A graça, a providência de Deus e o livre arbítrio do homem

II. A providência de Deus

Eu considero a Divina Providência como "aquela inspeção e supervisão de Deus, solícito, contínuo e universalmente presente, segundo a qual ele exerce um cuidado geral sobre o mundo inteiro, mas evidencia uma preocupação particular por todas as suas criaturas [inteligentes] sem qualquer exceção, com o propósito de preservá-los e governá-los em sua própria essência, qualidades, ações e paixões, de uma maneira digna de si e adequada a eles, para o louvor de seu nome e a salvação dos crentes. da Divina Providência, de modo algum a privo de qualquer partícula daquelas propriedades que a ela concordem ou pertençam, mas declaro que ela preserva, regula, governa e dirige todas as coisas e que nada no mundo acontece fortuitamente ou por acaso. Além disso, coloco em sujeição à Divina Providência o livre-arbítrio e até mesmo as ações de uma criatura racional, para que nada possa ser feito sem a vontade de Deus, nem mesmo nenhuma daquelas coisas que são feitas em oposição a isso; somente devemos observar uma distinção entre boas ações e más, dizendo que "Deus quer e realiza bons atos", mas "Ele somente permite livremente aqueles que são maus". Ainda mais longe, concedo prontamente que mesmo todas as ações relativas ao mal, que possam ser inventadas ou inventadas, podem ser atribuídas à Providência Divina. Empregando unicamente uma precaução, "não concluir desta concessão que Deus é a causa do pecado ". Testemunhei isso com clareza suficiente, em certa disputa acerca da Justiça e Eficácia da Divina Providência a respeito de coisas que são más, que foi discutido em Leyden em duas ocasiões diferentes, como um ato de divindade, no qual eu presidi. Naquela disputa, esforcei-me para atribuir a Deus quaisquer ações relativas ao pecado que eu pudesse concluir das escrituras para pertencer a ele; e eu prossegui tanto em minha tentativa, que algumas pessoas julgaram adequado por conta disso me acusar de ter feito de Deus o autor do pecado. A mesma alegação séria também tem sido freqüentemente produzida contra mim, do púlpito, na cidade de Amsterdã, por conta dessas mesmas teses; mas com que demonstração de justiça tal acusação foi feita, pode ser evidente para qualquer um, do conteúdo da minha resposta escrita àqueles Trinta e Um Artigos anteriormente mencionados, que foram falsamente imputados a mim, e dos quais este foi um.


III. O livre arbítrio do homem

Esta é a minha opinião sobre o livre-arbítrio do homem: em sua condição primitiva, como ele saiu das mãos de seu criador, o homem foi dotado com uma porção de conhecimento, santidade e poder, que lhe permitiu compreender, estimar, considerar , vai, e para realizar o verdadeiro bem, de acordo com o mandamento entregue a ele. No entanto, nenhum desses atos ele poderia fazer, exceto através da assistência da Graça Divina. Mas em seu estado caduco e pecaminoso, o homem não é capaz, por si e por si mesmo, de pensar, de querer ou de fazer aquilo que é realmente bom; mas é necessário que ele seja regenerado e renovado em seu intelecto, afeições ou vontade, e em todos os seus poderes, por Deus em Cristo através do Espírito Santo, para que ele seja qualificado corretamente para entender, estimar, considerar, desejar e execute o que for realmente bom. Quando ele é feito participante desta regeneração ou renovação, considero que, uma vez que ele é liberto do pecado, ele é capaz de pensar, querer e fazer o que é bom, mas não sem as ajudas contínuas da Graça Divina.


IV. A graça de Deus

Em referência à Graça Divina, eu acredito: 1. É uma afeição gratuita pela qual Deus é gentilmente afetado por um pecador miserável, e segundo o qual ele, em primeiro lugar, dá seu Filho, "para que todo aquele que nele crer tenha vida eterna ", e, depois, ele justifica-o em Cristo Jesus e por ele, e adota-o no direito dos filhos, para a salvação. 2. É uma infusão (tanto na compreensão humana quanto na vontade e afeições) de todos os dons do Espírito Santo que pertencem à regeneração e renovação do homem - tais como fé, esperança, caridade, etc. pois, sem esses dons graciosos, o homem não é suficiente para pensar, querer ou fazer qualquer coisa que seja boa. 3. É a assistência perpétua e a ajuda contínua do Espírito Santo, segundo a qual Ele age e excita para o bem o homem que já foi renovado, infundindo nele cogitações salutares e inspirando-o com bons desejos, que ele pode assim, na verdade, querer o que é bom; e segundo a qual Deus pode então trabalhar e trabalhar junto com o homem, para que o homem possa executar o que quiser.

Desse modo, atribuo a graça ao começo, à continuação e à consumação de todo o bem, e a tal ponto carrego sua influência, que um homem, embora já regenerado, não pode conceber, desejar ou fazer nenhum bem em tudo, nem resistir a qualquer tentação do mal, sem esta prevenção e emocionante, esta graça seguinte e cooperante. A partir desta declaração, aparecerá claramente que de modo algum faço injustiça à graça, atribuindo, como é relatado por mim, demais ao livre-arbítrio do homem. Pois toda a controvérsia se reduz à solução dessa questão, "a graça de Deus é uma força irresistível?" Ou seja, a controvérsia não se relaciona com as ações ou operações que podem ser atribuídas à graça (pois eu reconheço e inculco o maior número possível dessas ações ou operações, como qualquer homem fez), mas se refere unicamente ao modo de operação, seja irresistível ou não. Com relação a qual, creio eu, de acordo com as escrituras, que muitas pessoas resistem ao Espírito Santo e rejeitam a graça que é oferecida.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 1.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: