assim obscurecido por certas disputas estranhas!"

3. Todas as Igrejas dinamarquesas abraçam uma doutrina bastante contrária a isso, como é óbvio a partir dos escritos de Nicholas Hemmingius em seu tratado sobre a Graça Universal, no qual ele declara que a disputa entre ele e seus adversários consistia na determinação desses dois pontos. : "os eleitos acreditam" ou "os crentes são os verdadeiros eleitos?" Ele considera "aquelas pessoas que mantêm a antiga posição, para manter sentimentos agradáveis ​​à doutrina dos maniqueus e estoicos; e aqueles que mantêm o último ponto, estão em óbvio acordo com Moisés e os profetas, com Cristo e seus Apóstolos".

4. Além disso, por muitos dos habitantes destas províncias, esta doutrina é considerada uma queixa de tal natureza, a ponto de fazer com que várias delas afirmem que, por causa disso, não podem nem terão qualquer comunhão com nossa igreja. Outros deles se uniram às nossas Igrejas, mas não sem entrar em um protesto "que eles não podem dar seu consentimento a essa doutrina". Mas, por causa desse tipo de Predestinação, nossas Igrejas foram abandonadas por não poucos indivíduos, que anteriormente tinham as mesmas opiniões que nós mesmos: Outros, também, ameaçaram se afastar de nós, a menos que eles estejam plenamente seguros de que a Igreja possui nenhuma opinião desta descrição.

5. Também não há nenhum ponto de doutrina que os papistas, anabaptistas e luteranos se oponham com maior veemência do que isso, e através de cujos lados eles criam uma opinião pior de nossas Igrejas ou lhes proporcionam uma porção maior de ódio, e assim trazem desacreditar todas as doutrinas que professamos. Eles também afirmam "que de todas as blasfêmias contra Deus que a mente do homem pode conceber ou sua língua pode expressar, não há nenhuma tão imunda a ponto de não ser deduzida por justa conseqüência desta opinião de nossos médicos".

6. Por último. De todas as dificuldades e controvérsias que surgiram nestas nossas Igrejas desde a época da Reforma, não há nenhuma que não tenha tido sua origem nesta doutrina, ou que não tenha, pelo menos, sido misturada com ela. O que eu disse aqui será verdade, se levarmos à nossa memória as controvérsias que existiram em Leyden no caso de Koolhaes, em Gouda em Herman Herberts, em Horn em relação a Cornelius Wiggerston e em Mendenblich no caso. de Tako Sybrants. Essa consideração não foi um dos últimos motivos que me levaram a dedicar minha mais diligente atenção a essa doutrina e a tentar impedir que nossas Igrejas sofressem qualquer prejuízo dela; porque, a partir disso, os papistas derivaram muito do seu aumento. Embora todos os mestres piedosos devam desejar de todo coração a destruição do papado, assim como o do reino do Anticristo, eles devem, com o maior zelo, empenhar-se na tentativa, e, tanto quanto estiver ao seu alcance, fazer o preparações mais eficientes para a sua derrubada.

As visões precedentes são, em resumo, aquelas que eu considero a respeito desta nova doutrina da Predestinação. Apresentei-o com toda a boa fé pelas próprias expressões dos próprios autores, para que não parecesse inventar e atribuir-lhes qualquer coisa que eu não fosse capaz de provar claramente em seus escritos.

2. UM SEGUNDO TIPO DE PREDESTINAÇÃO

Mas alguns outros de nossos médicos declaram o assunto da Predestinação de Deus de uma maneira um pouco diferente. Vamos tocar os dois modos que eles empregam. Entre alguns deles, a seguinte opinião é prevalente:

1. Deus determinou dentro de si mesmo, por um decreto eterno e imutável, fazer (de acordo com seu próprio prazer) a menor porção da massa geral da humanidade participante de sua graça e glória, para o louvor de sua própria graça gloriosa. . Mas, de acordo com seu prazer, ele também passou pela maior parte dos homens, e os deixou em sua própria natureza, que é incapaz de qualquer coisa sobrenatural, [ou além dela mesma], e não comunicou a eles aquela graça salvadora e sobrenatural pela qual sua natureza (se ainda mantivesse sua integridade) poderia ser fortalecida, ou pela qual, se fosse corrompida, poderia ser restaurada - para uma demonstração de sua própria liberdade. No entanto, depois que Deus fez esses homens pecadores e culpados de morte, ele os puniu com a morte eterna - por uma demonstração de sua própria justiça.

2. A predestinação deve ser considerada em relação ao seu fim e aos meios que lhe são inerentes. Mas essas pessoas empregam a palavra "Predestinação" em sua aceitação especial para a eleição e se opõem à reprovação. (1) Em relação ao seu fim (que é a salvação e uma ilustração da gloriosa graça de Deus), o homem é considerado em comum e absolutamente, tal como ele é em sua própria natureza. (2) Mas em relação aos meios, o homem é considerado como perecendo de si mesmo e em si mesmo, e como culpado em Adão.

3. No decreto relativo ao fim, as seguintes gradações devem ser consideradas. (1.) A presciência de Deus, pela qual ele conheceu aqueles a quem ele havia predestinado. Então (2.) A predição divina, ou predeterminação, pela qual ele preordenou a salvação daquelas pessoas pelas quais ele havia conhecido de antemão. Primeiro, elegendo-os desde toda a eternidade: e, em segundo lugar, preparando para eles a graça nesta vida e a glória no mundo vindouro.

4. Os meios que pertencem à execução desta Predestinação, são (1.) o próprio Cristo: (2.) Um chamado eficaz para a fé em Cristo, da qual a justificação tem sua origem: (3.) O dom da perseverança para o fim.

5. Na medida em que somos capazes de compreender seu esquema de reprovação, consiste em dois atos, o da preterição e o do pré-nativo. É antecedente de todas as coisas e de todas as causas que estão ou nas próprias coisas ou que surgem delas; isto é, não tem consideração de nenhum pecado, e só vê o homem em um aspecto absoluto e geral.

6. Dois meios são pré-ordenados para a execução do ato de preterição: (1) Deserção [ou abandono] em um estado de natureza, que por si só é incapaz de qualquer coisa sobrenatural: e (2) não-comunicação [ou uma negação] da graça sobrenatural, pela qual sua natureza (se em um estado de integridade) pode ser fortalecida e (se estiver em estado de corrupção) pode ser restaurada.

7. Pre-danação é antecedente a todas as coisas, mas de modo algum existe sem um conhecimento prévio das causas da danação. Ele vê o homem como um pecador, desagradável à condenação em Adão, e como neste relato perecendo através da necessidade da justiça Divina.

8. Os meios ordenados para a execução desta pre-danação são: (1) Apenas a deserção, que é ou de exploração, [ou exame], em que Deus não confere sua graça, ou de castigo quando Deus tira um homem todos os seus presentes salvadores, e entrega-o ao poder de Satanás. (2) Os segundos meios são endurecimento ou endurecimento, e aquelas conseqüências que geralmente seguem até mesmo para a verdadeira condenação da pessoa reprovada.

3. UM TERCEIRO TIPO DE PREDESTINAÇÃO

Mas outros entre nossos médicos declaram seus sentimentos sobre o assunto da seguinte maneira:

1. Porque Deus desejou dentro de si mesmo, desde toda a eternidade, fazer um decreto pelo qual ele pudesse eleger certos homens e reprovar o resto, ele via e considerava a raça humana não apenas como criada, mas também como caída ou corrupta, e por causa disso desagradável. maldição e maldição. Desse Estado caduco e maldito, Deus determinou libertar certos indivíduos e livremente salvá-los por sua graça, para uma declaração de sua misericórdia; mas ele decidiu em seu próprio julgamento justo deixar o resto sob a maldição [ou maldição] por uma declaração de sua justiça. Em ambos os casos, Deus age sem a menor consideração de arrependimento e fé naqueles a quem ele elege, ou de impenitência e incredulidade naqueles a quem ele reprova.

2. Os meios especiais que se relacionam particularmente com a execução de eleição e reprovação, são os mesmos que já foram expostos no primeiro desses tipos de Predestinação, com a exceção daqueles meios que são comuns tanto para a eleição como para a eleição. reprovação; porque esta [terceira] opinião coloca a queda do homem, não como um meio pré-ordenado para a execução do decreto precedente de Predestinação, mas como algo que pode fornecer um propósito fixo ou ocasião para fazer este decreto de Predestinação.

4. MEU JULGAMENTO RESPEITANDO OS DOIS ÚLTIMOS ESQUEMAS DESCRITOS DE PREDESTINAÇÃO.

Ambas as opiniões, como fingem exteriormente, diferem da primeira neste ponto - que nenhuma delas estabelece a criação ou a queda como uma causa mediata pré-ordenada por Deus para a execução do decreto precedente de Predestinação. No entanto, com relação à queda, alguma diversidade pode ser percebida nas duas últimas opiniões. Pois o segundo tipo de predestinação coloca a eleição, com relação ao fim, antes da queda; também coloca antes da preterição do evento, [ou passando por], que é a primeira parte da reprovação. Enquanto o terceiro tipo não permite que qualquer parte da eleição e reprovação comece até depois da queda do homem. Mas, entre as causas que parecem ter induzido os inventores dos dois últimos esquemas a entregar a doutrina da Predestinação dessa maneira, e não a ascender a uma altura tão grande quanto os inventores do primeiro esquema fizeram, esta não é a pelo menos - que eles desejaram usar a maior precaução, para que não se concluísse de sua doutrina que Deus é o autor do pecado, com tanta demonstração de probabilidade quanto (de acordo com a indicação de alguns daqueles que para ambos os últimos tipos, é dedutível da primeira descrição da Predestinação.

No entanto, se estivermos dispostos a inspecionar essas duas últimas opiniões um pouco mais de perto, e em particular se examinarmos com precisão o segundo e terceiro tipo e compará-las com outros sentimentos do mesmo autor sobre alguns assuntos de nossa religião, descobriremos que a queda de Adão não pode, de acordo com seus pontos de vista, ser considerada de outra maneira que não seja um meio necessário para a execução do decreto precedente de Predestinação.

1. Em referência ao segundo dos três, isso é evidente a partir de duas razões nele contidas:

A primeira dessas razões é aquela que afirma que Deus determinou, pelo decreto de reprovação, a negar ao homem aquela graça que era necessária para a confirmação e fortalecimento de sua natureza, para que não fosse corrompida pelo pecado; o que equivale a isto, que Deus decretou não conceder a graça necessária para evitar o pecado; e disto deve necessariamente seguir a transgressão do homem, como procedendo de uma lei imposta a ele. A queda do homem é, portanto, um meio ordenado para a execução do decreto de reprovação.

A segunda dessas razões é aquela que afirma que as duas partes da reprovação são preterição e pre-danação. Essas duas partes, de acordo com esse decreto, estão conectadas por um elo necessário e mútuo, e são igualmente extensas. Pois, todos aqueles a quem Deus passou conferindo graça divina, são igualmente condenados. De fato, nenhum outro é condenado, exceto aqueles que são os sujeitos deste ato de preterição. Por isso, pode-se concluir que "o pecado deve necessariamente seguir-se ao decreto de reprovação ou preterição, porque, se fosse de outro modo, poderia acontecer que uma pessoa que tivesse passado, não cometesse pecado e essa circunstância pode não se tornar passível de condenação, já que o pecado é a única causa meritória de condenação: e assim, alguns dos indivíduos que foram passados, não podem ser salvos nem condenados - o que é um grande absurdo.

Esta segunda opinião sobre a Predestinação, portanto, cai no mesmo inconveniente que a primeira. Pois não só não evita essa [conclusão de fazer de Deus o autor do pecado], mas enquanto aqueles que a professam fazem a tentativa, caem numa auto-contradição palpável e absurda - enquanto, em referência a esse ponto, o primeiro dessas opiniões é semelhante e coerente consigo mesma.

2. O terceiro desses esquemas de Predestinação escaparia a esta rocha para um efeito muito melhor, não os patronos dela, enquanto declarando seus sentimentos sobre Predestinação e providência, empregam certas expressões, das quais a necessidade da queda pode ser deduzida. No entanto, essa necessidade não pode ter outra origem senão algum grau de predestinação.

(1) Uma dessas expressões explicativas é a descrição da permissão Divina, pela qual Deus permite o pecado. Alguns deles descrevem assim: "a permissão é a retirada dessa graça divina, pela qual, quando Deus executa os decretos de sua vontade através de criaturas racionais, ele não revela à criatura que a vontade divina de sua própria vontade essa ação a ser executada, ou não dobra a vontade da criatura para render obediência naquele ato à vontade Divina. " Para essas expressões, as seguintes são imediatamente subjugadas: "se esta for uma afirmação correta, a criatura comete pecado por necessidade, ainda que voluntariamente e sem restrição". Se for objetado que "esta descrição não está de acordo com a permissão pela qual Deus permitiu o pecado de Adão:" Nós também temos a mesma opinião sobre isso. No entanto, segue-se, como conseqüência, dessa mesma descrição, que "outros pecados são cometidos por necessidade".

(2) De uma tendência similar são as expressões que alguns deles usam, quando afirmam, que a declaração da glória de Deus, que deve necessariamente ser ilustrada, é colocada na "demonstração de misericórdia e de justiça punitiva". Mas tal demonstração não poderia ter sido feita, a menos que o pecado e a miséria pelo pecado tivessem entrado no mundo, para formar pelo menos algum grau de miséria pelo menor pecado. E desta maneira o pecado também é necessariamente introduzido, através da necessidade de tal demonstração da glória Divina. Já que a queda de Adão já está estabelecida para ser necessária, e, por conta disso, para ser um meio de executar o decreto anterior de Predestinação; a própria criação é, ao mesmo tempo, estabelecida como um meio subserviente à execução do mesmo decreto. Pois a queda não pode ser necessariamente conseqüente da criação, exceto através do decreto de Predestinação, que não pode ser colocado entre a criação e a queda, mas é prefixado para ambos, como tendo a precedência, e ordenando a criação para a queda, e ambos por executar um mesmo decreto - demonstrar a justiça de Deus na punição do pecado e sua misericórdia em sua remissão. Porque, se não fosse esse o caso, aquilo que necessariamente deve resultar do ato de criação não tinha visto intencionalmente por Deus quando ele criou, que é supor uma impossibilidade.

Mas seja concedido que a necessidade da queda de Adão não pode ser deduzida de nenhuma das duas últimas opiniões, ainda que todos os argumentos precedentes que foram produzidos contra a primeira opinião, sejam, após uma modificação insignificante para se adequar ao propósito variado. , igualmente válido contra os dois últimos. Isso seria muito aparente, se, para demonstrá-lo, uma conferência fosse instituída.

5. OS MEUS SENTIMENTOS SOBRE PREDESTINAÇÃO

Até agora tenho declarado essas opiniões sobre o artigo da Predestinação que são inculcadas em nossas Igrejas e na Universidade de Leyden, e das quais eu desaprovo. Eu ao mesmo tempo produzi minhas próprias razões, porque eu faço um julgamento tão desfavorável a respeito delas; e agora declararei minhas próprias opiniões sobre este assunto, que são de tal descrição que, de acordo com minhas opiniões, parecem mais compatíveis com a palavra de Deus.

I. O primeiro decreto absoluto de Deus concernente à salvação do homem pecador, é aquele pelo qual ele decretou nomear seu Filho, Jesus Cristo, por um Mediador, Redentor, Salvador, Sacerdote e Rei, que poderia destruir o pecado por sua própria morte, poderia, por sua obediência, obter a salvação que havia sido perdida e comunicá-la por sua própria virtude.

II. O segundo decreto preciso e absoluto de Deus, é aquele em que ele decretou receber em favor aqueles que se arrependem e creem, e, em Cristo, por ele e por Ele, efetuar a salvação de tais penitentes e crentes como perseverantes ao fim; mas deixar em pecado, e sob ira, todas as pessoas impenitentes e incrédulos, e condená-los como estrangeiros de Cristo.

III O terceiro decreto divino é aquele pelo qual Deus decretou administrar de maneira suficiente e eficaz os meios necessários para o arrependimento e a fé; e para ter tal administração instituída (1.) de acordo com a Sabedoria Divina, pela qual Deus sabe o que é apropriado e tornando-se tanto para sua misericórdia e sua severidade, quanto (2.) de acordo com a Justiça Divina, pela qual Ele está preparado para adotar seja qual for sua sabedoria pode prescrever e colocá-lo em execução.

IV. A estes sucede o quarto decreto, pelo qual Deus decretou salvar e condenar certas pessoas em particular. Este decreto tem seu fundamento na presciência de Deus, pelo qual ele sabia desde toda a eternidade aqueles indivíduos que, por meio de sua graça preventiva, creriam e, através de sua graça subseqüente, perseverariam, de acordo com a administração descrita anteriormente daqueles meios que são adequado e apropriado para conversão e fé; e, através do qual presciência, ele também conhecia aqueles que não acreditavam e perseveravam.

A predestinação, quando assim explicada, é

1. O fundamento do cristianismo e da salvação e sua certeza.

2. É a soma e a matéria do evangelho; ou melhor, é o próprio evangelho, e por causa disso é necessário crer para salvação, no que concerne aos dois primeiros artigos.

3. Não teve necessidade de ser examinado ou determinado por qualquer conselho, seja geral ou particular, uma vez que está contido nas escrituras de forma clara e expressa em tantas palavras; e nenhuma contradição jamais foi oferecida a ela por qualquer Divino ortodoxo.

4. Tem sido constantemente reconhecido e ensinado por todos os professores cristãos que tinham sentimentos corretos e ortodoxos.

5. Concorda com essa harmonia de todas as confissões, que foi publicada pelas Igrejas protestantes.

6. Da mesma forma concorda muito bem com a Confissão e o Catecismo holandeses. Essa concordância é tal que, se no décimo sexto artigo essas duas expressões "aquelas pessoas a quem" e "outros", forem explicadas pelas palavras "crentes" e "incrédulos", essas minhas opiniões sobre Predestinação serão compreendidas naquele artigo com a expressão maior clareza. Esta é a razão pela qual eu dirigi a tese para ser composta nas próprias palavras da Confissão, quando, em uma ocasião, tive que realizar uma disputa pública antes da minha aula particular na Universidade. Esse tipo de predestinação também concorda com o raciocínio contido na vigésima e quinquagésima quarta questão do Catecismo.

7. Está também em excelente acordo com a natureza de Deus com sua sabedoria, bondade e retidão; porque contém o assunto principal de todos eles, e é a mais clara demonstração da sabedoria Divina, bondade e justiça [ou justiça]

8. É agradável em todos os pontos a natureza do homem - de que forma essa natureza pode ser contemplada, seja no estado primitivo da criação, no da queda ou no da restauração.

9. Está em completo concerto com o ato de criação, afirmando que a própria criação é uma verdadeira comunicação do bem, tanto da intenção de Deus quanto do próprio fim ou evento; que teve sua origem na bondade de Deus; que tudo o que tem uma referência à sua continuidade e preservação procede do amor divino; e que este ato de criação é uma obra perfeita e apropriada de Deus, na qual ele está em complacência consigo mesmo, e pelo qual ele obteve todas as coisas necessárias para um estado inatingível.

10. Ela concorda com a natureza da vida eterna e com os títulos honrados pelos quais essa vida é designada nas escrituras.

11. Também concorda com a natureza da morte eterna e com os nomes pelos quais essa morte é distinguida nas escrituras.

12. Afirma o pecado como sendo uma verdadeira desobediência e a causa meritória da condenação; e nesta conta, está no mais perfeito acordo com a queda e com o pecado.

13. Em todos os aspectos, harmoniza-se com a natureza da graça, atribuindo a ela todas as coisas que concordam com ela, [ou adaptadas a ela] e reconciliando-a completamente com a justiça de Deus e com a natureza e a liberdade. da vontade humana.

14. Conduz mais visivelmente para declarar a glória de Deus, sua justiça e sua misericórdia. Também representa Deus como a causa de todo bem e de nossa salvação, e o homem como a causa do pecado e de sua própria condenação.

15. Contribui para a honra de Jesus Cristo, colocando-o para o fundamento da Predestinação e para a causa meritória e comunicativa da salvação.

16. Promove grandemente a salvação dos homens: é também o poder e os meios que conduzem à salvação - estimulando e criando na mente do homem a tristeza por causa do pecado, uma solicitude sobre a sua conversão, a fé em Jesus Cristo. , um desejo estudioso de realizar boas obras e zelo na oração - e fazendo com que os homens trabalhem sua salvação com medo e tremor. Também previne o desespero, na medida em que tal prevenção seja necessária.

17. Confirma e estabelece a ordem segundo a qual o evangelho deve ser pregado, (1.) requerendo arrependimento e fé - (2.) E então prometendo a remissão de pecados, a graça do espírito e a vida eterna.

18. Fortalece o ministério do evangelho e o torna proveitoso em relação à pregação, à administração dos sacramentos e às orações públicas.

19. É o fundamento da religião cristã; porque nele o duplo amor de Deus pode estar unido
O amor de Deus pela justiça [ou justiça] e seu amor pelos homens podem, com a maior consistência, ser reconciliados um com o outro.

20. Por último. Esta doutrina da Predestinação, sempre foi aprovada pela grande maioria dos cristãos professos, e mesmo agora, nestes dias, goza do mesmo patrocínio extenso. Não pode permitir a qualquer pessoa justa causa de expressar sua aversão a ela; nem pode dar qualquer pretexto para contenção na Igreja Cristã.

Portanto, é muito desejável que os homens não prossigam mais neste assunto e não tentem investigar os insondáveis ​​julgamentos de Deus - pelo menos, que eles não iriam além do ponto em que esses juízos foram claramente revelados na Bíblia. escrituras.

Este, meus senhores mais potentes, é tudo o que pretendo declarar agora às vossas forças, respeitando a doutrina da Predestinação, sobre a qual existe uma grande controvérsia na Igreja de Cristo. Se não fosse tão tedioso para os seus senhores, tenho algumas outras proposições que eu gostaria de declarar, porque elas contribuem para uma declaração completa de meus sentimentos e tendem ao mesmo propósito que aquele pelo qual recebi a ordem de comparecer. neste lugar por suas forças.

Há certos outros artigos da religião cristã, que possuem uma estreita afinidade com a doutrina da Predestinação, e que são em grande parte dependentes dela: desta descrição estão a providência de Deus, o livre-arbítrio do homem, a perseverança. dos santos e da certeza da salvação. Nesses tópicos, se não for desagradável às suas forças, de maneira breve relacionarei minha opinião.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 1.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: