A preservação de Deus e o apoio do mundo por seu poder

A preservação de Deus e o apoio do mundo por seu poder e seu governo de todas as partes por sua providência.

I. Representar Deus como um Criador apenas por um momento, que terminou inteiramente toda a sua obra de uma só vez, era frígido e jejuno; e nisso cabe a nós especialmente diferir dos pagãos, que a presença do poder divino pode nos parecer não menos no perpétuo estado do mundo do que em sua primeira origem. Pois embora as mentes até mesmo dos homens ímpios, pela mera contemplação da terra e do céu, sejam constrangidas a se elevarem ao Criador, a fé tem um caminho próprio para atribuir a Deus todo o louvor da criação. Para que finalidade é essa afirmação de um apóstolo antes citada, que é somente "através da fé que entendemos que os mundos foram enquadrados pela palavra de Deus"; [1] porque, a menos que procedamos à sua providência, não temos uma concepção correta do mundo. significado deste artigo, “que Deus é o Criador; ” no entanto, podemos parecer compreendê-lo em nossas mentes e confessá-lo com nossas línguas. O sentido carnal, quando já viu o poder de Deus na criação, para aí; e quando prossegue o mais distante, apenas examina e considera a sabedoria, o poder e a bondade do Autor em produzir tal trabalho, que se apresentam espontaneamente à visão mesmo daqueles que não estão dispostos a observá-los. Em segundo lugar, concebe uma operação geral de Deus para preservá-lo e governá-lo, da qual depende o poder do movimento. Por último, supõe que o vigor originalmente infundido por Deus em todas as coisas é suficiente para a sua sustentação. Mas a fé deve penetrar ainda mais. Quando souber que ele é o Criador de todas as coisas, deve imediatamente concluir que ele é também seu perpétuo governador e preservador; e que não por um certo movimento universal, atuando toda a máquina do mundo, e todas as suas respectivas partes, mas por uma providência particular sustentando, nutrindo e provendo tudo o que ele fez. [2] Assim, tendo Davi brevemente estabelecido que o mundo foi feito por Deus, imediatamente desce ao curso contínuo de sua providência: “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus; e todo o exército deles pelo sopro da sua boca.” [3] Em seguida acrescenta: “ O Senhor vê todos os filhos dos homens ”; [4] e acrescenta mais ao mesmo propósito. Pois ainda que todos os homens argumentem com tanta habilidade, já que não seria crível que Deus estivesse preocupado com os assuntos humanos, se ele não fosse o Criador do mundo, e ninguém acredita seriamente que o mundo foi feito por Deus, que é não convencido de que ele cuida de seus próprios trabalhos, não é sem razão que Davi nos conduz por uma excelente série de um para o outro. Em geral, na verdade, ambos os filósofos ensinam, e as mentes dos homens concebem, que todas as partes do mundo são estimuladas pela inspiração secreta de Deus. Mas eles não vão tão longe quanto Davi, que é seguido por todos os piedosos, quando ele diz: “Todos estes esperam em ti; para que você possa dar-lhes a sua carne no devido tempo. Que tu os dás, eles se ajuntam; tu abres a tua mão, eles estão cheios de bem. Tu escondeste a tua face, eles estão perturbados; tu retiras a respiração deles, eles morrem e voltam ao seu pó. Envias o teu Espírito, eles são criados; e tu renovas a face da terra.” [5] Embora concordem com a afirmação de Paulo, que em Deus “ vivemos, nos movemos e temos nosso ser ”, [6] ainda assim eles estão muito longe de um senso sério de seu favor, celebrado pelo apóstolo; porque eles não têm apreensão do especial cuidado de Deus, do qual somente seu favor paterno é conhecido.

II. Para uma manifestação mais clara dessa diferença, deve-se observar que a providência de Deus, como é ensinada nas Escrituras, é oposta à fortuna e aos acidentes fortuitos. Agora, desde que tem sido a persuasão comum em todas as eras, e é também nos dias atuais quase a opinião universal, que todas as coisas acontecem fortuitamente, é certo que todo sentimento correto acerca da providência não é apenas obscurecido, mas quase enterrado no esquecimento por essa noção errônea. Se alguém cair nas mãos de ladrões ou se encontrar com feras; se por uma súbita tempestade ele naufragar no oceano; se ele for morto pela queda de uma casa ou de uma árvore; se outro, vagando através dos desertos, encontra alívio para sua penúria, ou, depois de ter sido jogado pelas ondas, alcança o porto, e escapa, por assim dizer, mas a largura de um pelo da morte - a razão ocorrências, tanto prósperas quanto adversas, à fortuna. Mas quem quer que tenha sido ensinado desde a boca de Cristo, que os cabelos de sua cabeça estejam todos contados, [7] buscarão mais por uma causa e concluirão que todos os eventos são governados pelo conselho secreto de Deus. E respeitando as coisas inanimadas, deve-se admitir que, embora todas elas sejam naturalmente dotadas de suas propriedades peculiares, ainda assim não exercem seu poder, mais do que como são dirigidas pela mão presente de Deus. Eles são, portanto, não mais do que instrumentos nos quais Deus infunde tanta eficácia quanto lhe agrada, inclinando-se e transformando-os em ações, de acordo com sua vontade. Não há poder entre todas as criaturas mais maravilhosas ou ilustres do que a do sol. Pois, além de sua iluminação de todo o mundo pelo seu esplendor, quão surpreendente é que ele nutre e anima todos os animais com seu calor; com seus raios inspira a fecundidade na terra; das sementes, genialmente aquecidas em seu seio, produz uma erva verde que, sendo sustentada por uma nova nutrição, aumenta e fortalece até que ela sobe em hastes; alimenta-os com exalações perpétuas, até que se transformem em flores, e de flores em frutos, que ele, então, por suas influências, leva à maturidade; que as árvores, da mesma forma, e as trepadeiras, pelo seu calor genial, primeiro espalham folhas, depois florescem e das flores produzem seus frutos! Mas o Senhor, para reservar o louvor de todas estas coisas inteiramente a si mesmo, ficou satisfeito que a luz existisse, e a terra abundasse em todo tipo de ervas e frutos, antes que ele criasse o sol. Um homem piedoso, portanto, não fará do sol uma causa principal ou necessária daquelas coisas que existiam antes da criação do sol, mas apenas um instrumento que Deus usa, porque é seu prazer assim fazer; enquanto ele não encontraria mais dificuldade em agir sozinho sem essa luminária. Por último, quando lemos que o sol permaneceu em uma situação por dois dias na oração de Josué, [8] e que sua sombra fez um movimento retrógrado de dez graus para o bem do rei Ezequias, [9] Deus declarou por esses poucos milagres, que o levantar e pôr-do-sol diariamente não é de um instinto cego da natureza, mas de que ele próprio governa seu curso, para renovar a memória de seu favor paterno em relação a nós. Nada é mais natural do que a sucessão da primavera ao inverno, do verão à primavera e do outono ao verão. Mas existe uma diversidade e uma desigualdade tão grandes, descobertas nesta série, que é óbvio que todo ano, mês e dia são governados por uma nova e particular providência de Deus.

III. E, de fato, Deus afirma sua possessão de onipotência e reivindica nosso reconhecimento desse atributo; não tal como é imaginado pelos sofistas, vaidosos, ociosos e quase adormecidos, mas vigilantes, eficazes, operativos e engajados na ação contínua; não é um mero princípio geral de movimento confuso, como se ele devesse comandar um rio a fluir através dos canais outrora feitos para ele, mas um poder constantemente exercido em cada movimento distinto e particular. Pois ele é considerado onipotente, não porque ele é capaz de agir, mas se senta ocioso, ou continua por um instinto geral a ordem da natureza originalmente nomeada por ele; mas porque ele governa o céu e a terra por sua providência, e regula todas as coisas de tal maneira que nada acontece, mas de acordo com o seu conselho. Pois quando se diz nos Salmos que ele faz o que lhe agrada, [10] denota sua vontade determinada e deliberada. Pois seria bastante insípido expor as palavras do Profeta da maneira filosófica, que Deus é o agente principal, porque ele é o princípio e a causa de todo movimento; enquanto os fiéis devem antes se encorajar na adversidade com esta consolação, para que eles não sofram aflição, mas pela ordenação e ordem de Deus, porque eles estão sob sua mão. Mas se o governo de Deus se estender assim a todas as suas obras, é um cavo pueril limitá-lo à influência e curso da natureza. E não só defraudam a Deus de sua glória, mas a si mesmos de uma doutrina muito útil, que confina a divina providência dentro de limites tão estreitos, como se permitisse que todas as coisas procedessem de maneira descontrolada, de acordo com uma lei perpétua da natureza; pois nada excederia a miséria do homem, se ele fosse exposto a todos os movimentos do céu, ar, terra e águas. Além disso, essa noção diminuiria vergonhosamente a singular bondade de Deus para com cada indivíduo. David exclama que as crianças ainda pendurados nos seios de suas mães são suficientemente eloquentes para celebrar a glória de Deus; [11] porque, assim que nascem, encontram alimento preparado para eles por seu cuidado celestial. Isso, na verdade, é geralmente verdadeiro; no entanto, não pode escapar à observação de nossos olhos e sentidos, sendo evidentemente provado pela experiência, que algumas mães têm seios cheios e abundantes, mas outras quase secas; como agrada a Deus providenciar mais liberalmente para um, mas mais moderadamente para outro. Mas aqueles que atribuem apenas louvor à onipotência divina, recebem disso uma dupla vantagem. Em primeiro lugar, ele deve ter ampla capacidade de abençoá-los, que possuem o céu e a terra, e cuja vontade todas as criaturas consideram se dedicar ao seu serviço. E, em segundo lugar, podem repousar com segurança em sua proteção, a cuja vontade estão sujeitos todos os males que podem ser temidos de qualquer parte; por cujo poder Satanás é contido, com todas as suas fúrias e todas as suas maquinações; de cuja vontade depende tudo o que é inimigo da nossa segurança; nem existe qualquer outra coisa pela qual esses medos imoderados e supersticiosos, que freqüentemente sentimos à vista de perigos, possam ser corrigidos ou apaziguados. Somos supersticiosamente tímidos, digo, se, sempre que as criaturas nos ameaçam ou nos aterrorizam, ficamos assustados, como se tivessem o poder de nos ferir ou pudessem nos ferir fortuitamente; ou como se, contra os seus ferimentos, Deus não pudesse nos dar ajuda suficiente. Por exemplo, o Profeta proíbe os filhos de Deus a temer as estrelas e sinais do céu, [12] como é o costume dos incrédulos. Ele certamente não condena todo tipo de medo. Mas quando infiéis transferem o governo do mundo de Deus para as estrelas, fingindo que sua felicidade ou miséria depende dos decretos e presságios das estrelas, e não da vontade de Deus, a consequência é que o medo deles é retirado dele. , a quem só eles devem considerar, e é colocado em estrelas e cometas. Quem quer, então, desejar evitar essa infidelidade, lembre-se constantemente de que nas criaturas não há poder, ação ou movimento errático; mas que eles são tão governados pelo conselho secreto de Deus, que nada pode acontecer a não ser o que está sujeito ao seu conhecimento, e decretado por sua vontade.

IV. Primeiro, então, que os leitores saibam que o que é chamado de providência descreve Deus, não como contemplando ociosamente do céu as transações que acontecem no mundo, mas como mantendo o leme do universo e regulando todos os eventos. Assim, não pertence menos às mãos do que aos olhos. Quando Abraão disse a seu filho, “Deus proverá”, [13] ele pretendia não só para afirmar a sua presciência de um evento futuro, mas para deixar o cuidado de uma coisa desconhecida para a vontade daquele que freqüentemente põe fim a circunstâncias de perplexidade e confusão. Daí vem, essa providência consiste em ação; pois é ignorante insignificante falar de mera presciência. Não é tão grave o erro daqueles que atribuem a Deus um governo, como observei, de um tipo confuso e promíscuo; reconhecendo que Deus gira e impele a máquina do mundo, com todas as suas partes, por um movimento geral, sem direcionar de maneira peculiar a ação de cada criatura individual. No entanto, mesmo esse erro não deve ser tolerado. Pois eles sustentam que essa providência, que eles chamam de universal, não é impedimento nem para todas as criaturas que estão sendo ativadas contingentemente, nem para o homem que se vira de um lado para outro na escolha livre de sua própria vontade. E eles fazem a seguinte divisão entre Deus e o homem; que Deus, por seu poder, o inspira com movimentos, capacitando-o a agir de acordo com a tendência da natureza com a qual ele é dotado; mas esse homem governa suas ações por sua própria escolha voluntária. Em resumo, eles concebem que o mundo, os assuntos humanos e os próprios homens são governados pelo poder de Deus, mas não por sua designação. Não falo dos epicuristas, que sempre infestaram o mundo, que sonham com um deus absorvido pela preguiça e pela inatividade; e de outros não menos errôneos, que anteriormente fingiam que o domínio de Deus se estendia sobre a região intermediária do ar, mas que ele deixava as coisas inferiores para a fortuna; já que as próprias criaturas mudas exclamam suficientemente contra tal estupidez evidente. Meu desígnio atual é refutar essa opinião, que quase sempre prevaleceu, a qual, concedendo a Deus uma espécie de movimento cego e incerto, priva-o da coisa principal, que é a sua orientação e disposição, pela sua incompreensível sabedoria, de todas as coisas. seu fim adequado; e assim, roubar a Deus o governo do mundo, faz dele o governante apenas no nome, e não na realidade. Pois, ora, o que governa, mas preside de tal maneira, a regra, por decretos fixos, aqueles sobre quem você preside? No entanto, rejeito não o que afirmam sobre a providência universal, desde que, de sua parte, admitam que Deus governa o mundo, não apenas porque ele preserva a ordem da natureza fixada por ele mesmo, mas porque ele exerce um cuidado peculiar sobre cada um de seus trabalho. É verdade que todas as coisas são acionadas por um instinto secreto da natureza, como se obedecessem ao mandamento eterno de Deus, e que aquilo que Deus designou uma vez parecesse proceder da inclinação voluntária das criaturas. E a isto pode ser referida a declaração de Cristo, que o seu Pai e ele próprio sempre estiveram trabalhando, desde o princípio; [14] e a afirmação de Paulo, de que “nele vivemos, nos movemos e temos nosso ser”; [15] e também o que é observado pelo autor da Epístola aos Hebreus, com um design para provar a Divindade de Cristo, que todas as coisas são sustentadas pela palavra do seu poder. [16] Mas eles agem muito inadequadamente em esconder e obscurecendo, por esse pretexto, a doutrina de uma providência particular, que é afirmado em tais testemunhos claros e claras das Escrituras, que é surpreendente como qualquer um poderia entreter a dúvida sobre ele. E, certamente, aqueles que o ocultam com este véu que mencionei, são obrigados a corrigir-se acrescentando que muitas coisas acontecem por meio do cuidado peculiar de Deus; mas isso eles restringem erroneamente a alguns atos particulares. Portanto, temos que provar que Deus atende ao governo de eventos particulares, e que todos eles procedem de seu determinado conselho, de tal maneira que não pode haver tal coisa como contingência fortuita.

V. Se admitirmos que o princípio do movimento se origina de Deus, mas que todas as coisas são espontaneamente ou acidentalmente levadas aonde a tendência da natureza as impele, as vicissitudes mútuas do dia e da noite, do inverno e do verão, serão obra de Deus. , na medida em que distribuiu a cada uma das suas respectivas partes, e prescreveu-lhes uma certa lei; isto é, este seria o caso se com o mesmo tenor eles sempre observassem a mesma medida, dias sucedendo a noites, meses a meses e anos a anos. Mas às vezes aquece excessivamente e seca seca e queima os frutos da terra; às vezes as chuvas inesperadas prejudicam as plantações de milho, e súbitas calamidades são ocasionadas por chuvas de granizo e tempestades: essa não será a obra de Deus; a menos que, talvez, nuvens ou tempo sereno, frio ou calor, derivem sua origem da oposição das estrelas e outras causas naturais. Mas essa representação não deixa espaço para Deus exibir ou exercer seu favor paterno ou seus julgamentos. Se eles dizem que Deus é suficientemente benéfico ao homem, porque ele infunde no céu e na terra um poder comum, pelo qual eles o suprem com alimento, é uma noção muito frágil e profana; como se a fecundidade de um ano não fosse a bênção singular de Deus, e como se a penúria e a fome não fossem sua maldição e vingança. Mas como seria tedioso coletar todas as razões para rejeitar esse erro, vamos nos contentar com a autoridade do próprio Deus. Na lei e nos profetas ele freqüentemente declara que sempre que ele umedece a terra com orvalho ou com chuva, ele fornece um testemunho de seu favor; e que, pelo contrário, quando, ao seu comando, o céu se torna duro como ferro, quando as colheitas de milho são destruídas e destruídas, e quando chuvas de granizo e tempestades molestam os campos, ele dá uma prova de sua certeza e especialidade. vingança. Se acreditarmos nessas coisas, é certo que nem uma gota de chuva cai, mas no expresso comando de Deus. Davi de fato elogia a providência geral de Deus, porque “ele dá alimento aos filhos dos corvos que clamam;” [17], mas quando o próprio Deus ameaça animais com fome, ele não claramente declarar que ele alimenta todos os seres vivos, às vezes com um subsídio menor , às vezes com um maior, como ele agrada? É pueril, como já observei, restringir isso a atos particulares; enquanto Cristo diz, sem qualquer exceção, que nem um pardal do menor valor cai no chão sem a vontade do Pai. [18] Certamente, se o voo dos pássaros ser dirigido pelo conselho infalível de Deus, devemos ser constrangido a confessar com o Profeta, que, embora “ele habita nas alturas,” ainda “, ele se inclina para ver as coisas que estão no céu e na terra.” [19]

VI. Mas, como sabemos que o mundo foi feito principalmente para o bem da humanidade, devemos também observar esse fim no governo dele. O profeta Jeremias exclama: “Sei que o caminho do homem não está em si mesmo: não está no homem que caminha para dirigir os seus passos”. [20] E Salomão: “As saídas do homem são do Senhor: como pode um homem, então, entender sua próprio caminho?” [21] Agora, digam que o homem é movido por Deus de acordo com o preconceito de sua natureza, mas que ele dirige essa influência de acordo com seu próprio prazer. Se isso pudesse ser afirmado com verdade, o homem teria a livre escolha de seus próprios caminhos. Isso, talvez, eles negarão, porque ele não pode fazer nada independentemente do poder de Deus. Mas, uma vez que é evidente que tanto o Profeta como Salomão atribuem a Deus a escolha e nomeação, assim como o poder, isso de modo algum os livra da dificuldade. Mas Salomão, em outro lugar, repreende belamente esta temeridade dos homens, que predeterminam um fim para si mesmos, sem consideração a Deus, como se não fossem conduzidos por sua mão: “A preparação do coração no homem”, diz ele, “E a resposta da língua é do Senhor.” [22] É, de fato, uma loucura ridícula para os homens miseráveis ​​resolverem empreender qualquer trabalho independentemente de Deus, enquanto eles não podem sequer falar uma palavra, mas o que ele escolhe. Além disso, a Escritura, mais plenamente para expressar que nada é transacionado no mundo, mas de acordo com o seu destino, mostra que essas coisas estão sujeitas a ele que parecem mais fortuitas. Pois o que você estaria mais disposto a atribuir ao acaso do que quando um membro quebrado de uma árvore mata um viajante que passa? Mas muito diferente é a decisão do Senhor, que reconhece que ele o entregou nas mãos do matador. [23] Quem, da mesma forma, não deixa muitos para a cegueira da fortuna? No entanto, o Senhor deixa eles não, mas reivindica a disposição deles mesmos. Ele nos ensina que não é por qualquer poder próprio que muitas são lança no regaço [24] e prolongado; mas a única coisa que poderia ser atribuída ao acaso, ele declara pertencer a si mesmo. O mesmo propósito é outro trecho de Salomão: “O homem pobre e o enganador se reúnem: o Senhor ilumina os olhos dos dois”. [25] Pois embora os pobres e os ricos se misturem no mundo, ainda assim, como seus respectivos as condições são designadas a eles pela designação Divina, ele sugere que Deus, que ilumina a todos, não é cego, e assim exorta os pobres à paciência; porque aqueles que estão descontentes com sua sorte, estão se esforçando para sacudir o fardo imposto a eles por Deus. Assim também outro Profeta repreende as pessoas profanas, que atribuem à indústria humana, ou à fortuna, que alguns homens permanecem na obscuridade e outros se elevam a honrarias: “A promoção não vem do oriente, nem do ocidente, nem do sul. Mas Deus é o juiz; põe um, e estabelece outro ”. [26] Visto que Deus não pode despojar-se do ofício de juiz, daí ele raciocina que é do secreto conselho de Deus que alguns chegam à promoção e outros permanecem em desprezo.

VII. Além disso, eventos particulares são, em geral, provas da providência especial de Deus. Deus levantou no deserto um vento sul, para transportar ao povo um grande bando de pássaros. [27] Quando mandou jogar Jonas no mar, mandou um vento para levantar uma tempestade. [28] Será dito por aqueles que supõem que Deus não mantenha o comando do mundo, que isto foi um desvio do curso comum das coisas. Mas a conclusão que deduzo disso é que nenhum vento jamais se eleva ou sopra senão pelo comando especial de Deus. Pois de outro modo não seria verdade que ele faz com que os ventos seus mensageiros, e uma chama de fogo de seus ministros, que faz com que as nuvens o seu carro, e passeios nas asas do vento, [29] a menos que ele dirigiu a seu gosto o curso tanto das nuvens e dos ventos, e mostrava neles a presença singular de seu poder. Assim também estamos ensinados em outros lugares, que, sempre que o mar é soprado em uma tempestade pelos ventos, essas comoções provam a presença especial de Deus. “Ele comanda e levanta o vento tempestuoso, que eleva as ondas” do mar. "Então ele faz a tempestade uma calma, de modo que as ondas dela ainda são", [30] como em outro lugar ele proclama, que ele flagelou o povo com ventos fortes. [31] Assim, enquanto os homens são naturalmente dotados de um poder de geração, todavia Deus terá isto reconhecido como o efeito de sua especial favor, que ele deixa alguns sem qualquer posteridade e dá filhos aos outros; pois "o fruto do ventre é a sua recompensa". [32] Portanto, Jacó disse à sua mulher: "Porventura eu estou no lugar de Deus, que reteve de ti o fruto do ventre?" [33] Mas para concluir; Não há nada mais comum na natureza do que sermos nutridos com pão. Mas o Espírito declara, não apenas que o produto da terra é um dom especial de Deus, mas que os homens não vivem só de pão; [34] porque eles são sustentados não pela abundância de sua comida, mas pela bênção secreta de Deus; como, ao contrário, ele ameaça que ele romperá “a permanência do pão”. [35] De fato, também não poderíamos seriamente oferecer uma oração pelo pão de cada dia, se Deus não nos fornecesse alimento de sua mão paterna. O Profeta, portanto, convence os fiéis de que, ao alimentá-los, Deus faz o papel de um excelente pai de família, informa-nos que ele “dá alimento a toda a carne”. [36] Por fim, quando ouvimos, por um lado, que "os olhos do Senhor estão sobre os justos, e seus ouvidos estão abertos ao seu clamor", e, por outro, que "a face do Senhor é contra os que fazem o mal, para cortar a lembrança deles a terra ”, [37] podemos ter certeza de que todas as criaturas, acima e abaixo, estão prontas para o seu serviço, para que possa aplicá-las a qualquer uso que lhe agrade. Assim, concluímos, não apenas que existe uma providência geral de Deus sobre as criaturas, para continuar a ordem da natureza, mas que, por seu maravilhoso conselho, elas são todas direcionadas para algum fim específico e apropriado.

VIII. Aqueles que desejam trazer um ódio a essa doutrina, caluniam-na da mesma forma com a opinião dos estoicos sobre o destino, com a qual Agostinho também foi anteriormente reprovado. Apesar de sermos avessos a todas as disputas sobre palavras, ainda assim não admitimos o termo destino; tanto porque é daquele tipo novo e profano que Paulo nos ensina a evitar, e porque eles se esforçam para carregar a verdade de Deus com o ódio a ela ligado. Mas esse dogma é falsamente e maliciosamente acusado de nós. Pois nós não, com os estoicos, imaginamos uma necessidade que surge de uma concatenação perpétua e uma série complexa de causas, contidas na natureza; mas nós fazemos de Deus o Árbitro e o Governador de todas as coisas, que, em sua própria sabedoria, decretaram, desde a mais remota eternidade, o que ele faria, e agora, por seu próprio poder, executa o que ele decretou. De onde afirmamos que não apenas o céu e a terra, e criaturas inanimadas, mas também as deliberações e volições dos homens, são governados por sua providência, para serem dirigidos até o fim por ela designado. O que então? você dirá; faz nada acontece fortuitamente ou contingentemente? Eu respondo que foi verdadeiramente observado por Basílio, o Grande, que a fortuna e o acaso são palavras dos pagãos, com a significação de que as mentes do piedoso não devem ser ocupadas. Pois, se todo o sucesso for a bênção de Deus, e a calamidade e a adversidade, sua maldição, não há espaço nos assuntos humanos para a sorte ou o acaso. E devemos atender a esta declaração de Agostinho: "Não estou satisfeito comigo mesmo", diz ele, "por ter, em meus tratados contra os acadêmicos, tão freqüentemente mencionado fortuna , embora eu não tenha pretendido por essa palavra qualquer deusa, mas uma ocorrência fortuita de coisas externas, boas ou más. Daí também tais palavras, cujo uso nenhuma religião proíbe, como talvez , por acaso , porventura , que, não obstante, deva ser inteiramente referida à Divina Providência. E nisto eu não tenho me calado, observando que talvez o que é comumente chamado de fortuna seja regulado por uma ordem secreta, e que o que chamamos de acaso é apenas isso, com a razão e causa da qual não estamos familiarizados. Assim, de fato, eu me expressei; mas eu me arrependo de ter mencionado fortuna dessa maneira, visto que vejo que os homens estão habituados a um costume muito pecaminoso: quando deveriam dizer: 'Esta era a vontade de Deus', eles dizem: 'Esta foi a vontade da Fortuna.' ” Finalmente, ele em todos os lugares mantém, que se qualquer coisa ser deixados à sorte, o mundo gira de forma aleatória. E embora ele decida em outro lugar, que todas as coisas são conduzidas em parte pelo livre arbítrio do homem, em parte pela providência de Deus, ainda assim ele mostra que os homens estão sujeitos a ele e são governados por ele, assumindo como princípio que nada poderia ser mais absurdo do que acontecer qualquer coisa independentemente da ordenação de Deus; porque isso aconteceria aleatoriamente. Por esse raciocínio ele exclui também qualquer contingência dependente da vontade humana; e imediatamente depois, mais expressamente afirma que não devemos inquirir por qualquer causa da vontade de Deus. Mas em que sentido a permissão deve ser entendida, sempre que é mencionada por ele, aparecerá de uma passagem; onde ele prova que a vontade de Deus é a causa suprema e primeira de todas as coisas, porque nada acontece senão pelo seu comando ou permissão. Ele certamente não supõe que Deus permaneça um espectador ocioso, determinando permitir qualquer coisa; há uma intervenção de volição real, se me permitem a expressão, que de outra forma nunca poderia ser considerada uma causa.

IX. No entanto, como a falta de espírito está muito abaixo da sublimidade da Divina Providência, esforcemo-nos por auxiliá-los por meio de uma distinção. Eu digo, então, que, apesar da ordenação de todas as coisas pelo certo propósito e direção de Deus, ainda assim para nós elas são fortuitas: não que suponhamos a fortuna detém qualquer domínio sobre o mundo e a humanidade, e gira sobre todas as coisas ao acaso, pois tal insensatez deveria estar longe do peito de um cristão; mas porque a ordem, a razão, o fim e a necessidade dos eventos são ocultados principalmente no propósito de Deus, e não compreendidos pela mente do homem, essas coisas são em certa medida fortuitas, o que certamente deve acontecer de acordo com a vontade Divina. Pois eles não apresentam outra aparência, sejam eles considerados em sua própria natureza, ou sejam estimados de acordo com nosso conhecimento e julgamento. Suponhamos, por exemplo, que um comerciante, tendo entrado numa floresta na companhia de homens honestos, vagueie imprudentemente de seus companheiros e, seguindo um caminho errado, caia nas mãos de ladrões e seja assassinado. Sua morte não foi apenas prevista por Deus, mas também decretada por ele. Pois é dito, não que ele tenha previsto a que limites a vida de todo homem se estenderia, mas que ele “designou limites que ele não pode passar.” [38] Contudo, até onde nossas mentes são capazes de compreender, todas essas circunstâncias parece fortuito. Que opinião deve formar um cristão neste caso? Ele considerará todas as circunstâncias de tal morte como em sua natureza fortuita; contudo, ele não duvidará de que a providência de Deus presidiu e dirigiu fortuna para esse fim. O mesmo raciocínio se aplicará a contingências futuras. Todas as coisas futuras sendo incertas para nós, nós as mantemos em suspense, como se elas pudessem acontecer de um jeito ou de outro. No entanto, isso permanece um princípio fixo em nossos corações, de que não haverá evento que Deus não tenha ordenado. Nesse sentido, a palavra acaso é freqüentemente repetida no livro de Eclesiastes; porque, na primeira visão, os homens não penetram na primeira causa, que está profundamente escondida. E, no entanto, a doutrina da Escritura, respeitando a providência secreta de Deus, nunca foi tão obliterada nos corações dos homens, mas algumas faíscas sempre brilharam na escuridão. Assim, os feiticeiros filisteus, embora flutuassem na incerteza, atribuíam em parte os acidentes adversos a Deus, em parte à fortuna. “Se a arca”, dizem eles, “subir assim, saberemos que Deus nos fez este grande mal; mas se não, foi uma chance que nos aconteceu.” [39] Eles traíram grande loucura, de fato, depois de terem sido enganados pela adivinhação, para recorrer à fortuna; mas, ao mesmo tempo, nós os vemos contidos, de modo que não podem ousar supor que a aflição que lhes ocorreu foi fortuita. Mas como Deus, pelas rédeas de sua providência, dirige todos os eventos de acordo com seu próprio prazer, aparecerá por um exemplo eminente. No mesmo instante em que Davi foi arrebatado no deserto de Maom, eis que os filisteus fez uma invasão na terra e Saul foi obrigado a partir. Se Deus, consultando a segurança de seu servo, colocou este impedimento no caminho de Saul, então, certamente, embora os filisteus possam ter pegado em armas repentinamente, e contrário à expectativa humana, ainda assim não diremos que isso aconteceu por acaso; mas o que para nós parece uma contingência, a fé reconhecerá ter sido um impulso secreto de Deus. Não é sempre, de fato, que aparece uma razão semelhante; mas deve-se considerar indubitavelmente certo que todas as revoluções visíveis no mundo procedem do esforço secreto do poder Divino. O que Deus decreta deve necessariamente acontecer; no entanto, não é por necessidade absoluta ou natural. Encontramos um exemplo familiar em relação aos ossos de Cristo. Como ele possuía um corpo como o nosso, nenhum homem razoável negaria que seus ossos fossem capazes de ser quebrados; ainda que eles deveriam ser quebrados era impossível. Assim, novamente, percebemos que as distinções de necessidade relativa e absoluta, bem como a necessidade de consequente e de conseqüência, não foram sem razão inventadas nas escolas; desde que Deus fez os ossos de seu Filho capazes de serem quebrados, os quais, entretanto, ele havia isentado de ser realmente quebrado, e assim prevenido, pela necessidade de seu propósito, o que poderia naturalmente ter acontecido.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro I. Sobre o Conhecimento de Deus, o Criador.

Disponível em Gutenberg.



Notas:
[1] Hebreus 11. 3
[2] Mateus 6. 26; 10. 29
[3] Salmo 33. 6
[4] Salmo 33. 13
[5] Salmo 104. 27-30.
[6] Atos 17. 28.
[7] Mateus 10. 30
[8] Josué 10. 13
[9] 2 Reis 20. 11
[10] Salmo 115. 3
[11] Salmo 8. 2
[12] Jeremias 10. 2
[13] Gênesis 22. 8
[14] João 5. 17.
[15] Atos 17. 28.
[16] Hebreus 1. 3
[17] Salmo 147. 9
[18] Mateus 10. 29
[19] Salmo 113. 5, 6.
[20] Jeremias 10. 23
[21] Provérbios 20. 24
[22] Provérbios 16. 1
[23] Êxodo 21. 13
[24] Provérbios 16. 33
[25] Provérbios 29. 13
[26] Salmo 75. 6, 7.
[27] Êxodo 16. 13. Números 11. 31
[28] Jonas 1. 4
[29] Salmo 104. 3, 4
[30] Salmo 107. 25, 29.
[31] Amós 4. 9. Ageu 1. 6-11.
[32] Salmo 127. 3
[33] Gênesis 30. 2
[34] Deuteronômio 8. 3
[35] Isaías 3. 1
[36] Salmo 136. 25
[37] Salmo 34. 15, 16.
[38] Jó 14. 5
[39] 1 Samuel 6. 9

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: