A devoção da meia-noite, chamado na Escrituras de sexta hora do dia

Recomendando a devoção às doze horas, chamou nas Escrituras a sexta hora do dia. Essa frequência de devoção é igualmente desejável por todas as ordens de pessoas. Recomenda-se aqui que o amor universal seja objeto de oração a esta hora. De intercessão, como um ato de amor universal.

Talvez algumas pessoas pensem que essas horas de oração são muito espessas; que eles só podem ser observados por pessoas de grande lazer e não devem ser pressionados pela generalidade dos homens, que têm os cuidados de famílias, ofícios e empregos; nem sobre os nobres, cujo estado e figura no mundo não podem admitir essa frequência de devoção. E que isso é adequado apenas para mosteiros e conventos, ou para pessoas que não têm mais o que fazer no mundo do que têm.

Para isso é respondido,

Primeiro, que esse método de devoção não é pressionado por nenhum tipo de pessoa, como absolutamente necessário, mas recomendado a todas as pessoas, como o melhor, o mais feliz e o mais perfeito modo de vida.

E se uma grande e exemplar devoção é tanto a maior felicidade e perfeição de um comerciante, um soldado ou um homem de qualidade, quanto a maior felicidade e perfeição da vida contemplativa mais aposentada, é conveniente recomendar sem abatimentos a uma ordem dos homens e a outra: porque a felicidade e a perfeição têm o mesmo valor e valor para todas as pessoas.

O cavalheiro e o comerciante podem, e devem, passar muito do seu tempo de maneira diferente do piedoso monge no claustro ou do eremita contemplativo no deserto; mas então, como o monge e o eremita perdem os fins da aposentadoria, a menos que tornem tudo útil à devoção; assim, o cavalheiro e o comerciante fracassam nos maiores extremos de uma vida social e vivem até a perda no mundo, a menos que a devoção seja seu temperamento principal e governante.

Certamente é muito honesto e digno de crédito as pessoas se envolverem em negócios e empregos; é razoável que os senhores gerenciem bem suas propriedades e famílias, e tomem as recreações que sejam apropriadas ao seu estado. Mas todo cavalheiro e comerciante perde a maior felicidade de sua criação, é roubado de algo que é maior do que todos os empregos, distinções e prazeres do mundo, se ele não vive mais de piedade e devoção do que de qualquer outra coisa. o mundo.

Portanto, não há desculpas para homens de negócios e figuras no mundo. Primeiro, porque seria desculpá-los daquilo que é o maior fim de vida; e estar apenas encontrando tantas razões para torná-las menos benéficas para si mesmas e menos úteis para Deus e o mundo.

Em segundo lugar, porque a maioria dos homens de negócios e de figuras se envolve muito em assuntos mundanos; muito mais longe do que as razões da vida humana ou as necessidades do mundo exigem.

Comerciantes e comerciantes, por exemplo, geralmente estão dez vezes mais envolvidos nos negócios do que precisam; que está tão longe de ser uma desculpa razoável para a falta de tempo para devoção, que é crime deles e deve ser censurado como um exemplo culpável de cobiça e ambição.

Os nobres e as pessoas de figura se entregam a empregos estatais, ou às gratificações de suas paixões, em uma vida de alegria e devassidão; e se essas coisas podem ser admitidas como vocações permitidas da devoção, a devoção deve ser considerada uma circunstância ruim da vida.

A menos que os senhores possam mostrar que eles têm outro Deus além do Pai de nosso Senhor Jesus Cristo; outra natureza que não a derivada de Adão; outra religião que não seja cristã; é em vão pleitear seu estado, dignidade e prazeres, como razões para não preparar suas almas para Deus, por uma devoção estrita e regular.

Pois, como a piedade e a devoção são os meios imutáveis ​​comuns de salvar todas as almas do mundo que serão salvas, não resta mais nada para o cavalheiro, o soldado e o comerciante, mas para cuidar de que seus vários estados sejam, com cuidado e a vigilância, pela meditação e oração, estabeleceu estados de uma piedade exata e sólida.

Se um comerciante, tendo abandonado os negócios demais, para que pudesse prestar atenção discreta ao serviço de Deus, morresse, portanto, no valor de vinte em vez de cinquenta mil libras, alguém poderia dizer que havia confundido sua vocação ou perdido um perdedor? o mundo?

Se um cavalheiro tivesse matado menos raposas, tivesse sido menos frequente em bailes, jogos e reuniões alegres, porque partes do seu tempo haviam sido dedicadas à aposentadoria, meditação e devoção, pode-se pensar que quando ele deixou o mundo, ele se arrependeria da perda daquelas horas que dedicara ao cuidado e à melhoria de sua alma?

Se um comerciante, aspirando à perfeição cristã e se retirando frequentemente de seus negócios, deveria, em vez de deixar a fortuna de seus filhos para gastar em luxo e ociosidade, deixá-los viver por seu próprio trabalho honesto, poderia dizer-se que ele tinha fez mau uso do mundo, porque mostrou aos filhos que tinha mais em consideração o que é eterno do que o que está tão próximo do fim?

Visto que, portanto, a devoção não é apenas a melhor e mais desejável prática em um claustro, mas a melhor e mais desejável prática dos homens, como homens, e em todos os estados da vida; aqueles que desejam ser dispensados ​​disso, porque são homens de figura, propriedades e negócios, não são mais sábios do que aqueles que desejam ser dispensados ​​de saúde e felicidade, porque eram homens de figura e propriedades.

Não vejo por que todo cavalheiro, comerciante ou soldado não deva levar a sério essas perguntas:

Qual é a melhor coisa para eu pretender e dirigir em todas as minhas ações? Como devo fazer para aproveitar ao máximo a vida humana? De que maneira gostaria de ter tomado quando sair do mundo?

Agora, ser sábio assim, e fazer tanto uso de nossa razão, parece ser apenas um pequeno e necessário pedaço de sabedoria. Pois como podemos fingir sentir e julgar, se não ousamos considerar seriamente, responder e governar nossas vidas por aquilo que essas perguntas exigem de nós?

Um nobre pensará que seu nascimento é digno demais para condescender com perguntas como essas? Ou um comerciante acha que seu negócio é ótimo demais para se preocupar?

Agora, aqui, não se deseja mais devoção na vida de ninguém, do que a resposta a essas poucas perguntas exige.

Qualquer devoção que não seja para a maior vantagem dele que a use do que qualquer coisa que ele possa fazer na sala dela; toda devoção que não obtém um bem infinitamente maior do que o que se pode obter ao negligenciá-lo, é liberada livremente; aqui não há demanda disso.

Mas se as pessoas viverem com tanta ignorância, como nunca colocarem essas questões para si mesmas, mas continuarem com uma vida cega a todo momento, em busca de não saberem o que, nem por quê; sem nunca considerar o valor, ou valor ou tendência de suas ações, sem considerar o que Deus, razão, eternidade e sua própria felicidade exigem deles; é pela honra da devoção que ninguém a pode negligenciar, mas aqueles que são assim negligentes, que não ousam indagar sobre o que é o melhor e o mais digno de sua escolha.

É verdade, Cláudio, [1] que você é um homem de figura e propriedade e deve desempenhar o papel de tal posição na vida humana; você não é chamado, como Elias, a ser um profeta, ou como São Paulo, a um apóstolo.

Mas você não vai se amar? Você não procurará e estudará sua própria felicidade, porque não é chamado a pregar as mesmas coisas para outras pessoas?

Você pensaria muito absurdo, para um homem não valorizar sua própria saúde, porque ele não era médico; nem a preservação de seus membros porque ele não era um ferreiro. No entanto, é mais absurdo para você, Cláudio, negligenciar o aperfeiçoamento de sua alma na piedade, porque você não é um apóstolo, nem um bispo.

Considere o seguinte texto das Escrituras: "Se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificarmos as obras do corpo, vivemos. Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, eles são os filhos de Deus". [Romanos 8. 13, 14] Você acha que essa Escritura não se relaciona igualmente com toda a humanidade? Você pode encontrar alguma exceção aqui para homens de figura e propriedades? Uma vida espiritual e devota não é aqui a condição comum em que todos os homens devem se tornar filhos de Deus? Você deixará horas de oração e regras de devoção para estados particulares da vida, quando nada além do mesmo espírito de devoção pode salvar você ou qualquer homem da morte eterna?

Considere novamente este texto: "Pois todos devemos comparecer perante o tribunal de Cristo; para que cada um receba as coisas feitas em seu corpo, de acordo com o que ele fez, seja bom ou ruim". [2 Coríntios 5. 10] Agora, se sua propriedade o impedisse de comparecer perante este tribunal, se sua figura pudesse protegê-lo de receber de acordo com suas obras, haveria alguma pretensão de deixar sua devoção a outras pessoas. Mas se você, que agora está assim distinto, deve aparecer nu entre almas comuns, sem qualquer outra distinção dos outros, mas que suas virtudes ou pecados lhe dão; não lhe interessa tanto quanto qualquer profeta ou apóstolo fazer a melhor provisão para as melhores recompensas naquele grande dia?

Mais uma vez, considere esta doutrina do apóstolo: "Porque nenhum de nós", isto é, de nós cristãos", vive para si mesmo, e ninguém morre para si. Porque, se vivemos, vivemos para o Senhor e se morremos, morremos para o Senhor. Pois, para esse fim, Cristo morreu e ressuscitou e reviveu, para que pudesse ser o Senhor dos mortos e dos vivos." [Romanos 14. 7, 8, 9]

Agora, Cláudio, você está de fora da doutrina deste texto? Por causa de sua condição, você deixará para qualquer tipo particular de pessoas viver e morrer para Cristo? Nesse caso, você deve deixar isso para eles, para ser redimido pela Morte e Ressurreição de Cristo. Pois é a doutrina expressa do texto que, para esse fim, Cristo morreu e ressuscitou, que nenhum de nós deve viver para si mesmo. Não é que padres, apóstolos, monges ou eremitas não vivam mais para si mesmos; mas que nenhum de nós, ou seja, nenhum cristão de qualquer estado, deveria viver para si mesmo.

Se, portanto, existem instâncias de piedade, regras de devoção que você pode negligenciar e, no entanto, viver tão fielmente a Cristo como se as observasse, este texto não o leva a essa devoção. Mas se você abandonar essa devoção, como você mesmo sabe, é esperado de algum tipo específico de pessoas; a devoção que você conhece se torna um povo que vive inteiramente para Cristo, que aspira a uma grande piedade; se você negligenciar tal devoção por qualquer consideração mundana, a fim de viver mais de acordo com seu próprio temperamento e gosto, mais com as modas e os modos do mundo, renuncia aos termos pelos quais todos os cristãos devem receber o benefício da morte e ressurreição de Cristo.

Observe, além disso, como a mesma doutrina é ensinada por São Pedro: "Como o que te chamou é santo, assim seja, santo em todo tipo de conversa". [1 Pedro. 1. 15]

Se, portanto, Cláudio, você é um daqueles que são chamados aqui, você vê como é chamado. Não é para ter tanta religião como ternos com seu temperamento, seus negócios ou seus prazeres; não é para um tipo particular de piedade que pode ser suficiente para cavalheiros de figuras e propriedades; mas é, primeiro, ser santo, como quem te chamou é santo; segundo, é ser santo assim em todo tipo de conversa; isto é, levar esse espírito e grau de santidade a todos os portos, [2] e por toda a forma de sua vida.

E a razão que o apóstolo dá imediatamente, por que esse espírito de santidade deve ser o espírito comum dos cristãos, como tal, é muito afetante e que igualmente chama todos os tipos de cristãos. "Na medida em que você sabe", diz ele, "que não foram redimidos com coisas corrompíveis, como prata e ouro, de sua vã conversa... mas com o precioso sangue de Cristo" [1 Pedro 1. 18, 19]

Como se ele tivesse dito: Na medida em que você sabe que se tornou capaz desse estado de santidade, entrou em uma sociedade com Cristo e tornou herdeiros de Sua glória, não por quaisquer meios humanos, mas por um exemplo tão misterioso de amor, como excede infinitamente tudo o que se pode pensar neste mundo; já que Deus redimiu você para si mesmo e sua própria felicidade, a um preço tão alto; quão mesquinha e vergonhosa deve ser, se você não se dedicar a partir de agora totalmente à glória de Deus, e se tornar santo, como quem é chamado por você é santo!

Se, portanto, Cláudio, você considera sua figura e estado; ou se, nas palavras do texto, você considera seu ouro e prata e as coisas corruptíveis desta vida, como qualquer razão para você viver com seu próprio humor e fantasia, por que pode negligenciar uma vida de piedade estrita e grande devoção; se você acha que alguma coisa no mundo pode ser uma desculpa para você não imitar a santidade de Cristo em todo o curso e forma de sua vida; você se torna tão culpado como se negligenciasse a santidade do cristianismo, por uma questão de colher canudos.

Pois a grandeza desse novo estado de vida, para o qual somos chamados em Cristo Jesus, é para sempre como os anjos de Deus no céu, e a grandeza do preço pelo qual somos capazes de esse estado de glória. tudo o que é mundano, temporal e corruptível, em uma pequenina igualdade; e fez com que tão grande baixeza e tolice, como um grande desprezo pelo Sangue de Cristo, negligenciasse qualquer grau de santidade, porque você é um homem de algum estado e qualidade, como seria negligenciá-lo porque desejava pegue palhetas.

Novamente; o mesmo apóstolo diz: "Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo que está em vós, e não sois vossos? Porque comprados com preço; glorificai a Deus em vosso corpo e espírito. que são de Deus ". [1 Coríntios 6. 19, 20]

Quão mal, Cláudio, você leu as escrituras, quão pouco você conhece do cristianismo se ainda pode falar de sua propriedade e condição, como pretexto para um tipo de vida mais livre.

Você é mais seu, do que aquele que não tem estado ou dignidade no mundo? É preciso dizer que as pessoas pequenas preservam seus corpos como templos do Espírito Santo assistindo, jejuando e orando; mas você pode se entregar à ociosidade, à luxúria e à sensualidade, porque possui muito aluguel ou um título de distinção? Quão pobres e ignorantes são esses pensamentos!

E, no entanto, você deve pensar assim ou reconhecer que a santidade dos santos, profetas e apóstolos é a santidade pela qual você deve trabalhar depois, com toda a diligência e cuidado que puder.

E se você deixar que os outros vivam em tanta piedade e devoção, em tanta abnegação, humildade e temperança, que os tornem capazes de glorificar a Deus em seu corpo e em seu espírito; você deve deixar isso para eles também, para ter o benefício do Sangue de Cristo.

Novamente; o apóstolo diz: "Vocês sabem como exortamos, consolamos e cobramos a cada um de vocês que andem dignos de Deus, que os chamou para Seu reino e glória". [1 Tessalonicenses 2. 11, 12]

Você, Cláudio, talvez tenha ouvido essas palavras com frequência, sem sequer pensar no quanto elas exigem de você. E, no entanto, você não pode considerá-los, sem perceber o que iminente [3] estado de santidade eles o chamam.

Pois como a santidade da vida cristã pode ser posta diante de você em termos mais elevados do que quando lhe é representada como andar digno de Deus? Você consegue pensar em alguma redução da virtude, qualquer descaso da devoção, que seja bem consistente com uma vida que deve ser feita digna de Deus? Você pode supor que alguém anda dessa maneira, mas aquele que vigia todos os seus passos e considera como tudo o que faz pode ser feito no espírito de santidade? e, no entanto, por mais que essas expressões carreguem essa santidade, é aqui claramente feita a santidade necessária de todos os cristãos. Pois o apóstolo não exorta aqui seus companheiros apóstolos e santos a essa santidade, mas ele ordena a todos os cristãos que se empenhem por ela. "Nós cobramos", diz ele, "cada um de vocês que ande digno de Deus, que os chamou para o Seu reino e glória."

Novamente; São Pedro disse: "Se alguém fala, fale como os oráculos de Deus; se alguém ministra, faça-o conforme a habilidade que Deus dá; que Deus em todas as coisas seja glorificado em Jesus Cristo". [1 Pedro 4. 11]

Claudius, você não percebe claramente seu alto chamado? É aquele que fala em ter tanto respeito por suas palavras, que parece falar como pela direção de Deus? É aquele que dá o cuidado de dar, para que o que ele dispõe possa parecer um dom que ele tem de Deus? E tudo isso deve ser feito, para que Deus seja glorificado em todas as coisas?

Não se deve então dizer: Existe alguém nobreza, dignidade de estado ou figura no mundo? Que ele use sua nobreza, ou figura de vida, para que pareça que ele os usa como dons de Deus, para o maior estabelecimento de Sua glória. Claudius existe agora algo forçado ou rebuscado nessa conclusão? Não é o sentido claro das palavras que tudo na vida deve ser feito uma questão de santidade para Deus? Nesse caso, seu estado e dignidade estão tão longe de dispensá-lo da grande piedade e santidade da vida, que o colocam sob uma maior necessidade de viver mais para a glória de Deus, porque você tem mais dons Dele que podem ser prestado serviço a ele.

Para as pessoas, portanto, de figura, negócio ou dignidade no mundo, deixar grande piedade e devoção eminente a quaisquer ordens particulares de homens, ou aquelas que pensam ter pouco mais a fazer no mundo, é deixar o reino de Deus para eles.

Pois é o fim do cristianismo redimir todas as ordens dos homens em uma sociedade sagrada, para que ricos e pobres, altos e baixos, senhores e servos, possam com o mesmo espírito de piedade tornar-se "uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo peculiar; que deve mostrar os louvores d'Aquele que os chamou das trevas, para Sua maravilhosa luz ". [1 Pedro 2. 9]

Muito se diz que mostra que grande devoção e santidade não deve ser deixada a nenhum tipo específico de pessoa, mas sim o espírito comum de todos os que desejam viver de acordo com os termos do cristianismo comum; Passo agora a considerar a natureza e a necessidade do amor universal, que aqui é recomendado ser o assunto de sua devoção a esta hora. Você também é chamado à intercessão, como o exercício mais adequado para elevar e preservar esse amor. Por intercessão entende-se uma oração a Deus e interceder com Ele por nossos semelhantes.

Nosso Abençoado nos recomendou Seu amor, como padrão e exemplo de nosso amor um ao outro. Como, portanto, Ele está continuamente fazendo intercessão por todos nós, devemos interceder e orar um pelo outro.

"Um novo mandamento", diz Ele, "eu vos dou, que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei. Nisto todos saberão que sois meus discípulos, se vos amamos". [João 13. 34, 35]

A novidade deste preceito não consistia nisto: homens eram ordenados a se amar; pois esse era um preceito antigo, tanto da lei de Moisés quanto da natureza. Mas era novo a esse respeito, que era imitar um exemplo novo e até então inédito de amor; era amar um ao outro, como Cristo nos amou.

E se os homens sabem que somos discípulos de Cristo, amando um ao outro, de acordo com Seu novo exemplo de amor, então é certo que, se somos desprovidos desse amor, o tornamos claramente conhecido. homens, que não somos nenhum dos seus discípulos.

Não existe um princípio do coração que seja mais aceitável para Deus do que um amor fervoroso universal a toda a humanidade, desejando e rezando por sua felicidade; porque não existe um princípio do coração que nos torne mais parecidos com Deus, que é o próprio amor e bondade, e criou todos os seres para o desfrute da felicidade.

A melhor ideia que podemos estruturar de Deus é quando o concebemos como um ser de infinito amor e bondade; usando uma infinita sabedoria e poder, para o bem comum e a felicidade de todas as Suas criaturas.

A noção mais elevada, portanto, de que podemos formar o homem é quando o concebemos como Deus, a esse respeito, como ele pode ser; usando todas as suas infinitas faculdades, sejam de sabedoria, poder ou orações, para o bem comum de todos os seus semelhantes; desejando sinceramente que possam ter toda a felicidade de que são capazes, e tantos benefícios e assistência dele quanto seu estado e condição no mundo permitirão que ele os dê.

E, por outro lado, que baixeza e iniquidade existem em todos os casos de ódio, inveja, maldade e má vontade; se considerarmos que cada exemplo deles está agindo até agora em oposição a Deus, e com intenção de prejudicar aquelas criaturas que Deus favorece, protege e preserva, a fim de ser feliz! Um homem não natural, entre as criaturas de Deus, é a criatura mais perversa do mundo, agindo contrariamente ao amor pelo qual ele subsiste, e que por si só dá subsistência a toda essa variedade de seres, que desfruta a vida em qualquer parte da criação.

"Tudo o que você deseja que os homens façam a você, assim faça a eles." [Mateus 7.12]

Agora, embora essa seja uma doutrina de justiça estrita, é apenas um amor universal que pode cumpri-la. Pois, como o amor é a medida de nosso agir em relação a nós mesmos, nunca podemos agir da mesma maneira em relação às outras pessoas, até que as contemplemos com esse amor, com o qual nos vemos.

Como não temos graus de despeito, inveja ou má vontade para com nós mesmos, também não podemos estar dispostos para com os outros como somos para com nós mesmos, até renunciar universalmente a todos os casos de despeito, inveja e má vontade, mesmo nos menores graus.

Se tivéssemos alguma imperfeição em nossos olhos, isso nos faria ver algo errado, pela mesma razão que eles nos mostrariam cem coisas erradas.

Portanto, se tivermos algum temperamento de coração, que nos torne invejosos, maldosos ou de má índole em relação a qualquer homem, o mesmo temperamento nos fará invejosos, maldosos e de má índole em relação a muitos outros.

Se, portanto, desejamos essa virtude divina do amor, devemos exercitar e praticar nossos corações no amor de todos, porque não é amor cristão, até que seja o amor de todos.

Se um homem pudesse manter toda essa lei do amor, e ainda assim ofender em um ponto, ele seria culpado de tudo. Pois, como um exemplo permitido de injustiça destrói a justiça de todas as nossas outras ações, também um exemplo permitido de inveja, despeito e má vontade, torna todos os nossos outros atos de benevolência e afeto valiosos.

Atos de amor, que não provêm de um princípio de amor universal, são apenas atos de justiça, que procedem de um coração não disposto à justiça universal.

Um amor que não é universal, pode de fato ter ternura e afeto, mas não tem nada de retidão ou piedade: é apenas humor, temperamento ou interesse, ou um amor que os publicanos e pagãos praticam.

Todas as invejas e despeitos em particular são tão afastados do espírito do cristianismo, como qualquer ato particular de injustiça. Pois é uma lei de Cristo tratar a todos como seu próximo e amar o seu próximo como a si mesmo, assim como é uma lei do cristianismo abster-se de roubo.

Agora, o motivo mais nobre para essa ternura e afeição universal está fundado nesta doutrina: "Deus é amor, e quem habita em amor, habita em Deus". [1 João 4. 16]

Quem, portanto, cujo coração tem alguma tendência para com Deus, não aspiraria a esse temperamento divino, que muda e exalta nossa natureza em uma união com Ele?

Como devemos nos alegrar no exercício e na prática desse amor, que, tantas vezes quanto sentimos, é tantas vezes uma garantia para nós, que Deus está em nós, que agimos de acordo com o Seu Espírito, que é o próprio Amor! Mas devemos observar que o amor tem apenas esse poderoso poder de nos unir a Deus, quando é tão puro e universal a ponto de imitar o amor que Deus carrega em todas as Suas criaturas.

Deus deseja a felicidade de todos os seres, embora não seja felicidade para si mesmo. Portanto, devemos desejar a felicidade de todos os seres, embora nenhuma felicidade nos venha dela.

Deus igualmente se deleita com as perfeições de todas as Suas criaturas: portanto, devemos nos regozijar com essas perfeições, onde quer que as vejamos, e estar tão contentes por ter outras pessoas perfeitas como nós.

Como Deus perdoa a todos e dá graça a todos, devemos perdoar todos os ferimentos e afrontas que recebemos dos outros e fazer todo o bem que pudermos para eles.

Deus Todo-Poderoso, além de Seu grande exemplo de amor, que deve atrair todas as Suas criaturas depois dele, nos proporcionou isso e tornou nossa felicidade tão comum a todos nós, que não temos ocasião de invejar ou odiar um ao outro.

Pois não podemos ficar no caminho um do outro, ou desfrutando de um bem em particular, manter o outro longe de sua parte total.

Como não podemos ser felizes, mas no desfrute de Deus, também não podemos rivalizar ou roubar uns aos outros dessa felicidade.

E quanto a outras coisas, os prazeres e prosperidades desta vida, são tão pequenos em si mesmos, tão estranhos à nossa felicidade e, de um modo geral, tão contrários ao que parecem ser, que não são fundamento para a inveja, ou rancor, ou ódio.

Como seria tolo invejar um homem que estava bebendo veneno de um copo de ouro! E, no entanto, quem pode dizer que está agindo de maneira mais sábia do que isso, quando inveja qualquer exemplo de grandeza mundana?

Quantos santos a adversidade enviou ao céu! E quantos pobres pecadores a prosperidade mergulhou na miséria eterna! Um homem parece, então, estar no estado mais glorioso, quando venceu, desonrou e humilhou seu inimigo; embora possa ser, essa mesma conquista salvou seu adversário e se desfez.

Talvez esse homem nunca tivesse sido debochado, a não ser por sua fortuna e progresso; isso nunca fora piedoso, mas através de sua pobreza e desgraça.

Aquele que é invejado por sua beleza, pode, porventura, dever toda a sua miséria; e outro pode ser eternamente feliz, por não ter admirado sua pessoa.

Um homem consegue tudo e perde tudo; outro encontra apenas cruzamentos e decepções, e assim ganha mais do que vale o mundo.

Esse clérigo pode ser desfeito ao ser nomeado bispo; e isso pode salvar a si mesmo e aos outros, sendo fixado em seu primeiro pobre vicariato.

Quão invejoso era Alexandre, quando, conquistando o mundo, construiu cidades, construiu suas estátuas e deixou marcas de sua glória em tantos reinos!

E quão desprezado foi o pobre pregador São Paulo, quando foi espancado com varas! E, no entanto, quão estranhamente o mundo estava errado em seu julgamento! Quanto inveja era São Paulo! Quanto a pena de Alexandre era Alexander!

Essas poucas reflexões nos mostram suficientemente que as diferentes condições desta vida não têm nada para excitar nossas paixões inquietas, nada que possa interromper razoavelmente nosso amor e afeto uns pelos outros.

Prosseguir agora com outro motivo para esse amor universal.

Nosso poder de realizar atos externos de amor e bondade geralmente é muito estreito e restrito. Pode haver, mas existem poucas pessoas com quem podemos contribuir com algum alívio mundano.

Mas, embora nossos meios externos de fazer o bem muitas vezes sejam limitados, ainda assim, se nossos corações estão cheios de amor e bondade, obtemos, por assim dizer, um poder infinito; porque Deus nos atribuirá aquelas boas obras, esses atos de amor e caridade carinhosa que desejamos sinceramente, e que teríamos alegremente realizado, se estivesse em nosso poder.

Você não pode curar todos os doentes, aliviar todos os pobres; você não pode consolar todos os que sofrem, nem ser pai de todos os órfãos; você não pode, pode ser, livrar muitos de seus infortúnios ou ensiná-los a encontrar conforto em Deus.

Mas se houver amor e ternura em seu coração, isso se deliciará com essas boas obras e o excitará a fazer tudo o que puder: se seu amor não tem limites, mas deseja e ora continuamente pelo alívio e felicidade de tudo o que é possível. em perigo; você será recebido por Deus como benfeitor para aqueles que nada tiveram de você, a não ser sua boa vontade e ternos afetos.

Você não pode construir hospitais para os incuráveis; você não pode erguer mosteiros para a educação de pessoas em santa solidão, oração contínua e mortificação; mas se você se unir em seu coração àqueles que o fazem, e agradecer a Deus por seus desígnios piedosos; se você é amigo desses grandes amigos da humanidade e se alegra com suas virtudes eminentes; você será recebido por Deus como um participante de boas obras, como se elas não tivessem suas mãos, mas tivessem todo o seu coração.

Essa consideração certamente é suficiente para nos fazer olhar e vigiar nossos corações com toda diligência; estudar o aperfeiçoamento de nosso temperamento interior e aspirar a cada altura e perfeição de uma mente amorosa, caridosa e benevolente.

Como quem deseja uma mulher será considerado adúltero, embora ele tenha cometido o crime apenas em seu coração; assim, o homem malicioso, maldoso e de má índole, que apenas se alegra secretamente com o mal, será considerado assassino, embora não tenha derramado sangue.

Visto que, portanto, nossos corações, que estão sempre nus e abertos aos olhos de Deus, dão uma extensão e um aumento tão grandes, seja para nossas virtudes ou vícios, é nosso melhor e maior negócio governar os movimentos de nossos corações, para observe, corrija e melhore o estado interior e o temperamento de nossas almas.

Agora, não há nada que exalte tanto nossa alma, como esse amor celestial: ele purifica e purifica como um fogo santo, e todos os maus temperamentos caem diante dele. Abre espaço para todas as virtudes e as leva à sua maior altura. Tudo o que é bom e santo cresce a partir disso, e se torna uma fonte contínua de todos os desejos sagrados e práticas piedosas.

Por amor, não quero dizer ternura natural, que é mais ou menos nas pessoas, de acordo com suas constituições; mas refiro-me a um princípio maior da alma, fundamentado na razão e na piedade, que nos torna ternos, bondosos e benevolentes para todos os nossos semelhantes, como criaturas de Deus e por Sua causa.

É esse amor, que ama todas as coisas em Deus, como Suas criaturas, como as imagens de Seu poder, como as criaturas de Sua bondade, como partes de Sua família, como membros de Sua sociedade, que se torna um santo princípio de todos os grandes e boas ações.

O amor, portanto, do próximo, é apenas um ramo do nosso amor a Deus. Pois quando amamos a Deus com todo o nosso coração, com todas as nossas almas e com todas as nossas forças, necessariamente amaremos aqueles seres que estão tão relacionados a Deus, que têm tudo dele e são criados por Ele para ser objetos de Seu próprio amor eterno. Se eu odeio ou desprezo alguém no mundo, odeio algo que Deus não pode odiar, e desprezo o que Ele ama.

E posso pensar que amo a Deus de todo o coração, enquanto odeio aquilo que pertence apenas a Deus, que não tem outro mestre senão Ele, que carrega Sua imagem, faz parte de Sua família e existe apenas pela continuação de Seu amor em direção a?

Foi a impossibilidade disso que fez São João dizer: "Se alguém diz que ama a Deus e odeia a seu irmão, ele é um mentiroso". [1 João 4. 20]

Essas razões nos mostram suficientemente que nenhum amor é santo ou religioso, até que se torne universal.

Pois se a religião exige que eu ame todas as pessoas, como criaturas de Deus, que pertencem a Ele, que carregam Sua imagem, desfrutam de Sua proteção e fazem parte de Sua família e família; se essas são as grandes e necessárias razões pelas quais eu deveria viver em amor e amizade com qualquer homem do mundo; são as mesmas grandes e necessárias razões pelas quais eu deveria viver em amor e amizade com todos os homens do mundo; e, consequentemente, ofendo todas essas razões e rompo todos esses laços e obrigações, sempre que quero amor por qualquer homem. O pecado, portanto, de odiar ou desprezar qualquer homem, é como o pecado de odiar toda a criação de Deus; e a necessidade de amar qualquer homem é a mesma necessidade de amar todos os homens do mundo. E embora muitas pessoas possam parecer-nos sempre tão pecaminosas, odiosas ou extravagantes em sua conduta, nunca devemos considerar isso o menor motivo para qualquer desprezo ou desrespeito a elas; mas olhe para eles com maior compaixão, como estando na condição mais lamentável que possa estar.

Como foram os pecados do mundo que fizeram o Filho de Deus se tornar um advogado compassivo e sofredor para toda a humanidade, assim ninguém é do Espírito de Cristo, mas aquele que tem a maior compaixão pelos pecadores. Tampouco há sinal maior de sua própria perfeição do que quando você se encontra todo amor e compaixão por eles que são muito fracos e defeituosos. E, por outro lado, você nunca tem menos motivos para se agradar de si mesmo do que quando se sente mais zangado e ofendido com o comportamento dos outros. Todo pecado certamente deve ser odiado e detestado, onde quer que esteja; mas então devemos nos opor ao pecado, como fazemos contra doenças e enfermidades, mostrando-nos ternos e compassivos para com os enfermos e enfermos.

Todo o outro ódio ao pecado, que não enche o coração com as mais suaves e afetuosas afeições por pessoas miseráveis ​​nele, é o servo do pecado, ao mesmo tempo em que parece estar odiando.

E não há temperamento que até os homens bons devam observar com mais cuidado e se proteger, do que isso. Pois é um temperamento que se esconde e se esconde sob o propulsor de muitas virtudes e, por ser insuspeitado, causa mais danos.

Um homem naturalmente gosta, que é seu próprio amor excedente pela virtude que o torna incapaz de suportar aqueles que a desejam. E quando ele abomina um homem, despreza outro e não pode levar o nome de um terceiro, ele supõe que tudo é uma prova de seu próprio alto senso de virtude e apenas ódio ao pecado.

E, no entanto, alguém poderia pensar que um homem não precisava de outra cura para esse temperamento, a não ser esta reflexão:

Que se este tivesse sido o espírito do Filho de Deus, se Ele odiasse o pecado dessa maneira, não haveria redenção do mundo; que se Deus odiava os pecadores dessa maneira, dia e noite, o próprio mundo havia cessado há muito tempo.

Portanto, podemos adotar uma certa regra: quanto mais participamos da natureza divina, mais aprimorados somos nós mesmos; e quanto mais alto é o nosso senso de virtude, mais teremos pena e compaixão daqueles que o desejam. A visão de tais pessoas, então, em vez de suscitar em nós um alto desprezo ou uma indignação irritante em relação a elas, nos encherá de entranhas de compaixão, como quando vemos as misérias de um hospital.

Para que as loucuras, portanto, crimes e mau comportamento de nossos semelhantes, não diminuam o amor e a ternura que devemos ter por toda a humanidade, devemos frequentemente considerar as razões nas quais o dever do amor se baseia.

Agora devemos amar nosso próximo, isto é, toda a humanidade, não porque sejam sábios, santos, virtuosos ou bem-comportados; pois toda a humanidade nunca foi, nem nunca será; portanto, é certo que a razão de sermos obrigados a amá-los não pode ser fundada em sua virtude. Novamente; se a virtude ou a bondade deles era a razão de sermos obrigados a amar as pessoas, não devemos ter nenhuma regra a seguir; porque, embora as virtudes ou vícios de algumas pessoas sejam muito notórios, ainda assim, de um modo geral, somos apenas juízes muito maus da virtude e do mérito de outras pessoas.

Terceiro, temos certeza de que a virtude ou o mérito das pessoas não é a razão de sermos obrigados a amá-las, porque somos ordenados a prestar os mais altos exemplos de amor a nossos piores inimigos: devemos amar, abençoar e orar para aqueles que nos tratam de maneira mais prejudicial. Portanto, é uma demonstração de que o mérito das pessoas não é a razão pela qual nossa obrigação de amá-las se baseia.

Vamos considerar ainda mais, que amor é esse que devemos ao próximo. É amá-lo como a nós mesmos, ou seja, ter todos aqueles sentimentos por ele que temos em relação a nós mesmos; desejar a ele tudo o que possamos legalmente desejar para nós mesmos; alegrar-se de todo bem e arrependido de todo mal que lhe acontece; e estar pronto para fazer todos esses atos de bondade, como estamos sempre prontos para fazer conosco.

Este amor, portanto, você vê, nada mais é que um amor de benevolência; não exige nada de nós, a não ser os bons desejos, afetos ternos e atos de bondade, como demonstramos a nós mesmos.

É todo o amor que devemos ao melhor dos homens; e nunca devemos desejar esse grau de amor ao homem pior ou mais irracional do mundo.

Agora, qual é a razão pela qual devemos amar todos os homens dessa maneira? É respondido que nossa obrigação de amar todos os homens dessa maneira se baseia em muitas razões.

Primeiro, por uma razão de equidade; pois, se é apenas para nos amar dessa maneira, deve ser injusto negar qualquer grau desse amor aos outros, porque todo homem é exatamente exatamente da mesma natureza e nas mesmas condições que nós.

Se, portanto, seus próprios crimes e loucuras não diminuem sua obrigação de buscar seu próprio bem e desejam bem a si mesmo; nem as tolices e crimes do seu próximo diminuem sua obrigação de desejar e buscar o bem do seu próximo.

Outra razão para esse amor está fundamentada na autoridade de Deus, que nos ordenou que amássemos cada homem como a nós mesmos.

Terceiro, somos obrigados a esse amor, imitando a bondade de Deus, para que sejamos filhos de nosso Pai, que está no céu, que deseja a felicidade de todas as Suas criaturas, e faz Seu sol nascer sobre o mal e sobre o bem.

Quarto, nossa redenção por Jesus Cristo nos chama ao exercício desse amor, que veio do céu e deu a vida por amor a todo o mundo pecador.

Quinto, pelo mandado de nosso Senhor e Salvador, que exigiu que nos amássemos uns aos outros, como ele nos amou.

Essas são as grandes razões perpétuas, nas quais se baseia nossa obrigação de amar toda a humanidade como a nós mesmos.

Essas razões nunca variam ou mudam, elas sempre continuam com força total; e, portanto, igualmente obrigados em todos os momentos e em relação a todas as pessoas.

Deus nos ama, não porque somos sábios, bons e santos, mas com pena de nós, porque queremos essa felicidade: Ele nos ama, a fim de nos tornar bons. Nosso amor, portanto, deve seguir esse curso; não procurando, nem exigindo o mérito de nossos irmãos, mas sentindo pena de seus distúrbios e desejando a eles todo o bem que desejam e são capazes de receber.

Parece agora claramente, pelo que foi dito, que o amor que devemos a nossos irmãos é apenas um amor de benevolência. Em segundo lugar, que esse dever de benevolência se baseia em razões que nunca variam ou mudam, que não dependem das qualidades das pessoas. Daí resulta que é o mesmo grande pecado querer esse amor para um homem mau, como desejá-lo para um homem bom. Porque aquele que nega qualquer dessa benevolência a um homem mau, ofende todas as mesmas razões de amor, como ele nega qualquer benevolência a um homem bom; e conseqüentemente é o mesmo pecado.

Quando, portanto, você solta qualquer paixão desagradável, de ódio ou desprezo, por (como você supõe) um homem doente, considere o que você pensaria de outro que estava fazendo o mesmo por um homem bom e tenha certeza de que você está cometendo o mesmo pecado. Você talvez diga: Como é possível amar um homem bom e um homem mau no mesmo grau?

Assim como é possível ser tão justo e fiel a um homem bom, quanto a um homem mau. Agora você está com alguma dificuldade em fazer justiça e fidelidade a um homem mau? Você tem alguma dúvida, se precisa ser tão justo e fiel a ele, como precisa a um homem bom? Agora, por que você não tem dúvidas sobre isso? É porque você sabe que a justiça e a fidelidade se baseiam em razões que nunca variam ou mudam, que não dependem dos méritos dos homens, mas que se baseiam na natureza das coisas, nas leis de Deus e, portanto, devem ser observadas. com igual exatidão em relação aos homens bons e maus.

Agora, pense apenas assim na caridade ou no amor ao próximo; que se baseia em razões que não variam, que não dependem dos méritos dos homens, e então você descobrirá que é possível realizar a mesma caridade exata, a mesma justiça exata, a todos os homens, bons ou maus.

Talvez você pergunte mais se não deseja ter uma estima particular, veneração e reverência por homens de bem? É respondido, sim. Mas, então, essa alta estima e veneração é algo muito diferente daquele amor à benevolência que devemos ao próximo.

A alta estima e veneração que você tem por um homem de eminência piedade não é um ato de caridade para ele - não é por piedade e compaixão que você o reverencia, mas é antes um ato de caridade para si mesmo, que essa estima e veneração podem excitar você a seguir o exemplo dele.

Você pode e deve amar, gostar e aprovar a vida que o bom homem leva; mas então isso é apenas o amor à virtude, onde quer que a vejamos. E não amamos a virtude, com o amor da benevolência, como algo que deseja nossos bons desejos, mas como algo que é nosso bem próprio.

A questão toda é essa. As ações que você deve amar, estima e admirar são ações de homens bons e piedosos; mas as pessoas a quem você deve fazer todo o bem que puder, em todos os tipos de bondade e compaixão, são todas pessoas, boas ou más.

Essa distinção entre amor à benevolência e estima ou veneração é muito clara e óbvia. E talvez você ainda veja melhor a clareza e a necessidade disso, neste exemplo a seguir.

Nenhum homem deve ter alta estima ou honra por suas próprias realizações ou comportamento; todavia, todo homem deve amar a si mesmo, isto é, desejar bem a si mesmo; portanto, essa distinção entre amor e estima não é apenas clara, mas muito necessária para ser observada.

Novamente, se você acha que dificilmente é possível não gostar das ações de homens irracionais e ainda assim ter um amor verdadeiro por elas: considere isso com relação a si mesmo.

Espero que seja muito possível que você não apenas deteste, mas deteste e abomine muitas de suas próprias ações passadas e se acuse de grande tolice por elas. Mas você perde algum desses sentimentos ternos em relação a si mesmo, que costumava ter? Você então deixa de desejar bem a si mesmo? O amor a si mesmo não é tão forte então, como em qualquer outro momento?

Agora, o que é possível com relação a nós mesmos é da mesma maneira possível com relação aos outros. Podemos ter os mais altos desejos para com eles, desejando para eles todo bem que desejamos para nós mesmos e, ao mesmo tempo, não gostar do modo de vida deles.

Para prosseguir: todo o amor que podemos ter justamente por nós mesmos, somos, em estrita justiça, obrigados a exercer em relação a todos os outros homens; e ofendemos contra a grande lei de nossa natureza e as maiores leis de Deus, quando nossos temperamentos em relação aos outros são diferentes daqueles que temos em relação a nós mesmos.

Agora, esse amor-próprio que é justo e razoável, mantém-nos constantemente ternos, compassivos e bem afetados para conosco: se, portanto, você não sente essas disposições amáveis ​​em relação a todas as outras pessoas, pode ter certeza de que não estão nesse estado de caridade, que é a própria vida e alma da piedade cristã.

Você sabe como dói ser ridicularizado e ridicularizado por outras pessoas; como é lamentável ser roubado de sua reputação e privado da opinião favorável de seus vizinhos; se, portanto, você expõe outras pessoas a desprezo e desprezo em qualquer grau; se lhe agrada ver ou ouvir suas fragilidades e enfermidades; ou se você apenas deseja ocultar suas falhas; você está tão longe de amar pessoas como você, que é justo que você tenha tanto ódio por elas quanto você se ama. Pois esses temperamentos são realmente os frutos apropriados do ódio, como os temperamentos contrários são os frutos adequados do amor.

E como é certo sinal de que você se ama, porque é sensível a tudo o que lhe diz respeito; portanto, é um sinal tão certo de que você odeia seu próximo, quando está satisfeito com qualquer coisa que o machuque.

Mas agora, se o desejo de uma verdadeira e exata caridade é tão grande, que, como diz São Paulo, torna nossas maiores virtudes, exceto sons vazios e címbalos tilintantes, quão altamente nos interessa estudar todas as artes e pratique todo método de elevar nossa alma a esse estado de caridade! É por esse motivo que você aqui deseja não deixar passar esta hora de oração, sem uma súplica completa e solene a Deus, por todos os casos de amor universal e benevolência para toda a humanidade; essa devoção constante diária é o único meio provável de preservá-lo em um estado de amor necessário para provar que você é um verdadeiro seguidor de Jesus Cristo.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XX.

Disponível em CCEL (inglês).



Notas:
[1] Cláudio; escolhido como um nome patrício.
[2] porta, ou seja, comportamento.
[3] iminente: se não apenas um deslize para eminente, pode significar perigosamente alto, como os "iminentes rochedos iminentes de neve silenciosa" de Lowell.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: