A aplicação adequada desta doutrina para torná-la útil para nós

I. Como as mentes dos homens são propensas a sutis sutilezas, existe o maior perigo de que aqueles que não conhecem o uso correto dessa doutrina se envergonhem com intrincadas perplexidades. Portanto, será necessário tocar de maneira breve no final e no desígnio da doutrina da Escritura Divina de todas as coisas. E aqui deixe-se observar, em primeiro lugar, que a providência de Deus deve ser considerada também em relação ao futuro, como em referência àquilo que é passado; em segundo lugar, que ele governa todas as coisas de tal maneira a operar, às vezes, pela intervenção de meios, às vezes sem meios, e às vezes em oposição a todos os meios; finalmente, que tende a mostrar o cuidado de Deus por toda a raça humana e, especialmente, sua vigilância no governo da Igreja, que ele privilegia com mais particular atenção. Também deve ser observado que, embora o favor e beneficência paterna de Deus, ou a severidade de sua justiça, seja frequentemente conspícuo em todo o curso de sua providência, mas às vezes as causas dos acontecimentos são ocultadas, de modo que uma suspeita se intromete, que as revoluções dos assuntos humanos são conduzidas pela impetuosidade cega da fortuna; ou a carne nos pede para murmurar, como se Deus se divertisse lançando os homens como bolas de tênis. É verdade, de fato, se estivéssemos prontos para aprender com mentes quietas e sóbrias, que a questão final prova que os conselhos de Deus são dirigidos pelas melhores razões; que ele projeta ou ensinar a seu povo o exercício da paciência, ou corrigir suas afeições corruptas e subjugar a licenciosidade de seus apetites, ou constrangê-los à prática da autonegação, ou despertá-los de sua indolência; e, por outro lado, abater os orgulhosos, desapontar a astúcia dos ímpios e confundir suas maquinações. No entanto, por mais que as causas possam estar escondidas de nós, ou escapar à nossa observação, devemos admiti-la como uma verdade certa, que elas estão escondidas com ele; e deve, portanto, exclamar com Davi: “Muitos, ó Senhor meu Deus, são as tuas obras maravilhosas que fizeste e os teus pensamentos que nos são contados; não podem ser contados a ti se quiseres: declarar e falar deles, eles são mais do que podem ser contados.” [1] Pois, embora nossas misérias devam sempre nos lembrar de nossos pecados, que a punição em si pode nos levar ao arrependimento, ainda assim vemos que Cristo atribui mais soberania ao propósito secreto de o Pai em afligir os homens, do que exigir que ele castigue cada indivíduo de acordo com seus deméritos. Para aquele que nasceu cego, ele diz: “Nem ele pecou nem seus pais; mas para que as obras de Deus sejam manifestas nele.” [2] Pois aqui o sentido murmura, quando a calamidade precede o próprio nascimento, como se fosse uma detração da clemência Divina para assim afligir os inocentes. Mas Cristo declara que a glória de seu Pai se manifesta neste caso, desde que nossos olhos sejam claros para contemplá-lo. Mas devemos prosseguir com modéstia, com cautela, para que não chamemos Deus para uma conta em nosso tribunal; mas que nutram tanta reverência por seus julgamentos secretos, quanto a estimar sua vontade como a causa mais justa de tudo o que ele faz. Quando nuvens espessas obscurecem os céus, e uma violenta tempestade surge, porque uma névoa sombria está diante de nossos olhos, e o trovão atinge nossos ouvidos, e o terror estupefata todas as nossas faculdades, todas as coisas nos parecem misturadas em confusão; contudo, durante todo o tempo, os céus permanecem na mesma calma serenidade. Portanto, deve ser concluído que, enquanto o estado turbulento do mundo nos priva do nosso julgamento, Deus, pela pura luz de sua própria justiça e sabedoria, regula todas essas comoções na ordem mais exata, e as direciona ao seu devido fim. E certamente a loucura de muitos a esse respeito é monstruosa, que ousa arraigar as obras de Deus, para examinar seus conselhos secretos e até para aprovar uma sentença precipitada sobre coisas desconhecidas, com maior liberdade do que nas ações de homens mortais. Pois o que é mais absurdo do que para os nossos semelhantes observar tal modéstia, em vez de suspender nosso julgamento do que incorrer na imputação de temeridade, mas impudentemente insultar os misteriosos juízos de Deus, que devemos defender com admiração e reverência?

II. Nenhum, portanto, alcançará visões justas e proveitosas da providência de Deus, mas aquele que considera que tem a ver com o seu Criador e o Criador do mundo, e submete-se ao medo e reverência com todos tornando-se humildade. Por isso, acontece que tantos personagens inúteis nos dias atuais se opõem violentamente a essa doutrina, porque não admitem nada que seja lícito a Deus, mas o que concorda com os ditames de sua própria razão. Eles nos insultam com a maior imprudência possível, porque, não contentes com os preceitos da lei, que compreendem a vontade de Deus, dizemos que o mundo é governado também por seus conselhos secretos; como se, de fato, o que afirmamos fosse apenas uma invenção de nosso próprio cérebro, e o Espírito Santo não o anunciou em todos os lugares, repetindo-o em inumeráveis ​​formas de expressão. Mas como eles são contidos por algum grau de vergonha de ousar descarregar suas blasfêmias contra o céu, para satisfazer suas extravagâncias com maior liberdade, eles fingem que estão lutando conosco. Mas a menos que eles admitam, que tudo o que acontece no mundo é governado pelo conselho incompreensível de Deus, deixe-os responder, a que propósito é dito nas Escrituras que seus “julgamentos são um grande abismo”? [3] Porque, assim como Moisés proclama, que a vontade de Deus não deve ser buscada longe, nas nuvens ou no fundo, [4] porque ele é familiarmente explicou na lei, segue-se que há uma outra vontade secreta, que é comparado com um profundo abismo; sobre o que Paulo também diz: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus; quão insondáveis ​​são os seus julgamentos, e os seus caminhos através do descobrimento! Pois quem conheceu a mente do Senhor ou quem foi seu conselheiro? ” [5] É verdade que a lei e o Evangelho contêm mistérios que transcendem em muito nossas capacidades; mas desde que Deus ilumina as mentes de seu povo com o espírito de entendimento, para apreender esses mistérios que ele condescendeu em revelar em sua palavra, não temos agora nenhum abismo, mas uma maneira pela qual podemos andar seguramente, e uma lâmpada para a direção de nossos pés, a luz da vida e a escola da verdade certa e evidente. Mas seu admirável método de governar o mundo é justamente chamado de “grande e profundo”, porque, embora esteja escondido de nossa visão, deveria ser o objeto de nossa profunda adoração. Moisés expressou belamente tanto em poucas palavras. “As coisas secretas”, diz ele, “pertencem ao Senhor nosso Deus; mas as coisas que são reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos ”. [6] Vemos como ele nos ordena, não apenas para dedicar nossa atenção a meditações sobre a lei de Deus, mas para olhar com reverência para sua misteriosa providência. Esta sublime doutrina é declarada no livro de Jó, com o propósito de humilhar nossas mentes. Pois o autor conclui uma visão geral da máquina do mundo e uma magnífica dissertação sobre as obras de Deus, com estas palavras: “Eis que estas são partes de seus caminhos; mas quão pouco se ouve a respeito dele! ” [7] Por essa razão, em outro lugar ele distingue entre a sabedoria que reside em Deus e o método de atingir a sabedoria que ele prescreveu aos homens. Pois, depois de discorrer sobre os segredos da natureza, ele diz que a sabedoria é conhecida apenas por Deus, e “está escondida dos olhos de todos os viventes”. Mas, um pouco depois, ele é publicado para ser investigado, porque é dito aos homens: “Eis o temor do Senhor, isto é sabedoria.” [8] Para o mesmo propósito é esta observação de Agostinho: “Porque não sabemos tudo o que Deus faz a nosso respeito por uma excelente ordem, agimos de acordo com a lei de boa vontade apenas, mas em outros aspectos são acionados de acordo com ela; porque a sua providência é uma lei imutável ”. Portanto, visto que Deus reivindica um poder desconhecido para nós de governar o mundo, que isto seja para nós a lei da sobriedade e modéstia, para aquiescer em seu supremo domínio, para considerar sua vontade a única regra da justiça e da causa mais justa de todas as coisas. Não, de fato, aquela vontade absoluta que é o tema da declamação dos sofistas, separando impiedosa e de forma profana sua justiça do seu poder, mas a providência que governa todas as coisas, da qual nada provém senão o que é certo, embora as razões dele possam ser escondido de nós.

III. Aqueles que aprenderam essa modéstia não irão murmurar contra Deus por causa de adversidades passadas, nem acusá-lo da culpa de seus crimes, como Agamenon, em Homero, que diz: “A culpa não é de mim, mas de Júpiter e do destino. .” Nem eles, como se saiu correndo pelas Parcas, sob a influência de desespero, pôs fim à sua própria vida, como o jovem que Plauto apresenta como dizendo: “a condição dos nossos assuntos é inconstante; os homens são governados pelo capricho dos destinos; Eu me entregarei a um precipício e destruirei minha vida e todas as coisas ao mesmo tempo. ” Nem eles desculpem suas ações flagrantes atribuindo-as a Deus, após o exemplo de outro jovem introduzido pelo mesmo poeta, que diz: “Deus foi a causa: creio que era a vontade divina. Pois, se não fosse assim, sei que isso não teria acontecido. ” Mas eles preferirão examinar a Escritura, para aprender o que agrada a Deus, para que, pela orientação do Espírito, possam se esforçar para alcançá-la; e, ao mesmo tempo, estando preparados para seguir a Deus aonde quer que os chame, eles exibirão provas em sua conduta de que nada é mais útil do que o conhecimento dessa doutrina. Alguns homens profanos insensatamente levantam tal tumulto com seus absurdos, como quase, de acordo com uma expressão comum, confundir o céu e a terra juntos. Eles argumentam dessa maneira: se Deus fixou o momento de nossa morte, não podemos evitá-lo; portanto, todo cuidado contra isso será apenas trabalho perdido. Um homem não ousa aventurar-se de uma maneira que ele ouve ser perigoso, para não ser assassinado por ladrões; outro envia para os médicos e se cansa de remédios para preservar sua vida; outro se abstém dos tipos mais grosseiros de comida, para não prejudicar sua constituição valetudinária; outro teme habitar uma casa ruinosa; e os homens em geral exercem todas as suas faculdades em conceber e executar métodos pelos quais possam atingir o objetivo de seus desejos. Ora, ou todas estas coisas são inúteis remédios empregados para corrigir a vontade de Deus, ou vida e morte, saúde e doença, paz e guerra, e outras coisas que, segundo seus desejos ou aversões, os homens diligentemente estudam para obter ou evitar , não são determinados pelo seu decreto certo. Além disso, concluem que as orações dos fiéis não são apenas supérfluas, mas perversas, que contêm petições que o Senhor proverá para aquelas coisas que ele já decretou desde a eternidade. Em suma, eles substituem todas as deliberações relativas ao futuro, em oposição à providência de Deus, que, sem consultar os homens, decretou o que quisesse. E o que já aconteceu eles imputam à Divina Providência de tal maneira a ignorar a pessoa, que é conhecida por ter cometido qualquer ato particular. Um assassino assassinou um cidadão digno? Dizem que ele executou o conselho de Deus. Alguém foi culpado de roubo ou fornicação? porque ele fez o que foi previsto e ordenado pelo Senhor, ele é o ministro da sua providência. Tem um filho, negligenciando todos os remédios, negligentemente esperou a morte de seu pai? era impossível para ele resistir a Deus, que decretara esse evento desde a eternidade. Assim, por essas pessoas, todos os crimes são denominados virtudes, porque são subservientes à ordenação de Deus.

IV. Mas em referência a coisas futuras, Salomão reconcilia facilmente as deliberações dos homens com a providência de Deus. Pois como ele ridiculariza a loucura daqueles que presunçosamente assumem qualquer coisa sem o Senhor, como se eles não estivessem sujeitos ao seu governo, assim em outro lugar ele diz: “O coração do homem planeja o seu caminho; mas o Senhor lhe dirige os passos;” [9] significando que os decretos eternos de Deus formar nenhum impedimento para o nosso fornecimento para nós mesmos, e descartar todas as nossas preocupações em subserviência a sua vontade. A razão disso é manifesta. Pois aquele que fixou os limites de nossa vida, também nos confiou com o cuidado dela; nos forneceu meios e suprimentos para sua preservação; também nos tornou previdentes de perigos; e, para que não nos oprimam de surpresa, nos forneceu advertências e remédios. Agora, é evidente qual é o nosso dever. Se Deus nos comprometeu a preservar nossa vida, devemos preservá-la; se ele oferece suprimentos, devemos usá-los; se ele nos previr de perigos, não devemos correr precipitadamente para eles; se ele fornece remédios, não devemos negligenciá-los. Mas será objetado, nenhum perigo pode ferir, a menos que tenha sido ordenado que nos prejudique, e então nenhum remédio pode evitá-lo. Mas e se os perigos, portanto, não forem fatais, porque Deus lhe designou remédios para repeli-los e vencê-los? Examine se o seu raciocínio concorda com a ordem da Divina Providência. Você conclui que é desnecessário resguardar-se do perigo, porque, se não for fatal, escaparemos sem cautela; mas, pelo contrário, o Senhor ordena que você use cautela, porque ele pretende que não seja fatal para você. Esses loucos ignoram o que é óbvio para todos os observadores - que as artes da deliberação e da cautela nos homens procedem da inspiração de Deus e que elas servem aos desígnios de sua providência na preservação de suas próprias vidas; como, pelo contrário, negligenciando e negligenciando, eles buscam para si os males que ele designou para eles. Pois como é possível que um homem prudente, consultando seu próprio bem estar, afaste de si mesmo males iminentes, e um tolo seja arruinado por sua temeridade insensata, a menos que a insensatez e a prudência sejam, em ambos os casos, instrumentos da dispensação divina? Portanto, aprouve a Deus esconder de todos os eventos futuros, para que possamos enfrentá-los como contingências duvidosas, e não deixarmos de lhes opor os remédios com os quais somos providos, até que sejam superados, ou tenham vencido todas as nossas diligência. Portanto, eu sugeri antes que a providência de Deus não deve ser sempre contemplada abstratamente por si mesma, mas em conexão com os meios que ele emprega.

V. As mesmas pessoas, de maneira arbitrária e errônea, atribuem todos os eventos passados ​​à providência absoluta de Deus. Pois já que todas as coisas que acontecem dependem disso, portanto, dizem eles, nem roubos, nem adultérios, nem homicídios, são perpetrados sem a intervenção da vontade divina. Por que, portanto, perguntam: será que um ladrão será castigado por ter saqueado aquele que aprouve ao Senhor castigar com a pobreza? Por que um homicídio será punido por ter matado a vida de quem o Senhor havia terminado? Se todos esses personagens são subservientes à vontade Divina, por que eles serão punidos? Mas eu nego que eles servem a vontade de Deus. Pois não podemos dizer que aquele que é influenciado por um coração iníquo age em obediência aos mandamentos de Deus, enquanto ele apenas satisfaz suas próprias paixões malignas. Aquele homem obedece a Deus, que, sendo instruído em sua vontade, apressa-se aonde Deus o chama. Onde podemos aprender sua vontade, mas em sua palavra? Portanto, em nossas ações, devemos considerar a vontade de Deus, que é declarada em sua palavra. Deus requer apenas conformidade com os seus preceitos. Se fazemos alguma coisa contrária a eles, não é obediência, mas contumação e transgressão. Mas se diz que, se ele não permitir, não devemos fazê-lo. Isso eu concedo. Mas nós realizamos ações más com o objetivo de agradá-lo? Ele não nos dá tal ordem. Nós nos precipitamos neles, sem considerar qual é a vontade dele, mas inflamados com a violência de nossas paixões, de modo que nos esforçamos deliberadamente para nos opor a ele. Desta forma, mesmo por ações criminosas, nós cuidamos de sua ordenação justa; porque, na infinita grandeza de sua sabedoria, ele bem sabe usar instrumentos maus para a realização de bons propósitos. Agora, observe o absurdo de seu raciocínio: eles desejam que os autores dos crimes escapem com impunidade, porque os crimes não são perpetrados, mas pela ordenação de Deus. Eu admito mais que isso; mesmo que ladrões, homicídios e outros malfeitores sejam instrumentos da Divina Providência, a quem o Senhor usa para a execução dos julgamentos que ele designou. Mas eu nego que isso deva dar qualquer desculpa para seus crimes. Por que ou eles implicam a Deus na mesma iniquidade consigo mesmos, ou encobrem sua depravação com a sua justiça? Eles não podem fazer nada. Eles são impedidos de se eximirem, pelas reprovações de suas próprias consciências; e eles não podem culpar Deus, pois encontram em si mesmos nada além do mal, e nele somente um uso legítimo de sua maldade. Mas é alegado que ele opera por seus meios. E de onde, pergunto, procede o cheiro fétido de uma carcaça, que foi putrefada e revelada pelo calor do sol? É visível a todos que é excitado pelos raios solares; ainda nenhuma pessoa nesta conta atribui a esses raios um cheiro ofensivo. Então, quando a questão e a culpa do mal residem em um homem mau, por que deveria Deus supostamente contrair qualquer contaminação, se ele usa seu serviço de acordo com seu próprio prazer? Vamos deixar isso de lado petulância, portanto, que pode atacar a justiça de Deus à distância, mas nunca pode alcançar esse atributo Divino.

VI. Mas essas cavilhas, ou antes extravagâncias de frenesi, serão facilmente dissipadas pela piedosa e sagrada contemplação da providência, que a regra da piedade nos dita, de modo que possamos derivar dela o maior prazer e vantagem. A mente de um cristão, portanto, quando é certamente persuadida de que todas as coisas acontecem pela ordenação de Deus, e que não há nada fortuitamente contingente, sempre direcionará suas visões a ele como a causa suprema de todas as coisas, e também considerará causas inferiores em sua ordem correta. Ele não duvidará que a providência particular de Deus está atenta para a sua preservação, nunca permitindo qualquer evento que não anule para sua vantagem e segurança. Mas, uma vez que ele está em primeiro lugar preocupado com os homens, e no próximo lugar com as outras criaturas, ele irá assegurar-se, tanto para ambos, que a providência de Deus reina sobre todos. Com relação aos homens, sejam bons ou maus, ele reconhecerá que suas deliberações, vontades, esforços e poderes estão sob seu controle, de modo que é a sua escolha direcioná-los aonde quer que queira, e restringi-los quantas vezes quiser. ele agrada. A vigilância da providência particular de Deus para a segurança dos fiéis é atestada por numerosas e muito notáveis ​​promessas: “Lança o teu fardo sobre o Senhor, e ele te susterá: ele nunca permitirá que os justos sejam movidos. [10] Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Todo-Poderoso descansará. [11] Aquele que te tocar tocará a menina dos seus olhos. Nós temos uma cidade forte: a salvação que Deus indicará para paredes e baluartes. [12] Ainda que uma mulher esqueça seu filho que está sugando, não me esquecerei de ti.” [13] Além disso, este é o escopo principal das histórias bíblicas, para nos ensinar que o Senhor defende tão diligentemente os caminhos dos santos, que eles nem sequer “Pisam o pé deles contra uma pedra.” [14]Portanto, como pouco antes explodimos justamente a opinião daqueles que possuem uma providência universal de Deus, a qual não desce aos cuidados de toda criatura em particular, então é principalmente necessário e útil para contemplar este cuidado especial em relação a nós mesmos. Por esta razão, Cristo, depois de ter afirmado que não o pior pardal cai no chão sem a vontade do Pai, [15] imediatamente faz a seguinte aplicação - que quanto mais excedermos o valor dos pardais, maior cuidado devemos considerar Deus como exercendo sobre nós; e ele leva isso a tal ponto que podemos ter certeza de que os cabelos da nossa cabeça estão contados. O que mais podemos nós desejo por nós mesmos, se não um único cabelo pode cair da nossa cabeça, mas de acordo com a sua vontade? Eu falo não exclusivamente da raça humana; mas desde que Deus escolheu a Igreja para sua habitação, não há dúvida, mas ele particularmente demonstra seu cuidado paternal no governo dele.

VII. O servo de Deus, encorajado por estas promessas e exemplos, acrescentará os testemunhos, que nos informam que todos os homens estão sujeitos ao seu poder, seja para conciliar suas mentes a nosso favor, ou para impedir que sua malícia seja prejudicial. Pois é o Senhor que nos dá favor, não apenas com nossos amigos, mas também aos olhos dos egípcios; [16] e ele sabe como subjugar, por vários métodos, a fúria de nossos inimigos. Às vezes, ele os priva do entendimento, de modo que eles não podem formar planos sóbrios ou prudentes; como ele enviou Satanás para encher a boca de todos os profetas com a falsidade, a fim de enganar Acabe: [17] ele apaixonado Roboão pelo conselho dos jovens, que através de sua própria loucura que ele poderia ser estragado do seu reino. [18] Às vezes, quando ele lhes concede entendimento, ele as aterroriza e desanima, de tal forma que elas não podem determinar nem empreender o que conceberam. Às vezes, também, quando ele permite que tentem o que sua ira e paixão suscitaram, ele oportunamente rompe sua impetuosidade, não querendo que prossigam para a realização de seus projetos. Assim ele prematuramente derrotou o conselho de Aitofel, o que teria sido fatal para Davi. [19] Assim, também, ele cuida de governar todas as criaturas para o benefício e a segurança de seu povo, até o próprio diabo, que, vemos, não ousou tentar qualquer coisa contra Jó, sem sua permissão e comando. [20] As consequências necessárias desta conhecimento são, gratidão em prosperidade, paciência na adversidade, e uma segurança maravilhosa respeitando o futuro. Todo evento próspero e agradável, portanto, o homem piedoso atribuirá inteiramente a Deus, seja seu beneficio recebido através do ministério dos homens, ou pela assistência de criaturas inanimadas. Pois este será o reflexo de sua mente: “É certamente o Senhor que inclinou seus corações para me favorecer, que os uniu a mim para ser os instrumentos de sua benignidade para comigo.” Em uma abundância dos frutos do terra, ele considerará, que é o Senhor quem considera o céu, que o céu pode considerar a terra, que a terra, também, pode considerar suas próprias produções: em outras coisas ele não duvidará que é a benção Divina somente qual é a causa de toda a prosperidade; nem tolerará ser ingrato depois de tantas admoestações.

VIII. Se alguma adversidade acontecer a ele, neste caso, também, ele irá levante imediatamente o coração a Deus, cuja mão é mais capaz de nos impressionar com paciência e moderação plácida da mente. Se José tivesse insistido em uma revisão da perfídia de seus irmãos, ele nunca poderia ter recuperado sua afeição fraternal por eles. Mas quando se voltou para o Senhor, esqueceu-se de seus ferimentos e estava tão inclinado à brandura e clemência, até mesmo voluntariamente a administrar consolo a eles, dizendo: “Não foste tu que me mandaste para cá, mas Deus me mandou. antes de você salvar suas vidas. Você pensou mal contra mim; mas Deus quis dizer para bem.” [21] Se Jó tinha considerado os caldeus, por quem ele foi molestado, ele tinha sido inflamado para vingar-se; mas reconhecendo o acontecimento ao mesmo tempo que a obra do Senhor, ele se consolou com essa observação tão bela: “O Senhor deu, e o Senhor o levou; bendito seja o nome do Senhor.” [22] Assim, Davi, quando assaltado por Simei com linguagem de reprovação e com pedras, se tivesse confinado seus pontos de vista ao homem, teria animado seus soldados a retaliarem o ferimento; mas entendendo que isto não foi feito sem a instigação do Senhor, ele os apaziguou: “Amaldiçoe-o”, diz ele, “porque o Senhor lhe disse: Maldito seja Davi”. [23] Em outro lugar, ele impõe a mesma restrição. sobre a intemperança de sua dor: “Eu era burro”, diz ele, “não abri minha boca; porque não o fizeste.” [24] Se não houver remédio mais eficaz para a ira e a impaciência, certamente aquele homem não fez nenhuma pequena proficiência, que aprendeu, neste caso, a meditar na Divina Providência, para que ele seja capaz em todos os momentos de lembre-se dessa consideração: “É a vontade do Senhor, por isso deve ser suportada; não só porque a resistência é ilegal e vã, mas porque ele não quer nada além do que é justo e conveniente. ” A conclusão do todo é que, quando sofremos ferimentos de homens, esquecendo sua malícia, que apenas exasperaria nossa dor. e instigamos nossas mentes a vingar-nos, devemos nos lembrar de ascender a Deus, e aprender a considerá-la uma certa verdade, que qualquer coisa que nossos inimigos tenham cometido de forma criminosa contra nós, tenha sido permitido e dirigido por sua justa dispensação. Para nós impedir de retaliar lesões, Paul prudência nos adverte que a nossa disputa não é com a carne eo sangue, mas com um inimigo espiritual, o diabo, [25], a fim de que possamos nos preparar para o concurso. Mas esta admoestação é a mais útil para apaziguar todos os sobressaltos do ressentimento, que Deus arma para o conflito tanto o diabo como todos os homens maus, e se senta como árbitro do combate, para exercitar nossa paciência. Mas se as calamidades e misérias que nos oprimem acontecem sem a interposição de homens, lembremos a doutrina da lei, que todo acontecimento próspero procede da bênção de Deus, mas que todos os adversários são suas maldições; [26] e vamos tremer diante dessa terrível denúncia: "Se andardes contrariamente para comigo, então também eu andarei contrariamente para convosco"; [27] linguagem que reprova nossa estupidez, enquanto, de acordo com as apreensões comuns da carne, estimando cada evento Próspero e adverso, para ser fortuito, não somos animados para a adoração de Deus por seus benefícios, nem estimulados ao arrependimento por suas correções. Esta é a razão das expostulações agudas de Jeremias e de Amós, [28] porque os judeus supunham que tanto o bem quanto o mal aconteciam sem qualquer designação de Deus. Para a mesma finalidade é esta passagem de Isaías: “Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal;. Eu, o Senhor, faço todas estas coisas” [29]

IX. No entanto, ao mesmo tempo, um homem piedoso não negligenciará as causas inferiores. Nem, porque ele considera aqueles de quem ele recebeu qualquer benefício, os ministros da Divina bondade, ele irá, portanto, passá-los despercebidos, como se eles não merecessem agradecimento por sua bondade; mas sentirá, e prontamente reconhecerá, sua obrigação para com eles, e estudará para devolvê-lo como a habilidade e a oportunidade permitirem. Finalmente, ele reverenciará e louvará a Deus como o principal Autor dos benefícios recebidos, mas honrará os homens como seus ministros; e entenderá, o que, de fato, é o fato de que a vontade de Deus o colocou sob obrigações àquelas pessoas por cujos meios o Senhor teve o prazer de comunicar seus benefícios. Se sofrer qualquer perda, seja por negligência ou por imprudência, concluirá que aconteceu de acordo com a vontade divina, mas também imputará a culpa a si mesmo. Se alguém for removido por doença, a quem, enquanto era seu dever cuidar dele, ele tratou com negligência - embora ele não possa ser ignorante de que essa pessoa alcançou aqueles limites que lhe eram impossíveis passar, ele não fará disso um apelo para atenuar sua culpa; mas, porque ele não cumpriu fielmente seu dever para com ele, considerá-lo-á como tendo perecido por sua negligência criminosa. Muito menos, quando a fraude e a malícia preconcebida aparecem na perpetração de assassinato ou roubo, ele desculpará essas enormidades sob o pretexto da Divina Providência: no mesmo crime ele contemplará distintamente a justiça de Deus e a iniquidade do homem, como eles respectivamente se descobrem. Mas é principalmente em relação às coisas futuras que ele dirigirá sua atenção para causas inferiores desse tipo. Pois ele irá classificá-lo entre as bênçãos do Senhor, não para ser destituído de ajudas humanas que ele possa usar para sua própria segurança; ele não será negligente, portanto, em tomar o conselho, nem negligente em implorar a ajuda, daqueles que ele percebe serem capazes de lhe dar assistência; mas, considerando todas as criaturas, que em qualquer aspecto podem ser úteis para ele, como tantos dons do Senhor, ele as usará como instrumentos legítimos da Divina Providência. E como ele é incerto a respeito da questão de seus empreendimentos, exceto que ele sabe que o Senhor, em todas as coisas, proverá para o seu bem, ele estudiosamente objetiva o que, de acordo com o melhor julgamento que ele possa formar, será para sua vantagem. Nem, ao conduzir suas deliberações, ele será levado por sua própria opinião, mas recomendará e se resignará à sabedoria de Deus, para que possa ser dirigido por sua orientação para o fim correto. Mas ele não colocará sua confiança em ajuda externa a um grau tal que, se possuía deles, seguramente confiasse neles, ou, se destituída deles, tremesse de desespero. Pois sua mente será sempre fixada unicamente na Divina Providência, nem ele se deixará seduzir por uma constante contemplação dela, por qualquer consideração das coisas presentes. Assim, Joabe, embora reconheça que o evento da batalha depende da vontade e do poder de Deus, não se entrega à inatividade, mas executa diligentemente todos os deveres de seu ofício e deixa o evento à decisão Divina. “Joguemos os homens”, diz ele, “por nosso povo e pelas cidades de nosso Deus; e o Senhor faz o que lhe parecer bem”. [30] Esse conhecimento nos despojará de temeridade e falsa confiança e nos estimulará a constantes invocações de Deus; também apoiará nossas mentes com uma boa esperança, que sem hesitação poderemos seguramente e magnanimamente desprezar todos os perigos que nos cercam.

X. Aqui se descobre a inestimável felicidade da mente piedosa. A vida humana é assolada por inúmeros males e ameaçada com milhares de mortes. Não ir além de nós mesmos - como nosso corpo é o receptáculo de milhares de doenças e até contém e estimula as causas das doenças, um homem inevitavelmente deve levar consigo a destruição em formas inumeráveis, e prolongar uma vida que é, como estavam envolvidos na morte. Pois o que mais você pode dizer sobre isso, quando nem frio nem calor em grau considerável podem ser suportados sem perigo? Agora, para onde quer que você se volte, todos os objetos à sua volta não são apenas indignos de sua confiança, mas quase abertamente o ameaçam, e parecem ameaçar a morte imediata. Embarque em um navio; Há apenas um único passo entre você e a morte. Monte um cavalo; o escorregão de um pé põe em perigo a sua vida. Ande pelas ruas de uma cidade; você está sujeito a tantos perigos quanto telhas nos telhados. Se houver uma arma afiada na sua mão ou a do seu amigo, o dano é manifesto. Todos os animais ferozes que você vê estão armados para a sua destruição. Se você se esforçar para fechar-se em um jardim cercado por uma boa cerca e não exibir nada além do que é delicioso, às vezes até esconde-se uma serpente. Sua casa, perpetuamente sujeita ao fogo, ameaça você de dia com a pobreza, e de noite cairá sobre sua cabeça. Sua terra, exposta ao granizo, à geada, à seca e a várias tempestades, ameaça-o com esterilidade e com a sua fome. Eu omito o veneno, a traição, o roubo e a violência aberta, que em parte nos assediam em casa e em parte nos perseguem no exterior. Em meio a essas dificuldades, o homem não deve ser o mais miserável, que está meio morto enquanto vive, e está desanimado e alarmado como se tivesse uma espada perpetuamente aplicada em seu pescoço? Você dirá que essas coisas acontecem raramente, ou certamente nem sempre, nem para todo homem, mas nunca de uma só vez. Eu concedo; mas, como somos admoestados pelos exemplos dos outros, é possível que eles aconteçam também conosco, e que não temos mais direito a isenção deles do que outros, devemos inevitavelmente temê-los como eventos que podemos esperar. O que você pode imaginar mais calamitoso que tal pavor? Além disso, é um insulto a Deus dizer que expôs o homem, a mais nobre de suas criaturas, à cegueira e à temeridade da fortuna. Mas aqui pretendo falar apenas da miséria que o homem deve sentir, se estiver sujeito ao domínio da fortuna.

XI. Pelo contrário, quando essa luz da Divina Providência brilhou sobre um homem piedoso, ele é aliviado e libertado não apenas da extrema ansiedade e pavor com que antes era oprimido, mas também de todo cuidado. Pois, como justamente teme a fortuna, ele se aventura com segurança para se comprometer com Deus. Este, eu digo, é o seu consolo, para compreender que o seu Pai celestial restringe todas as coisas pelo seu poder, governa todas as coisas pela sua vontade e regula todas as coisas pela sua sabedoria, de tal maneira que nada pode acontecer senão pela sua nomeação. ; Além disso, Deus o tomou sob sua proteção e o entregou aos cuidados dos anjos, para que ele não possa sustentar nenhum dano de água, fogo ou espada, além do que o Divino Governador pode desejar. Pois assim canta o salmista: Certamente ele te livrará do laço do passarinheiro e da pestilência barulhenta. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel. Não terás medo do terror da noite; nem para a flecha que voa de dia; nem para a pestilência que anda na escuridão; nem pela destruição que desperta ao meio-dia. ” [31] Daí também procede essa confiança de glória nos santos: “ O Senhor está do meu lado; Não temerei o que o homem possa fazer por mim. O Senhor é a força da minha vida; de quem devo ter medo? Ainda que um anfitrião se acampe contra mim - embora eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum.” [32] Como é que a segurança deles permanece inabalável, enquanto o mundo parece estar girando ao acaso, mas porque eles sabe que o Senhor é universalmente operativo e confia em suas operações como benéficas para eles? Agora, quando a segurança deles é atacada, seja pelo diabo ou por homens iníquos, se eles não forem apoiados pela lembrança e contemplação da providência, eles devem necessariamente e imediatamente desmaiar. Mas quando eles se lembram, que o diabo e todo o exército dos ímpios são em todos os aspectos tão restringidos pelo poder divino, que eles não podem conceber qualquer hostilidade contra nós, nem, depois de ter concebido, formar um plano para sua realização. nem sequer move um dedo para a execução de tal plano, além do que ele permitiu, e até os comandou; e que eles não estão apenas presos por suas correntes, mas também obrigados a prestar-lhe serviço - eles têm uma abundante fonte de consolo. Pois como pertence ao Senhor armar seu furor e direcioná-lo a quaisquer objetos que lhe agrade, também lhe pertence fixar seus limites, para que eles não possam desfrutar de um triunfo ilimitado de acordo com suas próprias vontades. Estabelecido nesta persuasão, Paulo determinou sua jornada em um lugar pela permissão de Deus, que em outro ele declarou foi impedido por Satanás. [33] Se ele tivesse dito apenas que Satanás era o obstáculo, ele teria parecido atribuir poder demais a ele, como se ele fosse capaz de subverter os propósitos de Deus; mas quando ele declara que Deus é o árbitro, em cuja permissão todas as jornadas dependem, ele ao mesmo tempo mostra que Satanás, com todas as suas maquinações, não pode efetuar nada além de sua permissão. Pela mesma razão, David, por causa das várias e constantes vicissitudes da vida, dirige-se a esse asilo: “Meus tempos estão em suas mãos.” [34] Ele poderia ter mencionado ou o curso da vida, ou o tempo , no singular. número; mas pela palavra vezes que ele pretendia expressar, que, por mais instável que seja a condição dos homens, todas as vicissitudes que ocorrem estão sob o governo de Deus. Por essa razão, Rezim e o rei de Israel, quando, após a junção de suas forças pela destruição de Judá, se assemelharam a foguetes acesos para consumir e arruinar a terra, são chamados pelo Profeta. “Incendiários fumegantes”, [35] que nada podem fazer além de emitir um pouco de fumaça. Assim Faraó, quando suas riquezas, sua força e a multidão de suas forças o tornaram formidável para todos, ele mesmo é comparado a um monstro marinho e suas forças para pescar. [36] Portanto, Deus denuncia que ele levará tanto o capitão e seu exército com seu anzol, quanto os atrairá para onde quiser. Finalmente, para não mais insistir nesta parte do assunto, você facilmente perceberá, ao examinar, que a ignorância da providência é a maior das misérias, mas que o conhecimento dela é acompanhado com a maior felicidade.

XII Na doutrina da Divina Providência, na medida em que possa conduzir à sólida instrução e consolação dos fiéis, (para satisfazer uma vaidosa curiosidade não é possível nem desejável), basta agora ter sido dito, não fosse por uma dificuldade. decorrente de algumas passagens, que aparentemente implicam, em oposição ao que foi dito, que o conselho de Deus não é firme e estável, mas passível de mudança de acordo com a situação dos assuntos subliminares. Em primeiro lugar, há vários exemplos em que o arrependimento é atribuído a Deus; como que ele se arrependeu de ter criado o homem, [37] e de ter exaltado Saul ao reino; [38] e que ele se arrependerá do mal que ele determinou infligir a seu povo, assim que ele tiver percebido sua conversão. [39] Em seguida, lemos sobre a revogação de alguns de seus decretos. Por Jonas ele declarou aos ninivitas, [40] que, após o transcurso de quarenta dias, Nínive deveria ser destruída; mas sua penitência, depois, obteve dele uma sentença mais misericordiosa. Pela boca de Isaías ele denunciou a morte a Ezequias; [41] que as orações e lágrimas daquele monarca o levaram a adiar. [42] Portanto, muitas pessoas argumentam que Deus não fixou os assuntos dos homens por meio de um decreto eterno; mas que a cada ano, dia e hora, ele decreta uma coisa ou outra, de acordo com os respectivos méritos de cada indivíduo, ou com suas próprias ideias de equidade e justiça. Com relação ao arrependimento, não devemos admitir que isso possa acontecer a Deus, mais do que a ignorância, o erro ou a impotência. Pois, se nenhum homem, consciente e voluntariamente, se coloca sob a necessidade do arrependimento, não podemos atribuir arrependimento a Deus, sem dizer que ele é ignorante do futuro, ou que não pode evitá-lo, ou que precipita e inconsideradamente adota uma resolução. dos quais ele imediatamente se arrepende. Mas isso está tão longe do significado do Espírito Santo, que na própria menção do arrependimento, ele nega que ele possa pertencer a Deus, porque “ele não é um homem, para que ele se arrependa”. [43] E deve ser observado que  esses dois pontos estão tão conectados no mesmo capítulo que uma comparação concilia plenamente a aparente inconsistência. Onde se diz que Deus se arrependeu de ter criado o rei Saul, a mudança declarada ter ocorrido é figurativa. É quase imediatamente acrescentado que “a força de Israel não mentirá nem se arrependerá; porque ele não é um homem, para se arrepender ” [44], no qual, sem qualquer figura, sua imutabilidade é claramente afirmada. É certo, portanto, que a ordenação de Deus na administração dos assuntos humanos é perpétua e superior a todo arrependimento. E para colocar sua constância acima de qualquer dúvida, até seus adversários foram forçados a atestar isso. Para Balaão, apesar de sua relutância, foi obrigado a sair na seguinte exclamação: “Deus não é homem, deve mentir; nem o filho do homem, para que ele se arrependa, disse ele, e não o fará? Ou falaria, e deve ele não torná-lo bom?” [45]

XIII. Como, então, será perguntado, o termo arrependimento deve ser entendido, quando atribuído a Deus? Eu respondo, da mesma maneira que todas as outras formas de expressão, que descrevem Deus para nós segundo a maneira dos homens. Pois, uma vez que nossa enfermidade não pode alcançar sua sublimidade, a descrição daquilo que nos é dado, para que possamos compreendê-la, deve ser reduzida ao nível de nossa capacidade. Seu método de abaixá-lo é representar-se a nós, não como ele é em si mesmo, mas de acordo com nossa percepção dele. Embora ele esteja livre de qualquer perturbação mental, ele declara estar zangado com os pecadores. [46] Portanto, quando ouvimos que Deus está zangado, não devemos imaginar qualquer comoção nele, mas sim considerar essa expressão como emprestada de nossa percepção, porque Deus carrega a aparência de alguém que está muito zangado, sempre que executa julgamento - assim, nem pelo termo arrependimento devemos entender qualquer coisa, mas uma mudança de ações; porque os homens estão acostumados a expressar sua insatisfação consigo mesmos, mudando suas ações. Visto que toda mudança entre os homens, portanto, é uma correção daquilo que os desagrada, e a correção procede do arrependimento, portanto o termo arrependimento é usado para significar que Deus faz uma mudança em suas obras. No entanto, ao mesmo tempo, não há alteração em seu conselho ou sua vontade, nem qualquer mudança em suas afeições; mas quão súbita a variação pode parecer aos olhos dos homens, ele perpetuamente e regularmente processa o que ele previu, aprovou e decretou desde a eternidade.

XIV Nem a História Sagrada, quando registra a remissão da destruição que acabara de ser denunciada contra os ninivitas, e o prolongamento da vida de Ezequias depois que ele foi ameaçado de morte, prove que houve qualquer revogação dos decretos Divinos. As pessoas que assim o compreendem são enganadas em suas idéias das ameaças; que, embora expresso na forma de declarações simples, ainda, como mostra o evento, contém em si uma condição tácita. Por que Deus enviou Jonas aos ninivitas para prever a ruína de sua cidade? Por que ele, pela boca de Isaías, advertiu Ezequias da morte? Ele poderia ter destruído tanto eles como ele, sem antes anunciar o seu fim. Ele tinha outro objetivo em vista, portanto, do que preveni-los de sua morte e dar-lhes uma perspectiva distante de sua abordagem. E isso não era para destruí-los, mas para os reformar, para que não fossem destruídos. Portanto, a predição de Jonas, que depois de quarenta dias Nínive deveria cair, foi proferida para impedir sua queda. Ezequias foi privado da esperança de uma vida mais longa, a fim de poder obter uma prolongação do mesmo em resposta às suas orações. Agora, quem não vê, que o Senhor, por tais denúncias como estas, pretendia despertar para o arrependimento as pessoas a quem ele assim alarmava, para que pudessem escapar do julgamento que seus pecados haviam merecido? Se isso for admitido, a natureza das circunstâncias leva à conclusão de que devemos entender uma condição tácita implícita na simples denúncia. Isto também é confirmado por exemplos semelhantes. O Senhor, repreendendo o rei Abimeleque por ter privado a Abraão de sua esposa, usa estas palavras: - “Eis que tu és apenas um morto, para a mulher que tomaste; pois ela é a esposa de um homem. ” Mas depois que Abimeleque se desculpou, o Senhor fala dessa maneira: “ Restaure o homem a sua esposa; porque ele é profeta e orará por ti, e viverás; e se não a restaurares, sabes que certamente morrerás, tu e tudo o que tens.” [47] Vê como, pela primeira declaração, Deus aterroriza a sua mente, para o dispor a fazer satisfação; mas no próximo, ele faz uma declaração explícita de sua vontade. Uma vez que outras passagens devem ser explicadas de maneira semelhante, você não deve inferir que há qualquer revogação de um propósito anterior do Senhor, porque ele pode ter anulado algumas declarações anteriores. Porque Deus prepara o caminho para a sua ordenação eterna, quando, por uma denúncia de castigo, ele chama ao arrependimento aqueles que ele planeja poupar, do que faz qualquer variação em sua vontade, ou mesmo em suas declarações, exceto que ele não consegue de forma silábica expressar o que, no entanto, é facilmente entendido. Pois essa afirmação de Isaías deve permanecer verdadeira: “O Senhor dos Exércitos o determinou e quem o invalidará? e sua mão está estendida, e quem a fará voltar atrás?” [48]

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.


corrigir versículos

Notas:
[1] Salmo 40. 5
[2] João 9. 3
[3] Salmo 36. 6
[4] Deuteronômio 30. 12-14. Romanos 10. 6, 7.
[5] Romanos 11. 33, 34.
[6] Deuteronômio 29. 29
[7] Jó 26. 14
[8] Jó 28. 21, 28.
[9] Provérbios 16. 9
[10] Salmo 55. 22. 1 Pedro 5. 7.
[11] Salmo 91. 1
[12] Zacarias 2. 8
[13] Isaías 26. 1; 49. 15
[14] Salmo 101. 12
[15] Mateus 10. 29, 30.
[16] Êxodo 3. 21
[17] 1 Reis 22. 22
[18] 1 Reis 12. 10-15
[19] 2 Samuel 17. 7, 14.
[20] Jó 1. 12
[21] Gênesis 45. 7, 8; 1. 20
[22] Jó 1. 21
[23] 2 Samuel 16. 10
[24] Salmo 39. 9
[25] Efésios 6. 12
[26] Deuteronômio 28. 1, etc.
[27] Levítico 26. 23, 24.
[28] Lamentações 3. 37, 38. Amós 3. 6
[29] Isaías 45. 7
[30] 2 Samuel 10. 12
[31] Salmo 91. 3-6
[32] Salmo 118. 6; 27. 1, 3; 23. 4
[33] 1 Coríntios 16. 7. 1 Tessalonicenses 2. 18
[34] Salmo 31. 15
[35] Isaías 7. 4
[36] Ezequiel 29. 3, 4
[37] Gênesis 6. 6
[38] 1 Samuel 15. 11
[39] Jeremias 18. 8
[40] Jonas 3. 4, 10.
[41] Isaías 38. 1, 5.
[42] 2 Reis 20. 1, 5.
[43] 1 Samuel 15. 29
[44] 1 Samuel 15. 29
[45] Números 23. 19
[46] Salmo 7. 11
[47] Gênesis 20. 3, 7.
[48] Isaías 14. 27

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: